Navegação – Mapa do site
Ensaios fotográficos

As ruínas do castelo: contra-narrativa quilombola sobre o patrimônio cultural de Pelotas, RS

The Castle Ruins: quilombola counter narrative about the cultural heritage of Pelotas, RS
Patrícia dos Santos Pinheiro, Guilherme Rodrigues de Rodrigues, Cláudia Turra Magni e Simone Assis Alves Roberto

Texto integral

  • 1 Uma primeira composição relativa a essa visita foi realizada em uma exposição fotográfica feita em (...)

1Aos 65 anos, Dona Eva Maria Furtado Mourão é matriarca de uma Comunidade Quilombola situada na zona rural do município de São Lourenço do Sul, Rio Grande do Sul. Em 2016, retornou ao local vivido na infância, o outrora luxuoso Castelo Simões Lopes, situado no centro urbano do município vizinho, Pelotas1. Tombado como patrimônio histórico, foi construído em 1922, pelo Dr. Augusto Simões Lopes, intendente de Pelotas na década de 1920 e posteriormente senador.

2Dona Eva reencontra um castelo em ruínas, diferente daquele que seus pais testemunharam, com grandes bailes e nomes importantes para a política regional e nacional. Essa lembrança se vincula a um passado em que imperavam barões e coronéis neste que foi um importante centro econômico fornecedor de charque (um tipo de carne conservada com sal), usado como alimento de escravos das províncias brasileiras. O charque movimentou um intenso sistema produtivo na região especialmente ao longo dos séculos XVIII e XIX, englobando desde estâncias agropastoris até os estabelecimentos industriais de produção de charque, atividades movidas por mãos cativas (Osório 2007).

3Se no discurso patrimonial sobre a cidade impera a visão da elite pelotense, herdeira de imponentes casarões e hábitos refinados, na narrativa de D. Eva vislumbra-se outra perspectiva, aquela herdada de seus pais, que, oriundos de comunidades negras de São Lourenço e de Canguçu, foram empregados no castelo. Naquele período pós-abolicionista, a distinção racial ainda imperava e muitos trabalhadores marcados pelas relações de escravidão migraram para territórios negros nos arredores de Pelotas, onde atualmente existem pelo menos 43 comunidades quilombolas, como o Rincão das Almas, onde Dona Eva foi morar na infância e acabou constituindo família.

4Na visita que lhe propusemos ao Castelo, Dona Eva narra histórias que ouviu e viveu em contextos de exploração e discriminação, e, através de sua sensibilidade e dom espiritual, dá a ver o sofrimento, tantas vezes abafado e invisibilizado, dos negros que ergueram esse patrimônio, dentre outras obras da cidade aristocrática. Atualmente, ela é uma referência para a cura física e espiritual das tristezas que ainda se fazem presentes nesse contexto, como heranças perversas da escravidão no extremo sul do Brasil.

5Os efeitos duradouros desse processo surgem no percurso tortuoso que fizemos nas ruínas do castelo, guiados por Dona Eva. O objetivo deste ensaio fotográfico é mostrar uma contranarrativa ao discurso hegemônico sobre o patrimônio cultural pelotense, tendo por base as memórias apócrifas transmitidas pelos seus pais, assim como suas experiências espirituais, visões e sonhos. Ao entrar no Castelo com a missão de cura, Dona Eva quebra hierarquias instituídas nesse contexto e propõe uma expansão das narrativas históricas, convidando-nos a refletir sobre perspectivas epistêmicas que se constroem pela alteridade étnico-racial.

“Saí daqui com dois anos de idade. Não tenho lembrança de nada, mas as histórias que meu pai contava... [...] Ele era jardineiro e a minha mãe era tipo governanta, com outras, nesse castelo. E eles trabalharam bastante. [...] E meu pai era um preto velho muito sábio, inteligente, ele servia o dono aqui e ele prestava bastante atenção em tudo o que conversavam”. Foto: Guilherme Rodrigues, 2016.

