Navegação – Mapa do site

InícioNúmeros27EtnográficasPor dentro dos pátios, de frente ...

Etnográficas

Por dentro dos pátios, de frente para a tela: Apropriações e indicativos da presença de smartphones em um leilão na região metropolitana de São Paulo.

Inside the auction yard, facing the screen: Appropriations and indicators of the presence of smartphones at an auction in the metropolitan region of São Paulo.
Luiz Gustavo Simão Pereira

Resumos

De segunda a sábado, milhares de veículos são postos à venda em leilões na grande São Paulo. Argumento que a simultaneidade dos pregões online possibilita alternativas nos usos da internet nos leilões de automóveis em específico, objeto desse trabalho. Atualmente, a maior parte dos arremates deste segmento é feita de modo online. Emergem como forma de facilitar a oferta de lances, as escolhas, possibilitar maior comodidade e, desse modo, aumentar as vendas. Especificamente, permite que compradores online, que não necessariamente residem na localidade em que os leilões acontecem, acionem compradores profissionais por meio da internet. Estes últimos estão diariamente nos pátios e informam sobre bons negócios para quem está do outro lado da linha, pelos celulares, quando contactados. Nesse sentido, os saberes dos compradores profissionais, que estão fisicamente nos pátios dos leilões, são acionados pelos compradores online para compreender e minimizar os riscos de uma possível compra.

Topo da página

Entradas no índice

Topo da página

Notas da redacção

Versão original recebida em / Original Version 17/06/2020

Aceitação / Accepted 22/10/2020

Texto integral

Introdução

  • 1 Os nomes das pessoas e da organização presentes neste texto foram alterados com o intuito de preser (...)

1Terminal de ônibus Armênia, fevereiro de 2020. O celular marca 10:07, em um dia chuvoso. No local, espero o ônibus que me levaria à região metropolitana da capital paulista. É lá que faço campo, em um dos maiores leilões particulares do Brasil, na organização leiloeira Alves Armando1. Estou em uma terça-feira, apenas um dia após a cidade de São Paulo ser tomada por uma das maiores enchentes dos últimos anos. Eu e os demais passageiros nos posicionamos na fila para entrar no ônibus, que se encontra ao nosso lado, já estacionado, e seguir o nosso trajeto. Entre nós, passageiros, e o veículo, um rapaz negro, de estatura média e boné, oferece passagens por um preço abaixo do praticado pelo transporte. Ele está no fim da rua, no pequeno espaço que nos distancia da lataria de metal do automóvel. No transporte é R$7,55 e ele vende por R$6, em cartões vermelho e branco. Na sua mão, mais de 20 cartões. À minha frente, uma fila de dez pessoas: todas compram, com exceção de uma ou outra. Uma moça atrás de mim, que havia conversado anteriormente, diz que vale a pena. A economia realmente é boa para quem faz o trajeto todos os dias na região, em direção ao local. Me enrolo com o dinheiro, mas dou e recebo o troco e o cartão. Subo os degraus do ônibus, indo em direção ao leitor de cartões na catraca. No cartão de uma pessoa à minha frente, vejo um saldo que consta 300 reais. Vou, passo o meu; com o que carrego, 207 reais e alguns quebrados. Depois, o procedimento de saída para quem usufrui desse serviço é o mesmo: do lado de dentro entregamos o cartão pela janela, esticando os nossos braços para que eles encontrem os do rapaz que os vendeu segundos antes, do lado de fora.

2 O caminho no ônibus é longo, cerca de quinze quilômetros. Vejo no Google Maps, por não conhecer a região, e ele marca que a distância que estou da organização leiloeira iria consumir mais trinta minutos. Chegaria por volta de 10h35, com o leilão começando às 11h. Na primeira meia hora de início, com a leitura dos regulamentos, poderia ver o movimento por entre o pátio, onde os automóveis são armazenados, e o auditório, onde as vendas acontecem.

  • 2 Pesquisa realizada com o apoio da FAPESP, processo 2019/05439-0. As opiniões, hipóteses e conclusõe (...)
  • 3 Há uma série de termos utilizados em leilão. “Arrematar” diz respeito a comprar, a dar o maior “lan (...)

