Navegação – Mapa do site

InícioNúmeros12LivrosSaúde da população negra

Livros

Saúde da população negra

Marcos Teixeira de Souza
p. 165-166
Referência(s):

Luís BATISTA, Jurema WERNECK, Fernanda LOPES, Tânia MÜLLER (org.)2012: Saúde da População Negra, 2ª edição, Brasília: Associação Brasileira de Pesquisadores Negros 328 p.

Texto integral

1Portugal, Brasil e diversas nações africanas viram-se irmanadas conflitivamente, se é que se pode usar este termo paradoxal no tocante à escravidão de milhões de africanos levados para o Brasil e para outras regiões das Américas. Neste contexto, estudar e entender a Diáspora Africana colabora no sentido de reflectir os efeitos sociais, culturais e políticos entre diversas nações impactadas pela escravidão. Ainda que tais efeitos não sejam modificados no tempo presente não significa dizer que eles devam ser esquecidos.

2Em 1845, com o Act Bill Aberdeen, que determinava a proibição do tráfico de africanos, com outras pressões internas e externas, paulatinamente as nações latino-americanas se viram obrigadas a abandonar o sistema escravocrata, passando a adoptar, em algumas destas nações latino-americanas, a imigração de europeus (em especial, italianos, alemães, entre outros grupos étnicos) para povoamento e para o trabalho em lavouras.

3Nesta política de imigração do governo imperial brasileiro, eram evidentes duas intenções: construir uma alternativa ao trabalho escravo; e substituir o negro pelo homem branco, amparados pelas teses consideradas, à época, científicas sobre a inferioridade da raça negra, supostamente assim justificando a procura por um novo modelo de nação, em que o homem branco figuraria como símbolo do desenvolvimento socioeconómico.

4Depois de longas décadas, a Abolição da Escravidão, em 1888, a criação da Secretaria Especial da Promoção da Igualdade Racial – SEPPIR, em 2003, no governo do Presidente Luís Inácio Lula da Silva, pode ser considerada como um passo decisivo para que o governo brasileiro agisse contra a histórica assimetria entre brancos e negros no país, mobilizando diversas esferas governamentais e não-governamentais, em especial, na área da Educação e da Saúde.

5Por meio de uma parceria entre o Ministério de Saúde, a Associação Brasileira de Pesquisadores Negros (ABPN) e do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), a obra Saúde da População Negra (2012), organizada pelos especialistas Luís Eduardo Batista, Jurema Werneck e Fernanda Lopes; e coordenada por Tânia Mara Pedroso Muller, aprofunda a importância da equidade racial como um elemento central, posicionando a saúde em relação ao negro não como um favor do Estado a ele, mas como um direito.

6Ao longo da obra, constituída de dezasseis capítulos, o racismo perpassa como um processo secular, que deixou profundas marcas sociais na sociedade brasileira, Como contraponto, detendo-se na esfera da Saúde, a obra caminha para o entendimento de que políticas públicas direccionadas para a população afrodescendente são essenciais e urgentes para mudar o quadro problemático quanto à assistência deste segmento populacional.

7Historicamente, a população afrodescendente no Brasil teve menor acesso aos serviços de saúde. Neste contexto, o racismo oculto e institucional, acredita-se, ainda se encontram muito presentes nas entidades hospitalares, o que faz a obra um livro de contribuição relevante para repensar os atores sociais e as dinâmicas sociais e profissionais neste âmbito, introduzindo novas atitudes e práticas entre os profissionais da saúde.

8Assim, a obra mostra uma possibilidade de ruptura entre as gerações afrodescendentes anteriores e actuais, tendo como epicentro de discussão a noção de que a inacessibilidade ou baixa acessibilidade aos serviços de saúde para os afrodescendentes, não dados outrora, evidencia o papel do Estado de promover políticas públicas para o acesso igualitário de todos à saúde, independente da cor de pele ou outras diferenças.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Marcos Teixeira de Souza, «Saúde da população negra »Revista Angolana de Sociologia, 12 | 2013, 165-166.

Referência eletrónica

Marcos Teixeira de Souza, «Saúde da população negra »Revista Angolana de Sociologia [Online], 12 | 2013, posto online no dia 01 fevereiro 2015, consultado no dia 20 junho 2021. URL: http://journals.openedition.org/ras/694; DOI: https://doi.org/10.4000/ras.694

Topo da página

Autor

Marcos Teixeira de Souza

Analista em Ciência e Tecnologia no Instituto Nacional de Câncer (INCA) do Ministério da Saúde, Mestre em Letras e Ciências Humanas pela Unigranrio. É membro e Investigador Assistente do Centro de Estudos Afro-Asiáticos (Rio de Janeiro, Brasil). É co-editor do livro Diversidade & Exclusão. Reflexões e caminhos para o diálogo (2011).
[e-mail: Marcos.Souza@inca.gov.br]

Topo da página

Direitos de autor

© SASO

Topo da página
Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search