Navegação – Mapa do site
Recensões

Maria Toscano, A madre da casa da avó – os nomes infinitos do ser

Graça Capinha
p. 149-152
Referência(s):

Maria Toscano, A madre da casa da avó – os nomes infinitos do ser. Coimbra: Pé de Página, 2002, 55 pp. + 65 pp.

Texto integral

1A autora deste livro, Maria Toscano, é uma personalidade muito diversificada nos seus interesses. Socióloga de formação e carreira, tem igualmente vindo a explorar várias formas de expressão artística, que vão desde a arte dramática, à música, ao canto. Como ela própria se deixa dizer na recente Colectânea de Poesia, também publicada pela Pé de Página, no final de 2001, estamos perante uma “insatisfeita, buscadora da fala poética”.

2Este livro, a madre da casa da avó – os nomes infinitos do ser – e penso que posso usar aqui o humor a que a Maria Toscano nos habituou – é assim uma espécie de “dois em um”. Não é, contudo, como manobra publicitária que essa “substância” poética nos surge, mas antes como uma estrutura escolhida pela poeta para construir uma obra feita de vários fios, várias sequências de poemas, que se procuram entrelaçar. De resto, a imagem da trança dos fios de cabelo – dos fios de poema – está visualmente marcada na própria apresentação gráfica da obra. Os dois livros, a madre da casa da avó e os nomes infinitos do ser, obrigam-nos a esse movimento, ao movimento do entrançar: a uma leitura que nos leva pela exploração espacial, a juntar-se, mas a ultrapassar, a mera linearidade sequencial. O fim faz-se princípio e o princípio faz-se fim, porque, tal como se afirma, no último verso do último poema de os nomes infinitos do ser, o importante é “perdurar”: continuar a fazer e a desfazer essa trança, que é também o acto de relação entre os infinitos fios da nossa existência.

3a madre da casa da avó começa com uma epígrafe de Paulo Nozolino:

Nada
Antes não havia nada. Nada senão
[oliveiras e céu.
Alentejo pobre, terra de alguns. Hoje,
[apesar do progresso,
o nada é maior. Continuo a voltar lá
para sonhar e me desiludir.
para endurecer e fortalecer o cinismo
necessário à sobrevivência.
Do nada aproveito tudo

4A infância de Maria Toscano andou pelo Alentejo e essa marca é muito visível na sua poesia e penso que sobretudo neste livro, mais do que em qualquer outro da autora. A pobreza e o despojamento, de que nos fala Nozolino a propósito do Alentejo, são sem dúvida as grandes características desta obra, uma obra que é uma espécie de procura do máximo no mínimo. Tal como Nozolino, Maria Toscano parece dizer-nos: “do nada aproveito tudo”. Há um poeta inglês de que gosto muito, Basil Bunting, que queria escrever uma poesia apenas com aquilo a que chamava “lean words” – palavras esguias. Penso que, neste livro, o objectivo da Maria Toscano foi exactamente esse: escrever com palavras esguias. O primeiro poema, “asas de palavras”, acaba agradecendo o Desprendimento e a Contemplação. É uma espécie de introdução a todo o livro. Diz a poeta: “desprendo-me pelo ar, em vozes-força; em sílabas de espanto/de Futuro”. Sílabas de uma poesia que procura os cosmos na trivialidade, no quotidiano, nas “miudezas do dia‑a‑dia”. Sílabas “repetidas – sem repetição”, a ecoar Gertrude Stein, que afirmava isso mesmo: se só há repetição, a repetição não existe. E não existe, antes de tudo o mais, porque as sílabas, as palavras que repetimos, são transformadas na experiência da nossa própria voz. Todas as palavras são mutantes e essa mutação, em que todos participamos ao adequá-las à infinita diversidade da experiência humana, é, como afirma a poeta, “o risco certo à incerta mão”. A mão desconhece o resultado da transformação em que participa e daí as sílabas de espanto de Futuro.

