Navigation – Plan du site

AccueilORDA226Neointegralismo: do debate histor...

Neointegralismo: do debate historiográfico a uma possível definição

Neointegralismo brasileño: del debate historiográfico a una posible definición
Brazilian neointegralism: from historiographical debate toward a definition
Néointégralisme brésilien : du débat historiographique à une potentielle définition
Odilon Caldeira Neto

Résumés

Au cours des dernières années, les études sur l’Intégralisme brésilien (la principale initiative politique d’inspiration fasciste dans l’histoire politique brésilienne) ont fait des progrès remarquables. Cela a conduit à l’assimilation des débats résultants des études sur les fascismes transnationaux, tout comme s’est libéré de l’exclusivité des recherches autour de l’expérience institutionnelle de l’Action intégraliste brésilienne (1932‑1937). Le but de cet article est de fournir un portrait plus précis selon la singularité du néointégralisme, compris comme l’Intégralisme après la mort de Plínio Salgado (1975), en présentant les principales interprétations sur le thème, ainsi qu’en proposant une définition plus détaillée de la notion de « néointégralisme ».

Haut de page

Texte intégral

I. Introdução

1O integralismo, principal organização fascista existente no Brasil, atuou em torno da vida e da morte, desde a militância mundana até a eternidade integralista. Em sua primeira experiência institucional, a Ação Integralista Brasileira (AIB, 1932-1937) buscou arregimentar uma doutrina política que almejava totalizar o indivíduo e sintetizar a complexidade nacional.

2A simbologia e a ritualística integralista expressavam os anseios de seus líderes e adeptos, voltados a solucionar as diferenças culturais, sociais e políticas do Brasil, por meio de uma ideologia fundada no amálgama do conservadorismo cristão e de um dinamismo fascista (Trindade 2016). Essencialmente antiliberal, à mesma medida que anticomunista.

3A intensidade da dedicação ao sonho e militância integralista era tamanha, que aparelhava não apenas a típica expressão militante (manifestações, mobilizações e apoio às iniciativas eleitorais), mas, também, a exterioridade e interioridade, levando o adepto a imaginar, compreender e destinar sua vida e morte ao ideal integralista. Conforme mostra Pedro Fagundes (2012), a morte no integralismo cumpria um rito específico, marcado pela passagem para um plano superior, local de atuação das Milícias do Além (comandadas por Deus), e integralista por toda a eternidade.

4A “necrofilia política” integralista auxilia a compreender a dedicação e intensidade à qual milhares de militantes depositaram na AIB. Todavia, para além da morte e renascimento no integralismo, o foco deste texto é proporcionar um debate sobre as implicações da morte e o renascimento do integralismo nos últimos anos. Para isso, discutirá o impacto e a composição do campo de estudos que focalizam o integralismo após a morte de Plínio Salgado (1895-1975), principal líder dos “camisas verdes”. O texto está divido em duas seções.

5Na primeira parte, será apresentado o contexto e a especificidade do que é compreendido como fenômeno neointegralista. Para isso, a hipótese central do trabalho é a tentativa de auferir, de modo problematizado, a validade de um termo (“neointegralismo”). Na segunda parte, será apresentado um breve balanço sobre a historiografia do tema, especificamente sobre o integralismo após a morte de Plínio Salgado, de modo a sintetizar a utilização (ou a não-utilização) do termo “neointegralismo” nas recentes pesquisas sobre os atuais militantes integralistas.

6A título de conclusão, buscar-se-á a construção de um diálogo com a bibliografia e as pesquisas do tema, de modo a pensar a persistência integralista, assim como proporcionar possíveis conclusões em relação ao termo “neointegralismo”.

II. O integralismo após Plínio Salgado

7Oficializado em outubro de 1932 com a publicação do Manifesto da AIB, o integralismo permaneceu, ao longo de décadas, atrelado ao personalismo e estratégias políticas de Plínio Salgado. Por mais que a AIB tivesse reunido uma diversificada gama de consolidados e emergentes intelectuais da direita brasileira, a unidade totalizante – e o capital político associado – residia na figura e liderança do “Chefe Nacional”.

8Isso se intensificou na conjuntura que sucedeu à extinção da AIB pelo Estado Novo de Getúlio Vargas, assim como do exílio de Plínio Salgado em Portugal (1939-1946). Gustavo Barroso e Miguel Reale, antigas proeminentes autoridades integralistas – e que poderiam, em teoria, assumir a liderança dos integralistas remanescentes, se afastaram do movimento e empreenderam um paulatino processo de silêncio e esquecimento histórico (Caldeira Neto 2011; Caldeira Neto 2013).

9Já Plínio Salgado aproveitou o exílio em Portugal para estabelecer uma nova roupagem política e filosófica, mais conservadora (cristã) e pseudodemocrática, do que propriamente fascista (Gonçalves 2012). Dessa maneira, Salgado arregimentou a militância integralista para novos tempos, novos ares e formatos políticos.

10O chamado integralismo no pós-guerra, sobretudo na forma de agremiação partidária via Partido de Representação Popular (Calil 2010), buscou aliar alguns preceitos do integralismo em sua principal fase (AIB), em especial o anticomunismo, com a configuração democrática de então.

11No entanto, o discurso antidemocrático, derivado de uma cultura golpista (Beired 1999) arraigada no integralismo desde a sua primeira experiência institucional, foi um dos fatores condicionantes para o apoio dos integralistas à ruptura das regras do jogo democrático. Assim como para a participação de Plínio Salgado na conjuração golpista e posterior adesão à Aliança Renovadora Nacional (Arena), aparelho partidário de suporte à ditadura civil-militar brasileira (Calil 2010, Gonçalves 2012).

12Embora o integralismo tenha vivenciado diversos momentos e configurações políticas durante os anos de 1932 e 1975, o seu capital político residia sobretudo na centralidade aglutinante de Plínio Salgado, concebido como um elo histórico entre fases distintas. Ainda que a militância integralista tenha se esvaziado desde os longínquos anos 1930, o passado e o presente se encontravam na fidelidade a Salgado, que buscava emular uma imensidão militante, fiel aos seus desígnios, ainda que absolutamente distante da realidade (Caldeira Neto 2011a, 71).

13Com a morte de Plínio Salgado em 8 de dezembro de 1975, esta aparente solidez se esfacelou. De fato, desde a existência do Partido de Representação Popular, alguns setores militantes clamavam por uma radicalização das práticas e das exterioridades integralistas no partido, mas sem que, para isso, fosse criada qualquer iniciativa integralista alheia ao cabedal de Salgado. Após a morte do líder integralista, essas correntes e iniciativas seriam possíveis.

14Além disso, é importante considerar que os remanescentes integralistas remetiam aos resquícios da unidade em Salgado, mas também às memórias (políticas e afetivas) associadas às diversas organizações integralistas existentes. Para além dos antigos militantes da AIB, havia aqueles que nutriram relações pessoais e familiares com Salgado (em especial a viúva D. Carmela Salgado e sua filha), assim como antigos militantes do PRP ou mesmo os chamados águias‑brancas.

15De acordo com Márcia Carneiro (2007), os águias-brancas eram os membros participantes dos Centros Culturais da Juventude (CCJ, 1952-1965), e viriam a ser um instrumento de salvaguarda e difusão da ideologia integralista além dos limites partidários (PRP). Embora os perrepistas pudessem ser integralistas, havia um consenso segundo o qual o integralismo residiria sobretudo nos águias-brancas, que tinham Plínio Salgado como presidente de honra.

16Esses setores e militantes integralistas remanescentes, já não mais sob a égide de Plínio Salgado, tinham experiências e referenciais distintos em relação com a ideologia integralista. Por essa razão, não parece despropositado supor que um jovem adepto de uma organização tipicamente fascista dos anos 1930 (AIB), tivesse uma percepção do ideal e representação do integralismo divergente daqueles que militaram nas diversas organizações posteriores, tal qual o PRP ou CCJ, e assim por diante.

17Por mais que se postulasse uma genealogia ideológica unilinear e contínua entre as organizações integralistas existentes, os contextos nos quais elas se desenvolveram haviam sido determinantes para práticas diversificadas e o que os diversos integralistas imaginavam ser integralista.

18Foi essa pluralidade militante – adicionada daqueles que se uniram às “fileiras do Sigma” após 1975 – que se viu órfã com a morte do principal líder integralista. Essa nova configuração (ou a ausência de uma instrução política normativa estabelecida de modo vertical), propiciou um ambiente problemático, tanto do ponto vista político e pragmático, quanto aqueles com finalidades memorialísticas.

19Parcelas dos integralistas remanescentes defendiam a necessidade de uma atuação não-institucional do integralismo, buscando a construção de ambientes de comemoração e rememoração da memória integralista, além da possibilidade de encontros eventuais para discussões sobre a doutrina do sigma.

20Uma outra parcela desses militantes enunciava a necessidade da busca por uma atuação integralista mais concreta, inclusive em moldes institucionais (eventualmente sob a rubrica de agremiação partidária), gerando um inicial processo de distensão no seio do neointegralismo.

