Navegação – Mapa do site
Ensaios Fotográficos

Divergência e transição: o que há de urbano e ribeirinho na Vila Elesbão (AP)

Divergence and transition: what’s urban and riverine in the Elesbão Village (AP)
Victor Guilherme Cordeiro Salgado

Notas da redacção

Versão original recebida em / Original Version 20/04/2019

Aceitação / Accepted 22/08/2019

Texto integral

1O que se denomina como beira-rio da Vila Elesbão, foi definida como a principal microrregião de interesse para pesquisa e intervenção do Projeto de Extensão Planejando com a Comunidade na cidade de Santana (AP), coordenado pela Profa. Dra. Bianca Moro de Carvalho. É neste ponto de transição entre o rio e a cidade que ocorre “o que é ribeirinho”, paisagem de embarcações, palafitas, açaizais, píeres e estaleiros, em território urbano, onde é permitido viver sob a forte influência de muitos hábitos de comunidades rurais da Amazônia integrados ao espaço urbano, o que não significa estar imune aos aspectos sombrios da urbe do século XXI.

2O ensaio fotográfico Divergência e transição: o que há de urbano e ribeirinho na Vila Elesbão (AP) fez parte do repertório de técnicas de coleta de dados na localidade, ocorrido em cinco visitas acompanhadas de moradores, com e também por vezes sem a equipe completa do referido projeto entre 2017 e 2018. A fotografia, nesta investigação, além de abastecer acervos documentais, serviu de integração ao processo de observação simples, diante os vários métodos de coleta de dados empregados.

3É contado pelos moradores mais antigos que o primeiro habitante da comunidade tinha o sobrenome Elesbão, e dele o igarapé herdou o nome de origem. Há mais de 60 anos, a comunidade erguida sob pilotis de madeira, consolida-se como um assentamento popular, fruto do interesse e organização da comunidade por soluções para os problemas coletivos, dentre outros. As fotografias têm como foco o contato do habitante com rio, e suas relações estreitas herdadas por fortes laços históricos. Além de via fluvial, o rio Amazonas acolhe e nutre quem dele usufrui, a pesca e o ofício da carpintaria naval são do cotidiano da comunidade, expoentes do potencial de desenvolvimento local que a Vila demonstra.

4A palafita ainda é a principal técnica construtiva desempenhada pela comunidade. São predominantemente oriundas da autoconstrução, com fortes traços das palafitas vernáculas, contudo já subsidiadas com materiais e equipamentos contemporâneos, ou seja, são encontradas estéticas hibridas, em adaptação, diante das possibilidades econômicas das famílias. A vista da janela ou da varanda contempla a imensidão de água doce, vegetação exuberante de ilhas próximas e embarcações de grande porte, sem falar das embarcações tradicionalmente produzidas pelos carpinteiros navais locais.

5Apesar das imagens de assentamentos precários discutidos em sala de aula persuadirem o imaginário a apenas criar/simular texturas e sombras hostis sobre essas áreas da cidade, a experiência vivida a partir do contato com a Vila Elesbão foi sem dúvida encantadora. A extensão universitária, neste sentido, possibilitou-me presenciar algo raro na região amazônica amapaense, e principalmente na área de ciências sociais aplicadas, o encontro entre os saberes práticos e científicos como estímulo à transformação.

Infância ribeirinha (1); Ao pôr-do-sol, relógio batendo às 17 horas no Amapá, chega o momento de aproveitar a amenidade do calor para treinar a pesca.

Autor: SALGADO, V. 2017.

Infância ribeirinha (2); Rede de pesca lançada, canoa amarrada, o rio à espreita do menino que aprende fazendo.

Autor: SALGADO, V. 2017.

Perspectiva do trapiche; em geometria conhecemos o ponto fuga como possibilidade de caminho, sentido, fixo e referencial. O senhor que surge na travessia, “Seu Moraes” (Presidente da Associação de Moradores), é um dos pontos de fuga quando as mazelas que atingem a comunidade precisam ser atendidas.

Autor: SALGADO, V. 2018.

Lançar o véu; a pesca é uma das principais atividades econômicas e de subsistência na Vila Elesbão.

Autor: SALGADO, V. 2017.

A vista do íntimo de um estaleiro; uma breve abordagem do contexto portuário na região de Santana (AP). A materialidade metálica e industrial em contraste à materialidade assimétrica e orgânica – não se deve interpretar como um comparativo, apenas uma das verificações da relação entre as tipologias diante o cenário.

Autor: SALGADO, V. 2017.

