Navegação – Mapa do site

InícioNúmeros27EditorialEditorial

Editorial

Editorial

Ana Letícia de Fiori e Juliana Caruso

Texto integral

1A Revista Ponto Urbe, do Laboratório do Núcleo de Antropologia Urbana, completa treze anos em 2020, chegando com esta edição ao seu 27° número. No curso de vida da revista, trata-se de um adolescer, um coming of age, também dotado de seus ritos de passagem e momentos de liminaridade. Continuamos realizando todas as atividades de editoração de modo remoto, resguardando tanto possível a saúde de nossa comissão editorial, de acordo com as recomendações sanitárias da OMS.

2No editorial passado, informamos a reformulação do estatuto da revista e sua inserção em importantes indexadores, esforço que continuou no número atual, com o acréscimo dos indexadores OAJI.net - Open Academic Journals Index, REDIB - RED iberoamericana de innovación y conocimiento científico, Sumarios.org, ICI - index copernicus international e Eriplus - european reference index for the humanities and social sciences, ERIH PLUS - European Reference Index for the Humanities and Social Sciences, graças ao empenho de nosso estagiário Stefano Alfarelos. Para os próximos números, outras mudanças no processo editorial serão realizadas, de modo a evitar ruídos de comunicação e agilizar processos. Ainda assim, a Revista Ponto Urbe mantém seu compromisso de oferecer um espaço plural de publicação e interlocução, aberto a contribuições de pesquisas feitas em diferentes regiões do Brasil e do mundo, em todos os níveis de formação, das pesquisas iniciais de graduação (abrigadas em nossa seção Etnográficas) a artigos de ampla repercussão no campo.

3No dia 19 de novembro de 2020, realizamos mais uma edição do Urbe em Foco, evento da Ponto Urbe para promover um debate ao vivo sobre discussões presentes na revista. A controvérsia sobre a manutenção ou derrubada de monumentos, logradouros e outras homenagens a personagens históricos envolvidos com a violência colonial, racista e das ditaduras, nos Estados Unidos como no Brasil, é a tônica desta edição do evento. Assim, o artigo publicado na edição 25, “Os bandeirantes ainda estão entre nós”, de nossa editora Thaís Waldman, ensejou a realização do Urbe em Foco "Monumentos em queda, efemérides em ascensão: conhecimento, imaginação e memória em debate", realizado em parceria com o Laboratório Social. O evento contou com a participação de nosso novo editor Alexandre Araújo Bispo (Antropólogo/USP), Maria Aparecida Lopes (Historiadora/UFSB), Solange Ferraz Lima (Historiadora/Museu Paulista-USP), Evandro Prado (Artista Visual - selecionado na 29ª Edição do Programa de Exposições do CCSP) e mediação de Thaís Waldman (Antropóloga/USP). O debate pode ser acessado no canal do YouTube do Laboratório do Núcleo de Antropologia Urbana por este link.

4Em sua oitava tese Sobre o conceito de história, Walter Benjamin escreveu que “O assombro com o fato de que os episódios que vivemos no séculos XX ‘ainda’ sejam possíveis, não é um assombro filosófico”. A advertência ainda vale para estas décadas iniciais do século XXI em que vivemos, nas quais o obscurantismo e o negacionismo científico são instrumentos da necropolítica de que nos fala Achille Mbembe, gerando uma névoa epistemológica (na expressão utilizada em Xamanismo, Colonialismo e o Homem Selvagem por Michael Taussig, autor traduzido nessa edição) de desinformação, medo, ressentimento e violência. A tarefa sisífica que nos cabe, nesse sentido, é continuar a aposta na defesa da livre produção, acesso e disseminação do conhecimento científico - que agora recebe novos ataques com os cortes de financiamento das agências de fomento - reconhecendo o papel fundamental das ciências humanas, e da antropologia e do olhar etnográfico em particular, na compreensão da pandemia de Covid-19 como um fato social total (talvez o maior que testemunhamos em muito tempo), de emergências e manifestações distintas em diferentes contextos e segmentos da população.

