Navegação – Mapa do site
Recensões

Gerald Raunig, Gene Ray e Ulf Wuggenig (orgs.) (2011), Critique of Creativity: Precarity, Subjectivity and Resistance in the Creative Industries

Pedro Quintela
p. 203-205
Referência(s):

Gerald Raunig, Gene Ray e Ulf Wuggenig (orgs.) (2011), Critique of Creativity: Precarity, Subjectivity and Resistance in the Creative Industries. London: MayFly, 216 pp.

Texto integral

1O debate sobre as indústrias culturais e criativas ganhou visibilidade nos últimos anos, ultrapassando o contexto académico e invadindo o espaço público, através dos média e dos agentes políticos. No contexto europeu a “agenda da criatividade” constitui hoje uma das principais tendências estruturadoras dos discursos e das práticas políticas.

2A obra Critique of Creativity, recentemente publicada, insere‑se nesta discussão. Este livro pretende contribuir para a análise do recente hype em torno da criatividade e das indústrias criativas, procurando equacionar alguns dos impactos ao nível das transformações no mercado laboral, nas políticas públicas, na esfera artística e cultural, entre outras. O livro divide‑se em quatro partes – “Criatividade”, “Precariedade”, “Indústrias Criativas”, “Indústrias Culturais” – que correspondem a diferentes entradas para uma abordagem crítica à temática das indústrias culturais e criativas e aos múltiplos efeitos gerados pela recente ideologia da “criatividade” e do “empreendedorismo criativo”. Os 14 artigos, precedidos por uma introdução e enquadramento geral, resultam de uma seleção de comunicações apresentadas, em 2006, nas conferências “Critique of Creative Industries” e “Creating Effects: On the Ideology and Effectivity of Creativity and its Institutions”. A diversidade disciplinar dos autores reflete‑se num esforço dos editores em fazer dialogar abordagens distintas: umas vincadamente teóricas; outras inspiradas na análise de casos empíricos; outras ainda fundamentadas na análise de objetos artísticos.

3O processo de reestruturação do modelo capitalista que, a partir de meados dos anos 70, se generalizou por todo o mundo assume‑se, neste contexto, como um elemento de análise fundamental, presente na generalidade das perspetivas apresentadas. Esta opção corresponde, por um lado, à necessidade de enquadrar as especificidades atuais do mercado de trabalho artísticos e criativo no seio das recentes transformações que caracterizam a nova economia capitalista, nomeadamente, no que diz respeito às profundas alterações operadas nos modelos de produção e de gestão do mercado de trabalho. Permite, por outro lado, desenvolver uma análise crítica dos discursos em torno das novas modalidades de emprego e trabalho, que se inspiram na figura do “artista” enquanto modelo a seguir.

4As duas primeiras secções centram‑se no modo como o termo “criatividade” penetrou nas retóricas da política, da gestão e da economia contemporâneas. Um dos aspetos abordados (sobretudo com Stefan Nowotny, Maurizio Lazzarato e de Paolo Virno) prende‑se com o processo através do qual o trabalho artístico se tornou “exemplar” para o modelo de capitalismo atual, que celebra a sua “flexibilidade”, “criatividade”, “autonomia”, “mobilidade” e “empreendedorismo”, fazendo‑a corresponder a uma certa ideia de liberdade individual.

5O modo como os agentes e instituições culturais foram incorporando, ou não, estes novos discursos em torno da “criatividade” é outro aspeto abordado. Este é um processo evidentemente repleto de tensões e contradições pois a nova retórica da criatividade parece não conseguir dar uma resposta à precarização crescente e generalizada das condições de trabalho. A leitura cruzada de alguns dos artigos revela‑se útil, ao evidenciar que a emergência de novos e diversificados espaços e movimentos que procuram resistir ao capitalismo neoliberal é simultaneamente acompanhada pela forte tendência para um certo conformismo face à situação atual, por vezes, reforçada através do contributo de artistas, intelectuais e outros agentes culturais que ativamente “alimentam” muitos dos discursos e práticas em torno da “criatividade”.

6A terceira secção integra um conjunto de case studies sobre o modo como têm sido delineadas e aplicadas na Europa diferentes estratégias de desenvolvimento de indústrias culturais e criativas. Os artigos abordam casos com níveis de intervenção e contextos históricos distintos, permitindo ao leitor estabelecer algumas comparações pertinentes.

7Num plano macro, Raimund Minichbauer propõe uma análise crítica da crescente presença do discurso em torno da “criatividade”, “indústrias criativas” e “economia criativa” nas políticas culturais da União Europeia, sobretudo com a “Estratégia de Lisboa” (2000) e a aposta numa “economia da informação e do conhecimento”. Como demonstra, este discurso reflete um agudizar de uma tendência para a economização da política cultural comunitária, que se repercute numa alteração das prioridades políticas para o setor.

8As análises de Angela McRobbie e de Monika Mokre centram‑se num nível intermédio – i.e. abordam as implicações dos discursos, estratégias e instrumentos de política concretos ao nível das cidades e dos países. Estas investigadoras propõem‑nos, respetivamente, a análise dos casos do Reino Unido/Londres (uma reflexão sistemática e muito bem fundamentada do que McRobbie classifica como as três “vagas” sucessivas de microempreendedores criativos britânicos, desde os anos 90) e da Áustria/Viena (centrada, em particular, na análise do malsucedido projeto “Quartier 21”).

