Navigation – Plan du site
Algunas instituciones

Comemorações da Independência: a História ocupa o lugar das Ciências Naturais no Museu Paulista, Brasil

Conmemoraciones de Independencia: la historia ocupa el lugar de las ciencias naturales en el Museo Paulista de Brasil
Maria Margaret Lopes
p. 33-50

Résumés

L’article aborde des aspects de la transformation du Musée d’Histoire Naturelle de la ville de São Paulo, au Brésil, en un musée d’Histoire Régionale. Cet espace d’invention des traditions locales a marqué la période des célébrations du centenaire de l’indépendance du Brésil en 1922.

Haut de page

Notes de la rédaction

A natureza das festas de 1922 coloca a História Natural em segundo plano para por em vivo destaque a necessidade da glorificação das tradições brasileiras e paulistas sobretudo o que se prende de perto aos dias de 7 de setembro (...) Se o Estado construir um prédio próximo do Museu para nele abrigar a administração, a biblioteca, os depósitos, os laboratórios, as oficinas da parte relativa a História Natural, ficará o Monumento desafogado...

Affonso de Taunay, Resposta a consulta do Governo do Estado sobre um projeto de alargamento do Museu, atendendo-se as próximas comemorações centenárias. Revista do Museu Paulista, tomo XII, 1920, p. 485

Texte intégral

  • 1 Taunay, Affonso de E. Relatório de Atividades referente aos anos de 1921, 1922, 1923. Separata da R (...)
  • 2 Em diversos de meus trabalhos tenho discutido as origens e o desenvolvimento do Museu Paulista, com (...)

1O edifício do Museu Paulista de São Paulo, no Brasil, foi construído como um monumento próximo ao local onde se admite que foi proclamada a Independência do Brasil de Portugal, por D. Pedro I, em 1822. Palco anual das comemorações da data, nos anos que antecederam o centenário da Independência, o então diretor do Museu, o engenheiro dedicado à História, Affonso d´Escragnolle Taunay (1876-1958) ao assumir a direção da Instituição, começou a estabelecer seu projeto de construir «um Museu histórico em São Paulo, sobretudo no monumento do Ipiranga, no local glorioso da Proclamação da Independência»1. Isto significava transformar num Museu Histórico o Museu Paulista, até então, dedicado às Ciências Naturais, especializado em Zoologia e uma referência na América Latina2.

  • 3 A autora agradece ao CNPq o apoio ao Projeto de Bolsa de Produtividade em Pesquisa 2009-2012: Globa (...)

2Para discutir esse processo, este artigo considera em primeiro lugar a atuação científica de dimensões internacionais e indissociavelmente política de Hermann von Ihering (1850-1930) –o diretor e organizador do Museu Paulista de São Paulo entre 1894 e 19163. Sua trajetória científica é marcada por envolvimento em questões de política indigenista, disputas institucionais com o Museu Nacional do Rio e Janeiro, e sua condição de alemão, mesmo naturalizado brasileiro, foi argumento retórico utilizado no período da Primeira Guerra Mundial, para seu afastamento da direção do Museu. Para concluir, o artigo contextualiza e discute o significado dessa transformação do Museu, em Museu Histórico –o que perdura até hoje– no ambiente da comemoração do Centenário da Independência do país.

Um monumento para um quadro

3Em 7 de setembro de 1885, no ocaso do Império brasileiro (a República seria proclamada em 1889) políticos conservadores anunciaram a concretização –com recursos reunidos por loterias públicas–, de antigos projetos nunca realizados de construção de um Monumento sobre a colina do Ipiranga, na cidade de São Paulo –sítio consagrado como o local da proclamação da Independência do Brasil de Portugal, em 7 de setembro de 1822. O processo de Independência, em que o Príncipe regente –herdeiro do trono português– encarregou-se de romper os laços formais de união do Brasil e Portugal, só começaria a se consolidar em 1826, quando então o dia 7 passou a ser listado entre as datas nacionais. O 7 de setembro seria proclamado em São Paulo, no entanto, suas comemorações, até mesmo as festividades do Centenário da Independência em 1922, foram sempre mais espetaculares, no Rio de Janeiro, capital do país até a década de 1960.

4O Monumento consagrado à Independência, resultado adaptado do projeto arquitetônico do engenheiro italiano Tommaso Gaudenzio Bezzi, foi declarado pronto, embora sem os acabamentos finais, em 1890. Uma certa estranheza historiográfica acompanha a tardia construção desse edifício, a demora na efetivação do projeto datado de logo após a Independência (Guilhotti et alii, 1990), a perda durante longos anos do século XIX de um marco, que assinalava exatamente o local da proclamação da Independência, bem como a indefinição sobre o uso futuro do edifício.

  • 4 No artigo de Henry Raffard Alguns dias na Paulicéa de 1892, em que se comentam as diversas possívei (...)

5Existiram propostas de que o Monumento abrigasse uma escola, mas suas condições de humidade não possibilitavam tal uso. Quanto à idéia de que se tornasse a residência oficial do governo do Estado de São Paulo, os argumentos contrários remetiam à distância de sua localização do centro da cidade, em bairro ainda sem luz elétrica, sem calçamento e sem transporte de linhas de bonde. Não faltaram propostas de aí se organizar um museu histórico, instituição que até então o Brasil não possuía. Mas, o que parece ter dado certo em parte, foi o lobby de alguns jornais que argumentavam que desde «sempre» se cogitara em consagrar o Monumento à ciência. Alguns setores sugeriam que para o Ipiranga fosse transferida a Comissão Geográfica e Geológica de São Paulo –a instituição encarregada do mapeamento do território para o avanço da cafeicultura4.

6Vazio e sem destino até 1893, o edifício passaria a ser ocupado pelo recém-organizado Museu do Estado que se desmembrava da Comissão Geográfica e Geológica de São Paulo. Hermann von Ihering, o zoólogo da Comissão, já responsável pelas coleções desde o ano anterior, foi nomeado diretor do Museu que passou a se chamar Paulista, em 15 de janeiro de 1894.

7Com o edifício, de aparência grandiosa, mas de interior modesto com seus 123 m de fachada e apenas 13 m de fundos, von Ihering recebeu, o quadro de Pedro Américo de Figueiredo «O Brado do Ipiranga ou a Proclamação da Independência» destinado à sala de honra do edifício mesmo antes de se resolver a finalidade do Monumento. Disposto até hoje nesse cenário, ele é talvez a representação naturalizada de nossa história mais familiar para qualquer brasileiro. A tela executada em Florença, que aguardava numa sala da Faculdade de Direito sua remoção para o Ipiranga, já era desde então publicamente dessacralizada de forma irreverente por Henry Raffard, secretário do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, do Rio de Janeiro.

