Navegação – Mapa do site

InícioNúmeros71RecensõesRui Namorado, nenhum lugar e sempre

Recensões

Rui Namorado, nenhum lugar e sempre

Graça Capinha
p. 171-175
Referência(s):

Rui Namorado, nenhum lugar e sempre. Vila Nova de Famalicão: Quasi, 2003, 104 pp.

Texto integral

1Considerando que a poesia que Rui Namorado nos dá a ler, neste seu último livro, partilha de concepções poéticas que encontro em alguns dos grandes poetas do continente que nos fica para lá do Atlântico, vou tentar estabelecer algumas pontes que, penso, podem oferecer uma passagem para a escrita mais recente deste autor. Charles Bernstein, um dos pais do movimento L=A=N=G=U=A=G=E, nos EUA, diz-nos acerca da sua “A-poética”:

A Poesia é a aversão à conformidade na procura de formas novas – ou poderá sê-lo. […] Quando recusa a conformidade, a poesia entra no contemporâneo: falando para as tensões e conflitos do momento com os meios então aos seu dispor. Quer isto dizer que dou mais valor à poesia que fende o que é normal, incluindo o que afinal é normal em literatura; a poesia que faz com que seja possível ouvir sons que, de outro modo, nunca seriam articulados. (RCCS, 47: 102)

2Rui Namorado traz-nos, precisamente, este tipo de aversão à conformidade, fendendo, de certo modo, o que é normal – também na sua própria prática poética. nenhum lugar e sempre é um título irónico, já que parece apontar – não para um essencialismo universalista do poético de concepção romântica, num percurso para um etéreo indizível – mas, antes, para a eterna e infinita possibilidade (que é sempre) do poético, entendido como aversão à conformidade e não aceitando, por isso, a permanência de nenhum lugar. Este é o (des)território da palavra onde Rui Namorado se encontra – e esta consciência da impermanência, inevitável à possibilidade infinita, apresenta-se dialecticamente: ela resulta do contemporâneo e, em simultâneo, “entra no contemporâneo, falando para a tensões e conflitos do momento”. O tempo da palavra é o tempo da história, significando isso que mesmo o espaço provisório, o espaço “entre”, o meio do caminho entre os continentes poderosos, um espaço frágil e pequeno que pode ser a ilha – uma metáfora fundadora neste livro (a ilha “que é lugar de sul e de palavras”) – é “ilha de nenhum lugar”: uma passagem pela passagem da história. Para Namorado, o tempo da história só pode assim constituir-se enquanto tempo da utopia, um tempo que se liberta dos nossos limites e fronteiras. Para o autor, esse é o tempo/espaço do fazer, o tempo/espaço do acto, o tempo/espaço poiético. A raiz da criação apresenta-se como a ilha, que é lugar em trânsito da palavra, raiz do desejo pelo espaço do outro lado do oceano, lugar ao sul – o sul do mapa e o sul do corpo, que assim se vão fazendo um outro mapa e um outro corpo. Esta é a aversão à conformidade de que nos falava Bernstein: a recusa do que já é normal e reconhecível, a recusa dos limites e fronteiras das imagens/das palavras, que nos impõem a imutabilidade ilusória do presente – esta, a aversão à conformidade que procura a passagem permanente para novas formas de dizer um mundo que, incessantemente, descobrimos. Diz Rui Namorado, em “para lá do coração do nevoeiro”, terceiro poema da primeira parte do livro, a parte que ostenta precisamente o título “nenhum lugar”: “Para lá do coração do nevoeiro, / há uma ilha de nenhum lugar. / […] / É um lugar de sul e de palavras, / com suave sabor a solidão” (14). E, no poema que se segue, intitulado “A Ilha” (15), descreve-se a demanda por esse lugar paradoxal onde se chega, partindo – lugar de passagem, que é preciso saber inventar. Esta ilha, pequena e frágil, tem a força que lhe permite “cerca(r) todos os horizontes”: ela é a palavra, a linguagem – fora da qual nada fica. De facto, mesmo que saiamos das normas com que a organizamos e com as quais organizamos o mundo, nunca ficaremos fora dessa ilha que é a linguagem: fora de limites e fronteiras, encontraremos apenas o seu excesso, o excesso de som e de sentido, num caos por organizar.

