Navegação – Mapa do site
Cir-kula

Urbanidade e multidão queer em Berlim

Urbanity and queer multitude in Berlin
Marcos Sardá Vieira

Resumos

O objetivo deste artigo é valorizar a experiência do desvio no espaço urbano através do relato de experiência ao acompanhar eventos públicos envolvendo dissidências de gênero e sexualidades em Berlim. Durante as vivências nesta cidade ao longo de dez meses, constatei através de análise fenomenológica que são em eventos cíclicos como a Christopher Street Day que a multidão queer torna-se representativa na esfera pública e estabelece novos parâmetros para os limites de orientação (pós)identitária e espacial nesta metrópole marcada pela relativa tolerância e respeito à diversidade. Ao mesmo tempo, são em eventos abertos ao público que a comunidade LGBTI+ berlinense reforça a constituição do gueto como território de reconhecimento e comunicação com a população da cidade, permitindo negociar novas políticas sociais e contestar o caráter de uniformidade urbana e social para as diversas vivências queer, diante do enquadramento recorrente de políticas cisheterossexuais predominantes.

Topo da página

Entradas no índice

Palavras chaves:

multidão queer, urbanidade, gueto, berlim
Topo da página

Notas da redacção

Versão original recebida em / Original Version 06/04/2019

Aceitação / Accepted 09/08/2019

Texto integral

Introdução

  • 1 Perspectiva queer como movimento de subversão das identidades de gênero e sexualidades hegemônicas (...)

1A cidade é um campo ambivalente de possibilidades. Da mesma maneira que está configurada por prerrogativas heterossexuais e masculinas, também é campo de dissidências para a formação de novos conceitos de vida, na manifestação de desejos e desprendimentos para com as políticas de regulamentação social e urbana. Nesse âmbito, utilizar a perspectiva queer1 como referência para os estudos interdisciplinares da urbanidade nos possibilita ressignificar a cultura material de apego aos discursos, às orientações e materialidades hegemônicas na constituição do sentido que é dado à arquitetura das cidades.

  • 2 Essa experiência de campo por áreas públicas de Berlim integra parte da minha investigação para o d (...)

2Assim, para acrescentar novos panoramas na compreensão da urbanidade contemporânea, apresento nesse artigo minha experiência de análise fenomenológica ao vivenciar eventos ligados às subculturas queer no espaço urbano consolidado de Berlim2. A fenomenologia surge aqui como um método de abordagem antropológica ao se aproximar da filosofia da vida; como uma apreensão cuidadosa dos fenômenos do cotidiano e como anúncio de seus sintomas de maneira sistêmica, ou seja, na relação com o entorno, com as outras pessoas e com o tempo.

  • 3 A Queer Week, a Folsom Street Fair, a Easter Berlin, a Christopher Street Day (CSD) e a Trans* Chri (...)
  • 4 Nesse artigo o termo “multidão queer” considera o sentido atribuído por Paul Preciado (2011) e ampl (...)
  • 5 Performatividade é a expressão de atos, gestos e desejos, presentes na superfície do corpo, que nom (...)

3Como uma das principais metrópoles contemporâneas de fomento aos modos de vida e à estética urbana da diversidade, Berlim surge como destaque na representação alternativa de novas identidades vinculadas ao gênero e às sexualidades. Ao participar da mais popular “Parada da diversidade”, a Christopher Street Day (CSD), e acompanhar seus eventos equivalentes3, pude constatar a importância do gueto LGBTI+ berlinense, localizado no bairro Schöneberg. Esse gueto define um dos pontos focais de onde parte a multidão queer4, visibilizando a diversidade de corpos, orientações e performatividades5 na composição criativa e inovadora junto ao espaço público. Ao mesmo tempo, os eventos públicos em Schöneberg envolvem conflitos e segmentações entre as subculturas dissidentes, revelando as transformações dos movimentos sociais berlinenses e ampliando a pluralidade de representações políticas LGBTI+ no conjunto de visibilidades queer.

  • 6 Matriz heterossexual é uma estrutura de inteligibilidade envolvendo discursos, ações e materialidad (...)

4Nesse artigo, o termo “queer” é visto como conceito amplo de idealização para os estados de desapego aos discursos, orientações e materialidades hegemônicas, ao questionar o sistema de sexualidades, expressão do corpo e identidades de gênero sacralizadas pela cisheterossexualidade (BARKER; SCHEELE, 2016). Nesse campo de atuações estariam as pessoas LGBTI+ como representantes da pluralidade de práticas cotidianas, do dissenso e da aliança política, ao assimilarem novos modos de vida distintos do caráter hegemônico ou, ainda, fluindo entre enquadramentos ao questionar as categorias identitárias. Assim, o uso do termo queer refere-se a uma visão ampla e coletiva de questionamento da matriz heterossexual6, isto é, o queer constituindo essa suposta noção de unidade para todas as pessoas enquadradas pelo contraste excludente do esquema de vida cisheteronormativo (LEWIS, 2017), independente dos conflitos envolvendo os segmentos LGBTI+ e apesar das tendências de normalização de algumas dessas identidades dissidentes.

  • 7 Da mesma forma que a cisheteronormatividade regulamenta a ordem político-social do gênero e das sex (...)
  • 8 Destaco o uso do termo “coisas” como bens materiais, assim como no sentido de discursos e conceitos (...)
  • 9 Produção de corpos heteronormados no sentido da constituição hegemônica de corpos binários, marcado (...)

