Navigation – Plan du site
II Política y sociedad en las revistas ilustradas de los años 30 y 40

Percursos visuais do político: representação pública e performance fotográfica de Getúlio Vargas

When the Visual Meets the Political: The Public Representation and Photographic Performance of Getúlio Vargas
Parcours visuels du politique: représentation publique et performance photographique de Getúlio Vargas
Vías visuales de la política: representación pública y presencia fotográfica de Getúlio Vargas
Cláudio de Sá Machado Júnior

Résumés

La Revista do Globo, magazine qui paraissait tous les quinze jours, fut l’une des publications les plus importantes du Rio Grande do Sul dans la première moitié du XXe siècle. Parmi une ample gamme d’images, on privilégie ici celles qui se réfèrent à la sphère politique, surtout dans les débuts de cette publication. Comme les signes textuels perdaient de leur valeur dans un discours orienté vers l’éloge appuyé de certaines figures publiques, les photographies, en règle générale, suivaient le même chemin. Selon une tendance nouvelle dans le pays, on demandait aux photoreporters de réaliser des images qui avaient une visibilité grâce aux événements politiques et sociaux qui mettaient en valeur les personnalités politiques. Parmi elles, l’image de Getúlio Vargas fit l’objet d’un traitement particulier ; il accéda à la présidence en 1930 et se maintint au pouvoir, dans un premier temps, pendant les quinze ans qui suivirent. Cet article propose donc une analyse des photographies documentaires relatives à Getúlio Vargas publiées dans la Revista do Globo tout au long des années trente. La possibilité de représentation publique et le protagonisme social sont deux des axes visuels ici analysés conceptuellement.

Haut de page

Texte intégral

  • 1 A Revista do Globo pode se apresentar como um dos poucos periódicos que conseguiu se afirmar ao lon (...)

1A Revista do Globo, quinzenário de variedades, caracterizou-se como um dos mais importantes periódicos da imprensa sul-rio-grandense na primeira metade do século XX. Lançada em 19291, sua sede situava-se na cidade de Porto Alegre, capital localizada ao sul do Brasil. Com modelos diagramaticais que seguiam as tendências editoriais de publicações do Rio de Janeiro e São Paulo, inspirados por sua vez em modelos norte-americanos e europeus, a Revista do Globo sempre proporcionou um espaço privilegiado para a fotografia. Em meio a um conjunto vasto de imagens, chamam a atenção as fotografias que se remetem à esfera do universo político, especialmente naquele momento inicial de sua circulação. Assim como os signos textuais trilhavam um discurso em tom elogioso a certas personalidades públicas, as fotografias, via de regra, seguiam o mesmo caminho.

2Demonstrando a incipiência de uma tendência fotojornalística que se afirmava no país, as fotografias da revista buscavam esta visibilidade a partir de eventos políticos, encontros ilustres e acontecimentos sociais que promoviam positivamente estas pessoas. Entre elas tinha grande destaque a imagem projetada de Getúlio Vargas, que chegaria à presidência da República em 1930, e permaneceria no poder, em um primeiro momento, pelos 15 anos seguintes. Nestes termos, torna-se válida uma análise sobre um conjunto fotográfico documental referente a Getúlio Vargas, publicado na Revista do Globo ao longo da década de 1930, refletindo sobre conceitos de análise visual embasados em eixos de possibilidade da representação pública e da performance social. Verifica-se através da historiografia teórico-metodológica sugerida por Ulpiano Bezerra de Meneses, Boris Kossoy e Ana Maria Mauad, e também por François Soulages e André Rouillé, novas perspectivas para a interpretação dos percursos visuais do político dentro do referido contexto histórico.

3O texto aqui apresentado é um fragmento da pesquisa de doutoramento (Machado Júnior 2011), com apoio da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior, a CAPES. Entre as 20 tipologias fotográficas identificadas na Revista do Globo, cabe destacar a categoria de fotografias políticas, da qual apenas uma parte será abordada aqui : o percurso político documentado das representações fotográficas de Getúlio Dorneles Vargas, em um primeiro momento como presidente do Estado do Rio Grande do Sul e, a partir de 1930, como presidente da República Federativa do Brasil.