5Por exemplo, no poema “vozes insinuantes” (p. 13), a mutação surge ao nível da sintaxe, já que a poeta procura a proliferação numa ambiguidade construída com a sintaxe e a morfologia. Estas vozes são “– umas, por barbas ditas/outras, por infantas sabidas”. Ou seja, podemos ler apenas a pausa do fim de verso e teremos: “vozes, por barbas ditas”. Mas também, na ausência de pontuação, podemos fazer o encavalgamento para o verso seguinte e leremos: “vozes, por barbas ditas outras” – ou seja, vozes feitas diferentes pelas barbas (metonímia do masculino) que as dizem. Quanto a “sabidas”, podemos ler como adjectivo ou como verbo: vozes sabidas por infantas, ou “infantas sabidas”. A trança das palavras faz-se e desfaz-se, “conforto de estilhaços/desatou nossos laços/(quase nó)”, lê-se noutro poema (p.16). Algo se afirma aqui como crucial para esta escrita – aliás tal como para toda a escrita de Maria Toscano: falo da necessidade da voz nesta poesia. O tom coloquial, a aguda ironia, o jogo com a ambiguidade (como no exemplo que venho de referir) necessitam absolutamente da encenação. O carácter performativo e dramático desta poesia liga-se sem dúvida a essa busca do poético que a nossa autora também tem explorado na linguagem teatral – e assim se encontra uma forma híbrida.

6Outra característica desta escrita prende-se com aquilo a que Wallace Stevens chamaria “uma mente de gelo”, uma característica que se manifesta sobretudo quando se trata o grande tema da tradição lírica, o amor. E a poeta atreve-se a tratá-lo, mas usando sempre uma atitude de distanciamento, por vezes quase gélida de tão lúcida – mas nunca menos lírica. O poema “sem te esperar” é um dos meus favoritos e, além do distanciamento referido, encontramos nele mais um traço que me parece também fundamental na obra: a presença de uma linguagem no feminino, aqui no acto doméstico de velar a luz da janela. A janela, que é também metáfora da linguagem, através da qual vemos o mundo: uma linguagem a que se põem borlas e cortinas (um pano cénico, estou tentada a chamar-lhe), velando o real, de forma subtil, para o poder olhar calma e lucidamente. Diz o poema:

sem te esperar
te espero, presumida
das vantagens da minha janela.
desabotoo-lhe borlas e cortinas
desvelo-lhe véus de primavera
descerro grades. Cercas, medos idos
converto-os em florões de espera:

sem te esperar, te espero, amanhecida
sem rancores nem odores de quimera.

7Brincando com a glosa e a redondilha maior, também a grande tradição da poesia oral e popular – uma tradição tão rica e tão esquecida – nos há-de surgir neste livro, marcando esta escrita pela raiz que é o Alentejo. Veja-se apenas um fragmento do poema “num pergaminho de plumas”:

num pergaminho de plumas
encontro o meu coração
couraçado por chuvas, olhos
de água da ingratidão
ou convertido num missal
de fé e santa bênção

num pergaminho de linho
reeencontro meu coração:
é de cristal cristalino é de barro feito à mão
de estanho do tempo antigo
e de muita comoção

8A redondilha, a glosa, o Alentejo reportam--nos à simplicidade que é a maior complexidade do olhar, um olhar que nos termina a primeira parte deste livro com o poema longo que lhe dá título, “a madre da casa da avó” – um poema profundamente marcado pela domesticidade do feminino, mas, sobretudo, um poema marcado pelo olhar límpido da criança e do seu espanto:

havia um rasto de oliveiras
no campo estonteante
campo aberto
jorrado torrado a eito
forro de cortiça e azeitonas
padrão de oiros
campo pão
esbugalhado nos olhos
de bestas, mulas morenas
lentas.
cheiro a chão.
campo maior
do pão.

9Campo maior desta escrita, sem dúvida.

10Na segunda parte deste livro, encontramos “a praça das palavras”, um conjunto de poemas dedicados ao espaço do quotidiano, mas de pendor metapoético, a encher--se de todos os detalhes da praça e da espera. Diz Maria Toscano: “não falo do falar. falo/da Fala, dos nomes da seiva e da oração perfeita” (p. 33) – uma oração que, afinal, ainda falta. No penúltimo poema da sequência, ”com as árvores”, é precisamente essa falta da oração perfeita que levará a poeta a afirmar: “vou com as árvores/raiz/bico de viço interior”. E, finalmente, em “a praça das palavras”, como que a fechar o círculo, de novo as palavras esguias, esguiamente se desenham quase à margem da página, desenhando-nos a visão da poeta sobre o seu próprio acto poético:

sem remorsos
sem freios
sem ameias
com os sentidos pelos plátanos fundidos
revisito a praça, dita, das palavras
fantasias de almas perenes
serenos lírios-quase-perfeitos

plátanos

outros sentidos ungidos
a preceito.
(p. 55)

11Agora, viremos a página e viremos o livro ao contrário. Outro livro que é o mesmo e o contrário, outras palavras, outros poemas a entrançar-se no texto – magicamente, poderíamos dizer, já que o entrançar é acto religioso e mitopoético de toda a representação da criação. Uma forma mágica presente até no próprio ADN (!)… Este entrançar das palavras a surgir como uma espécie de arcaico que marca, ainda e inexoravelmente, a nossa modernidade.