5Ao questionar as políticas heterossexuais, centradas na representação da cultura material e urbana7, destaco o pensador espanhol Paul Preciado (2011) ao enfatizar o reconhecimento da multidão queer como estratégia de desconstrução política para as relações de apego com as coisas8, enquanto fator predominante de orientação da vida das pessoas. Nesse caso, a multidão queer surge como referência de particularidades e valores desvinculados dos modos de vida requeridos pela representação do espaço planejado, marcado por hierarquias e imobilidades. Portanto, ao fazer uso do espaço público essa multidão de pessoas estranhas costuma ressignificar (ou ressexualizar) a produção de corpos heteronormados9 e suas vivências públicas regulamentadas.

6Nessa apropriação espacial e efêmera da esfera pública pela multidão queer, portanto, a cisheterossexualidade pode ser compreendida como instrumento biopolítico de configuração material e discursiva da realidade totalizadora. Em contraponto, na experiência vivenciada pela performatividade desviante de homossexuais, transexuais, bissexuais e figuras andróginas, temos a oportunidade de rever as orientações (identitária e espacial) previamente constituídas com seus limites de disciplina e regulamentação.

  • 10 Heteronomia é um conceito em oposição ao sentido de autonomia; diz respeito à sujeição do indivíduo (...)

7São nessas vivências coletivas de ações e comportamentos, no movimento ético e estético da pluralidade, compartilhando e ocupando a cidade, que surgem novos valores e conceitos para questionar as funções e ações da urbanidade cotidiana. Dada a situação de heteronomia10 do planejamento urbano brasileiro, voltado para a superficialidade na consolidação da infraestrutura urbana e da cultura patrimonial uniforme, é importante considerar a presença da multidão queer em eventos coletivos como medida mínima para efetivar o caráter público e democrático das práticas que constituem as cidades.

Queer Week em Berlim

8Ao sair da moradia eu já sabia o que encontraria nas ruas de Schöneberg naquela sexta-feira, 15 de julho de 2016. A Berlin Queer Week estava para começar naquele final de semana. Trata-se de um evento público, próximo à estação de metrô Nollendorfplatz. As principais ruas, que congregam os estabelecimentos LGBTI+, são fechadas e em suas margens são instaladas barracas para a venda de cerveja, comida, roupas, acessórios fetiche, para a divulgação de instituições, campanhas de saúde, venda de imóveis e comunicação de revistas e festas que acontecerão durante a semana. Com essa configuração geral, o evento Queer Week em 2016 (de 15 a 24 de julho) aconteceu durante toda a semana que antecede a Christopher Street Day em Berlim.

9O grande número de pessoas nas ruas atesta o sucesso do evento ao longo dessa semana. Durante o verão o movimento costuma ser intenso, principalmente, próximo da (rua) Maaβenstraβe, devido à concentração de restaurantes e bares. Mas era na Motzstraβe onde a multidão queer se concentrava para a ocupação do espaço público. Apesar do intenso fluxo, chamou minha atenção a tranquilidade do movimento de pessoas no entorno. Cheguei ao local através do ônibus 106 e aproveitei para observar as áreas em volta do evento, que davam acesso para a concentração da Motzstraβe. Acredito que na estação de Nollendorf, de frente para a entrada do evento, a movimentação coletiva nas quatro linhas de metrô era ainda maior. Nas ruas adjacentes a transição espacial e simbólica parecia suave, sem muitos contrastes com outros dias. Chegando próximo da maior concentração de pessoas, observei a influência da multidão queer aberta e alegre em suas performatividades e corpos plurais, em atitudes sem excessos de representação e sem receio de estar presente naquele local.

10Em minhas vivências urbanas, principalmente no Brasil, este intervalo dimensional e simbólico de atuações entre o corpo coletivo e as fronteiras simbólicas da cidade costuma estar marcado por condições precárias de vida. Isso se deve por estas delimitações de lugares públicos, que separam contextos marcados pela alteridade, estarem suscetíveis à desconfiança e ao medo nas interações sociais (BAUMAN 2009). Seguindo esse raciocínio, considero que as relações condicionadas pelo medo tendem a potencializar o confinamento espacial de todas as pessoas enquadradas por sua maior condição de vulnerabilidade social (BUTLER 2015). Como é o caso das mulheres e das identidades e sexualidades dissidentes (gays, lésbicas, transexuais, travestis, por exemplo), que não dispõem da mesma liberdade de ir e vir em qualquer espaço público, necessitando de áreas privadas ou de guetos para reduzir sua condição de riscos. Ao mesmo tempo, estas áreas particulares servem para manter o controle e o isolamento dos comportamentos indefinidos, diante de uma visão de mundo hegemônica e hierárquica. Essa mesma visão idealizada e restrita condiciona identidades com base em preconceito e ódio, impedindo que as pessoas desenvolvam e ampliem a consciência de seu território porque, fora dele, deparam-se com uma hostilidade ainda evidente (TUAN 2012).

11Da relação de um sujeito-corpo com o espaço citadino são várias as condições para o seu desenvolvimento. De maneira geral, o reconhecimento do sujeito está vinculado às viabilidades do seu corpo marcado por atributos da anatomia, identidade de gênero e sexualidades cabíveis no âmbito das regulamentações públicas, sociais e urbanas. Portanto, a viabilidade do sujeito-corpo na sociedade urbana contemporânea não é aleatória e as ameaças de sua coerção não são por fatores alheios à própria condição de adaptação ao ambiente urbano. Pelo contrário, as imposições para o reconhecimento do sujeito como ser digno de viver na cidade precisa passar pela adequação resiliente da anatomia e dos comportamentos vinculados ao padrão do gênero e da moralidade heterossexual prescrita pelo discurso do planejamento urbano, caso contrário, este sujeito-corpo torna-se parte do conjunto de anormalidades clandestinas na interseção desfavorável de categorias socioespaciais.