Figura 1

Figura 1
  • 2 Legenda extraquadro: “Sentados: o nosso diretor, Mansueto Bernardi, Dr. Osvaldo Aranha, Secretário (...)

REVISTA DO GLOBO. Porto Alegre, n. 2, jan. 1929, p.10.2

4A Revista do Globo consistiu em uma publicação quinzenal, cuja redação situava-se na cidade de Porto Alegre, localizada ao sul do Brasil. Tendo sua primeira edição publicada em 1929, a revista ainda teria longa vida por algumas décadas, encerrando suas atividades somente em 1967. A aproximação do periódico com Getúlio Vargas se daria desde a sua fundação, sendo ele uma das personalidades locais que mais insistira na ideia de o estado do Rio Grande do Sul ter a sua própria publicação, segundo contam os editoriais da revista.

5A criação do periódico, marcadamente considerado um evento social importante, foi alvo das lentes fotográficas, em imagem publicada em edição de janeiro de 1929 (figura 1). Getúlio Vargas está sentado, ao centro da fotografia, de calças e paletó brancos, com sapatos claros com detalhes em preto na ponta destes e nos cadarços. Com mãos entrelaçadas e olhar fixo à câmera, o político está rodeado daqueles que seriam em sua grande maioria colaboradores da revista, contando ainda com presença do eclesiástico D. João Becker e do secretário do Interior Osvaldo Aranha, que mais tarde seria Ministro da Justiça e Ministro da Fazenda de Getúlio Vargas no governo federal. A fotografia, neste sentido, documenta o momento de fundação da Revista do Globo, informando através do recurso visual e sendo complementada pelo recurso textual. E sobre o casamento entre a fotografia e imprensa, o historiador da fotografia André Rouillé (2009, 126-127) argumenta:

Informar, essa terá sido, sem dúvida a função mais importante da fotografia-documento. Pelo menos entre os anos 1920 e a Guerra do Vietnã: período em que a fotografia criou um forte vínculo com a mídia impressa (...). A informação pelas imagens, do modo como se instaurou na metade de 1920, não se apoia nem na fotografia instantânea sozinha nem na tipografia sozinha mas na aliança entre os sais de prata, para a produção das imagens, e a tinta de tipografia, para sua difusão.

6As fotografias de Getúlio Vargas enquanto personalidade política, neste sentido proposto por Rouillé, reflete no alcance social da imagem que foi potencializado significativamente pela imprensa. Na Revista do Globo Vargas encontrou espaço para a difusão de suas imagens que, em 1929, tornava ainda mais pública sua condição enquanto presidente do Estado do Rio Grande do Sul, cargo que assumira em 1928.

7As solenidades, oficiais ou não, foram o motivo fotográfico preferido pela Revista do Globo para documentar as atividades do presidente sul-rio-grandense. Em edição de agosto de 1929, Vargas foi fotografado com seus auxiliares de governo, tendo ao fundo dois signos importantes que caracterizavam a afirmação do ainda recente empreendimento republicano: a bandeira do Brasil e a bandeira de uma de suas federações, no caso, do Rio Grande do Sul. A presença de quadros nas paredes, um deles com a fotografia do próprio Getúlio, reflete um jogo de imagens interessante que situa a fotografia da própria fotografia, tornando-se ela mais um elemento sígnico a ser interpretado dentro do enquadramento proposto pelo fotógrafo.

8Ainda em edição de agosto de 1929, uma recepção no Palácio do Governo aparentemente promovida pela esposa de Getúlio Vargas, Darcy Sarmanho Vargas – cujas representações visuais por si sós mereceriam um estudo à parte, foi o motivo fotográfico eleito pela Revista do Globo. Em uma das fotografias, situada na parte superior da página, estão o então presidente do Estado e sua mulher em aparente diálogo com a cantora argentina Berta Singerman. Vargas, segurando uma taça de bebidas à mão direita, ainda dá a ver o charuto que segura entre os dedos da mão esquerda, desta vez situado atrás de seu corpo, reforçando a estética comportamental almejada pela revista, que denomina o evento como aristocrático. Abaixo, em fotografia posada, Getúlio Vargas é fotografado entre oito meninas, algumas notadamente sorridentes, distribuídas equilibradamente no enquadramento fotográfico: sendo três de pé e uma sentada tanto à esquerda quanto à direita do presidente, que se posicionou sentado ao centro, com o corpo levemente inclinado à sua direita.