3O paradoxo apresenta-se como o traço estilístico dominante neste livro de poemas: um carácter paradoxal que nos recusa a visão linear e simplista, obrigando-nos à complexidade retórica e epistemológica da sobreposição e da manutenção dos opostos – irresoluvelmente. A metáfora fundadora da ilha é o lugar/tempo da utopia, que reside na palavra e no acto poético. Outras metáforas e motivos giram à volta desta ilha e do seu mistério: mares, brumas, nevoeiros; jogos de luz e sombra, noite e dia; o sul, a raiz, a espiral que nos devolve à imagem rizomática da proliferação e da origem da vida; imagens da natureza, sempre em movimento de respiração, e do vento; mas também a cidade, mais um espaço efémero a lembrar-nos a permanência dos nossos sonhos e a nossa impermanência, existencial e histórica, de náufragos (“Os Náufragos”, pp. 12-13).

4A segunda parte do livro tem como título “sempre”, um sempre que nos remete para o permanente recomeço e que recusa a saudade. “Sempre” implica a responsabilidade do poeta: não permanecer em lugar nenhum, em tempo nenhum, em palavra nenhuma. “Sempre” implica a aversão à conformidade, implica a permanência do caminho (para todos os lugares), como afirma o autor num poema que leva por título “Eternidade” e que termina descrevendo o lugar do poeta, de forma algo platónica e com uma leve nota de ironia: “Aqui, neste sonho,/ao sul da memória/e sem saudade” (30).

5Nesta segunda secção do livro, a ideia da necessidade da (re)invenção e do recomeço, na palavra e na história, torna-se mais visível. Deparamo-nos com a necessidade da construção da origem, a lembrar a concepção adâmica de poetas como Walt Whitman (poetas que vêem o mundo com olhos de manhã) – o início de “Song of Myself” ecoado claramente em versos como “Deitam-se ao longo da relva mais verde da alma/e concentram em si todas as manhãs do mundo” (28). Tal como Whitman, em Leaves of Grass, Rui Namorado cria também, com este texto – mas também, em geral, na obra nenhum lugar e sempre – através da enumeração, um poema constituído de vários outros poemas. No caso particular, esta parte/poema, numerado com um 6, constitui, simultaneamente, (a) uma parte do todo maior (entre um princípio e um fim, marcado pelo título no poema 4, “Uma Corça de Vento” – até ao poema 7), (b) dentro do todo que é esta segunda parte do livro (entre o poema 1 e o poema 32), e (c) um todo em si (com o seu próprio princípio e fim). Mais interessante resulta a estratégia de sobreposição cubista dos sujeitos, permitida pela sucessão enumerada das formas extremamente curtas de cada um destes pequenos poemas de carácter epigramático. O sujeito de “deitam-se ao longo da relva”, etc., lê-se já – neste momento do poema maior – como: corça, coração dos minutos, barco de silêncio, poema, pássaro azul e os séculos. Esta, a aversão à conformidade de que falamos: aquela que procura formas novas – e nunca facilmente reconhecíveis – de dizer o mundo.

6O carácter imagístico dos textos, nesta secção da obra, em algumas imagens de cunho mais classicista (como a da corça, por exemplo), bem como o tratamento pontual do tema da espera e da usura, não podem deixar de nos remeter para um outro, muito amado e muito odiado, poeta do grande cânone de língua inglesa. Falo de Ezra Pound, embora a sua política esteja nos antípodas da política de Rui Namorado. Em Namorado, a usura não se pauta por concepções racistas, como em Pound, mas é subvertida na metáfora, recontextualizante, de uma natureza feita Sublime pela sua humanidade: “Está escrita nos teus olhos a usura / dos prados, dos ventos, da planície” (25). No poema intitulado “Humanidade”, encontramos esta mesma placidez, algo resignada, perante os sonhos por cumprir; um olhar pacificado, que vê, na palavra, a segurança possível, tão opaca e sólida quanto possível, perante a mortalidade. Diz o poeta, num ritmo que, através da insistência na pausa, dá ênfase ao carácter sólido e opaco que acabo de referir: “As palavras retomam a sua espessura /inerte […] Papéis aprisionam as palavras /previsíveis, exiladas, repetidas” (32). Esta presença da história é (pre)visível no nosso presente: repetimos a voz dos que morreram antes de nós, com essas palavras a permanecer em nós, exiladas. A consciência da sua presença leva o poeta a afirmar, no final do poema: “Verticais e íntimas/só as palavras resistem/ao precário sabor das coisas” (34).