12José Miguel Cortés (2008) analisa que, “atualmente, nas cidades ocidentais contemporâneas é profundamente hegemônica uma visão que deixa grande parte da população fora dos benefícios que o espaço urbano poderia representar” (CORTÉS 2008:8). Por isso, a invisibilização de representações públicas, que fujam à condição de vida cisheteronormativa, condiciona outros processos de singularidades em vivências coletivas e pessoais na busca por subterfúgios da vida privada e periférica, ainda que possam contribuir com novas referências de convivência social na esfera pública.

13Em boa parte, isso acontece porque os meios de produção do espaço urbano influenciam diretamente na manutenção do medo. Reduzir riscos e garantir segurança nas metrópoles são serviços já prestados por empresas e instituições, que lucram com a insegurança e realçam ainda mais esta sensação quando abarcam os efeitos do medo sem afetar suas causas (BAUMAN 2009). Por este motivo, a idealização do espaço seguro está no âmbito da propriedade privada. Nesse espaço interno, de particularidades, os sujeitos colecionam bens e objetos materiais para compensar seus desejos e carências devido ao afastamento das relações sociais no espaço público exterior. Ao mesmo tempo em que as áreas livres públicas são mantidas sob o domínio representativo da cisheteronormatividade, caracterizando o ostracismo, a violência e a neutralidade, na busca recorrente pela representação ideal da masculinidade (MACHADO 2007).

14Seguindo esta ideia, sob o ponto de vista da produção econômica e da cultura material, Henry Lefebvre (1999) considera prejudicial essa política de homogeneização do espaço para atender a um perfil padrão de sociedade:

A política do espaço apenas o concebe como meio homogêneo e vazio, no qual se estabelecem objetos, pessoas, máquinas, locais industriais, redes e fluxos. Tal representação fundamenta-se numa logística de uma racionalidade limitada, e motiva uma estratégia que destrói, reduzindo-os, os espaços diferenciais do urbano e do habitar (LEFEBVRE 1999:53).

15Diferente desta visão do espaço uniforme, quando o espaço público apresenta alta qualidade configuracional, torna-se possível promover o bem-estar social, melhorar as relações coletivas e apaziguar conflitos latentes, inclusive, no reconhecimento da diversidade criativa de comportamentos, identidades e sexualidades desviantes em áreas urbanas a serem compartilhadas (GEHL 2013). Porém, no contexto das metrópoles ocidentais, ainda predominam as fronteiras sociais para a distinção das diferenças, seja pelo poder aquisitivo, por valores culturais, pelo nível educacional, por grupos étnicos ou pela concepção binária de identidades de gênero e sexualidades, que desconectam a convivência coletiva das verdadeiras vocações sociais (BAUMAN 2009).

16A formação dos guetos está dentro desta concepção antagônica de proteção e controle, que depende do olhar do sujeito e do seu envolvimento simbólico, entre aquele que diverge com a identidade hegemônica e o outro, que delimita uma fronteira para se isolar do comportamento estranho ao sistema de classificação do contexto dominante. Assim, nesse âmbito de interações sociais, a área de Schöneberg, onde se localiza a principal concentração de bares, lojas e restaurantes voltados ao público LGBTI+ costuma ser a principal referência na definição do gueto gay em Berlim.

17Para Isadora Lins França (2007), o gueto é visto como uma referência transponível a partir do qual os sujeitos participantes podem extrapolar sua inserção social envolvidos em uma rede mais ampla de território e relacionamentos. Por outro lado, Wacquant (2004) considera que o gueto está ligado às relações de poder exercidas sobre os grupos minoritários, definindo a segregação espacial para facilitar o controle sobre determinado grupo social. Já o gueto gay apresentado por Levine (1998) refere-se ao espaço urbano delimitado, que aproxima deliberadamente os estabelecimentos comerciais, as moradias e as áreas de convivência pública, normalmente, frequentados pelo público homossexual. Possibilitando o reconhecimento e as relações sociais na dimensão pública, Machado e Prado (2005) acrescentam outra compreensão a partir da comunidade homossexual e que se poderia estender a outras identidades sexuais:

O gueto possui uma importante função política dentro da comunidade homossexual, uma vez que esse segmento não encontra em seus grupos primários de pertença elementos favoráveis à constituição de uma identidade homossexual [...]. É então nesse meio que os homossexuais ensaiam possibilidades de construções da identidade homossexual, talvez menos marginalizadas (MACHADO; PRADO 2005:49).

18Nas metrópoles contemporâneas ocidentais, apresentadas pelo turismo e pelo mercado de especulação imobiliária, a configuração do gueto gay apresenta uma aparente comunhão quando inserido em áreas urbanas estratégicas. Nesses territórios dinâmicos, onde emergem diferentes identidades de gênero e sexualidades dissidentes, existe o propósito de dar expressão aos assuntos de interesse desta comunidade, principalmente, quando se torna possível sua exploração como espaço de consumo. (VIEIRA 2013; CORTÉS 2008).

19A compreensão do gueto também diz respeito à noção de afinidades sociais no compartilhamento do espaço. Milton Santos (2006) considera que essa sociabilidade implicada em maneiras de conciliar o múltiplo em uma unidade de relações práticas ao exercerem um conjunto de valores desiguais. Para que isso seja possível, a proximidade das pessoas é um aspecto importante. Contudo, Santos (2006) não define a proximidade apenas por uma relação física de distância entre as pessoas no sentido de uma economia das relações de vizinhança, mas a proximidade também na formação de um sentimento de solidariedade, na criação de laços culturais e ao estabelecer identidades comuns entre o(s) grupo(s). Portanto, a proximidade “tem que ver com a contiguidade física entre pessoas numa mesma extensão, num mesmo conjunto de pontos contínuos, vivendo com a intensidade de suas inter-relações” (SANTOS 2006:215-216). A proximidade, portanto, também representa uma garantia de comunicação entre as pessoas, que participam do mesmo lugar.

