Navegação – Mapa do site
Recensões

Library of Congress (2017), The Card Catalog: Books, Cards, and Literary Treasures

Paula Sequeiros
p. 235-237
Referência(s):

Library of Congress (2017), The Card Catalog: Books, Cards, and Literary Treasures. San Francisco: Chronicle Books, 224 pp.

Texto integral

1Ao primeiro olhar se vê um livro com dupla leitura: a do objeto gráfico, cativantemente desenhado e ilustrado; a da história da catalogação na Biblioteca do Congresso (BC), Estados Unidos da América (EUA), das fichas ao mobiliário que encerrava ordenadamente, até ao catálogo digital. As inúmeras imagens de rostos e capas de livros e das suas autoras e autores, das fichas com anotações manuais sobre cada título, proporcionam apreço e reconhecimento de autorias e adicionam gozo visual e materialidade à leitura. A capa cartonada, num simulacro bibliófilo de manufatura, vem com um envelope colado no verso com a ficha fantasma de empréstimo – como livro em empréstimo há anos atrás – e uma cinta reproduzindo uma ficha manuscrita. As fotografias históricas, raramente disseminadas, do pessoal em tarefas de produção e manutenção do catálogo, as fotografias e os planos para ficheiros e outro mobiliário para as salas de consulta, de utensílios técnico-administrativos e ainda de visitantes no processo das suas pesquisas são particularmente interessantes.

  • 1 Carlton, Amy (2017), “ACRL Closes with Carla Hayden”, American Libraries, 27 de março. Consultado a (...)
  • 2 Meyer, Robinson (2016), “The Library of Congress Gets a History-Making New Leader, The Atlantic, 1 (...)

2The Card Catalog é publicado poucos meses depois da nomeação de Carla Hayden para diretora da BC – recordemos, a primeira mulher e pessoa negra a assumir o lugar – acompanhado de prefácio seu. O livro, como referirei, parece mostrar traços da nova e esperada postura institucional no que toca à diversidade na visibilidade autoral e à sensibilidade social.1 Recentemente, Hayden, ex-presidente da ALA, associação de profissionais de bibliotecas dos EUA, destacara-se ao opor-se ao acesso a dados sobre leitura nas bibliotecas por parte das autoridades e que o Patriot Act pretendia instituir. A nova diretora, a “primeira da era da Internet”,2 é ainda a primeira academicamente qualificada na área, sendo os anteriores detentores do cargo escritores e outros intelectuais. A nomeação aprovada pelo Congresso, antes vitalícia, foi limitada a dez anos. No prefácio, Hayden assume a responsabilidade que lhe toca na continuidade do labor da biblioteca criada em 1800, considerada a detentora da maior coleção bibliográfica do mundo e que inclui monografias, periódicos, mapas e registos sonoros. Destaca a centralidade da catalogação, operação pouco conhecida. Uma vez normalizada, com produção centralizada e logo distribuída em fichas, permite a partilha de património e racionalização de esforços a nível nacional, pelo que homenageia figuras marcantes na sua história: Robert Putnam – introdutor da ficha em cartão de dimensões normalizadas – e Henriette Avram – iniciadora do catálogo em linha. A introdução assinada pelo writer-editor da BC, Peter Devereaux, releva a atualidade do Catálogo Principal em Fichas pela profusão de notas manuscritas ímpares e dos índices secundários e pela acumulação sucessiva num sistema de ordem, relevando o catálogo em ficha como tecnologia antiga e persistente.

3A História moderna desta forma de catalogação, antecedente da que viria a ser praticada na BC, é narrada em associação com o Iluminismo e a Revolução Francesa, tanto na criação de um meio universal, racional, de consulta e atualização rápidas – com as fichas intercaláveis –, como no estabelecimento em França de regras de catalogação uniforme para as bibliotecas confiscadas pelo Estado e para as universidades. Nesse momento os bibliotecários franceses recorreram às cartas de jogar – produto barato, de fácil obtenção, tamanho regular e versos em branco –, para fichar livros. Nesta sequência histórica, a então Library of the Two Houses of Congress em Washington confronta-se com o incêndio ateado pelo exército britânico em 1812, durante o ataque aos edifícios do Capitólio. O antigo presidente Thomas Jefferson, face aos fundos destruídos, oferece a sua coleção pessoal para venda, ato a que se opuseram muitos membros conservadores do Congresso pela “tendência estética, irreligiosa e imoral” neles impressa (p. 50). A coleção seria recebida já ordenada e com catálogo produzido por Jefferson, classificado segundo uma sistematização das ideias tomadas de Francis Bacon. Entre as autorias aí incluídas destacam-se, para além deste nome, outros como John Locke e Mary Wollstonecraft e o seu The Vindication of the Rights of Woman.

4A par e passo são intercaladas imagens dos livros e dos catálogos mencionados. É de notar que a seleção inclui autorias de pessoas de vários géneros, raças e etnias, assim como títulos diversos em géneros literários e científicos, sobre diversos saberes e com distintas finalidades – do lazer ao ensino e à culinária –, para várias idades, dando o maior destaque ao romance e à poesia. Os romances populares vendidos a muito baixo preço, aí figuram também.

5Os episódios seguintes da história do catálogo são relatados na singularização dos protagonistas. É o caso de Melville Dewey, a quem é atribuído o projeto de interligar a BC, via descrição bibliográfica, com bibliotecas universitárias, de museus e públicas, projeto apoiado na adoção progressiva de tecnologias como a ficha normalizada, máquinas de escrever e dispositivos mecânicos das burocracias – numeradores e datadores, perfuradoras de cartões.

