Navegação – Mapa do site

InícioNúmeros29Ensaios Fotográficos“Mito mata”: pichações e cartazes...

Ensaios Fotográficos

“Mito mata”: pichações e cartazes de rua na São Paulo pandêmica

“Mito mata”: graffitis and street posters in pandemic São Paulo
Letícia Zanon Yokoi e Marcelo Yokoi

Notas da redacção

Versão original recebida em / Original Version 24/06/2021
Aceitação / Accepted 20/09/2021

Texto integral

  • 1 Este trabalho é parte do projeto Museu de Arte de Rua (MAR), realizado pela Prefeitura de São Paulo (...)

1Ao passar pelas imediações do Hospital das Clínicas, zona oeste da capital paulista, nossos olhares são atraídos para um colorido painel localizado numa empena de 440m2. Nele vemos profissionais da saúde usando máscaras cirúrgicas transparentes, numa obra feita pelo artista visual e grafiteiro Alexandre Orion em parceria com a prefeitura1. Ao seguir em direção ao centro da cidade, na Rua da Consolação, podemos observar intervenções urbanas de artistas que, sem qualquer tipo de promoção ou autorização por parte das autoridades governamentais, referenciaram o atual momento pandêmico tecendo suas críticas diretamente nos muros, por meio de frases ou imagens.

  • 2 Pichação e pixação, com “x”, são termos que se diferem. O primeiro remete às mensagens legíveis em (...)
  • 3 A lei 12.408/11, apesar de pensar uma descriminalização do grafite, vem a forçar uma divisão entre (...)

2Poder público e arte de rua possuem relações que vão do conflito, controle e coerção à legitimação e parcerias (Leal, 2018). O Estado define qual arte deve ou não ser feita nas ruas, estabelecendo o que é crime ou não, arte ou não. Segundo seus critérios, o graffiti, dentro dos parâmetros legais, seria valorizado e digno de nota, enquanto a pichação2 ou a “propaganda irregular”, imprópria e fora das normas, digna de repressão, um delito3. Neste ensaio iremos considerar essas manifestações artísticas não autorizadas pelo poder público que, vistas pelo mesmo como “atos de vandalismo” e “poluição visual”, expuseram o tema da pandemia no Brasil através de pichações e colagem de cartazes.

  • 4 Sobre graffiti e pichação durante a ditadura militar em São Paulo ver Lima, 2018.

3Não é de hoje que política e arte de rua andam juntas. Na antiguidade os romanos utilizavam as paredes e muros como suporte para expressões populares de apoio e crítica ao governo, envolvendo inclusive o humor. Avançando no tempo, já no século XX, após a criação do spray, inscrições em muros e paredes puderam ser vistas nas jornadas de Maio de 1968, nas quais foi utilizada esta nova ferramenta de protesto (Gitahy, 1999). No Brasil, durante este período, a população se mobilizava contra o regime ditatorial instaurado no país desde 1964 e algumas formas de manifestar oposição eram a pichação, a produção e fixação de cartazes lambe-lambe4.

4Com o advento da pandemia atual e o papel deletério do governo federal na condução das políticas sanitárias (e não só), muitos artistas expressaram o descontentamento nas paredes e muros da cidade.

  • 5 Já no segundo ano da pandemia de COVID-19, no fim do mês de março, o país contabilizava mais de 300 (...)

5Entre os meses de março e junho de 20215, tempos de CPI da COVID no senado, elevadíssimas taxas de mortes diárias no país e grandes manifestações de rua, percorremos algumas das principais vias das zonas oeste e central da cidade de São Paulo e registramos, com uma câmera compacta, algumas marcas da indignação popular. Nas imagens podemos ver críticas irônicas e diretas ao atual presidente Jair Bolsonaro e à sua gestão, bem como a narrativa de responsabilidade ética com um cunho “educacional”, fazendo referência ao uso de máscara. Entre elas há ainda uma pichação que evoca a pandemia para falar da violência policial, problema social que atinge principalmente a população periférica, uma das mais afetadas por essa junção nefasta de Covid-19 e carência de políticas públicas e sanitárias.

ZANON-YOKOI, Letícia. Nunca foi uma gripezinha. 19J. (Avenida Paulista) 2021.

ZANON-YOKOI, Letícia. Não vejo, não ouço, não falo. (Avenida Paulista) 2021.

ZANON-YOKOI, Letícia. Usa a p*rra da máscara. (Avenida Paulista) 2021.

ZANON-YOKOI, Letícia. Não usei máscara, eu também não. (Rua Natingui) 2021.

YOKOI, Marcelo. Ame sua família, respeite o próximo, use máscara. Fora Bolsonaro! (Ponte Bernardo Goldfarb). 2021.

YOKOI, Marcelo. + de 300 mil mortos. Ligue os pontos. (Esquina da Avenida Afrânio Peixoto e Rua Alvarenga) 2021.

YOKOI, Marcelo. Bolsonaro Genocida. (Cemitério São Paulo, Rua Luís Murat) 2021.

ZANON-YOKOI, Letícia. + de 300 mil mortes, mito mata. (Cemitério da Consolação, Rua da Consolação) 2021.

YOKOI, Marcelo. Corona mata menos q. a PM. (Rua da Consolação) 2021.

YOKOI, Marcelo. Todos morrem um dia. (Rua Cardeal Arcoverde) 2021.

Topo da página

Bibliografia

GITAHY, Celso. O que é graffiti. São Paulo: Brasiliense, 1999.

LEAL, Gabriela Pereira de Oliveira. Cidade: modos de ler, usar e se apropriar - uma etnografia das práticas de graffiti de São Paulo. 235 f. Dissertação (Mestrado) Curso de Antropologia Social, USP, São Paulo, 2018.

