Navegação – Mapa do site

InícioNúmeros30EditorialEditorial

Editorial

Editorial

Ana Letícia de Fiori, Arthur Fontgaland e Juliana Caruso

Texto integral

1Em 2022, a Revista Ponto Urbe completou 15 anos de (re)existência em meio a condições cada vez mais adversas para a educação e ciência no Brasil, de modo que a celebração é, antes de tudo, um marco do estar aqui. É lembrar que, apesar de todos os cortes de financiamento científicos e de pesquisa que atravessam e resultam nesses últimos tempos em recursos escassos para fazer ciência no/do Brasil, ainda estamos aqui. Foram 15 anos até o momento e comemoramos os caminhos que este periódico percorreu de mãos dadas com muitas pessoas generosas. Celebramos continuar, que é também poder sonhar.

2Orgulhosamente anunciamos também que a nossa editora e responsável pela seção de Ensaios Fotográficos, Mariane da Silva Pisani (UFPI) tornou-se co-coordenadora geral do Comitê Gestor do recém criado Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia - Estudos do Futebol Brasileiro. O Comitê Gestor do INCT será composto ainda pela coordenação geral de Carmen Rial (UFSC), e a coordenação executiva de Caroline Soares de Almeida (UFPE) e Luiz Carlos Rigo (UFPel). O INCT articula quatro linhas de pesquisa: 1) Futebol de mulheres, indígena e LGBTQIA+ (coord. Caroline Almeida e Wagner Camargo); 2) Futebol Comunitário e de Várzea (coord. Luis Carlos Rigo e Mauro Myskiw); 3) Produção e carreiras de futebolistas (coord. Silvio Ricardo da Silva e Daniel Conceição); e 4) Mídias, torcidas e movimentos anti-racistas no futebol (coord. Cristiano Mezzaroba e Antonio Soares).

3No mês de setembro, como parte das comemorações pelos seus quinze anos, a Revista Ponto Urbe organizou uma nova edição do evento Urbe em Foco. Dessa vez, tratamos como tema a "Consolidação editorial e desafios futuros para publicações em antropologia urbana". Trouxemos para o debate a convidada especial Rosana Pinheiro-Machado (Universidade de Dublin), que discutiu experiências e desafios para publicação em periódicos internacionais; além dos membros da comissão editorial da Ponto Urbe José Guilherme Magnani (USP), Silvana Nascimento (USP) e Ana Letícia de Fiori (UFAC), que recuperaram a história da Ponto Urbe e discutiram as reformas recentes da Revista tendo em vista a melhoria do fluxo editorial, das indexações e outros fatores que influenciam os indicadores e aperfeiçoam as relações entre comissão editorial, pessoas autoras e público leitor. Foi também esboçado um panorama de publicações nas mais diferentes instituições de ensino superior brasileiras, cujas condições particulares de publicação nem sempre permitem reconhecer o grau de pertinência ao conjunto de publicações sobre antropologia e estudos urbanos no Brasil. A homenageada do evento foi a idealizadora da Ponto Urbe, Rita de Cassia Amaral (in memorian) que incansavelmente advogou e atuou pela acessibilidade da produção e divulgação acadêmica nos primórdios das publicações eletrônicas, tanto em termos de disponibilização quanto em termos dos requerimentos e configurações específicos para pessoas com deficiência. A mesa pode ser conferida em nosso canal do Youtube.

4O centenário de uma das obras mais inspiradoras da história da Antropologia abre a seção regular de Artigos, com uma contribuição especial de uma das autoras mais queridas e buscadas da história desta Revista. Mariza Peirano - que na edição nº 2 da Ponto Urbe publicou o texto de sua conferência de abertura do VI Graduação em Campo, intitulada “etnografia, ou a teoria vivida” - nos brinda agora com “Argonautas faz cem anos”, escrito a convite da Comissão Editorial. No esteio das reflexões sobre etnografia e trabalho de campo (nosso e dos outros), Tiago Hyra, em “Quando seu trabalho de campo é o trabalho de campo dos outros: outreach e etnografia”, reflete sobre abordagens de outreach em Paris e São Paulo, tensionando práticas institucionais em que o campo e a observação participante tem objetivos e procedimentos distintos da etnografia antropológica. A partir dos respectivos modos de conhecimentos e mobilidades urbanas, Edmundo Fonseca Machado Júnior e Rodrigo Melo Vellame discutem em “Uber’s e Taxistas: semelhanças e diferenças na produção do espaço urbano na cidade de Salvador/BA”, para os quais trajetórias profissionais pessoas e familiares podem oferecer diferentes cartografias afetivas e táticas nos modos de fazer cidade. Em “Augusto paulistano: a réplica da estátua de Prima Porta em contexto”, é sobre a circulação de uma estátua que escreve Giovanni Pando Bueno, tanto em termos de sua localização e da ancoragem da uma memória ítalo-paulistana, quanto dos conteúdos políticos e simbólicos em que o culto à romanidade emerge no contexto do fascismo da década de 1930, com apropriações particulares na chegada à São Paulo e sua estada desde então. Voltando-se a um dos principais lócus das relações internacionais, no artigo “A luta internacional contra a Aids no campo dos direitos humanos: uma análise do encontro “Stop Aids” na ONU, ou como se constroem os discursos globais sobre os direitos”, Paulo S. C. Neves e Laura Moutinho descrevem os encontros na ONU no escopo da luta internacional contra a AIDS, mapeando diferentes encontros e assembleias que revelam as filigranas do fazer a ONU a partir de agenciamentos de atores com pesos e interesses distintos. Noções diversas de direito e justiça perpassam também o artigo de Ana Letícia de Fiori e Mariane da Silva Pisani, “Feminicida não merece torcida: imagens e repercussões sobre o caso Eliza Samúdio e a trajetória do ex-goleiro Bruno Fernandes”, analisando alguns desdobramentos de um crime recente a partir das dinâmicas de produção de imagens de controle, fama e abjeção na intersecção entre gênero, raça e regionalidades distintas. Por último e não menos importante, Marisol Marini, convidada pela Comissão Editorial, nos presenteou com uma homenagem e reflexão sobre a partida de Bruno Latour. O artigo intitulado “Sem alarmes, sem surpresas – fertilizar, fermentar, reagir e metamorfosear o pensamento de Bruno Latour” nos faz refletir sobre a potência, os projetos e abrangência do autor que nos deixou neste ano de 2022.

