Navegação – Mapa do site
Recensões

Mary Nash; Susanna Tavera (orgs.), Las mujeres y las guerras: el papel de las mujeres en las guerras de la Edad Antígua a la Contemporánea

Tatiana Moura
p. 169-173
Referência(s):

Mary Nash; Susanna Tavera (orgs.), Las mujeres y las guerras: el papel de las mujeres en las guerras de la Edad Antígua a la Contemporánea. Barcelona: Icaria editorial,2003, 549 p.

Texto integral

I am tired of being the blood, the earth and the scream. I address the storyteller and those who have passed the tale down, written it down, recited and believed it. Is that all? I ask the storyteller. Where am I then? Do I have to be Abel if I don’t want to be Cain? Is there no other way?
Dorothee Solle

1Ao longo dos séculos, as experiências das mulheres foram marginalizadas e secundarizadas nos acontecimentos históricos mais relevantes, em particular nas guerras, contrastando com o protagonismo e primordialidade atribuídos aos papéis assumidos por homens. A história das guerras e dos seus impactos é portanto uma história incompleta, parcial, caracterizada pela ausência das experiências e análises centradas nos papéis desempenhados pelas mulheres.

2Na opinião de Betty Reardon (1985), o sistema patriarcal produziu o sistema de guerra, e os seus aspectos violentos afectam as nossas relações, desde as interpessoais às internacionais. Por isso, mesmo a guerra é vista como sendo a pedra angular da masculinidade, o momento que marca a transição para a fase adulta na vida dos homens (Enloe, 1983). Já a participação das mulheres nas guerras não foi, nem é, considerada um acontecimento importante no processo de construção da sua identidade social. Pelo contrário, a maternidade é considerada o acontecimento que marca a transição para a idade adulta da mulher. A imagem de mãe contraposta à imagem de guerreiro, dar a vida e provocar a morte, serviu para legitimar, ao longo dos séculos, a construção dos papéis sexuais relacionados com a paz e com a violência. Do mesmo modo, a divisão entre “protectores” e “desprotegidas” contribuiu para a relação de dependência no plano colectivo e individual (Martínez López, 2000: 257-258), associando os homens à violência e à agressividade e as mulheres à passividade e ao cuidado, características relegadas para a esfera subjectiva e privada (e portanto subalternizada). Esta visão estereotipada e profundamente enraizada na nossa cultura manteve-se ao longo de séculos, moldou a escrita da História, e ainda se mantém.

3As propostas de análise da participação das mulheres nas guerras e dos impactos destas guerras nas suas vidas correspondem a uma análise dos espaços sem história, com actores silenciados. Tais propostas começaram a emergir nos anos 80, em resultado de uma linha de investigação feminista sobre a paz e a violência, com investigadoras como Betty Reardon ou Cynthia Enloe. Apenas há pouco mais de uma década começou a considerar‑se a especificidade das necessidades das mulheres em contextos bélicos e na fase de reconstrução pós‑conflito, em particular no âmbito das Nações Unidas. No entanto, o reconhecimento e aceitação das mulheres enquanto “grupo vulnerável” nos contextos de conflito armado e de reconstrução pós-bélica tem conduzido à minimização e ausência de informação e análises sobre a ampla variedade de papéis que as mulheres (tal como os homens) assumem nestes períodos. Esta necessidade já foi reconhecida, recentemente, pelas Nações Unidas. A 31 de Outubro de 2000, o Conselho de Segurança aprovou a Resolução 1325 sobre Mulheres, Paz, Segurança e Direitos Humanos que resultou, por um lado, da avaliação negativa relativamente à implementação da Plataforma de Acção de Pequim e, por outro, da necessidade de resposta às preocupações manifestadas e sentidas por mulheres em conflitos com características cada vez mais complexas.

