Navegação – Mapa do site
Ensaios Fotográficos

Da arte de habitar: usos e sentidos do sobrado do Afoxé Filhos de Gandhi, Rio de Janeiro

From the art of dwelling: uses and senses of the house of Afoxé Filhos de Gandhi, Rio de Janeiro
Roberta Sampaio Guimarães

Notas da redacção

Versão original recebida em / Original Version 03/05/2019

Aceitação / Accepted 05/08/2019

Texto integral

1O Afoxé Filhos de Gandhi foi fundado no Rio de Janeiro em 1951 inspirado no Ijexá Filhos de Gandhy, bloco carnavalesco criado dois anos antes em Salvador (BA) e que se apresentava recreativamente tocando o ijexá, cantando em iorubá e dançando coreografias dos orixás. O termo afoxé foi adotado em alusão às saídas religiosas onde filhos de santo dispostos em cortejo depositavam oferendas em mares, rios e matas, sendo o bloco por isso também chamado de “candomblé de rua”.

2Durante trabalho de campo realizado entre dezembro de 2007 e novembro de 2009, além dos desfiles carnavalescos acompanhei apresentações do Gandhi no dia da Consciência Negra, no dia do Samba e nas festas dedicadas à Iemanjá (Guimarães, 2014). Seus integrantes moravam majoritariamente em bairros afastados da área central da cidade, eram das camadas populares e trabalhavam como autônomos ou prestadores de serviços. Era através da articulação de suas casas de candomblé que eles movimentavam uma intensa troca de dádivas e contradádivas com orixás, governantes, comerciantes, movimentos sociais e população em geral.

3Este ensaio fotográfico tematiza um aspecto pouco acessado pelo público das apresentações do bloco: os usos e sentidos de sua sede. Após o Gandhi ficar anos realizando reuniões e ensaios de forma itinerante em espaços de outras agremiações, em 1997 sua diretoria se apossou de um dos muitos imóveis abandonados do governo estadual na região portuária.

4Localizado na rua Camerino, sopé do Morro da Conceição, no momento da ocupação o sobrado estava sem telhado, com vegetação alta e lotado de entulho. Foram inúmeras as idas e vindas da diretoria do bloco a secretarias estaduais em busca de regularização da posse do imóvel e de financiamento de sua reforma. Contudo, durante todo tempo de implementação dos projetos de “revitalização urbana” Porto do Rio (2001) e Porto Maravilha (2009), a administração pública argumentou não poder investir em imóveis “invadidos” e “em ruínas”. A recusa às demandas do bloco era assim legitimada pelo discurso de combate à “desordem urbana”, mobilizando acusações de ilegalidade, precariedade e informalidade.

5Ao fotografar os pequenos cuidados dos integrantes do Gandhi dedicados ao sobrado, busquei materializar visualmente o contradiscurso que eles articulavam em suas falas e práticas. Eles haviam limpado o terreno, pintado as paredes, acorrentado a porta e afixado uma placa de identificação na fachada. No seu interior, abrigavam atabaques, vasos de plantas, bichos de estimação, roupas, mesas e cadeiras que participavam de suas atividades religiosas e recreativas. O sobrado, portanto, não era um local degradado ou relegado ao esquecimento, mas um espaço habitado por humanos, orixás, plantas, animais e objetos. A despeito do seu não reconhecimento pelas instâncias governamentais.

Mães de santo no cortejo do Presente de Iemanjá, ruas do Centro da cidade, 2009.

Músicos no Dia da Consciência Negra, monumento a Zumbi dos Palmares, 2008.

Oferendas na praia de Copacabana, Festa de Iemanjá do Mercadão de Madureira, 2008.

Atabaques do Gandhi, 2008.

Sede do Gandhi na rua Camerino, região portuária, 2007.

Sede do Gandhi, vista a partir do Jardim Suspenso do Valongo, 2008.

Espaço de reuniões e ensaios, sede do Gandhi, 2008.

Varal de roupas dos integrantes do bloco, sede do Gandhi, 2008.

Detalhe do banheiro, sede do Gandhi, 2008.

Cultivo de plantas, sede do Gandhi, 2008.

Topo da página

Bibliografia

GUIMARÃES, Roberta Sampaio. 2014. A utopia da Pequena África. Projetos urbanísticos, patrimônios e conflitos na Zona Portuária carioca. Rio de Janeiro: FGV/Faperj.

Topo da página

Índice das ilustrações

Legenda Mães de santo no cortejo do Presente de Iemanjá, ruas do Centro da cidade, 2009.
URL http://journals.openedition.org/pontourbe/docannexe/image/7446/img-1.jpg
Ficheiros image/jpeg, 380k
Legenda Músicos no Dia da Consciência Negra, monumento a Zumbi dos Palmares, 2008.
URL http://journals.openedition.org/pontourbe/docannexe/image/7446/img-2.jpg
Ficheiros image/jpeg, 248k
Legenda Oferendas na praia de Copacabana, Festa de Iemanjá do Mercadão de Madureira, 2008.
URL http://journals.openedition.org/pontourbe/docannexe/image/7446/img-3.jpg
Ficheiros image/jpeg, 236k
Legenda Atabaques do Gandhi, 2008.
URL http://journals.openedition.org/pontourbe/docannexe/image/7446/img-4.jpg
Ficheiros image/jpeg, 200k
Legenda Sede do Gandhi na rua Camerino, região portuária, 2007.
URL http://journals.openedition.org/pontourbe/docannexe/image/7446/img-5.jpg
Ficheiros image/jpeg, 280k
Legenda Sede do Gandhi, vista a partir do Jardim Suspenso do Valongo, 2008.
URL http://journals.openedition.org/pontourbe/docannexe/image/7446/img-6.jpg
Ficheiros image/jpeg, 304k
Legenda Espaço de reuniões e ensaios, sede do Gandhi, 2008.
URL http://journals.openedition.org/pontourbe/docannexe/image/7446/img-7.jpg
Ficheiros image/jpeg, 288k
Legenda Varal de roupas dos integrantes do bloco, sede do Gandhi, 2008.
URL http://journals.openedition.org/pontourbe/docannexe/image/7446/img-8.jpg
Ficheiros image/jpeg, 384k
Legenda Detalhe do banheiro, sede do Gandhi, 2008.
URL http://journals.openedition.org/pontourbe/docannexe/image/7446/img-9.jpg
Ficheiros image/jpeg, 396k
Legenda Cultivo de plantas, sede do Gandhi, 2008.
URL http://journals.openedition.org/pontourbe/docannexe/image/7446/img-10.jpg
Ficheiros image/jpeg, 344k
Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

Roberta Sampaio Guimarães, « Da arte de habitar: usos e sentidos do sobrado do Afoxé Filhos de Gandhi, Rio de Janeiro »Ponto Urbe [Online], 25 | 2019, posto online no dia 25 dezembro 2019, consultado o 28 maio 2020. URL: http://journals.openedition.org/pontourbe/7446; DOI: https://doi.org/10.4000/pontourbe.7446

Topo da página

Direitos de autor

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Topo da página
  • Logo Núcleo de Antropologia Urbana da USP
  • Logo Universidade de São Paulo
  • OpenEdition Journals