Navegação – Mapa do site

InícioNúmeros28EditorialEditorial

Editorial

Editorial

Silvana Nascimento

Texto integral

1No segundo ano pandêmico, com apenas 18% da população brasileira imunizada, seguimos em trabalho remoto nas universidades. São mais de 551.800 mortos. E em meio a esta situação, continuamos atuando, em condições adversas, com poucos contatos presenciais, pelas telas e pelas redes eletrônicas, reconstruindo relações, na esperança de uma existência humana (e não-humana) menos violenta, mais digna e igualitária.

2E a Revista Ponto.Urbe segue pulsante, em sua 28ª edição, mais conectada às redes sociais, com a criação de páginas no Instagram e no Twitter. Nosso trabalho editorial continua a ser realizado de forma coletiva, horizontal, o que torna o compromisso de publicação semestral com os/as leitores/as mais leve e prazeroso.

3Com uma amplitude de artigos elaborados por autoras e autores de diferentes instituições, nacionais e internacionais (Bahia, Maranhã, Pará, Manaus, São Paulo, São Carlos, Belo Horizonte, Campina Grande, Porto Alegre, Lima/Peru, Edimburgo/Reino Unido e Arizona/EUA), também oferecemos discussões atuais sobre o complexo cenário político brasileiro e trazemos uma Entrevista com o antropólogo e professor Piero Leirner, da Universidade Federal de São Carlos, que possui uma larga trajetória de pesquisa sobre militares no Brasil.

4Quebrando o protocolo, apresentando o número de trás pra frente, publicamos três Ensaios Fotográficos, cujos temas são todos festivos, dois deles realizados em Salvador, Bahia. O primeiro de Ismael Silva dos Santos, sobre o carnaval e a Feira de São Joaquim, em Salvador, e o segundo de Lucas Barreto de Souza, sobre a Festa do Caboclo Truvezeiro, em um terreiro de Candomblé. O último ensaio é de autoria coletiva (Diego Omar da Silveira, Ericky da Silva Nakanome e Pedro Coelho) que traz imagens do cortejo do Boi Caprichoso, na cidade de Parintins, Amazonas.

5Como Tradução, publicamos um texto inédito no Brasil, de Susan Stryker, Saberes (des)sujeitados: uma introdução aos estudos transgêneros, que abre uma coletânea fundamental sobre estudos trans nos Estados Unidos, The Transgender Studies Reader (editora Routledge), organizado por ela e Stephen Whittler, publicado pela primeira vez em 2006. O texto foi traduzido por Lux (Luiza) Ferreira Lima, doutorande em Antropologia pela USP, que gentilmente tornou possível que este texto estivesse disponível em português e obteve a autorização dos editores e da autora. Susan Stryker é professora na área de estudos de gênero e LGBT na Universidade do Arizona e uma das fundadoras do campo dos estudos transgêneros estadudinenses.

6Na seção Cirkula, aberta a outras áreas do conhecimento, publicamos o texto de Danielle de Jesus de Souza Fonsêca, Por uma etnocaminhada em criação: modos de compor outras grafias festivas espetaculares, que aborda a poética do corpo caminhante na Festa de São Marçal (Encontro dos Bois), em São Luiz, no Maranhão, por meio de uma perspectiva do campo das artes e do urbanismo.

7Em Etnográficas, trazemos três relatos que descrevem temas emergentes nas cidades contemporâneas, como o uso de ciclovias em diferentes espaços de Lima, no Peru, de Danae Lina Román García, o movimento Black Lives Matter, em Nova Iorque, por meio de imagens produzidas por fotógrafos negros, de Nicole Pinho de Andrade, e o massacre de 46 estudantes na Cidade do México, em 2014, conhecido como “Noite de Iguala”, narrado por Olof Ohlson.

8Em Artigos, considerados o núcleo da revista, responsáveis pela qualificação e avaliação da Ponto.Urbe de acordo com os critérios da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), apresentamos 10 textos, cujos temas perpassam memória e cultura popular, corpo e saúde, bibliotecas, segurança pública e violência de Estado, imprensa, festividades, relação humanos e não-humanos, metodologias de pesquisa etnográfica, moradia, sexualidades e novos modelos familiares.

