Navegação – Mapa do site

InícioNúmeros85RecensõesGatti, Gabriel, El detenido-desap...

Recensões

Gatti, Gabriel, El detenido-desaparecido. Narrativas posibles para una catástrofe de la identidad

Silvia Rodríguez Maeso
p. 172-176
Referência(s):

Gatti, Gabriel (2008), El detenido-desaparecido. Narrativas posibles para una catástrofe de la identidad. Montevideo: Trilce, 176 pp.

Texto integral

1Em primeiro lugar convém advertir o leitor de que o livro de Gabriel Gatti, professor de teoria sociológica na Universidade do País Basco e coordenador do Centro de Estudos sobre a Identidade Colectiva, não aborda as temáticas da memória e da luta política pela justiça na Argentina e Uruguai, apesar destes aspectos se encontrarem presentes na obra. Neste sentido, o texto afasta-se dos temas e perspectivas dominantes em relação à questão do terror de Estado no Cone Sul latino-americano. O objecto de estudo deste livro é a identidade, um tipo de identidade individual e colectiva produto da modernidade. Mais concretamente, e olhando os efeitos do desaparecimento forçado de pessoas ao seu redor, Gatti analisa a catástrofe que o detido-desaparecido produz sobre essa identidade e as narrativas que a sustentam, procurando assim responder à seguinte pergunta: que narrativas possíveis surgem no espaço do detido-desaparecido? O autor considera que têm surgido duas narrativas que, em grande medida, coincidem com diferentes gerações e suas experiências nesse espaço: a narrativa que tenta reparar o sentido que foi destruído pela catástrofe, e aquela que abandona essa ideia e é construída partindo do sem sentido.

2Este livro apresenta-se como atípico do ponto de vista narrativo e esta é uma das suas principais virtudes, porque consegue realçar o seu imenso potencial teórico e analítico. Por um lado, desconstrói a centralidade do autor e, por outro, interrelaciona de forma sugestiva o académico com o emocional. Estamos perante um livro que tem muito de retrato geracional daqueles que, falando a partir de um lugar denso, o campo do detido-desaparecido, renunciam ao heroísmo para dar conta da possibilidade de viver nesse espaço e construir uma identidade. O Gabriel Gatti sociólogo e investigador e o Gatti familiar de desaparecido (filho de, irmão de…), depositário das memórias duma geração, estão sempre em tensão e obrigam-no com frequência a passar de entrevistador a entrevistado. Talvez seja precisamente dessa tensão que surge uma narrativa e uma forma de fazer sociologia (“uma sociologia a partir do estômago”) que oferece ao leitor a oportunidade de seguir o percurso do autor no processo da sua investigação mediante numerosas notas do seu diário de campo que se encontram inseridas em caixas destacadas, muitas das quais denotando essa tensão omnipresente entre o académico e o emocional. Trata-se de uma narrativa que promove a polifonia através de quatro textos breves de diferentes autorias inseridos ao longo do livro, que dialogam com o autor apresentando outros pontos de vista a partir desse campo do detido-desaparecido e fora dele.

3Os dois primeiros capítulos do livro constituem o seu esqueleto teórico. O primeiro é dedicado ao conceito de catástrofe enquanto factor analítico dos efeitos do desaparecimento forçado; o segundo descreve a devastação do binómio identidade/linguagem promovida pelo Estado moderno no contexto do Cone Sul latino-americano. Partindo do trabalho de diversos autores, como Giorgio Agamben e Zygmunt Bauman, que reflectem sobre as relações entre Estado, política e ordem social na lógica moderna, e mais concretamente sobre as formas de entender o Holocausto nessa lógica, assim como da análise de Norbert Elias sobre o processo de construção (civilização) do indivíduo moderno, Gatti estabelece que para os contextos argentino e uruguaio, o detido-desaparecido se encontra ligado à forma peculiar como foi historicamente construída a identidade nesses territórios: através da aplicação obsessiva do projecto moderno que tem no Estado jardineiro o seu executor principal. À luz deste processo histórico, Gatti explora a ideia de que o indígena poderia ser considerado como o primeiro “desaparecido”: o Estado passou da acção sobre “o Índio e o deserto” à actuação sobre “o subversivo e a subversão”. O autor adverte que o projecto dos jardineiros da biopolítica desenvolvido na América Latina foi levado à “perfeição” no Cone Sul pela via da conquista e destruição das cidades e populações indígenas, enquanto noutros contextos, como por exemplo na região andina, a sua história contemporânea não pode ser contada sem a “tradição pré-colonial”. Neste ponto seria talvez mais apropriado falarmos de permanência das culturas “originárias” nas formas contemporâneas e, portanto, da coexistência de diversas formas de pensar (ou não) o indivíduo.