21No entanto, os anos imediatos após a morte de Plínio Salgado foram marcados pela quase inexistência de siglas e organizações integralistas em atuação, ou então pela efemeridade de algumas delas (tal qual o Movimento Popular de Apoio à Fundação Plínio Salgado, surgido no estado do Maranhão – Lima, 1980).

22Além do aspecto da difusão militante e programática integralista, é possível auferir que essa baixa movimentação decorreu dos limites impostos pelo regime militar. De fato, a primeira ou mais efetiva organização integralista pós-1975 foi fundada durante o processo de abertura política da ditadura, a Casa Plínio Salgado (CPS), sediada na cidade de São Paulo/SP e inaugurada em 10 de outubro de 1981 (Carneiro 2007, 230).

23Idealizada por antigos militantes integralistas procedentes de diversas organizações (AIB, PRP, CCJ, etc.), a CPS viria a ser um local de comemoração da memória militante, dotada de arquivo e biblioteca próprios, mas que funcionaria também como ponto de encontro e articulação política entre antigos e novos militantes.

24Embora a via institucional não fosse a razão de ser da CPS (o que, em tese, exprimiria a sobrepujança da ala contrária à institucionalização neointegralista), a existência de um lugar da memória integralista possibilitou a construção de uma rede de sociabilidade, interesses e movimentações políticas. Entre as diversas siglas que surgiram no bojo da rememoração integralista, a que desempenhou centralidade do ponto de vista da institucionalização política neointegralista foi o projeto de recriação da Ação Integralista Brasileira.

25Essa Ação Integralista Brasileira, fundada em 1985, foi organizada em especial por Anésio de Lara Campos Junior, um ex militante do PRP. Embora estivesse presente nas movimentações integralistas mesmo antes da morte de Plínio Salgado, Anésio Lara não era reconhecido como liderança incontestável do neointegralismo, por diversos fatores. Preambularmente, pesava a inexistência tutelar auferida pelos herdeiros diretos de Plínio Salgado: familiares e integralistas mais próximos.

26Os “herdeiros” diretos de Plínio Salgado eram pouco afeitos – ou enunciadamente contrários – às investidas políticas do integralismo e integralistas, ao menos em uma perspectiva institucionalizada. Essa ausência tutelar significou a inexistência de um consenso sobre a refundação da AIB.

27Embora a sigla estivesse disponível para registro (pois havia sido dissolvida em meados de 1937), o registro não consensual estabeleceu uma espécie de “usurpação” da memória integralista por Anésio Lara e seus companheiros. E, para além das disputas da memória e institucionalidade política daqueles que se concebiam como autênticos herdeiros de Plínio Salgado, o panorama exógeno tornaria ainda mais problemática a atuação da “nova” AIB.

28A década de 1980 foi significativa para determinados setores da extrema direita brasileira (sobretudo daqueles afeitos aos fascismos) por dois principais fatores: em primeiro lugar, iniciara-se a produção nacional de obras negacionistas do holocausto. Embora indícios sugiram que havia a circulação, no Brasil, de publicações que negavam ou relativizavam o holocausto desde os anos 1970 (Nehab 1988), a década de 1980 marca o início da publicação de obras brasileiras sobre o tema, por meio da Revisão Editora Ltda. e seu principal autor (Siegfried Ellwanger Castan, proprietário da editora), além da defesa pública das antissemitas teses negacionistas.

29Os anos 1980 foram também assinalados pelo processo de expansão dos skinheads no Brasil, em especial daquela que se tornaria, até os dias atuais, a principal tendência “tupiniquim” dos cabeças raspadas: os Carecas do Subúrbio (Costa 2000), gangues juvenis urbanas, presentes nos principais centros urbanos brasileiros e adeptos de um ultranacionalismo intolerante, homofóbicos, com tendências antissemitas e contrários às minorias e políticas inclusivas, todavia auto intitulados antirracistas. Além dos “carecas”, nota-se também o surgimento e articulação de correntes skinheads anunciadamente neonazistas, como os White Power (Almeida 2004).

30No bojo dessas novas movimentações da extrema direita brasileira no período, a nova AIB construiu relações públicas com algumas dessas organizações. A adesão ou simpatia às teorias negacionistas do holocausto foram estabelecidas juntamente com militantes neonazistas no Brasil, tal qual o Partido Nacional Socialista Brasileiro (PNSB, que não obteve registro legal junto ao Tribunal Superior Eleitoral), representantes de skinheads neonazistas e menções à literatura negacionistas, em especial dos títulos publicados pela editora Revisão.

31Ao mesmo tempo em que atuava junto à AIB, Anésio Lara criou outras efêmeras siglas de extrema direita, tal qual o Parnaso (Movimento Participativo Nacionalista Social), que trazia referências ideológicas e simbólicas ao nacional-socialismo, e planejava atuação armada em vista à tomada do poder (Amorim 1989).

32A juventude do Parnaso buscava aquilo que Laqueur (1996) via como característica do neofascismo, isto é, um estilo de vida alternativo, envolvendo elementos do para-militarismo e abstinência sexual.

33Além da atuação junto ao Parnaso e demais siglas, Anésio Lara e a AIB buscaram cooptar parte significativa dos “carecas”, porém, sem efetivo êxito. A aproximação e a publicidade da relação dos integralistas com organizações e adeptos do neonazismo foram extremamente danosas à imagem do movimento. Compreende-se que esse foi um dos fatores circunstanciais para a desarticulação militante em várias siglas, visto a recusa da radicalização e da evidenciação fascista, antissemita e pró‑neonazista.

34Além daqueles que recusavam uma via institucional (preterindo-a às investidas de rememoração), outra parcela militante buscava a atuação em moldes partidários, visualizando as possibilidades surgidas ao longo do processo de abertura democrática. O PAI (Partido de Ação Integralista), que também não chegou a se cumprir, almejava a eventualidade de disputa às eleições majoritárias, previstas para o ano de 1989. Outros integralistas se articularam junto a agremiações de direita em processo de criação, tal qual o Partido de Ação Nacionalista (PAN).

35O PAN era presidido por Rômulo Augusto Romero Fontes (Dreifuss, 1989, 92), um dos responsáveis pela tentativa de articulação e cooptação dos militantes integralistas. De fato, o próprio Rômulo Fontes era militante integralista, embora houvesse participado de organizações clandestinas de esquerda durante a ditadura civil militar então recém terminada. Em meados dos anos 1970, R. Fontes foi um dentre tantos militantes de organizações de esquerda que, capturados pelo aparelho repressivo do regime militar, foram coagidos a admitir “culpa” em mídias de alcance nacional – os chamados “desbundes” (Kushnir 2012, 310).

36Na década posterior, o antigo militante de esquerda seria um entusiasta de uma das mais tradicionais expressões da extrema direita brasileira. Para além de eventuais condições traumáticas que eventualmente compõem o enredo, a inserção protagonizada de um então recente militante integralista nas movimentações de retomada do movimento, auxilia a demonstrar a falta de unidade entre os “herdeiros” de Plínio Salgado.

37Além das disputas entre novos e velhos militantes (e as possíveis ou absolutamente improváveis lideranças), os integralistas não tinham um consenso sobre a forma de atuação. A discordância se apresentava mesmo entre aqueles que concordavam com a prerrogativa institucional – haveria de ser o integralismo um partido político ou uma organização de cunho cívico e cultural?

38A indefinição programática e fragmentação militante foram aspectos determinantes para o esmorecimento neointegralista durante a década de 1990, ao menos do ponto de vista institucional. As organizações que visavam à memorialística integralista passaram a desempenhar relevância no contexto neointegralista, em especial a Casa Plínio Salgado e o Centro Cultural Plínio Salgado (CCPS, no interior do estado do Rio de Janeiro). Todavia o retorno à comemoração e rememoração integralista não determinaram o fim da atualização de práticas e estratégias.

39Na sociabilidade das organizações integralistas de cunho memorialístico, alguns militantes – em especial aqueles mais jovens – passaram a modernizar os meios de comunicação e diálogo integralista, pela utilização da internet. A infovia passou a designar uma descentralização militante (processo impulsionado também pelo falecimento de antigas lideranças integralistas remanescentes após 1975), de modo que as iniciativas de institucionalização integralista voltariam a tomar corpo.

40No início do século xxi, algumas das diversas organizações e correntes do neointegralismo se reuniram oficialmente, na ocasião do “I Congresso do Integralista para o Século xxi”, realizado em 2004, na cidade de São Paulo. Embora a deliberação supostamente uníssona do evento tenha sido a criação de somente uma organização, denominada “Movimento Integralista Brasileiro” e que viria a congregar todos as organizações integralistas existentes, o resultado foi o oposto – e seria uma síntese de um processo que se delineava desde as primeiras siglas integralistas pós‑Plínio Salgado.

