Navigation – Plan du site
II Política y sociedad en las revistas ilustradas de los años 30 y 40

A fotografia numa era de política de massas latinoamericana: as revistas S.Paulo (Brasil, 1936) e Rotofoto (México, 1938)

Photography in the Era of Latin American Mass Politics: S.Paulo (Brazil, 1936) and Rotofoto (Mexico, 1938) Magazines
La photographie à l’ère de la politique de masses latino-américaine : les revues S. Paulo (Brésil, 1936) et Rotofoto (Mexico, 1938)
La fotografía en la era de la política de masas latinoamericana: las revistas S. Paulo (Brasil, 1936) y Rotofoto (México, 1938)
Carlos Alberto Sampaio Barbosa

Résumés

L’objectif de cet article est de réaliser une comparaison entre deux revues illustrées à la vie éphémère dans leurs pays respectifs au cours de la décennie des années trente : la revue S. Paulo (Brésil, 1935/1936) et, en contrepoint, la revue Rotofoto (Mexico, 1938). Pour ce faire, je cherche à examiner en particulier comment se sont constitués des thèmes communs aux deux pays, qui ont contribué à l’imaginaire politique latino-américain. Je pars de l’hypothèse –malgré un contact difficile entre le Mexique et le Brésil en raison de la différence linguistique, de la distance et d’un manque d’échange entre leurs intellectuels– qu’il y a eu des échanges de propositions politiques et culturelles principalement au sein des réseaux d’artistes et d’intellectuels. Cette problématique sous-tend la comparaison de ces deux revues. Elles présentent toutes deux des plateformes privilégiées pour l’étude comparative entre les deux pays et la culture visuelle établie dans ces deux sociétés. Mon objectif est de montrer comment ces deux revues culturelles ont largement utilisé la photographie comme élément central de leur projet graphique tout en transmettant à travers leurs pages le moment politique de chaque pays.

Haut de page

Texte intégral

I/Introdução

1O objetivo deste artigo é fazer uma comparação entre duas revistas ilustradas que tiveram vida efêmera na década de 1930 em seus respectivos países: a revista S.Paulo, editada no Brasil no ano de 1936 em contraponto com a revista Rotofoto publicada no México apenas durante o ano de 1938. A escolha dessas duas revistas deve-se a três fatores principais: em primeiro lugar, a opção das duas publicações em utilizar a fotografia como meio privilegiado de expressão; ademais, ambas as publicações partiam de um perfil oposicionista dentro do espectro político dos respectivos países; e, por fim, pelo fato, de que suas circulações estarem temporalmente próximas.

2Busco examinar em especial de que maneira as temáticas compartilhadas pelos dois países constribuíram para a construção do imaginário político latino-americano. Esta apresentação é um recorte de uma pesquisa mais ampla na qual que procuro refletir sobre a circulação de ideias culturais e políticas entre o México e o Brasil, na primeira metade do século XX. Embora minha intenção não seja uma análise exaustiva, procuro averiguar diferentes suportes visuais, como as fotografias estampadas na imprensa diária, assim como nas revistas ilustradas, cartazes, gravuras e demais expressões artísticas que subsidiaram essa circulação de ideias estéticas e políticas entre ambos os países. Apesar das dificuldades que embora as dificuldades de contatos entre mexicanos e brasileiros devido à diferença lingüística, distância e falta de um contato maior entre seus intelectuais, defendo a hipótese que ocorreram intercâmbios de propostas políticas e culturais principalmente entre redes de sociabilidade de artistas e intelectuais. A comparação entre as revistas se insere dentro dessa problemática mais ampla.

3Na primeira metade do século XX os países latino-americanos passaram por profundas mudanças tanto sociais, políticas como culturais. As transformações foram marcantes devido, em especial, ao desenvolvimento industrial, no contexto da substituição de importações, com a configuração de um mercado interno em forte crescimento, que absorvia então levas de migrantes deslocados do campo para as cidades e estrangeiros. Ao longo desse período, as cidades se transformaram rapidamente ao mesmo tempo em que surgia uma indústria cultural de massa e seus respectivos dispositivos como o cinema, as revistas ilustradas, o rádio e posteriormente a televisão. Esses elementos representavam o modo moderno de sociabilidade urbana que deu origem a novos padrões de visualidade e a uma pedagogia do olhar nesse espaço em metamorfose. Embora essas mudanças tivessem se iniciado ainda no final do século XIX, elas se potencializariam durante o século XX em especial entre as décadas de 1920 e 1930, o possibilitou uma sensibilidade visual distinta das anteriores. Estas transformações atingiram um momento decisivo na virada dos anos 1940 para os anos de 1950.

4Assim os limites cronológicos deste projeto enquadram-se entre os anos 1920 e 1950. Afinal foi nesses anos que se desenvolveu uma cultura visual que predominaria ao longo do século XX no continente americano, consubstanciada nas películas do cinema, por fotografias, e imagens levadas a cabo por anúncios publicitários, estampadas em livros, cartazes e impressas nas revistas culturais ou mesmo em reformas urbanas com novas conformações arquitetônicas. Julgo que neste momento se estabelece uma cultura visual gestora de um novo imaginário político, identidade nacionais e transnacionais. Essas décadas representam um momento privilegiado para se examinar como se constituíram repertórios visuais comuns e uma cultura visual partilhada tanto pelo Brasil como no México.

5Cabe dizer, com relação às balizas temporais, que este período foi marcado pela fundação de diversas revistas culturais tais como a Klaxon no Brasil, Amauta no Peru, Avance em Cuba e Martin Fierro, Nueva Revista na Argentina. (SCHWARTZ 1995) As revistas culturais e, claro, principalmente as ilustradas foram os grandes veículos das vanguardas e, na dimensão visual, serviram de suportes a novas experiências imagéticas sempre com forte conteúdo político. As revistas tiveram um papel decisivo para a história da fotografia e as imagens de uma forma geral. No caso da fotografia cabe lembrar que é nesse período que surge o fotojornalismo moderno com o advento das grandes revistas ilustradas como a Vu (1928) francesa e a Life (1936) norte-americana. (SOUGEZ 2007).