5Assim, esta edição apresenta o dossiê "Dias de pandemia: uma descida ao cotidiano da doença", organizado por Denise Pimenta (USP), Natália Fazzioni, Rodrigo Bulamah e Caetano Sordi. Questões sobre a inteligibilidade da pandemia, os universos semânticos e pragmáticos que por ela se enfeixam e seus efeitos sobre corpos e vidas são abordados nos artigos de Tiago Lemões, em uma crítica de inspiração pós-colonial voltada aos discursos sobre a população em situação de rua, e Túlio M. Franco, analisando como os circuitos metafóricos do Covid-19 determinam a dinâmica da pandemia no Brasil, inflexionada por marcadores de “raça”, “gênero” e “classe”. Marcadores sociais da diferença recortam as abordagens de Fabiane V. dos Santos, sobre as ausências das políticas públicas de saúde para indígenas urbanos e o protagonismo de mulheres indígenas em Manaus; Mona Lisa da Silva e Vera Rodrigues, a partir dos relatos de mulheres negras de Fortaleza/CE; e de Eugenia Brage, sobre as mulheres bolivianas no bairro do Bom Retiro, São Paulo/SP, em seus itinerários terapêuticos. Políticas públicas de saúde, violência e racismo são também debatidas por Flávia Medeiros e Priscila dos Anjos, no contexto de Florianópolis; enquanto o jogo de visibilidades e invisibilidades de certas doenças na Argentina é analisado por Andrea Mastrangelo. Rosenilton Oliveira aborda os sentidos da benção Urbi et Orbi realizada pelo Papa Francisco, no Vaticano, situando discursivamente a Igreja Católica nos enunciados na esfera pública sobre a pandemia. Já os enunciados e agenciamentos sobre a cloroquina, a medicalização da política e suas controvérsias são mapeadas por Flora R. Gonçalves. O dossiê conta ainda com a entrevista denominada “De vírus e caçadores”, com Fréderic Keck, do Laboratoire d’Anthropologie Sociale du Collège de France, realizada por Caetano Sordi e Rodrigo Bulamah, disponível em inglês e português.

6Na seção regular de Artigos, em Prelúdios da aprendizagem com Mestra Paulina Composições, multiplicidade e contramestiçagem, de Emília G. Mota, a autora reflete sobre as multiplicidades e as imagens da Umbanda como religião brasileira a partir do contato com a Mestra Paulina em uma casa de Umbanda em Goiás. Em Internet e trabalho de campo antropológico: dois relatos etnográficos de Cristina Marins, a autora apresenta um debate sobre o trabalho de campo com auxílio de ferramentas digitais em redes sociais levantando o debate sobre categorias que podem transitar nesses contextos, como circuito. O artigo Ocupamos as ruas com estandartes, confetes e serpentinas mostrando que o Rio é nosso”: O carnaval dos blocos de rua como espaço de luta política pelo direito à cidade das autoras Marina Bay Frydberg, Ana Clara V. Martinez Veras Fereira e Emily Cardoso Dia discutem, através dos blocos de rua na cidade do Rio de Janeiro o direito à cidade. apoiadas em autores como Lefebvre e Harvey. Phelipe Caldas Pontes Carvalho, em sua etnografia junto a torcida organizada do Botafogo da Paraíba, “Mais uma gelada, por favor”: um debate sobre a tentativa de criminalização do consumo de bebidas alcoólicas em estádios de futebol” coloca em evidência as sociabilidades e discussões que a proibição do consumo de bebidas alcoólicas suscita no contexto futebolístico. Tocando no tema do esporte, Simone P. da Costa Dourado aborda questões de gênero e de profissionalização no xadrez em seu artigo: Esporte e sociedade: gênero como categoria de análise na prática do xadrez. O artigo Homens, pés e desejo: notas etnográficas sobre a performance da adoração no fetiche da podolatria masculina, no Brasil e nos Estados Unidos, de Ribamar José de Oliveira Junior, explora a discussão em torno do fetiche da podolatria masculina , a partir de uma pesquisa realizada em redes sociais entre 2019-2020 no Brasil e Estados Unidos. Em Carnaval na Amazônia: o bloco do Laurso, os autores Antonio Cleison Soares dos Santos e Wanessa Pires Lott abordam o carnaval em Fernandes Belo. Neste festejo, os participantes usando “ materiais retirados da natureza”, caracterizam-se em animais que ao fim das festividades, morrem para ressuscitar no ano seguinte. La Migration et Marseille: un rapport entre la mer et l’urbanité (Migração e Marselha: uma relação entre o mar e urbanidade) de Otávio Amaral da Silva Corrêa aproxima dois eixos para pensar a cidade de Marseille hoje, bem como sua relação com a imigração a partir de uma etnografia realizada entre 2018 e 2019. Neste artigo, o autor busca recuperar Marseille como berço de trocas entre diferentes culturas ao longo do tempo.

7Neste número, a seção Etnográfica conta com seis relatos do Brasil e um de Moçambique que nos convidam a olhar para diferentes assuntos e sujeitos. Por dentro dos pátios, de frente para a tela: Apropriações e indicativos da presença de smartphones em um leilão na região metropolitana de São Paulo, de Luiz Gustavo Pereira, fala sobre os leilões de automóveis e as novas interações digitais nesse evento. Em Terceiras margens da cidade: a experiência do povo de rua, de Giovanna Bernardino, a autora busca explorar a partir de uma “terceira margem” da urbe as experiências etnográficas vividas junto aos interlocutores que fazem das ruas sua morada na cidade de São Paulo. Em fevereiro tem carnaval: blocos e sociabilidades de rua em Porto Alegre/RS, é o relato de campo de Joanna Munhoz Sevaio sobre a cena noturna e o carnaval no bairro Cidade Baixa em Porto Alegre, RS. Outro relato de campo sobre o Rio Grande do Sul é apresentado por Yasmim Stella D. Marcucci em O ‘Típico’ importado: A Memória Construída do Rio Grande do Sul. Nesta pesquisa ainda em andamento, a autora descreve como as noções de “ típico” e de herança da imigração europeia influenciam discursos e identidades na região do Vale dos Vinhedos. “Desta Vez o Gatuno Não Passa”, de Miguel Joaquim J. Muhale, versa sobre o contexto das eleições gerais de 2019 em Moçambique. O embate entre a Frelimo (Frente de Libertação de Moçambique e a Renamo (Resistência Nacional Moçambicana) estão no cerne desse relato. Por último e não menos importante, a etnográfica “Hoje tem festa na favela": notas etnográficas sobre um campo de futebol de subúrbio em Fortaleza, de Guilherme Custódio da C. Filho, nos apresenta as diferentes cenas e contextos do futebol nas “Areninhas” do bairro Pirambu, na cidade de Fortaleza, CE.