4Seguindo estas premissas, o autor estabelece o que denomina como o paradoxo do detido-desaparecido (que, no entanto, é enunciado apenas no final do quinto capítulo), segundo o qual o detido-desaparecido faz parte de um tipo de gestão de populações própria da ordem civilizadora moderna, sendo o desaparecimento forçado aplicado aos produtos mais acabados desta ordem: o indivíduo moderno/racional foi despedaçado – o desaparecido “deixa” um nome sem um corpo – sendo portanto aniquilado. Encontramo-nos perante uma proposta teórica vigorosa, que convida a uma análise comparada com outros contextos latino-americanos. Quais as consequências deste quadro na análise dos processos de conflito armado ocorridos nas últimas décadas em países como o Peru e a Guatemala, onde as comunidades rurais e as populações indígenas foram as mais afectadas? Mesmo correndo o risco de generalizar, podemos notar que a política de arrasamento aplicada pelas Forças Armadas peruana e guatemalteca teve como objectivo o aniquilamento do índio subversivo, que nos casos argentino e uruguaio não corresponde a uma, mas a duas figuras que “pertencem” a momentos históricos distintos. Assim, poderíamos considerar que, na política do Estado “jardineiro” peruano e guatemalteco, como no Cone Sul, o desaparecimento é, em grande medida, uma continuação da política de arrasamento de raiz colonial e republicana, mas que nos primeiros casos o indivíduo racional moderno, o cidadão, não substituiu o índio. Para além das diferenças nos processos de violência mencionados em relação aos acontecimentos no Cone Sul, consideramos que, mais do que na particularidade do terror de Estado na Argentina e Uruguai, devido ao modo peculiar como se constituiu a identidade nesses contextos – sendo que Gatti sublinha este último aspecto de uma forma talvez excessiva –, é nos efeitos e modos diferentes de viver (e narrar) esse espaço do detido-desaparecido que se encontram os elementos mais frutíferos para a análise comparada entre contextos latino-americanos. Retornarei a esta questão mais adiante.

5Os quatro capítulos seguintes do livro são consagrados aos efeitos produzidos pela catástrofe do desaparecimento forçado na identidade e na linguagem. Os capítulos terceiro e quarto dedicam-se à análise das narrativas do sentido, aquelas que tratam de reparar e reequilibrar a catástrofe. A postura do autor em relação a estas narrativas é arriscada, inclusive irreverente, e para muitos leitores pode mesmo resultar injusta. Vejamos: as tentativas de dar sentido à catástrofe, pergunta-se Gatti, não serão formas de desvirtuá-la? Isto é, não estarão a dotar o desaparecido de uma identidade, de uma realidade que não tem, sendo que é precisamente essa carência (o sem sentido) a característica principal desse espaço e dessa figura? Partindo desta perspectiva, o capítulo terceiro centra-se na institucionalização da memória e, portanto, do próprio campo do detido-desaparecido através da burocracia, da profissionalização e patrimonialização encarnada nos arquivos e registos onde os cidadãos tentam recuperar a identidade do desaparecido e a sua própria, restaurando o que foi destroçado, e superando o trauma.

