Navigation – Plan du site

AccueilRubriquesColloques2024O bicentenário da independência...Entre celebrações do passado e qu...

2024
O bicentenário da independência do Brasil. História e memória de uma nação no mundo global

Entre celebrações do passado e questionamentos do presente – novas perspectivas interpretativas sobre a Independência do Brasil

Between celebrations of the past and questions of the present – new interpretative perspectives on Brazilian Independence
Cecilia Helena L. de Salles Oliveira

Résumés

O objetivo principal do artigo é o de expor novas perspectivas interpretativas sobre o tema da Independência do Brasil, construídas por um rol significativo de estudos produzidos a partir dos anos de 1980. Esses estudos abriram caminhos teóricos inovadores e contribuíram para modificar a tradicional versão da Independência como conflito de caráter colonial, conservador e protagonizado por restritos setores sociais.

Haut de page

Texte intégral

Introdução

  • 1 Robin, Régine, A memória saturada, tradução C. Dias & G. Costa, 1ª edição, Campinas, Editora da UN (...)

O passado não é livre...Quer seja celebrado ou ocultado, permanece uma questão fundamental do presente”1.

1Os festejos do Bicentenário da Independência do Brasil reforçaram as profundas imbricações entre os acontecimentos de 1822 e apropriações políticas da memória e da história nacionais. Foram marcados por manifestações populares nas quais, ao lado da exaltação oficial de uma das principais datas nacionais do país (o dia 7 de setembro), eram visíveis demonstrações críticas ou de indiferença de vários atores da sociedade. Alguns, se negaram a participar, por não se sentirem representados; outros, reafirmaram a crença de que o processo de formação da nação brasileira seria um arremedo incompleto daquilo que aconteceu em outros países americanos; outros, ainda, valorizaram o pertencimento a comunidades que, há séculos, lutam pela preservação de suas culturas, a exemplo dos povos originários.

  • 2 Guimarães, Manoel Luiz Salgado, Historiografia e nação no Brasil, 1838-1857, 1ª edição, Rio de Jan (...)
  • 3 Trouillot, Michel-Rolph, Silenciando o passado: poder e produção da história, tradução de S. Nasci (...)

2Reações ambíguas frente ao passado e ao presente foram evidenciadas, também, por estudos sobre a imaginação histórica que cerca a Independência, espraiada pela sociedade brasileira por intermédio de veículos de educação formal e informal, incluindo redes sociais e diferentes meios de comunicação2. A Independência do Brasil, o dia 7 de setembro e personagens, como D. Pedro, fazem parte de um imenso universo de conhecimentos que aprisiona a reflexão e a identidade política de gerações de brasileiros. Desse universo fazem parte, igualmente, os debates acadêmicos e a produção de saberes especializados que, mesmo ocupando lugares sociais definidos, mantém-se entrelaçados com o intrincado campo cultural e histórico que todos compartilham, conforme salientou Trouillon, ao demonstrar que a história e o conhecimento sobre ela, superam o que os historiadores investigam, interpretam e divulgam3.

3Nesse sentido, delinear novas perspectivas de análise para a Independência implica problematizar os fundamentos históricos e políticos desses saberes e pressupostos, erguidos e transformados ao longo de 200 anos. É preciso reconhecer que os imaginários e a cultura de história em torno da Independência, seguidos ainda por grandes parcelas da sociedade e por muitos historiadores, projetam um conjunto de episódios e personagens que teriam atuado em um período demarcado, entre 1808 e 1822, desenvolvendo ações cujo desfecho seria o 7 de setembro, data vista como emblema da separação de Portugal e marco da construção nacional.

4De que modo, porém, teria se forjado a narrativa que todos nós aprendemos como sendo a história da Independência? Como e por que memórias registradas por atores específicos adquiriram o estatuto de “fatos objetivos” enquanto outras foram esgarçadas e esquecidas? Poder-se-ia associar, como vem ocorrendo, a Independência a uma data específica e a um único significado? O encaminhamento dessas interrogações envolve a mobilização de bibliografia ampla bem como a escolha de percursos teóricos que venham a elucidar concepções e práticas políticas que estiveram na base da formulação do enredo histórico tradicionalmente ensinado e que recebeu enorme reforço com as festas do Bicentenário. Mais do que isso, trata-se de descobrir e investigar as múltiplas possibilidades históricas em curso no início do século XIX para reconstituir o movimento da história a partir da crítica à memória e à historiografia que se consagraram durante os séculos XIX e XX.

  • 4 Pierre Nora observou que, na configuração das identidades nacionais, ao longo do século XIX, histó (...)
  • 5 Este artigo inspira-se em duas obras de referência sobre o atual estágio dos estudos a respeito do (...)

5Para debater essas indagações, dividi este artigo em duas partes. De início, procuro discutir alguns dos fundamentos da história da Independência, tal como aprendemos a conhecê-la nesses 200 anos. Em seguida, procuro demonstrar mediações entre processo histórico, memória, política e escrita da história, o que envolve o questionamento da “história-memória nacional”4 e permite pontuar caminhos inovadores para a compreensão do movimento de Independência5.