3Durante a pesquisa de Iniciação Científica2, que durou um ano, me detive principalmente na análise das vendas de uma organização leiloeira, aqui chamada de Alves Armando. Os resultados alcançados com a pesquisa foram surgindo com a combinação de procedimentos metodológicos tanto quantitativos quanto qualitativos. Com o intuito de reunir um material substancial que falasse sobre a organização, como ao segmento leiloeiro e às leis relacionadas ao próprio circuito, em um primeiro momento o trabalho focou na análise de blogs, reportagens e, em menor parte, na própria legislação que rege a profissão. Após, houve um acompanhamento presencial, no próprio pátio de onde o leilão acontece e de onde os automóveis são mantidos, esperando os dias dos leilões para que recebam lances3. Soma-se aos procedimentos metodológicos um acompanhamento virtual dessas vendas, produzindo tabelas e dados quantitativos de maneira sistemática.

4Leilões acontecem simultaneamente nos ambientes “virtual” e “presencial”, de modo que a maioria dos anúncios atuais possibilitam essa coexistência paralela. O acompanhamento online ocorreu em três semanas distintas, espaçadas entre si por dois meses. Ao fim, dizem respeito a 21 leilões, realizados de segunda a sábado, ou a 2.799 automóveis vendidos. Em geral, cada dia realiza pelo menos um leilão, com diferença das segundas-feiras, quando há dois. Para o primeiro dia da semana há um de veículos recuperáveis, que podem voltar a circular depois da regularização da compra, e um de veículos irrecuperáveis, “sucatas”.

  • 4 Para comprar nos sites da leiloeira é necessário realizar um simples cadastro no site da organizaçã (...)

5A possibilidade de mensurar a quantidade das vendas, a partir de compradores presenciais ou não, surge baseada nos apelidos dos compradores dos lotes, nos dados disponibilizados após o término do leilão. A informação dos vendidos é repassada sempre ao término, e fica disponível para checagem por uma semana no site. Depois desse curto tempo, os dados somem da página e não ficam mais acessíveis para consulta. Ver aqueles que possuem como apelidos os que remontam a “REGIÃO” ou “AUDITÓRIO”, com suas variações, como “AUDITÓRIO13”, aparece como uma possibilidade para aferir essas vendas, pois, quando não, são compradores online. No último caso, há uma infinidade de apelidos a serem definidos anteriormente, no momento da inscrição4. Evidentemente, esses dados, que possibilitaram a realização de extensas tabelas, relacionaram-se com questões próprias ao campo que apareceram também nos outros sentidos metodológicos.

6Há cerca de duas décadas, quando a inclusão de lances online ocorria para a Alves Armando, aparecia como uma promessa de proporcionar maior comodidade, facilitar as compras e permitir um maior interesse pelos clientes, pelo que era anunciado. Da concorrência, passa a sinalizar que esses mesmos automóveis podem ser disputados de modo simultâneo tanto pela internet, quanto por aqueles que inscrevem fisicamente seus corpos no pátio da organização, na região metropolitana de São Paulo. Arrematantes no site da leiloeira não necessariamente residem na localidade em que os leilões acontecem e, na maior parte das vezes, compradores não sabem com quem disputam a compra. A pessoa do outro lado da tela pode residir em São Paulo, no mesmo estado, ou mesmo em outras cidades de outros estados brasileiros. Costuma ser sinalizada apenas como um nome, com letras maiúsculas e minúsculas, números e símbolos. Passado algum tempo, a internet passa a ser importante para esse segmento, inclusive nas vendas, que costumam ocorrer em maior parte nessa modalidade. Atualmente, São Paulo representa um centro de comercialização de automóveis e autopeças para os demais territórios brasileiros.