Varanda e quintal; esta habitação é um dos exemplares de edificações que alcançam com maior intimidade o leito do rio.

Autor: SALGADO, V. 2017.

Estéticas híbridas; é possível extrair alguns dos momentos de mudanças, avanços e transformações no tempo de consolidação da habitação a partir da imagem.

Autor: SALGADO, V. 2019.

Habitat; apesar das características da natureza amazônica proporcionarem em alguns momentos dificuldades para o habitante, o mesmo fator ambiental contempla o indivíduo com bençãos que o afastam dos pesadelos diários da cidade, todos os dias.

Autor: SALGADO, V. 2018.

Topo da página

Índice das ilustrações

Legenda Infância ribeirinha (1); Ao pôr-do-sol, relógio batendo às 17 horas no Amapá, chega o momento de aproveitar a amenidade do calor para treinar a pesca.
Créditos Autor: SALGADO, V. 2017.
URL http://journals.openedition.org/pontourbe/docannexe/image/7169/img-1.jpg
Ficheiros image/jpeg, 104k
Legenda Infância ribeirinha (2); Rede de pesca lançada, canoa amarrada, o rio à espreita do menino que aprende fazendo.
Créditos Autor: SALGADO, V. 2017.
URL http://journals.openedition.org/pontourbe/docannexe/image/7169/img-2.jpg
Ficheiros image/jpeg, 92k
Legenda Perspectiva do trapiche; em geometria conhecemos o ponto fuga como possibilidade de caminho, sentido, fixo e referencial. O senhor que surge na travessia, “Seu Moraes” (Presidente da Associação de Moradores), é um dos pontos de fuga quando as mazelas que atingem a comunidade precisam ser atendidas.
Créditos Autor: SALGADO, V. 2018.
URL http://journals.openedition.org/pontourbe/docannexe/image/7169/img-3.jpg
Ficheiros image/jpeg, 80k
Legenda Lançar o véu; a pesca é uma das principais atividades econômicas e de subsistência na Vila Elesbão.
Créditos Autor: SALGADO, V. 2017.
URL http://journals.openedition.org/pontourbe/docannexe/image/7169/img-4.jpg
Ficheiros image/jpeg, 132k
Legenda A vista do íntimo de um estaleiro; uma breve abordagem do contexto portuário na região de Santana (AP). A materialidade metálica e industrial em contraste à materialidade assimétrica e orgânica – não se deve interpretar como um comparativo, apenas uma das verificações da relação entre as tipologias diante o cenário.
Créditos Autor: SALGADO, V. 2017.
URL http://journals.openedition.org/pontourbe/docannexe/image/7169/img-5.jpg
Ficheiros image/jpeg, 96k
Legenda Varanda e quintal; esta habitação é um dos exemplares de edificações que alcançam com maior intimidade o leito do rio.
Créditos Autor: SALGADO, V. 2017.
URL http://journals.openedition.org/pontourbe/docannexe/image/7169/img-6.jpg
Ficheiros image/jpeg, 144k
Legenda Estéticas híbridas; é possível extrair alguns dos momentos de mudanças, avanços e transformações no tempo de consolidação da habitação a partir da imagem.
Créditos Autor: SALGADO, V. 2019.
URL http://journals.openedition.org/pontourbe/docannexe/image/7169/img-7.png
Ficheiros image/png, 803k
Legenda Habitat; apesar das características da natureza amazônica proporcionarem em alguns momentos dificuldades para o habitante, o mesmo fator ambiental contempla o indivíduo com bençãos que o afastam dos pesadelos diários da cidade, todos os dias.
Créditos Autor: SALGADO, V. 2018.
URL http://journals.openedition.org/pontourbe/docannexe/image/7169/img-8.jpg
Ficheiros image/jpeg, 79k
Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

Victor Guilherme Cordeiro Salgado, « Divergência e transição: o que há de urbano e ribeirinho na Vila Elesbão (AP) »Ponto Urbe [Online], 25 | 2019, posto online no dia 25 dezembro 2019, consultado o 28 maio 2020. URL: http://journals.openedition.org/pontourbe/7169; DOI: https://doi.org/10.4000/pontourbe.7169

Topo da página

Autor

Victor Guilherme Cordeiro Salgado

Estudante de graduação em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Federal do Amapá (UNIFAP).

Topo da página

Direitos de autor

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Topo da página
  • Logo Núcleo de Antropologia Urbana da USP
  • Logo Universidade de São Paulo
  • OpenEdition Journals