6Contudo, é nas narrativas surgidas em torno das famílias de crianças desaparecidas/apropriadas – algumas das quais são adultos recuperados – que o autor percebe os efeitos mais conservadores dos “militantes do sentido”, na sua ênfase a um retorno a visões essencialistas e deterministas da identidade (i.e. a equação Identidade = ADN). Obviamente que, partindo de determinadas perspectivas da sociologia e da antropologia da identidade, como Elixabete Imaz reflecte no texto inserido neste capítulo, não é fácil aceitar a consideração do vínculo que a genética consegue demonstrar, e que foi destruído pela apropriação de crianças, como a essência duma identidade que deve ser restaurada. Para os sociólogos, é difícil pensar a partir duma identidade originária que foi suplantada e deve ser recuperada. No entanto, o que parece perturbar mais o autor não é tanto o essencialismo destas narrativas da identidade, mas a sua obsessão em reequilibrar aquilo que foi abruptamente desestabilizado porque, de certo modo, correspondem a formas de obliteração da catástrofe produzida pelo desaparecimento.

7O que Gatti demonstra é a forma como, perante um desaparecimento forçado, o imaginário moderno da identidade (individual e colectiva), com os seus contornos fixos, duráveis, depurados, é desdobrado e reforçado. Podemos voltar a discutir as diferenças e semelhanças com outros contextos. Relembro aqui que muitos dos cientistas sociais que trabalharam no processo da Comissão da Verdade e da Reconciliação peruana recorreram frequentemente ao exemplo argentino para denunciar o facto de as mães peruanas que reclamavam ao Estado o desaparecimento dos seus filhos serem mulheres camponesas, analfabetas, com um conhecimento rudimentar ou inexistente do castelhano – em oposição às mães da Praça de Maio, brancas, urbanas, letradas – como um aspecto fundamental da negação pelo Estado, pela justiça e por parte da sociedade peruana destas práticas sistemáticas de violência. Certamente, por excesso ou por defeito, quando se trata de reivindicar ao Estado a reparação do que foi perpetrado a partir do seu interior, o imaginário e os dispositivos modernos desdobram-se. Apesar de, em contextos como o peruano, podermos considerar que o terror de Estado não foi exercido – tal como é enunciado no paradoxo do detido-desaparecido – da forma mais brutal sobre os seus produtos “mais acabados”, a sua lógica de acção foi similar e muitas das narrativas possíveis aí surgidas são idênticas às que acontecem no Cone Sul, porque se encontram centradas no binómio Estado/cidadão. Contudo, existem duas distinções fundamentais. Por um lado, no Cone Sul, o propósito dessas narrativas do sentido é restituir ao indivíduo a sua condição cidadã, enquanto noutros contextos se trata de tentativas de “produção” de cidadania em territórios e para populações que só de forma precária foram considerados como tal. Por outro lado, a institucionalização das narrativas do sentido no Cone Sul, mais concretamente na Argentina, foi possível porque o Estado assumiu como próprio o discurso dos familiares dos desaparecidos, “depurado” pela doutrina dos Direitos Humanos. Esta espécie de consenso não tem acontecido noutros contextos latino-americanos.

8Os últimos dois capítulos do livro são dedicados às narrativas que, ao contrário das anteriores, não buscam o equilíbrio. São narrativas que constroem identidade partindo do sem sentido que se produz ao habitar a catástrofe do campo do detido- -desaparecido. Gabriel Gatti está mais confortável nestas narrativas – que são a sua própria – porque se afastam da épica política e porque, partindo da “experiência normalizada” que faz do vazio um lugar, provocam a reflexividade em torno da impossibilidade de reequilibrar a catástrofe. Estas narrativas facilitam a auto-paródia, a piada e, simultaneamente, uma representação, quiçá mais crua, da catástrofe. Destacamos a análise que Gatti faz das obras e discursos de vários artistas, como o fotógrafo Gustavo Germano e a cineasta Albertina Carri. As fotografias de Germano retratam a ausência, mas não tentam preenchê-la nem imaginar como que seria o presente sem essas ausências. Contrastando com os discursos que tentam restabelecer a temporalidade interrompida pelo desaparecimento e recompor a cadeia da linhagem, estas narrativas não procuram esse reequilíbrio. Por outro lado, no filme Los Rubios, Albertina Carri mostra a reconstrução da história da sua família através dos testemunhos daqueles que conheceram os seus pais e os companheiros de militância. No entanto, ela não pretendia retratar essa história, mas a sua própria, que não é mais do que uma “convivência com a ausência”, como a de tantos outros da sua geração, reflectindo assim também sobre a distância e a incompreensão que esta postura teve para muitos.