As palavras do Imperador: arma política e narrativa da história

  • 6 Bittencourt, Vera Lúcia Nagib, De alteza real a imperador: o governo do príncipe D. Pedro, abril/1 (...)
  • 7 “Fala do Trono lida por D. Pedro I na sessão inaugural da Assembleia Geral Constituinte e Legislat (...)

6As primeiras versões sobre a Independência do Brasil foram veiculadas pelo governo de D. Pedro, bem como por periódicos e diplomatas europeus e americanos, radicados na Corte do Rio de Janeiro6. No entanto, na construção da narrativa sobre os eventos e as personagens, talvez nenhum registro se compare em relevância ao discurso pronunciado pelo Imperador quando da abertura da Assembleia Constituinte, em 3 de maio de 18237. A memória ali inscrita reverberou ao longo do século XIX, compondo a matriz predominante da história da Independência durante o período imperial no Brasil.

  • 8 A associação entre Independência e separação de Portugal não era consensual entre os protagonistas (...)
  • 9 Sobre a complexa configuração do Império, ver, entre outros István Jancsó (dir), Brasil: formação (...)
  • 10 Sobre a atuação das Cortes em Lisboa, consultar, entre outros, Berbel, Márcia, A nação como artefa (...)
  • 11 Esse relato recuperou argumentos já utilizados em pelo menos dois outros documentos de ampla circu (...)

7Naquela ocasião solene, D. Pedro, dirigindo-se aos deputados, descreveu o movimento de Independência, associando-o diretamente à separação de Portugal8. Inserindo-o em um embate que antagonizava colônia e metrópole, brasileiros e portugueses, reportou o início do movimento à chegada, em 1808, da família real de Bragança ao Rio de Janeiro, indicando a data da elevação do Brasil à condição de Reino, decretada em 16 de dezembro de 1815, como o marco da superação do período colonial. Sempre lidando com as imagens de que, em 1823, o Brasil já seria uma entidade política homogênea e unificada, submetida à autoridade da Corte fluminense, e que o Império era uma realidade tangível9, D. Pedro acusou as Cortes em Lisboa de promoverem a separação que os “brasileiros não desejavam”, mas decidiram porque se viram vítimas de leis e tropas que visavam a supostamente reavivar a opressão colonial10. Assumindo o total protagonismo do movimento separatista, ressaltou que os passos decisivos para a Independência teriam sido: o “Fico”, em 9 de janeiro de 1822, quando, a pedido do “povo” permaneceu no Rio de Janeiro, desobedecendo as Cortes em Lisboa; a expulsão de tropas portuguesas do Rio de Janeiro, em fevereiro desse ano; a atuação de um governo autônomo, por ele liderado, empenhado em enfrentar as Cortes; a viagem a província de Minas Gerais, em abril de 1822, para derrotar o “arbítrio” do então governador; a viagem a província de São Paulo, em agosto do mesmo ano, para desfazer um “partido” afeito a Portugal; a proclamação da Independência no “sempre memorável sítio do Ipiranga”; e sua coroação como Imperador, em dezembro de 1822. Fixava, desse modo, a data de 7 de setembro como sendo a da proclamação da Independência, às margens do riacho do Ipiranga, na província de São Paulo. Foi essa afirmação do Imperador que selou a memória do episódio e de sua própria figura como libertador11.

8Explicitados dessa forma, os argumentos não só naturalizavam a separação de Portugal e o governo monárquico constitucional que o Imperador e os grupos que o apoiavam pretendiam viabilizar, como indicavam uma presumida “adesão” consensual dos “povos” do Brasil às medidas adotadas no Rio de Janeiro. Além das oposições serem desqualificadas e reduzidas a pequenos focos de adeptos das Cortes, D. Pedro procurava afastar, no momento em que estava em discussão o reconhecimento da Independência por potências estrangeiras, a imagem de uma ruptura revolucionária, pois fora a autoridade nomeada pelo rei de Portugal para comandar o governo no Brasil que conduziu o processo de rompimento, salvaguardando-se a legitimidade dinástica.

  • 12 Kirschner, Tereza Cristina, José da Silva Lisboa, Visconde de Cairu, Itinerários de um ilustrado l (...)

9Dois anos depois desse registro, D. Pedro I nomeou um de seus conselheiros mais próximos para elaborar aquela que pode ser considerada a primeira interpretação detalhada da Independência. Em janeiro de 1825, José da Silva Lisboa foi encarregado de reunir documentos autênticos para perpetuar a “memória” da fundação do Império12.

  • 13 Lisboa, José da Silva. História dos principais sucessos do Império do Brasil, 1ª edição, Rio de Ja (...)
  • 14 Monteiro, Tobias, História do Império: primeiro reinado, 2ª edição, Belo Horizonte, Itatiaia, 1982 (...)