7O poeta sabe que a possibilidade, transportada nas palavras, nunca se esgota: essa é a sua resistência, esse é o seu inesgotável potencial utópico que se joga na íntima relação com o sujeito histórico. A imagem de força, sendo poundiana, remete-nos, contudo, para uma visão completamente diferente da história e do sujeito: uma imagem que, à permanência do sentido exigida por Pound, prefere a permanência da capacidade de resistir a qualquer sentido, sempre um “precário sabor” das coisas. O poema que se segue mostra-nos como essa resistência tem que ver com o silêncio. Não o silêncio do transcendente, do metafísico, ou do indizível. O silêncio traduz apenas a possibilidade inesgotável na linguagem. Nas palavras de Rui Namorado: “como se (se) fosse dizer”, “o que podia ter sido”, o “que ninguém soube dizer”, o silêncio de “a palavra mais esquecida”, o silêncio “dos que ficaram calados”, do ainda por inventar, da revelação ainda possível (35-6). Confrontamo-nos, de novo, com a aversão à conformidade. É nessa raiz da criação que o poeta procura encontrar-se: a sul – lugar da criação – de todos os poemas, como se afirma num outro texto, “O Discreto Vestígio de um Poema” (55-6). Nesse “vago rumor”, nessas “cinzas” e “labirintos”, nessa promessa do” sabor dos segredos”, encontra o poeta a “íntima semente” de todos os poemas (55). Não se trata da originalidade, mas da origem – como um salmão, o poeta procura o seu princípio, afirmando, noutro poema: ”Semeou-se o meu sangue pelos rios/à procura das raízes e das margens” (41). A raiz é o Verbo e nele continuamos a viver. Mesmo “perdidos”, habitando a ilha ao sul (Creta, num outro poema: 56), “sendo da ilha […] somos mar”, afirmará o poeta.

8Esta segunda secção de nenhum lugar e sempre termina, precisamente, com dois poemas que nos remetem para um dos mitos mais conhecidos do Princípio da Criação: o encontro amoroso entre a luz e escuridão, entre o silêncio e o som – um encontro sempre renovado e eterno, que nos surge nesta sugestiva e melódica imagem do final de “Um Último Sabor”: “Palavras breves no sabor dos lábios/estão agora desertas e ausentes.//E quando a noite doce as desejou,/num abraço derradeiro/inteira a luz do dia desabou” (57).

9Na terceira parte do livro, “Navegação das Palavras”, navega-se sobre todas estas concepções poéticas e sobre todas estas imagens. O poema apresenta‑se como acto, como acção quotidiana, um fazer intransitivo. O poeta, olhando para trás, limita-se a dizer: “As palavras […] Iam sendo poema, dia a dia” (64) – e isso inclui toda a diversidade da experiência, sempre única, de cada ser humano. No quinto poema (65), os ecos platónicos, mas também os ecos de Pound, regressam: os poemas são esculpidos (como Pound pretendia), mas num artesanato da alma (a poesia, não o esqueçamos, é, segundo Platão em Fedro, uma arte psicagógica). Neste artesanato da alma se desfaz a dicotomia espírito/matéria. A “palavra mais adequada” – le mot juste – que Pound tanto almejou (a que diga exactamente, unicamente, com um só sentido, uma só verdade) transforma-se, de forma irónica em Namorado, no “silêncio mais adequado”; mas a poesia “seca e dura” (“hard and dry”, dizia Pound), aquela que procura dizer o máximo no mínimo (sem excessos românticos) parece ser a mesma que Rui Namorado procura, olhando para o poema – tal como Pound olhava – como algo de orgânico e natural, como uma árvore, por exemplo: “tirando a cada frase um ramo seco” (65)

