Navegação – Mapa do site

InícioNúmeros20Especial Ayahuasca e SaúdeApresentação - E se um viajante n...

Especial Ayahuasca e Saúde

Apresentação - E se um viajante numa sessão de ayahuasca: jornadas interdisciplinares de ayahuasca e saúde

Ana Letícia de Fiori e Marcelo Simão Mercante

Texto integral

1Este breve especial é, na verdade, uma pequena aventura. Registram-se aqui, nessa apresentação e nos dois artigos que a sucedem, quatro jornadas rumo a territórios pouco familiares, a partir de quatro pontos de partida distintos, que levaram a encontros inesperados.

  • 1 MERCANTE, Marcelo S.. A ayahuasca e o tratamento da dependência. Mana (UFRJ. Impresso), v. 19, p. 5 (...)
  • 2 MERCANTE, M.S., (no prelo). Reflexos: ayahuasca, espiritualidade, imaginação e dependência. Salvad (...)

2O chamado a esta aventura deu-se há alguns anos, em 2009, quando Marcelo Simão Mercante propôs ao Núcleo de Antropologia Urbana (NAU) da USP o projeto de pós-doutoramento “O uso terapêutico e ritualístico da ayahuasca no tratamento de dependência química e alcoolismo”, continuação de outra pesquisa de pós-doutoramento realizada na UFSC. No decorrer dessa pesquisa, que resultou entre outras coisas no artigo “A ayahuasca e o tratamento da dependência”1 e em um livro2 (no prelo), foram ministradas disciplinas na graduação e na pós-graduação (“Drogas e Religiosidade: Consciência, Imaginação e Saúde” e “Antropologia da Saúde”), além de debates conduzidos no grupo de pesquisas apelidado de NAU Consciência e nas reuniões gerais, em um período em que o Núcleo debruçava-se especialmente sobre o trabalho de Tim Ingold, cujo impacto tem se refletido em diferentes produções do NAU. Além disso, realizou-se na USP em 2011 o Encontro: Ayahuasca e o Tratamento da Dependência, co-organizado por pesquisadores basilares no campo, Beatriz Labate e Edward MacRae, membros fundadores do Núcleo de Estudos Interdisciplinares sobre Psicoativos (NEIP), além do coordenador do NAU e supervisor do pós-doutorado, José Guilherme Magnani.

3Os efeitos dos encontros produzidos por um pós-doutorado e a participação em um núcleo de pesquisa, afortunadamente, não se exaurem quando estes se concluem. Além dos contínuos debates fomentados pelos pesquisadores do NEIP, contatos acadêmicos e pessoais foram mantidos com o NAU e outros espaços de reflexão acadêmica. Sendo assim, Marcelo Mercante e Ana Letícia de Fiori, integrante do NAU e do Núcleo de Antropologia do Direito (NADIR) da USP, realizam em 2015 o GT “Drogas – interfaces entre Antropologia, Direitos, Políticas Públicas e Saúde”, no IV Encontro Nacional de Antropologia do Direito, que reuniu trabalhos debatendo políticas públicas de tratamento de dependentes químicos, etnografias com usuários de crack e maconha, e discussões sobre legalização e regulamentação de maconha e ayahuasca em diferentes contextos. Este GT foi reeditado para a VI Reunião de Antropologia da Ciência e Tecnologia (REACT), sediada na USP em maio de 2017, com outro enfoque:“Seminário Temático - Tecnologias da reflexividade e as pesquisas sobre ritual, usos de substâncias e saúde”.

4Nesse seminário é que os caminhos das outras jornadas acima mencionadas se encontram.Para os dois coordenadores do GT, configurou-se a tarefa de debater trabalhos cuja temática era, respectivamente, tema de especialização e um assunto menos examinado academicamente do que na esfera privada. Para este especial, não foi possível apresentar a integralidade dos trabalhos e debates, todavia trazemos os trabalhos de Danielli Katherine Pascoal da Silva, “Por uma abordagem ecológica dos efeitos anti-depressivos da ayahuasca”, e Maiton Bernardelli, “Fluxos e Suspensões: reflexões em relação às experiências em um campo de pesquisa”, revisados após os comentários dos participantes do seminário, incluindo o professor José Guilherme Magnani.