4De facto, a guerra foi e tem sido motivo de preocupação e de posicionamento colectivo e individual para as mulheres de todas as épocas históricas, independentemente de as suas vozes de protesto ou de envolvimento beligerante serem reconhecidas nas esferas de tomada de decisão. Las mujeres y las guerras: el papel de las mujeres en las guerras de la Edad Antígua a la Contemporánea, que corresponde à publicação das Actas do VIII Colóquio Internacional da Asociación Española de Investigación Histórica de las Mujeres (AEIHM), que decorreu na Universidad de Barcelona em Maio de 2000, dá-nos conta destes espaços sem história e constitui uma proposta que pretende em grande medida colmatar a ausência de reflexão (em Espanha) sobre esta temática.

5Na opinião das suas organizadoras, Mary Nash e Susanna Tavera, este livro pretende abordar questões inovadoras e incorporar o instrumental analítico produzido pela interconexão entre história das mulheres e história feminista, por um lado, e história social, por outro. Por isso mesmo os trabalhos que o compõem colocam em evidência a heterogeneidade de interpretações sobre os papéis e o protagonismo político e social alcançado pelas mulheres em conjunturas de guerra, e dão também testemunho da variedade de olhares historiográficos produzidos pela capacidade de inovação das mulheres nos procedimentos de luta e resistência pacífica.

6Esta obra, bem como o colóquio que esteve na sua origem, inscrevem-se na trajectória percorrida pela AEIHM, que desde 1993 tem vindo a organizar colóquios anuais que pretendem desenvolver a investigação sobre a experiência histórica das mulheres e que constituem espaços de recuperação e discussão sobre o papel das mulheres em vários momentos e espaços da história. No que diz respeito às análises de mulheres em períodos de conflitos armados e em momentos de reconstrução de sociedades devastadas por conflitos, são de salientar o colóquio realizado em Valência (1998) intitulado “Mujeres, regulación de conflictos y cultura de paz” e o último coló- quio que teve lugar em Barcelona (2003) também sobre as mulheres e as guerras. Mary Nash, uma das organizadoras deste livro, é catedrática de História Contemporânea da Universidad de Barcelona e directora do Grupo de Investigação sobre Multiculturalismo e Género da mesma universidade. Foi a presidente e fundadora da Asociación Española de Investigación de História de las Mujeres e é autora de obras como Rojas: las mujeres republicanas en la Guerra Civil española (Taurus, 1999), Women and Socialism. Socialism and Women. Europe between the Two World Wars (Berghahn, 1998), Constructing Spanish Womanhood. Female Identity in Modern Spain (Suny, 1999), entre outras.

7Após uma introdução das organizadoras (Nash e Tavera), o livro segue o esquema adoptado no colóquio realizado em 2000, ou seja, estrutura-se em quatro partes, que correspondem aos quatro grandes períodos históricos considerados: Idade Antiga, Média, Moderna e Contemporânea. Cada parte é encabeçada pela comunicação que abriu a respectiva sessão do colóquio, e que pretende fixar as linhas de debate (de Ana Iriarte, Cristina Segura, Anna Bravo e Cynthia Enloe, respectivamente), seguindo-se-lhe as restantes comunicações ou capítulos.

8O primeiro capítulo, “La virgen guerrera en el imaginario griego”, de Ana Iriarte, coloca em relevo o contraste e a dicotomia existentes na representação de diversas imagens guerreiras femininas na Grécia antiga. A imagem da mulher enquanto símbolo de equilíbrio político da Atenas democrática, representado em Atena, contrastava com a imagem do caos, simbolizado pelas amazonas. Como nos mostra Ana Iriarte, a incompatibilidade fundamental de todo este imaginário radica na oposição de papéis entre mulheres guerreiras e maternidade. A tentativa de superar o essencialismo (que associa as mulheres com práticas pacíficas e determina a sua ausência durante as guerras pelo facto de serem detentoras de um suposto pacifismo natural inerente à sua condição de mulher) e os estereótipos discursivos sobre a participação das mulheres em tempos de guerra, bem como a denúncia dos vários rostos do sistema patriarcal que subjazem à guerra e que tentam invisibilizar o protagonismo das mulheres, são também os objectivos dos artigos de María Dolores Mirón (“Las mujeres de Atenas y la Guerra del Peloponeso”), de Aurelia Martín Casares (“De pasivas a beligerantes: los intereses del discurso dominante respecto a la intervención de las mujeres en la guerra”), entre outras.

