Navegación – Mapa del sitio

InicioNúmeros85RecensõesShapin, Steven, The Scientific Li...

Recensões

Shapin, Steven, The Scientific Life: A Moral History of a Late Modern Vocation

Hugo Pinto
p. 176-182
Referencia(s):

Shapin, Steven (2008), The Scientific Life: A Moral History of a Late Modern Vocation. Chicago e Londres: The University of Chicago Press, 468 pp.

Texto completo

1O que é a vida científica, que tipo de pessoa é o cientista e que virtudes e capacidades mobiliza para aumentar o seu poder financeiro e de influência, são algumas perguntas a que Steven Shapin, Professor de História da Ciência na Universidade de Harvard, tenta responder no seu mais recente livro, intitulado The Scientific Life: A Moral History of a Late Modern Vocation. Os cientistas são especialistas respeitados, legitimados, a quem é confiada a tarefa de analisar e a compreender os fenómenos da realidade natural e social. A visão actual é que os cientistas não são nem melhores nem piores que ninguém e que o aumento das competências técnicas não é obrigatoriamente acompanhado por aumento semelhante nas virtudes pessoais. The Scientific Life pode ser sintetizado com recurso ao comentário de David Edgerton, autor de The Shock of the Old, apresentado na capa do livro: os mundos da tecnociência actual, onde assumem nova importância o capital de risco, a investigação aplicada ou as relações universidade-empresa, não são as antíteses sem alma, excessivas em rotinas e em burocracias, do ideal científico académico – eles contêm em si facetas adequadas a um contexto de incerteza em que a inovação é essencial. Shapin acaba por afastar-se, deste modo, quer da visão romântica da ciência (que defende as virtudes “naturais” e o carácter transcendente do cientista), quer da desilusão na ciência (quando esta é vista como um meio de apropriação de riqueza e de benefícios próprios, em que o cientista é apenas mais um trabalhador como todos os outros, com os seus interesses egoístas), criando um meio-termo em que os valores continuam tão (ou mais) presentes agora do que alguma vez estiveram.

2O livro organiza-se em torno de oito capítulos que tentam percorrer de forma cronológica os mundos da ciência e da tecnologia desde a Inglaterra do século xvii aos EUA do século xxi.

3O primeiro capítulo, “Knowledge and Virtue: The Way We Live Now”, introduz o tema e apresenta as diferentes componentes do livro. Shapin explicita os seus objectivos: o primeiro, mostrar como e porquê as pessoas e as suas virtudes interessam na produção e na autoridade dos elementos do conhecimento técnico na modernidade tardia; o segundo, discutir por que razão hoje em dia esta é uma referência estranha e quase perversa. Actualmente, fala-se da desmoralização dos especialistas, uma dimensão indesmentível desta modernidade tardia, que, como insiste Shapin, coexiste com sentimentos contrários em que a virtude e moral têm lugar. O livro é apresentado não como pertencendo à Sociologia do Conhecimento Científico, mas como mais próximo de uma História Cultural ou de uma análise alargada das formas de comportamento individual e da sua relação com as instituições. Shapin apresenta os seus objectos de interesse como todos aqueles que estão amarrados à tecnociência, ligando este conceito ao trabalho de Bruno Latour, que resulta da noção da incapacidade de distinguir o que pertence à ciência, à sociedade, à economia ou à política. O autor utiliza este referencial para seguir não só os actores e os seus comportamentos, mas as próprias materialidades resultantes desta visão mais complexa.