  • 5 Ironicamente, o autor utiliza o nome do cavalo de Alexandre o Grande, que se tornara sinônimo de ca (...)
  • 6 Raffard, Alguns dias na Paulicéa... p. 242. Pedro Américo de fato já havia publicado o livro O Brad (...)

8Um a um os elementos do quadro foram desconstruídos: o cavalo em que D. Pedro aparecia montado, seguramente deveria ter sido um «bucéfalo»5 de orelhas mais desenvolvidas –uma mula no caso– o meio de transporte comumente utilizado para as viagens no país na época. Seria muito improvável que seus acompanhantes fossem tantos e estivessem usando uniformes de gala, uma vez que D. Pedro, que, aliás, diziam não estava nem montado quando teria proferido o Grito de Independência ou Morte, o fizera em um gesto de indignação não premeditado, contra as ordens das Cortes Portuguesas, de que acabava de ser informado por um mensageiro. Irônico, Raffard não duvidava de que Pedro Américo estudioso como era, ainda divulgaria os dados em que baseara sua obra, esclarecendo esses aspectos controversos da história pátria6.

9Mas não seriam nem essa a história, nem essas as controvérsias que o Museu Paulista preservaria durante a direção de Taunay, que se prolongaria de 1917 a 1945. Formado em Engenharia Civil pela Escola Politécnica do Rio de Janeiro, Taunay lecionou Química, Física experi-mental e História Natural por cerca de vinte anos, entre 1899 e 1917 na Politécnica de São Paulo. Seu romance histórico «Crônica do tempo dos Felipes» de 1910, o introduziu no seleto círculo do Instituto Histórico e Geográfico Nacional e do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo.

10À frente do Museu Paulista, Taunay se encarregaria de uma tradição a ser inventada para um São Paulo que nunca coubera em suas fronteiras; para um passado paulista, local, a ser tomado como nacional. Uma vez que a nação independente nascera em São Paulo, no Ipiranga, tratava-se de contar toda a história anterior e subseqüente sob essa perspectiva. A um São Paulo moderno «locomotiva do país» caberiam as glórias, em uma narrativa linear e globalizante, de não só ter sediado a proclamação da Independência, como também a fundação do Partido Republicano Paulista, o mais ferrenho opositor da Monarquia a partir dos anos de 1870. Fato este, que Taunay também musealizaria no Museu Republicano Convenção de Itu, criado como anexo do Museu Paulista, em 1923, em seguida às comemorações da Independência.

11Não se trata de novidade na historiografia sobre a República no Brasil, o significado que adquiriram as sucessivas tentativas de apropriação da Independência por diferentes elites paulistas. Os paulistas, os habitantes do que se configurou como a província e depois o Estado de São Paulo, são lembrados no período colonial, pelo mito definitivamente consolidado por Taunay, de suas bandeiras –expedições de caça para escravização de indígenas e de conquista e ampliação de fronteiras do território à procura de ouro. Aos paulistas não coube qualquer papel de destaque no cenário do período imperial, desde que a Corte Portuguesa deslocou seu Império em 1808, para o Rio de Janeiro. Mas, Taunay reservaria um lugar especial a esses «bandeirantes heróicos» na historiografia nacional que passaria a divulgar na nova publicação do Museu –os Anais do Museu Paulista–, e na expografia do Museu que seria toda remodelada para o Centenário da Independência.

12Aproximando-se a data da comemoração do centenário, Taunay já explicitava claramente no documento oficial citado em epígrafe, seu projeto de colocar a História Natural em segundo plano. Implantado aos poucos, Taunay conseguiria a saída da seção de Botânica do Museu Paulista em 1927 e finalmente a de Zoologia, em 1939. Mas como em 1920, o edifício continuava pequeno, agora para os planos do novo diretor, já se tratava de argumentar em favor de transferir a infra-estrutura do até então bem sucedido Museu especializado em Zoologia, para um outro edifício a ser ainda construído, e consagrar todo o espaço do Monumento do Ipiranga à História. Ou melhor, a sua escrita e musealização da História.

  • 7 Para uma discussão sobre as articulações em torno da indicação do nome de Taunay para a direção do (...)

13Como o homem certo no lugar certo7, Taunay, o politécnico que começava a se especializar em História, assumiu a direção do Museu Paulista em uma tentativa de recuperar a instituição, da crise porque passava desde a demissão de Hermann von Ihering de sua direção.

Lembrança do Museu Paulista

14Com a República e a proeminência econômica da cafeicultura e dos políticos paulistas no cenário nacional, São Paulo se tornou um pólo mais atrativo para aqueles naturalistas estrangeiros, que já haviam integrado os quadros funcionais do Museu Nacional do Rio de Janeiro e agora se deslocavam para São Paulo em busca de melhores espaços profissionais. Em São Paulo, havia recursos e no entender exagerado de Orville Derby (1851-1915), o geólogo norte-americano diretor da Comissão Geográfica e Geológica - CGG, São Paulo era o único lugar, em que mais de um indivíduo estava tentando fazer alguma coisa em termos de pesquisas científicas em todo o Brasil.

  • 8 Carta de Orville Derby a Hermann von Ihering. São Paulo, 23/01/1893. STAATSBIBLIOTEK PREUSSISCHER K (...)

15Hermann von Ihering chegou ao Museu Paulista, passando pela seção de Zoologia da CGG –como Derby lhe deixara claríssimo em sua correspondência– pela sua boa vontade em ajudar um colega desempregado e por uma deferência do governo paulista para com o próprio Derby e não exatamente por algum projeto do Estado voltado para a pesquisa zoológica ou por algum interesse específico no trabalho de Ihering. Também não havia qualquer interesse a princípio, na criação de um Museu, a partir das coleções históricas, mineralógicas, de miscelâneas «encostadas» na Comissão, conhecidas como Museu Sertório e considerado um verdadeiro «elefante branco»8.

  • 9 Em função do impulso gerado e das demandas da expansão cafeeira, o governo paulista empenhou-se na (...)

16A setores das elites cafeicultoras paulistas, políticos, interessavam sim instituições de ciências eminentemente aplicadas, tais como as que estavam proliferando inclusive fora da capital9. Mais um museu, menos um museu, como advogava o próprio von Ihering, o resultado não seria grande coisa para o progresso das ciências naturais (von Ihering, 1907). Estas dependiam cada vez mais não de museus ecléticos, generalistas, resquícios dos séculos anteriores, mas de museus extremamente especializados, em áreas e subáreas disciplinares como o que pretendia construir, em sua especialidade: zoologia de moluscos fósseis e viventes.