Figuras 2 e 3

Figuras 2 e 3

Figuras 2 e 3 - REVISTA DO GLOBO. Porto Alegre, n. 14, ago. 1929, p.26; n. 15, ago. 1929, p.18.

  • 3 Para mais detalhes, sugere-se a leitura do artigo “Performances de relações familiares: as charges (...)

9Em um universo político controlado por homens, característica da cultura brasileira na década de 19303, a figura masculina de Vargas destaca-se entre as mulheres, sendo a imagem do governante sempre apreendida em primeiro plano, em plano central, e com sobriedade em relação às representações femininas. No âmbito dos símbolos visuais, os cuidados com a família, em sua composição nuclear, seja na constituição ou pelo reconhecimento do Estado, e à educação dos jovens foram pontos de estudos à parte sobre o governo Vargas. É neste sentido que a fotografia documenta e informa também sobre a cultura, inclusive nos momentos em que esta comunicação se dá de forma menos latente. Nas palavras do historiador da fotografia Boris Kossoy (2007, 31-32):

É necessário que se compreenda o papel cultural da fotografia: o seu poderio de informação e desinformação, sua capacidade de emocionar e transformar, de denunciar e manipular. (...) O papel cultural das imagens é decisivo, assim como decisivas são as palavras. As imagens estão diretamente relacionadas ao universo das mentalidades e sua importância cultural e histórica reside nas intenções, usos e finalidades que permeiam sua produção e trajetória.

  • 4 Sobre o período anterior ao golpe, de ascensão política de Getúlio Vargas: ABREU, Luciano Aronne de (...)

10Da cultura social à cultura política, o ano de 1930 seria marcante para a história republicana brasileira, aproximando o governador do Estado do Rio Grande do Sul à presidência da República. Não caberia nesta sucinta apresentação contextualizar o golpe de Estado ocorrido no Brasil nesse momento – caberia fazê-lo em uma outra oportunidade, considerando ainda que outros autores o fizeram com excelência4. No entanto, no âmbito das fotografias de Getúlio Vargas na Revista do Globo, é interessante perceber como as imagens aos poucos, ao longo da década de 1930, vão gradativamente se modificando.

Figuras 4 e 5

Figuras 4 e 5

Figuras 4 e 5 – REVISTA DO GLOBO. Porto Alegre, n. 15, ago. 1929 , p.26; n. 20, out. 1929, p.45 .

11A edição 15, de 1929, já anunciava sob o título de “O Rio Grande prompto para o combate” o que seria esta futura transformação no percurso político brasileiro. Apesar de representar uma imagem que muito pouco simboliza ações revolucionárias e armadas, como almeja o título, a fotografia tangencia mais para uma interpretação simbólica, ancorada pelo suporte da legenda, indicando que os 13 homens que estão ao entorno de Vargas – aliás, em enquadramento cuidadosamente equilibrado – são diretores de estabelecimentos bancários, que estariam lhe fornecendo apoio à sua candidatura à presidência da República. Se não com armas, municiar-se de capital financeiro parecia algo de fundamental importância e coerência diante dos projetos políticos planejados.

12Com a proximidade da Revolução de 1930, as fotografias de Getúlio Vargas na Revista do Globo passaram a privilegiar as imagens nas ruas, nos espaços abertos e, muitas vezes, em representações visuais que aproximavam a figura do político às imagens das massas populares. Incitava, por um lado, a ideia de apoio por parte de diversas camadas sociais, e, por outro lado, desenvolvia o embrião do senso comum que o marcaria como um presidente do povo, de caráter populista, materializado não somente pelas ações governamentais em diversos campos sociais, mas especialmente pelas perceptíveis formas de representação visual. A edição de outubro de 1930 trazia não somente esta representação visual exposta do ainda presidente do estado do Rio Grande do Sul, como reforçava suas palavras ao reproduzir dizeres escritos de próprio punho por Vargas, produzidos, segundo indica o termo, “Esp. para a Revista do Globo”. Conotava a ideia de que Getúlio Vargas não somente acompanhava de perto as reproduções de suas imagens no periódico, como também contribuía em primeira pessoa, quando convinha.

