Navigation – Plan du site
Itinéraires hispaniques

O miliário como documento

The milliary column as document
José d’Encarnação
p. 385-394

Résumés

On signale l'importance de la recherche menée, à partir des années 60, par les chercheurs du Centre Pierre Paris (Université de Bordeaux III), parmi lesquels Pierre Sillières occupe une place assez significative. Sa thèse de doctorat sur les voies de l'Hispania méridionale reste, encore aujourd'hui, un ouvrage de référence. Dans une deuxième partie de cet essai, on donne trois exemples d'inscriptions (deux votives et un graffiti) recensement découvertes, qui complètent des renseignements toponymiques portés par les milliaires en relation avec les noms romains de trois villes actuelles en Lusitanie : Arronches, Viseu e Alter do Chão.

Haut de page

Texte intégral

1. A « escola » do Centre Pierre Paris

  • 1 Sillières, 1990.

1Insere-se a dissertação de doutoramento de Pierre Sillières1 num deveras auspicioso conjunto de publicações que, sob orientação de Robert Étienne, viram a luz do dia no último quartel do século XX.

  • 2 Recorda-se a sua publicação do Quartier Nord-Est de Volubilis : Étienne, 1960.

2Criara-se o Centre Pierre Paris, na então Université de Bordeaux III, precisamente com essa finalidade de investigar exaustivamente todos os aspectos da Hispânia romana, em íntima colaboração com os investigadores dos dois países peninsulares. Primeiro, porque a quase totalidade dos investigadores do Centre haviam passado, como bolseiros, pela Casa de Velázquez, de Madrid, e aí desenvolveram, de resto, a maior parte da investigação sobre a temática escolhida. Depois, porque, após a experiência norte-africana, designadamente em Volubilis2, Robert Étienne criara também fortes laços com o Instituto de Arqueologia da Universidade de Coimbra, onde então pontificava João Manuel Bairrão Oleiro, cujos discípulos mais directos eram, sem dúvida, Maria Adília Moutinho de Alarcão e Jorge Alarcão.

  • 3 A versão em língua portuguesa, apresentada a provas, seria depois traduzida para francês, adaptada (...)

3As escavações de Conimbriga cimentaram esses laços, ao longo da década de 60, e Jorge Alarcão acabaria por fazer o seu doutoramento, em 1974, sobre um tema até aí pouco interessante, a cerâmica comum3.

  • 4 Pereira et al., 1974.
  • 5 Etienne et al., 1976.
  • 6 Delgado et al., 1975.
  • 7 Mayet, 1984.
  • 8 Cite-se, a título de exemplo, a mais recente publicação, como que a coroar toda a sua actividade na (...)

4Aliás, poderá mesmo afirmar-se que a sistemática publicação dos resultados dessas campanhas de escavação contribuíram para criar uma « escola », porquanto pela vez primeira se reflectiu seriamente acerca da forma como estudar os diferentes tipos de espólio arqueológico. Assim, o tomo dedicado às moedas4, mui justamente galardoado, constituiu exemplo para outras publicações acerca desse tipo de documentação ; o volume sobre os monumentos epigráficos5 traçou directrizes sobre a forma de encarar a epígrafe romana no seu todo, que não apenas no texto ; e a cuidadosa investigação sobre uma cerâmica sui generis, devido ao preciosismo do acabamento e à frequente presença de marcas de oleiro, a terra sigillata, foi também superiormente dada a conhecer6. Aliás, Françoise Mayet seria levada por essa experiência a preparar sobre o tema a sua dissertação de doutoramento7 e Manuela Delgado continuaria a dedicar toda a sua actividade científica ao estudo da cerâmica8.

  • 9 Fabre, 1981.
  • 10 Fabre et al., 1985-2002.
  • 11 Tranoy, 1981.
  • 12 Le Roux, 1982.
  • 13 Gorges, 1979.