  • 1 Para um aprofundamento da discussão sobre a estética moderna e o fotojornalismo brasileiro, assim c (...)

6Nos âmbitos dos países que investigamos neste artigo, o final da década de 1920 e o início de 1930 foram marcados pelo surgimento de diversas revistas ilustradas e do fotojornalismo moderno com a revista Todo (1927) dirigida por Félix Palavicini; na década seguinte com as revistas Ilustrado, Vea, Revista em Revistas, Jueves de Excelsior, Sucesos, Hoy e finalmente Rotofoto, sendo as duas últimas dirigidas pelos irmãos Regino e José Pagés Llergo. (Monroy Nasr 2003) No caso brasileiro, a grande referência foi a revista O Cruzeiro (1928).1

  • 2 A revista AIZ, embora não oficialmente vinculada ao Partido Comunista Alemão (KPD) era próxima ideo (...)
  • 3 John Heartfield (1891-1968) foi um artista alemão conhecido por suas fotomontagens. Seu nome de bat (...)
  • 4 A revista Regards foi uma continuidade da Nos Regards e ao contrário da revista AIZ estava vincula (...)

7Veremos também o surgimento de revistas populares e engajadas politicamente, tais como a Arbeiter Illustrierte ZeitungAIZ2 na Alemanha em 1921. Este magazine próximo à ideologia comunista, estampava em suas páginas fotomontagens antifascistas como, por exemplo, os trabalhos do alemão John Heartfield3. Enquanto que, do outro lado do Reno, na França surgia a revista Regards4 em 1932, magazine ligado ao Partido Comunista Francês, que publicou fotografias de Robert Capa, Gerda Taro e Henri Cartier-Bresson. São dois exemplos de revistas que impulsionaram o fotojornalismo moderno e neste sentido anteciparam-se à revista Life e Vu e mesmo à Paris Match (1949).

  • 5 Plutarco Elias Calles foi presidente mexicano entre 1924 e 1928, neste último ano fora eleito Álvar (...)

8As revistas S.Paulo e Rotofoto circularam em momentos de ascensão de governos que adotaram a política de massas nos dois países. No Brasil, Getúlio Vargas assumiu o poder em 1930 através de um golpe de Estado e instituiu o Estado Novo em 1937. No México, Lázaro Cárdenas chegou ao poder em 1934, com o apoio do “Chefe Máximo”, Plutarco Elias Calles, título conferido ao ex-presidente pelo controle que exercia tanto sobre o Partido Nacional Revolucionário como sobre a estrutura burocrática do Estado mexicano e dos próprios presidentes que o sucederam5. Entretanto, em 1935 Cárdenas rompeu com Calles e a partir deste momento realizou um governo de reformas radicais que concluiu o projeto da Revolução Mexicana.

9As revistas se apresentam como plataformas privilegiadas para o estudo comparativo destes dois países e a cultura visual que se estabeleceu nestas duas sociedades. Meu objetivo é flagrar como duas revistas ilustradas voltadas para um público mais amplo veicularam em suas páginas o momento político dos dois países. Quero averiguar quais temáticas foram mais recorrentes. Nesta apreciação preliminar destaco o tema das cidades e do urbano, sua industrialização, como sinônimo de modernidade e o conseqüente surgimento da multidão ou massa, o recurso a um passado (memória ou história) para se referenciar nos embates políticos do momento

II/Revista S.Paulo

  • 6 Muito das minhas reflexões referentes a revista S.Paulo devo a dissertação de mestrado de TAKAMI, M (...)
  • 7 Rotogravura é um processo de impressão derivado das formas cilíndricas e do princípio rotativo das (...)
  • 8 As referências que utilizo neste artigo para discutir a revista S.Paulo são tributárias do artigo d (...)

10A Revista S. Paulo6 circulou apenas ao longo do ano de 1936. Periódico mensal lançado em 31 de dezembro de 1935, publicou somente 10 números, sendo o último referente aos meses de novembro e dezembro de 1936. Revista de grande formato (31,5 cm por 45 cm), 24 páginas (exceto o exemplar 10 com 36 páginas) era impressa no sistema de rotogravura 7. Esse sistema permitia uma excelente qualidade para as imagens fotográficas estampadas em suas páginas. Algumas imagens podiam ser inseridas em páginas que se desdobravam no sentido horizontal tornando-as duplas (45 x 66 cm.). Alguns números possuíam versões de pequenos trechos para o inglês. Era vendida em banca e por assinatura, sua primeira tiragem atingiu a cifra de 40.000 exemplares, número grandioso para a época, e o sucesso fez com que seus organizadores lançassem uma segunda tiragem. 8

11A direção da revista coube a Cassiano Ricardo (1895–1974) e Menotti Del Picchia (1892–1988). A dupla participou da Semana de Arte Moderna e posteriormente fundou os grupos Verde Amarelo e Anta juntamente com Plínio Salgado e Raul Bopp. Intelectuais com importante atuação cultural e política nas décadas de 1920 e 1930, participaram da fundação e edição de outros jornais e revistas. As fotografias foram feitas por Benedito Junqueira Duarte (1910–1995) em conjunto com o fotógrafo alemão radicado no Brasil Theodor Preising.

  • 9 Estes dados foram retirados de Boris Kossoy que condensou informações de entrevista concedida a ele (...)
  • 10 Hoje o acervo de Preising se encontra no Museu Paulista da USP e já existe pesquisas em andamento c (...)