Figuras 6 e 7

Figuras 6 e 7

Figuras 6 e 7 - REVISTA DO GLOBO. Porto Alegre, n. 25, jan. 1930 ͤ , p.45 e 47.

13A edição de 25 de janeiro de 1930 dedicou uma série de fotografias de Vargas em retorno à Porto Alegre, cujo título indicou como “O triunfal regresso do Sr. Getúlio Vargas”. Caracterizando um proto-fotojornalismo, algumas páginas do periódico reproduziram uma espécie de narrativa que iniciava na chegada de seu avião às margens do Rio Guaíba, criando-se uma noção visual do entorno, até a sua definitiva chegada em solo porto-alegrense. A página 47 correlacionou algumas fotografias que, segundo informam as legendas, seriam da manifestação de aproximadamente 20.000 pessoas que estavam à espera do político, no centro da capital. A narrativa visual, que começou em Vargas desembarcando em solo gaúcho, terminou nas fotografias da população propriamente dita, reforçando a ideia de que se tratava de uma personalidade política que gozava, ao menos nas aparências visuais deste momento, de amplo apoio popular. Constatação muito interessante para se levar em consideração o rótulo de “pai dos pobres”, que acompanharia Vargas especialmente a partir de 1937.

14Em carta direcionada à população do Rio Grande do Sul, tendo sua fotografia oficial sido diagramada em forma oval na parte superior da página, ao lado da fotografia de Osvaldo Aranha, Getúlio Vargas novamente se utilizava da Revista do Globo para proferir palavras próprias, explicando, desta vez, os motivos do seu afastamento do governo do estado para assumir as demandas da sucessão presidencial que ocorriam no âmbito federal. A imagem do político vestido com terno e gravata, de frente à câmera, mas com a cabeça e o olhar levemente inclinados à direita, ilustrava o texto intitulado “Ao Rio Grande do Sul”, carregado de frases de efeito como “sejamos, para vencer, tão magnânimos e serenos quanto fomos e somos fortes para lutar”.

Figuras 8 e 9

Figuras 8 e 9

Figuras 8 e 9 – REVISTA DO GLOBO. Porto Alegre, n. 28, fev. 1930 , p.17; n. 43, out. 1930, p.18.

15No imaginário sul-rio-grandense, a constituição de uma história ambígua que ainda se fundamentava nas narrativas criadas sobre a ratificação de uma identidade local, com origens que remetiam à Revolução Farroupilha (1835-1845), contrastava em meio ao processo de urbanização iniciada desde o fim do período imperial brasileiro, e que se reforçava no período republicano, iniciado em 1889. Às vésperas de assumir a presidência da República, uma fotografia de Getúlio Vargas a cavalo, retocada em cores, remontaria um cenário rural que se desejava imponente não somente no contexto do Rio Grande do Sul, mas também do Brasil. Com uma inspiração para lá de cinematográfica, um fazendeiro ao melhor estilo cowboy, a representação documentada de Vargas culmina na figura mítica e heroica do pampa gaúcho, criação proveniente de uma edição intencional que visava tocar os brios locais, em uma busca constante de captação de sentimentos regionais. Inevitavelmente, os percursos visuais do político recaem em aspectos da teatralização – das performances sociais – ou simplesmente do “isto foi encenado”, segundo os pressupostos teóricos apresentados pelo pesquisador francês François Soulages (Soulages 67).

A teatralização é, portanto, ao mesmo tempo incontrolável e discreta. Um fotógrafo pode ser tentado por duas direções: a da publicidade, que constitui um instante eternizado de uma peça de teatro engajada em proveito de uma produção e de um consumo determinados, e a da obra de arte. Neste último caso, o objeto fotográfico é desviado de seu sentido mundano para adquirir um sentido fotográfico, e, correlativamente, o sujeito que fotografa se designa e assina sua composição.

Figuras 10 e 11

Figuras 10 e 11

Figuras 10 e 11 – REVISTA DO GLOBO. Porto Alegre, n. 169, set. 1935 , p.97; n. 220, jan. 1938, p.13.