9Ana Cecília Oliveira Campos, em Memória de elefante: A biografia do Santuário de Elefantes Brasil e as memórias de pessoas não humanas, traz a narrativa biográfica de figuras não-humanas, elefantas, que habitam O Santuário de Elefantes Brasil, na Chapada dos Guimarães (Mato Grosso), uma instituição que recebe elefantes que viviam em zoológicos e circos. André Silva Nectoux, em Processos de inscrição: burocracia, identidade e gestão do tempo durante a remoção urbana em uma ilha de Porto Alegre, fala sobre processos de remoção urbana em regiões periféricas da capital gaúcha e como se desdobram os enredamentos burocráticos da prática estatal nestes territórios. Apoena Dias Mano, Morro de medo: regimes de mobilidades após uma década de Unidades de Polícia Pacificadora em favelas do Rio de Janeiro, analisa a violência policial em favelas ocupadas pelas Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs) na capital carioca. Augusto Ventura dos Santos, em Etnografia é observação participante? Trabalhando com um método constitutivamente heterodoxo, discute questões metodológicas sobre observação participante e etnografia, que têm sido utilizadas também em outras áreas e oferece, além disso, reflexões a partir de suas próprias experiências de pesquisa. Frederico Luiz Moreira, em Festa e Cidade: poéticas entrecruzadas, escreve sobre a tradicional Festa de Corpus Christi, na cidade mineira de Sabará, revelando memórias, temporalidades e experimentações. Ítalo Cassimiro Costa, em Fugindo do caos: o proselitismo terapêutico na vida política do Brasil atual, discute a relação entre os usos de terapia alternativas e processos de medicalização em contextos urbanos. Lilian Alves Gomes, em A cidade como biblioteca: percursos de costura do livro e da leitura no tecido urbano, problematiza a relação entre o acesso a bibliotecas e a busca de livros em diferentes territórios das cidades. Rodolfo Teixeira Alves, em Imprensa e espaço urbano: a campanha do Jornal do Brasil pela urbanização da Barra da Tijuca (RJ) nos anos 1960, reflete a modernização do espaço urbano no Rio de Janeiro a partir de relatos jornalísticos sobre um bairro de elite, a Barra da Tijuca. Vanderlan Silva e Valdeci Feliciano Gomes, em O fazer etnográfico em Câmara Cascudo: memória, fontes e interlocutores, falam sobre a obra de Câmara Cascudo e sua trajetória de pesquisa etnográfica. E, por fim, Vitor Grunvald, em Juventude periférica, gênero, sexualidade e violência de Estado: notas a partir de uma família LGBT na cidade de São Paulo, analisa a constituição de famílias LGBTs, na periferia de São Paulo, e como tem elas têm se articulado politicamente nos espaços da cidade.

10Desejamos uma boa leitura, e manifestamos, mais uma vez, nossa solidariedade a todos, todas e todes que perderam alguém nesse período crítico da história mundial e nacional. Viver é preciso! Navegar é preciso! Nos ajudem a divulgar a Ponto.Urbe nas redes sociais, compartilhem entre seus contatos e nos sigam nessa caminhada, com saúde e antropologia urbana.

Editora-executiva da Revista Ponto.Urbe

Topo da página

Índice das ilustrações

Legenda Editora-executiva da Revista Ponto.Urbe
URL http://journals.openedition.org/pontourbe/docannexe/image/10700/img-1.png
Ficheiro image/png, 8,3k
Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

Silvana Nascimento, «Editorial»Ponto Urbe [Online], 28 | 2021, posto online no dia 27 julho 2021, consultado o 18 outubro 2021. URL: http://journals.openedition.org/pontourbe/10700; DOI: https://doi.org/10.4000/pontourbe.10700

Topo da página

Autor

Silvana Nascimento

Professora do departamento de Antropologia da USP e editora executiva da Revista Ponto.Urbe

Artigos do mesmo autor

Topo da página

Direitos de autor

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Topo da página
Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search