Nesse sentido, os guetos urbanos, comparados a outras áreas da cidade, tenderiam a dar às relações de proximidade um conteúdo comunicacional ainda maior e isso se deve a uma percepção mais clara das situações pessoais ou de grupo e à afinidade de destino, afinidade econômica ou cultural (SANTOS 2006:220).

20A permanência dessa noção de gueto em Schöneberg como ponto focal de representação LGBTI+ é reforçada pelo ciclo de festas e eventos coletivos na ocupação ocasional do espaço público. No sentido de ocupar e valorizar os territórios queer, Paul Preciado (2011) considera o gueto como espaço importante para o caráter representativo da multidão queer, em um contexto onde o território majoritário e circunscrito é heterossexuado. Nesse reconhecimento de afinidades coletivas, Preciado (2011) amplia a noção dos corpos e das identidades anormais como potência política na atualidade. Por isso, para o autor, a noção de multidão queer representa o reconhecimento da diferença latente dos sujeitos anormais diante das imposições sexopolíticas de normalização de corpos e subjetividades, através de tecnologias corretivas. Ainda, Preciado (2011:17) considera que a multidão queer representa “uma transformação na produção, na circulação dos discursos nas instituições modernas (da escola à família, passando pelo cinema ou pela arte) e uma mutação dos corpos”.

21Assim, essa multidão queer, que surge para questionar as políticas feministas e a padronização da cultura homossexual, apresenta outras leituras de posicionamento e orientação na sociedade, deixando de ser periférica e segmentada aos guetos, e tornando-se, inclusive, presente e visibilizada em todos os lugares. Esse devir na cidade representa um processo de desterritorialização da cisheterossexualidade como identidade fixa e sedentária, tanto na configuração do planejamento do espaço urbano quanto na representação corporal, resistindo ao processo de normalização.

22De maneira complementar, considero que a formação da multidão queer, com base no reconhecimento de identidades e corpos femininos, gays, intersexuais, lésbicas, transexuais, travestis - entre outras representações de sujeitos não convencionais - deve promover a mesma linha de frente na resistência contra a sexopolítica e a geografia urbana do biopoder. Para isso, não basta a representação das superfícies urbanas para indicar o seu público alvo; é necessário promover o movimento de corpos, seus gestos, atos e falas coletivas, demarcando o espaço com memórias de vivências públicas.

23Nesse viés, a noção dada ao gueto de Schöneberg costuma ser ampla na vinculação dos acessos e nas dinâmicas de localização dos estabelecimentos ao se constituírem como suporte para os movimentos e encontros coletivos da comunidade LGBTI+ berlinense, em simbiose com outras áreas e estabelecimentos temáticos distribuídos pela metrópole, como nos bairros Kreuzberg e Mitte.

24Atualmente, Schöneberg compreende os agrupamentos de bares, cinemas, restaurantes, livraria e hotéis na malha urbana costurada por Motzstraβe, Martin-Luther-Straβe, Kalckreuthstraβe, Eisenacher Straβe, Fuggerstraβe e Geisbergstraβe, entre as principais ruas, definindo o núcleo desta área onde a Berlin Queer Week estabelece suas fronteiras. Na ocupação dessas áreas públicas, assim como de qualquer outra em Berlim, é necessária a autorização das instituições públicas, o que predispõe a boa infraestrutura e o apoio logístico de segurança e emergência mantidos durante a festa. Nesta organização, pude observar espaços destinados à presença de agentes de saúde e de policiais, que ficam disponíveis para prestar auxílio ao público ou para estabelecer os limites de atuações contra hegemônicas. Uma presença sutil dentro do território estabelecido para o encontro, o prazer e a comemoração.

25A ocupação das ruas para o evento Queer Week segue certo rigor na organização do espaço. Existe um planejamento que estabelece as entradas no bairro para o público, demarcadas por portais com enfeites de balões coloridos. Cada temática das tendas é organizada ao longo das ruas onde acontece o evento. Para além destas ruas, a rotina permanece a mesma. O limite do evento é estabelecido por proteção sinalizada e monitorada, por onde passam apenas pedestres. Dentro do espaço urbano de instalações provisórias, o parcelamento do espaço também segue uma programação, entre as tendas institucionais, comerciais e de serviços. Observando de maneira aleatória no local não percebo uma separação entre funções. As tendas se misturam ao longo dos alinhamentos das ruas, onde de um lado está a tenda com bebidas alcoólicas junto com instituições que comunicam seus serviços comunitários, ao lado de um quiosque vendendo salsicha com pão; e do outro lado a tenda com bebidas ao lado de outra com produtos de sex-shop. Já o mapa que apresenta a distribuição das tendas entre as diferentes ruas ocupadas pelo evento, demonstra essa prévia organização das temáticas no espaço, indicando pouco espaço para o imprevisível na apropriação espacial. Circulando por todas as áreas, pude perceber que alguns pontos com venda de cerveja ficam estrategicamente em frente a bares gays já consagrados pelo endereço das edificações no gueto. Por exemplo, em frente ao Tom’s Bar um grande quiosque patrocinado pela Beck’s demarca sua posição na esquina (o bar também é localizado nesta esquina) e aglomera vários consumidores neste ponto estratégico e próximo a um palco de apresentações (a esquina amplia os eixos visuais e permite espaços vazios fora do fluxo de pessoas nas ruas). Outros exemplos são a cafeteria Romeo und Romeo e o bar Scheune, que também dispõem de quiosques vendendo cerveja em frente ao estabelecimento. E é interessante notar que permanece uma ligação entre o quiosque (às margens da rua) e o prédio dos bares, mantendo a área de passeio como ambiente intermediário e secundário para os encontros e passagens de transeuntes, considerando o eixo central da rua a principal área destinada à circulação e concentração de pessoas (para onde se volta a frente principal de cada quiosque).