6No virar de século, dada a constatada duplicação de esforços simultâneos nas várias bibliotecas do país e face a uma edição sempre crescente, a ALA encabeça a reivindicação de uma catalogação, já então minimamente industrializada dentro da BC, “universal em âmbito e nacional no serviço” (p. 110). Para tanto, a Biblioteca do Congresso, na pessoa de Putnam, assumiria tarefas de uma biblioteca nacional, produzindo central e mecanicamente fichas impressas para venda às demais bibliotecas do país. Na era Roosevelt, Dewey associara com otimismo este projeto unificador e racionalizador ao da Ferrovia do Pacífico, com longa implementação e relevância nacional idênticas. Essa prática atingiu o pico em 1969, a par da criação por Avram da norma MARC, destinada a catalogar de modo uniforme e informatizado, mantendo-se em vigor até 1997.

7O abandono do catálogo analógico produz-se então na própria BC, uma das últimas instituições a adotar a MARC. A automatização prosseguiria, apoiada no discurso sobre “um esforço igualitário” (p. 146) que se deveria estender aos quatro pontos cardeais, e à qual se juntou um novo serviço de empréstimo interbibliotecário. Este último marcou a partir do século XX e de forma especial, segundo a BC, autora principal do livro, uma reconfiguração do papel da biblioteca nacional que ultrapassava os iniciais limites físicos mas também institucionais, para além do Congresso e do propósito de recolher a bibliografia nacional via depósito legal.

8A mudança de edifício para um outro, especificamente concebido, acabaria por ser um imperativo colocado pela crescente coleção, mas substancialmente também pelos crescentes serviços de catalogação e catálogos. Em 1976, um terminal de computador era disponibilizado ao público para lhes aceder. Em 1980 o catálogo manual foi congelado, i.e., trancado. O “tesouro” das coleções, de que o catálogo seria chave de abertura confiável nas declarações do diretor inicial, viria a ser representado em 1975 como ameaça de soterramento pelo diretor Daniel J. Boorstin.

9Contudo, e apesar de longa polémica sobre a sua conservação, ainda que congelado, a decisão final foi de não o destruir, até porque “a aparência de obsolescência pode ser enganadora” (p. 159).

10The Card Catalog pode assim ser encarado como objeto estético de bibliofilia, o que ressalta à primeira vista. Constitui-se igualmente como sobrevoo por uma temática histórica de aparência aridamente burocrática, mas que neste livro encontra enquadramento e abordagem suscetíveis de despertarem interesse noutro tipo de público. Encerra ainda a possibilidade de ganhar repercussão numa perspetiva material da História das ideias ou na da disseminação e preservação da literatura e da ciência por intermediação de instituições tuteladas pelo Estado. Outro aspeto curioso é a abertura de pistas para acesso a edições originais, agora em linha.

11O catálogo, enquanto produto tecnológico e do trabalho enquadrado por normas com alcance nacional e internacional, ganha uma leitura que enriquece a interpretação do papel de instituições culturais como esta biblioteca nacional. Mais ainda, assim se permite uma análise para além da custódia de documentos e que se estenda ao papel que a BC tem exercido na prescrição de procedimentos para o trabalho bibliográfico e no desenvolvimento de técnicas para e produção e preservação da memória. Ora se este papel tem tido efetivo alcance na normalização bibliotecária e na definição de boas práticas que têm sido replicadas a nível global, o que esta obra de alguma forma celebra, não deixa de o fazer com um posicionamento que reflete a atual preocupação por perspetivas alternativas e de diversidade.

Topo da página

Notas

1 Carlton, Amy (2017), “ACRL Closes with Carla Hayden”, American Libraries, 27 de março. Consultado a 30.07.2017, em https://americanlibrariesmagazine.org/blogs/the-scoop/acrl-conference-closes-with-carla-hayden/.

2 Meyer, Robinson (2016), “The Library of Congress Gets a History-Making New Leader, The Atlantic, 13 de julho. Consultado a 14.07.2017, em https://www.theatlantic.com/technology/archive/2016/07/carla-hayden-is-librarian-of-congress/491267/.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Paula Sequeiros, « Library of Congress (2017), The Card Catalog: Books, Cards, and Literary Treasures », Revista Crítica de Ciências Sociais, 114 | 2017, 235-237.

Referência eletrónica

Paula Sequeiros, « Library of Congress (2017), The Card Catalog: Books, Cards, and Literary Treasures », Revista Crítica de Ciências Sociais [Online], 114 | 2017, colocado online no dia 20 dezembro 2017, criado a 20 julho 2018. URL : http://journals.openedition.org/rccs/6846

Topo da página

Autor/a

Paula Sequeiros

Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra
Colégio de S. Jerónimo, Largo D. Dinis, Apartado 3087, 3000-995 Coimbra, Portugal
paulasequeiros@ces.uc.pt

Artigos do/da mesmo/a autor/a

Topo da página

Direitos de autor

Licença Creative Commons CC BY 3.0

Topo da página
  • Logo Centro de Estudos Sociais
  • Logo Universidade de Coimbra
  • Logo Universidade de Coimbra - Património Mundial em 2013
  • Logo Compete 2020
  • Logo Portugal 2020
  • Logo Fundos Europeus Estruturais e de Investimento
  • Logo Fundação para a Ciência e a Tecnologia
  • OpenEdition Journals