10A História dos principais sucessos políticos do Império do Brasil13 foi editada em momento marcado pela perda significativa de popularidade do Imperador e pela reorganização de oposições que questionavam a imposição da Carta de 1824 e outros atos do governo, como a repressão a adversários 14.

11Para construir sua narrativa, Silva Lisboa valeu-se de inúmeros documentos selecionados e editados ao final de cada tomo. A esse procedimento aliou sua própria reputação de literato e político, o que transformou a obra em fonte de consulta para vários historiadores que escreveram sobre o tema ao longo do século XIX, consolidando-se a memória desenhada pelo Imperador.

  • 15 Consultar entre outras coletâneas de fontes: Carvalho, José Murilo de, Bastos, Lúcia, Basile, Marc (...)

12Quando confrontada ao imenso e controverso leque de versões veiculadas nos inúmeros registros de época15, a crônica composta por Silva Lisboa apresenta-se como reconstituição deliberada de cenas e atores destinada a embasar a Fala do Trono proferida por D. Pedro, em maio de 1823. A narrativa sedimenta os vínculos entre Independência e separação de Portugal, aprisiona o processo político à imagem incruenta de uma transição continuísta e sustenta a convicção de que a sociedade fora espectador passivo diante do brilho de certas figuras, especialmente D. Pedro. Não deixou de reconhecer a atuação de outros interlocutores, a exemplo da “cabala anti-brasílica” nas Cortes em Lisboa e de “anarquistas” e “republicanos”, que pleiteavam a autonomia provincial contra a centralidade político-administrativa da Corte e os poderes da Coroa. Mas deles retirou a iniciativa e pertinência das ações, colocando-as no âmbito restrito da autoridade monárquica. Faz crer que a cronologia dos eventos foi ditada pela sucessão linear de medidas tomadas por D. João VI e por D. Pedro I, como se, no Brasil, a “revolução da Independência”, como ele mesmo designou, fosse obra e graça do Estado monárquico, enraizado desde 1808.

  • 16 Sobre esses políticos e suas interpretações, consultar: Marson, Izabel Andrade, “Do ‘império das r (...)
  • 17 Nos limites deste artigo não será possível discutir as imbricações entre escrita da história e pol (...)

13O fato de essa interpretação ter se transformado em referência política e historiográfica no século XIX não quer dizer que o debate em torno do tema tenha esmorecido ao longo do período. Pelo contrário, outros políticos e cronistas, a exemplo de John Armitage na década de 1830, Francisco Salles Torres Homem nos anos de 1840 e Teófilo Ottoni na década de 1860, nuançaram e contraditaram a argumentação de Silva Lisboa, abrindo espaço para interpretações que incluíram no rol de protagonistas as oposições à monarquia legitimada na Carta de 182416. Mas, reavaliaram o passado por meio da corrente linear de eventos que Silva Lisboa sacralizou, sem, no entanto, alterar “fatos” e datas. O mesmo enredo sobre o 7 de setembro herdado do Império foi ressignificado pela Proclamação da República, em 1889, e durante as festividades do Centenário da Independência em 192217.

(Re)construindo percursos, marcos e interpretações

14Os estudos produzidos nas últimas décadas, mesmo apresentando divergências interpretativas, articulam-se no empenho em interrogar a “história-memória nacional” herdada do século XIX, revista e ampliada durante o século XX. A produção acadêmica a partir dos anos de 1980 oferece um aporte muito rico de conhecimentos, descobertas e dúvidas, propondo uma profunda reflexão sobre as fontes e a historiografia dedicada ao tema.

  • 18 Pimenta, João Paulo, A Independência do Brasil e a experiência hispano-americana, 1808/1822, 1ª ed (...)

15A grande repercussão política e social do movimento de 1822, em virtude das impressões das testemunhas e da torrente de versões criadas em torno dele, construídas ao longo desses 200 anos, é um chamamento para investigar mais de perto aquele período histórico, interrogando-se circunstâncias, eventos e protagonistas bem como os quadros mais amplos em que se situaram ações, confrontos, guerras e decisões que inscreveram a Independência do Brasil no âmbito dos demais movimentos liberais e independentistas em curso entre os fins do século XVIII e os inícios do século XIX na América e na Europa18.

16Os eventos são produzidos e imortalizados por meio de um complexo jogo, raramente inocente, de lembranças e esquecimentos, revistos e apropriados de forma recorrente pela imediatez do presente. Os registros do movimento da história, quer produzidos em 1822, quer gerados a cada momento de reconstrução da nação e da nacionalidade, são agentes ativos da memória e da política, mas opacificam esses entrelaçamentos. Daí a pertinência das observações de Carlos Alberto Vesentini:

  • 19 Vesentini, Carlos Alberto, A teia do fato. Uma proposta de estudo sobre a memória histórica, 1ª ed (...)