7Leilões obtiveram sua regulamentação ainda no ano de 1932, por um Decreto-lei. Hoje ocorrem diariamente, de forma que itens dos mais diversificados são anunciados em espaços, quantidades, tamanhos e condições físicas que variam. Podem divergir desde pequenos materiais de descarte, como sucatas de celulares ou de televisores, até imóveis que colocam elites econômicas mundiais em relação. Quase meio século se passou desde a criação da atividade, em sua prescrição normativa, até o momento que a demanda pela profissionalização da atividade começasse a emergir. A Alves Armando surge no final dos anos 1970 e, desde lá, conquista uma imagem de pioneirismo no circuito dos leilões de veículos. Para muitos, inclusive por atuantes no ramo, ela é definida como uma das maiores da América Latina. Em momentos de falas de leiloeiros, como entrevistas em jornais, é também ela a tomada como proponente dos melhores – e maiores – rendimentos econômicos de quem compra de seus arremates. Suas dimensões históricas são significativas para o próprio desenvolvimento do circuito no país, sobretudo no que se refere aos leilões de automóveis, como quanto à sua pujança econômica na comercialização de veículo.

8Ainda que pareça simples, fazer bons negócios em um leilão não é fácil e, por isso, é recorrente a figura de compradores profissionais em avaliar os produtos leiloados. No caso dos leilões de carros, a figura do comprador profissional é ainda mais essencial para não perder dinheiro. É ele a figura presente todos os dias de modo presencial, transferindo informações de bons negócios por intermédio da internet, quando constatados, e de modo simultâneo ao andamento dos leilões. Este trabalho tem como recorte os compradores profissionais, nos leilões particulares de veículos que acontecem na região metropolitana de São Paulo, em relação com compradores virtuais que os acionam. É a partir dessa relação que vemos formas de mobilizar a noção de risco, mesclando os espaços online e presencial por meio do envio de fotos, mensagens de texto ou ligações, ou inclusão de lances nos automóveis. Ao longo do texto traço uma rede de compradores, vendedores, e os deslocamentos que tal viabilidade permite entre o online e o offline. Ao final, com o auxílio dos dados referentes às vendas, demonstro a importância da internet para este e, com possibilidade, para outros leilões de veículos.

Por dentro dos leilões: apontamentos iniciais

  • 5 Na tradução da modernidade paulista (CONTI, 2017), algumas das associações com automóveis podem ser (...)

9Desço do ônibus após acionar a parada. O ponto que me dá acesso ao leilão é pela beira da rodovia. Ao meu lado esquerdo, carros, caminhões e outros ônibus passam com uma velocidade relativamente alta. Curiosamente, pelo transporte público tenho acesso a essa extensa região de comercialização de automóveis particulares5.

10Ando poucos metros à minha frente e logo começo a ver a caixa d’água, alta, com as iniciais e cores da organização leiloeira. Trata-se de dois “A” em branco, suas iniciais, em um fundo roxo. Alves Armando, o nome da leiloeira. Conforme sigo ao lado da rodovia, visualizo um fluxo de máquinas entrando e saindo do estabelecimento. Poucas pessoas encontravam-se à minha frente para entrar no local nesta manhã de terça-feira. De segunda a sexta-feira, o horário de funcionamento do pátio em Guarulhos é das oito horas da manhã às cinco da tarde. Aos sábados esse horário muda: reduzido, ele é aberto apenas durante quatro horas, das nove da manhã à uma da tarde. O leilão de automóveis recuperáveis, que começa sempre às 11h, permite um tempo de três horas para que haja a vistoria dos veículos.

11Já no local do pátio, a primeira ação a ser realizada para entrar no lugar consiste em apresentar um documento com foto para fazer algum tipo de procedimento da leiloeira. Ele é realizado logo na entrada do estabelecimento, ao lado do estacionamento dos carros de funcionários, compradores, visitantes, curiosos e outras pessoas, em poucos segundos. Não mais do que um minuto é necessário para esse registro. Nesse primeiro momento é facilmente constatado um fluxo relativamente alto de máquinas, de modo que empilhadeiras e caminhões-cegonha levantam e levam os automóveis de um lado para o outro. No primeiro cadastro o funcionário pede para tirar uma foto com uma webcam e fornece em troca um crachá que aciona a catraca e libera o acesso. A partir daí, todos os dias que formos iremos receber um catálogo impresso com as vendas daquela data, logo na entrada, que é o mesmo disponibilizado para download no dia anterior, no site da companhia leiloeira.