12Cabe destacar alguns dados biográficos dos fotógrafos mencionados acima. Theodor Preising 9 nasceu em Hildesheim, na Saxônia (Alemanha), a 3 de janeiro de 1882. Pouco se sabe de seu aprendizado fotográfico, apenas que iniciou o ofício fotografando turistas em cidades balneárias como Baden-Baden e, para além de suas atividades como retratista, se interessava pelo registro da natureza. Fundou seu ateliê em Berlim, em data possivelmente anterior a 1914, e em seguida casou-se com Elizabeth Elfride Koesewitz, com quem teve três filhos. Com a deflagração da Primeira Grande Guerra, foi convocado para servir no Exército, período em que sua esposa manteve em funcionamento o estabelecimento. Diante da recessão econômica da crescente inflação que assolava a Alemanha do pós-guerra, ele decidiu emigrar para a América do Sul. Viajou primeiro só, em 1923, e após uma breve passagem pelo Rio de Janeiro resolveu conhecer São Paulo, cidade que lhe pareceu promissora. Benedito Junqueira Duarte, em seu depoimento ao Museu da Imagem e do Som de São Paulo, refere-se a Preising como um fotógrafo extremamente técnico e muito influenciado pelos modernistas. Teria sido o responsável pela introdução e difusão da câmara Leica e do formato 35 mm na cidade. (Kossoy 2004, 404).10

  • 11 Mário de Andrade (1893-1945) foi um artista-intelectual dos mais atuantes na primeira metade do séc (...)

13Benedito Junqueira Duarte (1910–1995) nasceu em Franca, interior do estado de São Paulo, em 1910, e era irmão de Paulo Duarte, importante intelectual com participação ativa na vida política e cultural brasileira do século XX. Com onze anos foi para Paris, morar com seus tios, onde aprendeu o oficio de fotógrafo no estúdio montado na residência destes. Após trabalhar em estúdios parisienses, retornou para o Brasil em 1929, onde rapidamente se inseriu no mundo cultural da cidade. Trabalhou no jornal Diário Nacional e também foi contratado pela Prefeitura de São Paulo para ser responsável pela Seção de Iconografia da Divisão de Documentação Social e Estatísticas Municipais do Departamento Municipal de Cultura. Era encarregado do registro fotográfico das atividades desenvolvidas pelo Departamento de Cultura e da própria prefeitura. (Kossoy 2004, 435). Foi o responsável pela localização, organização, conservação, preservação e identificação de fotografias de Aurélio Becherini, produzidas entre 1870 e 1930, material que se encontrava esquecido nos porões da prefeitura. Para esse trabalho contou com a ajuda do historiador Nuto Sant’Anna. Trabalhou no Departamento até 1951 e aposentou-se da Prefeitura em 1965. BJ Duarte, como também era conhecido, trabalhou nos mesmos anos em que Mário de Andrade11 estava à frente do Departamento de Cultura, e esteve ligado ao Foto Cine Clube Bandeirante. Em paralelo às suas atividades como fotógrafo, realizou documentários cinematográficos sobre temas médicos além de crítica de cinema.

14Embora não possuísse nenhuma indicação em suas páginas de um vínculo com organismos públicos, a revista S.Paulo era um órgão de propaganda política do governador do estado de São Paulo, Armando Salles Oliveira. Um dos diretores da revista, Cassiano Ricardo, havia sido auxiliar de gabinete e depois secretário do governador, e contribuiu para a organização da propaganda oficial com a criação do Serviço de Publicidade e Informação. Mas os exemplares da revista não trazem nenhuma informação acerca da participação direta da máquina estatal, embora a temática seja a modernização do Estado e embora textos do governador apareçam na publicação. Talvez servisse como um instrumento de propaganda para Armando de Salles Oliveira candidatura à presidência da república planejada para o ano seguinte.

15Contava com um projeto gráfico ousado em que era privilegiada a imagem e especialmente a fotografia. Algumas características do projeto gráfico da revista era a subordinação do texto à imagem; a dissolução dos artigos dentro das imagens (imagens vazadas); o uso de grades flexíveis (vinhetas, contornos); a diagramação em páginas duplas e triplas com dobras (suplemento) e página cartaz; a manipulação do texto como objeto visual (letras cursivas e tradicionais, textos vazados, textos em negativo e positivo); e a fotomontagem. (Mendes 1994)

16A fotomontagem ocupou um papel importante dentro do projeto gráfico. Recurso este que já era conhecido de editores, fotógrafos e público em geral, desde o final do século XIX e início do XX em especial a partir dos anos 1910. Lembremos que o fotógrafo Valério Vieira já havia utilizado essa técnica em sua famosa fotografia Os Trinta Valérios (1901). Também podíamos encontrá-la em reportagens esportivas e revistas ilustradas. Jorge de Lima utilizava a fotomontagem desde final dos anos trinta e a prática ficou materializada na publicação do livro A pintura em pânico de 1943.

  • 12 Belmonte é pseudônimo de Benedito Bastos Barreto (1896 – 1947), foi um caricaturista, pintor, croni (...)

17O projeto gráfico se aproxima de outras experiências visuais da época, como a da revista SSSR na stroike (URSS em construção) e em especial tomando a ideia de movimento do cinema. Segundo Marina Takami a revista S.Paulo seria uma "revista-cinema" (2008, 98-101). Uma citação clara de afinidades no tratamento da imagem visual da cidade é o filme São Paulo, a sinfonia da metrópole (1929) de Adalberto Kemeny e Rodolfo Rex Lustig. Belmonte12 afirma a respeito da revista S.Paulo, comparando-a com outras experiências da época, que “Faltava-nos a revista-cinema [...] Nós queríamos ‘ver para crer’, isto é, queríamos ser homens do nosso século, folheando uma revista como se estivéssemos assistindo a um filme cinematográfico.” (Apud Mendes 1994, 92).

  • 13 Livio Abramo (1903–1992) vem de uma família de artistas e intelectuais brasileiros e atuou em diver (...)

18A autoria do projeto gráfico não era explicitado. No Expediente da revista não se indica um responsável. Em suas memórias e outras publicações, Cassiano Ricardo e Menotti del Picchia mencionam a colaboração de Lívio Abramo13 como ilustrador e participante das fotomontagens, embora não o citem como responsável pelo projeto como um todo. Supõe-se provavelmente que seja um projeto coletivo com influências das fotomontagens dadaístas da época.

