Navegação – Mapa do site

InícioNúmeros26Ensaios FotográficosUma fotoetnografia da criação de ...

Ensaios Fotográficos

Uma fotoetnografia da criação de suínos na região noroeste do Rio Grande do Sul, Brasil

A photoethnography of pig breeding in the northwest region of Rio Grande do Sul, Brazil
Sílvia Maria Poletti

Notas da redacção

Versão original recebida em / Original Version 16/04/2020

Aceitação / Accepted 28/06/2020

Texto integral

1 A fotoetnografia a seguir é fruto de uma pesquisa em andamento que acompanha agricultores criadores de suínos no Médio Alto Uruguai gaúcho; os registros fotográficos apresentados neste ensaio remetem ao trabalho de campo feito em julho de 2019. Nas fotografias acompanhamos uma família de agricultores que recentemente vinculou-se à uma empresa de suinocultura e construiu um pavilhão de criação de suínos chamado “chiqueirão” no espaço onde anteriormente existia um pedaço de mata nativa.

2 O aumento da produção pecuária é um fenômeno global, visto que a aglomeração das pessoas em grandes cidades e o consequente consumo de produtos de origem animal incentivam a produção em larga escala. O Brasil é um subsidiário de produtos primários ao mundo e passou a exportar carne como commodities, o que acarretou um crescimento econômico do país e em transformações nas paisagens [landscapes] (Ingold, 2015). Vidas e redes de relações surgem, se modificam e recriam os ambientes e o saber-fazer cotidiano de agricultores envolvidos com o setor agropecuário nacional da suinocultura. A robotização do sistema de alimentação, as fichas de controle e os apetrechos de vacinação não existem na criação familiar de porcos e denotam mudanças na tarefagem [takescape] (Ingold, 2015) e nas relações que permeiam o modo de fazer a criação.

  • 1 Nome fictício para preservar a identidade do interlocutor.

3O que as fotografias pretendem mostrar são as tarefagens de agricultores imersos na criação de suínos. Seguindo o itinerário de trabalho de um criador, as lentes aprendizes captaram um pequeno fio de detalhes do emaranhado vivo que é o ato de criar. Nas fotografias é possível ver o Nico1, com 20 anos, cuidando de mil suínos, ele sozinho faz as tarefas cotidianas do espaço de criação enquanto os pais trabalham com as plantações e os bichos da família.

A estrutura que abriga os suínos construída recentemente na propriedade da família de Nico numa área anteriormente coberta por mata, nos silos de ambos os lados do pavilhão é armazenada a ração e nas caixas d’água o soro de leite.

De dentro do chiqueirão os diversos currais, fêmeas no lado direito e machos no esquerdo. O sistema de alimentação é robotizado e os tubos brancos e cinzas transportam a ração, já as mangueiras laranjadas transportam o soro de leite que está dentro das caixas de água azuis do lado de fora da estrutura.

Nico controlando a temperatura do ambiente no termostato, acima do aparelho está o controle de ração. 

Suínos próximos ao tubo de ração, esperando para receber a comida, ao fundo a mangueira de soro e no chão próximo a lateral direita um metal incrustado no chão que quando aberto leva a água acumulada no fundo do curral. 

Nico limpando o curral. Todos os dias no início da manhã os currais são esvaziados abrindo o tubo de metal.

Ficha de controle do lote de suínos recebido, nas anotações dados de controle sobre a quantidade de animais mortos.

Topo da página

Bibliografia

BAILÃO, André. "Paisagem - Tim Ingold". In: Enciclopédia de Antropologia. São Paulo:
Universidade de São Paulo, Departamento de Antropologia, 2016. Disponível em:
<http://ea.fflch.usp.br/conceito/paisagem-tim-ingold>. Acessado em: 16.nov 2019.

INGOLD, Tim. Paisagem ou mundo tempo? In: Estar Vivo: ensaios sobre movimento, conhecimento e descrição. Rio de Janeiro: Editora Vozes, 2015, p.193-211.

Topo da página

Notas

1 Nome fictício para preservar a identidade do interlocutor.

Topo da página

Índice das ilustrações

Legenda A estrutura que abriga os suínos construída recentemente na propriedade da família de Nico numa área anteriormente coberta por mata, nos silos de ambos os lados do pavilhão é armazenada a ração e nas caixas d’água o soro de leite.
URL http://journals.openedition.org/pontourbe/docannexe/image/8342/img-1.png
Ficheiro image/png, 3,2M
Legenda De dentro do chiqueirão os diversos currais, fêmeas no lado direito e machos no esquerdo. O sistema de alimentação é robotizado e os tubos brancos e cinzas transportam a ração, já as mangueiras laranjadas transportam o soro de leite que está dentro das caixas de água azuis do lado de fora da estrutura.
URL http://journals.openedition.org/pontourbe/docannexe/image/8342/img-2.jpg
Ficheiro image/jpeg, 908k
Legenda Nico controlando a temperatura do ambiente no termostato, acima do aparelho está o controle de ração. 
URL http://journals.openedition.org/pontourbe/docannexe/image/8342/img-3.jpg
Ficheiro image/jpeg, 912k
Legenda Suínos próximos ao tubo de ração, esperando para receber a comida, ao fundo a mangueira de soro e no chão próximo a lateral direita um metal incrustado no chão que quando aberto leva a água acumulada no fundo do curral. 
URL http://journals.openedition.org/pontourbe/docannexe/image/8342/img-4.jpg
Ficheiro image/jpeg, 912k
Legenda Nico limpando o curral. Todos os dias no início da manhã os currais são esvaziados abrindo o tubo de metal.
URL http://journals.openedition.org/pontourbe/docannexe/image/8342/img-5.jpg
Ficheiro image/jpeg, 912k
Legenda Ficha de controle do lote de suínos recebido, nas anotações dados de controle sobre a quantidade de animais mortos.
URL http://journals.openedition.org/pontourbe/docannexe/image/8342/img-6.png
Ficheiro image/png, 2,0M
Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

Sílvia Maria Poletti, « Uma fotoetnografia da criação de suínos na região noroeste do Rio Grande do Sul, Brasil »Ponto Urbe [Online], 26 | 2020, posto online no dia 28 julho 2020, consultado o 27 outubro 2020. URL: http://journals.openedition.org/pontourbe/8342; DOI: https://doi.org/10.4000/pontourbe.8342

Topo da página

Autor

Sílvia Maria Poletti

Graduanda em Ciências Sociais na Universidade Federal da Fronteira Sul campus Erechim, monitora de Antropologia e integrante do LaBricE (Laboratório de Bricolagens Etnográficas). E-mail: cosilviamaria@gmail.com 

Topo da página

Direitos de autor

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Topo da página
  • Logo Núcleo de Antropologia Urbana da USP
  • Logo Universidade de São Paulo
  • OpenEdition Journals
Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search