41Surgiram, então, três principais organizações neointegralistas: a Frente Integralista Brasileira (FIB), a Ação Integralista Revolucionária (AIR) e o Movimento Integralista e Linearista Brasileiro (MIL-B). A FIB e a AIR estabeleceram um discurso de conservação da memória integralista, sobretudo daquela oriunda dos anos 1930. Desse modo, não há uma evidência estatutária de atualização ideológica nos dogmas do sigma.

42Conquanto a FIB definiria a busca pela conservação, a AIR, por sua vez, promulgaria um posicionamento relativamente crítico ao integralismo histórico, em especial a via partidária. Para os membros da AIR, a definição partidária estabelecida em 1935 foi um erro estratégico, de modo que caberia à organização neointegralista a conservação incólume daquilo que compreendiam como primeiro estágio integralista – a via revolucionária, distante de definições partidárias.

43Já o MIL-B enunciava a tentativa contínua de atualização da doutrina do Sigma. Embora buscassem a “fidelidade” a Plínio Salgado, delineavam uma linhagem ideológica integralista às luzes do Século xxi, qual seria a filosofia linearista. O primado espiritualista do integralismo dos anos 1930 seria adicionado às lógicas do cientificismo inexistente ou não discutidos à época, de modo que o linearismo seria o integralismo do século xxi – e o desenvolvimento do integralismo histórico desembocaria no linearismo.

44Ainda que seja uma organização que promulgue a reprodução ideológica hierárquica da AIB, é possível denotar a grande influência do pensamento antissemita de Gustavo Barroso nos textos e atuação do MIL-B. Essas organizações, em especial a FIB e o MIL-B, desempenharam a centralidade no panorama neointegralista ao longo das primeiras décadas do século xxi, até a criação de novas organizações inspiradas no integralismo, como a Associação Cívico Cultural Arcy Lopes Estrella (Accale, fundada em 2017).

45Em algum sentido, é possível afirmar que esses grupelhos condensam os conflitos e problemáticas inerentes ao integralismo após o falecimento de Plínio Salgado, seja nas estratégias de atuação ou relações ideológicas e institucionais com o panorama e memória integralista, ou até das direitas e do neofascismo em escala internacional.

46Dessa maneira, evidencia-se a questão apresentada no início do texto: como definir ou denominar essa atuação integralista pós-1975: integralismo contemporâneo ou neointegralismo? Para tal, se faz necessário observar as principais percepções atribuídas pelas produções do tema, para, posteriormente, se delinear as possibilidades de definição.

III. Estudos sobre o Neointegralismo

47É possível constatar a incidência da expressão “neointegralismo” antes de qualquer produção acadêmica (ou midiática) que tratasse do ressurgimento ou iniciativas integralistas após a morte de Plínio Salgado. Uma das primeiras referências encontradas do termo data ainda quando da existência do Partido de Representação Popular.

48Parcela da militância integralista inserida nos quadros do PRP era favorável à retomada da simbologia e perspectivas ideológicas afeitas à Ação Integralista Brasileira. No entanto, as prerrogativas democráticas do PRP impunham barreiras a algumas práticas e expressões notadamente fascistas.

49Em 1956, alguns militantes buscaram refundar a AIB, no entanto sem o aval e apoio de Plínio Salgado e demais lideranças integralistas. Em texto veiculado no periódico perrepista “A Marcha” (Calil 2010, 173), a iniciativa dissidente é criticada de modo enfático, quando se questiona um “neo integralismo” daqueles militantes, no sentido de não-integralismo, afinal estavam em contrariedade às determinações do “grande líder”.

50Essa questão vem a ratificar o aspecto da centralidade de Salgado aos meios integralistas, construída e sedimentada historicamente. Além disso, auxilia a compreender a recusa dos militantes integralistas, inclusive dos mais recentes, ao termo “neointegralismo”, em razão da necessidade de estabelecer uma historicidade de legitimidade às siglas contemporâneas – e sem a participação de Plínio Salgado.

51Nos estudos sobre o integralismo, uma das primeiras referências encontradas ao termo “neo integralismo” provém de Hélgio Trindade (Trindade 1994), autor de obra seminal sobre o integralismo dos anos trinta (Trindade 1974). No entanto, o termo faz referência às investidas dos setores radicais (alguns deles integralistas) do regime militar pós-1964, sem uma definição clara ou muito precisa. O “neo integralismo” seria algo como a tentativa de inserção integralista dentro de um aparelho ditatorial e, em última instancia, compreenderia um período de vida de Plínio Salgado.

52Uma das primeiras, possivelmente a primeira obra a tratar do integralismo após Plínio Salgado como um fenômeno “neo integralista” é de autoria de Natália dos Reis Cruz (Cruz 2004 e ampliada posteriormente – Cruz 2007). Embora a autora estabeleça uma interessante análise das mutações e apropriações dos grupos neointegralistas sobre questões como democracia (a defesa da “democracia orgânica”, não representativa), capitalismo, comunismo e sionismo, não é estabelecido um “rasgo” de ordem temporal, delimitação essa que auxiliaria a compreender onde nasce ou começa a se formar o que a autora compreende como neointegralismo.

53Talvez por razões editoriais, o texto publicado em 2007 não menciona alguns dos grupos e organizações neointegralistas existentes e em disputa, fosse no então tempo presente (FIB, MIL-B e AIR, por exemplo) ou aquelas que as precederam. Embora faça ressalvas sobre as vicissitudes existentes no que chama de “movimento neointegralista”, a inexistência de uma análise pormenorizada não evidencia as particularidades das organizações grupusculares.

54A questão do antissemitismo, por exemplo, é manejada de forma bastante diversificada pelos grupos neointegralistas. Enquanto a FIB buscou diluir, mascarar ou apagar o antissemitismo histórico, a AIR tentava explicar a questão (inclusive admitindo os “traços” e “equívocos” antissemitas do passado), enquanto o MIL-B intensifica e atualiza o discurso antissemita integralista, todavia mascarando-o sob alcunha de antissionismo. Ao não estabelecer uma definição clara, permanece a impressão de que o neointegralismo seria o integralismo no tempo presente, nada muito além disso. Ainda assim a iniciativa em utilização do termo é bastante proveitosa.

55Em 2007, Márcia Regina da Silva Ramos Carneiro finaliza sua tese de doutoramento, intitulada: “Do Sigma ao Sigma – entre a anta, a águia, o leão e o galo – a construção das memórias integralistas”, que foi o primeiro trabalho de grande fôlego e referência obrigatória sobre o tema. Como é possível constatar pelo título do trabalho, o objetivo central da autora não foi trabalhar especificamente os grupos e organizações formadas pelos novos integralistas, mas sim o processo de (re)construção da memória militante.

56De qualquer modo, a autora traz um rico e detalhado apanhado (inclusive com relatos orais) das diversas fases e cisões integralistas, desde o nascimento da ideologia dos camisas verdes (sintetizado na anta, símbolo do modernismo pré-integralista de Plínio Salgado), passando pelo sigma (símbolo da AIB), águia (águias brancas e perrepistas), leão (tentativa de articulação com organizações como Sociedade Brasileira de Defesa da Tradição, Família e Propriedade – TFP, cujo símbolo é o leão rampante), chegando até ao galo Tupã, mascote do MIL‑B.

57Carneiro faz uso da perspectiva geracional para compreensão das diversificações nas expressões integralistas (institucionais ou não). Os integralistas mais recentes seriam a quarta geração, de modo que as outras três gerações seriam: I) os integralistas oriundos da Ação Integralista Brasileira; II) os integralistas partícipes do PRP, CCJ e demais organizações; III) os integralistas atuantes após a morte de Plínio Salgado e, por fim, a quarta geração, qual seria aquela caracterizada pela formação de grupos integralistas sem o cabedal de antigos militantes, e a utilização da infovia como instrumento político (Carneiro 2011).

58Essa divisão geracional é efetiva na análise das permanências e dissonâncias ideológicas, memoriais e políticas durante a trajetória integralista. Para a autora, as principais permanências seriam o desprezo à democracia, o culto à figura de Plínio Salgado e a leitura em defesa do primado do espiritualismo na política. Já as dissonâncias seriam das mais variadas possíveis, muitas delas delineadas anteriormente.

59A perspectiva geracional aparenta ser adequada como método heurístico, embora os grupos neointegralistas possivelmente se aproveitem dessa “legitimação” geracional (não intencional, necessário frisar), estabelecida pelas produções acadêmicas.

60No entanto, em se tratando de grupos e organizações diminutas e irrelevantes no plano político nacional – em contraste com suas ambições e enunciados grandiloquentes, esse reconhecimento é praticamente inevitável, não determinado somente pelo método utilizado pelo pesquisador, e caminha curiosamente pari passu às críticas àqueles que “ousam” analisá‑los.

61Em última instancia, o aporte geracional não impede a possibilidade de compreendê-los enquanto neointegralistas, compreensão essa sinalizada mais adiante (Carneiro 2012), embora de modo não definitivo (vide a utilização do termo neointegralismo entre aspas). Por fim, restaria a dúvida – para a autora, seriam os neointegralistas a quarta ou a terceira e a quarta gerações?

