Navegação – Mapa do site

InícioNúmeros106RecensõesCapela, José (org.) (2014), Delfi...

Recensões

Capela, José (org.) (2014), Delfim José de Oliveira. Diário de viagem da colónia militar de Lisboa a Tete, 1859-1860*

José Teixeira
p. 177-178
Referência(s):

Capela, José (org.) (2014), Delfim José de Oliveira. Diário de viagem da colónia militar de Lisboa a Tete, 1859-1860. Porto: Húmus, 125 pp.

Texto integral

  • * Por opção do autor o presente texto não observa as regras do Acordo Ortográfico de 1990.

1Este é o último trabalho publicado em vida por José Capela, recentemente falecido, historiador que dedicou a sua investigação às relações entre a sociedade portuguesa e as sociedades do actual Moçambique, em particular no século xix, e cuja profunda imbrincação foi desvendando através da sua abordagem pioneira ao longo de quatro décadas de publicações.

2Este Delfim José de Oliveira. Diário da viagem da colónia militar de Lisboa a Tete, 1859‑1860 (Húmus, 2014), uma narrativa cuja publicação Capela prefaciou, anotou e organizou, sendo mais uma das suas múltiplas achegas para um maior conhecimento da sociedade zambeziana, é também sintomático do eixo de abordagem do seu organizador, através do qual o autor sempre se recusou a ser apenas um historiador de sínteses, valorizando a disponibilização de materiais historiográficos em primeira mão, como este, de molde a ilustrar as perspectivas assumidas e, também, potenciar as reflexões alheias.

3Neste caso trata‑se do diário de uma expedição em 1859, destinada à constituição de uma “colónia militar” perto de Tete, elaborado pelo militar Delfim de Oliveira (1821‑1899), seu comandante e então já veterano em terras de Moçambique, para as quais havia sido já destacado em missões desde 1842 até 1854, tendo sido governador militar de Tete, e assim conhecedor da região específica do projecto em causa. E talvez por isso conhecedor a priori das enormes dificuldades, senão mesmo impossibilidade, de tais propósitos, como o demonstra o seu desiludido início, tentando eximir‑se ao comando de que fora incumbido, por dele antever “pouca ou nenhuma glória”.

4Trata‑se de um relato valorizado pelas capacidades de observação, e apetência intelectual, do seu autor. Algo que bem mais tarde lhe implicou publicações, já após a sua reforma, como uma memória descritiva da sua experiência moçambicana (A Província de Moçambique e o Bonga, 1879), e uma memória de erudição local, típica de época (Notícias de Penella: apontamentos históricos e archeologicos, 1884). Apontamento a realçar, pois denotando uma vontade reflexiva que já o acompanhava ao longo da expedição de 1859‑1860, e que em muito enriquece o conteúdo desta descrição.

5Esta expedição demonstra a existência nessa época do projecto do governo liberal português de dinamizar o inexistente sistema colonial através dessa tipologia organizacional, as “colónias militares”, constituída pela colocação de uma companhia militar, no caso a “Companhia de Caçadores de Moçambique”. Mas à qual se associavam, para o efeito, um núcleo de degredados, prisioneiros e soldadesca punida, nisso também se integrando, ainda que em número desequilibrado, um universo feminino, constituído por cônjuges dos enviados e ainda condenadas, no óbvio intuito de fomentar um povoamento “branco”.

6Este era o meio, segundo Capela, para obstar à desarticulação da actividade económica portuguesa no território, sucedida com a radical redução do tráfico transatlântico de escravos acontecida na época, fundamentalmente por pressão britânica. E assim intentando suprir a efectiva inexistência de uma presença portuguesa na região, em tudo o que ultrapassasse a persistência de alguma nomenclatura oriunda do regime dos “Prazos da Zambézia”, explicitamente desligada em termos políticos, culturais e económicos da putativa metrópole.