4Os segundo e terceiro capítulos tratam de iluminar a transformação cultural e social da ciência enquanto vocação para a ciência como emprego, em muitos casos uma transição incompleta. O capítulo 2, “From Calling to Job: Nature, Truth, Method, and Vocation. From the Seventeenth to the Nineteenth Centuries”, traça o percurso desde as concepções de filósofo da natureza, enquanto chamamento de aproximação a Deus (o conhecedor ligava-se à própria característica do objecto do conhecimento, fruto de criação divina), até ao período de recusa de qualquer superioridade moral ao cientista. Na análise da própria ciência, a ideia do valor da “genialidade” e das capacidades individuais foi vista como um obstáculo à afirmação da Sociologia do Conhecimento, que Robert Merton queria fortalecer, em que deveriam ter papel central as normas e ethos internalizados pelos indivíduos mas com origem na comunidade. O carácter do próprio cientista estava envolvido com as concepções do que era o conhecimento científico e do que os cientistas faziam para garantir o conhecimento e a manutenção das estruturas que asseguravam poder e riqueza. O capítulo 3, “The Moral Equivalence of the Scientist: A History of the Very Idea”, segue a história desde o início do século xx até à Segunda Guerra Mundial. Esta guerra foi, aliás, um forte catalisador para a secularização do poder da ciência. O aspecto central do debate é a equivalência moral do cientista, o facto de os cientistas serem humanos. Como mencionava Einstein em 1921 (citado na p. 49), seleccionar uns quantos indivíduos para admiração sem limites, atribuindo-lhes poderes sobre-humanos de carácter e intelecto, parecia injusto e até de mau gosto, em particular com a emergência da Big Science e da controvérsia em torno da falta de integridade e de limites que a ciência mostrava (por exemplo, com o projecto Manhattan e o lançamento das bombas de Hiroshima e Nagasaki). Este novo contexto não deixou de ser contestado por muitos e visto como sinal de que algo ia mal com a ciência moderna, amarrada na altura a um complexo industrial e militar. A integração da ciência nas estruturas civis, que projectaram o poder e favoreceram a acumulação de riqueza, teve consequências na compreensão social do papel do cientista e na própria visão do conhecimento científico. O papel da ciência deixou de ser visto como possuidor de virtudes especiais, e os cientistas seriam apenas mais um dos grupos de interesse. Na visão de alguns, a universidade permanecia o refúgio e casa “natural” da ciência como busca de moralidade e conhecimento, livres da autoridade, da burocratização e da organização dos ambientes industriais e militares.

5O capítulo 4, “Who is the Industrial Scientist: The View From the Tower”, mostra esta nova ciência, apresentando o cientista industrial a partir da perspectiva da academia e notando como os sociólogos alertaram para as violações dos valores essenciais da ciência que ocorreram com esta industrialização. As ideias mertonianas de universalismo, desinteresse e anti-autoritarismo estavam em causa, ameaçando a objectividade do conhecimento científico, pressionada pelos novos problemas do laboratório industrial, focado em problemas de rendibilidade e segurança (principalmente no contexto da Guerra Fria). Estes cientistas a trabalhar na indústria eram substancialmente mais bem pagos que os que permaneciam no ambiente universitário, e até o grupo mais mal pago na indústria, o dos biólogos, tinha uma situação favorável face aos mais bem pagos na universidade, os engenheiros (106). Para trabalhadores com menos de trinta anos, a média salarial não era muito diferente, mas existia um leque mais alargado de oportunidades. Para os cientistas que permaneceram no ambiente universitário, pouco mudou em relação ao contexto institucional, mas para aqueles que derivaram para a indústria não. Houve uma facção que ficou bastante traumatizada com o confronto com alguns dos valores em que se baseava a actividade industrial: o segredo, a hierarquia, o curto prazo, o dinheiro. Esta situação gerou tensão com uma ciência que se pensava construída por homens normais mas que, apesar disso, no mundo universitário, estavam ligados às virtudes da vida científica. Na indústria tudo era diferente: apenas se justificava a continuidade de um trabalho de investigação caso se perspectivassem resultados práticos.