17Com que critério um historiador fala das lutas e agentes de uma época que não é a sua? A interrogação ganha amplitude quando lembramos que essa época ainda projeta sua força, suas categorias sobre o presente e sobre quem a historia... Nesse sentido, entender a história como uma memória e perceber a integração que ocorre de maneira contínua entre a herança recebida e projetada até nós e a reflexão a debruçar-se sobre esse passado constitui-se em questão e pareceu-me relevante para a aproximação do que é tomado tão-somente por historiografia. Esta poderia deixar ao leitor menos avisado a percepção de que o objeto mesmo sobre o qual ela se debruça – temas, fatos, agentes ali colocados – tem existência objetiva independentemente do seu engendramento no processo de luta e da força de sua projeção e recuperação, como tema, em cada momento específico que o retoma e refaz19.

  • 20 Lefort, Claude, As formas da história, tradução Marilena Chauí, 1ª edição, São Paulo, Brasiliense, (...)

18O Autor alerta para duas questões que, a meu ver, são essenciais quando se trata da Independência do Brasil e do modo como foi descrita, ensinada e banalizada por meio de incontáveis abordagens e suportes. A primeira, diz respeito às imbricações entre o enredo traçado por D. Pedro, a consolidação do 7 de setembro como marco do nascimento da nação e a configuração de uma “história-memória nacional” que ilumina tanto a leitura das fontes quanto as interpretações amplamente divulgadas sobre o período. A ela encontra-se vinculada uma forma de escrita da história assentada na “convicção realista”, segundo a qual, julgamos que a história se processa antes que o historiador faça dela seu objeto”20.

19Dessas considerações emerge a segunda questão: a impossibilidade do historiador, no estudo das fontes e da historiografia, desconsiderar os vínculos profundos que envolvem o movimento da história, a escrita da história e as lutas políticas seja no passado seja no presente. Relações de poder marcam a produção, a sobrevivência e a circulação de registros e narrativas, gravando as vozes dos sujeitos cuja vocalidade se sobrepõe à de outros atores, o que promove seus silenciamentos e desaparecimentos. Assim, a voz de D. Pedro, por exemplo, se sobrepôs à de muitos outros atores.

  • 21 Marilena Chauí alertou para o fato de que o contraponto aos fundamentos da “história- memória naci (...)

20Esses mesmos procedimentos de saber e poder foram transpostos para outros processos de seleção, salvaguarda e descarte de vestígios do passado21. Os silenciamentos não são o efeito da ausência de evidências, mas sobretudo dos modos pelos quais, por intermédio da “história-memória nacional”, rastros e narrativas do passado foram eliminados ou então recolhidos, classificados e conservados, transformando-se em referências para o conhecimento. Isso ocorre na composição de acervos particulares e, especialmente, na organização de instituições públicas de cultura e ciência que definem em suas políticas aquilo que será considerado patrimônio a ser preservado por intermédio das premissas estabelecidas, historicamente, pelos saberes que já se consagraram.

  • 22 Pires, Francisco Murari, “O fardo e o fio: na contramão da procissão historiográfica”, História da (...)

21Recuperando metáforas debatidas por Francisco Murari Pires22 em relação ao campo historiográfico, mostra-se fundamental que, nos dias de hoje, o pesquisador dedicado ao tema esteja voltado, entre outros aspectos, para o esforço de “desfiar o fardo” legado a nós por duzentos anos de interpretações. Em concomitância, é fundamental, também, refazer e “deslindar os fios” que ainda nos prendem às heranças da “história-memória nacional”, reconhecendo ali afirmações e indícios a serem questionados. Compreender e reconstituir o passado é mais do que interrogar vestígios, testemunho e memórias. É descortinar veredas que possam iluminar no presente e no futuro outras independências, o que efetivamente as mais recentes contribuições têm indicado.

  • 23 Oliveira & Pimenta, 2022.

22Nesse sentido, é possível sumariar as mais importantes vertentes de investigação desenvolvidas atualmente23, ressaltando-se o imenso esforço dos pesquisadores na direção de revisitar coleções documentais já conhecidas e ampliar o escopo das fontes sobre o período, explorando, por exemplo, coleções iconográficas e tridimensionais.

  • 24 Oliveira, 2022; Oliveira & Pimenta, 2022.

23Disso resultou, em primeiro lugar, o reconhecimento de que, nas décadas de 1820 e 1830, constituíram-se e foram debatidos, dentro e fora dos lugares institucionalizados da política, projetos de Estado e de nação que se diferenciavam da proposta de monarquia constitucional que prevaleceu no primeiro reinado (1822-1831). Inúmeros estudos identificaram que tanto a opção monárquica capitaneada por D. Pedro quanto a construção de um Império constitucional e centralizado na América impuseram-se a outras alternativas políticas em discussão, entre as quais a da independência do Brasil sem o rompimento com Portugal24.