12Geralmente, conforme vi, esse procedimento de anunciar os lotes no dia anterior ocorre apenas após o término do leilão atual, no meio da tarde, e encaminhando para as últimas horas de sol. Dessa forma, possíveis compradores, interessados e curiosos podem já começar a dar lances por intermédio de seus computadores, celulares e quaisquer outros dispositivos com acesso a uma rede de internet. Podem, também, acionar compradores profissionais para a vistoria dos itens no dia seguinte, nos momentos do pátio abertos para a visitação. Facilita-se a concorrência pelos veículos, já com antecedência.

13Nos espaços físicos onde os leilões são realizados, vemos uma diferenciação entre dois momentos: no lado de fora o momento do pátio, onde há um fluxo de pessoas por entre os espaços que distanciam os bens, e o do auditório, do lado de dentro, onde o leiloeiro fica. É no segundo que os lotes são disputados por possíveis compradores. A comunicação entre pátio e auditório acontece na medida em que primeiro há uma constatação dos itens que serão leiloados no dia pelos participantes, para que, somente depois, haja a inscrição física de alguns deles no espaço de disputa.

14Haja vista que muitos dos compradores não conseguem realizar o deslocamento até a região sempre que se interessarem ou precisarem de algum lote e contactar pessoas para realizar a vistoria passa a ser uma alternativa viável. As vendas realizadas pelo leiloeiro não se restringem à região da metrópole, o que informa que muitos desses compradores não são da localidade e que as relações feitas a partir do leilão conectam circuitos dos mais diversos, em áreas também muito diversas. Devem ser apreendidas como conectando diferentes práticas, saberes, movimentos e espaços. A internet é fundamental nesse sentido, seja para as compras e vendas online, seja para compradores online que acionam profissionais.

No pátio, de olho no celular, de frente para a tela.

Pátio do leilão.

Fonte: Arquivo do autor, 2020.

15Nos pátios, compradores profissionais estão presentes de segunda a sábado e, às vezes, em mais de uma vez na semana. Em geral, a maioria dos que frequentam na modalidade presencial são homens, quase que sem exceção, com idade média em torno de 40 anos. Há um número considerável de homens vistoriando os carros, que a todos os momentos conversam em seus aparelhos celulares por entre os espaços que distanciam os automóveis uns dos outros. Sua inscrição pelo espaço é premeditada, ainda, por certas normas. Muitos desses procedimentos são informados pela organização leiloeira e operacionalizados no cotidiano pelos seguranças do espaço. É sabido com unanimidade pelos presentes, por exemplo, que não se pode adentrar nos veículos e dar partida. É também de conhecimento deles que fotos e vídeos dos veículos não podem ser realizados. Por vezes, seguranças do alto das guaritas aplicam sanções aos que se dispõem a realizar tais imagens.

16Nos leilões de veículos, compradores profissionais são parte significativa de quem possui conhecimento e expertise sobre como avaliar boas oportunidades de lucros. Costumam estar sozinhos, mexendo em seus smartphones. Levando-os à altura da orelha ou mantendo-os em um ângulo perpendicular ao chão, com a câmera apontada para os carros eles tiram fotos, conversam, gravam mensagens de áudio ou escrevem em aplicativos destinados à troca de mensagens de seus celulares, distanciando-se dos olhos que vigiam. Falam dos lotes para quem está do outro lado da linha, pelos celulares, quando acionados. Pelas mensagens comunicam sobre as condições gerais dos carros, sem poder dar partida. Através das frestas dos automóveis tentam informar possíveis reparos, bem como assegurar que determinadas peças estão devidamente em seus lugares. A inclusão dos lances virtuais, na simultaneidade presencial e online, possibilitou alternativas em seus usos quando comparados às concepções iniciais planejadas pela leiloeira. Se era prevista como comodidade, facilidade na escolha ou maior lucratividade, hoje facilita que a oferta de serviços de avaliação de bons negócios seja demandada por compradores online. Formam-se, assim, deslocamentos entre o offline e o online que colocam em movimento carros, saberes, dinheiro e confiança. Mesmo que seja algo que não possa ser realizado, essas imagens são repassadas com cautela e o uso dos aparelhos digitais não é nenhuma anormalidade pelos presentes.