6O capítulo 5, “Who is the Industrial Scientist: The View From the Managers”, discute a criação do conhecimento em contexto industrial na perspectiva dos gestores, introduzindo a noção de incerteza normativa. Esta incerteza está ligada, em alguma medida, a todas as iniciativas de investigação, e era altamente apreciada pelos que estavam envolvidos na ciência industrial. A maior parte da investigação falha para alcançar os seus objectivos. Deste modo, apostar em actividades de investigação na indústria justifica-se pelo grande valor dos poucos sucessos. Para gerir esta incerteza, nos resultados e nos próprios processos de investigação, a ciência industrial sentiu necessidade de contabilizar a investigação, ligando, por exemplo, o ritmo de produção aos resultados obtidos. Assim surgiu um alargado conjunto de documentos para reportar esta visão mais contabilística de avaliação da investigação (ilustrados pelo autor com os cartões dos laboratórios da Kodak para problemas encontrados nos processos de investigação). A ideia de que a academia oferecia liberdade e autonomia absoluta foi-se tornando um contra-senso devido à necessidade de obter fundos, à disponibilidade das publicações científicas para aceitarem apenas determinados temas e às restrições impostas pela própria disciplina e pelos departamentos das universidades. Apesar do enfoque em resultados práticos e em linhas de investigação que poderiam ser consideradas fechadas, as empresas começaram a incentivar os seus investigadores a estabelecerem laços com as universidades e a participarem em iniciativas comuns.

7O capítulo 6, “The Scientist and the Civic Virtues: The Moral Life of Organized Science”, aborda um dos aspectos mais discutidos, alvo de críticas internas e externas, na Big Science, o trabalho em equipa (teamwork). A equipa era entendida pelos seus críticos de acordo com uma noção militarista de comando, hierarquia e controlo que impedia a originalidade e a criatividade do cientista enquanto indivíduo, mas na visão industrial era uma forma mais adequada de se alcançarem as metas desejadas, porque ficava menos dependente de um único indivíduo (que detinha o conhecimento, podendo comprometer todos os resultados da investigação se deixasse a empresa). A organização da ciência industrial implicou uma grande atenção ao planeamento da investigação. Shapin mostra como o cientista era um organization man, ligado aos seus contextos de grupo e enquadramento institucional. Nesta visão, a virtude não é expurgada da tecnociência mas antes reconfigurada. É interessante referir a ilustração que Shapin faz da relevância das virtudes pessoais na indústria recorrendo a uma outra materialidade, uma carta de recomendação para contratação de investigadores (186-187), em que virtudes pessoais como a honestidade, a capacidade de trabalhar em grupo, o contexto familiar, a confiabilidade, a fisionomia, mas também os receios da Guerra Fria (a lealdade aos EUA), são itens claramente listados e que deveriam ser alvo de avaliação da gestão. Emergiu a figura do director científico, indivíduo que corporizava os objectivos da empresa, do departamento ou do grupo, e que evidenciava a importância que as virtudes pessoais afinal continuavam a ter na autoridade moral na investigação científica e na criação das relações sociais na ciência.

8O capítulo 7, “The Scientific Entrepreneur: Money, Motives and the Place of Virtue”, aborda a forma como, no decorrer do século xx, o mundo da ciência passou a associar-se a um modo de vida mais confortável, o que se traduziu num interesse crescente de muitos que passaram a ver na ciência uma possibilidade atraente de emprego. Os cientistas passaram a ser associados a pessoas que querem ganhar dinheiro mas que também se querem divertir (“Fun and funds are not the same thing but they are related” [217]) e que se preocupavam com coisas mundanas como a fama ou o sexo. James D. Watson (estrutura do DNA), Richard Feynman (electrodinâmica quântica), Craig Venter (genoma humano) ou Kary Mullis (polymerase chain reaction – PCR) são exemplos de empreendedores-cientistas-vedetas que, para além dos seus contributos científicos, deram face a este novo tipo de investigador ligado ao hedonismo, a campanhas de publicidade ou a actividades de lazer e entretenimento (como o surf ou bonecos para crianças). A ciência enquanto vocação continuava a existir, mas, a partir dos meados dos anos setenta, passou a partilhar o seu espaço com esta nova tendência do cientista-empreendedor-vedeta. Para algumas áreas específicas, a possibilidade de um indivíduo ascender a grande riqueza através da ciência passou a ser uma realidade.