5Dessa « escola » nascida em torno do Centre Pierre Paris saíram, pois, repita-se, orientações bem precisas quanto ao modo de encarar a documentação arqueológica e Robert Étienne incitou os seus discípulos a optarem cada um deles por um tema específico, de forma a, no final, se ter, desde logo, uma panorâmica geral do que fora a Hispânia romana nos seus mais variados aspectos. E se Georges Fabre, depois de ter estudado a epigrafia de Conimbriga, preferiu rumar para a Roma republicana, deixando-se aliciar por uma questão deveras apaixonante9 e, ao voltar para os monumentos epigráficos, se quedou pela Catalunha, onde fez equipa com Marc Mayer e Isabel Rodà10, certo é que Alain Tranoy traçou da Galícia romana um quadro ainda hoje deveras actual11 ; Patrick Le Roux iria debruçar-se sobre o exército como imprescindível fautor de « romanização »12 ; Jean-Gérard Gorges faria o inventário das villae romanas, com vista a detectar características comuns passíveis de um escalonamento no tempo e na importância socioeconómica13 ; e caberia a Pierre Sillières o já referido estudo das vias.

2. O livro de Pierre Sillières

  • 14 904 páginas, a que se devem juntar as ilustrações (17 figuras, 24 páginas de bem esclarecedoras fot (...)
  • 15 Quando vemos que, no volume 34 (1995) de Conimbriga, p. 219-220, Jorge Alarcão se interessa pela mo (...)

6Curiosamente, apesar da sua importância e da sua dimensão14, a publicação de Sillières não teve, por exemplo em Portugal, quem ousasse fazer a sua recensão15.

  • 16 Sillières, 1990, p. 6.

7Dir-se-á que essas « vias meridionais », centradas de modo especial em torno do eixo fluvial do Guadalquivir, não entraram, afinal, Lusitânia adentro e, por isso, não terão despertado tanto a atenção. Conceda-se. Havia já também outros livros sobre vias e miliários ; o tema, como escreve Robert Étienne no prefácio16, já estaria « gasto », mas o certo é que – e é o próprio Étienne quem o confessa – P. Sillières teve o condão « de lui avoir donné une éclatante jeunesse », nomeadamente porque, acentua, « le rôle de la voie » não pode ser reduzido « à la facilité plus ou moins grande qu’elle offre à l’économie » : a via deve ser considerada « dans sa globalité : elle est aussi un instrument politique véhiculant l’autorité, assurant le maintien de l’ordre et transmettant les instructions du pouvoir central ».

  • 17 Encarnação, 1995-1996. Salientei, por exemplo, como a paginação do texto no miliário obedecia ao ei (...)

8Já tive ensejo de, a propósito dos miliários da Geira, chamar a atenção para esse papel informativo e de propaganda que o miliário detém17. E, na verdade, o livro de Pierre Sillières foca, de modo penetrante, toda a envolvência histórica global duma via e dos seus miliários, qualquer que ela seja.

  • 18 Sillières, 1990, p. 897-904.

9Uma atenta vista de olhos pela table des matières18 mostra, de imediato, que se trata de uma obra que teria merecido, logo no seu tempo, uma divulgação mais ampla e amiudada citação em obras da especialidade. Três « livros » a compõem, à maneira do que na altura se usava para indicar as partes fundamentais em que uma obra se dividia : « Une documentation variée mais lacunaire », « Des itinéraires multiples et divers », « De l’Archéologie à l’Histoire des voies de communication ».

10Não saberei dizer qual deles pode merecer mais atenção. Ousarei afirmar que todos. E explico : é que, por exemplo, o I livro tem capítulos onde miudamente se analisam dados fundamentais para a investigação.

  • 19 Saa, 1956-1967.
  • 20 Veja-se, a título de exemplo, uma das mais recentes : Alarcão 1988a, p. 89-106 [versão portuguesa d (...)
  • 21 Citem-se, entre outros, Mantas, 1990, 2000, 2004, 2005a e 2005b.
  • 22 Mantas, 1996, p. 191-224.
  • 23 Mantas, p. 195-213.

11Assim, começa P. Sillières por falar dos « itinéraires routiers antiques : l’Itinéraire d’Antonin, la Cosmographie de l’Anonyme de Ravenne, les gobelets de Vicarello ». Tem o chamado Itinerário de Antonino servido de base a muitas especulações no concernente a localização de cidades (falo, de modo especial, no que à Lusitânia ocidental diz respeito) ; recorde-se que Mário Saa o quis, mui desajeitadamente, usar no seu ‘percurso’ pelo Portugal romano19 ; Jorge de Alarcão, em todas as sínteses que redigiu sobre Portugal em tempo de Romanos, incluiu sempre um capítulo sobre as vias e se baseou nesse Itinerário20 ; e Vasco Mantas a ele se referiu, obrigatoriamente, na sua dissertação de doutoramento (não publicada), e nas reflexões que tem escrito sobre vias romanas21. Aliás, nessa dissertação, também dedica um capítulo aos itinerários viários22, referindo-se expressamente aos dados do Itinerário23.