17Do outro lado da linha, podendo estar em regiões das mais diversas, quem recebe essas avaliações pondera entre ofertar ou não lances. Essa oferta pode ocorrer de diversas formas, como nos sites da leiloeira pelos compradores online que recebem essas informações, ou então pelos profissionais de dentro dos pátios, em nome dos primeiros. Como não é possível ofertar lances presencialmente em nome de outra pessoa, compradores profissionais utilizam-se da internet para este fim. Costumam estar logados no cadastro de quem os aciona. Nas tentativas de compra dos automóveis, traduzida empiricamente em lances, há também certas normas de conduta entre os compradores especializados. Eles sabem, por exemplo, que não é vantajoso atravessar a compra de outra pessoa em um lote, já que significa um acréscimo de valor dos automóveis, ganhos maiores para a leiloeira – e riscos de perdas monetárias por aqueles que se interessam.

18No geral, os compradores virtuais aparecem marcados pela impessoalidade possibilitada pela conexão da rede de internet. Dos que estão no site da leiloeira, conhecem quando muito o leiloeiro, através de matérias publicadas – o que não se trata, evidentemente, de um conhecimento direito -, e os homens que – e quando – acionam. Dos que estão nos pátios, poucos se conhecem e, na maioria, apenas os compradores profissionais se identificam porque estão sempre nos leilões. Evidentemente, nem todos os presentes no pátio são compradores profissionais, como nem todos os compradores virtuais os acionam. Essa noção surge mais como uma possibilidade do que uma regra geral, conforme pude observar. Acionar é realizado mediante confiança, contatos, pagamentos, e há os compradores online que se contentam apenas com as imagens divulgadas nos catálogos de venda pela leiloeira.

19Vi poucas mulheres no local, o que não anula a possibilidade de serem compradoras nos sites de leilões. A diferença é que nesse “cortejo de carros”, feito de homens e para homens, a maioria dos espectadores que acompanham de perto e de dentro dos auditórios e pátios, para usar os termos de Magnani (2002), são do sexo masculino. Afinal, se formas pessoalizadas de condução apareçam como constitutivas da própria subjetividade dos motoristas (Damatta; Vasconcellos; Pandolfi, 2010), é por meio da automobilidade que masculinidades, sobretudo as hegemônicas, são construídas nas performances violentas do trânsito (Balkmar, 2018). Ainda que homens e mulheres possam dirigir o automóvel ou comprá-los em um leilão, as noções de liberdade e movimento compartilhadas pelo carro se relacionam com um domínio e identidade masculina (Balkmar, 2012).

20O uso do aparelho celular no pátio não é nenhuma anormalidade e incidem diferenças nos usos aprovados e rejeitados. Há os mais tolerados, como a troca de mensagens de texto ou ligações, como há aqueles reprovados, dos quais configura a troca de imagens próximas aos veículos. Em dado momento, presenciei um homem realizando imagens. Estava perto do automóvel do pátio de veículos, cerca de um metro de distância. Do alto da guarita, o segurança responsável deu um toque de alerta. “Não pode tirar foto aí!”, anunciou, alto suficientemente para que todos ao redor pudéssemos escutar, mas calmo o suficiente para ser uma primeira corretiva. Caso acontecesse novamente com ele, naquele dia, provavelmente a sanção seria diferente. “Só atendendo uma ligação, patrão”, o outro respondeu de uma distância considerável do segurança.

21Utilizar o celular no local, inclusive como forma de anotar acontecimentos para que posteriormente fosse redigido o diário de campo, surgiu como maneira diferente de experienciar e de performar meu próprio corpo no espaço. Falo isso, pois, em um contexto em que os presentes são consideravelmente mais velhos do que eu, que tenho 21 anos e não aparento mais do que isso, tais homens podem não me ver como um curioso, mas como alguém que, assim como eles, transmite informações para o outro lado da rede de dados – talvez para parentes, um tio, um amigo da família que compra em arremates, algum conhecido. Quando me aproximo, não se sentem desconfortáveis ou mudam rapidamente de assunto, mas continuam trocando mensagens de áudio e realizando ligações com quem está do outro lado da linha.