“[...] Na juventude a gente, moça, sonha com um casamento feliz, constrói um castelinho, e se torna um castelinho de areia. Mas fazer o quê? A gente tem que se erguer e se tornar o castelo, de verdade. [...] Lá mesmo no quilombo, o que nós temos? Tem branco, negro, tudo misturado. […] Veio a mistura no tempo da escravidão. […] O negro é coragem, é força e é uma mistura, entende? Porque Deus ama a todos”. Foto: Guilherme Rodrigues, 2016.

“As pessoas lêem, falam da escravidão, mas sentir o que eu sinto… Mas o que é o escravo? Escravos que me procuravam, eles vinham chorando, né? Morriam no tronco, com brilho [...]. Mas aquilo foi no passado. [...] E o negro brilhando, mesmo morrendo no tronco, acorrentado, mas ele morria valente. Um brilho no corpo, do suor, porque o negro, quando brilha, como uma estrela, brilhava, misturado com sangue, com chicote. Dali eles desencarnavam para a luz […]”. Foto: Guilherme Rodrigues, 2016.

Ruínas. Foto: Guilherme Rodrigues, 2016.

“Ele me chamava ‘negrinha’. Eu tinha uns nove meses. Ele era uma pessoa de idade, diz que ele enxergava coisas, se assustava […]. Então ele carregava eu no colo, a minha mãe disse que às vezes me procurava, ele tava numa cadeirinha de balanço, sentado, comigo no colo. [...] A minha mãe perguntava: 'mas o que o senhor quer com essa criança no colo?', e ele dizia: 'com ela no colo, eles não vêm me pegar'. E a minha mãe começou a notar algo em mim”. Foto: Simone Assis, 2016.

“Por que eu tive uma visão. Eu vi lá naquela casa, me mostraram uma peça. Diz que é para orar ali, sentir uma paz de espírito, talvez até para mim”. Foto: Patrícia Pinheiro, 2016.

“Eu vou orar aqui. Aconteceu algo triste por aqui. [...] O Senhor me mostrou essa peça, Senhor. Até os desenhos da janela. Só o Senhor sabe o porquê, eu não sei. Sou tão pequena, meu Deus. Eu te peço que neste momento, Senhor, se algo aconteceu aqui, que o Senhor dê o descanso eterno a todas as almas, que aqui fizeram talvez o que não deviam, Senhor, de errado. Meu Deus, toma conta deste Castelo, Pai. Faz com que, meu Deus, neste momento, que aonde eles tiverem, eles recebam o descanso eterno do Senhor. Meu Deus, o Senhor me botou sobre a Terra, Pai, com esse dom que só o Senhor sabe. O dom da profecia, Pai [...]”. Foto: Patrícia Pinheiro, 2016.

Topo da página

Bibliografia

OSÓRIO, H.. 2007. O império português no sul da América: estancieiros, lavradores e comerciantes. Porto Alegre: Editora da Ufrgs.

Topo da página

Notas

1 Uma primeira composição relativa a essa visita foi realizada em uma exposição fotográfica feita em 2016, no VIII Visualidades, em Sobral/CE, com os mesmos autores deste ensaio.