24Pela força das armas e pelas pressões econômicas, poderosos setores sociais fluminenses acabaram carreando para si o apoio de negociantes e produtores de províncias como Minas Gerais e São Paulo, dando sustentação à separação de Portugal e ao governo de D. Pedro. Desde o período joanino, esses setores haviam erguido, em torno da Corte do Rio de Janeiro e das áreas de expansão agrícola fluminenses, paulistas e mineiras, seus principais pilares de sustentação mercantil, entre os quais estavam os negócios de importação e exportação e o tráfico negreiro. Isso quer dizer que, na contramão das afirmações de D. Pedro, em 1823, a defesa da separação de Portugal e a configuração de um Estado unificado e centralizado representavam uma das possibilidades históricas em curso. Não era a única tampouco a que reunia maiores apoios no interior da sociedade, dada a grande repercussão que tiveram as premissas constitucionais e liberais das Cortes em Lisboa. O rompimento entre os dois Reinos foi se delineando ao mesmo tempo em que se tornou incontornável a luta pela hegemonia dentro do Império português, entre o governo em Lisboa e o governo no Rio de Janeiro. A ruptura aliada à proposta de monarquia centralizadora era o projeto simbolizado por D. Pedro.

25O reconhecimento de perspectivas políticas de diferente teor e de distintas inserções sociais nos anos de 1820 no Brasil, ensejou estudos que deslocaram o foco das abordagens da Corte do Rio de Janeiro para outras regiões. Isso favoreceu a compreensão espaço-territorial de manifestações e reivindicações que, por muito tempo, haviam ficado subordinadas a um olhar fixado no Rio de Janeiro, como se a Corte e a cidade que a abrigava pudessem expressar a diversidade e multiplicidade de circunstâncias que se verificaram, por exemplo, em Belém, em Salvador, no Recife, no Rio Grande de São Pedro e mesmo em Montevidéu e Buenos Aires, áreas fortemente articuladas à América portuguesa.

  • 25 Oliveira & Pimenta, 2022.

26Todos esses aspectos levaram a um outro ponto fundamental. As vinculações entre política e cultura, projetadas na imprensa e na imensa quantidade de publicações naquele período, demonstravam por sua repercussão que a sociedade colonial era muito mais complexa e nuançada do que se avaliava. Ou seja, a investigação sobre as lutas e os debates políticos conduziu a uma revisão das interpretações correntes sobre as relações sociais. Inúmeros estudos encontraram referências robustas sobre variadas formas de posse e propriedade da terra; sobre a presença e atuação de pequenos e médios proprietários; sobre confrontos em torno da concentração da propriedade da terra; sobre a multiplicidade étnica e racial da sociedade; sobre as condições de vida e sobrevivência de homens e mulheres livres, libertos e pobres; sobre as condições de aldeias indígenas e a expropriação contínua dessas populações; e sobre a escravidão e a especificidades das relações escravistas no Brasil25. Evidenciaram-se, assim, formas de participação política de segmentos sociais múltiplos e de amplos setores populares.

  • 26 Marson, 2009; Arendt, Hannah, Sobre la revolución, tradução Pedro Bravo, 1ª edição, Madrid, Edicio (...)
  • 27 Bresciani, Stella, O charme da ciência e a sedução da objetividade, 2ª edição, São Paulo, UNESP, 2 (...)
  • 28 Febvre, Lucien, Combats pour l´histoire. 2ª edición, Paris, Armand Colin, 1953, p. 114.

27Finalmente, a Independência deixou de ser interpretada como um episódio recortado que a memória histórica resguardou, para ser compreendida como um tema da política que atravessou a história do Brasil e ainda mobiliza a sociedade. O tema da Independência manteve, no século XIX, forte vinculação com o tema da revolução liberal, articulando-se, desse modo, ao processo de configuração da monarquia e do Império e foi questão recorrentemente debatida pelos políticos e historiadores que protagonizaram aquelas primeiras experiências do liberalismo no Brasil26. Extrapolando, portanto, os estreitos limites que a “história-memória nacional” consagrou, as atuais investigações não só ampliaram cronologias, trabalhando com o período entre a segunda metade do século XVIII e as três primeiras décadas do século XIX, como têm contribuído para questionar pressupostos segundo os quais no Brasil haveria profunda clivagem entre liberalismo e escravidão e o Império não passaria de uma etapa colonial tardia à espera de um futuro supostamente mais afinado com os modelos de “progresso” sinalizados pelas nações europeias e norte-americana. Esses “lugares-comuns”27 sobre a sociedade brasileira que tanto interferem no entendimento do passado e do presente vêm sendo postos em xeque por duas preciosas sugestões de Lucien Febvre: a de que é necessário complicar o que parece simples e já estabelecido; e a de que não cessa o trabalho de repensar os saberes acumulados diante das “novas condições de existência que os homens, nos marcos do tempo, não cessam de forjar.”28.

Haut de page

Bibliographie

Araújo, Valdei Lopes, “Cairu e a emergência da consciência historiográfica no Brasil, 1808/1830”, em Neves, Lucia Maria Bastos Pereira das et. al.(dir), Estudos de historiografia brasileira, Rio de Janeiro, Editora FGV, 2011, p. 75-92.

Arendt, Hannah, Sobre la revolución, tradução Pedro Bravo, 1ª edição, Madrid, Ediciones de la Revista de Ocidente, 1967.