  • 24 Sillières, 1990, p. 41-173.
  • 25 Sillières, p. 61.

12Vem, depois, um minucioso capítulo sobre os miliários24 : as dificuldades de uma pesquisa, atendendo, de modo especial, às dificuldades de reconstituição dos textos ; a sua distribuição geográfica ; os caracteres externos ; os textos ; o comprimento da milha (« Não houve uma milha ibérica » !25) ; para terminar apresentando o catálogo dos miliários e doutras inscrições relacionáveis com as vias no quadro da Hispânia meridional.

13A literatura greco-latina, os documentos medievais e modernos, a toponímia e os vestígios arqueológicos (calçadas e as sempre problemáticas pontes…) são outro dos temas abordados por Sillières como fontes para o estudo das vias de comunicação.

14E se o livro II se debruça especificamente sobre o resultado da investigação no terreno, explicitando os múltiplos e diversos itinerários passíveis de determinar, não há dúvida que é o livro III que marca a diferença, pois aí se faz toda uma integração dos dados arqueológicos e epigráficos na história : que importância houve para a economia e, de um modo mais genérico, para o que se tem designado por « romanização » : a manutenção da ordem, a transmissão das notícias… porque, no fundo, e importa salientá-lo, a estrada insere-se em toda uma « paisagem cultural ».

15É, pois, desse prisma que deve ser atentamente relido o livro de Pierre Sillières, por ser o resultado de profunda reflexão e deter elementos potenciadores de uma reflexão ainda maior.

3. Duas reflexões

16Permita-se-me, pois, que realce dois aspectos que, na circunstância, se me afiguram relevantes : chamarei ao primeiro a « didáctica do miliário » e ao segundo a « inesperada complementaridade das fontes ».

17Diria que o referido capítulo II sobre o miliário como documento histórico é deveras eloquente e quase ousaria dizer que mereceria voltar a ser publicado em volume autónomo, como forma de divulgação de um tipo de monumento antepassado dos actuais painéis digitais que povoam as nossas auto-estradas ou os simples marcos quilométricos, que tendem a desaparecer e merecem ser preservados.

  • 26 Basso, 2007.

18Patrizia Basso fê-lo, não há muito, em relação à Itália26, em jeito de volume de bolso, de linguagem acessível, para mostrar que as vias romanas devem ser alvo de investigação histórica (« raccontare le strade »), de observação, de estudo e de valorização.

19Importa, na verdade, mostrar como uma aturada pesquisa histórico-científica pode estar, afinal, muito mais perto da nossa realidade quotidiana.

  • 27 Pierre Sillières escreve – e muito bem – que a toponímia actual pode ser eloquente pista para se de (...)

20No que respeita à complementaridade das fontes, indico três exemplos que vão no sentido de mostrar que, se uma das informações dos miliários é a da toponímia27, cada vez mais essa informação está a ser colhida também onde menos se esperaria encontrá-la.

  • 28 Cf. Encarnação et al., 2008 ; Prósper, Villar, 2009.
  • 29 Citam-se os teónimos em dativo, por se desconhecer qual será exactamente a sua terminação em nomina (...)
  • 30 Alarcão, 1988a, p. 100.