62Outro autor que se dedica às pesquisas sobre o neointegralismo é Jefferson Rodrigues Barbosa. Em 2008, ele publicou o artigo intitulado “Ideologia e intolerância: a extrema direita latino-americana e a atuação no Brasil dos herdeiros do Eixo” (Barbosa 2008), no qual busca analisar a ressurgência de grupos integralistas em um panorama mais amplo e diversificado.

63No texto, os grupos neointegralistas (o termo é utilizado em referência a: Cruz 2004) são classificados como a terceira fase do movimento, de modo que a 1ª fase seria a Ação Integralista Brasileira (1932-1938), e a segunda fase seria determinada pela existência do Partido de Representação Popular (1945-1965). A divisão em fases referencia, portanto, as principais organizações institucionais e partidárias integralistas (ainda que o neointegralismo não tenha ocorrido em nenhum aparelho do tipo).

64Embora Barbosa estabeleça uma leitura atenta sobre as diferenciações e disputas entre os principais grupos e militantes neointegralistas, não há uma evidente definição acerca do início do neointegralismo enquanto fenômeno político.

65Em “Entre milícias e militantes (IV): neointegralistas ou integralismo contemporâneo” (Barbosa 2009), o autor sugere que o início do neointegralismo seria em fins da década de 1970, o que nos indica, de modo implícito, a compreensão da morte de Plínio Salgado como ponto nevrálgico, ainda que a questão não esteja evidenciada. Já em produções mais recentes, o autor (Barbosa, 2012 e Barbosa, 2013) abandona o termo neointegralismo enquanto desígnio aos atuais militantes e grupos integralistas, ou mesmo daqueles surgidos após 1975, optando pelo termo “integralismo contemporâneo”.

66Além disso, constrói uma crítica bastante interessante da expressão “neointegralismo”, que merece ser vista com atenção. A princípio, é necessário ressaltar que as produções mais recentes do autor seguem uma linhagem interpretativa influenciada pela obra de José Chasin (1978-, uma das pioneiras nos estudos sobre o integralismo), que busca dissociar a interpretação do integralismo como uma expressão fascista, partindo do princípio interpretativo do fascismo enquanto produto do imperialismo capitalista.

67Em linhas gerais, para Chasin, o Brasil não teria, nos anos 1930, condições propicias para o surgimento de um movimento de caráter fascista, embora isso não impedisse determinadas influências fascistas no integralismo. Barbosa segue, portanto, a tradição da busca pela particularidade do integralismo (no sentido lukacsiano do termo, assim como J. Chasin), inclusive em sua fase atual. Dessa maneira, o integralismo contemporâneo é definido como uma autocracia chauvinista regressiva, definição essa compreendida como uma abstração delimitadora.

68Barbosa indaga sobre qual seria a razão em se falar ou denominar neointegralismo/neointegralistas. Para o autor, apesar das discordâncias e conflitos existentes entre os diferentes grupos integralistas contemporâneos, as premissas básicas e essenciais do integralismo histórico permaneciam resguardadas, restando, portanto, divergências pontuais entre estratégias e acepções programáticas. Além disso, o autor refuta os neologismos enquanto conceitos explicativos.

69O neologismo em questão é, claro, o “neointegralismo”. Para Barbosa, os neologismos (do qual o neointegralismo é uma dentre tantas expressões) são popularizados por setores da imprensa, que divulgam produções sobre temas como neofascismo, neonazismo, extrema direita, etc., todavia sem que isso acarrete um efetivo rigor científico, embora não se negue a operacionalidade possível.

70Especificamente sobre a extrema direita, Barbosa afirma que é um termo demasiadamente empírico, generalizante e não auxilia a percepção de particularidades, em especial do objeto em análise – o integralismo contemporâneo. Serviria, portanto, como expressão no âmbito jornalístico e espécie de instrumento para debates e polemização política.

71Evidencia-se, portanto, a questão: há razão para utilização do termo neointegralismo? Ele é dotado da capacidade heurística e analítica, ou somente um simplificador generalizante?

IV. Neointegralismo ou integralismo contemporâneo?

72Afinal, é pertinente falar em neointegralismo? Em que sentido o termo neointegralismo pode auxiliar na compreensão de um fenômeno político hodierno, mas permeado em apelos e premissas evidentemente regressivas?

73Antes de atentar especificamente sobre o que caracterizaria o neointegralismo em um contexto não endógeno e, portanto, relacional, é necessário salientar que se compreende o integralismo, em suas variadas expressões, como uma ideologia de direita, por seus primados anti-igualitários e pelo desprezo aos princípios de retificação. O integralismo se enquadra, portanto, dentro do escopo associativo (à direita) e delineado por autores como Norberto Bobbio (2001), Steven Lukes (2003), entre outros.

74Concebe-se, de antemão, que o binômio esquerda e direita é uma abstração com fins de inteligibilidade da complexidade social, política e histórica, e por serem definidos de modo socialmente reflexivos, portanto cambiantes, estão dispostos de acordo com os contextos nos quais se inserem, podendo variar nas gradações ou elementos constituintes (e dissociativos).

75A direita, compreendida como uma família política, pode ser dividida em diversos estratos, de acordo com os parâmetros distintivos utilizados, que podem ser diversos. Habitua-se a estabelecer diferenciações (à direita e à esquerda) de acordo com o autoritarismo e premissas antidemocráticas, entre outras variáveis. É nesse sentido, portanto, que autores como Pippa Norris (2009) e Roger Eatwell (2003) sugerem e estabelecem o contraste entre extrema direita e direita radical.

76Em linhas gerais, extrema direita ficaria definida pela apologia à violência e, sobretudo, pelos sentimentos e enunciados antidemocráticos. Por sua vez, a direita radical é caracterizada e composta por meio de grupos, atores e agremiações que estão inseridos e anunciam a adesão às “regras do jogo”, todavia estabelecem críticas ao estado democrático.

77Essa diferenciação não tem razão somente normativa, mas também analítica. Dispondo os elementos às categorias definidas, é possível observar as redes de relações construídas (e em constante modificação), assim como o modo com o qual um determinado grupo ou organização busca se alocar dentro desse plano, mesmo que renegue a filiação à classificação estabelecida (como é o caso dos integralistas e a condição de direita política).

78De fato, não somente as distinções e construções são socialmente reflexivas e cambiantes no tempo e espaço, senão os próprios objetos de estudo, visto que eles podem flutuar, por exemplo, entre a extrema direita e direita radical etc., em razão de deliberações programáticas, ideológicas, discursivas, e assim por diante. Sendo assim, essa variação não inviabiliza a utilização do modelo distintivo, mas justamente impulsiona historicidade ao termo.

79É evidente que os termos “extrema direita” e “direita” implicam ou proporcionam investidas e usos políticos dos mais diversos, inclusive em tonalidades denunciativas. Ademais, meios de imprensa habitualmente fazem uso do termo sem um rigor científico necessário, assim como o fazem diversos movimentos sociais e assim por diante.

80Compreende-se que essa problemática não se restrinja somente a essas noções, mas também a termos (e não enunciações conceituais) diversos, como o totalitarismo. É necessário, desse modo, compreender que os desusos do termo não implicam necessariamente na inviabilidade da utilização, pois os usos políticos não impedem a política do uso.

81Essa questão se insere inclusive no que diz respeito à questão do “neofascismo”. De antemão, enuncia-se aqui a filiação à tradição de estudos que compreendem o integralismo como a mais bem-acabada e significante expressão fascista na história do Brasil; e dessa maneira, o próprio fascismo enquanto fenômeno político, genérico e não incrustado em um só́ espaço e tempo.

82Isso não implica automaticamente em um mimetismo absoluto, de modo que o integralismo buscou salientar a especificidade nacional e seu ineditismo político, concomitantemente à construção de relações com diversos movimentos e organizações fascistas ao redor do mundo (Paschoaleto 2012). Da mesma forma que a inserção ao fascismo internacional auxiliou à concepção e crescimento do integralismo como ideologia política, os estudos sobre o fascismo em âmbito internacional e comparativo auxiliaram, em algum sentido, a melhor problematizar o integralismo enquanto objeto de estudo.

83Dessa maneira, advogando-se a existência de um fenômeno neointegralista, e sendo o integralismo o “fascismo brasileiro”, logo seria o neointegralismo um fenômeno tipicamente neofascista. Entretanto, se a problemática dos desusos de termos como direita e extrema direita torna-se evidente, ela se engendra de modo ainda mais complexo quando se fala em fascismo e neofascismo

84A utilização do termo “fascista” como adjetivo de desqualificação política auxilia a enrijecer o debate e a sua própria utilização, tornando compreensível a crítica ao uso. Todavia enuncia-se novamente a necessidade de compreensão das dissonâncias entre fenômeno político e polemização do termo.