9Num plano micro, Marion von Osten centra‑se no setor do design e multimédia, em Zurique, apresentando uma reflexão sobre os impactos das modalidades de emprego e de auto‑organização específicas neste contexto. Esta investigação revela algumas das tensões e das táticas de resistência quotidianas levadas a cabo por estes agentes face ao que interpretam como uma economização da cultura.

10Na quarta e última secção revisitam‑se os célebres argumentos de Max Horkheimer e Teodoro W. Adorno sobre a “indústria cultural”. Gene Ray e Esther Leslie, por um lado, desenvolvem nos seus respetivos artigos duas releituras possíveis das teses de Horkheimer e Adorno à luz do contexto presente, defendendo, em ambos os casos, que estas se mantêm genericamente ajustadas e atuais. Gerald Raunig, por seu turno, propõe uma visão mais crítica, desenvolvendo uma análise sistemática dos quatro elementos centrais que compõem o conceito de “indústria cultural” e confrontando‑os com os atuais desenvolvimentos. A sua análise demonstra como os pressupostos que sustentavam a tese da manipulação e subjugação dos indivíduos ao capital através da indústria cultural se revelam desfasados da realidade do capitalismo pós‑fordista contemporâneo e, em particular, das transformações ocorridas no campo da cultura. Torna‑se, assim, necessário encontrar novos referenciais teóricos, convocando o autor os contributos de Deleuze e Guattari, Lory e Virno para este debate.

11Para concluir, importa realçar a pertinência e atualidade do conjunto de ensaios aqui reunidos, possibilitando ao leitor uma visão crítica das indústrias criativas contemporâneas, seja como ideologia, seja enquanto relações de exploração que se concretizam na praxis quotidiana daqueles que nelas se encontram envolvidos. São ainda apontadas pistas de investigação relevantes para o desenvolvimento de algumas das linhas de problematização aqui enunciadas, nomeadamente, no que toca às práticas reais e potenciais de resistência no campo cultural, a diferentes níveis (das lutas sociais mais institucionalizadas e organizadas, às microtáticas quotidianas de resistência). Saliente‑se ainda o contributo desta obra para enriquecer o debate sobre as indústrias culturais e criativas, propondo um cruzamento de perspetivas que favorecem um enriquecimento desta discussão e também que esta extravase as esferas política, técnica e científica, alargando‑se a outros contextos. Não podemos, contudo, concluir sem referir que, por vezes, a perspetiva patente em Critique of Creativity evidencia um “tom” excessivamente crítico das indústrias criativas, que parece ser incapaz de matizar a análise e integrar as aprendizagens, oportunidades e transformações positivas que, para além do hype, algumas destas dinâmicas e transformações também originam ou poderão potencialmente vir a originar.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Pedro Quintela, « Gerald Raunig, Gene Ray e Ulf Wuggenig (orgs.) (2011), Critique of Creativity: Precarity, Subjectivity and Resistance in the Creative Industries »Revista Crítica de Ciências Sociais, 99 | 2012, 203-205.

Referência eletrónica

Pedro Quintela, « Gerald Raunig, Gene Ray e Ulf Wuggenig (orgs.) (2011), Critique of Creativity: Precarity, Subjectivity and Resistance in the Creative Industries »Revista Crítica de Ciências Sociais [Online], 99 | 2012, posto online no dia 04 setembro 2013, consultado o 08 abril 2020. URL: http://journals.openedition.org/rccs/5169

Topo da página

Autor

Pedro Quintela

Sociólogo e consultor. Licenciado em Sociologia pelo ISCTE IUL, é mestre em Cidades e Culturas Urbanas pela Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra, onde atualmente desenvolve o seu projeto de doutoramento em Sociologia, apoiado pela Fundação para a Ciência e Tecnologia, intitulado “O trabalho criativo em Portugal: uma análise a partir do caso do design de comunicação”. Quadro da Quaternaire Portugal, SA onde, desde setembro de 2006, integra a equipa que desenvolve estudos nas áreas dos projetos e políticas culturais, planeamento estratégico, projetos e políticas urbanas, entre outras. Os seus atuais interesses de investigação académica centram se em diferentes domínios relacionados com as cidades, políticas culturais, culturas urbanas e economia cultural e criativa. É ainda investigador no projeto “Keep it simple, make it fast! Prolegómenos e cenas punk, um caminho para a contemporaneidade portuguesa (1977 2012)” (Instituto de Sociologia da Universidade do Porto, Griffith Centre for Cultural Research e Universidade de Lleida).
pedroquintela@ces.uc.pt

Artigos do mesmo autor

Topo da página

Direitos de autor

Licença Creative Commons CC BY 3.0

Topo da página
  • Logo Centro de Estudos Sociais
  • Logo Universidade de Coimbra
  • Logo Universidade de Coimbra - Património Mundial em 2013
  • Logo Compete 2020
  • Logo Portugal 2020
  • Logo Fundos Europeus Estruturais e de Investimento
  • Logo Fundação para a Ciência e a Tecnologia
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • OpenEdition Journals