Navegação – Mapa do site
Ensaios fotográficos

Devoção em vermelho

Devotion in red
Debora Simões de Souza Mendel

Texto integral

1A cidade de Salvador e a Bahia, de uma forma geral, são conhecidas pela força das religiões de matrizes africanas e também por possuírem um intenso calendário festivo. Do dia quatro de dezembro, dia de Santa Bárbara, até o carnaval acontecem quase dez grandes festas na capital baiana. São celebrações que levam para as ruas milhares de pessoas com práticas religiosas diversas, é um locus de observação privilegiado do trânsito de devoções. Realizo, desde 2014, trabalho de campo, principalmente, nos períodos festivos, privilegiando a Festa de Santa Bárbara. Pois é o tema da minha pesquisa de doutorado (em andamento), que desenvolvo no Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, na Universidade Federal do Rio de Janeiro, no Museu Nacional (PPGAS/UFRJ/MN).

  • 1 O Mercado fica localizado a poucos metros (em torno de 150) da Igreja do Rosário, na região conheci (...)

2Para efeito desta apresentação fiz um recorte que privilegia a missa campal e a procissão, atualmente organizadas por devotos da Igreja Nossa Senhora do Rosário dos Pretos. Mas também ocorre um conjunto diversificado de comemorações simultaneamente no Pelourinho e em outros pontos da cidade. Argumento que não é possível falar em Festa, mas sim em festas, visto que há inúmeras celebrações no dia quatro, tanto pelas ruas do Centro Histórico e Baixa dos Sapateiros – Mercado1 de Santa Bárbara e Quartel dos Bombeiros –, quanto no Bairro da Liberdade, onde há uma paróquia para a santa.

3No Brasil, Santa Bárbara é padroeira das baianas de acarajé, dos mercadores e dos bombeiros, que terão atenção especial, visto que parte das fotografias abarcam o encontro de duas festas, uma organizada pela Igreja do Rosário e outra pelos bombeiros. No Quartel dos Bombeiros acontece missa própria, acolhimento da procissão, banho de mangueira e distribuição de caruru. As duas comemorações se encontram quando a procissão dos santos entra no Quartel. Não é possível precisar o momento em que Santa Bárbara tornou-se protetora desse grupo em Salvador. Mas as explicações giram em torno do controle que ela exerce sobre a água (tempestades) e sobre o fogo (trovões e raios), estes últimos elementos presentes em sua hagiografia.

4O tema da festa já foi amplamente discutido e teorizado na Antropologia, por diferentes autores e perspectivas (Caillois 1980 [1939]; Durkheim 1996 [1912]; Bataille 1993). Proponho a utilização da microanálise (Revel, 1998), ainda que se trate de um grande fenômeno – a Festa –, concentro minha atenção nas interações dos sujeitos na construção das celebrações. Para isso, sigo o caminho do deslocamento dos corpos (dos santos e dos devotos) e dos objetos (santinhos, flores, velas, camisetas, copos etc). A festa vai se efetivando nesse movimento. Ou seja, no trânsito, as pessoas transformam os espaços em “territórios existenciais” (Guattari, 1985). No dia festivo o Centro Histórico ganha uma configuração construída por meio das subjetividades dos indivíduos e da coletividade.

Devotos e devotas participam da missa campal em homenagem a Santa Bárbara no Largo do Pelourinho, 2017.

Devotos, devotas e Santa Bárbara na missa campal, Pelourinho, 2017.

Santa Bárbara com abarás, acarajés e flores. Ofertas no palco da missa campal. Pelourinho, 2017.

5Andor de Santa Bárbara. Início da procissão, em frente à Igreja do Rosário dos Pretos, Pelourinho, 2017.

Devotos, devotas e figuras religiosas, na Procissão, Praça da Sé, Pelourinho, 2017.

Banho de mangueira. Pátio do Quartel dos Bombeiros, Barroquinha, 2017.

Santa Bárbara e devotos, no pátio do Quartel dos Bombeiros, Barroquinha, 2017. Detalhe de Rodrigo (um dos responsáveis pela decoração dos andores), arrumando o andor.

Devoto, bombeiros e Santa Bárbara. No pátio do Quartel dos Bombeiros, Barroquinha, 2017.