17Um edifício vazio, uma oportunidade aproveitada, articulações de interesses claramente pessoais entraram na história transformados em políticas de Estado. A construção de uma instituição de pesquisa científica no Monumento à Independência, divide opiniões até hoje. O que a retórica da época, considerou um atestado de modernidade do governo de São Paulo, correntes historiográficas entenderam como desinteresse da república para com os símbolos do Império (Sandes, 2000). A «correção» de rumo da instituição caberia a Taunay, com a historicização do espaço, conduzindo o Museu ao «verdadeiro destino» do local reservado à celebração da Independência.

  • 10 No discurso de inauguração do Museu Paulista, divulgado na imprensa e publicado no primeiro volume (...)

18Mas, em um ano de negociações intensas, trabalhando pro domo sua, junto ao governo de São Paulo, como lhe acusariam os naturalistas do Museu Nacional do Rio de Janeiro, em uma de suas diversas disputas10, Von Ihering implantou o museu dedicado à Zoologia, especialmente sul-americana que dirigiu por 22 anos de 1894 a 1915, nas colinas sagradas do Ipiranga, no Monumento à Independência, que ninguém soubera como ocupar.

19Advogado da especialização, dedicando-se ao longo de toda sua vida desde sua tese de doutorado, à Zologia e Paleozoologia de moluscos, Von Ihering reconhecido como um notável malacólogo, foi uma autoridade em outros ramos da Zoologia e dedicou-se especialmente à Etnografia. A partir de suas coleções particulares, as do Museu Paulista, as das instituições argentinas, ou enviadas pelos irmãos Carlos e Florentino Ameghino (1854?-1911) –o conhecido paleontólogo argentino– e por sua própria rede de correspondentes internacional, Ihering traçou as configurações de seus continentes e mares apoiadas nos questionamentos aos posicionamentos de Wallace sobre a «invariabilidade das grandes profundidades dos oceanos». Foram suas conchas de mares rasos e de água doce reunidas no Museu Paulista que o inseriram diretamente nos debates geológicos que marcaram a transição do século sobre as origens e desenvolvimentos das montanhas, dos continentes e oceanos (Lopes e Podgorny, 2007).

20Von Ihering de fato classificou conchas e mapeou antigos e modernos continentes e oceanos a exaustão, mas também se ocupou e muito na direção do Museu Paulista, em elaborar mapas e traçar trajetórias e distribuições geográficas antigas e então atuais de populações indígenas, especialmente no Brasil meridional. Seus diversos artigos arqueológicos e antropológicos de «cunho estritamente científico» –como fazia questão de ressaltar, essencialmente compatíveis com a política indigenista aplicada na prática, se o sustentariam em São Paulo, lhe trariam imensas polêmicas públicas e lhe angariariam inúmeros desafetos.

  • 11 O artigo de von Ihering «The Anthropology of the State of São Paulo, Brazil. Written on the occasio (...)

21Tais polêmicas envolviam a construção de uma tradição para os paulistas e não se limitavam a uma «querela» etnográfica, sobre a filiação lingüís-tica dos antigos Guaianá, dos quais não se queria admitir os bravios Kaingang do oeste paulista como seus descendentes (Monteiro, 1992). O mito da origem da sociedade paulista perpassava as políticas que incidiam sobre o presente e o futuro dos indígenas que então vinham sendo dizimados pelos processos de expansão da cafeicultura e urbani-zação do oeste paulista, como os mapas de Von Ihering denunciavam11. Von Ihering que encarnou o papel de vilão nos ataques que despertaram os mais diversos sentimentos nacionalistas, escreveu ao amigo Florentino Ameghino –diretor do Museu de Buenos Aires–, dizendo:

  • 12 Carta 1711, de H. von Ihering para F. Ameghino (SP, Dec / 11 / 1908) Torcelli, A.J. (org.) Obras Co (...)

Estou envolvido neste tempo em uma polêmica sobre o tratamento dos índios bravos. Entende (sic) que, os que ano por ano matam colonos e moradores do sertão devem ser perseguidos e matados, ao passo que a falsa filantropia dos jornais e do Museu Nacional do Rio de Janeiro quer ver protegidos os antigos donos de país a todo transe12.

22Von Ihering afirmava com toda clareza nos jornais, que o protesto dirigido contra ele «por causa do extermínio dos Coroados [Kaingang] era absurdo» e que deveria ser dirigido à política oficial, «visto que este extermínio dos Coroados se efetua ano por ano» com pleno consentimento do governo, sendo que em breve a civilização venceria os últimos Coroados bravios (Von Ihering, 1908, p. 2).

23Em todo este debate muito mais complexo, Von Ihering sempre argumentou que seu interesse maior era aprofundar seus próprios estudos, além de fornecer subsídios para os homens de estado e informações para as pessoas cultas, uma vez que poucas pessoas tinham idéia de quanto ainda era deficiente o estudo da etnografia do Brasil meridional. Sócio do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo, onde seus artigos arqueológicos e antropológicos também eram publi-cados, Von Ihering se interessou vivamente pela etnografia e arqueologia do sul da América, e não abandonou questões historiográficas.

  • 13 A interpretação construída por Taunay influenciou fortemente a historiografia mesmo recente do Muse (...)

24Plenamente consciente do significado simbólico atribuído à localidade de seu museu, Hermann von Ihering pode não ter priorizado, mas não descuidou da História em seu monumento. Desde seu discurso de posse, em diversos de seus relatórios oficiais, em inúmeras de suas iniciativas e aquisições a «História pátria», se faria presente13. Diretor de Museu, sabedor da importância das estatísticas de público para o prestígio e as verbas da instituição, Von Ihering não ignorava que os anos em que oficialmente o Estado realizava comemorações da Independência nos jardins do Museu sempre foram aqueles, em que se registrava maior afluxo de público.

25E na verdade na ausência de um museu histórico no país, as coleções do Museu Paulista não eram desprezíveis, como Taunay quis fazer valer. Parcimonioso em sua política de aquisições, no museu de Hermann von Ihering só havia lugar para objetos históricos que se relacionassem a fatos históricos, a costumes, usos ou técnicas de épocas passadas. Assim mobiliário, documentos, quadros adquiriam valor histórico por incorporarem contextos culturais específicos. Essses eram privilegiados em detrimento de objetos pessoais, mesmo que de personagens de destaque na vida nacional, que muitas vezes eram de interesse apenas da família, e não do Museu, como o piano de cauda da Princesa Isabel ou objetos pessoais do Duque de Caxias, oferecidos mais de uma vez para a compra pelo Estado.