22Essa identificação, em oposição a outras associações, é importante para que haja uma aproximação física dos nossos corpos no ambiente e, assim, para que a presença de um jovem em um local de homens mais velhos não cause maiores julgamentos ou desconfianças. Do outro lado, se podem me ver como um igual nesse sentido, a diferença acumulativa de idade no que diz respeito a um acréscimo de conhecimento técnico e especializado, na medida de conhecer peças e avaliar um bom negócio, por parte deles, pode representar um fator de distanciamento entre nós, comparado e dirigido especialmente a mim. De um jeito ou de outro, me valer do dispositivo eletrônico possibilitou uma incursão diferente da que poderia realizar sem ele. Se há ou não efetividade em ser um “deles”, passo a sentir a eficácia simbólica da imagem do segurança - e um possível alvo de sanção.

No auditório, de frente para o leiloeiro

2311:40. As vendas estão prestes a começar nesta terça-feira. Na sala do auditório em que os lotes são postos à venda e anunciados pelo leiloeiro, um número pequeno de pessoas que acompanham todo o processo. As cadeiras sugerem mais de cem assentos, mas o fluxo de pessoas entrando e saindo na sala é grande. Nunca passam das vinte ocupadas. Para os presentes, esse momento é o que sucede a constatação dos bens nos pátios. Sentados, ficamos todos de frente para o leiloeiro. Há a presença de televisores de LCD fixados nas paredes, que repassam imagens dos lotes com a figura do leiloeiro pichada, em tempo real e com má qualidade. Essas imagens dos televisores do auditório são as mesmas transmitidas para quem acompanha o leilão pelo site da organização leiloeira.

Auditório virtual da organização leiloeira.

Fonte: Arquivo do autor, 2020.

24O leiloeiro que anuncia as possíveis vendas fica sentado, localizado acima do nível das cadeiras de plástico em que nós, espectadores, estamos. Na mão direita segura uma caneta, que utiliza para escrever algo sempre ao final das vendas. Registra algo sempre que bate o martelo. Divide o tempo entre suas falas, as batidas e as anotações em um ritmo acelerado. A rapidez com a qual fala é algo que impressiona.

25Na fala do leiloeiro vemos um dinamismo imprevisível, uma extrema capacidade de promover situações eventuais, mas que, ainda assim, obedece às normas do local que disciplinam a competição. Essas regras de conduta balizam a forma como é realizado o próprio procedimento das vendas, de forma que o leiloeiro as “gerencia” sobretudo por aspectos econômicos dos carros. É ele que intercala frases, como possíveis reparos que os automóveis podem passar após a venda, em um ritmo acelerado, puxando os possíveis compradores para o centro do que é posto em transação. Brincadeiras jocosas com os funcionários, com os que assistem ou mudanças alternadas que caricaturam sua voz também fazem parte do arsenal mobilizado pelo leiloeiro. Onde todos são vistos como possíveis compradores, dirigir-se a eles através da fala, estreitando as relações antes marcadas pela impessoalidade, é uma das táticas que o leiloeiro admite. Esse método pode aparecer muito bem nas vendas mais calorosas, isto é, naquelas que despertam um interesse maior nos participantes, bem como nas frias demais. Todavia, apesar de situações imprevistas, sua fala não é precisamente caótica; com nenhuma dificuldade o leiloeiro realiza tais movimentos. Sua imagem é fundamental para os leilões.

26Olho para o horário. O celular marca 11:53 e poucos foram os que entraram no auditório desde o início. Um homem mais velho deu um lance presencialmente, talvez um dos únicos do dia que fora realizado pelos que ali estavam. Estava acompanhado de outras duas mulheres, ambas sentadas ao seu lado. Uma delas aparentava ter a sua idade, cerca de cinquenta anos, e a outra, mais nova, com cerca de vinte, provavelmente era a filha do casal. O lance, no valor de R$41.700, foi realizado no vigésimo veículo na ordem em que são apresentados. Naquele dia, cerca de vinte automóveis já haviam sido anunciados em pouco mais de dez minutos. A família não conseguiu a compra, já que seu lance foi logo passado pelo dos demais participantes online. Poucos veículos entraram em anúncio na sequência, a família se levantou das cadeiras e seguiu em direção à porta de saída. Decidiram parar antes de começar a perder dinheiro.