Saída dos devotos e de santa Bárbara do Quartel dos Bombeiros, Barroquinha, 2017.

Topo da página

Bibliografia

BATAILLE, Georges. 1993. Teoria da Religião. São Paulo: Ática.

CAILLOIS, Roger. 1980. [1939]. Le sacré de transgression: Théorie de la fête. In: L’homme et le sacré: Ed. Gallimard.

DURKHEIM, Émile. 1996. [1912]. As formas elementares da vida religiosa. (Trad. Paulo Neves). São Paulo: Martins Fontes.

GUATTARI, F. 1985. Espaço e poder: a criação de territórios na cidade. Espaço & Debates: revista de Estudos Regionais e Urbanos, São Paulo, v.5, n.16: 109- 120.

REVEL, Jacques. 1998. Jogos de Escalas: A experiência da microanálise (org.); tradução Dora Rocha – Rio de Janeiro: Editora Fundação Getúlio Vargas.

Topo da página

Notas

1 O Mercado fica localizado a poucos metros (em torno de 150) da Igreja do Rosário, na região conhecida como Baixa dos Sapateiros.

Topo da página

Índice das ilustrações

Legenda Devotos e devotas participam da missa campal em homenagem a Santa Bárbara no Largo do Pelourinho, 2017.
URL http://journals.openedition.org/pontourbe/docannexe/image/3899/img-1.jpg
Ficheiros image/jpeg, 500k
Legenda Devotos, devotas e Santa Bárbara na missa campal, Pelourinho, 2017.
URL http://journals.openedition.org/pontourbe/docannexe/image/3899/img-2.jpg
Ficheiros image/jpeg, 472k
Legenda Santa Bárbara com abarás, acarajés e flores. Ofertas no palco da missa campal. Pelourinho, 2017.
URL http://journals.openedition.org/pontourbe/docannexe/image/3899/img-3.jpg
Ficheiros image/jpeg, 600k
URL http://journals.openedition.org/pontourbe/docannexe/image/3899/img-4.jpg
Ficheiros image/jpeg, 272k
Legenda Devotos, devotas e figuras religiosas, na Procissão, Praça da Sé, Pelourinho, 2017.
URL http://journals.openedition.org/pontourbe/docannexe/image/3899/img-5.jpg
Ficheiros image/jpeg, 344k
Legenda Banho de mangueira. Pátio do Quartel dos Bombeiros, Barroquinha, 2017.
URL http://journals.openedition.org/pontourbe/docannexe/image/3899/img-6.jpg
Ficheiros image/jpeg, 420k
Legenda Santa Bárbara e devotos, no pátio do Quartel dos Bombeiros, Barroquinha, 2017. Detalhe de Rodrigo (um dos responsáveis pela decoração dos andores), arrumando o andor.
URL http://journals.openedition.org/pontourbe/docannexe/image/3899/img-7.jpg
Ficheiros image/jpeg, 620k
Legenda Devoto, bombeiros e Santa Bárbara. No pátio do Quartel dos Bombeiros, Barroquinha, 2017.
URL http://journals.openedition.org/pontourbe/docannexe/image/3899/img-8.jpg
Ficheiros image/jpeg, 780k
Legenda Saída dos devotos e de santa Bárbara do Quartel dos Bombeiros, Barroquinha, 2017.
URL http://journals.openedition.org/pontourbe/docannexe/image/3899/img-9.jpg
Ficheiros image/jpeg, 672k
Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

Debora Simões de Souza Mendel, « Devoção em vermelho », Ponto Urbe [Online], 22 | 2018, posto online no dia 15 agosto 2018, consultado o 21 novembro 2018. URL : http://journals.openedition.org/pontourbe/3899 ; DOI : 10.4000/pontourbe.3899

Topo da página

Autor

Debora Simões de Souza Mendel

Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social na Universidade Federal do Rio de Janeiro - Museu Nacional (PPGAS/UFRJ/MN)

Topo da página

Direitos de autor

© NAU

Topo da página
  • Logo Núcleo de Antropologia Urbana da USP
  • Logo Universidade de São Paulo
  • OpenEdition Journals