26Naquele início de século, Hermann von Ihering com seu museu, suas coleções de conchas, coleções zoológicas, etnográficas, históricas, seus intercâmbios institucionais, publicações inseriu-se perfeitamente na rede internacional de museus já tão bem caracterizada na historiografia.

Uma rede constituída «em suas práticas na síntese pós-darwiniana das ciências históricas, que estabeleceu um novo conjunto de tempos interconectados publicamente perceptível». O musealizar cada tempo na forma de uma seqüência de desenvolvimento linear fornecia as condições para sua amalgamação em uma narrativa totalizante, na qual a história da terra calibrava as histórias de vida na terra e aquelas das civilizações, culturas e tecnologias humanas. (Bennett, 2004, p. 24)

27Portanto não havia exatamente contradição entre o conjunto das coleções, cujas temáticas estão largamente presente nas mais de 300 publicações científicas de Von Ihering. O que havia sim, e absolutamente ao tom da época era o privilégio à investigação científica, em detrimento do divertimento do público, ou da estética das exposições, onde quadros históricos ornamentavam salas de minerais, o que lhe traria também não poucas críticas, quando da nova administração.

28Agradecendo aos amigos argentinos por ter sido mencionado como continuador da obra de Florentino Ameghino e ter o seu nome colocado ao lado dos grandes biólogos de origem germânica que dirigiram museus na Argentina e no Chile: Hermann Burmeister e Rudolph Amando Philippi foram as duas expressões que a Hermann von Ihering lhe pareceram as mais «sumamente simpáticas e lisongeiras», quando em 18 de junho de 1928, de Büdingen, escreveu a Herrero Ducloux, o vice-presidente da academia argentina, agradecendo sua honrosa nomeação como «Académico Correspondente». O reconhecimento da Academia Argentina justificava-se por sua longa trajetória de cooperação científica com os colegas argentinos, especialmente com Florentino Ameghino, bem como pela inserção de Ihering em uma rede de contatos no meio acadêmico internacional particularmente no «colégio invisível» alemão de sua geração.

  • 14 Emile Snethlage também foi afastado da direção do Museu Paraense Emílio Goeldi, de Belém do Pará no (...)

29Afirmando-se como latino-americano –Von Ihering era naturalizado brasileiro– e diferenciando-se dos demais europeus da geração de sessenta, que como ele trabalharam na América Meridional e daí não quiseram mais que apenas ter os seus objetos para classificar, sem se importar com sua história cultural, Ihering continuava inconformado com sua demissão da instituição paulista. Atribuía ao governo do Estado de São Paulo, depois de seus 23 anos de contribuição, que lhe pusera «ao ar fresco» sem maiores explicações, o fato de estar novamente vivendo há dois anos na Alemanha. A psicose da Guerra Mundial, como argumentava seu amigo o diplomata argentino Ernesto Quesada, nesse decênio que se seguia, já não deveria ser mais, para Ihering, motivo que justificasse a injustiça de seu afastamento14 (Ihering, 1930, p. 280).

30Injustiça ou não, mas seguramente mudanças de contextos sócio-políticos, Taunay que permanecia à frente do Museu, quando von Ihering se lamentava, de fato abrira seu primeiro relatório de atividades no Museu do ano de 1917, expressando seus interesses profissionais revestidos de nacionalismo ultrajado. Lembrando «o assalto covarde» aos navios brasileiros pelos submarinos alemães (este foi o pretexto que marcou a entrada do Brasil na Primeira Guerra Mundial) e orgulhando-se de que o Museu Paulista era «um dos maiores símbolos da tradição brasileira e depositário de tão valiosos padrões da nossa vida nacional» solidarizava-se com o que chamava de «surto patriótico» dos governos nacional e estaduais, confiando plenamente «na eficiência da política brasileira em desafronta de nosso brios ultrajado» (Taunay, 1918, p. 975).

31Excluído do passado, da memória, da história, da lembrança do Museu Paulista, pela conveniente separação institucional de 1939 que resultou na construção do Museu de Zoologia (é certo que localizado muito «inconvenientemente» perto do Monumento do Ipiranga), Von Ihering desapareceu do Museu Paulista. Nem Taunay, nem outros diretores deixaram qualquer vestígio museológico no Monumento do Ipiranga que se pudesse associar a Von Ihering. Ironicamente os novos heróis do Museu Paulista –desbravadores de fronteiras, caçadores de índios para escravizar baniram do museu qualquer traço associado a Von Ihering, acusado exatamente de defender os modernos bandeirantes, desbravadores do sertão, arautos do progresso e exterminadores dos indígenas que não se deixavam mais escravizar. E as festas do centenário da Independência, constituíram-se em marcos fundacionais dessas novas expografias historiográficas.

«Não sinto entusiasmo pelo Grito do Ipiranga»: Dom Pedro cercado por bandeirantes

32No Livro de ouro comemorativo do Centenário da Independência e da Exposição Internacional, de 1922, Capistrano de Abreu, reconhecido historiador brasileiro do período, e «mestre» reverenciado por Taunay, abre a publicação com um estudo que se tornou clássico sobre a carta de Pero Vaz de Caminha –o primeiro documento oficial sobre o «descobrimento» do Brasil. Também convidado pelo estado de São Paulo para escrever uma página para a comemoração do centenário, confessa em carta a Taunay:

  • 15 A correspondência de Capistrano de Abreu foi publicada por José Honório Rodrigues em 1977. (Sandes, (...)

«Não pretendia tocar no assunto porque minha participação não faria falta –é um verdadeiro ‘curée’ do qual faltará carne, não urubus. Além disso, não sinto entusiasmo pelo Grito do Ipiranga» (Rio, 26 de abril de 1922)15.

33O povo também assistiria sem «nenhum entusiasmo», as festas oficiais do Centenário, segundo Lima Barreto um dos mais contundentes críticos do que se alardeava como progresso e modernidade de um país de profundas desigualdades sociais. No ano de 1922, marcado por revoltas nos quartéis do Rio de Janeiro, mobilizações artísticas, como a Semana de Arte Moderna em São Paulo, movimentos feministas e operários e pela fundação do Partido Comunista no país, o que se notava, é que as festas que iam se desenrolando eram completamente estranhas ao povo da cidade:

  • 16 Lima Barreto, O Centenário. Careta, 30-9-1922 (Resende e Valença, 2004, p. 563-564).