16A autoria das fotografias nem sempre era uma informação revelada. Sabia-se que a Revista do Globo não possuía fotógrafos exclusivos, ou seja, funcionários próprios da Editora, mas dispunha de uma prestação de serviços de profissionais cujos estúdios, em sua grande maioria, situavam-se no centro da cidade de Porto Alegre. A dupla Azevedo & Dutra, por exemplo, assina uma quantidade bem interessante de fotografias, não somente do âmbito político, mas essencialmente de demandas das elites sociais, em propostas fotográficas cujos padrões frequentemente se repetiam nas páginas da revista.

17Por sua vez, Santini é o fotógrafo, ou o nome do estúdio fotográfico, que assina a fotografia publicada em edição de setembro de 1935. Uma fotografia que documenta um novo retorno do então presidente da República à capital sul-rio-grandense, mas que desta vez, através do suporte da legenda, deseja-se “histórica”, entre o rol de outras imagens publicadas na Revista do Globo. Evidentemente, o valor histórico associado está no fato de que se trata de uma visita de Getúlio Vargas àquela que seria um dos grandes eventos da cidade, a Exposição do Centenário Farroupilha, que, como dito anteriormente, demarca um momento importante para a afirmação de uma memória e de uma identidade local. Por outro lado, retomando a lógica de Soulages, a fotografia possui um forte apelo estético, apreendendo a imagem em que o presidente daria o primeiro passo na escada que o levaria do avião ao solo gaúcho. Pretensiosamente, a legenda indica a imagem como “uma fotografia que passará para a história”. Apesar da construção estética e do valor histórico atribuído, esta fotografia não se inseriu no rol da “iconosfera” de imagens fotográficas reproduzidas ao longo da história sobre o presidente Getúlio Vargas.

18Posteriormente, outras fotografias similares foram publicadas ao longo da década de 1930, possivelmente descaracterizando a áurea da fotografia anterior. Ou seja, não se tratava de uma única foto, salvo a singularidade do momento histórico. Uma destas outras reproduções encontra-se na fotografia publicada anos mais tarde, em edição de janeiro de 1938, intitulada “A viagem do presidente”, que desta vez retornaria ao Rio Grande do Sul às vésperas das festividades natalinas e de ano novo. Desta vez em imagem de apelo estético não tão forte quanto a anterior, mas revestida de um tom elogioso muito similar em relação à presença e à própria personalidade de Getúlio Vargas. Fotografias documentais, teatralizadas ou não, as imagens do presidente de República, que se manteve no cargo de 1930 a 1945, e retornaria mais tarde, de 1951 a 1954, se apresentam como recursos visuais repletos de signos que merecem a atenção do pesquisador das imagens. E os signos, por sua vez, informam, de acordo com o pressuposto de André Rouillé, reforçado pela perspectiva do ponto de vista apresentado pela historiadora brasileira Ana Mauad (2008, 53).

Textos, contextos, sentido são noções que pressupõem a discussão sobre o quadro de referências no qual se tornam inteligíveis como categorias analíticas. (...) Nesta perspectiva, cultura é comunicação, é informação, enfim, o resultado de uma prática social criativa. É fundamental ter-se em conta que a cultura, ao realizar-se no dia-a-dia, coloca em funcionamento uma série de códigos que permitem expressar esta “realidade diária” através dos objetos, pensamentos, comportamento, palavras, etc. que assumem funções sígnicas variadas no processo de semiose social.

19Desta forma, no decorrer dos anos percebe-se que a imagem de Getúlio Vargas vai se “iconizando”, com a permissão do uso deste termo, à própria representação visual do poder. Até então, nenhum presidente da República permaneceu por tanto tempo no poder, caracterizando uma memória nacional que torna indissociável o nome de Vargas à história política brasileira.

Figuras 12 e 13

Figuras 12 e 13

Figuras 12 e 13 – REVISTA DO GLOBO. Porto Alegre, n. 221, jan. 1938 , p.21; n. 221, jan. 1938, capa.