Berbel, Márcia, A nação como artefato, 1ª edição, São Paulo, HUCITEC/FAPESP, 1999.

Bittencourt, Vera Lúcia Nagib, De alteza real a imperador: o governo do príncipe D. Pedro, abril/1821-outubro/1822, tese de doutorado, São Paulo, Programa de Pós-Graduação em História Social, USP, 2007.

Bresciani, Stella. O charme da ciência e a sedução da objetividade, 2ª edição, São Paulo, UNESP, 2007.

Cardoso, José Luís, “A revolução de 1820”. Almanack, 2022, n.30, edoo422, URL http://periodicos.unifesp.br/index.php/alm/issue/view/834. Consultado em 10 de janeiro de 2023.

Carvalho, José Murilo de, Bastos, Lúcia, Basile, Marcelo (dir), Guerra Literária. Panfletos da Independência, 1820-1823, Belo Horizonte, Editora UFMG, 2014, 4 volumes.

Castro, Zília Osório de et al, A revolução de 1820: leituras e impactos, 1ª edição, Lisboa, Universidade de Lisboa, ICS, 2022.

Chauí, Marilena, Cultura e democracia, 5ª edição, São Paulo, Cortez, 1990.

“Fala do Trono lida por D. Pedro I na sessão inaugural da Assembleia Geral Constituinte e Legislativa do Império do Brasil, 3 de maio de 1823”, Diário da Assembleia Geral Constituinte e Legislativa do Império do Brasil, edição fac-similar, Brasília, Senado Federal, 2003, tomo I.

Febvre, Lucien, Combats pour l´histoire, 2ª editión, Paris, Armand Colin, 1953.

Gomes, Ângela de Castro “O contexto historiográfico da criação do Museu Histórico Nacional: cientificismo e patriotismo na narrativa da história nacional”, Anais do Seminário Internacional 90 anos do Museu Histórico Nacional, Rio de Janeiro, MINc/MHN, 2014, p. 14-30.

Grinberg, Keila & Salles, Ricardo (dir), O Brasil Imperial, Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 2009, vol. 1.

Guimarães, Manoel Luiz Salgado, Historiografia e nação no Brasil, 1838-1857, 1ª edição, Rio de Janeiro, Editora da UERJ, 2011.

Jancsó, István (dir), Brasil: formação do Estado e da nação, São Paulo, HUCITEC/FAPESP, 2003.

Janotti, Maria de Lourdes. “O diálogo convergente: políticos e historiadores no início da República” em Freitas, Marcos César (dir), Historiografia Brasileira em questão, 1ª edição, São Paulo, Contexto, 1998, p. 119-144.

Kirschner, Tereza Cristina, José da Silva Lisboa, Visconde de Cairu. Itinerários de um ilustrado luso-brasileiro, 1ª edição, São Paulo, Alameda/ PUC-Minas, 2009.

Lefort, Claude, As formas da história, tradução Marilena Chauí, São Paulo, Brasiliense, 1979.

Lisboa, José da Silva, História dos principais sucessos do Império do Brasil, 1ª edição, Rio de Janeiro, Tipografia Nacional, 1827-1830, 4 tomos, acervo da Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro.

Marson, Izabel Andrade, “Do ‘império das revoluções’ ao ‘império da escravidão’: temas, argumentos e interpretações da história do Império, 1822/1950”, História: questões & debates, Curitiba, 2009, n. 50, p. 125-174.

Monteiro, Tobias, História do Império: primeiro reinado, Belo Horizonte, Itatiaia, 1982, 2 vols.

Nora, Pierre, Présent, nation, mémoire, 1ª. Edición, Paris, Gallimard, 2011.

Oliveira, Cecilia Helena de Salles & Pimenta, João Paulo (dir), Dicionário da Independência do Brasil, 1ª. edição, São Paulo, Editora da Universidade de São Paulo/ Publicações da Biblioteca Brasiliana/USP, 2022.

Oliveira, Cecilia Helena de Salles, A Astúcia Liberal: relações de mercado e projetos políticos no Rio de Janeiro, 1820/1824, 2ª. edição, São Paulo, Intermeios/PPG História Social,2020.

Oliveira, Cecilia Helena de Salles, Ideias em confronto. Embates pelo poder na Independência do Brasil, 1808/1825, 1ª. edição, São Paulo, Todavia, 2022.

Pimenta, João Paulo et al “A Independência e uma cultura de história do Brasil”, Almanack, 2014, n. 8, p. 5-36, URL http://periodicos.unifesp.br/index.php/alm/issue/view/822. Consultado em 31 de janeiro de 2021.

Pimenta, João Paulo, A Independência do Brasil e a experiência hispano-americana, 1808/1822, 1ª edição, São Paulo, HUCITEC, 2015.

Pires, Francisco Murari, “O fardo e o fio: na contramão da procissão historiográfica”, História da Historiografia, 2014, v. 7, n. 15, p. 70-88, URL http://historiadahistoriografia.com.br/revista/issue/view/HH15. Consultado em 31 de janeiro de 2022.