21Assim, no termo de Arronches – integrado, mui provavelmente, durante a época romana, no conventus Emeritensis, pois se situa no Nordeste alentejano –, foi encontrada uma inscrição votiva (fig. 1), em língua dita « lusitana », pela sua afinidade com o que se conhece de textos idênticos28, em que a três das divindades indígenas aí veneradas, já conhecidas doutras epígrafes – Bandi, Reve e Munidi29–, vêm identificadas com um epíteto, que assume grafias diversas, mas que, a exemplo do que noutros casos idênticos acontece, está mui provavelmente ligado com o topónimo local. Na circunstância, as formas são Aharacui, Haracui, Harase. E é grande, portanto, a tentação de ver nelas o ‘antepassado’ etimológico do actual Arronches. Não vem no Itinerário de Antonino nenhum topónimo aproximável deste. Jorge de Alarcão apenas refere que Matusaro poderia ficar « nas proximidades de Arronches »30. Mas, linguisticamente, Matusaro fica muito ‘longe’ dos referidos epítetos. E, por outro lado, a via a passar por ali não seria oficial nem de primeira categoria, pois a nossa ideia é de que a inscrição foi colocada por pastores, em tempo de pausa, no decurso da transumância – e as rotas dos gados são bem distintas das rotas dos agentes imperiais…

  • 31 Jorge de Alarcão afirmou que « Viseu terá sido a capital dos Interannienses » (1988a, p. 27).
  • 32 Cf., por exemplo, Vaz, 1997, p. 371-402.

22Em todo o caso, o que pretendo assinalar é esta possível inter-relação entre textos epigráficos de diferente teor mas que podem complementar-se. E isso se verifica, de modo especial, no concernente a uma cidade, ela sim, seguramente, capital de civitas, como todos os investigadores têm assinalado, o aglomerado urbano que precedeu a actual cidade de Viseu, bem no coração da Lusitânia ocidental31, grande ponto de irradiação viária, na época romana, vias de que ainda hoje restam notáveis trechos32. Nos inúmeros miliários que dessas vias nos restam, nenhum, até ao momento, menciona a caput viae a partir da qual se procedia à contagem e daí que diversas tenham sido as sugestões para a função político- administrativa exercida pela cidade, sem que, no entanto, se tivesse sugerido o nome romano que tivera.

  • 33 Vide Fernandes et al., 2008.

23Ora, os investigadores habitualmente em campo na cidade tiveram a dita de, em Janeiro deste ano de 2009, encontrar o que eu considero o seu altar fundacional, pois que o aspecto imponente do fóculo (fig. 2) mostra que foi mesmo utilizado para sacrificar à divindade protectora da cidade33.

24O texto, que se lê claramente, diz o seguinte :

DEIBA BOR/IGO / DEIBO BOR / VISSAIEIGO / BOR / ALBINVS / CHAEREAE / F / V S L M

  • 34 Ibid., p. 188.

25Ainda que se trate de uma notícia preliminar a que vem citada em nota, ficamos a saber que os editores se inclinam para « admitir uma invocação a Diis Deabusque, associada ao epíteto Borigus/Boricus (relativo a « monte » ?) e ao genius loci (Vissaieigus) », considerando- se Deiba/Deibo « flexões características das línguas locais », podendo, pois, identificar-se em Vissaieigus « o nome pré-romano de Viseu », que apenas se conhecia com o grafia Viseo em documento do século VI34.

  • 35 Cf. Encarnação, 2002, texto que inseri também em Encarnação, 2006, p. 133-144.

26Concordo, em parte, com a opinião expendida, mormente quando se afirma que Vissaieigus é um epíteto – de carácter adjectival, portanto – formado a partir do topónimo de que a divindade era protectora e que poderá conjecturar-se ter sido Vissaium. Já não se me afigura correcto falar em plural, pois que, a meu ver, se trata de uma divindade apenas, venerada no seu ‘pendor’ masculino e feminino, dado que os deuses não têm sexo35.

  • 36 Alarcão, 1974, p. 74.

27E se, em ambos os casos, foi a epigrafia votiva que veio ao encontro da epigrafia viária, trazendo luz sobre a toponímia, no caso de Alter do Chão (norte do Alentejo, do conventus Emeritensis, provavelmente também) ocorreu uma circunstância feliz. É que, no decorrer dos trabalhos arqueológicos levados a efeito, neste Verão de 2009, na Estação Arqueológica de Alter do Chão, foi descoberto um imbrex com grafito, que identifica Alter do Chão com Abelterium ! Exactamente. Uma das cidades mencionadas no Itinerário de Antonino, que amiúde – mas sem provas – era, de facto, identificada com Alter do Chão. Assim, Jorge Alarcão, depois de ter hesitado na identificação de Abelterium com Alter do Chão36, devido à escassez dos vestígios arqueológicos, na edição desse mesmo livro em 1983 já escreve :

  • 37 Alarcão, 1983, p. 81.
  • 38 Alarcão, 1988a, p. 51.
  • 39 Alarcão, 1990, p. 363.
  • 40 Ibid., p. 364.