O observador imparcial não vê nele [no povo] nenhum entusiasmo, não lhe sente no âmbito nenhuma vibração patriótica. Se não há na nossa pequena gente, indiferença; há pelo menos, incompreensão pela data que se comemora. De resto nosso povo carioca sempre foi assim: nunca levou a sério as datas nacionais, sempre elas lhe mereceram essa atitude displicente que está tomando agora com o Centenário, festejado tão pomposamente com bailes e banquetes16.

34«Denunciada a nudez do rei», nas vitrinas do progresso, o Trabalho, a Ciência e a Higiene, as palavras-chaves da Exposição, perdiam todo o propósito pedagógico e comprometiam a pretensão do Guia Oficial da Exposição de oferecer ao público «uma imagem resumida do progresso que o país vive e tem realizado nestes cem anos de vida livre, em todos os ramos da sua atividade» (Neves, 1986, s/p.).

35Contrastando com o entusiasmo dos discursos oficiais das autoridades, nas notícias e cartazes do Centenário os imaginários e as críticas se cruzavam. Polêmicas se sucediam contra o arrasamento do Morro do Castelo, integrado às políticas de reurbanização e saneamento da cidade, que afastavam a população pobre das áreas centrais. Muitos queriam convites para bailes, mas as exposições «cheias de ensinamentos utilíssimos para os industriais e agricultores» ficavam vazias. «De quem é a culpa, pois? That is the question» (A exposição de 1922, em Sandes, 2000, p. 116). Se o inglês era moda nos textos, as imagens refletiam claramente a influência francesa. Figuras femininas da República, trajadas de vermelho, deixavam em segundo plano os contornos do quadro do Grito do Ipiranga...

36As comemorações, não se limitaram à Exposição e ao Rio de Janeiro. Houve diversos congressos, inclusive de História da América, e as sessões solenes se sucederam nos Institutos Históricos e Geográficos pelo país. É certo que em Pernambuco o que se havia comemorado enfaticamente, com repercussões nacionais fora o centenário da Revolução Pernambucana de 1817, em uma clara disputa pela prioridade do nordeste na defesa dos ideais libertários e republicanos (Sandes, 2000). Em São Paulo, a chuva prejudicou o brilho da festa, mas seu processo de preparação permitiria a Taunay recuperar não mais nações indígenas, mas os bandeirantes, na origem de uma nacionalidade que para ser criada passava por São Paulo.

37Entusiasmando ou não, representado como conservação ou revolução, continuidade ou ruptura ou em maior complexidade de alternativas políticas ideológicas e violentas contradições, ao processo da Independência «sempre se colocou o mesmo problema de criar, de inventar um passado» (Novais, 1990).

38Em sua bem sucedida invenção, frente ao desconforto que a burguesia imigrante industrial começava a trazer nos anos de 1920, para as tradicionais famílias paulistas, o grito do Ipiranga também não entusiasmaria Taunay. Indicativo da direção que Taunay imprimiria ao seu museu, o tomo comemorativo do primeiro centenário nacional dos novos Annaes do Museu Paulista se voltaria para a criação das origens paulistas. Significativamente, traria o estudo de Taunay sobre Pedro Taques (1714-1777) e seu tempo. O guarda-mór das minas de ouro de São Paulo, que Taunay recuperou era sobrinho neto de um dos mais famosos bandeirantes Fernão Dias e tetraneto de Brás Cubas o fundador de São Vicente a primeira vila de São Paulo. Escrevera sobre Nobiliarquia Paulistana Histórica e Genealógica e sobre a História da Capitania de São Vicente (antiga divisão colonial da região de São Paulo).

  • 17 Sobre o Museu Paulista no período do centenário da Independência ver entre outros autores Meneses ( (...)
  • 18 As novas salas já refletiam explicitamente a orientação que se estava imprimindo ao Museu: Cartogra (...)

39É certo que as preparações para o Centenário da Independência lhe possibilitaram publicar sobre os grandes vultos da independência e lhe permitiram completar o salão de honra, adicionando companhia ao quadro de Pedro Américo17. Mas permitiram a Taunay fundamental-mente, inaugurar oito novas salas, musealizando temas históricos18 e remodelar completamente o hall principal e as escadarias do Monumento do Ipiranga. A estátua de Marianne que convivera com as coleções zoológicas, ocupando o nicho principal da escadaria, imprimindo a marca dos ideais dos republicanos paulistas desde o momento inaugural do Museu foi substituída por D. Pedro I, cuja estátua encomendada na França, na verdade não ficou pronta para o 7 de setembro de 22, mas continua até hoje ladeada por um Fernão Dias e um Raposo Tavares –bandeirantes evidentemente–, de igual grandiosidade.

  • 19 Sobre a construção do mito do bandeirantismo, suas representações no Museu Paulista, na obra de Tau (...)
  • 20 Os novos estatutos do Museu Paulista criariam uma seção etnográfica e já configurando uma nova etap (...)

40Havia aí a proposta de tornar o fato de a Independência ter sido proclamada no território do Ipiranga, não uma rememoração da fundação do Império, mas uma espécie de revelação antecipada pelos bandeirantes do destino paulista de liderar a nação. A posição hegemônica do estado de São Paulo ganharia História, pela sobreposição, agora ao Monumento da Independência de um mito simbólico da origem da nação19. E o bandeirantismo, se destacava a expansão e a unidade do território, representada pelas cúpulas com as águas dos rios brasileiros nas escadarias, silenciava sobre seus primeiros habitantes, objetos de conquista dos bandeirantes20. Se há uma unidade e uma identidade brasileira seria aquela que resultou do projeto bandeirante, que opôs o país, àqueles que se independentizaram fragmentados da coroa espanhola (Funari, 1995).

41Tal como von Ihering que no Monumento à Independência se dedicara a sua especialidade, Taunay se tornaria historiador de São Paulo, capitalizando o Centenário da Independência. Remodelou salas, adquiriu documentos, encomendou quadros, passou a aceitar doações, desde que o que considerava objetos históricos se relacionassem com o que considerava passado regional e com o que eram suas preferências historiográficas, paulistas.

42As comemorações do centenário inauguraram um processo até certo ponto suis generis na história dos museus de História Natural no Brasil. Estes cumpriram papéis decisivos na organização dos nossos museus históricos. Enquanto o Museu Paulista se transformava em museu histórico, uma das tônicas dos discursos comemorativos do centenário do Museu Nacional do Rio de Janeiro (1818-1918) havia sido exatamente a inexistência e a importância de se constituir um Museu Histórico Nacional.