Robin, Régine, A memória saturada, tradução C. Dias & G. Costa, 1ª edição, Campinas, Editora da UNICAMP, 2016.

Trouillot, Michel-Rolph, Silenciando o passado: poder e produção da história, tradução de S. Nascimento, 1ª edição, Curitiba, huya, 2016.

Vesentini, Carlos Alberto, A teia do fato. Uma proposta de estudo sobre a memória histórica, 1ª edição, São Paulo, HUCITEC/PPG História Social da USP, 1997.

Haut de page

Notes

1 Robin, Régine, A memória saturada, tradução C. Dias & G. Costa, 1ª edição, Campinas, Editora da UNICAMP, 2016, p. 31.

2 Guimarães, Manoel Luiz Salgado, Historiografia e nação no Brasil, 1838-1857, 1ª edição, Rio de Janeiro, Editora da UERJ, 2011; Pimenta, João Paulo et al “A Independência e uma cultura de história do Brasil”, Almanack, 2014, n. 8, p. 5-36, URL http://periodicos.unifesp.br/index.php/alm/issue/view/822. Consultado em 31 de janeiro de 2021.

3 Trouillot, Michel-Rolph, Silenciando o passado: poder e produção da história, tradução de S. Nascimento, 1ª edição, Curitiba, huya, 2016, capítulo 1.

4 Pierre Nora observou que, na configuração das identidades nacionais, ao longo do século XIX, história e memória se entrelaçaram compondo o substrato para a escrita da história da formação das nações modernas. Nora, Pierre, Présent, nation, mémoire, 1ª edición, Paris, Gallimard, 2011, p. 19-22.

5 Este artigo inspira-se em duas obras de referência sobre o atual estágio dos estudos a respeito do tema: Oliveira, Cecilia Helena de Salles & Pimenta, João Paulo (dir), Dicionário da Independência do Brasil, 1ª. edição, São Paulo, Editora da Universidade de São Paulo/ Publicações da Biblioteca Brasiliana/USP, 2022 e Oliveira, Cecilia Helena de Salles, Ideias em confronto. Embates pelo poder na Independência do Brasil, 1808/1825, 1ª. edição, São Paulo, Todavia, 2022.

6 Bittencourt, Vera Lúcia Nagib, De alteza real a imperador: o governo do príncipe D. Pedro, abril/1821-outubro/1822, tese de doutorado, São Paulo, Programa de Pós-Graduação em História Social, USP, 2007.

7 “Fala do Trono lida por D. Pedro I na sessão inaugural da Assembleia Geral Constituinte e Legislativa do Império do Brasil, 3 de maio de 1823”, Diário da Assembleia Geral Constituinte e Legislativa do Império do Brasil, edição fac-similar, Brasília, Senado Federal, 2003, tomo I, p. 15-18.

8 A associação entre Independência e separação de Portugal não era consensual entre os protagonistas das lutas políticas à época. Foram interpretações historiográficas no século XIX, a partir das afirmações de D. Pedro I, que selaram essa associação. Oliveira, Cecilia Helena de Salles, A Astúcia Liberal: relações de mercado e projetos políticos no Rio de Janeiro, 1820/1824, 2ª edição, São Paulo, Intermeios/PPG História Social, 2020, cap. 3.

9 Sobre a complexa configuração do Império, ver, entre outros István Jancsó (dir), Brasil: formação do Estado e da nação, 1ª edição, São Paulo, HUCITEC/FAPESP, 2003.

10 Sobre a atuação das Cortes em Lisboa, consultar, entre outros, Berbel, Márcia, A nação como artefato, 1ª. edição, São Paulo, HUCITEC/FAPESP, 1999; Castro, Zília Osório de et al, A revolução de 1820: leituras e impactos, 1ª edição, Lisboa, Universidade de Lisboa, ICS, 2022; Cardoso, José Luís, “A revolução de 1820”, Almanack, 2022, n. 30, edoo422, URL http://periodicos.unifesp.br/index.php/alm/issue/view/834. Consultado em 10 de Janeiro de 2023.

11 Esse relato recuperou argumentos já utilizados em pelo menos dois outros documentos de ampla circulação produzidos pelo governo: os Manifestos datados de 1 e 6 de agosto de 1822. Oliveira & Pimenta, 2022, p. 589-591.

12 Kirschner, Tereza Cristina, José da Silva Lisboa, Visconde de Cairu, Itinerários de um ilustrado luso-brasileiro, 1ª edição, São Paulo, Alameda/ PUC-Minas, 2009; Araújo, Valdei Lopes, “Cairu e a emergência da consciência historiográfica no Brasil, 1808/1830” em Neves, Lucia Maria Bastos Pereira das et al (dir), Estudos de historiografia brasileira, 1ª edição, Rio de Janeiro, Editora FGV, 2011, p. 75-92.