20Torna-se cada vez mais comum a identificação visual do presidente com os signos republicanos, mesmo que a fotografia possua natureza documental. E isso especialmente após 1937, quando se instituiu um novo golpe para a permanência de Getúlio Vargas na presidência do governo federal, instituindo-se o que no Brasil convencionou-se chamar de Estado Novo. Vide a edição de janeiro de 1938, quando da presença de Vargas ao extremo sul brasileiro, na cidade de Uruguaiana, para a inauguração da ponte rodoviária e ferroviária que ligaria o Brasil à cidade argentina de Paso de Los Libres. Na representação visual, o momento foi documentado sob o título de “Brasil e Argentina unidos para a maior glória da América”, tendo os brasões de ambos os países unidos em suas metades e a fotografia, de alto teor simbólico, dos presidentes das duas nações, Getúlio Vargas e Agustin Justo se abraçando. A ponte, no entanto, foi nomeada com o nome dos dois governantes.

21Finalmente, na mesma edição de janeiro de 1938 em que Getúlio Vargas retorna a uma das capas da Revista do Globo – o que não era de todo comum, já que a maioria das capas do periódico era composta por ilustrações ou, em especial, por representações visuais femininas. Em uma mescla de fotografia com pintura, dadas as intervenções técnicas em cores feitas a partir do original fotográfico, uma imagem que se almeja em tom oficial apresenta a personalidade política tendo ao fundo, por completo, a bandeira nacional brasileira. Getúlio Vargas desta vez é representado com o corpo virado em um ângulo de aproximadamente 45 graus para o lado direito, semblante sério, sem olhar para a câmera fotográfica. Esta fotografia, assim como todas as outras presentes ao longo da década de 1930 nas edições da Revista do Globo, caracteriza um universo visual que se regulou pelas instâncias de poder político, não somente no que tange a questão administrativa estadual ou nacional, mas o próprio âmbito político das imagens. Encaixam-se na categoria do visível como lembra o historiador brasileiro Ulpiano Bezerra de Meneses (2005, p. 36).

O visível (com, naturalmente, sua contrapartida, o invisível) representa o domínio do poder e do controle, o ver/ser visto, dar-se/não se dar a ver, os objetos de observação obrigatória, assim como os tabus e segredos, as prescrições culturais e sociais e os critérios normativos de ostensão ou discrição – em suma, de visibilidade e invisibilidade.

22Em contraponto com o visível, e em contraponto com a própria fotografia documental, cabe relegar ao devaneio do imaginário como seriam estas representações de um percurso visual invisível de Getúlio Dorneles Vargas. Invisível ao menos para a narrativa histórica, calcada em imagens reproduzidas em forte circunstância de consentimento. Neste sentido, tanto a visibilidade, que de certa forma pode se apresentar na Revista do Globo como uma fonte de estudos relativamente inexplorada por parte da grande produção historiográfica que trata sobre Getúlio Vargas, quanto às especulações da invisibilidade, que caracterizam justamente o suporte que não se materializou como documento histórico, visam contribuir para uma nova interpretação sobre a denominada Era Vargas, desde a análise fundamentada, e contextualizada, de seus produtos visuais.

Figura 22

Figura 22
  • 5 Texto: “A Revista do Globo e o presidente Getúlio Vargas. A Revista do Globo teve a honra e o praze (...)

REVISTA DO GLOBO. Porto Alegre, n. 151, dez. 19345, p.37.

23Por fim, a materialização do casamento entre fotografia e imprensa sintetiza, em sua particularidade, o diálogo e a harmonia entre Getúlio Vargas e a Revista do Globo. Em edição de dezembro de 1934, o periódico reproduz uma carta feita de próprio punho pelo presidente da República à revista (figura 14), agradecendo pela edição comemorativa feita em homenagem a Vargas, quando de seu retorno a Porto Alegre, em meio aos acontecimentos políticos, mencionando que a Revista do Globo foi, “nascida numa sugestão minha, mantida pela instância de nosso esforço”. Ante o percurso visual do político, as fotografias da Revista do Globo documentaram, publicizaram e, consequentemente, informaram sobre as experiências políticas de Getúlio Vargas, acompanhando em tom elogioso e aparentemente de comum acordo sua ascensão social, reproduzindo imagens de composições fotográficas diferentes frente às próprias diferenças das especificidades contextuais.