9O capítulo que encabeça a II parte do livro, “Las mujeres en las guerras del Antíguo Regímen”, de Cristina Segura, dá-nos conta da contradição existente entre a obrigação de proteger os mais débeis (considerada pela autora como um pretexto para iniciar uma guerra) e as contínuas agressões sexuais cometidas contra as mulheres nas guerras feudais, contradição que se mantém até aos dias de hoje. No entanto, a autora tenta ultrapassar a imagem das mulheres enquanto simples vítimas de violência sexual em tempos de guerra, analisando também a presença de mulheres em exércitos e a participação activa de mulheres do povo e da nobreza em contextos de violência (dando os exemplos de María Pacheco ou Toda, a rainha de Pamplona).

10De facto, as análises sobre a participação de mulheres e grupos de mulheres em conflitos armados e sobre os impactos destes conflitos nas vidas das mulheres têm recorrido à universalização destas experiências de guerra, recorrendo a uma formulação do tema que parece reduzi-lo à violência sexual, omitindo qualquer outro envolvimento das mulheres. No entanto, durante os conflitos armados, independentemente da época histórica a que correspondam, ocorre um esbatimento das fronteiras que separam a esfera privada da esfera pública. Este esbatimento, na opinião de Murguialday e Vázquez (2001), conduz a uma transformação dos papéis das mulheres considerados como tradicionais, permitindo a vivência daquilo a que estas autoras chamam “experiência parêntesis”, que transforma a percepção que as mulheres têm de si mesmas e molda as suas expectativas para o período posterior à guerra. Na segunda secção de Las mujeres y las guerras: el papel de las mujeres en las guerras de la Edad Antígua a la Contemporánea, as análises destas experiências nas guerras da Idade Média é feita nos artigos de Fina Birulés, Carmen García Navarro, Patricia Mayayo, Paula Fortsner, Raquel Flores e Mónica Carabias.

11O capítulo de Anna Bravo, “Mujeres y Segunda Guerra Mundial: estrategias cotidianas, resistencia civil y problemas de interpretación” (III parte) aborda, justamente, a maior permeabilidade na transposição das fronteiras entre a esfera privada e a militar (pública) através da análise de estratégias de sobrevivência, de resistência civil e de repúdio da violência levadas a cabo por mulheres durante a II Guerra Mundial. Do mesmo modo, são analisados os vários papeis assumidos por mulheres na Revolução Mexicana (Tabea Linhard), o papel das feministas portuguesas durante a I Guerra Mundial (Rosa Mª Ballesteros), o papel das mulheres durante os primeiros anos da União Soviética (Meritxell Benedí), o exemplo das Mães da Praça de Maio (Laia Herrera e Marc Lecha) e as violações de guerra e as mulheres em França durante a I Guerra Mundial (Brigitte Terrason).

12A quarta e última secção do livro, que corresponde à análise da Idade Contemporânea, e é encabeçada pelo artigo de Cynthia Enloe intitulado “Como se militariza una lata de sopa?”, que corresponde à tradução do primeiro capítulo do seu livro Manoeuvres. The International Politics of Militarizing Women’s Lives (Berkeley, California University Press, 2000). Este artigo aborda o problema da “militarização” enquanto tema de alcance cultural e não exclusivamente político, que se desenvolve não só em períodos de guerra mas também em tempos de paz, e que chega com eficácia à população, inserindo-se nos padrões de consumo através da publicidade, da moda, dos próprios jogos infantis e até da alimentação (como sucede com a sopa com massinhas em forma de naves da Guerra das Estrelas), que atravessa e influencia toda a rotina diária. Para Enloe, a militarização não corresponde ao simples acto de ingressar no exército ou de possuir e utilizar uma arma. Trata-se de um processo bastante mais subtil, enraizado na ideologia, nas instituições ou na economia, chegando a ser considerado algo de normal ou mesmo valioso. O objectivo deste artigo é pois o de sublinhar a necessidade de analisar abertamente o militarismo a partir da perspectiva do sistema patriarcal, a fim de desmascarar os privilégios de uma forma de masculinidade dominante e hegemónica que existe e opera activamente nas sociedades actuais. Os capítulos que se seguem a este capítulo introdutório têm como objectivo analisar a actuação e participação das mulheres durante e após a Guerra Civil e a ditadura espanholas, resultantes das comunicações de Immaculada Blasco e Regine Illion, Lourdes Martínez Prado, Teresa González Pérez e Marian Lorenzo, entre outras.