43Em 1911, João do Norte, pseudônimo conhecido de Gustavo Barroso –inspetor escolar, jornalista que desempenhou cargos diplomáticos– delineava no Jornal do Comércio do Rio de Janeiro, a identidade que pretendia imprimir a um futuro projeto de Museu:

O Brasil precisa de um Museu onde se guardem objetos gloriosos, mudos companheiros dos nossos guerreiros e dos nossos heróis, espadas que tenham rebrilhado à luz nevoenta das grandes batalhas nas regiões platinas ou tenham sido entregues às nossas mãos vencedoras pelos caudilhos vencidos; canhões que vomitaram a morte nas fileiras inimigas do alto dos nossos bastiões e dos espaldões de nossas trincheiras; lanças que cintilaram no punho temeroso dos lendários Farrapos, nos vastos pampas, e golpearam, com Andrade Neves os quadrados paraguaios do Avaí. (Dumans, 1942, p. 14)

  • 21 A bibliografia sobre o Museu Histórico Nacional é vasta e pode ser acompanhada nos diversos volumes (...)

44Em 2 de agosto de 1922, no contexto das comemorações da Independência finalmente foi criado no Rio de Janeiro, o Museu Histórico Nacional21. Gustavo Barroso foi o encarregado de sua direção, no dia 12 de outubro, na data comemorativa do Descobrimento da América. Talvez para imprimir na instituição a mesma sacralização de uma hegemonia brasileira oposta aos países vizinhos novamente a força das armas. O novo museu teria por herança fundadora as coleções militares e o local do antigo Arsenal de Guerra (Casa do Trem), que já havia sido um primeiro abrigo das coleções de História Natural que conformaram o Museu Nacional de História Natural nos idos de 1818.

Haut de page

Bibliographie

Abreu, R., A Fabricação do Imortal: Memória, História e Estratégias de Consagração no Brasil. Rio de Janeiro, Rocco, 1996.

Almeida, A. M. e Vasconcellos, C. de M., Por que visitar museus. Dans: Bittencourt, C. (org.), O saber histórico na sala de aula. São Paulo. Contexto. 1997, p. 104-116.

Anhezini, K., «Museu Paulista e trocas intelectuais na escrita da História de Afonso de Taunay». Anais do Museu Paulista. História e Cultura material. Nova série, vol. 10/11. 2002-2003. p. 37-60.

Bennett, T., Past Beyond Memory. Evolution, Museums, Colonialism. Routledge. London and New York. 2004.

Bittencourt, J., «Um Museu de História do século passado. Observações sobre a estrutura e o acervo do Museu Militar do Arsenal da Guerra. 1865-1902». Anais do Museu Histórico Nacional, v. 29, 1997, p. 211-246.

Bittencourt, J., «A parede da memória. Algumas observações sobre nobreza, memória e perenidade no Museu Histórico Nacional». Anais do Museu Histórico Nacional, v.33, 2001, p. 209-234.

Brefe, A. C. F. O., Museu Paulista: Affonso de Taunay e a memória nacional, 1917-1945. São Paulo, Editora UNESP, Museu Paulista, 2005.

Doello Jurado, M. et alii., «Designación del doctor Gérman von Ihering como miembro correspondiente. Recepciones y Distinciones». Anales de la Academia Nacional de Ciencias Exactas Físicas y Naturales de Buenos Aires. Tomo 109, 1930, p. 278-279.

Dumans, A., «A idéia da criação do Museu Histórico Nacional». Anais do Museu Histórico Nacional, v.3, 1942 . Rio de Janeiro, 1945, p. 384-393. (Reproduzido nos Anais do Museu Histórico Nacional, v. 29, 1997, p. 13-23).

Elias, M. J., «Museu Paulista: memória e História». Tese de Doutoramento. Depto. de História. FFLCH-USP. 1996.

Figueirôa S. F. de M., As ciências geológicas no Brasil: uma história social e institucional, 1875-1934. São Paulo, Hucitec, 1997.

Françozo, M., «O Museu Paulista e a história da Antropologia no Brasil entre 1946 e 1956». Revista de Antropologia, vol. 48, n. 2, jul-dez. Dec.2005, p. 585-612.

Funari, P. P. A., «A cultura material e a construção da mitologia bandeirante: problemas da identidade nacional brasileira». Idéias, Campinas, v. 2 (1), jan/jun, 1995, p. 29-48.

Gagliardi, J. M., O indígena e a República. São Paulo, HUCITEC, Ed. da Universidade de São Paulo, Secretaria de Estado da Cultura, 1989.

Gualtieri, R. C. E., Evolucionismo e ciência no Brasil: Museus, pesquisadores e publicações, 1870-1915. Tese de Doutorado, São Paulo, Depto. de História FFLCH, USP, 2001.

Guilhotti, A.C et alii., Às margens do Ipiranga: um monumento-museu. Dans: Às margens do Ipiranga: 1890-1990. Exposição do Centenário do edifício do Museu Paulista da USP. (catálogo de exposição). São Paulo, Museu Paulista, 1990, p. 9-11.

Lima Barreto, «O Centenário. Careta, 30-9-1922». Dans: Resende, B. e Valença, R. (orgs.) Lima Barreto. Toda Crônica. Rio de Janeiro. Agir. 2004. v. II 1919-1922, p. 563-564.

Lopes, M. M., O Brasil descobre a pesquisa científica: os museus e as Ciências Naturais no século XIX. São Paulo. HUCITEC. 1997.

Lopes, M. M. e Figueirôa, S. F. de M., «A criação do Museu Paulista na correspondência de Hermann von Ihering (1850-1930)». Anais do Museu Paulista. História e Cultura material. Nova série, vol. 10/11. 2002-2003. p. 23-35.

Lopes, M. M. e Podgorny, I., «Oceanos e Continentes em debate». Fênix (Uberlândia), v. 4, p. 1-19, 2007.

Lopes, M. M., «Trajetórias museológicas, biografias de objetos, percursos metodológicos». Dans: Almeida, M. e Vergara, M. de R. (orgs.) Ciência, história e historiografia. São Paulo: Via Lettera; Rio de Janeiro: MAST, 2008, p. 305-318.

Meneses, U. T. B. de, «O salão nobre do Museu Paulista e o teatro da História». Dans: Às margens do Ipiranga: 1890-1990. Exposição do Centenário do edifício do Museu Paulista da USP. (catálogo de exposição), São Paulo, Museu Paulista, 1990, p. 20-21.

Meneses, U. T. B. de, «O Museu Paulista», Estudos Avançados, São Paulo, vol. 8 (22), 1994, p. 573-80.