85Conforme mostra Michael Mann (2008), há uma diferença substancial entre fascistas (fenômeno político, ou fascismo genérico) e “fascistas!” (adjetivo de desqualificação política). No caso do neofascismo, a utilização pouco criteriosa ultrapassa a arena política, chegando até ao âmbito acadêmico e historiográfico. Dessa maneira, é possível concordar, em partes, com as críticas de A. James Gregor (2006), quanto ao que o autor chama de incessante busca por um neofascismo pelos pesquisadores, de modo que o neofascismo assumiria ou encamparia as mais diversificadas roupagens e expressões políticas e culturais.

86Nesse sentido, a crítica de Gregor, a despeito de sua análise excessivamente conservadora, é extremamente pertinente. Uma espécie de vulgarização do termo neofascismo possibilitou que se “encontrasse” um certo neofascismo nas mais variadas expressões políticas, desde o radicalismo islâmico até a negação do holocausto, passando por grupos que buscam retomar organizações fascistas ou partidos políticos, de variadas matizes, legalmente estabelecidos em regimes democráticos, entre outros.

87Embora Gregor parta do princípio de particularidade do fascismo italiano, portanto enrijecendo ou impossibilitando uma perspectiva generalizante (para tal, é particularmente interessante a crítica de Merkl 2007), o autor traz uma contribuição pertinente, no sentido de se buscar o fascismo no neofascismo ou, em outras palavras, da premissa de existência de algo de fascismo histórico no neofascismo.

88Dessa maneira, ao se pensar no aspecto militante da questão, ao se buscar algo que remeta, enunciadamente ou não, ao fascismo histórico, aufere-se uma marginalidade ou “guetonização”, sobretudo em regimes democráticos. É nessa perspectiva, no que condiz à marginalidade política, que o neofascismo é compreendido por Walter Laqueur (1996), como um estilo de vida alternativo, no qual os seus membros (desde militantes organizados até gangues skinheads) buscam rejeitar a cultura de massa, preterindo-a aos clássicos escritos patrióticos de seus países, inclusive os cânones fascistas.

89O culto à juventude (parafraseando Mann 2008) seria um traço típico entre o fascismo novo e o velho, onde as ideias-forças do primeiro auxiliariam a arregimentar o segundo, em uma variada composição militante, de skinheads a negadores do holocausto, passando por aqueles que efetivamente remetem ao fascismo histórico. Apesar disso, o neofascismo é constituído para além de setores marginalizados (e em alguns locais, absolutamente ilegais) que almejam incessantemente o retorno e reprodução do passado, ou de parte gloriosa dele.

90Há, também, uma perspectiva que busca aliar tendências do pensamento tradicionalista à atuação metapolítica, conjugando-as a alguns referenciais afeitos ao fascismo histórico. A absorção do pensamento de autores como Julius Evola (1898-1974), sobretudo na incisiva crítica à modernidade (“a revolta contra o mundo moderno”) e da perspectiva esotérica de estrato (neo)pagão, estabelece uma complexidade e particularidade ao neofascismo.

91Não é objetivo estabelecer, aqui, o quanto de pensamento e elementos fascistas existiriam nos escritos de Evola (que, alias, apesar das aproximações e colaborações com o fascismo italiano, nunca foi uma referência central ou elemento nodal para o fascismo histórico), mas é evidente que os enunciados do autor italiano são retomados por tendências neofascistas, inclusive por aquelas que promulgam a ideia de um euro fascismo, ou então de um eurasianismo.

92Sobre a absorção de Evola como intelectual pelos neofascistas, Roger Griffin (2012) sinaliza a relação desse processo para com a configuração de um mundo pós-fascista, no qual o fascismo teria de adquirir novas estratégias e faces. Como mostra Laqueur (1996), o neofascismo enquanto modo de vida alternativo se aproxima e se apropria do pensamento evoliano, visando estratégias e articulações políticas diversificadas, onde a recusa da modernidade do pensamento de Evola será́ um forte elemento da engrenagem neofascista.

93Autores como Riccardo Marchi (2011) demonstra como os escritos e atuação de Evola na Itália pós-fascista foram circunstanciais para a concepção do neofascismo naquele país, inclusive em organizações autoproclamadas neofascistas (Movimento Sociale Italiano) ou pós-fascistas (Alleanza Nazionale).

94O primado tradicionalista de Evola seria também apropriado por diversas experiências da direita após o fascismo, inclusive daqueles que procuram se desvencilhar da condição (neo)fascista, tal qual a Nouvelle Droite. A nova direita francesa, que tem como tutor e maior expressão o filosofo Alain de Benoist (Sanromán 2008) afirma-se não fascista – a a revelia de uma série de estudos e análises que evidenciam os primados essencialmente fascistas (Sheehan 1981; Griffin 2012), e busca, em especial na atuação metapolítica (portanto, teoricamente distante do imediatismo partidário), um “gramscianismo de direita”.

95Na Rússia, o nacional-bolchevismo (ou, mais adiante, o neo-eurasianismo), em vertente capitaneada por Aleksandr Dugin, busca estabelecer a especificidade da ancestralidade tradicionalista local, delineando intersecções históricas à esquerda e à direita, todavia com premissas evidentemente à direita.

96O que se busca atentar com essa breve descrição do neofascismo em contexto internacional, é que a premissa da existência de um neofascismo e a utilização do termo não é determinada somente por um neologismo de estrato periodista, tampouco pela ressurgência ou permanência de organizações anacrônicas.

97O neofascismo, compreendido como fenômeno político, constitui-se não apenas pela utilização de novas estratégias e meios de divulgação e comunicação (infovia, por exemplo) em razão do apreço e tentativa de ressurgência do fascismo histórico. Em alguns casos, organizações e grupos neofascistas buscam ir além, ao estabelecer atualizações doutrinárias e discursivas das mais diversas, inclusive pela possibilidade proporcionada pelas grandes rupturas no seio de cada qual movimento, organização ou país (que podem ser tomadas inclusive pelo falecimento de suas principais lideranças historicamente estabelecidas).

98A percepção dessa dinâmica pelos próprios neofascistas sugere, também, a especificidade do fenômeno. É algo mais complexo que o simples reavivamento de organizações históricas preexistentes. A incidência e repetição de padrões e práticas (tal qual a “absorção” de skinheads – Cotter 2004), em várias localidades e experiências institucionais, sugere que há a compreensão da possibilidade de enlaces entre específicos membros da extrema direita e seus respectivos grupos e organizações.

99Por mais que se afirme a perspectiva genealógica/histórica entre esses grupos, determinadas nuances estabelecem a possibilidade de denominá-los neofascistas, visto que o processo descrito não trata somente de uma inércia (de movimento) reprodutiva do fascismo internacional e histórico dos anos 1930. São essas nuances do neofascismo internacional que auxiliam a compreender a possibilidade em denominar neointegralistas os integralistas em atuação após a morte de Plínio Salgado.

100Um aspecto preponderante para a consolidação do neofascismo enquanto fenômeno político foi o desaparecimento (falecimento, mudança de perspectiva política) de antigas principais lideranças fascistas, propiciando assim a ocorrência de novas investidas e perspectivas políticas e ideológicas.

101Desse modo, apesar de provavelmente indesejada, a morte veio a calhar às novas práticas. Em relação ao integralismo brasileiro, se comparado, no aspecto temporal, a outras principais lideranças fascistas (nacional-socialismo e fascismo italiano, em especial) Plínio Salgado foi exceção, visto que veio a falecer exatas três décadas após o fim da segunda grande guerra.

102Tomando a ruptura da morte como uma das possibilidades para o nascimento neofascista, o integralismo é um caso relativamente divergente dos principais referenciais fascistas históricos. Ainda que o integralismo tenha vivido várias roupagens pós-AIB, a prática do silenciamento das reminiscências fascistas foi uma dinâmica constante até a morte de Plínio Salgado, o que permite compreendê-la enquanto estratégia auferida ou legitimada pelo próprio líder dos “camisas‑verdes”.

103O que se viu após o falecimento de Salgado foi a contínua (embora diversificada) tentativa de retomar alguns pressupostos e elementos do passado fascista, isto é, em especial do integralismo de 1932 a 1938. E embora a negativa do caráter enunciativo fascista seja um dos pilares do discurso neointegralista, os elementos que atestavam a identidade fascista ao integralismo dos anos 1930 estiveram presentes, em diversas intensidades, logo após 1975 e até os dias atuais.

104Ao contrário da outrora unidade estabelecida em Plínio Salgado, a conjuntura neointegralista é marcada por dissonâncias militantes e ideológicas, ou mesmo daquelas de razão estratégica. Essa dinâmica, ao que tudo indica nascida no bojo da disputa entre a militância afeita à atuação institucional versus setores em busca da conservação (quase imaculada) da memória militante, ganhou contornos mais aprofundados ao passar dos anos, em muito devido às estratégias e dinâmicas neointegralistas comum à diversidade do neofascismo.

105O processo da tentativa de absorção das gangues e coletividades skinheads (ou os autointitulados “carecas”) não deve ser visto como um extrativismo neofascista estabelecido e reivindicado pelos remanescentes camisas verdes. Ele evidencia o nascimento das similaridades de visão de mundo e estratégias de atuação e difusão ideológica.