Haut de page

Bibliographie

ABREU, Luciano Aronne de. Getúlio Vargas: a construção de um mito (1928-30). Porto Alegre: EDIPUCRS, 1996.

ARAÚJO, Eduardo Barreto de. Representações de Getúlio Vargas nas páginas da Revista do Globo (1929-1937): de gaúcho à chefe da nação. Dissertação do Mestrado: História. Santa Maria, RS: Universidade Federal de Santa Maria, 2015.

ARAÚJO, Maria Celina Soares D’. O Estado Novo. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2000.

KOSSOY, Boris. Os tempos da fotografia: o efêmero e o perpétuo. Cotia: Ateliê Editorial, 2007.

MACHADO JÚNIOR, Cláudio de Sá. Fotografias da vida social: identidades e visibilidades nas imagens publicadas na Revista do Globo (Rio Grande do Sul, década de 1930). 290 f. Tese: História. São Leopoldo, RS: Universidade do Vale do Rio dos Sinos, 2011.

MAUAD, Ana Maria. Poses e flagrantes: ensaios sobre história e fotografias. Niterói: EdUFF, 2008.

MENESES, Ulpiano Toledo Bezerra de. Rumo a uma “história visual”. In MARTINS, José de Souza, Cornélia ECKERT e Sylvia Caiuby NOVAES (ed.). O imaginário e o poético nas Ciências Sociais. Bauru: EDUSC, 2005, 33-56.

OLIVEIRA, Lúcia Lippi. Sinais da modernidade na era Vargas: vida literária, cinema e rádio. In FERREIRA, Jorge e Lucilia de Almeida Neves DELGADO (ed.). O Brasil republicano: o tempo do nacional-estatismo do início da década de 1930 ao apogeu do Estado Novo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007, 323-350.

REVISTA DO GLOBO. Porto Alegre, n. 1 a 266, jan. 1929 a dez. 1939. Acervo digitalizado e disponível em DVD-ROM.

ROUILLÉ, André. A fotografia: entre documento e arte contemporânea. São Paulo: SENAC, 2009.

SOULAGES, François. Estética da fotografia: perda e permanência. São Paulo: SENAC, 2010.

Haut de page

Notes

1 A Revista do Globo pode se apresentar como um dos poucos periódicos que conseguiu se afirmar ao longo de muitos anos, sem que crises financeiras encerrassem precocemente a sua publicação e circulação, como ocorreu com outros empreendimentos jornalísticos no estado, e especialmente em Porto Alegre. Para a época, portanto, apresentou-se como a mais importante revista de seu tempo produzida no Rio Grande do Sul, publicando um conteúdo de diversidades que dizia respeito não somente ao cenário social local, mas também ao que acontecia no cenário mundial, visto a quantidade de imagens diagramadas e de textos traduzidos que nela foram publicados. Acompanhava, assim, um rol de publicações que as capitais brasileiras prezavam por manter, especialmente Rio de Janeiro e São Paulo. No âmbito internacional, serviam como modelos algumas tendências presentes em periódicos publicados em Paris, Londres e Berlim, por exemplo, além de outras presentes em diversas cidades dos Estados Unidos.

2 Legenda extraquadro: “Sentados: o nosso diretor, Mansueto Bernardi, Dr. Osvaldo Aranha, Secretário do Interior, arcebispo D. João Becker, Dr. Getúlio Vargas, presidente do Estado, Sr. Francisco Caldas, diretor do Correio do Povo, Srs. Osvaldo Rentzsch e José Bertaso, coproprietários da Livraria do Globo. Em pé: João Pinto da Silva, Dr. Pedro Vergara, Dr. Paulo Hasslocher, Andrade Queiroz, Dr. Moysés de Moraes Velhinho, Dr. Walter Sarmanho, Sotéro Cosme, Athos Damasceno Ferreira, De Souza Júnior, Francisco de Paula Job, João Fahrion e Angelo Guido”.