  • 11 Termo polissêmico que aqui é interpretado como relativo a concepção homonormativa, ou seja, a repro (...)

26Junto a esses quiosques, que vendem cerveja e outras bebidas, também se pode vincular a proximidade de tendas vendendo comida com outras que vendem artigos específicos para o consumo (como roupas, mochilas, acessórios, objetos estilo leather, entre outros produtos variados). Por exemplo, próximas do quiosque de cerveja do bar Scheune estão localizadas tendas vendendo frituras (como batatas fritas) e outra com churrasco de linguiça e carne, para comer com pão. Em particular, esta combinação é preenchida pela proximidade de um público bastante específico de homens maduros vestidos ao estilo bear e/ou leather, quase todos bebendo, conversando e (sendo apreciados) apreciando o movimento. Vários contextos de tribos se vinculam neste mesmo evento para formar uma equidade na multidão queer. Uma multidão que coloca em prática o diálogo visual e o reconhecimento de expressões e corpos intercambiáveis, como se estas práticas fossem assimiladas por famílias de pais e filhos que visitam a festa ou por diferentes grupos de lésbicas e gays homonormatizados11. Ou ainda, pela presença das dragqueens demonstrando o lado cênico da transformação do gênero enquanto outros corpos andróginos representam esta transformação como algo consolidado em seus cotidianos. Essas presenças demarcam uma visualização pública da diversidade humana no contexto da urbanidade, enquanto espaço modificado pelo devir social. São sujeitos que tornam verdadeiros e inquestionáveis os desejos plurais, os estilos, as gerações e as identidades menos comuns, todas ali presentes para permitir o primeiro olhar de estranhamento, ao mesmo tempo em que educam este olhar para outras diversidades que surgem em decorrência de novos percursos e encontros ao circular pelas ruas.

27A construção deste contexto LGBTI+ acontece pela promoção do movimento. As pessoas passam e mantêm o fluxo em volta dos pontos comerciais. As ruas em si já possuem essa intenção de manter o fluxo, manter a vazão dos corpos que alimentam e são alimentados pelos espaços de permanência - de maneira similar à estratégia dos corais marinhos, que se alimentam do plâncton que flui na corrente do mar. As tendas são como corais que alimentam os peixes (pessoas) e são alimentadas por plânctons (dinheiro, produtos e valores simbólicos) que recebem em troca.

28O próprio comboio da Christopher Street Day, que acontece, regularmente, no período final da Queer Week, também é movimento. Movimento de multidões pelas ruas de Berlim em um percurso demarcado pelas principais avenidas e pontos turísticos. Uma cidade catalogada por arquiteturas e espaços referenciais e que é enaltecida por uma torcida que se movimenta pelas ruas para comemorar sua visão de realidade e dedicar suas verdades no contexto de bens materiais já consagrados. É como se a multidão queer (assim como qualquer multidão envolvida nesse sentimento de comemoração) estivesse reverenciando a cidade e sendo por ela abençoada. Entretanto, esta passagem rápida e pouco frequente de uma multidão de inclassificáveis nada materializa nessas áreas já estabelecidas por outra(s) normatividade(s). A consagração do cotidiano naturalizado é mais efetiva nesta relação entre representação e representados. Para a cidade, a Christopher Street Day é apenas uma reverência de um dia. Uma autorização de passagem por áreas famosas de Berlim concedida à estética da existência queer. Similar à passagem controlada dos berlinenses capitalistas quando visitavam o lado oriental da Berlim socialista, depois da construção do muro em 1961, sem transformar, necessariamente, a concepção de um lugar no outro. Ao final do dia, todas e todos devem voltar para as suas propriedades privadas e lavar o glitter das ruas. E na manhã seguinte despertam-se todos de seus sonhos. A cidade (acordada?) permanece, portanto, sob o funcionamento de suas regras e a disciplina de corpos e comportamentos, quase imperceptíveis como rebelião.

Christopher Street Day em Schöneberg

29Acordei no dia da principal “parada da diversidade” berlinense imaginando que o ataque terrorista, que só veio a acontecer em dezembro deste mesmo ano (2016), aconteceria durante esse evento de degenerados. Felizmente, minha antecipação de cinco meses foi apenas uma suspeita improvável. Esta edição da Christopher Street Day (CSD) em Berlim, no ano de 2016, foi um momento de sorte. Diante de ataques terroristas ocorridos em Munique alguns dias antes, o desfile da CSD berlinense representou um momento de coragem. A multidão queer que tomou as ruas da cidade, saindo de Ku’damm/Joachimthaler Straβe, passando por Nollendorfplatz, até chegar em Brandenburger Tor, fez jus ao movimento de orgulho e diversidade. Pessoas que, cada vez mais, expõem suas singularidades, contestam as identidades binárias e afrontam as normas de expressão corporal. Essa mesma multidão saiu às ruas para enfrentar qualquer ameaça. Uma multidão que compreende a liberdade como luta e o percurso como meio intransponível para essa conquista, seja sob ameaças ou no conforto do elogio. Uma multidão que desconstrói o xingamento e torna difícil estabelecer um elogio como referência acaba sendo uma multidão invencível pelo enfrentamento constante contra a condição de seres cativos.

30Iniciei minha participação no Christopher Street Day observando as limites tênues que separam os bairros e o surgimento crescente de figuras extravagantes, cômicas, apelativas e tribais, como atrativos que animavam a marcha dos sujeitos estranhos ao longo do evento público.