  • 14 Bandeirante é o nome dado aos desbravadores ou sertanistas que no Brasil colonial do século XVI e X (...)

19Um dos temas mais relevantes na revista, como indica Mendes (1994) e Takami (2008), é a própria cidade de São Paulo, principalmente nas imagens de edifícios em obras, de cenas de multidões e as ações do Estado. A temática do urbano é um tema recorrente nas reflexões dos artistas modernistas/vanguardistas. Mesclam-se também imagens do Bandeirante14 (Figura 1), e seu valor de liderança que denota o papel do Estado no desenvolvimento nacional. Marcantes também são as indústrias representadas pelas imagens de chaminés e fábricas. As fotografias estampadas que remetem à ferrovia e ao porto, estão ligadas ao transporte, e porque não, à velocidade, tema caro aos movimentos de vanguardas, mas também ao comércio e circulação de mercadorias e portanto ao progresso econômico.

Figura 1. Capa do primeiro número da revista S.Paulo, 1936

Figura 1. Capa do primeiro número da revista S.Paulo, 1936

O bandeirante Antonio Raposo Tavares paira sobre a cidade e suas fábricas e chaminés na fotomontagem da capa. Biblioteca do Instituto de Estudos Brasileiros USP

20Em termos verbais algumas destas recorrências são reforçadas com a inserção das expressões: “edifícios modernos”, “maior centro industrial da América Latina”, “uma das poucas cidades com mais de um milhão de habitantes” e “a cidade que constrói ‘três casas por hora’”. Tal síntese foi aglutinada no Manifesto Bandeirante, publicado na revista. Entretanto, enquanto a imagem da indústria é exaltada, não há fotografias da produção e mesmo as imagens coletivas de trabalhadores ou da população em geral aparecem apenas em manifestações políticas, desfiles, eventos públicos e carnavais. As imagens recorrentes são das obras, de construção, da engenharia civil, da verticalidade que a cidade ganha e que denotam o caráter empreendedor do paulista. (Mendes 1994)

  • 15 Como fica denotado na capa do número 4 em que aparece a imagem de Fernão Dias, no editorial e fotog (...)

21A revista estava inserida na proposta de propaganda da ideia do moderno de viés do nacionalismo político conservador que Marina Takami (2008) denomina ideologia “em marcha” materializada no manifesto Bandeira e no livro Marcha para o Oeste de Cassiano Ricardo. A publicação destaca a valorização de São Paulo e seus políticos e pujança econômica com termos como “Raça Paulista” e apoio à administração estadual, o desenvolvimento da indústria, comércio e agricultura como demonstram a afirmação de que a revista era “Órgão documental das realizações paulistas”. (Figura 2) O projeto editorial e os recursos visuais buscam reforçar o apelo político-ideológico em torno da figura do governador Armando de Salles Oliveira com forte tom épico15. Fica evidenciado a atuação do periódico como instrumento de propaganda política baseado na construção gráfica do moderno em torno dos recursos visuais vanguardistas, mas não encobre seu tom ambíguo e mesmo conservador.

Figura 2. Reportagem “Sentido da vida paulista quer dizer: organização”

Figura 2. Reportagem “Sentido da vida paulista quer dizer: organização”

Fotomontagem em Folha dupla, revista S.Paulo, n.1, p. 10-11. Biblioteca do Instituto de Estudos Brasileiros USP

III/Revista Rotofoto

  • 16 Devo muito das minhas ideias para a revista Rotofoto aos trabalhos de Rebeca Monroy Nasr (2003 e 20 (...)

22Rotofoto16 foi publicada entre maio e junho de 1938, e saíram à luz apenas 11 números. Possuía uma periodicidade semanal e sua dimensão era de 19,5 x 27,5 cm. Portanto era um pouco menor que a revista S.Paulo. A capa era em papel rústico e saía com 32 páginas. Seu fundador foi José Pagés Llergo, que em conjunto com seu irmão Regino foram responsáveis por vários projetos editorias do México dos anos trinta, tais como as revistas Hoy, Mañana e Siempre!. Possuía características peculiares para a época em termos de formato e conteúdo. Privilegiou a imagem e a fotografia em seu discurso gráfico. A fotografia era um elemento central, além de possuir um forte tom irônico e humorístico como crítica política e cultural. Sua proposta editorial privilegiava o discurso visual como fator central de comunicação jornalística.

23Os fotojornalistas ou foto-repórteres adquiriram papel central no discurso gráfico, com destaque para Enrique Diaz, Antonio Carrillo Jr., Enrique Delgado, Luis Farías, Luis Olivares, Luis Zendejas, Ismael e Gustavo Casasola. Este último foi responsável por uma inovação neste discurso com a “entrevista fotográfica”. Consistia em documentar visualmente quadro a quadro as atitudes e gestos dos entrevistados quando respondiam as perguntas do entrevistador. Enrique Diaz foi outro fotógrafo fundamental no projeto da revista Rotofoto. Iniciou seu trabalho fotográfico nos periódicos El País, El Heraldo e El Democrata e esteve presente nas principais publicações ilustradas mexicanas, algumas junto com os irmãos Pagés Llergo como a Hoy e Siempre!. Fundou uma agência de imagens ainda nos anos 20 a Fotografías de Actualidades. (Monroy Nasr 2003, 65-69)

24Retomando a discussão do projeto gráfico da revista, a fotografia era o eixo central da estratégia de comunicação e subordinava o texto aos ditames da imagem. Não se utilizou das fotomontagens como no magazine brasileiro. Entretanto os textos possuíam uma importância dentro da estratégia narrativa da publicação, pois davam um complemento à informação visual. Os textos eram escritos pelo próprio José Pagés Llergo, Salvador Novo e René Capistrán Gaza. (Monroy Nasr 2003, 215)

  • 17 Participou em conjunto com outros intelectuais como Xavier Villaurrutia, Jaime Torres Bodet, José G (...)