28« Abelterium ficava perto de Alter do Chão ou coincidia mesmo com esta localidade »37 ; em 1988, escreve « Abelterium (Alter do Chão) » sem mais38 ; e, em 1990, afirma categoricamente « Alter do Chão corresponde à antiga Abelterium »39 e lança mesmo a hipótese de ter existido « uma civitas com sede em Alter do Chão »40. O mais extraordinário é que a confirmação dessa identificação vem nesse grafito, onde se lê (fig. 3) :

VIIRNA / CVLVS / FECIT / IMBRICIIS / 5 AB[II]LTIRIO / AD CASTOREM / (duo milia) /(mille) / DCCCCL (quinquaginta et nongenti)/10 DCCC (octingenti)

  • 41 Está em vias de publicação o estudo preliminar do grafito, da autoria de Jorge António e José d’Enc (...)

29Para além do interesse de o artesão (Vernaculus) ir anotando a contagem, note-se o requinte de assinalar que o fez em Abeltirium, ad Castorem, ou seja, na oficina de Castor41. Que melhor testemunho se haveria de requerer ?

30Em suma :

31A enorme riqueza documental que ainda hoje representa a dissertação de Pierre Sillières, nomeadamente a sua forma de encarar os miliários, as inscrições viárias e os vestígios arqueológicos relacionáveis com os itinerários romanos como relevantes documentos históricos, deu-nos azo – e que nos seja permitida tal ousadia – a recordar como, no Centre Pierre Paris, se formou uma escola pioneira no que hoje é vulgarmente admitido e considerado, até, banal : a interdisciplinaridade.

32Ensinaram-nos ali que uma epígrafe vale por si, como texto, é certo ; mas, se apenas a considerarmos isoladamente, muito do seu valor documental se esvai. Assim, a fraseologia mais ou menos estereotipada do miliário. Interessa decifrá-la ; contudo, mais importante do que isso é integrá-la em todas as componentes que esse singelo letreiro pressupõe.

Haut de page

Bibliographie

Alarcão, J. de, 1974, Portugal romano, Lisboa.

Alarcão, J. de, 1975, Fouilles de Conimbriga, V – La céramique commune locale et régionale, Paris.

Alarcão, J. de, 1983, Portugal romano, 3a edição, Lisboa.

Alarcão, J. de, 1988a, O domínio romano em Portugal, Mem Martins, Lisboa.

Alarcão, J. de, 1988b, Roman Portugal, Aris & Philips, Warminster.

Alarcão, J. de, 1990, Nova História de Portugal, I : Portugal das origens à romanização, Lisboa.

Basso, P., 2007, Strade Romane : Storia e Archeologia, Carocci editore, Roma.

Delgado, M., Mayet, F. e Alarcão, A. M. de, 1975, Fouilles de Conimbriga, IV – Les Sigillées, Paris.

Delgado, M. e Morais, R., 2009, Guia de cerâmicas de produção local de Bracara Augusta, Universidade do Minho.

Encarnação, J. d’, 1995-1996, Miliários da Geira : informação e propaganda, Cadernos de Arqueologia, 12-13, p. 39-43.

Encarnação, J. d’, 2002, O sexo dos deuses romanos, in A. Alonso e S. Crespo (ed.), Scripta Antiqua : in honorem A. Montenegro et J. M. Blázquez, Valladolid, p. 517-525.

Encarnação, J. d’, 2006, Epigrafia – As pedras que falam, Coimbra, Imprensa da Universidade de Coimbra.

Encarnação, J. d’, Oliveira, J., Teixeira, C. e Carneiro, A., 2008, Inscrição votiva em língua lusitana (Arronches, Portalegre), Conimbriga, 47, p. 85-102.

Étienne, R., 1960, Le quartier Nord-Est de Volubilis, Paris.

Étienne, R., Fabre, G., Lévêque, M. e Lévêque, P., 1976, Fouilles de Conimbriga, II – Épigraphie et Sculpture, Paris.

Fabre, G., 1981, Libertus – Recherches sur les rapports patron-affranchi à la fin de la République Romaine, Rome.