3 Para mais detalhes, sugere-se a leitura do artigo “Performances de relações familiares: as charges e seu avesso fotográfico nas representações matrimoniais sul-rio-grandenses (1929-1930)”, publicado pela revista Anos 90, disponível em <http://www.seer.ufrgs.br/index.php/anos90/article/view/40726>. Acesso em 30/1/2015.

4 Sobre o período anterior ao golpe, de ascensão política de Getúlio Vargas: ABREU, Luciano Aronne de. Getúlio Vargas: a construção de um mito (1928-30). Porto Alegre: EDIPUCRS, 1996. Aos mais pontuais: ARAÚJO, Maria Celina Soares D’. O Estado Novo. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2000. E aqueles que tratam sobre aspectos mais culturais: FERREIRA, Jorge; e Lucilia de Almeida Neves DELGADO (ed.). O Brasil republicano: o tempo do nacional-estatismo do início da década de 1930 ao apogeu do Estado Novo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007, 323-350.

5 Texto: “A Revista do Globo e o presidente Getúlio Vargas. A Revista do Globo teve a honra e o prazer de dedicar o seu número passado ao exmo. snr. dr. Getúlio Dorneles Vargas, Chefe da Nação. S. Excia. Por esse motivo dirigiu à firma editora deste quinzenário a carta que temos o grande prazer de reproduzir em fac-simile”.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura 1
Légende REVISTA DO GLOBO. Porto Alegre, n. 2, jan. 1929, p.10.2
URL http://journals.openedition.org/orda/docannexe/image/2248/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 268k
Titre Figuras 2 e 3
Légende Figuras 2 e 3 - REVISTA DO GLOBO. Porto Alegre, n. 14, ago. 1929, p.26; n. 15, ago. 1929, p.18.
URL http://journals.openedition.org/orda/docannexe/image/2248/img-2.png
Fichier image/png, 158k
Titre Figuras 4 e 5
Légende Figuras 4 e 5 – REVISTA DO GLOBO. Porto Alegre, n. 15, ago. 1929 , p.26; n. 20, out. 1929, p.45 .
URL http://journals.openedition.org/orda/docannexe/image/2248/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 33k
Titre Figuras 6 e 7
Légende Figuras 6 e 7 - REVISTA DO GLOBO. Porto Alegre, n. 25, jan. 1930 ͤ , p.45 e 47.
URL http://journals.openedition.org/orda/docannexe/image/2248/img-4.png
Fichier image/png, 192k
Titre Figuras 8 e 9
Légende Figuras 8 e 9 – REVISTA DO GLOBO. Porto Alegre, n. 28, fev. 1930 , p.17; n. 43, out. 1930, p.18.
URL http://journals.openedition.org/orda/docannexe/image/2248/img-5.png
Fichier image/png, 311k
Titre Figuras 10 e 11
Légende Figuras 10 e 11 – REVISTA DO GLOBO. Porto Alegre, n. 169, set. 1935 , p.97; n. 220, jan. 1938, p.13.
URL http://journals.openedition.org/orda/docannexe/image/2248/img-6.png
Fichier image/png, 174k
Titre Figuras 12 e 13
Légende Figuras 12 e 13 – REVISTA DO GLOBO. Porto Alegre, n. 221, jan. 1938 , p.21; n. 221, jan. 1938, capa.
URL http://journals.openedition.org/orda/docannexe/image/2248/img-7.png
Fichier image/png, 279k
Titre Figura 22
Légende REVISTA DO GLOBO. Porto Alegre, n. 151, dez. 19345, p.37.
URL http://journals.openedition.org/orda/docannexe/image/2248/img-8.jpg
Fichier image/jpeg, 338k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Cláudio de Sá Machado Júnior, « Percursos visuais do político: representação pública e performance fotográfica de Getúlio Vargas », L'Ordinaire des Amériques [En ligne], 219 | 2015, mis en ligne le 07 décembre 2015, consulté le 23 juin 2018. URL : http://journals.openedition.org/orda/2248 ; DOI : 10.4000/orda.2248

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
L’Ordinaire des Amériques est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d'Utilisation Commerciale - Pas de Modification 4.0 International.

Haut de page
  • Logo IPEAT
  • Logo Université Toulouse-Jean Jaurès
  • Logo Université de Toulouse
  • Logo Latindex
  • OpenEdition Journals