25Salvador Novo foi um personagem destacado da vida intelectual mexicana de então. Poeta, ensaísta, dramaturgo e historiador, participou da fundação da revista Contemporáneos em 1928 17 e se contrapunha ao grupo dos Estridentistas liderados por Manuel Maples Arce, Leopoldo Méendez, Germán List Arzubide entre outros. Ambos os grupos foram responsáveis pela renovação da cultura e das artes mexicanas nas décadas de 1920 e 1930, período conhecido como de institucionalização da Revolução e de embates em torno de qual seria a “cultura revolucionária”. Em certo sentido nos remete ao projeto dos intelectuais dissidentes do movimento modernista de 1922 como Cassiano Ricardo e Menoti del Picchia.

26A fotografia na revista Rotofoto assumiu uma atitude de crítica cultural ao abordar a imagem com humor e ironia. As imagens estampadas nas páginas da publicação destacam a relação entre vida pública e vida privada de importantes personagens da vida política e cultural mexicana. Inaugurou um caminho novo no fotojornalismo mexicano, na medida em que procura incorporar uma fotografia com característica da caricatura política e do humorismo político. Tratava-se de algo inusual para a fotografia da época. Buscou surpreender os personagens públicos (políticos ou culturais) em atitudes incomuns e surpreendentes fazendo uma crítica relacionada ao contexto político, social e intelectual do momento. Com a utilização de aspectos jocosos, buscou desmistificar e desconstruir o jornalismo da grande imprensa que não ousava criticar estes mesmos personagens. Como muito bem afirma Rebeca Monroy:

Con la revista dominical de Pagés Lllergo se mostraba otra vertiente importante por desarrollar de y con la fotografía. Se aprovechaba y extendía ese carácter testimonial documental, histórico y estético de las fotos para romper con los estereotipos formales del momento, al rebasar el uso social esquematizado de las imágenes de prensa e ir a la búsqueda de nuevas formas de realización (2003, 216).

27Assumiu então uma atitude anti-convencional, anti-solene e irreverente. Tal atitude leva a considerar a revista como de oposição ao governo, o que se soma à posição de centro direita dos irmãos Pagés Llergo (Monroy Nasr 2003, 221), aqui novamente vemos similitudes com o projeto de S.Paulo.

  • 18 Esteira feita de palha muito usada no México como uma espécie de colchão ou para sentar.
  • 19 A legenda de uma fotografia em que aparece o Secretario da Defesa Manuel Ávila Camacho correndo ves (...)

28Tal atitude já está explícita em seu primeiro número quando coloca o presidente Lázaro Cárdenas comendo com a mão, sentado em um petate 18 com camponeses (Figura 3). Outro exemplo desta abordagem foi quando realizaram uma reportagem do gabinete presidencial e do próprio presidente Cárdenas na praia de Acapulco deitados na areia com roupas de banho como se fossem cidadãos comuns em um momento de descanso em suas férias no litoral. Em outra fotorreportagem que se tornou famosa, flagram o presidente e seu gabinete banhando-se em um rio com trajes sumários. As legendas em tom irônico, como era o costume da publicação, fazem comparações dos membros do gabinete e do presidente com Fadas e Ninfas, estabeleciam relações entre os aspectos físicos dos personagens e o trabalho político dos mesmos. (Monroy Nasr 2003, 217) As imagens apresentam uma intimidade pouco usual para a época e seu impacto visual era carregado de uma significação simbólica e política, ao ridicularizar ministros e presidente.19

Figura 3. Capa do primeiro número da revista Rotofoto, 22 de Maio de 1938

Figura 3. Capa do primeiro número da revista Rotofoto, 22 de Maio de 1938

Coleção Rebeca Monroy Nasr

29Outras reportagens que obtiveram grande repercussão foram o registro de deputados dormindo durante sessões da câmara, e quando surpreenderam o chefe de polícia Federico Montes Alanís em um cochilo. A metáfora da reportagem levava imediatamente a uma pergunta: como o principal responsável pela segurança da capital dormia em suas funções? As reportagens, e principalmente as fotografias, revelam as debilidades humanas dos respectivos protagonistas, deputados e chefe de segurança, que deveriam estar atentos às atividades legislativas ou a segurança da Cidade do México e acarretaram um descrédito dos funcionários e órgãos públicos.

  • 20 Comandada por Vicente Lombardo Toledano importante líder sindical e político de esquerda mexicano e (...)

30Outra reportagem de capa que utiliza-se de uma imagem da cotidianidade, mas que carrega um forte conteúdo crítico é o retrato do Senador Padilla mordendo um típico taco realizada pelo fotógrafo Enrique Diaz e com o uso das legendas estabelece uma ironia com o posto político e a corrupção. A legenda diz “O Senador Padilha resolve aferrar-se ao osso”. Devido à contundência de suas reportagens o periódico sofreu um ataque dos militantes da Confederación de Trabajadores de México20 que queimaram suas instalações.

  • 21 Saturnino Cedillo foi um importante caudilho do estado de San Luis Potosi. Apareceu no cenário naci (...)

31A revista teve uma vida curta e existem duas versões acerca dos motivos de sua extinção: a primeira argumenta que foi devido à fotorreportagem em que flagra Cárdenas e seu gabinete banhando-se no rio; uma segunda versão dá conta que o periódico foi extinto depois de uma reportagem sobre o caudilho Saturnino Cedillo que rompeu com Cárdenas e pegou em armas. 21 O importante é que a revista foi fechada devido à censura política, depois de reportagens críticas que atingiram políticos e sindicalistas e em função do posicionamento político dos irmãos Pagés Llergo, mais à direita no espectro político mexicano da época. Anos depois (1951) houve uma tentativa de relançar a revista, projeto que não teve sucesso.