106A Ação Integralista Brasileira de Anésio Lara tentou, por diversos meios, cooptar os agrupamentos skinheads no Brasil. O Parnaso, também liderado por Anésio, buscava, além da cooptação skinhead, algo que se aproximava ao neofascismo enquanto “estilo de vida alternativo”, visto que propunha a conjugação da militância de extrema direita, inserção de discursos atualizados, formação de milícias e abstinência sexual em busca de um ideal maior.

107A inserção de novas práticas, ou atualização de antigos referenciais ideológicos se fez notar desde o princípio das tentativas de reorganização institucional integralista, em especial nas efêmeras siglas fundadas por Anésio Lara. O negacionismo, por exemplo, trouxe um novo elemento ao ancestral e histórico antissemitismo integralista.

108A questão do negacionismo antissemita no neointegralismo suscita algumas questões, como o próprio arcabouço histórico do movimento. A bibliografia sobre o tema (antissemitismo) atesta que o integralismo foi o principal produtor e veiculador de um antissemitismo político na história brasileira, em especial na figura de sua segunda maior liderança, Gustavo Barroso. No entanto, o próprio Plínio Salgado criticou o radicalismo antissemita de Barroso.

109Mesmo que essa questão fosse paradigmática sobre a disputa interna de poder no integralismo dos anos 1930, mostra que não era um elemento central e inequívoco aos demais intelectuais integralistas. A retomada do antissemitismo, adicionando novos elementos, em especial a sistemática relativização e negação do holocausto, estabelece uma apropriação digna de um integralismo sem a liderança de Plínio Salgado.

110Não se objetiva estabelecer, aqui, uma leitura típica da história contrafactual, mas é possível supor que haveria, em algum sentido, a possibilidade de uma recusa ou efetivo manejo de Plínio Salgado face ao antissemitismo integralista em sua primeira expressão institucional, como de fato se deu nas organizações integralistas surgidas após 1938.

111O antissemitismo de Gustavo Barroso e demais camisas-verdes foi sistematicamente apagado (ou silenciado) nos anos que se seguiram à primeira AIB, de modo que a apropriação e renovação desse discurso e prática preconceituosa estabeleceu um ponto tensional na militância neointegralista – e, portanto, uma característica imanente ao próprio neointegralismo.

112Dessa maneira, conforme enunciado anteriormente, os mais recentes grupos neointegralistas divergem sobre o antissemitismo do integralismo histórico, enquanto uns buscam admitir os “equívocos”, outros o diluem ou então intensificam suas práticas.

113Além de novas práticas e atualizações discursivas, o neointegralismo como fenômeno político trouxe a valoração diferenciada face aos teóricos do integralismo dos anos 1930 – em outras palavras, determinados grupos dimensionam a radicalidade antissemita da corrente barrosiana, conquanto outros se atentam ao primado conservador de Plínio Salgado.

114Desde as primeiras tentativas de reorganização institucional integralista, a aproximação com skinheads, negacionismo, ou mesmo a utilização da infovia estabelecem o aspecto “novo” do neointegralismo (ou do próprio neofascismo de modo genérico), pois a iniciativa em reviver o fascismo brasileiro dos anos 1930 necessitava, seja por razões ideológicas, políticas ou estratégicas, da modernização ou atualização, inclusive para não gerar um aspecto primordialmente anacrônico.

115Resta, no entanto, a questão: se o neointegralismo seria uma das principais expressões neofascista no Brasil, como os neointegralistas enxergariam o contexto neofascista internacional e suas modulações?

V. O neointegralismo e o “neofascismo internacional”

116Ao que tudo indica, o início da utilização da infovia delegou não somente a articulação entre integralistas em todo Brasil, mas também proporcionou que os neointegralistas tivessem conhecimento e contato do neofascismo internacional, inclusive ao se buscar possibilidades interlocutórias.

117No ano de 1999, portanto momentos antes de retomada das iniciativas institucionais neointegralistas, dois veículos militantes reproduziram a declaração de princípios da International Third Position (ITP), em meios virtuais e físicos: o periódico “Idade Nova” (Carneiro 2012) e o website “Páginas de Combate”.

118A International Third Position (Blamires & Jackson 2006), foi fundada a partir da cooperação entre dissidentes do British National Front, uma das principais organizações neofascistas britânicas, juntamente a Roberto Fiore, antiga proeminência neofascista italiana (membro do partido Fuorza Nova) então exilado na Inglaterra, devido a atividades políticas ilegais.

119A declaração de princípios da ITP trazia uma série de elementos que remetiam ao fascismo histórico, procurando estabelecer caráter hodierno aos primados enunciados. Desse modo, além da negativa ao materialismo, liberalismo, capitalismo e modernidade, tal documento criticava o new age e o sionismo político (todavia como estratégia de dissimulação para disseminação antissemita).

120Embora tivesse um enunciado ambicioso, buscando ser uma evidente terceira posição frente ao socialismo e ao capitalismo (e, discursivamente, contra a esquerda e a direita), a ITP sucumbiu ao gueto político neofascista – ou mesmo dentro dele, existindo até o ano de 2001, quando se transformou em England First Party e se inseriu ao European National Front, junto a demais partidos políticos, como o NPD (Nationaldemokratische Partei Deutschlands, Alemanha), o Partido Nacional Renovador (Portugal), o Aurora Dourada (Grécia), etc.

121A efemeridade da ITP e a inexistência de experiência institucional neointegralista em meados de 1999 foram, possivelmente, fatores cruciais para a não consolidação de enlaces e colaborações incisivas. Posteriormente, a formulação e adesão ao European National Front, a constituição de uma visão política absolutamente eurocêntrica (ou, em outros termos, ambiciosamente euro-fascista), embora transnacional, teria sido um evidente obstáculo possível a diálogos ultramarinos.

122Ao início do século xxi, e a partir da intensificação do processo de institucionalização neointegralista, é possível constatar a ocorrência de movimentação em sentido ao neofascismo internacional, com centralidade prática na Frente Integralista Brasileira, visto que o MIL-B tem uma atuação restrita aos limites nacionais (e do integralismo histórico, ainda que imersos e releituras e atualizações), e a AIR aparentemente cessara as (poucas) atividades por volta do ano de 2009.

123É significativo que, no primeiro pronunciamento oficial da Frente Integralista Brasileira, ocorra uma citação a Alain de Benoist (expoente máximo da nova direita francesa), embora sem maiores implicações ideológicas (Silveira 2004). Adiante, em “O Integralismo no Século xxi e a Questão Social” (Silveira 2009), o então presidente da FIB (Marcelo Baptista da Silveira) estabelece uma síntese histórica do integralismo, buscando dissociá-lo da condição fascista, em especial pela especificidade do conservadorismo cristão na ideologia do sigma.

124Além disso, para Silveira, o integralismo estaria distante de um pensamento tradicionalista regressivo, que por sua vez seria aproximável ao “modelo de tradicionalismo neopagão e radical de Julius Evola”. A partir da crítica evoliana ao cristianismo enquanto “elemento de degenerescência e decadência” (Silveira, 2009: 19), torna-se implícita a perspectiva do enunciado de incoerência entre o pensamento integralista, o fascismo italiano, o nazismo e, de modo atualizado, o neofascismo de inspiração evoliana.

125Em certo sentido, essa perspectiva crítica segue a busca pela especificidade integralista desde os anos 1930, inclusive nos escritos dos principais teóricos integralistas daquela época, que buscavam o ineditismo integralista e nacional, contra as acusações de mimetismo fascista internacional.

126Todavia, ao fim da presidência de Marcelo Silveira na FIB (2004-2007; 2007-2009), o cargo passa a ser assumido por Victor Emanuel Vilela Barbuy (2009-2019), que dá início à aproximação entre alguns elementos do pensamento evoliano e o integralismo de Plínio Salgado. Em 2009, primeiro ano da presidência de Barbuy, ocorre também o processo de organização do I Encontro Nacional Evoliano, ocorrido em João Pessoa/PB, em 2010.

127Em texto intitulado “Julius Evola e o ‘Tradicionalismo Integral’”, Barbuy (2009) estabelece uma síntese da trajetória e do pensamento evoliano, ressaltando o ônus da infovia para a divulgação de um autor até então pouco conhecido no Brasil. Para Barbuy, o pensamento evoliano seria essencialmente revolucionário, no sentido em que se compreende revolução enquanto uma revolta que determina um retorno ao estado inicial das coisas. Desse modo, para Barbuy, a noção de revolução e tradicionalismo em Julius Evola se assemelhariam ao “maior expoente do pensamento tradicionalista no Brasil” – Plínio Salgado.