13 Lisboa, José da Silva. História dos principais sucessos do Império do Brasil, 1ª edição, Rio de Janeiro, Tipografia Nacional, 1827-1830, 4 tomos, acervo da Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro.

14 Monteiro, Tobias, História do Império: primeiro reinado, 2ª edição, Belo Horizonte, Itatiaia, 1982, 2 vols; Grinberg, Keila & Salles Ricardo (dir), O Brasil Imperial, 1ª edição, Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 2009, vol. 1.

15 Consultar entre outras coletâneas de fontes: Carvalho, José Murilo de, Bastos, Lúcia, Basile, Marcelo (dir), Guerra Literária. Panfletos da Independência, 1820-1823, 1ª edição, Belo Horizonte, Editora UFMG, 2014, 4 volumes.

16 Sobre esses políticos e suas interpretações, consultar: Marson, Izabel Andrade, “Do ‘império das revoluções’ ao ‘império da escravidão’: temas, argumentos e interpretações da história do Império, 1822/1950”, História: questões & debates, Curitiba, 2009, n. 50, p. 125-174.

17 Nos limites deste artigo não será possível discutir as imbricações entre escrita da história e política na passagem do século XIX para o século XX, momento em que os fundadores da República buscavam articular o novo regime à construção da nacionalidade sem desqualificar a obra realizada pelo Império. Sobre o tema consultar, entre outros Janotti, Maria de Lourdes, “O diálogo convergente: políticos e historiadores no início da República” em Freitas, Marcos César (dir), Historiografia Brasileira em questão, 1ª edição, São Paulo, Contexto, 1998, p. 119-144; Gomes, Ângela de Castro “O contexto historiográfico da criação do Museu Histórico Nacional: cientificismo e patriotismo na narrativa da história nacional”, Anais do Seminário Internacional 90 anos do Museu Histórico Nacional, Rio de Janeiro, MINc/MHN, 2014, p. 14-30.

18 Pimenta, João Paulo, A Independência do Brasil e a experiência hispano-americana, 1808/1822, 1ª edição, São Paulo, HUCITEC, 2015.

19 Vesentini, Carlos Alberto, A teia do fato. Uma proposta de estudo sobre a memória histórica, 1ª edição, São Paulo, HUCITEC/PPG História Social da USP, 1997, p. 15-18.

20 Lefort, Claude, As formas da história, tradução Marilena Chauí, 1ª edição, São Paulo, Brasiliense, 1979, p. 256-257.

21 Marilena Chauí alertou para o fato de que o contraponto aos fundamentos da “história- memória nacional” não está em uma outra história supostamente “verdadeira”, mas assentada em procedimentos de saber semelhantes. Seria uma ilusão trabalhar com a oposição verdade/falsidade no processo de compreensão do movimento da história e reconstituição do passado. Para ela, assim como para Vesentini, a partilha se dá não entre ideologia e ciência, mas entre ideologia e crítica. O discurso crítico é o que pode oferecer elementos para evidenciar os nexos entre memória, política, escrita da história e poder. Não é um discurso da objetividade, mas um processo de conhecimento que reconhece a configuração simultânea do sujeito e do objeto. Chauí, Marilena, Cultura e democracia, 5ª edição, São Paulo, Cortez, 1990, p. 22.

22 Pires, Francisco Murari, “O fardo e o fio: na contramão da procissão historiográfica”, História da Historiografia, 2014, v. 7, n. 15, p. 70-88, URL http://historiadahistoriografia.com.br/revista/issue/view/HH15. Consultado em 31 de janeiro de 2022.

23 Oliveira & Pimenta, 2022.

24 Oliveira, 2022; Oliveira & Pimenta, 2022.

25 Oliveira & Pimenta, 2022.

26 Marson, 2009; Arendt, Hannah, Sobre la revolución, tradução Pedro Bravo, 1ª edição, Madrid, Ediciones de la Revista de Ocidente, 1967.

27 Bresciani, Stella, O charme da ciência e a sedução da objetividade, 2ª edição, São Paulo, UNESP, 2007.

28 Febvre, Lucien, Combats pour l´histoire. 2ª edición, Paris, Armand Colin, 1953, p. 114.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Cecilia Helena L. de Salles Oliveira, « Entre celebrações do passado e questionamentos do presente – novas perspectivas interpretativas sobre a Independência do Brasil »Nuevo Mundo Mundos Nuevos [En ligne], Colloques, mis en ligne le 21 juin 2024, consulté le 19 juillet 2024. URL : http://journals.openedition.org/nuevomundo/96093 ; DOI : https://doi.org/10.4000/11vrk

Haut de page

Auteur

Cecilia Helena L. de Salles Oliveira

Museu Paulista da USP/ PPG História Social da USP

Haut de page

Droits d’auteur

CC-BY-NC-ND-4.0

Le texte seul est utilisable sous licence CC BY-NC-ND 4.0. Les autres éléments (illustrations, fichiers annexes importés) sont « Tous droits réservés », sauf mention contraire.

Haut de page
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search