Topo da página

Índice das ilustrações

Legenda “Saí daqui com dois anos de idade. Não tenho lembrança de nada, mas as histórias que meu pai contava... [...] Ele era jardineiro e a minha mãe era tipo governanta, com outras, nesse castelo. E eles trabalharam bastante. [...] E meu pai era um preto velho muito sábio, inteligente, ele servia o dono aqui e ele prestava bastante atenção em tudo o que conversavam”. Foto: Guilherme Rodrigues, 2016.
URL http://journals.openedition.org/pontourbe/docannexe/image/3875/img-1.jpg
Ficheiros image/jpeg, 258k
Legenda “[...] Na juventude a gente, moça, sonha com um casamento feliz, constrói um castelinho, e se torna um castelinho de areia. Mas fazer o quê? A gente tem que se erguer e se tornar o castelo, de verdade. [...] Lá mesmo no quilombo, o que nós temos? Tem branco, negro, tudo misturado. […] Veio a mistura no tempo da escravidão. […] O negro é coragem, é força e é uma mistura, entende? Porque Deus ama a todos”. Foto: Guilherme Rodrigues, 2016.
URL http://journals.openedition.org/pontourbe/docannexe/image/3875/img-2.jpg
Ficheiros image/jpeg, 69k
Legenda “As pessoas lêem, falam da escravidão, mas sentir o que eu sinto… Mas o que é o escravo? Escravos que me procuravam, eles vinham chorando, né? Morriam no tronco, com brilho [...]. Mas aquilo foi no passado. [...] E o negro brilhando, mesmo morrendo no tronco, acorrentado, mas ele morria valente. Um brilho no corpo, do suor, porque o negro, quando brilha, como uma estrela, brilhava, misturado com sangue, com chicote. Dali eles desencarnavam para a luz […]”. Foto: Guilherme Rodrigues, 2016.
URL http://journals.openedition.org/pontourbe/docannexe/image/3875/img-3.jpg
Ficheiros image/jpeg, 81k
Legenda Ruínas. Foto: Guilherme Rodrigues, 2016.
URL http://journals.openedition.org/pontourbe/docannexe/image/3875/img-4.jpg
Ficheiros image/jpeg, 227k
Legenda “Ele me chamava ‘negrinha’. Eu tinha uns nove meses. Ele era uma pessoa de idade, diz que ele enxergava coisas, se assustava […]. Então ele carregava eu no colo, a minha mãe disse que às vezes me procurava, ele tava numa cadeirinha de balanço, sentado, comigo no colo. [...] A minha mãe perguntava: 'mas o que o senhor quer com essa criança no colo?', e ele dizia: 'com ela no colo, eles não vêm me pegar'. E a minha mãe começou a notar algo em mim”. Foto: Simone Assis, 2016.
URL http://journals.openedition.org/pontourbe/docannexe/image/3875/img-5.jpg
Ficheiros image/jpeg, 99k
Legenda “Por que eu tive uma visão. Eu vi lá naquela casa, me mostraram uma peça. Diz que é para orar ali, sentir uma paz de espírito, talvez até para mim”. Foto: Patrícia Pinheiro, 2016.
URL http://journals.openedition.org/pontourbe/docannexe/image/3875/img-6.jpg
Ficheiros image/jpeg, 161k
Legenda “Eu vou orar aqui. Aconteceu algo triste por aqui. [...] O Senhor me mostrou essa peça, Senhor. Até os desenhos da janela. Só o Senhor sabe o porquê, eu não sei. Sou tão pequena, meu Deus. Eu te peço que neste momento, Senhor, se algo aconteceu aqui, que o Senhor dê o descanso eterno a todas as almas, que aqui fizeram talvez o que não deviam, Senhor, de errado. Meu Deus, toma conta deste Castelo, Pai. Faz com que, meu Deus, neste momento, que aonde eles tiverem, eles recebam o descanso eterno do Senhor. Meu Deus, o Senhor me botou sobre a Terra, Pai, com esse dom que só o Senhor sabe. O dom da profecia, Pai [...]”. Foto: Patrícia Pinheiro, 2016.
URL http://journals.openedition.org/pontourbe/docannexe/image/3875/img-7.jpg
Ficheiros image/jpeg, 95k
Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

Patrícia dos Santos Pinheiro, Guilherme Rodrigues de Rodrigues, Cláudia Turra Magni e Simone Assis Alves Roberto, « As ruínas do castelo: contra-narrativa quilombola sobre o patrimônio cultural de Pelotas, RS », Ponto Urbe [Online], 22 | 2018, posto online no dia 15 agosto 2018, consultado o 19 novembro 2018. URL : http://journals.openedition.org/pontourbe/3875 ; DOI : 10.4000/pontourbe.3875

Topo da página

Direitos de autor

© NAU

Topo da página
  • Logo Núcleo de Antropologia Urbana da USP
  • Logo Universidade de São Paulo
  • OpenEdition Journals