Navegação – Mapa do site

InícioNúmeros76RecensõesBinnie, Jon, The Globalization of...

Recensões

Binnie, Jon, The Globalization of Sexuality.

Ana Cristina Santos
p. 141-143
Referência(s):

Binnie, Jon, The Globalization of Sexuality. London: Sage, 2004, 176 p.

Texto integral

1Jon Binnie tem um longo trabalho no âmbito da Geografia das Sexualidades, partilhando tal reconhecimento científico com nomes como Gill Valentine ou David Bell. Neste seu mais recente livro, Binnie retoma algumas perplexidades formuladas em The Sexual Citizen: Queer Politics and Beyond (com D. Bell, 2000) ou Pleasure Zones: Bodies, Cities, Spaces (com R. Holliday, R. Longhurst e R. Peace, 2001).

2O objectivo principal de The Globalization of Sexuality consiste em dar conta da heteronormatividade dos estudos mainstream sobre globalização e contribuir para uma perspectiva queer sobre a temática. Examinando questões como “De que forma os fenómenos de nacionalismo, classe e transnacionalização interagem com as sexualidades?” e “Como é que as sexualidades constroem ou (re)produzem categorias como Estado-nação ou identidades de classe?”, Binnie sublinha a centralidade da auto-reflexividade como instrumento de desconstrução crítica e elaboração de novas perspectivas queer.

3Para Binnie, as teorias da globalização frequentemente omitem diferenças entre Estados-nação e dentro das fronteiras nacionais, ao que acrescem diferenças na forma como as culturas sexuais têm sido estudadas. Salienta‑se aqui o carácter pioneiro dos EUA, cuja reflexão tem dominado os estudos gays e lésbicos desde sempre, resultando numa sobreposição entre discursos anti‑gay e a retórica anti--americana. Binnie postula que uma forma de ultrapassar tal armadilha conceptual é valorizar a produção científica desenvolvida fora dos grandes centros hegemónicos, mediante a elaboração de um quadro teórico partilhado entre centros e periferias.

4Binnie nota um fracasso genérico dos estudos gays e lésbicos em tratar o tema do nacionalismo, como se fosse mais simples (ou possível) quebrar identidades sexuais do que identidades nacionais. Tal ficará a dever‑se a uma estreiteza de perspectivas associada à ausência de análises científicas de sexualidades não-ocidentais, tal como assinalado pelas teorias pós-coloniais. Neste passo, indaga-se: por que razão é o controlo das sexualidades tão fundamental nos projectos nacionalistas? Binnie acredita que a sexualidade é encarada pelo Estado-nação como ameaça porque não é facilmente controlável. Assim, o sado-masoquismo consensual entre pessoas do mesmo sexo é muitas vezes criminalizado porque desafia o monopólio do Estado sobre a violência. Da mesma forma, o uso da violação sexual enquanto arma de guerra revela que o Estado controla violentamente o sexo e a sexualidade, ilustrando igualmente a forma como a ideologia do nacionalismo é marcada pela questão da diferença sexual. Binnie prossegue questionando‑se sobre até que ponto os direitos LGBT são utilizados como instrumentos de reprodução de nacionalismos específicos, investigando as possibilidades de extrapolação na aplicação de modelos conceptuais desenvolvidos num dado país. O facto de a dissidência sexual poder agir (ou ser lida enquanto agindo) como contra-poder político também é objecto de análise, reportando-se ao exemplo da Eslovénia e à forma como a queerness parece ameaçar as fronteiras nacionais. O autor revela cepticismo perante o que designa por “política de assimilacionismo da libertação gay” (p. 25), que considera ser um sinal de domesticação das sexualidades. Na mesma esteira, Binnie olha para o conceito de “nação queer” através das formas como a nação é imaginada no âmbito do pensamento queer, nomeadamente a) o cariz americanizado dos discursos queer (veja-se Stonewall); b) o nacionalismo percebido como hipermasculino (i.e., uniformes, disciplina, força); c) a reivindicação de mudanças legislativas baseada no que é percepcionado como característica nacional (a tolerância irlandesa ou a liberdade holandesa). Conclui-se que “a nação importa aos dissidentes sexuais” (p. 29), embora não exista nenhuma lógica essencialista na forma como a nação é construída dentro das comunidades queer. Assim, gays e lésbicas não são meras vítimas dos nacionalismos, uma vez que beneficiam activamente de políticas nacionais de reconhecimento político.

5Binnie remete-nos para a importância de olhar as localidades das práticas discursivas. Uma vez que a globalização é (re)produzida de formas distintas de acordo com o contexto geográfico, Binnie sugere cautela face ao conceito “cultura gay global”. O autor inicia então um debate presente em muitos capítulos seguintes: será que o reconhecimento de direitos LGBT constitui um marco das sociedades progressistas, espelhando um modelo evolutivo de modernidade? Considerando diferentes marcos identitários – etnia, classe e género –, Binnie detém-se na forma como cada um deles promove ou sanciona certos modelos de dissidência sexual, o que o conduz à questão “quais os modelos de sexualidade que acabam por ser vistos como autênticos?” (p. 39), seguida de uma reflexão em torno do conceito de hibridação.