Fabre, G., Mayer, M. e Rodà, I., 1985-2002, Inscriptions romaines de Catalogne, I-V, Paris.

Fernandes, L. S., Carvalho, P. S. e Figueira, N., 2008, Uma nova ara votiva de Viseu (Beira Alta, Portugal), Sylloge epigraphica Barcinonensis, 6, p. 185-189.

Gorges, J.-G., 1979, Les villas hispano-romaines. Inventaire et problématiques archéologiques, Paris.

Le Roux, P., 1982, L’Armée romaine et l’organisation des provinces ibériques d’Auguste à l’invasion de 409, Paris.

Mantas, V., 1990, A rede viária do convento escalabitano, in La red viaria en la Hispania romana, Saragoça, p. 219-239.

Mantas, V., 1996, A rede viária romana da faixa atlântica entre Lisboa e Braga, Coimbra, 2 vol. (dissertação de doutoramento policopiada).

Mantas, V., 2000, A via romana Bracara Augusta-Cale : traçado, funções e influência no povoamento regional, Revista de Guimarães, 110, p. 53-87.

Mantas, V., 2004, A rede viária romana do território português, in J. Medina (dir.), História de Portugal, II, Amadora, p. 438-469.

Mantas, V., 2005a, Vias e portos na Lusitânia romana, in V Mesa redonda sobre Lusitania romana : Las comunicaciones, Madrid, p. 427-453.

Mantas, V., 2005b, As vias de comunicação na Europa romana, in A Génese da Ideia de Europa, III, O Mundo Romano, Coimbra, p. 69-102.

Mayet, F., 1984, Les céramiques sigillées hispaniques. Contribution à l’histoire économique de la péninsule Ibérique sous l’Empire Romain, Paris.

Pereira, I., Bost, J.-P. e Hiernard, J., 1974, Fouilles de Conimbriga, III – Les Monnaies, Paris.

Prósper, B. M. e Villar, F., 2009, Nueva inscripción lusitana procedente de Portalegre, Emerita, 77/1, p. 1-32.

Saa, M., 1956-1967, As Grandes Vias da Lusitânia (O Itinerário de Antonino Pio), Lisboa, I (1956), II (1959), III (1960), IV (1963), V (1964) e VI (1967).

Sillières, P., 1990, Les voies de communication de l’Hispanie méridionale, Paris.

Tranoy, A., 1981, La Galice Romaine, Paris.

Vaz, J. L. I., 1997, A civitas de Viseu – Espaço e Sociedade, Coimbra.

Haut de page

Annexe

Fig. 1. Inscription votive d'Arronches

Fig. 1. Inscription votive d'Arronches

Fig. 2. Autel votif de Viseu (Photo Arqueohoje)

Fig. 2. Autel votif de Viseu (Photo Arqueohoje)

Fig. 3. Imbrex d'Abelterium (Photo Jorge António)

Fig. 3. Imbrex d'Abelterium (Photo Jorge António)
Haut de page

Notes

1 Sillières, 1990.

2 Recorda-se a sua publicação do Quartier Nord-Est de Volubilis : Étienne, 1960.

3 A versão em língua portuguesa, apresentada a provas, seria depois traduzida para francês, adaptada e integrada na série dos volumes monográficos sobre as escavações da cidade : Alarcão, 1975.

4 Pereira et al., 1974.

5 Etienne et al., 1976.

6 Delgado et al., 1975.

7 Mayet, 1984.

8 Cite-se, a título de exemplo, a mais recente publicação, como que a coroar toda a sua actividade na Unidade de Arqueologia da Universidade do Minho : Delgado, Morais, 2009.

9 Fabre, 1981.

10 Fabre et al., 1985-2002.

11 Tranoy, 1981.

12 Le Roux, 1982.

13 Gorges, 1979.

14 904 páginas, a que se devem juntar as ilustrações (17 figuras, 24 páginas de bem esclarecedoras fotografias e um bem pormenorizado mapa de toda a Hispânia meridional das vias e aglomerados ditos ‘hispano-romanos’ destacável no final, à escala de 1/1 000 000).