5O trabalho de Danielli, a partir de uma perspectiva antropológica, busca realizar uma abordagem ecológica das relações estabelecidas entre ayahuasca, bebida psicoativa de origem amazônica, e depressão a partir da discussão de dois sistemas de conhecimento, o neuropsiquiátrico, que concebe esta como uma relação entre substâncias da bebida e substâncias do sistema nervoso central, e a União do Vegetal e outros coletivos que tomam o vegetal (outro nome para a ayahuasca)como um ser com quem se estabelece uma relação de aprendizado mútuo. Trata-se, portanto, de uma jornada de uma antropóloga para outros campos de saberes, outras epistemes e, ao mesmo tempo, de uma hoasqueira para outros contextos de consumo e reflexão sobre a substância.

6Maiton, por sua vez, reflete sobre os desafios de realizar uma etnografia em um centro de recuperação de dependentes no Acre que utiliza ayahuasca, sendo psicólogo de formação. Sua jornada envolve o aprendizado do ofício etnográfico – a observação participante, o registro em diário de campo e a metodologia qualitativa no campo da saúde pública -, do primeiro contato com a ayahuasca e seus efeitos subjetivos e intersubjetivos, e das possibilidades e desafios na negociação de papéis em campo. Ou seja, uma jornada rumo a um novo contexto terapêutico, mas também uma jornada rumo à antropologia.

  • 3 CALVINO, Ítalo. (1979). E se um viajante numa noite de inverno. São Paulo, Cia das Letras, 1999.

7Nenhum dos trabalhos apresentados tinha o caráter de uma síntese final das respectivas pesquisas. Danieli, através deste texto, está iniciando um processo de exploração que pode resultar em um projeto de doutorado; Maiton, por outro lado, se encontra em fase de conclusão de um mestrado em Saúde Coletiva, e este texto inclui parte das reflexões que estão para ser ampliadas. O que nos leva de volta ao título deste artigo de apresentação: "E se um viajante numa sessão de ayahuasca...", um viajante que tanto pode estar em uma viagem espiritual quanto acadêmica (ou em ambas), uma viagem que invariavelmente leva ao conhecimento -- de si e de tantas cosmologias -- ou seja, uma viagem para sempre infinita. Esperamos, assim, que este especial estimule suas jornadas e aventuras ainda inconclusas, bem como a dos Leitores, tal como as histórias inacabadas de “Se um viajante numa noite de inverno...” de Ítalo Calvino (1979)3.

Topo da página

Notas

1 MERCANTE, Marcelo S.. A ayahuasca e o tratamento da dependência. Mana (UFRJ. Impresso), v. 19, p. 529-558, 2013.

2 MERCANTE, M.S., (no prelo). Reflexos: ayahuasca, espiritualidade, imaginação e dependência. Salvador: Edufba.

3 CALVINO, Ítalo. (1979). E se um viajante numa noite de inverno. São Paulo, Cia das Letras, 1999.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

Ana Letícia de Fiori e Marcelo Simão Mercante, «Apresentação - E se um viajante numa sessão de ayahuasca: jornadas interdisciplinares de ayahuasca e saúde»Ponto Urbe [Online], 20 | 2017, posto online no dia 30 junho 2017, consultado o 08 dezembro 2021. URL: http://journals.openedition.org/pontourbe/3452; DOI: https://doi.org/10.4000/pontourbe.3452

Topo da página

Autores

Ana Letícia de Fiori

Doutoranda PPGAS-USP.

Artigos do mesmo autor

Marcelo Simão Mercante

Professor substituto, Departamento de Ciências Sociais, UFSCAR.

Artigos do mesmo autor

Topo da página

Direitos de autor

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Topo da página
Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search