Navegação – Mapa do site
Dossiê Etnográficas: Judith Butler no Brasil

Ilhas de sonda

Suzana Schulhan Lopes

Texto integral

1Estar em campo, fazer uma investigação in loco, buscar a precisão mais certeira e quase perfurante de alguma natureza ou situação, uma exploração, uma avaliação, uma análise: são ideias que permitem aproximações sobre o entendimento de uma etnografia, mas são também as definições de uma sonda. Sonda: etimologicamente do francês sonde, é um termo usado, especialmente, na medicina para designar instrumento ou aparelho de recolha de dados relativos à profundidade, para estudo de camadas densas, como uma espécie de tubo ou estilete que explora feridas e evacua cavidades. Ou ainda um tipo de vara metálica para picar o terreno e localizar minas enterradas pelas tropas inimigas.

2Fincado gigantesca e exatamente em frente ao SESC Pompeia, na cidade de São Paulo, Sonda era precisamente o nome do supermercado que deu sombra e testemunho a todas as manifestações do dia 7 de novembro de 2017. E o Sonda (supermercado) também se tornou um personagem destas manifestações, serviu de base, apoio e forneceu parte dos materiais utilizados nas manifestações, como as vassouras que foram utilizadas pelos manifestantes para varrer os restos deixados pelo protesto na rua Clélia.

3Citando Ilhas de História, a erudita e irônica obra de Marshall Sahlins de crítica à antropologia e falsas dicotomias entre passado, presente, estrutura e história, indivíduo e sociedade – o que vimos e fizemos nas manifestações foram Ilhas de Sonda. É o que ficou mais evidente na minha "sonda" instrumentalizada de questionários survey, onde, sem exceção, a elucubração dos mais de dez entrevistados ultrapassou cada alternativa de resposta, escala, tabela, campo de preenchimento.

4 Como pesquisadores em sondagem ficamos ao redor dos dois grupos contrários e favoráveis a Judith Butler, alguns de nós no meio deles. Eu comecei as entrevistas dentro do SESC. A primeira pessoa que abordei foi um funcionário e declaradamente por esse motivo “acho melhor não responder porque pode influenciar de alguma forma sua pesquisa” disse. A segunda pessoa que abordei também era funcionária, mas aceitou responder – em ambos os casos, diferentes de outros funcionários do SESC, não havia crachá, uniforme, ou qualquer outro tipo de sinalização corporativa que me permitisse saber a relação profissional dessas pessoas com o SESC.

5Em seguida, fui abordada por uma funcionária do SESC que me perguntou a procedência da pesquisa e se era “amostra aleatória”, palavras dela. Outra abordagem a esse respeito foi de uma repórter da Rádio CBN que me questionou sobre a “referência da pesquisa” para “consultar depois”. Difícil distinguir quem eram os manifestantes. Todas as pessoas talvez, porque tudo se manifestava. Passantes, transeuntes, pedestres? Não. Manifestantes. E o título de funcionário – do próprio mercado, do SESC, da Polícia - não retira essa classificação maior. Imprensa e pesquisa? Tampouco. Qualquer um, longe ou perto, falando ou em silêncio, está, sempre, se manifestando, exigindo algo. Aí me incluo.

6Eu estava trajada com roupas e tênis de malhação, sem estampas ou acessórios, o que, sinto, fez pessoas dos dois grupos definitivamente não conseguirem imaginar meu posicionamento pessoal. Digo isso, pois, fui questionada a respeito da minha opinião enquanto aplicava questionário dos dois lados, entre contrários e favoráveis. O mais próximo de julgamento sobre minha figura e opinião foi o que ouvi do primeiro homem que entrevistei do grupo contrário. Ele me perguntou afirmativamente se eu votaria no candidato Lula para presidente. Quando respondi com a pergunta do porque ele achava aquilo a devolução foi “ah... você tá aí... fazendo pesquisa, essas coisas”. Reflito: esse comentário me autoriza a pensar que algumas pessoas fazem a associação de pesquisa/estudo, etc., com universidade/pensamento/crítica/esquerda/Lula? De forma geral, a indisposição do grupo contrário para participar da pesquisa endossa esse palpite.

7A maioria de falas nas entrevistas fora do questionário eram, somadas: 1) o problema da corrupção no país; 2) a importância da reforma da previdência e 3) a permanência de Michel Temer na presidência como, por exemplo, forma de “não atrasar o que vem sendo feito” – essa, inclusive, a fala de uma mulher não entrevistada que me abordou para saber o que se tratava tal movimentação na rua, tendo de mim apenas a monossilábica resposta de que “é um pessoal a favor e outro contra uma professora estrangeira que veio falar hoje no SESC”. Permitindo constatar que, desconexas da minha não-interlocução, a imensidão de falas para si mesmas eram uma evidente demonstração de quem quer, e praticamente precisa, se expressar. A qualquer custo. Para qualquer um.

8A prancheta, o tom intelectual e a postura de condução que eu imaginei que poderia trazer foram sumariamente derretidos abaixo da sensação térmica de trinta graus, e no final das eternas quatro horas de duração, parecia que a investigada, examinada, sondada, era eu. De qualquer forma.