15 Quando vemos que, no volume 34 (1995) de Conimbriga, p. 219-220, Jorge Alarcão se interessa pela monografia de P. Sillières sobre Baelo Claudia. Une cite romaine de Betique (Madrid, 1995), sem aí fazer sequer referência – que poderia vir a talhe de foice – à sua investigação sobre as vias ; e que o investigador que mais se dedicava, nessa ocasião, ao estudo das vias, Vasco Mantas, publicara (Conimbriga, 29, 1990, p. 178-186) extensa recensão ao livro La red viaria romana en Aragon, de María de los Angeles Magallón Botaya, onde apenas refere dois textos sobre miliários de P. Sillières, natural seria que, após a publicação, tivesse voltado ao assunto, o que não aconteceu.

16 Sillières, 1990, p. 6.

17 Encarnação, 1995-1996. Salientei, por exemplo, como a paginação do texto no miliário obedecia ao eixo da via, de modo a que os termos mais significativos (nome comum do imperador, número do poder tribunício, o topónimo, o número de milhas…) pudessem ser de imediato percebidos.

18 Sillières, 1990, p. 897-904.

19 Saa, 1956-1967.

20 Veja-se, a título de exemplo, uma das mais recentes : Alarcão 1988a, p. 89-106 [versão portuguesa de Alarcão 1988b]. Refira-se que Jorge Alarcão tem ultimamente procedido a revisões periódicas dos seus escritos, nomeadamente nos textos a que deu o título geral de « Notas de arqueologia, epigrafia e toponímia », facilmente acessíveis em : http://www.ipa.min-cultura.pt/pubs/RPA

21 Citem-se, entre outros, Mantas, 1990, 2000, 2004, 2005a e 2005b.

22 Mantas, 1996, p. 191-224.

23 Mantas, p. 195-213.

24 Sillières, 1990, p. 41-173.

25 Sillières, p. 61.

26 Basso, 2007.

27 Pierre Sillières escreve – e muito bem – que a toponímia actual pode ser eloquente pista para se descortinar o traçado de vias (1990, p. 211-226) ; mas, por indicar a distância até determinada cidade, também o miliário é fonte para a identificação de topónimos.

28 Cf. Encarnação et al., 2008 ; Prósper, Villar, 2009.

29 Citam-se os teónimos em dativo, por se desconhecer qual será exactamente a sua terminação em nominativo.

30 Alarcão, 1988a, p. 100.

31 Jorge de Alarcão afirmou que « Viseu terá sido a capital dos Interannienses » (1988a, p. 27).

32 Cf., por exemplo, Vaz, 1997, p. 371-402.

33 Vide Fernandes et al., 2008.

34 Ibid., p. 188.

35 Cf. Encarnação, 2002, texto que inseri também em Encarnação, 2006, p. 133-144.

36 Alarcão, 1974, p. 74.

37 Alarcão, 1983, p. 81.

38 Alarcão, 1988a, p. 51.

39 Alarcão, 1990, p. 363.

40 Ibid., p. 364.

41 Está em vias de publicação o estudo preliminar do grafito, da autoria de Jorge António e José d’Encarnação, intitulado : « Grafito identifica Alter do Chão como Abelterium ».

Haut de page

Table des illustrations

Titre Fig. 1. Inscription votive d'Arronches
URL http://journals.openedition.org/pallas/docannexe/image/12908/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 536k
Titre Fig. 2. Autel votif de Viseu (Photo Arqueohoje)
URL http://journals.openedition.org/pallas/docannexe/image/12908/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 224k
Titre Fig. 3. Imbrex d'Abelterium (Photo Jorge António)
URL http://journals.openedition.org/pallas/docannexe/image/12908/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 422k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence papier

José d’Encarnação, « O miliário como documento »Pallas, 82 | 2010,  385-394.

Référence électronique

José d’Encarnação, « O miliário como documento »Pallas [En ligne], 82 | 2010, mis en ligne le 04 mai 2010, consulté le 25 février 2020. URL : http://journals.openedition.org/pallas/12908; DOI: https://doi.org/10.4000/pallas.12908

Haut de page

Auteur

José d’Encarnação

Centro de Estudos Arqueológicos das Universidades de Coimbra e Porto

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Pallas – Revue d'études antiques est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d'Utilisation Commerciale - Pas de Modification 4.0 International.

Haut de page
  • OpenEdition Journals