Navegação – Mapa do site
Espaço Virtual

Título da página eletrónica: Instituto Promundo

URL: http://www.promundo.org.br/
Tatiana Moura, Júlia Garraio e Sílvia Roque
p. 203-204

Texto integral

1O Instituto Promundo é uma organização não‑governamental brasileira que atua no Brasil e internacionalmente – com escritórios no Rio de Janeiro (Brasil), em Washington, DC (Estados Unidos) e em Kigali (Ruanda) – para promover masculinidades não‑violentas e relações de género equitativas. O Promundo define‑se como um instituto de pesquisa aplicada que leva a cabo programas de intervenção, testando e avaliando metodologias próprias, e que realiza ações de advocacy para políticas e programas em contextos de violência urbana, pós‑conflito e guerra.

2A organização atua em torno de cinco grandes áreas programáticas: 1) transformação de normas de género; 2) promoção de masculinidades não‑violentas em contextos de pós‑conflito e alta violência urbana; 3) envolvimento de homens na paternidade e nos cuidados infantis; 4) transformação de masculinidades para a redução da pobreza e empoderamento económico de mulheres; 5) transformação de masculinidades para a prevenção de violência e exploração sexual.

3O site permite conhecer a missão e o trabalho desta instituição, que é reconhecida por organismos internacionais como a UNICEF, a UNFPA, o PNUD, entre outros, por desenvolver, junto a instituições parceiras (Instituto Papai, ECOS e Salud y Genero), o Programa H (de homem), uma metodologia inovadora que visa estimular a reflexão e o envolvimento de homens em ações de promoção da equidade de género. Nos últimos dez anos, o Promundo implementou o Programa H, bem como o Programa M (voltado para o envolvimento de mulheres na equidade de género) em diversos contextos – América Latina, Europa, Ásia e África – e tem sido capaz de medir mudanças positivas de atitudes e comportamentos relacionados com violência de género, saúde sexual e reprodutiva e atitudes que se relacionam com violência sexual.

4Desde 2009, o Promundo coordenou, em parceria com o International Center for Research on Women (ICRW), o Projeto “Men and Gender Equality Policy” (MGEPP), uma iniciativa de pesquisa e advocacy de longo prazo, que envolveu vários países. O estudo IMAGES (International Men and Gender Equality Survey) já foi realizado na Bósnia e Herzegovina, Brasil, Chile, Croácia, República Democrática do Congo, Índia, Malaui, Mali, México, Ruanda e África do Sul. O projeto pretendeu produzir conhecimento de base para o desenho de novas metodologias, programas de ação e políticas públicas de fomento da equidade de género. Na secção do site dedicada ao projeto é possível ter acesso a todos os relatórios e publicações realizados pelo Promundo e outras instituições em diferentes países.

5Recentemente, a instituição tem ampliado o seu campo de atuação, dedicando‑se à realização de pesquisas e de programas de ação em contextos de guerra e pós‑guerra. Exemplos disso são os projetos de empoderamento económico das mulheres no Ruanda ou o estudo IMAGES realizado na República Democrática do Congo, que revelou que mais de um terço dos homens entrevistados já tinha praticado alguma forma de violência sexual e que mais de três quartos do total dos entrevistados demonstravam atitudes alarmantes face aos direitos das mulheres e em particular face às situações de violação. O relatório confirmou que a violência sexual, usada muitas vezes enquanto arma de guerra, reflete mais frequentemente a aceitação generalizada de normas patriarcais e de mitos que justificam e naturalizam a violação, a subordinação quotidiana das mulheres e o sentimento de propriedade dos homens em relação aos corpos das mulheres. Os resultados também confirmam a gravidade com que o conflito na República Democrática do Congo afeta as famílias: três quartos dos homens e mulheres entrevistados tiveram de abandonar as suas casas devido ao conflito.

6Este estudo pode ser lido na íntegra na secção “Publicações” do site. Esta secção disponibiliza uma gama de relatórios completos com resultados de outras pesquisas, monitoramento do impacto das intervenções realizadas pelo Promundo em diferentes contextos, além de guias e manuais educativos para a disseminação das metodologias desenvolvidas ao longo de 15 anos em escolas, creches, serviços de saúde e comunidades. Muitos documentos estão disponibilizados em língua inglesa e portuguesa, mas também em espanhol e francês.