9- Você vota no Lula, né? - ouço de Marcos, um que entrevisto. E continua:

10- Tá aí... na faculdade... fazendo pesquisa social…

11Mais (e esse é o relato de um de meus colegas de trabalho): em meio a entrevistas e conversas informais, um entrevistado jovem, de 16 anos, vestindo azul. após eu aplicar todas as perguntas da entrevista estruturada, questiona-me:

12- Vocês apoiam quem? - E ainda (também vivido por meu colega): uma senhora vestindo rosa, de rugas quase imperceptíveis, mas suficientes para impedir a deselegância de perguntar sua idade, passava dizendo a quem concedia entrevista:

13- Cuidado com o que você fala, cuidado, você não sabe quem são eles!

14Eu e minha dupla de sondagem na Rua Clélia nº 93, o máximo possível em atribuição de cores e imagens imparciais, nos interrogamos que lugar imaginário era esse que fomos colocados? Para o rapaz, uma incógnita, talvez com desconfiança. Mas para essa senhora, éramos uma ameaça a se ter cautela. Já no primeiro caso, as palavras-chave de Marcos me autorizam a pensar que muitos dali achavam que Universidade é, necessariamente, um sinônimo de esquerda política. Ora "vocês", ora "eles", revelavam que éramos mesmo excêntricos, exóticos, e várias outras formas de dizer, no fundo, uns estranhos.

15O menino-rapaz-homem-senhor-masculino-pênis (e, como solicitava o evento, vestido com cor azul) que mirou o crucifixo-arma para a boneca Butler, compondo uma das fotografias mais emblemáticas e alegóricas do dia, vestia um moletom com a inscrição GAP. Essa uma marca polêmica como qualquer pesquisa instantânea na internet pode atestar: Gay and Proud, é o senso comum que os anos 90 escolheu para atribuir como significado à marca. Qualquer interpretação, como sigla ou como tradução, como gay e orgulhoso ou como gap em sua tradução literal de lacuna, ambas continuam a ilustrar as contradições e hiatos daquele dia.

16A menina-moça-mulher-senhora-feminina-vagina (e devidamente vestida com a cor rosa) estava lá. Não submissa ou em silêncio, acompahhava coadjuvante e assistindo ao exercício cívico dos homens; fazia-o igualmente, bradando, reivindicando, argumentando, tendo e usando voz, com maquiagem, detalhes, vaidades, salário, disponibilidade logística e geográfica numa terça-feira útil da capital paulista. Ela, elas, utilizando de seu poder político e de sua liberdade conquistada, para exigir da sociedade a obediência às convenções, padrões, quase normas, sexuais - enquanto varriam a rua depois das manifestações em alusão à uma obediência da divisão sexual do trabalho doméstico.

17Do outro lado, a outra manifestação, @ intelectual, descontruídx, questionador@ (e, por isso, desobedecendo às cores binárias rosa e azul), promovia, em precárias condições, para não dizer de qualquer jeito, a aula aberta, seminário, palestra, conferência, colóquio, reunião, ou outro dispositivo, acadêmico, de transmissão do que é, academicamente, considerado o saber, fazendo uso da criticidade aos padrões ao mesmo tempo que opera em outros.

18Negro-pobre-periférico-oprimido-excluído-sem estudo e oportunidades, e por isso progressista/do lado favorável à filósofa? Sim! Não! Depende. Branco-rico-central-privilegiado-escolarizado e com acessos facilitados, e por isso conservador/do lado contrário à filósofa? Sim! Não! Depende. Os resultados do perfil dos manifestantes também escapam aos binarismos de classe, raça, nível educacional.

19O envolvimento subjetivo nas interpretações feitas, a importância em considerar observado e observador como atores que se afetam igualmente em campo, a atenção constante em cima do falso óbvio e a relevância dessas descrições: são todas características fundamentais na qualidade de uma etnografia. Acontece que já existem olhares dentro do olhar. Com isso não estamos falando apenas sobre a impossível isenção científica, mas estamos falando dos marcadores sociais da diferença, que a antropologia não tem mais autorização para desconsiderar.

20Seja pelos desastres naturais ou pelas guerras: estas são as formas, ambas hostis, que permitiram historicamente a formação e demarcação de territórios pelo mundo. Para afirmar-se, o que ocorre é um movimento contra o outro. Dos impérios, governos, estados, à coletividade, sujeito, indivíduo, o que paira é uma existência de si a partir das relações. Entretanto, por não ser relação um sinônimo de harmonia, também são desastres e guerras que permeiam a formação e demarcação das relações sociais. É nesse sentido que, para além das condições humanas, os marcadores sociais da diferença operam - eles são marcas para além das marcas. E Sondas.

Topo da página

Bibliografia

SAHLINS, Marshall. 1992. Ilhas de história. São Paulo: companhia das letras.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

Suzana Schulhan Lopes, « Ilhas de sonda », Ponto Urbe [Online], 22 | 2018, posto online no dia 15 agosto 2018, consultado o 19 novembro 2018. URL : http://journals.openedition.org/pontourbe/3975 ; DOI : 10.4000/pontourbe.3975

Topo da página

Autor

Suzana Schulhan Lopes

Graduanda em Sociologia e Política pela Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo. Seu tema de pesquisa trata das clínicas abertas de psicanálise em São Paulo e a relação com o espaço público e a experiência urbana. É pesquisadora do Núcleo de Etnografia Urbana e Audiovisual na FESPSP.

Topo da página

Direitos de autor

© NAU

Topo da página
  • Logo Núcleo de Antropologia Urbana da USP
  • Logo Universidade de São Paulo
  • OpenEdition Journals