IV/Política de massas e revistas

32Ambas as revistas circularam em uma época marcada pelo auge das revistas ilustradas e da ascensão da indústria cultural de massas, assim como estavam inseridas em momentos políticos marcantes na história dos dois países. No caso brasileiro, durante o período varguiste, a revista S.Paulo era a porta-voz do governador Armando de Salles Oliveira e servia como veículo de propaganda para uma possível candidatura presidencial que ao final não aconteceu, devido ao golpe e instauração do Estado Novo e à suspensão das eleições. No caso mexicano, o ano de 1938 representou o auge da política reformista de Cárdenas com a nacionalização das ferrovias e da indústria petrolífera, a reforma agrária, com a implantação em larga escala dos ejidos coletivos, e a aproximação aos sindicatos trabalhistas.

33Ambas as revistas utilizaram a fotografia e as imagens como elemento central de seu projeto gráfico. As publicações se aproximavam por caminhos distintos de uma proposta inovadora de uso dos recursos iconográficos. A publicação brasileira apresenta-se mais por um viés modernista, e porque não dizer, vanguardista. Utilizou ferramentas como as fotomontagens e recursos visuais para enaltecer o desenvolvimento do estado de São Paulo e de seus políticos numa possível disputa com Getúlio Vargas. A revista mexicana inovou principalmente na abordagem das fotografias de características mais testemunhal e realista, mas numa aproximação de uma estética da caricatura e de uma crítica política ao governo Lázaro Cárdenas. Seus editores de tendências de centro-direita se posicionavam na oposição ao presidente mexicano.

  • 22 José de la Cruz Porfirio Díaz Mori (1830-1915) foi um militar e estadista mexicano. Foi presidente (...)
  • 23 Doroteo Arango Arámbula, ou Franscico “Pancho” Villa (1878-1923) é um dos mais carismáticos líderes (...)
  • 24 Acción Revolucionária Mexicanista (ARM) foi o nome oficial dos Camisas Doradas, grupo de ultra-dire (...)

34As duas experiências estavam inseridas numa cultura visual moderna que se pautava pela utilização das imagens como expressão de projetos políticos e culturais. Recorreram a temas como a cidade e suas transformações, a industrialização, o surgimento das multidões e da massa na cena política e visual das respectivas sociedades. Recorreram ao passado: uma investindo na imagem do Bandeirante, imagem tão cara às elites paulistas desde o século XIX e que foi revivida pelos movimentos como do Movimento Bandeira de Cassiano Ricardo. Por seu turno, a revista Rotofoto optou por valorizar figuras como Porfirio Díaz (Figura 4)22, governante autoritário que consolidou o Estado mexicano no último quarto do século XIX e começo do XX. Mas também apostou em estampar imagens de Francisco Villa23 que neste momento era utilizado pelo movimento dos Camisas Doradas 24 liderado por Nicolas Rodriguez, um ex-militar vinculado a División del Norte. A revista ao buscar no passado imagens como a de Villa e amalgamar em suas páginas com as de Porfírio Díaz, “um grande patriota”, denotava uma visão da história sobre um viés conservador.

Figura 4. "Hace 23 años murió un gran patriota: Don Porfirio Díaz"

Figura 4. "Hace 23 años murió un gran patriota: Don Porfirio Díaz"

Exaltação do passado autoritário e conservador do México através de P. Díaz Rotofoto, nº 5, junho de 1938 Coleção Rebeca Monroy Nasr

35As duas revistas se colocavam nos pólos oposicionistas de seus respectivos governos, mesmo que de forma ambígua. Posicionavam-se como um nacionalismo conservador em especial no caso mexicano devido às reformas radicais de Cardenas. Experiências efêmeras, foram expoentes de divulgação de uma proposta de informação cultural e visual representativas de grupos políticos oposicionistas e foram projetos caudatários de experiências visuais modernas e vanguardistas.

Haut de page

Bibliographie

BARBOSA SÁNCHEZ, Alma. “Rotofoto, humor e ironia periodística”. In ELIZALDE, Lydia (ed.). Revista culturales latinoamericanas 1920-1960. México: Conaculta, 2008, 177-198.

COSTA, Helouise e Sérgio BURGI. As origens do fotojornalismo no Brasil: um olhar sobre O Cruzeiro. São Paulo: Instituto Moreira Salles, 2013.

COSTA, Helouise. “A invenção da revista ilustrada”. In COSTA, Helouise e Sérgio BURGI. As origens do fotojornalismo no Brasil: um olhar sobre O Cruzeiro. São Paulo: Instituto Moreira Salles, 2013, 303-323.

COSTA, Helouise. Um olho que pensa: estética moderna e fotojornalismo. Tese de Doutorado: Arquitetura e Urbanismo. São Paulo: Universidade de São Paulo-Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, 1998.

DELL, Simon. “Sobre la dificil conjución de los términos 'fotógrafo' y 'obrero' en Francia”. In RIBALTA Jorge, ALBERTINI Béla y Museo Nacional Centro de Arte Reina Sofia. El Movimiento de la Fotografía Obrera [1926-1939]. Ensayos y Documentos. Madrid: Museo Nacional Centro de Arte Reina Sofia/Ministerio de Cultura/TF Editores, 2011, 364-372.

FERNANDES JR, Rubens. “Fotografia e Modernidade: referências e experiências isoladas”. FACOM Revista da Faculdade de Comunicação da FAAP [en línea ]. 2002, nº. 10. [Acesso em 15 de dezembro de 2010]. Disponible en <http://www.faap.br/revista_faap/revista_facom/facom_10/fotografia_01.htm>.

KOSSOY, Boris. “Luzes e sombras da metrópole: um século de fotografias em São Paulo (1850-1950)”. In PORTA, Paula (ed.). História da cidade de São Paulo: a cidade no império 1823-1889. Volume 2. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2004, 387-456.

MENDES, Ricardo. “A revista S. Paulo–a cidade nas bancas”. Imagens. 1994, n°3, 91-97.

MONROY NASR, Rebeca. “Del olor a pólvora a la luz del rascacielos: tres décadas de fotoperiodismo mexicano”. In ACEVEDO, Esther. Hacia otra historia del arte en México. México: Consejo Nacional para la Cultura y las Artes, 2004, 170-189.