27Ainda que nem todos os compradores online acionem compradores profissionais, essa é uma das possibilidades constatadas em campo. A família de compradores no auditório, como contraste, poderia já ter saído de casa com a compra na cabeça, vendo o automóvel nos catálogos de venda no site da leiloeira e sem acionar nenhum avaliador. Não conseguiram dar o maior lance no automóvel, e em poucos segundos o automóvel foi vendido para um comprador do site.

28Hoje, em 2020, as compras pela internet são significativas nos arremates da Alves Armando. Como reflexo nas vendas que acompanhei, das 2.799 assistidas apenas 192 representam compradores que estavam fisicamente nos auditórios, o que, em porcentagem, diz respeito a cerca de 6,86%. Disso, retiramos que um número mais significativo e expressivo é composto por compradores que não dão os lances levantando a mão no “quem dá mais?” do leiloeiro, mas sim por intermédio de uma rede de dados, apertando um botão e de frente para uma tela. Constatar saberes profissionais, especializados em averiguar condições de carros, é importante para “tatear” com a noção de risco presente em uma compra pela internet, buscando minimizá-la neste e, possivelmente, também em outros leilões de veículos da grande São Paulo.

Conclusão

29O trânsito pelos espaços presencial e virtual dos leilões por alguns compradores, tendo relação com processos históricos de inclusão de lances online no site da leiloeira, acaba por permitir movimentos e efeitos próprios para aqueles que se apropriam desse mecanismo de forma criativa. Esses resultados não eram os esperados pela organização leiloeira no momento de inclusão dos lances nas plataformas virtuais, ainda que a internet seja hoje fundamental para o segmento. No texto, trouxe esse trânsito entre o online e o offline nas possibilidades de compradores online, que podem residir em territórios que não apenas no estado de São Paulo, e que acionam especialistas em averiguar bons negócios.

30A viabilidade dos leilões presenciais, em simultaneidade online, favorece com que a oferta de determinados serviços seja criada e demandada. Compradores profissionais são fundamentais aqui, já que possuem um conhecimento técnico e especializado na avaliação e compra de bons negócios. Eles passam informações para quem está do outro lado da rede de dados, pelo celular, quando acionados por compradores online nos sites da leiloeira. Os saberes dos compradores profissionais, que estão fisicamente nos pátios dos leilões, são acionados pelos compradores online para compreender e minimizar os riscos de uma possível compra.

31Nos leilões, como nos circuitos em relação com ele, cada um retira uma margem de lucratividade de forma muito desigual. Os riscos também são desigualmente distribuídos. Para os trabalhadores que se locomovem diariamente para a região do leilão, a economia diária de R$1,00 no transporte público, aparentemente irrisória, é lucrativa ao final do mês e realmente faz a diferença. Para pequenos estabelecimentos revendedores de carros batidos, que alimentam suas lojas com veículos de leilão, a venda de um carro ou outro é uma oportunidade de negócio. Mas não vendem com a mesma quantidade e rapidez dos leilões, e possuem mais riscos e custos com a compra. Já para a leiloeira e empresas donas dos bens, a venda de centenas de veículos diariamente significa um montante de dinheiro com diferenças abissais quando comparada à lucratividade obtida por pequenos revendedores. Apenas naquela terça-feira, mais de vinte veículos foram anunciados em cerca de dez minutos. Mas aquele leilão, que durou três horas, foi dos pequenos. As desigualdades do circuito leiloeiro são construídas por mecanismos e mercados em relações assimétricas.

Topo da página

Bibliografia

CALDEIRA, Teresa. Cidade de muros: Crime, segregação e cidadania em São Paulo. 2ª ed. São Paulo: Editora 34/EdUSP, 2000. 