128Na tentativa de estabelecer uma leitura associativa entre Plínio Salgado e Julius Evola, Barbuy lamenta que Evola compreendeu “o verdadeiro significado do Cristianismo, da Família, da Nação”, elementos essenciais da doutrina integralista e, de fato, elemento dissociativo evidente entre os postulados dos dois autores. Apesar dos “equívocos” delineadas por Barbuy, o ônus do pensamento evoliano seria, em especial, a recusa à modernidade e suas expressões – liberal-democracia, mediocridade burguesa, comunismo, coletivismo, etc.

129No texto “A verdadeira Revolução” (Barbuy 2010), o autor repete a associação entre o pensamento revolucionário de Julius Evola e a noção de revolução integralista em Plínio Salgado (em especial na obra “Psicologia da Revolução”). O “homem integral” de Plínio Salgado se assemelharia, pelo primado revolucionário supracitado, ao “homem tradicional” delineado por Evola. Nota-se, portanto, a iniciativa em estabelecer um diálogo do pensamento integralista de Plínio Salgado para com o pensamento de um autor referencial a determinados setores do neofascismo em âmbito internacional.

130Cumpre ressaltar que ambos os textos foram publicados no website dedicado aos encontros nacionais evolianos, que ocorrem anualmente, desde 2010, e que já́ contaram inclusive com participação de Aleksandr Dugin (III Encontro 2012), figura máster do eurasianismo, ladeado a Victor Barbuy.

131Tal qual evidenciado no título do evento, os conferencistas e demais presentes buscam discutir razões, deliberações e leituras das obras de Julius Evola. Alguns desses textos foram republicados no site oficial da Frente Integralista Brasileira, na íntegra (“A verdadeira revolução”) ou de modo complementar e atualizados, com enfoque na doutrina do sigma (Barbuy 2012).

132É possível constatar, portanto, que o neointegralismo da FIB constitui um aspecto de atualização, inclusive de sua própria constituição e trajetória interna – a inicial crítica ou recusa ao primado evoliano fora substituída por uma aproximação analítica (quiçá́ ideológica) entre Evola e Salgado. Embora não estabeleça dissídios na doutrina integralista dos anos 1930, proporciona modificações interpretativas dimensionadas pela conjuntura do neofascismo em escala internacional.

133A perspectiva internacionalizante da FIB não se encerra somente na tentativa de contato com as leituras “neofascistas” de Julius Evola. Por meio da Secretaria de Relações Internacionais (e do secretário Alexandre Villacian), a FIB buscou construir relações com organizações e grupos representativos da extrema direita e neofascista em diversos países do mundo, como a Nation (Bélgica francófona), a nova Action Française (França) e o MSR (Movimiento Social Republicano, Espanha), na Europa. Na América do Sul, delinearam relações com a Orden (Organización de Estudiantes Nacionalistas, Venezuela), e na Argentina, com o Movimiento pela Identidad Nacional e o Partido Popular de la Reconstrucción (PPR), organizações ideologicamente inspiradas no ex-coronel carapintada Mohamed Alí Seineldín.

134Além das perspectivas de relações interinstitucionais com organizações que, de certa maneira, se aproximam ideológica e politicamente ao neointegralismo promulgado pela FIB, verifica-se a aproximação à via metapolítica (na acepção delineada em especial pela nouvelle Droite), particularmente com a teoria do dissenso formulada pelo filósofo argentino Alberto Buela.

135A perspectiva metapolítica de Buela, permeada pela compreensão do homem ibero-americano como o amálgama entre o tradicionalismo cristão europeu e a ancestralidade indígena ibérica, estabelece a possibilidade de uma adaptação não mimética a uma via metapolítica essencialmente eurocêntrica. Notadamente, uma preocupação historicamente presente no integralismo, inclusive em sua primeira experiência institucional.

VI. Considerações

136Proporciona-se, portanto, intitular esse integralismo pós 1975 de neointegralismo? De alguma maneira, é possível concordar com Jefferson Barbosa (2012 e 2013), quando se afirma que não há um movimento de abrupta atualização dogmática nos atuais grupos integralistas.

137No entanto, essa permanência é um elemento básico para a compreensão e auto-reconhecimento desses grupos enquanto integralistas. Sem dúvida, o neointegralismo não se trata de uma ideologia política nova, mas sim de um fenômeno político que compreende o integralismo dos anos 1930, a atuação integralista na atualidade e a visão de mundo e estratégias típicas do neofascismo em escala internacional.

138A partir do momento em que se compreende a possibilidade em se afirmar a existência de um fenômeno neofascista, possibilita-se enunciar o que se compreende, aqui, como neointegralismo.

139Desde 1975 até o tempo presente, diversos militantes e siglas integralistas divergem entre si, pelos mais diversos fatores. Se há uma concordância indelével no emaranhado múltiplo de siglas neointegralistas existentes, efêmeras e persistentes, é a obediência a Plínio Salgado e o culto ao sigma integralista de AIB dos anos 1930. Isso, no entanto, não implica a obediência absoluta e reprodução perfeita (anacrônica e inalterável) dos moldes integralistas de 1932 a 1938.

140É possível observar, conforme delineado, que uma série de rupturas e novas práticas são estabelecidas e proporcionadas a partir de um elemento chave: a passagem de Plínio Salgado às “milícias do além”. Afora a disputa de poder entre aqueles que se julgam herdeiros ou representantes de uma antiga liderança política (fator incrustado ao campo político, inclusive), os neointegralistas adicionam novas práticas, discursos, estratégias e enlaces institucionais.

141Como demonstrar que, após a morte de Salgado, integralistas se digladiam em torno da aceitação do antissemitismo que lhes era próprio décadas atrás? Além disso, como denominar um contexto no qual um grupo (MIL-B) busca conjugação com a maçonaria, que havia sido historicamente rechaçada pelo integralismo e por demais grupos neointegralistas?

142Como grupos como a Accale se associam com novas tendências do neofascismo internacional ou, mais recentemente, como o grupelho “Comando de Insurgência Popular Nacionalista, da Família Integralista Brasileira” reivindica, sob a simbologia integralista, atos de violência com motivações políticas?

143O simples fato da ocorrência de novas tecnologias (principalmente a infovia) não é, aparentemente, um elemento cabível para se denominar ou caracterizar o neointegralismo, tampouco um tal “ciberintegralismo” (Dotta 2012), visto que as esferas online e off-line se confundem mutuamente.

144O neointegralismo, conforme mostrado, se constituiu por uma série de grupos que buscam leituras e valorações dissonantes (entre si) diante da doutrina do sigma, ainda que essa permaneça, teoricamente, imaculada. A consolidação de uma ruptura, qual seria a morte de Plínio Salgado, e as tentativas e estratégias de fuga da “guetonização” histórica, conferem ao neointegralismo àquilo que Walter Laqueur (1996) classifica como “estilo de vida alternativo”, conjugando antigos referenciais, novas práticas e elementos diversos.

145Além disso, é possível conceber, inclusive pelas estratégias mais recentes, que o próprio neointegralismo (em especial a FIB e Accale), busca se adequar e garantir espaço ao que Roger Griffin (2012) denomina enquanto mundo pós-fascista, caminhando para uma perspectiva hodierna, ao menos no sentido que o neofascismo lhe confere.

146Portanto, nessa conjuntura, há a presunção não da viabilidade, mas também da necessidade do termo “neointegralismo”, tanto do ponto de vista heurístico quanto elemento de categorização, pois confere a capacidade de síntese e auxilia a realçar, caso bem manejado (inclusive na necessidade de estabelecimento de temporalidade do objeto), o conflito que se dá no bojo desse neointegralismo, o integralismo após a morte de Plínio Salgado até os dias atuais.

Haut de page

Bibliographie

ALMEIDA, Alexandre de. Skinheads: “os mitos ordenados” do Poder Branco paulista. Thèse: Anthropologie. São Paulo: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 2001.

AMORIM, Galeano. « Neonazistas estão de volta às ruas ». In: O Estado de São Paulo, 19 de abril de 1989.

BARBOSA, Jefferson Rodrigues. « Ideologia e intolerância: a extrema-direita latino- americana e a atuação no Brasil dos herdeiros do Eixo ». In: Aurora (UNESP Marília), v. II, 2008, p. 02-11.

BARBOSA, Jefferson Rodrigues. « Intelectuais do Sigma e o integralismo contemporâneo – os herdeiros de Plínio Salgado ». In: Boletim Tempo Presente (UFRJ), 2013, Disponível em: http://www.tempresente.org.

BARBOSA, Jefferson Rodrigues. Integralismo e ideologia autocrática chauvinista regressiva: críticas aos herdeiros do sigma. Thèse: Sociologie. Marília : Universidade Estadual Paulista, 2012.

BARBOSA, Jefferson Rodrigues. « Entre milícias e militantes (IV): neointegralistas ou integralismo contemporâneo ». 2009. In: Passa Palavra. Disponível em: http://passapalavra.info/.

BARBUY, Victor Emanuel Vilela. Julius Evola e o “Tradicionalismo Integral”. [En ligne], 2009. [Consulté le 24 octobre 2014] http://encontronacionalevoliano.com.br/?p=13.