MONROY NASR, Rebeca. Historias para ver: Enrique Díaz, fotorreportero. México: UNAM/Instituto de Investigaciones Estéticas/INAH, 2003.

SCHWARTZ, Jorge. Vanguardas latino-americanas. Polêmicas, manifestos e textos críticos. São Paulo: Iluminuras/Edusp, 1995.

SOUGEZ, Marie-Loup (ed.). Historia general de la fotografia. Madrid: Cátedra, 2007.

STUMBERGER, Rudolf. “AIZ y los fotógrafos obreros alemanes”. In RIBALTA Jorge, ALBERTINI Béla y Museo Nacional Centro de Arte Reina Sofia. El Movimiento de la Fotografía Obrera [1926-1939]. Ensayos y Documentos. Madrid: Museo Nacional Centro de Arte Reina Sofía/Ministerio de Cultura/TF Editores, 2011, 84-96.

TAKAMI, Marina Castilho. A fotografia em marcha: Revista S.Paulo-1936. Dissertação de Mestrado: Estética e história da arte São Paulo: Universidade de São Paulo-ECA, 2008.

Haut de page

Notes

1 Para um aprofundamento da discussão sobre a estética moderna e o fotojornalismo brasileiro, assim como a revista O Cruzeiro veja COSTA (1998) e (2013).

2 A revista AIZ, embora não oficialmente vinculada ao Partido Comunista Alemão (KPD) era próxima ideologicamente a esse partido. O nascimento da revista AIZ possui uma vinculação direta com o a revolução russa de 1917. Foi após uma convocatória de ajuda feita por Lenin em 1921 ao movimento operário internacional que diversos artistas e intelectuais alemães da época responderam ao chamado e criaram comitês de solidariedade. Esses comitês criaram revistas que organizam coletas de doações para serem enviadas para a Rússia. Assim surgia a Sowjet-Russland im Bild como órgão da Ajuda Operária Internacional (IAH na sigla em alemão) posteriormente a publicação passou a se chamar Sichel und Hammer - Illustrierte Internationale Arbeiter Zeitung e finalmente apenas Arbeiter Illustratier Zeitung. Essa revista possuía como linha editorial uma postura contraria ao fascismo e pró-comunista e embora predominassem entre seus membros militantes comunistas participavam também artistas de outros espectros políticos da esquerda da época. Veja STUMBERGER (2011)

3 John Heartfield (1891-1968) foi um artista alemão conhecido por suas fotomontagens. Seu nome de batizo era Helmut Herzfeld. Foi um dos expoentes do movimento dadaista, militante comunista e atuou em diversas publicações engajadas alemãs.

4 A revista Regards foi uma continuidade da Nos Regards e ao contrário da revista AIZ estava vincula ao grupo Amateurs Photographes Ouvries (APO) hegemonizado pelo Partido Comunista Francês (PCF). Para se aprofundar na história da fotografia compromissada francesa dessa época veja DELL (2011).

5 Plutarco Elias Calles foi presidente mexicano entre 1924 e 1928, neste último ano fora eleito Álvaro Obregón, mas durante as comemorações de sua escolha foi assassinato por um militante católico radical. Com o vazio no poder a Assembléia Nacional escolhe Emilio Portes Gil, sucedido por Pascual Ortiz Rubio e Abelardo Rodrigues, entretanto Calles permaneceu como o verdadeiro chefe máximo do poder no México até a eleição de Lázaro Cárdenas em 1934.

6 Muito das minhas reflexões referentes a revista S.Paulo devo a dissertação de mestrado de TAKAMI, Marina Castilho, 2008.

7 Rotogravura é um processo de impressão derivado das formas cilíndricas e do princípio rotativo das impressoras de cobre utilizadas. Segundo Costa (2013b, 312) a rotogravura é “Resultante da adaptação da fotografia para as rotativas cilíndricas da imprensa comercial, a rotogravura viabilizou a impressão de imagens com grande nitidez, sobre papeis de baixo custo, em tiragens elevadas. A principal inovação da rotogravura, no entanto, residiu em ampliar a flexibilidade do processo de organização de imagens e textos.”

8 As referências que utilizo neste artigo para discutir a revista S.Paulo são tributárias do artigo de Ricardo Mendes (1994) e Boris Kossoy (2004).

9 Estes dados foram retirados de Boris Kossoy que condensou informações de entrevista concedida a ele por Sibile Preising, filha do fotógrafo.

10 Hoje o acervo de Preising se encontra no Museu Paulista da USP e já existe pesquisas em andamento coordenadas pela pesquisadora Solange Ferreira Lima.

11 Mário de Andrade (1893-1945) foi um artista-intelectual dos mais atuantes na primeira metade do século XX. Foi poeta, escritor, critico literário, musicólogo folclorista e também fotógrafo. Teve atuação destaca no movimento vanguardista brasileiro dos anos 1920 e articulador da Semana de Arte Moderna, marco inicial do movimento. Posteriormente ocupa papel fundamental na fundação e direção do Departamento de Cultura da Cidade de São Paulo.

12 Belmonte é pseudônimo de Benedito Bastos Barreto (1896 – 1947), foi um caricaturista, pintor, cronista e ilustrador brasileiro. Criador do personagem “Juca Pato” simboliza o homem comum, trabalhador brasileiro que sofria com o custo de vida e a burocracia brasileira, criticava políticos brasileiros como Getúlio Vargas entre outros. Suas caricaturas dos acontecimento internacionais em especial o nazismo e seu líder máximo ficaram famosas. Publicou em vários periódicos brasileiros, destaque para suas caricaturas nos jornais Folha da Manhã e Folha da Noite entre as décadas de 1920 e 1940.

13 Livio Abramo (1903–1992) vem de uma família de artistas e intelectuais brasileiros e atuou em diversas publicações. É neto do anarquista italiano Bortolo Scarmagman. Foi gravurista, desenhista, pintor e militante político e sindical. Seus temas são sociais e humanos. e atuou em diversas publicações.