CONTI, Lígia Nassif. “Progréssio, progréssio, eu sempre iscuitei falar”: O samba e as narrativas da cidade-progresso. BERTELLI, Giordano Barbin; FELTRAN, Gabriel (orgs). Vozes à Margem: Periferia, estética e política. São Carlos: EDUFSCar, 2017.

BALKMAR, Dag. Violent mobilities: men, masculinities and road conflicts in Sweden. Mobilities, v. 13, n. 5, p. 717–732, 3 set. 2018.

BALKMAR, Dag. On Men and Cars: An Ethnographic Study of Gendered, Risky and Dangerous Relations. Tese de doutorado em Estudos de Gênero. Faculdade de Artes e Ciências. Universidade de Linköping, Suécia, 2012.

DAMATTA, R.; VASCONCELLOS, J. G. M.; PANDOLFI, R. Fé em Deus e pé na tábua. Rio de Janeiro: Rocco, 2010.

MAGNANI, José Guilherme Cantor. De perto e de dentro: notas para uma etnografia urbana. Revista Brasileira de Ciências Sociais. [online], v. 17, n. 49, p.11-29, 2002. ISSN 1806-9053.  https://doi.org/10.1590/S0102-69092002000200002.

ROLNIK, Raquel; KLINTOWITZ, Danielle. (I)Mobilidade na cidade de São Paulo. Estudos Avançados, v. 25, n. 71, pp. 89-108, 2011.

Topo da página

Notas

1 Os nomes das pessoas e da organização presentes neste texto foram alterados com o intuito de preservar as identidades. A escolha pela troca em nada altera o conteúdo das linhas ou qualidade da leitura.

2 Pesquisa realizada com o apoio da FAPESP, processo 2019/05439-0. As opiniões, hipóteses e conclusões ou recomendações expressas neste material são de responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a visão da FAPESP. Agradeço pela leitura atenta e generosa dos/das colegas realizada no NaMargem/UFSCar sobre este texto.

3 Há uma série de termos utilizados em leilão. “Arrematar” diz respeito a comprar, a dar o maior “lance” para um bem leiloado, empiricamente traduzido como “lote”. Para facilitar a leitura, termos êmicos, utilizados em leilão pelos interlocutores, serão grafados em itálico.

4 Para comprar nos sites da leiloeira é necessário realizar um simples cadastro no site da organização. Esse procedimento não demora mais do que cinco minutos. Para realizá-lo, basta preencher dados cadastrais que levam em conta documentos como RG e CPF.

5 Na tradução da modernidade paulista (CONTI, 2017), algumas das associações com automóveis podem ser vistas na produção de segregações socioespaciais (CALDEIRA, 2000), ou expressando a crise de mobilidade (ROLNIK, KLINTOWITZ, 2011).

Topo da página

Índice das ilustrações

Legenda Pátio do leilão.
Créditos Fonte: Arquivo do autor, 2020.
URL http://journals.openedition.org/pontourbe/docannexe/image/9717/img-1.jpg
Ficheiro image/jpeg, 276k
Legenda Auditório virtual da organização leiloeira.
Créditos Fonte: Arquivo do autor, 2020.
URL http://journals.openedition.org/pontourbe/docannexe/image/9717/img-2.png
Ficheiro image/png, 113k
Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

Luiz Gustavo Simão Pereira, «Por dentro dos pátios, de frente para a tela: Apropriações e indicativos da presença de smartphones em um leilão na região metropolitana de São Paulo.»Ponto Urbe [Online], 27 | 2020, posto online no dia 28 dezembro 2020, consultado o 21 janeiro 2021. URL: http://journals.openedition.org/pontourbe/9717; DOI: https://doi.org/10.4000/pontourbe.9717

Topo da página

Autor

Luiz Gustavo Simão Pereira

Graduando em Ciências Sociais pela Universidade Federal de São Carlos. É membro do NaMargem – Núcleo de Pesquisas Urbanas, também da Universidade Federal de São Carlos. E-mail: luizpereira@estudante.ufscar.br

ORCID: https://orcid.org/0000-0002-7146-7471

Topo da página

Direitos de autor

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Topo da página
Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search