9Para aqueles que estejam familiarizados com o trabalho teórico de Gatti sobre a identidade colectiva, será fácil perceber neste contexto as ligações com a análise do que tem denominado como “identidades débeis” (Identidades Débiles. Una propuesta teórica aplicada al estudio de la identidad en el País Vasco, Madrid: CIS, 2007). Estarão estas narrativas do sem sentido a ser construídas a partir de identidades débeis? De acordo com o que Gatti nos aponta assim é: são narrativas onde não se pretende equilibrar as três componentes constitutivas das identidades (fortes) modernas – o nome (próprio e único), o território (fechado e claro) e a história (com uma origem unívoca) –, mas antes viver e construir a identidade na precariedade dos vínculos entre estes três aspectos. Contudo, será que dependem da institucionalização do campo do detido-desaparecido promovido pelas narrativas do sentido, mais conservadoras, mais “modernas”, mas necessárias? Percebe-se na despedida irritada com a qual finaliza o livro que Gatti responde afirmativamente a esta última questão. Nessas derradeiras páginas Gatti dá conta do seu desconforto com o que considera “o sigilo uruguaio”, isto é, com o facto da realidade do detido-desaparecido não estar ainda assumida nesse país e, em consequência, não serem assumidas as dimensões da acção do Estado uruguaio. Por outro lado, o “excesso argentino”, apesar dos seus efeitos conservadores, patrimonializantes, estatocêntricos – ou mais precisamente devido a eles –, é um tom justo para o autor.

10Estamos perante um livro teórica e analiticamente denso, estimulante, importante para aqueles que pretendam compreender a partir doutro ângulo o terror de Estado, para além das questões da memória e da chamada justiça transicional. Trata-se de um livro ousado relativamente a certas narrativas e abordagens sobre esta temática imersas num discurso previsível demais, que o autor considera menos capazes para dar conta doutras experiências. Porque Gabriel Gatti nunca abandona a perspectiva a partir da qual escreve, essa “sociologia a partir do estômago” é uma forma de fazer sociologia que converte este livro numa obra emotiva, que se alimenta da necessidade que muitos dos que habitam no espaço de detido-desaparecido sentiram – como descreve Daniel Gatti no seu texto inserido na introdução – de rebelar-se contra o estado transitivo de vítima, e contra os emblemas e militâncias que “deviam” carregar.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Silvia Rodríguez Maeso, « Gatti, Gabriel, El detenido-desaparecido. Narrativas posibles para una catástrofe de la identidad »Revista Crítica de Ciências Sociais, 85 | 2009, 172-176.

Referência eletrónica

Silvia Rodríguez Maeso, « Gatti, Gabriel, El detenido-desaparecido. Narrativas posibles para una catástrofe de la identidad »Revista Crítica de Ciências Sociais [Online], 85 | 2009, posto online no dia 01 outubro 2012, consultado o 26 novembro 2020. URL: http://journals.openedition.org/rccs/517; DOI: https://doi.org/10.4000/rccs.517

Topo da página

Autor

Silvia Rodríguez Maeso

Investigadora do Centro de Estudos Sociais. Doutora em Sociologia pela Universidade do País Basco. O seus interesses de investigação centram-se nas identidades colectivas; diversidade cultural e reconhecimento político; direitos humanos; questões étnicas e raciais. É autora do livro La Política de la Representación. Sociología de la Identificación cultural y espacios urbanos en el Perú y Ecuador contemporáneos (Ed. UPV, 2006).
srodrig@ces.uc.pt

Artigos do mesmo autor

Topo da página

Direitos de autor

Licença Creative Commons CC BY 3.0

Topo da página
  • Logo Centro de Estudos Sociais
  • Logo Universidade de Coimbra
  • Logo Universidade de Coimbra - Património Mundial em 2013
  • Logo Compete 2020
  • Logo Portugal 2020
  • Logo Fundos Europeus Estruturais e de Investimento
  • Logo Fundação para a Ciência e a Tecnologia
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • OpenEdition Journals
Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search