Navegação – Mapa do site
Recensões

Os grandes eventos e a cultura em Portugal: sobre os Impactos culturais da Expo’98 e os Públicos do Porto 2001

Claudino Ferreira
p. 135-138
Referência(s):

Maria de Lourdes Lima dos Santos, António Firmino da Costa (coords.), Rui Telmo Gomes, Vanda Lourenço, Teresa Duarte Martinho, José Soares Neves, Idalina Conde, Impactos culturais da Expo’98. Uma análise através da imagem mediática. Lisboa: Observatório das Actividades Culturais, 1999, 286 pp.

Maria de Lourdes Lima dos Santos (coord.), Rui Telmo Gomes, José Soares Neves, Maria João Lima, Vanda Lourenço, Teresa Duarte Martinho, Jorge Alves dos Santos, Públicos do Porto 2001. Lisboa: Observatório das Actividades Culturais, 2002, 342 pp.

Texto integral

1Os livros em discussão sintetizam os resultados de duas investigações conduzidas pelo Observatório das Actividades Culturais, instituição que tem vindo a desempenhar um papel decisivo na produção de informação e no desenvolvimento da pesquisa sociológica sobre a cultura em Portugal. Os dois trabalhos representam um importante contributo para a compreensão do significado e das implicações culturais dos dois grandes eventos recentemente realizados no nosso país: a Expo’98 e a Porto 2001. Em ambos os casos, uma linha de força fundamental atravessa o esforço analítico desenvolvido: a ponderação dos efeitos decorrentes do carácter a vários títulos excepcional dos eventos. Esses efeitos são no entanto equacionados nos dois livros em planos distintos: no caso da Expo’98 adopta-se uma perspectiva mais abrangente, explorando os diversos domínios em que se fizeram sentir os impactos culturais do evento; no caso da Porto 2001 procura-se avaliar o “efeito de evento” sobre a natureza e as modalidades de relação com a cultura reveladas pelos públicos da sua programação.

2O estudo sobre a Expo’98 orienta-se claramente por uma perspectiva de análise de impactos, que é enunciada desde logo no título do livro. Utilizando como principal fonte de informação materiais de imprensa, complementados com documentação produzida pela própria organização da Expo’98, o livro descreve e analisa as estratégias e as lógicas de programação do evento e equaciona os impactos culturais gerados pela sua realização num extenso conjunto de planos: na exposição mediática da cultura; na criação e na oferta cultural e artística; na inserção da cidade, dos criadores e dos públicos nacionais nos circuitos culturais internacionalizados; na sensibilização, mobilização e formação de públicos para a cultura, a ciência, a tecnologia, as questões ecológicas; na relação dos cidadãos com um espaço público onde confluem as lógicas da cultura, do lazer e do turismo; nas representações do país e da identidade nacional; no debate público sobre todos estes aspectos.

3Na forma como estes vários temas são abordados, há dois aspectos que devem ser realçados. O primeiro refere-se ao modo como a análise se mantém atenta aos múltiplos e muitas vezes contraditórios efeitos decorrentes da complexidade e da heterogeneidade das lógicas e dimensões que se cruzam no evento e que, como se argumenta nos dois capítulos iniciais, definem a sua singularidade. Uma das principais constatações que, deste ponto de vista, resultam do estudo é precisamente a diversidade dos impactos da Exposição Mundial e também, em muitas circunstâncias, a sua ambiguidade. Outra constatação, particularmente sugestiva, remete para o facto de uma parte dos efeitos culturais identificados radicarem nas múltiplas contaminações potenciadas pela convivência, por vezes tensa, entre diversos géneros, formas e concepções culturais e entre a cultura e as outras dimensões do evento (a urbanística, a tecnológica, a turística, a convivial e festiva, a política, a ritualística, a representacional, a mediática). Em todo o caso, é de assinalar a atitude interrogativa e problematizante dos autores sobre o real alcance e a natureza dos impactos que vão sendo analisados e sobre o modo como eles se articulam com as dinâmicas em curso na esfera cultural em Portugal.

