Navegação – Mapa do site

InícioNúmeros76RecensõesButler, Judith, Undoing Gender

Recensões

Butler, Judith, