Navegação – Mapa do site
Recensões

Meintjes, Sheila; Anu Pillay; Meredeth Turshen (orgs.), The Aftermath: Women in Post-Conflict Transformation

Katia Cardoso
p. 166-169
Referência(s):

Meintjes, Sheila; Anu Pillay; Meredeth Turshen (orgs.), The Aftermath: Women in Post-Conflict Transformation. London: Zed Books, 2002, 258 pp.

Texto integral

1A criação da Plataforma para a Acção, na Quarta Conferência Mundial sobre Mulheres (Pequim, 1995) e a aprovação, pelo Conselho de Segurança das Nações Unidas, da Resolução 1325 (2000) sobre Mulheres, Paz, Segurança e Direitos Humanos constituem marcos importantes da adopção de uma perspectiva atenta à diferença sexual em todos os esforços de prevenção e resolução de conflitos, bem como na reconstrução pós-bélica. Os discursos e as práticas institucionais, no que diz respeito ao papel da mulher no terreno dos conflitos e da reconstrução pós-bélica têm evoluído ao longo dos tempos. Todavia, existe ainda um longo caminho a percorrer. As mulheres continuam a ser consideradas, de forma estereotipada, como simples vítimas, como actores passivos da transformação social, e a ser relegadas para um plano secundário.

2Este livro pretende ir além desta abordagem e contribuir para a criação de um novo quadro teórico de análise das experiências das mulheres nas sociedades fustigadas pelos conflitos armados. A obra, coordenada por Sheila Meintjes (Universidade de Witwatersrand), Anu Pillay (Masimanyane Women’s Suport Centre e Tshwarnag Legal Advocacy to End Violence against Women) e Meredeth Turshen (Universidade de Rutgers), surge na sequência de duas conferências e um encontro. Nestes eventos, onde participaram cientistas sociais, activistas, representantes de organizações internacionais e ONGs de todo o mundo concluiu-se, em termos gerais, que não era concedida às mulheres a possibilidade de participar activamente na reconstrução de sociedades devastadas por conflitos. Prova disso é a perpetuação da violência e a marginalização por elas sofridas no pós-guerra, mantendo inalterado o quadro de relações ditado pelo sistema patriarcal. Para as sociedades devastadas por conflitos em geral, e para as mulheres em especial, o processo de reconstrução é muito mais moroso e exigente do que o fim das hostilidades.

3Este livro é composto por duas partes, nas quais são abordados os problemas e os desafios que as mulheres enfrentam durante e após os conflitos armados. Na primeira parte, constituída por seis capítulos, apresenta-se um novo quadro teórico, que pretende revolucionar a forma como se analisa a participação das mulheres no pós-conflito. No entender das coordenadoras, grande parte das abordagens existentes tem sido insatisfatória, dado que se centra na assistência humanitária e na reorganização política, em detrimento da focalização nos direitos específicos das mulheres (direito à saúde reprodutiva, à educação superior, à participação activa na sociedade, etc.). Com vista a colmatar as lacunas destas abordagens, este livro defende a análise de alguns aspectos intrinsecamente relacionados com o papel da mulher na reconstrução pós-bélica. Antes de mais, propõe a desconstrução da unidade de análise “mulher”. Não se tratando de um grupo homogéneo e indiferenciado, tem de ser contextualizado em função de outros elementos identitários, como a raça, a classe social, o estado civil, o grau de participação política, o poder económico, a condição de combatente, etc. Com esta chamada de atenção, as coordenadoras do livro pretendem trazer à luz a grande heterogeneidade das sociedades que atravessam um período de reconstrução e mostrar que parte do fracasso da intervenção das agências internacionais é explicada pelo negligenciar das peculiaridades de cada caso.

4Apesar da necessidade de uma análise específica e diferenciada, existe, na opinião das organizadoras do livro, um traço comum a alguns conflitos: a existência de ganhos para as mulheres, no sentido de uma consciencialização das suas capacidades. No entanto, estes ganhos não se consolidam no período posterior aos conflitos. Durante os conflitos surgem novas oportunidades para as mulheres assumirem papéis sociais até então exclusivamente desempenhados pelo sexo masculino (nomeadamente, cargos no sector público ou formas de participação na tomada de decisão política). Não existem, no entanto, condições estruturais para a consolidação de tais ganhos no período de reconstrução pós-conflito. Por outras palavras, as oportunidades para uma verdadeira transformação social surgidas durante o período do conflito não redundam em melhoria das condições de vida das mulheres, nem significam uma alteração dos modelos das relações patriarcais. Uma das principais variáveis que está na origem desta não consolidação dos ganhos verificados em tempos de “paz” é a violência contra as mulheres, que persiste, embora com características diferentes, no pós-conflito. Segundo as organizadoras do livro, no pós-conflito “a violência intensifica-se porque a mulher mudou e passa a reivindicar a sua autonomia”. Na opinião de Codou Bop, “a ausência de uma perspectiva política capaz de transformar as relações entre os sexos pode explicar a precariedade dos direitos conquistados pelas mulheres”. O incentivo às comunidades locais (Meredeth Turshen), o combate à violência sexual, através de reformas legais e da capacitação económica e política das mulheres (Tina Sideris) e o estímulo à participação feminina nas negociações formais de paz (Sheila Meintjes) são algumas das soluções apontadas como capazes de alterar as relações de tipo patriarcal.

5A segunda parte do livro consiste na apresentação de alguns estudos de caso que corroboram a actualidade e a pertinência dos aspectos abordados no enquadramento teórico e, que efectivamente, refutam a ideia de que as mulheres são meras “vítimas” dos conflitos armados. As autoras estudam a participação das mulheres durante e após os conflitos no Haiti, nos Balcãs e em várias zonas de conflito na Ásia e na África. A nota dominante desta análise é a grande diversidade e disparidade do tipo de actuação das mulheres nas situações de pós-conflito, com destaque para a criatividade e a informalidade que caracterizam a participação das mulheres na reconstrução pós-bélica.

6A forma como as mulheres de alguns países do Sul da Ásia (Sri Lanka e Nepal) e da Eritreia, respectivamente, têm contribuído para a desconstrução dos “mitos” associados à participação das mulheres nos conflitos armados, através do activismo fora do âmbito familiar e da presença nas frentes de batalha, é um primeiro exemplo dessa heterogeneidade. Neste contexto, as agências internacionais poderão apoiar os movimentos sociais femininos informais, visto que estes podem funcionar como rampas de lançamento para as estruturas formais de poder no pós-conflito. A situação das refugiadas moçambicanas e sul-africanas, o papel das organizações femininas no Haiti na criação de uma sociedade mais justa e a luta das mulheres ogoni na Nigéria contra o Estado e as petrolíferas multinacionais constituem outros estudos de caso relevantes. No penúltimo e no último capítulos são apresentados, respectivamente, dois exemplos positivos de actuação das mulheres no pós-conflito: a forma original como a organização “Mother’s Front” do Sri Lanka (criada nos moldes das organizações sul-americanas) utilizou as maldições, pragas e lamentações como protesto social, conseguindo, deste modo, conquistar um espaço político próprio e o apoio do público e dos meios de comunicação social, e o facto de na Namíbia as mulheres estarem representadas na política nacional (situação pouco comum nos países em vias de desenvolvimento e não só), sendo a igualdade entre os sexos um conceito que foi apropriado pelas comunidades rurais, nomeadamente do Norte do país, no período pós-colonial.

7Este livro, escrito e organizado por mulheres que conciliam o trabalho académico com o activismo, constitui um ponto de viragem nas abordagens sobre as mulheres e os seus papéis durante e após os conflitos. É um claro alerta para o papel chave que as mulheres podem desempenhar no contexto alargado da construção da paz e para a consequente necessidade de se valorizar as estratégias criativas (quase sempre de âmbito informal e local) que utilizam, as quais devem ser levadas em linha de conta em todas as dimensões da reconstrução pós-conflito (militar, económica, política e psicossocial, internacional). The Aftermath: Women in Post-Conflict Transformation é, sem dúvida, uma obra que, recorrendo a casos exemplares e interessantes, deita por terra o mito de que as mulheres são apenas vítimas passivas dos conflitos armados, apela a uma verdadeira transformação do status quo desfavorável às mulheres e abre caminho para posteriores investigações académicas na área feminista dos estudos para a paz.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Katia Cardoso, « Meintjes, Sheila; Anu Pillay; Meredeth Turshen (orgs.), The Aftermath: Women in Post-Conflict Transformation  », Revista Crítica de Ciências Sociais, 71 | 2005, 166-169.

Referência eletrónica

Katia Cardoso, « Meintjes, Sheila; Anu Pillay; Meredeth Turshen (orgs.), The Aftermath: Women in Post-Conflict Transformation  », Revista Crítica de Ciências Sociais [Online], 71 | 2005, colocado online no dia 01 outubro 2012, criado a 22 maio 2018. URL : http://journals.openedition.org/rccs/1031

Topo da página

Autor/a

Katia Cardoso

Assistente de investigação do Centro de Estudos Sociais. Licenciada em Relações Internacionais pela FEUC e mestre em Estudos Africanos pelo ISCTE.
katia@ces.uc.pt

Topo da página

Direitos de autor

Licença Creative Commons CC BY 3.0

Topo da página
  • Logo Centro de Estudos Sociais
  • Logo Universidade de Coimbra
  • Logo Universidade de Coimbra - Património Mundial em 2013
  • Logo Compete 2020
  • Logo Portugal 2020
  • Logo Fundos Europeus Estruturais e de Investimento
  • Logo Fundação para a Ciência e a Tecnologia
  • OpenEdition Journals