5Outros artigos compõem o Dossiê "Estudos urbanos, processos de racialização e produção da diferença", organizado por Vítor Queiroz (UFRGS), Stella Z. Paterniani (Unesp) e Inácio Dias de Andrade (USP), que vai ao ar com um breve atraso em relação às demais seções deste volume, em virtude das últimas necessidades de revisão e editoração. O dossiê é composto pelos trabalhos de Rafael Nascimento César, sobre imaginários raciais no movimento que ficaria conhecido posteriormente como Bossa Nova; Marcos Ferreira, investigando relações indígenas na cidade de Mérida, no México; Anderson Kilpp Bernardo, traz também um exercício de etnologia urbana em Porto Alegre, no Brasil; Lourival Aguiar Teixeira Custódio que discute as relações entre racismo e território no contexto da Palestina; Ana Carolina Batista de Almeida Farias tematiza branquitude, juventude e interseccionalidade entre estudantes em uma escola paulista; Renata Monteiro Siqueira investiga a categoria de território negro e os discursos sobre raça, cultura e cidade produzidos através dele em São Paulo nos anos 1980; e por fim Ana Larisse Santos Barbosa, Frank Andrew Davies e Guilherme Marcondes dos Santos investigam em Fortaleza o conjunto Jardim União como bairro negro e quilombo urbano.

6A seção Etnográficas, dedicada à publicação de pesquisas a nível de graduação ou experimentos antropológicos e etnográficos, traz três contribuições para este volume. Fábio Macedo em “Cooper etnográfico: branquitude nas performances de classe e raça no espaço urbano” emprega o cooper, uma forma socioeconomicamente marcada de atividade física e sociabilidade, para investigar intersecções de raça e classe na praça de um bairro de classe média em Fortaleza, discutindo a racialização de espaços urbanos a partir da categoria de branquitude e da negociação de pertencimentos e privilégios. Ernesto Mifano Honigsberg e Gabriel Neistein Lowczyk propõe uma discussão sobre a diversidade dos pertencimentos na rua Guarani, no bairro do Bom Retiro em São Paulo, a partir das habitações e circulações de imigrantes oriundos de diferentes partes do Brasil e do mundo, identificando estabelecimentos e personagens-chave e empregando a fotografia como ferramenta de apoio. Aline Cristina de Paiva Oliveira traz um artigo derivado de seu trabalho de conclusão de curso em que reflete sobre as experiências de maternidade e maternagem em Rio Branco durante a pandemia, a partir de relatos coletados em um projeto de extensão que produziu um acervo virtual da experiência de mães de diferentes idades e pertencimentos socioeconômicos e etnicorraciais.

7Esta edição traz também um Dossiê de Etnográficas "Centralidades como espaço habitado: caminhadas etnográficas em São Paulo", organizado pelos caminheiros Enrico Spaggiari e Giancarlo Marques Carraro Machado, como um produto das atividades recentes do Laboratório do Núcleo de Antropologia Urbana da Universidade de São Paulo e seus argonautas do asfalto, junto a pesquisadores da Universidade Católica de Lima, com quem o LabNAU tem um intercâmbio longevo e prolífico, e do CITADINO – Núcleo Interdisciplinar de Temáticas Urbanas da Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes-MG). O dossiê é composto pelos textos sobre o Arouche (José Guilherme Magnani, Pablo Vega Centeno e Alex Sander), Vila Olímpia (Pablo Vega Centeno, César Ponce e Tarik Tavera), o “centrão” (Giancarlo Marques Carraro Machado, Nayara Alvim Machado, Mariana Fernandes Teixeira e José Vitor Carignato David), Paulista e Augusta (Jéssica de Souza Andrade, Yuri Bassichetto Tambucci e Enrico Spaggiari), Luz (Julio Talhari e Mariana Hangai) e o centro de Santo André, cidade do ABC paulista (Elaine Moraes de Albuquerque e Paulo Tácio Aires Ferreira).