31Saindo da região do gueto de Nollendorfplatz percebi que a plateia em volta da rua, por onde passavam as caravanas de atrações (não justificadas por um carnaval fora de hora) era ainda mais numerosa do que as figuras do desfile. Eu sentia a necessidade de estar mais perto do desfile e, por isso, procurei acompanhar o seu percurso, tomando, por instinto, o mesmo movimento de caminhar para uma direção comum. Diferente do público parado nas proximidades da estação de metrô Nollendorfplatz - lugar emblemático da comunidade gay onde o desfile fazia a curva e reduzia sua velocidade - segui pela rua, no fluxo da Parada, em direção a Siegessäule, entrando no Tiergarten. Percebi que no decorrer dos percursos, após a multidão de Nollendorfplatz, a aglomeração da plateia ao longo das ruas ficava menor e a multidão de participantes vazava em suas fronteiras de passagem. Desta maneira, o fluxo de pessoas entre os diferentes lados, daquelas que assistem e daquelas que dançam ficava indefinido, da mesma maneira que era indefinida a classificação de hierarquias, entre quem estava se divertindo mais. Seriam os homens mais animados do que as mulheres? Quem são os homens e as mulheres nesta multidão? Que corpos eram mais desnudos? Perguntas irrelevantes no meio de uma multidão berlinense. Uma multidão já desinteressada pelas particularidades de corpos e expressões ao longo do cotidiano. Quem dirá ser relevante qualquer categorização (estigma?) diante de um movimento social que defende a diversidade?

  • 12 De maneira similar a convenção dos corpos, a cidade formal é marcada por hierarquias. Estas categor (...)

32No embalo da comemoração diurna (onde a luz é predominante para destacar detalhes), pelas músicas dos carros de som e pela animação contagiante de todas aquelas figuras felizes, a emoção tomou conta. Tantos tipos de ser e viver, entre corpos sincréticos e desejosos. Corpos de mais expressão, de exageros, e menos repressão e simplicidade. No ritmo das músicas, também ultrapassei o limite tênue que separa aquelas pessoas que assistem daquelas que são assistidas e fui contribuir com minha presença no desfile. Mais um corpo de particularidades, na maneira como se posiciona no espaço, no movimento, na dança, na percepção. Segui o embalo da multidão e atravessei todos os percursos, correndo e dançando entre diferentes grupos e carros de som. Voltei ocasionalmente para retomar o fôlego nas calçadas ou para observar a interação com um público, que já não era separado do privado12. Não existia privado para além das cordas de proteção dos veículos de som. Os pequenos desníveis das ruas não eram obstáculos para a mistura aleatória dentro da multidão queer, que se embalava pelo fluxo das músicas em uma direção comum para o encontro.

33Chegar em Brandenburger Tor foi uma grande surpresa. O tempo marcado pelo percurso e pelos passos de dança não fez jus ao curto tempo percebido pela diversão. Como se fosse possível apenas aos momentos de prazer o encolhimento do tempo de duração. Brandenburger Tor é um lugar mágico pela sua representação central na cidade (WILLIAMS 2004). Um lugar onde o ponto de fuga coincide com sua posição na perspectiva das grandes avenidas. Chegar em Brandenburger Tor foi como chegar novamente ao espaço coletivo da diversidade do final de semana anterior (em Nollendorfplatz), com barracas e tendas montadas nas bordas das ruas para receber a multidão sedenta e faminta pela longa jornada. No espaço mais amplo de Bradenburger Tor, os carros de som se espalharam diante da multidão aglomerada nas ruas, até chegar à frente do grande palco, montado de costas para o portão de Bradenburger. Apresentações musicais davam continuidade aos ruídos dos veículos de som, que estacionavam nas margens do percurso final. Muitos corpos e muita audiência se divertindo com a torre de body-jump, entre outros contingentes deste formigueiro, que se infiltrava pelos espaços do Tiergaten, marcando suas margens como pontos de encontros secundários.

34Várias referências de corpos se fizeram presentes. Corpos fantasiados, travestidos e despidos, misturados entre trajes de fetiche, de alegorias e expressões exageradas. Corpos ciborgues, na melhor das definições (HARAWAY 2009). Corpos em movimentos suspeitos para as convenções. Corpos de transição, que ressignificavam as lembranças do lugar no tempo fugaz da diversão. Uma alegoria coletiva forçando as fronteiras da superestrutura da cidade. Uma cidade que define o percurso do desvio desde que seja mantido sob controle e disperso nos hábitos cotidianos. Neste sentido, ninguém precisaria aterrorizar uma multidão, por si mesma, monstruosa em suas atitudes. Uma multidão de aberrações, que inverte a ordem espacial do circo como espetáculo. O dia em que, para a sorte do público, a totalidade do privado saiu à rua ao mesmo tempo.

35Mesmo em se tratando de um evento público foram vários os agentes sociais e as entidades privadas participando e marcando suas presenças corporativas. Em geral, a intenção de promover eventos como a Christopher Street Day em Schöneberg é demonstrar para todas as pessoas que qualquer particularidade é bem-vinda. Entretanto, o efeito da especulação turística e comercial na organização da Queer Week e da Christopher Street Day (CSD) costuma ser visto em associação com a perda de sua força política e reivindicatória em reforçar o direito à cidade para a comunidade LGBTI+, que não se sente totalmente representada pelas marcas e discursos na própria responsabilidade participativa de empresas privadas, presentes nesses eventos. Inclusive, foi a partir dessa visão crítica que surgiu em 1997 o evento paralelo Trans* Christopher Street Day (TCSD) no bairro de Kreuzberg. Nessa Parada da diversidade de cunho anarquista, a organização do evento procura dar maior visibilidade às pessoas trans e, ao mesmo tempo, enfatizando a representação étnica e pós-identitária de composição da multidão queer, sem atrair a realização de festas e a participação de empresas e marcas comerciais.

