Navegação – Mapa do site

Texto integral

1A Revista Ponto Urbe, editada semestralmente pelo Laboratório do Núcleo de Antropologia Urbana da Universidade de São Paulo, chega à sua vigésima terceira edição com uma gama bastante variada de contribuições, nacionais e internacionais, em diferentes linguagens e com algumas apostas interdisciplinares.

2Na seção Artigos, Francisco E. Nascimento discute formas de tornar-se travesti a partir de uma etnografia realizada com travestis em contexto prisional no Ceará; Frank Macron discute manifestações de movimentos sociais em contextos digitais e nas ruas a partir das Jornadas de Junho de 2013, dividindo-as em três ondas com temporalidades, agendas e práticas distintas; Laura Moutinho, Silvia Aguião e Paulo Neves discutem os contextos e conteúdos dos programas nacionais de direitos humanos, em uma intersecção entre sexualidade e raça. Ícaro Ichauspe e Francisco Luiz Pereira da Silva Neto apresentam uma etnografia sobre formas de sociabilidade juvenis na região do Porto em Pelotas/RS, introduzida por um breve histórico sobre a formação urbana da cidade; Ricardo Cruz Macedo descreve redes de relações tecidas a partir das agremiações dos festejos juninos em Juazeiro do Norte/CE, indicando formas de protagonismo juvenil para além da época dos festejos. Aproximando estudos em antropologia, lazer e educação, Denise Falcão e Christianne L. Gomes comparam as práticas de músicos de rua em Barcelona e no Rio de Janeiros, cidades marcadas por megaeventos esportivos e diferentes práticas regulatórias; Juliana Oliveira Silva acompanha malabaristas por cidades do norte do Brasil, de São Luis a Santarém e Alter do Chão, descrevendo os sentidos de suas circulações e repousos e seus modos de fazer dinheiro; também refletindo sobre mobilidades, Thalita M. A. Rocha discute a infraestrutura de mobilidade urbana na cidade de São Gonçalo/RJ, acompanhando agentes da guarda municipal; o transporte é também assunto de Marina Abreu Torres, discutindo processos de periferização e segregação social em Ribeirão das Neves, zona metropolitana de Belo Horizonte; já na capital mineira, Leonardo Gonçalves Ferreira analisa o modo como uma exposição focada no presente dos espaços públicos da cidade de Belo Horizonte perturba as expectativas acerca de um museu que representaria o passado; no Peru, Sofia Vizcarra Castillo apresenta uma etnografia sobre a construção de uma identidade “cocalera” em Pichari.

3Esta edição traz um Ensaio Fotográfico de Vinícius Januzzi e Lucas Gesser sobre os ritmos de um bairro em construção no Setor Noroeste/DF. O Vídeo Etnográfico de Elissandra Barros da Silva, Kayka Aramtem: saber e tradição de um sábio Arukwayene, explora tensões entre cosmologias Palikur-Arukwayene diante da conversão à Assembleia de Deus e o desejo de fazer festa do protagonista Wet.

4A seção Etnográficas traz textos mais experimentais, ou em forma de relato de campo. Samara Konno nos relata a festa do Dia de Muertos em Oaxaca, Bruna Potechi traz um relato sobre a semana do impeachment no Congresso, Lucas Gonçalves Brito traz notas iniciatórias sobre conhecimento vivido em um terreiro, Sandra Stephanie Holanda Ponte Ribeiro discuti as trajetórias de jovens “afinados” com o gótico em seus circuitos de lazer na cidade de Fortaleza, Aline Lopes Rochedo traz um relato sobre joias de família como narrativas de afeto e Rafael Antunes Almeida discute as "teorias da conspiração" a partir de histórias compartilhadas em encontros ufológicos.

5Já a seção Cirkula, que abriga textos de outros campos disciplinares em diálogo com a antropologia, traz o artigo de Thiago da Silveira Cunha, costurando procedimentos de história oral e etnografia para explorar as narrativas memorialistas de um artista plástico paraibano, Sandoval Fagundes; e a contribuição de Rafael Scarelli, identificando tensões e conflitos na toponímia de Lima, em 1861.

6Na seção de Traduções, temos o artigo de Ana Lúcia Pastore Schritzmeyer, com reflexões sobre Direitos Humanos e suas circulações extra-legais, originalmente publicado em inglês.

7Por fim, temos dois especiais. O dossiê do Graduação em Campo, com trabalhos selecionados do evento tradicionalmente promovido pelo Núcleo de Antropologia Urbana, que foi retomado este ano. E o especial sobre Carnaval, organizado por Mariana Machini e Felipe Gabriel Oliveira.

8Que esta edição robusta da revista reflita a vitalidade da antropologia frente aos tempos incertos que se instauram.

Topo da página

Índice das ilustrações

URL http://journals.openedition.org/pontourbe/docannexe/image/4414/img-1.jpg
Ficheiros image/jpeg, 5,0k
Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

« Editorial », Ponto Urbe [Online], 23 | 2018, posto online no dia 28 dezembro 2018, consultado o 23 abril 2019. URL : http://journals.openedition.org/pontourbe/4414

Topo da página

Direitos de autor

© NAU

Topo da página
  • Logo Núcleo de Antropologia Urbana da USP
  • Logo Universidade de São Paulo
  • OpenEdition Journals