7Através da Loja Virtual é possível adquirir produtos e materiais educativos produzidos pela instituição, como os Manuais H e M e os vídeos “Minha vida João”, “Era uma vez outra Maria”, “Medo de quê?” e “Era uma vez outra família”. Trata‑se de desenhos animados que visam questionar normas tradicionais de género e sensibilizar para temas como primeiros relacionamentos sexuais, violência, uso de drogas, gravidez na adolescência, diversidade sexual e prevenção de castigos físicos e humilhantes contra crianças e adolescentes. Por não serem falados, são de fácil utilização em diferentes contextos e países.

8Os interessados em receber o boletim eletrónico trimestral (versões em inglês e português) com atualizações sobre as atividades e sobre novas publicações do Promundo podem registar‑se no site.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Tatiana Moura, Júlia Garraio e Sílvia Roque, « Título da página eletrónica: Instituto Promundo », Revista Crítica de Ciências Sociais, 96 | 2012, 203-204.

Referência eletrónica

Tatiana Moura, Júlia Garraio e Sílvia Roque, « Título da página eletrónica: Instituto Promundo », Revista Crítica de Ciências Sociais [Online], 96 | 2012, colocado online no dia 15 fevereiro 2013, criado a 13 novembro 2018. URL : http://journals.openedition.org/rccs/4882

Topo da página

Autores/as

Tatiana Moura

Desde Setembro de 2011, é Diretora executiva do Instituto Promundo, organização não‑governamental brasileira com escritórios no Rio de Janeiro (Brasil), em Washington, DC (Estados Unidos) e em Kigali (Ruanda), cuja missão é promover masculinidades e relações de género  não‑violentas e equitativas no Brasil e internacionalmente. Cocoordena, desde 2008, o Observatório sobre Género e Violência Armada – OGiVA, no Centro de Estudos Sociais, onde também é investigadora. Licenciada em Relações Internacionais pela Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra, tem o grau de mestre em Sociologia pela mesma Faculdade e é doutorada em Paz, Conflitos e Democracia pela Universidade Jaume I (Espanha). Os seus interesses de investigação centram‑se em questões relacionadas com transformações de masculinidades violentas em contextos de pós‑conflito e violência armada urbana, e feminismo das Relações Internacionais. Nos últimos anos tem coordenado projetos sobre jovens em contextos de violência armada, em particular na América Latina. Em 2009 publicou Auto de resistência. Relatos de familiares de vítimas da violência armada (7Letras) e, em 2010, Novíssimas guerras. Espaços, identidades e espirais da violência armada (Coimbra: CES/Almedina).
tatiana@ces.uc.pt

Artigos do/da mesmo/a autor/a

Júlia Garraio

Investigadora do Centro de Estudos Sociais, onde integra o Núcleo de Estudos sobre Humanidades, Migrações e Estudos para a Paz (NHUMEP). Desenvolve desde 2007 um projeto de pós‑doutoramento sobre a representação literária e cinematográfica das violações de mulheres alemãs por membros das forças aliadas na Segunda Guerra Mundial. É membro da rede internacional Sexual Violence in Armed Conflict (SVAC) e, desde 2011, é coordenadora da publicação Oficina do CES (http://www.ces.uc.pt/publicacoes/oficina/).
juliaga@gmail.com

Artigos do/da mesmo/a autor/a

Sílvia Roque

É investigadora do Centro de Estudos Sociais e doutoranda em Relações Internacionais na Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra, desenvolvendo uma tese sobre percursos de violência em países que atravessaram um conflito armado. Desde 2005 participa em projetos de investigação na área dos Estudos para a Paz, na Guiné‑Bissau e em El Salvador. Os seus interesses atuais incluem a violência juvenil, a violência contra as mulheres e a participação das mesmas em grupos violentos e a forma como estes temas são tratados nas agendas internacionais de segurança e “construção” da paz. Principais publicações: Pureza, José Manuel; Roque; Sílvia; Cardoso, Kátia (orgs.), Jovens e trajectórias de violências. Os caos de Bissau e da Praia (Coimbra: CES/Almedina, 2012) e Roque, Sílvia, Um retrato da violência contra mulheres na Guiné‑Bissau (Bissau: Governo da Guiné‑Bissau/Organização das Nações Unidas, 2011).
silviar@ces.uc.pt

Artigos do/da mesmo/a autor/a

Topo da página

Direitos de autor

Licença Creative Commons CC BY 3.0

Topo da página
  • Logo Centro de Estudos Sociais
  • Logo Universidade de Coimbra
  • Logo Universidade de Coimbra - Património Mundial em 2013
  • Logo Compete 2020
  • Logo Portugal 2020
  • Logo Fundos Europeus Estruturais e de Investimento
  • Logo Fundação para a Ciência e a Tecnologia
  • OpenEdition Journals