BARBUY, Victor Emanuel Vilela. A verdadeira Revolução. 2010. [Consulté le 24 octobre 2014] http://encontronacionalevoliano.com.br/?p=36.

BARBUY, Victor Emanuel Vilela. Espírito burguês e espírito nobre. 2012. [Consulté le 24 octobre 2014] http://www.integralismo.org.br/?cont=781&ox=195.

BEIRED, José Luis Bendicho Beired. Sob o Signo da Nova Ordem: intelectuais autoritários no Brasil e na Argentina. São Paulo : Edições Loyola, 1999.

BERTONHA, João Fábio. Bibliografia orientativa sobre o integralismo (1932-2007). São Paulo: Funep, 2010.

BERTONHA, João Fábio. Integralismo: problemas, perspectivas e questões historiográficas. Maringá: EDUEM, 2014.

BLAMIRES, Cyprian P. & JACKSON, Paul (ed.). World fascism: a historical encyclopedia. Santa Barbara : ABC Clio, 2006.

BOBBIO, Norberto. Direita e esquerda: razões e significados de uma distinção política. 2a ed. São Paulo : Editora Unesp, 2001.

CALDEIRA NETO, Odilon. Integralismo, Neointegralismo e Antissemitismo: entre a relativização e o esquecimento. Thèse: Histoire. Maringá: Universidade Estadual de Maringá, 2011.

CALDEIRA NETO, Odilon. « Gustavo Barroso e o esquecimento: integralismo, antissemitismo e escrita de si ». In: Cadernos do Tempo Presente, n° 14, out/dez., 2013, p. 44-56.

CALDEIRA NETO, Odilon. « Miguel Reale e o integralismo: entre a memória militante e as disputas políticas ». In: Revista Espaço Acadêmico, n° 126, 2011, p. 178-186.

CALIL, Gilberto Grassi. Integralismo e Hegemonia Burguesa: a intervenção do PRP na política brasileira (1945-1965). Cascavel: Editora da Universidade Estadual do Oeste do Paraná, 2010.

CARNEIRO, Márcia Regina da Silva Ramos. Do Sigma ao Sigma – entre a anta, a águia, o leão e o galo – a construção das memórias integralistas. Thèse: Histoire, Niterói: Universidade Federal Fluminense, 2007.

CARNEIRO, Márcia Regina da Silva Ramos. « Alguns temas delicados – o “novo” integralismo e a interpretação do passado e do presente a partir do Alerta ». In: Anais – XXVI Simpósio Nacional de História, ANPUH, São Paulo, 2011, p. 1-16.

CARNEIRO, Márcia Regina da Silva Ramos. « Uma velha novidade: o integralismo no Século xxi ». In: Boletim Tempo Presente (UFRJ), 2012.

CHASIN, J. O integralismo de Plínio Salgado: forma de regressividade do capitalismo hiper-tardio. São Paulo: Ciências Humanas, 1978.

COTTER, John M. « Sound of Hate: White Power rock and roll and the neo-Nazi skinhead subculture ». In: GRIFFIN, Roger & FELDMAN, Matthew (ed.). Fascism: Critical concepts in Political Science. New York: Routledge, 2004.

COSTA, Márcia Regina da. Os Carecas do Subúrbio: caminhos de um nomadismo moderno. São Paulo: MUSA, 2000.

CRUZ, Natália dos Reis. « A ideologia do Sigma hoje – Neo-integralismo, intolerância e memória ». In: História: Questões & Debates (UFPR), Curitiba, n° 46, 2007, p. 113‑138.

CRUZ, Natália dos Reis. « Neo-integralismo ». In: SILVA, Francisco Carlos Teixeira da. (org.). Enciclopédia de Guerras e Revoluções do Século xx. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004, p. 610‑612.

DOTTA, Renato Alencar. « Um esboço necessário sobre a trajetória do integralismo brasileiro – da AIB ao Ciberintegralismo (1932 a atualidade) ». In: Boletim Tempo Presente (UFRJ). 2012.

DREIFUSS, René. O jogo da Direita. Rio de Janeiro : Editora Vozes, 1989.

EATWELL, Roger. « Ten theories of the extreme right ». In: MERKL, Peter (ed.). Right-Wing Extremism in the Twenty First Century. London: Frank Cass, 2003.

FAGUNDES, Pedro Ernesto. « Morte e memória: a necrofilia política da Ação Integralista Brasileira (AIB) ». In: Varia Historia, vol. 28, n° 48, 2012, p. 889‑909.

GONÇALVES, Leandro Pereira. Entre Brasil e Portugal: trajetória e pensamento de Plínio Salgado e a influência do conservadorismo português. Thèse: Histoire. São Paulo: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 2012.

GREGOR, Anthony James. The search for Neofascism: the use and abuse of social science. Cambridge: Cambridge University Press, 2006.

GRIFFIN, Roger. « Studying Fascism in a Postfascist Age. From new consensus to New Wave? » In: Fascism: Journal of Comparative Fascist Studies. Vol. 1, n° 1, 2012. p. 1‑17.

KUSHNIR, Beatriz. Cães de guarda: jornalistas e censores, do AI-5 à Constituição de 1988. São Paulo: Boitempo, 2012.

LAQUEUR, Walter. Fascism: Past, Present, Future. Oxford: Oxford University Press, 1996.

LIMA, Delcio Monteiro de. Os senhores da Direita. Rio de Janeiro: Edições Antares, 1980.

LUKES, Steven. « Epilogue: the grand dichotomy of the twentieth century ». In: BALL, Terence & BELLAMY, Richard (ed.). The Cambridge History of Twentieth-Century Political Thought. Cambridge: Cambridge University Press, 2003, p. 606-626.

MANN, Michael. Fascistas. São Paulo: Editora Record, 2008.

MARCHI, Riccardo. « Movimento Sociale Italiano, Alleanza Nazionale, Popolo delle Libertà: do neofascismo ao pós-fascismo em Itália ». In: Análise Social, vol. XLVI (201), 2011, p. 697-717.

MERKL, Peter. « Missing the Neofascist Forest ». In: International Studies Review, vol. 9, n° 3 (Autumn), 2007, p. 531-533.

NEHAB, Werner. Anti-semitismo, integralismo, neo-nazismo. Rio de Janeiro : Livraria Freitas Bastos, 1988.

NORRIS, Pippa. Derecha radical: Votantes y partidos políticos en el mercado electoral. Madrid : Ediciones Akal, 2009.

PASCHOALETO, Murilo. O integralismo e o mundo: uma análise das percepções internacionais do integralismo a partir do jornal A Ofensiva (1934-1938). Thèse: Histoire. Maringá: Universidade Estadual de Maringá, 2012.

SANROMÁN, Diego Luis. La Nueva Derecha: Cuarenta años de agitación metapolítica. Madrid: Centro de Investigaciones Sociológicas, 2008.

SHEEHAN, Thomar. « Myth and Violence: The Fascism of Julius Evola and Alain de Benoist ». In: Social Research, Spring, vol. 48, n° 1, 1981, p. 45‑59.

SILVEIRA, Marcelo. Integralismo histórico e o integralismo do século xxi. 2004 [Consulté le 24 octobre 2014] http://www.integralismo.org.br/?cont=42.

SILVEIRA, Marcelo. O Integralismo no Século xxi e a Questão Social. 2009. [Consulté le 24 octobre 2014] http://www.integralismo.org.br/?cont=59&ox=2.

TRINDADE, Hélgio. A tentação fascista no Brasil: imaginário de dirigentes e militantes integralistas. Porto Alegre: Editoria da UFRGS, 2016.

TRINDADE, Hélgio. « O radicalismo militar em 64 e a nova tentação fascista ». In: SOARES, Gláucia Ary D & D’ARAÚJO, Maria Celina (éds.). 21 anos de regime militar: balanços e perspectivas. Rio de Janeiro: Editora da FGV, 1994.

TRINDADE, Hélgio. Integralismo: o fascismo brasileiro na década de 30. Rio de Janeiro : Difel, 1974.

VILLACIAN, Alexandre. « Belgas e espanhóis felicitam a FIB pelos oitenta anos de luta do movimento integralista ». In: Ação!, n° 8, 2012, p. 6.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Odilon Caldeira Neto, « Neointegralismo: do debate historiográfico a uma possível definição », L'Ordinaire des Amériques [En ligne], 226 | 2021, mis en ligne le 09 mars 2021, consulté le 17 avril 2021. URL : http://journals.openedition.org/orda/5853 ; DOI : https://doi.org/10.4000/orda.5853

Haut de page

Auteur

Odilon Caldeira Neto

Universidade Federal de Juiz de Fora, Laboratório de História Política e Social
odilon.caldeira@ufjf.br

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
L’Ordinaire des Amériques est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d'Utilisation Commerciale - Pas de Modification 4.0 International.

Haut de page
  • Logo IPEAT
  • Logo Université Toulouse-Jean Jaurès
  • Logo Université de Toulouse
  • Logo Latindex
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • OpenEdition Journals
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search