6Após uma forte crítica a Dennis Altman, o autor introduz um novo tópico de análise, nomeadamente o das comunidades virtuais queer e o papel do ciberespaço na construção identitária. Enquanto espaço utópico de fuga e autopercepção, o ciberespaço permite escapar dos constrangimentos diários ou do “confinamento da heterossexualidade” (p. 42). Consequentemente, é proposto um paralelo entre ciberespaços queer e turismo queer na medida em que ambos partilham um importante papel na transmissão de uma cultura sexual: a Internet permite a antevisão dos destinos turísticos futuros e o ciberespaço converteu-se no novo lugar de cruising, permitindo que desde muito cedo se experimentem vivências queer. Contudo, este espaço apresenta condicionamentos económicos resultantes do acesso à tecnologia e linguagem, desigualdades que podem sair reforçadas.

7Revisitando o debate da “libra rosa”, Binnie defende que cultura e economia são mutuamente constituídas e que qualquer análise deve considerar as pessoas LGBT como trabalhadoras, mais que consumidoras. Na verdade, “a riqueza gay e lésbica é um dos mitos em torno da economia rosa. […] Uma ênfase excessiva nos consumos queer reproduz estereótipos dos queers enquanto ricos e invisibiliza o papel de gays e lésbicas enquanto produtores” (p. 55). Prossegue-se com uma reflexão sobre as implicações de classe noutros espaços queer, nomeadamente as associações LGBT.

8No capítulo 5, o autor investiga os modos como as sexualidades têm sido configuradas dentro do pós-colonialismo. Perante a acusação de que o grau de desenvolvimento societal se mede em função da abertura sócio-jurídica às questões LGBT, Binnie relembra que a heteronormatividade é um produto de exportação do Ocidente para outros contextos através da colonização. Por outro lado, assinala-se uma tendência para tratar temas LGBT como se se tratasse de questões étnicas – o designado queer folk, cujo perigo reside no silenciamento da diversidade étnica dentro da população LGBT, “solificando categorias mais do que desafiando […] relações de poder” (p. 69). Binnie insiste numa crítica dura ao que designa por americanização dos estudos gays e lésbicos, ao ponto de identificar uma ocidentalização da política gay e lésbica reflectida na transformação dos direitos LGBT em plataformas de acesso, por exemplo, à Europa Comunitária. Tal narrativa desenvolvimentista vai de par com discursos racistas que opõem, por exemplo, o Zimbabué à Holanda ou à Dinamarca, fazendo recordar alguma da racionalidade que enformou a missão civilizadora patente nas Cruzadas.

9Outro conceito complexo é o “armário” ao transformar as histórias de “coming out” em passos necessários a uma identidade e cidadania sexuais bem sucedidas. Para Binnie, a moralidade do “coming out” mais não é do que uma exportação do modelo confessional proveniente do judaico--cristianismo, encerrando num lugar inferior todos/as aqueles/as que recusarem tal confissão. Acresce ainda que o conceito de “armário” não é universal, carecendo de uma análise cuidada que considere os não--ditos, em jeito de uma sociologia das ausências das sexualidades queer.

10Nos capítulos seguintes, debate-se mobilidade queer (migração e turismo), sida e urbanismo, nos seus múltiplos cruzamentos com globalizações e sexualidades queer: migração enquanto processo de “saída do armário” e de experiência de uma cidadania sexual, desejo de anonimato associado aos centros urbanos, asilo político, diáspora queer, cosmopolitismo imaginado (Gay Games), cruising como intervenção democrática e mega eventos queer (Prides, Marchas, etc.).

11Em suma, mais do que fornecer um enquadramento teórico acabado, Binnie sublinha a complexidade inerente a qualquer ponto de vista, defendendo a importância de valorizar o que se esconde por baixo de superfícies aparentemente lisas. Dessa forma o autor permite ao/à leitor/a a construção da sua própria posição sobre globalizações queer, ao invés de se converter num/a consumidor/a passivo/a de escolhas alheias. Neste sentido, este livro constitui uma ferramenta importante na medida em que nos facilita conhecimentos factuais ancorados num questionamento crítico e auto-reflexivo acerca dos pressupostos dominantes nos estudos gays e lésbicos.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Ana Cristina Santos, «Binnie, Jon, The Globalization of Sexuality. »Revista Crítica de Ciências Sociais, 76 | 2006, 141-143.

Referência eletrónica

Ana Cristina Santos, «Binnie, Jon, The Globalization of Sexuality. »Revista Crítica de Ciências Sociais [Online], 76 | 2006, publicado a 01 outubro 2012, consultado a 18 junho 2021. URL: http://journals.openedition.org/rccs/872; DOI: https://doi.org/10.4000/rccs.872

Topo da página

Autor

Ana Cristina Santos

Investigadora do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra e doutoranda em Gender Studies pela Universidade de Leeds, Reino Unido. Publicações recentes incluem A lei do desejo: Direitos humanos e minorias sexuais em Portugal (Porto, Afrontamento, 2005); “Sexual Orientation in Portugal: Towards Emancipation” (South European Society and Politics, 9(2), 2004, 159-190,). Coordenadora geral da Campanha Fazer Ondas, com a ONG Women on Waves (2004) e membro fundador da associação não te prives – Grupo de Defesa dos Direitos Sexuais.
cristina@ces.uc.pt

Artigos do mesmo autor

Topo da página

Direitos de autor

Licença Creative Commons CC BY 3.0

Topo da página
Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search