9As diferenças entre a academia e a indústria ainda continuam a ser evidentes para muitos. Shapin refere vários investigadores que identificam estas diferenças: os investigadores industriais têm de se comprometer com as agendas de investigação da empresa, têm de saber lidar com pessoas diferentes, perceber que existem várias hierarquias, equipas que se devem respeitar e que o ambiente é mais ditatorial. Pessoas que não respeitem estas lógicas não se dão bem na indústria. Mas, como o autor nota, esta visão refere-se essencialmente ao organization researcher dos anos sessenta e não tanto aos novos modelos assentes em start-ups de base de conhecimento. A actualidade da tecnociência faz-se com uma grande heterogeneidade moral, não há espaço para pensar que só existe um local, a universidade, onde se vive a “boa vida científica” (242). Os motivos do cientista--empreendedor para seguir esta via são ilustrativos de que a “boa vida” também acontece na empresa. Em primeiro lugar, é necessária vontade de fazer dinheiro (e não ver o lucro como um pecado). O ambiente empresarial é ideal para o pensamento livre e para gerar conhecimento científico que tenha lugar no mercado e que possa ajudar os outros. Não resulta afinal daqui nenhuma incompatibilidade dinheiro-ciência, mas até alguma complementaridade. O cientista-empreendedor pretende evoluir rapidamente, ter acesso à decisão e a níveis remuneratórios mais interessantes para o que considera serem as suas capacidades, algo que é inviabilizado pela lógica da academia, onde o tempo e a hierarquia são aspectos centrais na valorização do indivíduo. As entidades financiadoras da investigação, com o seu conservadorismo, são também limitadoras de propostas menos em linha com os objectivos dos mainstreams disciplinares. A competição excessiva pelos apoios e a exigente rotina de “publish or perish” são outras das desvantagens da universidade face à realidade empresarial, onde existe maior liberdade para focar as investigações no que realmente interessa na óptica da empresa. A obrigatoriedade e peso excessivo da carga lectiva também são aspectos que estes investigadores querem evitar ao irem para a indústria. O carisma dos empreendedores é um aspecto central do seu sucesso, o que recupera a importância das características pessoais.

10O capítulo 8, “Visions of the Future: Uncertainty and Virtue in The World of High-Tech and Venture Capital”, apresenta os futuros da tecnociência ligando o capital de risco às decisões de investimento em empresas de base científica e procurando perceber o processo de escolha das tecnologias, mercados e pessoas que poderão com mais probabilidade gerar retornos financeiros. A grande incerteza carece de decisões e juízos que tomam formas pessoais: as decisões sobre em que empresa investir tornam-se dependentes da valorização que se faz das pessoas- -chave a que está associado determinado projecto. O autor apresenta exemplos de como actualmente se transformam as ideias com base em ciência em potenciais negócios. Plataformas como as asseguradas pelos centros de transferência de tecnologia das universidades são elementos essenciais para apoiar o lançamento de ideias com potencial mas ainda em processo de amadurecimento. Essas plataformas proporcionam a proximidade entre empreendedores, investidores, parceiros comerciais e técnicos que podem interessar-se pelo projecto, promovendo o contacto com saberes diferenciados, ligando o conhecimento ao seu potencial de mercado e partilhando aspirações e virtudes prezadas. Apesar de os investidores de risco não apreciarem a falta de visão para o negócio ou as limitadas capacidades de gestão de alguns investigadores, fica bem patente a sua admiração por aqueles que investem na compatibilização destas noções com o conhecimento técnico da sua área. Quer os venture capitalists quer estes novos cientistas consideram-se as elites que fazem avançar o mundo (300).

11No epílogo, “The Way We Live Now”, é ilustrado como o mundo da tecnociência da modernidade tardia é complexo e composto por actores de diferentes esferas: cientistas, engenheiros, gestores de empresas importantes, business angels, capital de risco, agentes de propriedade industrial, gestores de transferência de tecnologia, responsáveis das universidades e dos centros de investigação, pessoas que se habituaram a transformar o conhecimento em artefactos, riqueza e poder (306). Nestes grupos, o networking assume importância central como processo de ligação social. O sucesso está muito condicionado pelas redes sociais nas quais se participa e naquelas a que se consegue obter acesso. Os actores não funcionam em rede total, mas dividem-se em várias sub-redes de afinidades e familiaridades pessoais. Esta é uma realidade que (com as devidas especificidades) é cada vez mais presente na situação científica portuguesa, onde começam a emergir este tipo de redes que tentam ligar a universidade e a empresa, tornando mais aceitável a ciência que se relaciona com a indústria e com o mercado. Um exemplo português, com paralelismos nos encontros descritos por Shapin, é a experiência das plataformas regionais do Programa FINICIA, uma iniciativa desenvolvida pelo IAPMEI (Instituto de Apoio às Pequenas e Médias Empresas e à Inovação) com o objectivo de facilitar o acesso ao financiamento a ideias empresariais de base de conhecimento. O objectivo explícito da iniciativa é garantir financiamento para a criação de start-ups inovadoras, mas muito mais tem sido alcançado. Estas plataformas, ao incluírem actores provenientes de todos os espectros da tecnociência, partilharam informação, ganharam confiança, densificando as relações existentes entre diferentes esferas institucionais.