Monteiro, J. M., «Tupis, tapuias e a história de São Paulo». Revisitando a velha questão Guaianá. Novos Estudos CEBRAP, v. 34, nov. 1992, p. 125-135.

Moraes, F. R. de, «Uma coleção de história em um museu de ciências naturais: o Museu Paulista de Hermann von Ihering». Anais do Museu Paulista. São Paulo. N. Sér. v.16, p. 203-233, jan-jun. 2008.

Neves, M. S., As vitrines do Progresso. O Brasil nas exposições internacionais. Rio de Janeiro: PUC-Rio / CNPq / Finep, 1986.

Novais, F., «O monumento da Independência: da monarquia à república». Dans: Às margens do Ipiranga: 1890-1990. Exposição do Centenário do edifício do Museu Paulista da USP. (catálogo de exposição). São Paulo, Museu Paulista, 1990, p. 13.

Oliveira, C. H. de S. e Valladão C. de, (orgs.), O Brado do Ipiranga, São Paulo, Edusp/Museu Paulista, 1999.

Oliveira, C. H. de S., «Museu Paulista: espaço celebrativo e memória da Independência». Dans: Bresciani, S. e Naxara, M. R. (orgs.) Memória e (res)sentimento. Indagações sobre uma questão sensível. Campinas. Editora da UNICAMP. 2001, p. 197-222.

Queiroz, M. I. P. de, «Ufanismo paulista: vicissitudes de um imaginário». Revista da USP, v. 13, 1992.

Raffard, H., «Alguns dias na Paulicéa». Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, t. LV, parte I, 1892, p. 233-237.

Ribeiro, A., Em defesa do dr. Hermann von Ihering. Secção de Obras do «Estado de São Paulo». 1916.

Sandes, N. F., A invenção da Nação. Entre a Monarquia e a República. Goiânia. Ed. UFG, 2000.

Sevcenko, N., «Museu Paulista: História, mito e crítica». Dans: Às margens do Ipiranga: 1890-1990. Exposição do Centenário do edifício do Museu Paulista da USP. (catálogo de exposição). São Paulo, Museu Paulista, 1990, p. 22-23.

Souza Lima, Antonio C. de, «Os museus de história natural e a construção do indigenismo». Revista de Antropologia, 30-32, 1987-1989, p. 277-330.

Taunay, Affonso d’E., «Relatório referente ao anno de 1917». Revista do Museu Paulista, tomo X, 1918. p. 973-1000.

Taunay, Affonso d’E., «Relatório de Atividades referente aos anos de 1921, 1922, 1923», Separata da Revista do Museu Paulista, t. XIV, 1926.

Torcelli, A. J., (org.), Obras Completas y Correspondencia Científica de Florentino Ameghino. La Plata. Taller de Impresiones Oficiales. 1913-1937. (23 vols). p. 290-291.

Von Ihering, H., «Extermínio dos indígenas ou dos sertanejos?» Jornal do Commércio, 15/12/1908, p. 2, col. 1-2.

Von Ihering, H., «A Organização actual e futura dos Museus de História Natural». Revista do Museu Paulista, v. 7, 1907, p. 431-449.

Von Ihering, H., «Carta de. M. Doello Jurado, Ángel Gallardo, Franco Pastore, E. M. Hermitte. Designación del doctor Gérman von Ihering como miembro correspondiente. Recepciones y Distinciones». Anales de la Academia Nacional de Ciencias Exactas Físicas y Naturales de Buenos Aires. Tomo 109, 1930, p. 278-281.

Haut de page

Notes

1 Taunay, Affonso de E. Relatório de Atividades referente aos anos de 1921, 1922, 1923. Separata da Revista do Museu Paulista, t. XIV, 1926, p. 47.

2 Em diversos de meus trabalhos tenho discutido as origens e o desenvolvimento do Museu Paulista, como um Museu Sul-Americano dedicado a Paleo-Zoologia e Zoologia, o que não cabe retomar aqui (Lopes, 1997, 2008). Outras autoras também se dedicaram a aspectos da história do Monumento do Ipiranga e do Museu Paulista, como Elias, 1996, Alves, 1998, Gualtieri, 2001.

3 A autora agradece ao CNPq o apoio ao Projeto de Bolsa de Produtividade em Pesquisa 2009-2012: Globalidade das culturas científicas no início do século XX: um estudo sobre as pontes continentais de Hermann von Ihering (1850-1930).

4 No artigo de Henry Raffard Alguns dias na Paulicéa de 1892, em que se comentam as diversas possíveis ocupações para o monumento, está reproduzida a notícia do Jornal Diário Popular de 30 de abril de 1890, em que já se propõe a ocupação pela Comissão Geográfica e Geológica de São Paulo. Sobre a história dessa Comissão, ver Figueirôa, 1997.

5 Ironicamente, o autor utiliza o nome do cavalo de Alexandre o Grande, que se tornara sinônimo de cavalos de grande porte.

6 Raffard, Alguns dias na Paulicéa... p. 242. Pedro Américo de fato já havia publicado o livro O Brado do Ypiranga ou a proclamação da Independência do Brasil. Algumas palavras acerca do facto historico e do quadro que o commemora pelo Dr. Pedro Americo de Figueiredo, Florença, Typographia da Arte della Stampa, 1888 (reeditado em Oliveira e Valladão, 1999). Explicando as tendências estéticas e modelos clássicos em que se inspirou para produzir o quadro, o pintor defende «a total autenticidade da sua obra, rigorosamente inspirada na realidade», a exceção justamente da montaria de D. Pedro e da comitiva, da fisionomia do futuro imperador, do uniforme da Guarda de Honra e do número de pessoas que o acompanharam. Diversos autores já discutiram o quadro, associando-o àqueles de representação de Napoleão Bonaparte e Napoleão III criados por Ernest Meissonier, especialmente a batalha de Friedland (1807), algumas décadas antes, mas não remetem a discussão à existência de visões historiográficas que já sustentavam as primeiras e contundentes críticas de Raffard.

7 Para uma discussão sobre as articulações em torno da indicação do nome de Taunay para a direção do Musue Paulista, ver Anhezini (2002-2003).