10Finalmente, apenas algumas palavras para falar da última secção do livro, que reúne alguns poemas “Dispersos”. Trata-se de um conjunto mais próximo das anteriores obras do poeta: dentro da tendência de uma poesia canonicamente referida como empenhada, ou de intervenção, em que a cidade, a polis, se torna central. A relação entre o carácter mais metapoético das secções anteriores e esta secção parece-me óbvia: toda a reflexão anteriormente realizada só faz sentido se existir no âmbito da comunidade. Essa é a importância última de uma concepção de poesia como aversão à conformidade. O último poema do livro, “Tarde de Praia, ao Longe” (92), num linguagem de enorme contenção e simplicidade, apresenta-nos uma saudade transmutada em futuro: “Desce a preguiça pela tarde lenta,/nas horas o silêncio vem de longe”. Este é o silêncio da história, o silêncio do que não se disse: por ser proibido dizê-lo, porque ainda não se podia, ou pode, conceber dizê-lo – silêncio do desaprovado, silêncio do não-provado, silêncio do ainda por provar. Esse silêncio está na origem de toda a palavra; no passado, que é ainda o presente e será o futuro – é dessa origem, infinitamente criadora, que o poeta sente saudade, o silêncio da poesia, onde se encontram os “sons que, de outro modo, nunca seriam articulados” (Bernstein, RCCS, 47: 102)

11Se há universalidade da poesia terá decerto de ser esta mesma que Rui Namorado partilha – e tem partilhado –, connosco e com outros autores, ao longo de todo o seu percurso de poeta e, atrevo-me a dizê-lo, de todo o seu percurso de vida. Nas palavras de Nicole Brossard, que são um outro dizer deste livro de Rui Namorado:

Instalar visões na língua exige uma certa lealdade para com a vida. […] Digamos que pertenço a uma geração que cresceu com as palavras subversão, transgressão e ruptura. Estávamos no começo dos anos sessenta. O poema era uma arma para a “revolução pacífica” e para o sonho de um país que seria o Quebéque [Portugal e os anos 70, no caso de Rui Namorado]. Digamos que à questão do país eu preferia a escrita e os seus reflexos lúdicos, imaginando “o prazer do texto” como um dado político susceptível de aumentar as nossas hipóteses de felicidade. Sim, misturei muitas vezes política, texto e escrita e nunca me arrependi disso. […] – o fragmento, a elipse, a velocidade desde as primeiras palavras, o poema acelera os batimentos do coração. Trata-se é claro de dar um sentido à vida. Digamos que é preciso saber como replicar, não se amedrontar perante o nome assustador das permutações semânticas sempre prontas a fazer nascer em nós um gosto pela luz e o excesso.

Escrevo para fazer acto de presença na língua. (RCCS, 47: 146-7)

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Graça Capinha, « Rui Namorado, nenhum lugar e sempre  »Revista Crítica de Ciências Sociais, 71 | 2005, 171-175.

Referência eletrónica

Graça Capinha, « Rui Namorado, nenhum lugar e sempre  »Revista Crítica de Ciências Sociais [Online], 71 | 2005, posto online no dia 01 outubro 2012, consultado o 19 setembro 2020. URL: http://journals.openedition.org/rccs/1035

Topo da página

Autor

Graça Capinha

Professora auxiliar da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra e investigadora permanente do CES. Os seus interesses centram-se na poesia e poética contemporâneas, no âmbito da americanística e da imigração portuguesa. Dirige a Oficina de Poesia. Revista da Palavra e da Imagem. Publicações recentes: “The Three Marxes and the Four Williamses: A Poetics of Immigration”, in Isabel Caldeira et al. (orgs). Novas Histórias Literárias. New Literary Histories (Coimbra, Minerva Coimbra, 2004); “Robert Duncan and the Question of Law: Ernst Kantorowicz and the Poet’s Two Bodies”, in A. Gelpi/R. Bertholf (orgs.), Robert Duncan and Denise Levertov: The Poetry of Politics, the Politics of Poetry (Palo Alto: Stanford UP, 2005).
gcapinha@fe.uc.pt

Artigos do mesmo autor

Topo da página

Direitos de autor

Licença Creative Commons CC BY 3.0

Topo da página
  • Logo Centro de Estudos Sociais
  • Logo Universidade de Coimbra
  • Logo Universidade de Coimbra - Património Mundial em 2013
  • Logo Compete 2020
  • Logo Portugal 2020
  • Logo Fundos Europeus Estruturais e de Investimento
  • Logo Fundação para a Ciência e a Tecnologia
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • OpenEdition Journals
Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search