14 Bandeirante é o nome dado aos desbravadores ou sertanistas que no Brasil colonial do século XVI e XVII penetravam o interior do território em busca de ouro, prata e indígenas para a escravização. Eles em geral eram descendentes de portugueses radicados na cidade de São Paulo. Seu nome advém do termo dado a esse empreendimento Bandeiras". Essa história vai ser recuperada pela historiografia brasileira desde o século XIX até 1940 sempre retomado e reformulado como mito fundador e de construção de identidade nacional e responsáveis pela formação do território brasileiro.

15 Como fica denotado na capa do número 4 em que aparece a imagem de Fernão Dias, no editorial e fotografia do governador Armando de Salles Oliveira naspáginas 2-3. Segundo Takami “Representados em posturas semelhantes, Fernão Dias e Salles Oliveira são caracterizados pelo editorial com atributos que tipificam o 'homem bandeirante', como a disciplina e a energia de um líder. ” (2008, 118)

16 Devo muito das minhas ideias para a revista Rotofoto aos trabalhos de Rebeca Monroy Nasr (2003 e 2004)

17 Participou em conjunto com outros intelectuais como Xavier Villaurrutia, Jaime Torres Bodet, José Gorostiza, Carlos Pellicer, Jorge Cuesta e Bernardo Ortiz Montellano

18 Esteira feita de palha muito usada no México como uma espécie de colchão ou para sentar.

19 A legenda de uma fotografia em que aparece o Secretario da Defesa Manuel Ávila Camacho correndo vestido apenas com calção e segurando suas roupas em uma das mãos é um excelente exemplo, diz: “El general Ávila Camacho se moviliza rápidamente hacia el interior de un cuarto, con objeto de impedir que el enemigo observe las fuerzas de que dispone. (MONROY NARS, 2003, 216)

20 Comandada por Vicente Lombardo Toledano importante líder sindical e político de esquerda mexicano entre os anos 1930 e 1950.

21 Saturnino Cedillo foi um importante caudilho do estado de San Luis Potosi. Apareceu no cenário nacional a partir da Revolução Mexicana, de posturas ambíguas e contraditórias lutou contra Porfírio Diaz, se aproximou do Zapatismo e do Villismo e depois dos presidentes da chamada “dinastia sonorense” (Álvaro Obregón e Plutarco Elias Calles). Chegou a ser Ministro da Agricultura no governo Cárdenas, mas rompeu com este e se rebelou. As tropas federais debelaram o conflito e num enfretamento com as forças oficiais foi morto em janeiro de 1939. Para essas versões veja Monroy Nasr, 2003, 214-222.

22 José de la Cruz Porfirio Díaz Mori (1830-1915) foi um militar e estadista mexicano. Foi presidente entre 1876 e 1911 com apenas um interregno entre 1880-1884. Foi o líder de um regime autoritário e modernizador. Representou a figura política mais destacada do México no ultimo terço do século XIX. Sua importância e peso político foi tal que seus mandatos ficaram conhecidos como “porfiriato” Após a sua sétima reeleição eclode a Revolução Mexicana em novembro de 1910.

23 Doroteo Arango Arámbula, ou Franscico “Pancho” Villa (1878-1923) é um dos mais carismáticos líderes revolucionários. Nascido em Durango havia sido arrieiro, soldado e bandoleiro. Villa foi uma figura ambígua que adquiriu ampla publicidade dentro e fora do México. Seu caráter contraditório e esquivo contribuiu para torná-lo uma personalidade multifacetada. Encarnou o machismo mexicano e hispânico, mas também a imagem positiva do bandido providência, da invencibilidade, do heroísmo épico.

24 Acción Revolucionária Mexicanista (ARM) foi o nome oficial dos Camisas Doradas, grupo de ultra-direita, antisemita, anti-comunista mexicano. Fundado em 1933 e comandado pelo antigo general villista Nicolas Rodriguez sua ideologia era o nacionalismo mexicano inspirado na ideologia do nazi-fascismo europeu. Seu nome faz alusão as camisas européias (negras na Itália, pardas na Alemanha) e remete aos Los Dorados que era a guarda pessoal de Villa.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura 1. Capa do primeiro número da revista S.Paulo, 1936
Légende O bandeirante Antonio Raposo Tavares paira sobre a cidade e suas fábricas e chaminés na fotomontagem da capa. Biblioteca do Instituto de Estudos Brasileiros USP
URL http://journals.openedition.org/orda/docannexe/image/2238/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 4,7M
Titre Figura 2. Reportagem “Sentido da vida paulista quer dizer: organização”
Légende Fotomontagem em Folha dupla, revista S.Paulo, n.1, p. 10-11. Biblioteca do Instituto de Estudos Brasileiros USP
URL http://journals.openedition.org/orda/docannexe/image/2238/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 4,3M
Titre Figura 3. Capa do primeiro número da revista Rotofoto, 22 de Maio de 1938
Légende Coleção Rebeca Monroy Nasr
URL http://journals.openedition.org/orda/docannexe/image/2238/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 624k
Titre Figura 4. "Hace 23 años murió un gran patriota: Don Porfirio Díaz"
Légende Exaltação do passado autoritário e conservador do México através de P. Díaz Rotofoto, nº 5, junho de 1938 Coleção Rebeca Monroy Nasr
URL http://journals.openedition.org/orda/docannexe/image/2238/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 616k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Carlos Alberto Sampaio Barbosa, « A fotografia numa era de política de massas latinoamericana: as revistas S.Paulo (Brasil, 1936) e Rotofoto (México, 1938) », L'Ordinaire des Amériques [En ligne], 219 | 2015, mis en ligne le 07 décembre 2015, consulté le 28 mai 2018. URL : http://journals.openedition.org/orda/2238 ; DOI : 10.4000/orda.2238

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
L’Ordinaire des Amériques est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d'Utilisation Commerciale - Pas de Modification 4.0 International.

Haut de page
  • Logo IPEAT
  • Logo Université Toulouse-Jean Jaurès
  • Logo Université de Toulouse
  • Logo Latindex
  • OpenEdition Journals