12os nomes infinitos do ser apresenta três secções no seu início: “o sonhar”, “o amar”, “o arder”. Desde logo, a magia do número 3, mas também, desde logo, religiosamente, o desejo, o acto, e a queda. A esfera semântica da magia encontramo--la logo na escolha lexical do primeiro poema: oráculos, duendes, gnomos. Toda uma plêiade de truques e de artifícios para presentificar o real, para o abrir à revelação e, contudo, termina o poema, “é intensa esta palavra/que não sai”. Como se o poema fosse esse momento permanentemente anterior ao acto: o arco esticado antes de a seta ser lançada.

13“o amar” traz-nos já o voo da seta, o acto de relação. E é uma definição irónica, a que Maria Toscano nos dá:

o desenho de um amor não tem
vértices pontos de fuga, de fricção

o esboço da paixão
não tem molduras

só tons, colmo, flama, tonturas
e humidade em combustão.

14Finalmente, em “o arder”, o pecado: afasta--se o distanciamento, que só se mantém no minimalismo dos versos, mas os poemas tornam-se excessivos, quase “demasiado” íntimos, poderíamos dizer, como neste fragmento:

nos ombros
a marca de abraços
e um rebulhão
braços, coxas, languidão.
de novo
tontura atordoada
me sobe, do ventre,
sem perdão
húmus
de línguas fartas
me escorrem das mãos.
(…)

15Outro fio de poemas entra agora na trança, “o arrancar da raiz”, a exigir uma desterritorialização, um outro espaço do “eu” e da palavra, um outro espaço para o acto de relação: “emigro/desligo/desligo-me//do dentro de ti”, diz a poeta (p. 40). Fica “o lembrar”, fica o espaço vazio, “esse o corpo/ outrora vela acesa” – mas um espaço vazio que se enche de possibilidade. Por isso “o perdurar” é a última parte deste livro que, não o esqueçamos, volta ao princípio na volta do livro. A trança feita, que se desfaz, e que será feita de novo. Diz a poeta:

esta é a história com letra pequena e nada
que se lhe acrescente
(…)
esta é a história com sentido:
porta que se abra
(…)

16Entre a Anunciação e a Ressurreição, a voz e o corpo, sempre repetidos, sempre trança feita e desfeita, na vida e no poema: “perdurar”, “nada e tudo poder”, conclui a autora. E voltamos à epígrafe de Nozolino: “do nada aproveito tudo”. Em última instância, e como Maria Toscano parece demonstrar-nos, é essa possibilidade mesma que a arte nos pode oferecer: da fragilidade e da impotência humanas, tudo aproveitar – para celebrar a grandiosidade da existência na terra.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Graça Capinha, « Maria Toscano, A madre da casa da avó – os nomes infinitos do ser  », Revista Crítica de Ciências Sociais, 64 | 2002, 149-152.

Referência eletrónica

Graça Capinha, « Maria Toscano, A madre da casa da avó – os nomes infinitos do ser  », Revista Crítica de Ciências Sociais [Online], 64 | 2002, posto online no dia 01 outubro 2012, consultado o 07 dezembro 2019. URL : http://journals.openedition.org/rccs/1243

Topo da página

Autor

Graça Capinha

Assistente do Grupo de Estudos Anglo-Americanos da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, onde ensina Poesia do Séc. XX, Poética e Escrita Criativa, e investigadora do Centro de Estudos Sociais. Co-organizadora dos Encontros Internacionais de Poetas de Coimbra. Directora da revista Oficina de Poesia. Revista da Palavra e da Imagem.
gcapinha@sonata.fe.uc.pt

Artigos do mesmo autor

Topo da página

Direitos de autor

Licença Creative Commons CC BY 3.0

Topo da página
  • Logo Centro de Estudos Sociais
  • Logo Universidade de Coimbra
  • Logo Universidade de Coimbra - Património Mundial em 2013
  • Logo Compete 2020
  • Logo Portugal 2020
  • Logo Fundos Europeus Estruturais e de Investimento
  • Logo Fundação para a Ciência e a Tecnologia
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • OpenEdition Journals