13Este livro constitui um contributo importante para a (re)escrita da história das guerras e das tentativas de resistência e de repúdio da violência, procurando dar conta de episódios e momentos históricos que têm estado invisibilizados, e dando protagonismo a grupos que continuam, até aos dias de hoje, a ser marginalizados. É uma obra que vem mostrar, uma vez mais, que a história, em particular a história das guerras, foi escrita excluindo metade da população que nelas participa. Também por isso é um livro importante, já que a escassez de informação e de análises é largamente responsável por esse silenciamento de experiências fundamentais.

Topo da página

Bibliografia

Enloe, Cynthia (1993), The Morning After: Sexual Poltics at the End of the Cold War. Berkeley: University of California Press.

Martínez López, Candida (2000), “Laz mujeres e la paz en la historia”, in F. Muñoz; M. Martínez (orgs.), Historia de la Paz. Tiempos, espacios y actores. Granada: Editorial Universidade de Granada, 255-291.

Mazurana, Dyan; McKay, Susan (1999), Women and Peacebuilding. Montréal: International Centre for Human Rights and Democratic Development.

Murguialday, Clara; Vázquez, Norma (2001), “Género y Reconstrucción Posbélica”, Papeles de Cuestiones Internacionales, 73, 33-39.

Reardon, Betty (1985), Sexism and the War System. New York: Teachers College Press.

Skjelsbaek, Inger; Smith, Dan (2001), Gender, Peace and Conflict. London: Sage.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Tatiana Moura, « Mary Nash; Susanna Tavera (orgs.), Las mujeres y las guerras: el papel de las mujeres en las guerras de la Edad Antígua a la Contemporánea  », Revista Crítica de Ciências Sociais, 68 | 2004, 169-173.

Referência eletrónica

Tatiana Moura, « Mary Nash; Susanna Tavera (orgs.), Las mujeres y las guerras: el papel de las mujeres en las guerras de la Edad Antígua a la Contemporánea  », Revista Crítica de Ciências Sociais [Online], 68 | 2004, colocado online no dia 01 outubro 2012, criado a 21 outubro 2018. URL : http://journals.openedition.org/rccs/1090

Topo da página

Autor/a

Tatiana Moura

Licenciada em Relações Internacionais pela Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra. Mestre em Sociologia pela mesma Faculdade, com uma tese intitulada “Entre Atenas e Esparta: Mulheres, paz e conflitos violentos”. Doutoranda no programa “Paz, Conflictos y Democracia” da Universidad Jaume I, Castellon de la Plana, Espanha. Faz parte da equipa de investigação do Núcleo de Estudos para a Paz do Centro de Estudos Sociais.
tatiana@ces.uc.pt

Artigos do/da mesmo/a autor/a

Topo da página

Direitos de autor

Licença Creative Commons CC BY 3.0

Topo da página
  • Logo Centro de Estudos Sociais
  • Logo Universidade de Coimbra
  • Logo Universidade de Coimbra - Património Mundial em 2013
  • Logo Compete 2020
  • Logo Portugal 2020
  • Logo Fundos Europeus Estruturais e de Investimento
  • Logo Fundação para a Ciência e a Tecnologia
  • OpenEdition Journals