36Enfim, o TCSD e o CSD tornam-se eventos suplementares que, de alguma forma, ampliam o diálogo sobre as diversas maneiras da multidão queer berlinense se fazer presente na cidade.

Considerações finais

37No espaço público da atualidade surgem manifestações de insurgências diferenciadas diante do processo contínuo e histórico de transformação social, que possibilitam o fluxo de outras demandas sociais, porém, nem sempre seguindo os mesmos estereótipos de movimentos simultâneos ou anteriores (GOMES, 2019). Considero que é nessa sucessão de eventos históricos, entre consensos e dissensos, que a multidão queer se reinventa.

38Nos anos 1970 os movimentos homossexuais estavam muito vinculados às questões territoriais e urbanas. Para Fry e McRae (1985), a manifestação mais emblemática, que radicalizou os movimentos pelos direitos aos homossexuais, aconteceu no dia 28 de junho de 1969, no bar Stonewall Inn, localizado no bairro Greenwich, na época considerado um gueto gay em Nova Iorque. Devido a uma invasão rotineira da polícia, nas primeiras horas da manhã desse dia, surgiu uma revolta dos frequentadores: gays, lésbicas, dragqueens, prostitutos e jovens sem teto, sujeitos marginalizados e vinculados aos segmentos LGBTI+ da época. A ação foi seguida de manifestações nos dias posteriores e de publicações em jornais feitas por organizações políticas, como a Frente de Libertação Gay. Além dos Estados Unidos, as manifestações também seguiram para outros países. Atualmente, a comemoração do Orgulho LGBTI+ no dia 28 de junho, através das Paradas da diversidade em várias cidades mundo afora, representa uma data comemorativa para o motim da Rebelião de Stonewall (FRY; MACRAE 1985; COLLING 2011). Outras manifestações de rua também se destacam em períodos mais recentes como é o caso da Marcha das Vadias, que teve início no Canadá, e de variações da Parada do Orgulho LGBTI+, trazendo as demandas de pessoas trans e de outros movimentos sociais e acadêmicos, como o Queer of colour, que se espalham por diversos países e estão presentes no âmbito das culturas e subculturas urbanas ocidentais.

39Assim, apesar do relativo engajamento político apontado para esses eventos em Schöneberg vejo essas manifestações regulares como positivas para a ampla divulgação da diversidade de comportamentos e expressões humanas em relação aos diferentes públicos (e consumidores em potencial) presentes no bairro e nos percursos da metrópole. Afinal, trata-se de promover eventos que além de envolverem pessoas e grupos dissidentes, também contam, em geral, com a presença de sujeitos cisheteropatriarcais, entre crianças e adultos, e entidades filantrópicas, turistas, empresas e marcas corporativas. Nesse aspecto, foi nítido observar em Berlim a importância dessas reuniões públicas para a efetiva comunicação com parte da população, que está alheia às representações de dissidência e às iniciativas sociais e institucionais de apoio específico aos interesses de comunidades LGBTI+, formalizando a promoção de campanhas e as participações coletivas mais amplas.

40Por fim, diante dos retrocessos políticos para a redução de direitos humanos e a repressão dos movimentos sociais nas ruas, considero importante a participação conjunta desses diferentes espectros da multidão queer ao mobilizarem discursos, corpos e desejos dissidentes na ressignificação da esfera pública. Como se revelassem que as performatividades do desvio são apenas amostras da sucessão de singularidades escondidas por toda a sociedade.

Topo da página

Bibliografia

BARKER, Meg-John (author); SCHEELE, Julia (illustrator). 2016. “Queer: a graphic history”. London: Icon Books Ltd.

BAUMAN, Zygmunt. 2009. Confiança e medo na cidade. Rio de Janeiro: Zahar.

BUTLER, Judith. 2015. Quadros de guerra: quando a vida é passível de luto? Tradução Sérgio Tadeu de Niemeyer Lamarão e Arnaldo Marques da Cunha. 1. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

COLLING, Leandro (org.). 2011. Stonewall 40 + o que no Brasil? Salvador: EDUFBA.

CORTÉS, José Miguel G. 2008. Cartografias dissidentes. Barcelona: [s.n.].

FRANÇA, Isadora Lins. 2007. “Sobre ‘Guetos’ e ‘Rótulos’: tensões no mercado GLS na cidade de São Paulo”. Cadernos Pagu, Campinas, n. 28, pp. 227-255. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/cpa/n28/11.pdf Acesso em: out.2019.

FRY, Peter; MACRAE, Edward. 1985. O que é homossexualidade. Coleção Primeiros Passos (26). São Paulo: Abril Cultural/Brasiliense.

GEHL, Jan. 2013. Cidades para pessoas. 1. ed. São Paulo: Perspectiva.

GOMES, Cilene. 2019. “Lugar de resistência e construção do futuro: apontamentos a um ensaio reflexivo”. Ideias, v. 10, p. 1-20 e019004, 12 ago. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ideias/article/view/8656199/21092 Acesso em: out.2019.

HARAWAY, Donna J. 2009. “Manifesto ciborgue: ciência, tecnologia e feminismo-socialista no final do século XX”. In: TADEU, Tomaz (org. e trad.). Antropologia do Ciborgue: as vertigens do pós-humano. Ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, pp. 33-118.

LEFEBVRE, Henri. 1999. A Revolução urbana. Belo Horizonte: Ed. UFMG.

LEVINE, Martin P. 1998. “Gay macho: the life and death of homosexual clone”. In: Base de dados Google Livros. New York: New York University Press.

LEWIS, Elizabeth Sara. 2017. “Teoria(s) Queer e performatividade: mudança social na matriz heteronormativa”. In: MACEDO, Elizabeth; RANNIERY, Thiago (Org.). Currículo, sexualidade e ação docente. 1. ed. Petrópolis, RJ: DP et Alii, p. 157-186.