7As “colónias militares”, projectadas sob Sá da Bandeira, haviam sido encetadas em Moçambique em 1852 no arquipélago de Bazaruto, e logo depois em 1855 na baía de Pemba, incluindo concursos públicos em Portugal apelando a colonos, nisso tendo repercussão maior, um verdadeiro sucesso popular, às possibilidades de transporte e de apoio à sua instalação existentes. Mas o facto é que essas tentativas falharam quase de imediato, explicitando a falta de preparação dos projectos, assentes em desinformação sobre as reais condições, sanitárias e de possibilidades de actividade económica por parte dos colonos deslocados.

8Já a descrição desta terceira expedição, longa e infrutífera, possibilita uma visão ímpar da real dissolução da putativa administração portuguesa de então, restrita à Ilha de Moçambique e a desagregados núcleos comerciais históricos, e prisioneira das práticas de corrupção e inércia dos seus responsáveis, na sua maioria verdadeiramente desligados de qualquer ideal de “interesse nacional”. Algo que não se deduz do relato de Delfim de Oliveira, pois é o próprio que o explicita, ainda que com a contenção própria ao dignitário militar. Como o explicita a sua sobriedade na nota referindo os longos meses que as centenas de participantes aguardaram na empobrecida capital, a Ilha de Moçambique, pela chegada da mulher do governador de Tete, a qual a expedição deveria escoltar até ao seu destino. Breve referência que denota as dificuldades de promover, no terreno, os projectos delineados em Portugal. E o sublinham as suas referências, desgostosas, à continuidade da articulação entre as frágeis administrações portuguesas e os eixos de tráfico de escravos ainda resistentes.

9Vantagem maior deste “Diário de viagem” é a descrição, com alguma minúcia, das realidades locais. Disso exemplo são as páginas que narram a longa ascensão do Zambeze, entre Quelimane e Tete: mapeando as localidades existentes, as instituições político‑económicas, o tipo de interacções possíveis, a geoestratégia proposta – questão na qual se sobrepõe o comandante/governador –, a ecologia encontrada. É um manancial de informações para os historiadores e afins, mas também um documento precioso para qualquer interessado na história do país, em particular a da bacia zambeziana.

10Finalmente, já no almejado destino, há o desenlace, como uma difícil expedição, agregando tantas esperanças e corroendo tantos meios, económicos e humanos, que se tornou impossível não só por dificuldades incontornáveis e desadequação de saberes, mas pelos entendimentos diversos dos parcos membros da administração local ali sediados. Sublinhando assim a irrealidade de tantos projectos “africanos” do esforço colonial português, pois desajustados das perspectivas e interesses dos seus enviados para os locais.

Topo da página

Notas

* Por opção do autor o presente texto não observa as regras do Acordo Ortográfico de 1990.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

José Teixeira, «Capela, José (org.) (2014), Delfim José de Oliveira. Diário de viagem da colónia militar de Lisboa a Tete, 1859-1860»Revista Crítica de Ciências Sociais, 106 | 2015, 177-178.

Referência eletrónica

José Teixeira, «Capela, José (org.) (2014), Delfim José de Oliveira. Diário de viagem da colónia militar de Lisboa a Tete, 1859-1860»Revista Crítica de Ciências Sociais [Online], 106 | 2015, publicado a 28 abril 2015, consultado a 19 junho 2024. URL: http://journals.openedition.org/rccs/5946; DOI: https://doi.org/10.4000/rccs.5946

Topo da página

Autor

José Teixeira

Centro em Rede de Investigação em Antropologia
Av. Forças Armadas, Ed. ISCTE-IUL – 1649-026 Lisboa, Portugal
jpimteix@gmail.com

Topo da página

Direitos de autor

CC-BY-4.0

Apenas o texto pode ser utilizado sob licença CC BY 4.0. Outros elementos (ilustrações, anexos importados) são "Todos os direitos reservados", à exceção de indicação em contrário.

Topo da página
Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search