LIMA, Priscila N. P. de. Protesto e spray: o grafitti e a pichação como forma de intervenção artística e política na ditadura militar na cidade de São Paulo. 164 f. Dissertação (Mestrado) Curso de História, UFSC, Florianópolis, 2018.

PEREIRA, Alexandre B. De rolê pela cidade: os pixadores em São Paulo. 127 f. Dissertação (Mestrado) Curso de Antropologia Social, USP, São Paulo, 2005.

___________________. Marcas de vida na paisagem de São Paulo: a “pixação” como epitáfio de uma cidade vandalizada. Revista de Estudios Sociales, Bogotá, n. 72, p. 58-69, 2020. Disponível em: http://www.scielo.org.co/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0123-885X2020000200058. Acesso em 15 de junho de 2021. https://doi.org/10.7440/res72.2020.05

Topo da página

Notas

1 Este trabalho é parte do projeto Museu de Arte de Rua (MAR), realizado pela Prefeitura de São Paulo. Na edição de 2020, se propôs a produção de 23 obras de arte urbana relacionadas de alguma forma à Covid-19.

2 Pichação e pixação, com “x”, são termos que se diferem. O primeiro remete às mensagens legíveis em muros e edificações enquanto o segundo ao ato de escrever nomes em letras estilizadas (Pereira, 2005; 2020).

3 A lei 12.408/11, apesar de pensar uma descriminalização do grafite, vem a forçar uma divisão entre graffiti e pichação. Ver Pereira, 2020.

4 Sobre graffiti e pichação durante a ditadura militar em São Paulo ver Lima, 2018.

5 Já no segundo ano da pandemia de COVID-19, no fim do mês de março, o país contabilizava mais de 300 mil óbitos por COVID-19, ao fim de abril, mais de 400 mil e, em junho, ultrapassou a marca de 500 mil.

Topo da página

Índice das ilustrações

Créditos ZANON-YOKOI, Letícia. Nunca foi uma gripezinha. 19J. (Avenida Paulista) 2021.
URL http://journals.openedition.org/pontourbe/docannexe/image/11525/img-1.jpg
Ficheiro image/jpeg, 938k
Créditos ZANON-YOKOI, Letícia. Não vejo, não ouço, não falo. (Avenida Paulista) 2021.
URL http://journals.openedition.org/pontourbe/docannexe/image/11525/img-2.jpg
Ficheiro image/jpeg, 219k
Créditos ZANON-YOKOI, Letícia. Usa a p*rra da máscara. (Avenida Paulista) 2021.
URL http://journals.openedition.org/pontourbe/docannexe/image/11525/img-3.jpg
Ficheiro image/jpeg, 812k
Créditos ZANON-YOKOI, Letícia. Não usei máscara, eu também não. (Rua Natingui) 2021.
URL http://journals.openedition.org/pontourbe/docannexe/image/11525/img-4.jpg
Ficheiro image/jpeg, 525k
Créditos YOKOI, Marcelo. Ame sua família, respeite o próximo, use máscara. Fora Bolsonaro! (Ponte Bernardo Goldfarb). 2021.
URL http://journals.openedition.org/pontourbe/docannexe/image/11525/img-5.jpg
Ficheiro image/jpeg, 443k
Créditos YOKOI, Marcelo. + de 300 mil mortos. Ligue os pontos. (Esquina da Avenida Afrânio Peixoto e Rua Alvarenga) 2021.
URL http://journals.openedition.org/pontourbe/docannexe/image/11525/img-6.jpg
Ficheiro image/jpeg, 416k
Créditos YOKOI, Marcelo. Bolsonaro Genocida. (Cemitério São Paulo, Rua Luís Murat) 2021.
URL http://journals.openedition.org/pontourbe/docannexe/image/11525/img-7.jpg
Ficheiro image/jpeg, 442k
Créditos ZANON-YOKOI, Letícia. + de 300 mil mortes, mito mata. (Cemitério da Consolação, Rua da Consolação) 2021.
URL http://journals.openedition.org/pontourbe/docannexe/image/11525/img-8.jpg
Ficheiro image/jpeg, 440k
Créditos YOKOI, Marcelo. Corona mata menos q. a PM. (Rua da Consolação) 2021.
URL http://journals.openedition.org/pontourbe/docannexe/image/11525/img-9.jpg
Ficheiro image/jpeg, 343k
Créditos YOKOI, Marcelo. Todos morrem um dia. (Rua Cardeal Arcoverde) 2021.
URL http://journals.openedition.org/pontourbe/docannexe/image/11525/img-10.jpg
Ficheiro image/jpeg, 685k
Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

Letícia Zanon Yokoi e Marcelo Yokoi, «“Mito mata”: pichações e cartazes de rua na São Paulo pandêmica»Ponto Urbe [Online], 29 | 2021, posto online no dia 27 dezembro 2021, consultado o 20 maio 2022. URL: http://journals.openedition.org/pontourbe/11525; DOI: https://doi.org/10.4000/pontourbe.11525

Topo da página

Autores

Letícia Zanon Yokoi

Mestra pelo Programa de Pós-Graduação em História Social da Universidade de São Paulo

E-mail: leticiazanon90@gmail.com

ORCID : https://orcid.org/0000-0002-0027-6707

Marcelo Yokoi

Mestre pelo Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social da Universidade Federal de São Carlos

E-mail: marceloyokoi@usp.br

ORCID : https://orcid.org/0000-0002-0220-7684

Topo da página

Direitos de autor

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Topo da página
Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search