Navegação – Mapa do site

InícioNúmeros93RecensõesBrenda D. Phillips, Deborah S.K. ...

Recensões

Brenda D. Phillips, Deborah S.K. Thomas, Alice Fothergill, Lynn Blinn‑Pike (orgs.), Social Vulnerability to Disasters.

Susana Freiria
p. 198-199
Referência(s):

Brenda D. Phillips, Deborah S.K. Thomas, Alice Fothergill, Lynn Blinn‑Pike (2010) (orgs.), Social Vulnerability to Disasters. Boca Raton, FL-EUA: CRC Press/Taylor and Francis Group, 392 pp.

Texto integral

1Actualmente registam‑se em todo o mundo um número cada vez mais elevado de desastres e cujo impacto na vida das populações e nos seus bens é cada vez maior. Num cenário de catástrofe é importante conhecer os recursos humanos disponíveis, os cenários possíveis, os grupos mais vulneráveis em relação aos diversos perigos e quais as suas principais fragilidades.

2O livro Social Vulnerability to Disasters apresenta‑se como inovador na medida em que alia o conhecimento académico desenvolvido no âmbito do risco com o conhecimento prático. A obra em análise foi organizada por Brenda Phillips, Deborah Thomas, Alice Fothergill e Lynn Blinn‑Pike e contou com a colaboração de autores provenientes dos mais variados quadrantes académicos e operacionais. As organizadoras do livro elegem, como principal objectivo deste, ajudar os leitores a compreender as razões da existência de determinadas vulnerabilidades e o que pode ser feito a fim de promover a mudança, de modo a reduzir, em última instância, as vulnerabilidades e a construir capacidades.

3O livro encontra‑se estruturado em três partes. Na primeira procura‑se entender o conceito de vulnerabilidade social; na segunda é apresentada uma profunda sistematização das variáveis que contribuem para que determinados grupos sejam considerados socialmente mais vulneráveis; e a terceira parte, com o sugestivo título de “Building Capacity”, procura encontrar soluções no sentido de aumentar a capacidade de resposta perante desastres. A obra começa por uma abordagem conceptual, para depois assumir um cariz mais prático ao longo dos capítulos. A abordagem conceptual consiste numa descrição ou apreciação do estado da arte, sendo que os aspectos mais interessantes e inovadores se encontram na parte em que a obra assume um cariz mais prático.

4O livro em análise preconiza uma abordagem integrada dos aspectos físicos e sociais, não se limitando a identificar as populações que necessitam de assistência num cenário de catástrofe. Tem ainda em linha de conta as áreas com elevada perigosidade. Aliás, a identificação e a avaliação das perigosidades são classificadas como elementos básicos a incluir na avaliação da vulnerabilidade de uma comunidade. Para além disso, em alguns capítulos é salientada a importância da interdisciplinaridade entre as ciências sociais e físicas para a redução da vulnerabilidade, sendo apresentada, no capítulo 15, uma lista de passos considerados necessários para integrar estas áreas científicas na prática de gestão de desastre.

5Esta obra procura divulgar a vulnerabilidade social junto dos mais diversos públicos, desde o público de cariz académico até ao mais operacional. Apresenta uma análise aprofundada das variáveis relevantes para que determinados indivíduos sejam mais vulneráveis que outros; cada capítulo aponta sugestões de bibliografia fundamental, vídeos, endereços electrónicos e questões para reflexão e revisão; além disso, oferece orientações para os operacionais responsáveis pela gestão do risco.

6São vários os livros que apontam, de modo breve, para a existência de grupos socialmente vulneráveis; contudo, este apresenta uma visão crítica, aprofundada e complexa da questão, associada a uma forte componente pedagógica. Pode‑se referir a título de exemplo o capítulo 10, escrito por Betty Morrow (autora de materiais dos cursos da FEMA – Federal Emergency Management Agency), que chama a atenção para a necessidade de compatibilizar os materiais de sensibilização e sistemas de aviso da população com o seu nível de literacia. Aponta ainda soluções no sentido de que a informação abranja o maior número de pessoas e que o processo de gestão do risco tenha em conta a importante componente que é a participação pública.

7Por tudo isto, o livro Social Vulnerability to Disasters constitui um guia estimulante e útil para os mais diversos públicos na área do risco.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Susana Freiria, «Brenda D. Phillips, Deborah S.K. Thomas, Alice Fothergill, Lynn Blinn‑Pike (orgs.), Social Vulnerability to Disasters. »Revista Crítica de Ciências Sociais, 93 | 2011, 198-199.

Referência eletrónica

Susana Freiria, «Brenda D. Phillips, Deborah S.K. Thomas, Alice Fothergill, Lynn Blinn‑Pike (orgs.), Social Vulnerability to Disasters. »Revista Crítica de Ciências Sociais [Online], 93 | 2011, publicado a 01 outubro 2012, consultado a 26 setembro 2022. URL: http://journals.openedition.org/rccs/1400; DOI: https://doi.org/10.4000/rccs.1400

Topo da página

Autor

Susana Freiria

Licenciada em geografia, variante estudos ambientais, possui o mestrado em Dinâmicas Sociais e Riscos Naturais pela Universidade de Coimbra. Desde 2003 que tem vindo a participar em vários projectos de investigação científica e na elaboração de planos de ordenamento do território, no âmbito da gestão do risco.
susanaf@ces.uc.pt

Artigos do mesmo autor

Topo da página

Direitos de autor

CC BY 4.0

Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional - CC BY 4.0

https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/

Topo da página
Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search