8 Carta de Orville Derby a Hermann von Ihering. São Paulo, 23/01/1893. STAATSBIBLIOTEK PREUSSISCHER KULTURBESITZ, Berlim, Hand-schriftenabteilung, Darmm. Smlg., La 1892, (15). Essas cartas estão detalhadamente comentadas em Figueirôa, 1997; Lopes, 1997; Lopes e Figueirôa, 2002-2003. Hermann von Ihering foi demitido do Museu Nacional do Rio de Janeiro onde exercera o cargo de naturalista viajante de 1880 a 1891, por não se submeter a novas leis que exigiam tempo integral de trabalho e residência no Rio de Janeiro. Sem emprego e frustradas suas expectativas de assumir a direção do Museu de Montevidéu, no Uruguai, aceitou depois de certa relutância o cargo oferecido por Orville Derby, na Comissão Geográfica e Geológica de São Paulo. Desde o início das negociações sua ambição fora por um cargo independente, de diretor de um Museu de Zoologia

9 Em função do impulso gerado e das demandas da expansão cafeeira, o governo paulista empenhou-se na organização de diversos institutos de pesquisa de caráter fortemente aplicado. Além da instalação da Comissão Geográfica e Geológica, de 1886, foram criadas a Imperial Estação Agronômica –atual Instituto Agronômico de Campinas, 1887, a Escola Politécnica em 1894, a Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz em Piracicaba, 1901; e na área da saúde: o Serviço Sanitário em 1892; a Faculdade de Medicina em 1897 e o Instituto Soroterápico do Butantã, em 1901.

10 No discurso de inauguração do Museu Paulista, divulgado na imprensa e publicado no primeiro volume da Revista do Museu Paulista, Von Ihering excluindo Museu Nacional do Rio de Janeiro, afirmou que os únicos museus organizados em moldes científicos no país eram o seu, que estava inaugurando e o Museu Paraense que o suíço Emílio Goeldi (também ex-funcionário do Museu Nacional) dirigia na Amazônia. No editorial dos Archivos do Museu Nacional de 1896, a Congregação deste museu o desafiou a explicar seus padrões de cientificidade e o «milagre» de dotar São Paulo em dois anos, de um museu de maior importância que o centenário Museu do Rio de Janeiro: «O dr. Von Ihering teve naturalmente em vista insuflar o amor próprio dos paulistas e recomendar aos poderes o Estado os seus incomparáveis serviços. Procedeu bem; trabalhou ‘pro domo’ sua». Para detalhes dessa discussão, ver Lopes, 1997.

11 O artigo de von Ihering «The Anthropology of the State of São Paulo, Brazil. Written on the occasion of the Universal Exbition of S. Luiz, 1904», foi republicado no volume VIII de 1907, da Revista do Museu Paulista, e reacendeu esses debates, foi discutido por diversos autores, entre eles Souza Lima (1987-1989) e Gagliardi (1989).

12 Carta 1711, de H. von Ihering para F. Ameghino (SP, Dec / 11 / 1908) Torcelli, A.J. (org.) Obras Completas y Correspondencia Científica de Florentino Ameghino. La Plata. Taller de Impresiones Oficiales. 1913-1937, (23 vols), p. 290-291.

13 A interpretação construída por Taunay influenciou fortemente a historiografia mesmo recente do Museu Paulista. Para um questionamento dessas visões no que se refere a presença e a importância das coleções históricas no museu no período de Von Ihering, ver Lopes, 1997, e especialmente Moraes, 2008.

14 Emile Snethlage também foi afastado da direção do Museu Paraense Emílio Goeldi, de Belém do Pará no mesmo período, por sua origem alemã. Mas Von Ihering sofreria ainda um processo administrativo que evidencia os tênues limites do público e do privado que ainda marcavam tais instituições. A retirada de seus mais de 5.000 livros da Biblioteca do Museu, a desfalcaram totalmente. O próprio von Ihering vendeu suas coleções malacológicas ao Museo de Ciencias Naturales Bernadino Rivadávia, de Buenos Aires. Sobre sua defesa das acusações da Comissão de sindicância do Museu Paulista, ver Ribeiro, 1916.

15 A correspondência de Capistrano de Abreu foi publicada por José Honório Rodrigues em 1977. (Sandes, 2000, p. 329).

16 Lima Barreto, O Centenário. Careta, 30-9-1922 (Resende e Valença, 2004, p. 563-564).

17 Sobre o Museu Paulista no período do centenário da Independência ver entre outros autores Meneses (1990); Almeida e Vasconcellos (1997); Oliveira (2001) Brefe (2005).

18 As novas salas já refletiam explicitamente a orientação que se estava imprimindo ao Museu: Cartografia Colonial e Documentos Antigos; Passado da Cidade de São Paulo; Antiga Iconografia Paulista; Passado de Santos e Antiga Iconografia Paulista; Mobiliário Antigo e Velhos Retratos; Arte Colonial Religiosa Brasileira e Mobiliário do Regente Feijó; Reconstituição da Antiga Cidade de São Paulo e Objetos Históricos.

19 Sobre a construção do mito do bandeirantismo, suas representações no Museu Paulista, na obra de Taunay, sua apropriação por setores das elites e da historiografia regional ver entre outros autores Queiroz (1992) Sevcenko (1990) e especialmente Brefe (2005).

20 Os novos estatutos do Museu Paulista criariam uma seção etnográfica e já configurando uma nova etapa na história desse museu, o historiador Sérgio Buarque de Holanda (1902-1982) quando assumiu sua direção em 1946, retomando a publicação dos Anais suspensos em 1938, impulsionou a seção de Etnologia da Instituição, com as contratações de Herbert Baldus (1899-1970) e Harald Schultz (1909-1965), (Françozo, 2005).

21 A bibliografia sobre o Museu Histórico Nacional é vasta e pode ser acompanhada nos diversos volumes dos Anais do Museu Histórico Nacional, especialmente v. 29, 1997, e nos trabalhos de Bittencourt, 1997, 2001 e Abreu, 1996 entre outros.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence papier

Maria Margaret Lopes, « Comemorações da Independência: a História ocupa o lugar das Ciências Naturais no Museu Paulista, Brasil », L'Ordinaire des Amériques, 212 | 2010, 33-50.

Référence électronique

Maria Margaret Lopes, « Comemorações da Independência: a História ocupa o lugar das Ciências Naturais no Museu Paulista, Brasil », L'Ordinaire des Amériques [En ligne], 212 | 2010, mis en ligne le 01 novembre 2015, consulté le 27 mai 2018. URL : http://journals.openedition.org/orda/2478 ; DOI : 10.4000/orda.2478

Haut de page

Auteur

Maria Margaret Lopes

Universidade de Évora, Portugal

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
L’Ordinaire des Amériques est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d'Utilisation Commerciale - Pas de Modification 4.0 International.

Haut de page
  • Logo IPEAT
  • Logo Université Toulouse-Jean Jaurès
  • Logo Université de Toulouse
  • Logo Latindex
  • OpenEdition Journals