4O segundo aspecto que pretendo salientar prende-se com a maneira como, embora de forma desigual nos vários capítulos, o balanço dos resultados do evento vai sendo acompanhado de referências aos debates e às controvérsias geradas pelas suas opções programáticas. Este aspecto remete para uma dimensão habitualmente pouco valorizada, mas igualmente relevante dos impactos do evento: a abertura de um amplo espaço de debate público em torno, não apenas, mas também, das questões da cultura e da política cultural. Deste ponto de vista, o último Capítulo, dedicado à sistematização das diversas avaliações que a Expo’98 suscitou, nomeadamente entre os comentadores na imprensa, parece menos conseguido, em virtude do seu cariz essencialmente descritivo. Uma abordagem mais argumentativa e problematizante sobre a conflitualidade simbólica, programática e política gerada pela Expo’98 no espaço público, e sobretudo no espaço da imprensa, teria permitido aprofundar as pistas de discussão que a esse respeito vão sendo sugeridas ao longo do livro. Este é talvez um domínio em que o estudo foi menos ambicioso na exploração da principal fonte de informação utilizada, os materiais de imprensa, que, como afirmam os autores, implicaram tanto limitações como potencialidades para o alcance da pesquisa. Sendo certo que ao longo do livro os limites são respeitados e controlados e as potencialidades amplamente demonstradas (por exemplo na atenção dedicada aos efeitos de mediatização associados ao evento), sente-se, porém, a ausência de uma discussão mais aprofundada sobre os processos, as lógicas e os critérios subjacentes à produção de informação jornalística sobre o evento, que a estratégia metodológica adoptada justificaria.

5O livro sobre a Porto 2001 apresenta os resultados de um inquérito realizado aos públicos da programação da Capital Europeia da Cultura e caracteriza os seus comportamentos, atitudes e opiniões face ao evento e às iniciativas em que participaram, assim como o perfil das suas práticas culturais fora do evento. Duas linhas de questionamento principais conduzem a análise. A primeira explora a tensão entre a selectividade e a heterogeneidade que os dados revelam acerca da composição social dos públicos e dos seus perfis de práticas culturais. A segunda remete para aquilo que os autores designam de “efeito Porto 2001”.

6No que se refere à primeira linha, a caracterização sociográfica dos públicos dá conta da fortíssima predominância de população jovem e muito qualificada escolar e profissionalmente, traços que reproduzem na Porto 2001 os efeitos de selectividade que vêm sendo notados na generalidade dos estudos sobre os públicos da cultura em Portugal. Neste panorama geral de forte selectividade, no entanto, a análise permite aos autores identificar também elementos de heterogeneidade. Essa heterogeneidade manifesta-se, desde logo, na expressão diferenciada que aqueles três critérios de selectividade assumem na composição dos públicos específicos de cada uma das áreas de programação (música, artes plásticas, animação da cidade, etc.). Revela-se ainda, de forma mais nítida, na tipologia dos públicos apresentada no último capítulo e construída com base numa análise de clusters em que se retiveram indicadores relativos aos perfis sociais e aos padrões de práticas culturais e de lazer dos inquiridos. Seis segmentos de públicos são distinguidos: os “cultivados”, os “liminares”, os “especializados”, os “retraídos”, os “displicentes”, os “recatados”. Esta tipologia ilustra tanto os efeitos diferenciadores da idade e das qualificações escolares e profissionais, como a pluralidade das modalidades de relação com a cultura que se observam entre os consumidores culturais regulares. Sem que isso minimize a consistência e as virtualidades interpretativas da análise desenvolvida neste capítulo, ela é no entanto muito marcada por um traço persistente nos estudos sobre as práticas culturais entre nós: o pressuposto do praticante cumulativo e intensivo (“omnívoro”, na expressão de R. Peterson) como modelo ideal de consumidor cultural e como referencial para as políticas de alargamento social do acesso à cultura.