8Para a seção Cirkula, dedicada a diálogos transdisciplinares com a antropologia e os estudos urbanos, “O mijo, o picho e o lixo: as festas de rua e as modulações do público e do privado”, de Gabriel Vargas Bernardo, Camila Braz da Silva, Luis Artur Costa, Simone Mainieri Paulon e Rafael Godois Saldanha. Partindo de um estudo mais amplo, que reúne pesquisa realizadas na área urbana de Porto Alegre, o texto Cirkula nos apresenta “experimentos cartográficos sobre corpos e seus transbordos” a partir de festas de rua nas quais “os corpos que pesquisaram trazia consigo uma série de memórias das festas frequentadas antes e durante a pesquisa”. Fronteiras, cartografias e modulações são postas em diálogo com as festas de rua e o urbano.

9A edição 30 v. 2 da Ponto Urbe traz ainda duas Traduções inéditas, oferecendo leituras a contrapelo da modernidade a partir de localidades pouco acessíveis a leituras brasileiras. O artigo “Excessos de modernidade: mobilidades urbanas, políticas e o refazer do urbano”, escrito por Alice Stefanelli e traduzido por Cairo Prado de Carvalho, traz uma rica etnografia dos usos dos carros em Beirute, discutindo anseios e problemas da modernidade e os redimensionamentos das percepções das escalas dos trajetos e da própria cidade, configurando diferentes estruturas de sentimento. Já “Locais desativados: ruínas, resistência e cuidado no final da primeira era nuclear”, escrito por Laila Dawney e traduzido por Aécio Amaral e Natanael de Alencar Santos apresenta um trabalho de campo sobre a cidade de Visaginas, ex-atomgrad soviética na Lituânia, contrapondo as grandes narrativas da primeira era nuclear e suas concepções de progresso a uma geografia alternativa de lugares desindustrializados, onde tem lugar habitações, persistências e cuidado para além do diagnóstico de falta de futuro.

10Nossa seção Resenhas, que a partir da próxima edição deixará de ser uma seção permanente da revista, traz os apontamentos de Walter Andrade sobre o livro de Thiago Soares, “Modos de experienciar música pop em Cuba”, lançado pela editora da UFPE em 2021. Além de oferecer uma leitura guiada pelos capítulos do livro de Soares, a resenha traz diálogos com outros autores articulando urbanidades, juventudes, gênero, informalidades e ilegalidades em cenas musicais distintas.

11A nossa seção Ensaios Fotográficos, talvez a mais requisitada para contribuições, publica neste número três ensaios, com propostas, estéticas e reflexões distintas. Weverson Bezerra Silva captura de modo sensível em suas fotografias em preto e branco o “’Voltamos ao normal’: o dia dos mortos no cemitério Senhor da Boa Sentença em João Pessoa/PB no pós-pandemia”, convidando-nos a deambular pela necrópole seguindo os passos de trabalhadores e visitantes, individuais ou em grupos geracionais, sob a sombra dos perigos e danos da pandemia e pós pandemia, e os novos cuidados e a ausência deles para a vivência do luto. Elissandra Barros, por sua vez, traz uma explosão de cores em seu ensaio sobre o Turé realizado em 2018 na Aldeia Anawerá, do povo Galibi-Marworno, na região do Oiapoque. Pelos detalhes dos grafismos nas cuias, mastros, pinturas corporais e bancos, bem como a imageria do pajé, juntamo-nos brevemente ao agradecimento aos Karuãnas, os seres invisíveis que habitam outro(s) mundo(s) e realizam curas. Sarah de Barros Viana Hissa, em "Um lugar de cuidado corporal ao longo dos séculos", apresenta em imagens a antiga Farmácia Santa Terezinha conectadas à história do centro de São João del Rei, em Minas Gerais.

12Este volume da Revista Ponto Urbe só foi possível graças à força tarefa de diversos membros da nossa Comissão Editorial que, além da tutoria das submissões, realizaram a revisão gramatical das contribuições aceitas para a publicação, uma vez que nosso querido revisor, Ivo Magnani, se recupera de uma pequena cirurgia. A todes, nossos agradecimentos. Um agradecimento mais que especial também a Stefanos Alfarelos e Isabela Ferreira Loures, mais que estagiáries, membros fundamentais da Ponto Urbe.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

Ana Letícia de Fiori, Arthur Fontgaland e Juliana Caruso, «Editorial»Ponto Urbe [Online], 30 | 2022, posto online no dia 16 janeiro 2023, consultado o 12 junho 2024. URL: http://journals.openedition.org/pontourbe/13701

Topo da página

Autores

Ana Letícia de Fiori

Artigos do mesmo autor

Arthur Fontgaland

Artigos do mesmo autor

Juliana Caruso

Artigos do mesmo autor

Topo da página

Direitos de autor

CC-BY-4.0

Apenas o texto pode ser utilizado sob licença CC BY 4.0. Outros elementos (ilustrações, anexos importados) são "Todos os direitos reservados", à exceção de indicação em contrário.

Topo da página
Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search