12Steven Shapin argumenta que não há razão para se rejeitar o ideal da investigação desinteressada com base nos arranjos institucionais actuais e para se achar que existe diferença substancial entre a “boa vida científica” na academia e na indústria. Ameaças de interferência política, de imperativos de comercialização, excessos de profissionalização excessiva dos cientistas e de inflexibilidade das ortodoxias das disciplinas sempre existiram na ciência – e vão persistir. A evolução que a ciência sofreu foi muito intensa, mas não é necessário pensar que as virtudes do ideal de ciência académica não estão também presentes noutras vertentes da ciência na modernidade tardia. A diversidade de ambientes institucionais nos quais se concretiza a investigação actual e futura faz emergir a importância da vocação e das virtudes pessoais. Citando Shapin (18), “judgments of business opportunities and technologies proceed importantly through judgments of familiar people and their virtues”. Afinal as pessoas continuam a contar, as suas virtudes contam. E a razão porque contam é que, devido à radicalidade da incerteza na modernidade tardia, é importante ter aspectos duráveis nos quais se possa confiar (303). Esta familiaridade é conseguida através da redescoberta das virtudes, que não estão afinal perdidas, pertencendo igualmente, ou especialmente, como destaca Shapin, ao mundo de fazer os mundos que hão-de vir.

13Uma das discussões mal resolvidas com a apresentação de Shapin acaba por ser qual o papel da moral na ciência. Que o mundo da tecnociência não é ausente de valores é incontestável, mas serão os valores hoje emergentes e centrais na vida do cientista adequados a uma ciência moral? Um paradigma centrado na importância da empresa individual, do carisma e do individualismo, no imediatismo, no lucro, no resultado evidente, onde os limites éticos ficam muitas vezes por discutir, origina uma ciência moralmente ambígua. Em épocas de crise na economia, na sociedade e nos valores, fica muito por dizer acerca de ser este o caminho certo para a ciência. Mas Shapin não tem contestação num ponto. É o caminho para onde ela parece dirigir-se com cada vez mais vigor. O debate fica em aberto...

Inicio de página

Para citar este artículo

Referencia en papel

Hugo Pinto, «Shapin, Steven, The Scientific Life: A Moral History of a Late Modern Vocation»Revista Crítica de Ciências Sociais, 85 | 2009, 176-182.

Referencia electrónica

Hugo Pinto, «Shapin, Steven, The Scientific Life: A Moral History of a Late Modern Vocation»Revista Crítica de Ciências Sociais [En línea], 85 | 2009, Publicado el 01 octubre 2012, consultado el 01 marzo 2021. URL: http://journals.openedition.org/rccs/521; DOI: https://doi.org/10.4000/rccs.521

Inicio de página

Autor

Hugo Pinto

Hugo Pinto é Mestre em Economia Regional e Desenvolvimento Local e Licenciado em Economia pela Universidade do Algarve. Presentemente é doutorando no Programa “Governação, Conhecimento e Inovação”, do Centro de Estudos Sociais e Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra. Prepara, com o apoio da Fundação para a Ciência e a Tecnologia (ref. SFRH/BD/35887/2007), uma tese sobre dimensões institucionais e transferência de conhecimento.”
hpinto@ualg.pt

Inicio de página

Derechos de autor

Licença Creative Commons CC BY 3.0

Inicio de página
Buscar en OpenEdition Search

Se le redirigirá a OpenEdition Search