7No âmbito da segunda linha de questionamento, o estudo procura ponderar o efeito que o carácter excepcional e mediático da Capital Europeia da Cultura poderá ter exercido quer sob a atracção de franjas da população menos propensas à prática cultural, quer sob as formas de relação com a cultura que se expressaram no quadro da própria programação da Porto 2001. Ao longo do texto, esta questão é equacionada fundamentalmente tendo em vista a sondagem dos efeitos do evento na promoção de dinâmicas de diversificação e alargamento social dos públicos da cultura. Os autores encontram sinais de efeitos potencialmente propiciadores desse alargamento, por exemplo, no carácter socialmente mais heterogéneo dos públicos captados por algumas instituições e áreas de programação, na participação de segmentos de públicos que, fora do contexto do evento, se revelam muito alheados da prática cultural e no forte envolvimento da população escolar. A interpretação desses sinais é justificadamente contida, em vista não só da forte selectividade social atrás referida, mas também do outro lado do “efeito Porto 2001”: o carácter efémero da mobilização de novos públicos conseguida no quadro do evento. Deve-se notar, a este respeito, que a ponderação desses efeitos contraditórios teria ganho com um maior aprofundamento da análise comparada entre os padrões das práticas culturais e de lazer dos inquiridos e as suas formas de participação no evento, explorando por exemplo o cruzamento destas últimas com a tipologia de públicos apresentada no capítulo final. Esse aprofundamento permitiria igualmente ilustrar com maior detalhe um dos aspectos mais sugestivos e interessantes do estudo: a atenção que dedica à heterogeneidade das opções e das combinações de actividades culturais que marca a relação dos públicos com a programação do evento. Reflecte-se talvez aqui o aspecto menos aliciante do livro: a sua estrutura, organizada em grande proximidade com o formato do questionário e com um pendor muito descritivo. Embora tenha a virtude de proporcionar ao leitor melhor acesso a um manancial de informação original e a um detalhe analítico de valor inestimável, essa estrutura prejudica a sistematização e, nalguns casos, o desenvolvimento, das interessantes pistas interpretativas e linhas de problematização que vão sendo enunciadas ao longo do texto.

8Em suma, os dois trabalhos reúnem um volume de informação e um conjunto de reflexões que os tornam referências indispensáveis para a compreensão dos eventos em causa. Além disso, trazem também contributos relevantes para o debate mais amplo sobre a natureza e as implicações das políticas culturais e urbanas que se apoiam neste género de realizações, um debate que urge aprofundar e enriquecer com um diálogo mais intenso com o muito que, neste domínio, vem sendo feito a nível internacional.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Claudino Ferreira, « Os grandes eventos e a cultura em Portugal: sobre os Impactos culturais da Expo’98 e os Públicos do Porto 2001 », Revista Crítica de Ciências Sociais, 67 | 2003, 135-138.

Referência eletrónica

Claudino Ferreira, « Os grandes eventos e a cultura em Portugal: sobre os Impactos culturais da Expo’98 e os Públicos do Porto 2001 », Revista Crítica de Ciências Sociais [Online], 67 | 2003, colocado online no dia 01 outubro 2012, criado a 15 janeiro 2019. URL : http://journals.openedition.org/rccs/1219

Topo da página

Autor/a

Claudino Ferreira

Assistente da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra e investigador permanente do Centro de Estudos Sociais, onde integra o Núcleo de Estudos sobre Cidades e Culturas Urbanas. Publicações recentes: “Processos culturais e políticos de formatação de um mega-evento: do movimento das Exposições Internacionais à Expo’98 de Lisboa”, in C. Fortuna e A. S. Silva (org.), Projecto e circunstância. Culturas urbanas em Portugal, Porto: Afrontamento, 2002; “Grandes eventos e revitalização cultural das cidades”, Territórios do Turismo, 2 (no prelo).
claudef@fe.uc.pt

Artigos do/da mesmo/a autor/a

Topo da página

Direitos de autor

Licença Creative Commons CC BY 3.0

Topo da página
  • Logo Centro de Estudos Sociais
  • Logo Universidade de Coimbra
  • Logo Universidade de Coimbra - Património Mundial em 2013
  • Logo Compete 2020
  • Logo Portugal 2020
  • Logo Fundos Europeus Estruturais e de Investimento
  • Logo Fundação para a Ciência e a Tecnologia
  • OpenEdition Journals