MACHADO, Vanderlei. 2007. Entre Apolo e Dionísio: a imprensa e a divulgação de um modelo de masculinidade urbana em Florianópolis (1889-1930). Porto Alegre: Tese de doutorado em História, UFRGS. Disponível em: http://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/10919/000602883.pdf?sequence=1 Acesso em: out.2019.

MACHADO, Frederico Viana; PRADO, Marco Aurélio Máximo. 2005. “Movimentos homossexuais: a constituição da identidade coletiva entre a economia e a cultura. O caso de dois grupos brasileiros”. Vol. X, n. 19. São Paulo: Interações. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/inter/v10n19/v10n19a03.pdf Acesso em: out.2019

MISKOLCI, Richard. 2012. “Teoria queer: um aprendizado pelas diferenças”. Belo Horizonte: Autêntica Editora: UFOP - Universidade Federal de Ouro Preto, p. 21-34.

PRECIADO, Paul. 2011 [2003]. “Multidões Queer: notas para uma política dos anormais”. Tradução de Cleiton Zóia Münchow e Viviane Teixeira Silveira. Florianópolis: Revista Estudos Feministas. 19(1), pp. 11-20.

SANTOS, Milton. 2006. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. 4. ed. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo.

TUAN, Yi-Fu. 2012. “Topofilia: um estudo da percepção, atitudes e valores do meio ambiente”. Londrina: Eduel.

VIEIRA, M. S. 2013. “Áreas Livres Públicas e Diversidade Humana”. In: Seminário Internacional Fazendo Gênero 10: desafios atuais dos feminismos. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina.

WILLIAMS, Christian. 2004. The rough guide to Berlin. 10th Ed. March. Rough Guides.

Topo da página

Notas

1 Perspectiva queer como movimento de subversão das identidades de gênero e sexualidades hegemônicas e, por isso, englobando, genericamente, as seguintes categorias: raça, homossexualidade, transexualidade, intersexualidade, pansexualidade e qualquer dissidência que foge da lógica cisheteronormativa - concepção de que a cisheterossexualidade define a ordem político-social do gênero e da sexualidade na regulamentação de nossas vidas.

2 Essa experiência de campo por áreas públicas de Berlim integra parte da minha investigação para o doutorado, relacionando as temáticas: gênero, espaço e sexualidades.

3 A Queer Week, a Folsom Street Fair, a Easter Berlin, a Christopher Street Day (CSD) e a Trans* Christopher Street Day (TCSD), entre outros eventos promovidos pelas comunidades LGBTI+, são manifestações importantes para consolidar a presença e a visibilidade da multidão queer na composição da urbanidade berlinense, mesmo que de maneira efêmera e com diferentes propósitos de resistência política.

4 Nesse artigo o termo “multidão queer” considera o sentido atribuído por Paul Preciado (2011) e amplia essa compreensão de corpos e sujeitos entre diferentes marcações de espaço e pelo dissenso de atuações políticas.

5 Performatividade é a expressão de atos, gestos e desejos, presentes na superfície do corpo, que nomeiam uma identidade (ou fluxo identitário). A repetição desses gestos, atos e falas se cristalizam com o passar do tempo, atribuindo a noção de naturalidade às categorias do gênero e da sexualidade pela performatividade reificada.

6 Matriz heterossexual é uma estrutura de inteligibilidade envolvendo discursos, ações e materialidades consolidadas pelo esquema de vida heterossexual e cisgênero, que define as normas e o modelo de verdade a ser seguido por todos e todas, mesmo aqueles/as que desviam destas condutas (LEWIS, 2017).

7 Da mesma forma que a cisheteronormatividade regulamenta a ordem político-social do gênero e das sexualidades pela repetição performativa associada ao corpo, a prática repetitiva de configuração do planejamento urbano formal se mantém como dispositivo de controle e hierarquia social ao efetivar os processos de inclusão e exclusão do direito à cidade pela diferença entre segmentos populacionais.

8 Destaco o uso do termo “coisas” como bens materiais, assim como no sentido de discursos e conceitos que permeiam os valores socioculturais em determinado contexto histórico.

9 Produção de corpos heteronormados no sentido da constituição hegemônica de corpos binários, marcados pela masculinidade e feminilidade ideal e hegemônica, para atender aos interesses da biopolítica e dos desejos heterossexuais como essência de regulamentações públicas.

10 Heteronomia é um conceito em oposição ao sentido de autonomia; diz respeito à sujeição do indivíduo às imposições estabelecidas por uma coletividade dominante.

11 Termo polissêmico que aqui é interpretado como relativo a concepção homonormativa, ou seja, a reprodução da heteronormatividade por pessoas LGBTI+.

12 De maneira similar a convenção dos corpos, a cidade formal é marcada por hierarquias. Estas categorias espaciais costumam ser interpretadas por significados uniformes do planejamento urbano, na constituição de objetos, representações e hábitos cotidianos quase regulares.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

Marcos Sardá Vieira, « Urbanidade e multidão queer em Berlim »Ponto Urbe [Online], 25 | 2019, posto online no dia 25 dezembro 2019, consultado o 28 maio 2020. URL: http://journals.openedition.org/pontourbe/7128; DOI: https://doi.org/10.4000/pontourbe.7128

Topo da página

Autor

Marcos Sardá Vieira

Arquiteto, urbanista e doutor em Ciências Humanas pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Professor adjunto da Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS) E-mail :marcos.vieira@uffs.edu.br

 

Topo da página

Direitos de autor

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Topo da página
  • Logo Núcleo de Antropologia Urbana da USP
  • Logo Universidade de São Paulo
  • OpenEdition Journals