8A seção Cirkula deste número conta com o texto Expériences olfactives de la ville pour le piéton, David Le Breton, apresentado pelo autor durante a palestra proferida em setembro na FAU-USP junto à programação de palestras abertas “Fau Encontros”. Ainda nesta seção, disponibilizamos este artigo traduzido para o português por Tiago Hyra Rodrigues e Juliana Caruso assim como o link da gravação do evento.

9A Tradução desse número foi realizada por Carolina Parreiras e Juliana Valente. Em “NYPD Blues”, publicado originalmente em Walter Benjamin’s Grave (2006), Michael Taussig retoma a discussão de BEnjamin em “Para uma crítica da violência”, sobre o papel ambivalente da polícia como força que funda e conserva o direito, chamada por Taussig de “terra de ninguém”, para um relato etnográfico ensaístico sobre a polícia estadunidense, em um diálogo que passa também por Freud, Bataille e Thomas Hobbes. As tradutoras acrescentam ao texto uma nota, refletindo sobre a atualidade do texto diante do movimento Black Lives Matter e da violência policial no Brasil.

10Na seção Entrevista, também de terras estrangeiras, Lígia Ferro fala a Barbara Cortes sobre o universo do Le Parkour em Portugal, De traceuse para traceuse.

11O número 27 da revista conta com três Ensaios Fotográficos. Jonatha V. Santos traz imagens de ocupações juvenis do espaço urbano, acompanhando diferentes coletivos em Sergipe; de Periperi, bairro do Subúrbio Ferroviário de Salvador (SFS), Marina Silveira Muniz Ferreira, Atailon da Silva Matos Silva, Eliana Juriti, José Eduardo Ferreira Santos e Thaís Troncon Rosa trazem paisagens que revelam tensões entre moradores, o mercado imobiliário, e o poder público, memórias, pertencimentos e transformações; por fim, Jeferson Carvalho da Silva, Wanessa Marinho Assunção e Lidyane Souza Querino tem como personagem principal de seu ensaio o Edifício Alcântara, morada de muitas narrativas de Viçosa/MG.

12Guillermina Carreño nos oferece uma Resenha do livro Imaginários políticos e religiosos ao sul da América Latina de Mauro Meirelles (Porto Alegre: CirKula, 2016), um trabalho etnográfico e comparativo entre Buenos Aires, Montevidéu e Porto Alegre, abordando a transnacionalização de práticas religiosas por meio de fluxos político-religiosos e propondo uma matriz cultural cisplatina.

13Manifestamos nossa solidariedade a todos, todas e todes que perderam alguém nesse ano tão difícil. Desejamos que tenhamos força para resistir e condições para atravessar este período tempestuoso, mantendo uma ética de cuidado e cooperação, construindo e preservando, como diz Donna Haraway em Staying with the trouble (2016), nossos refúgios. Uma boa leitura e, principalmente, saúde. Atotô!

Editora Executiva e Editora Assistente da Ponto Urbe

Topo da página

Índice das ilustrações

Legenda Editora Executiva e Editora Assistente da Ponto Urbe
URL http://journals.openedition.org/pontourbe/docannexe/image/9897/img-1.png
Ficheiro image/png, 13k
Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

Ana Letícia de Fiori e Juliana Caruso, «Editorial»Ponto Urbe [Online], 27 | 2020, posto online no dia 27 dezembro 2020, consultado o 21 janeiro 2021. URL: http://journals.openedition.org/pontourbe/9897; DOI: https://doi.org/10.4000/pontourbe.9897

Topo da página

Autores

Ana Letícia de Fiori

Professora do Curso de Ciências Sociais da Universidade Federal do Acre.

E-mail: morgotia@gmail.com

Artigos do mesmo autor

Juliana Caruso

Pesquisadora associada ao HYBRIS (Grupo de Estudo e Pesquisa sobre Relações de Poder, Conflitos, Socialidades) PPGASUSP-; LAPOD (Laboratório de Estudos Pós-Disciplinares) IEB / USP

E-mail: ju.limacaruso@gmail.com

Artigos do mesmo autor

Topo da página

Direitos de autor

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Topo da página
Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search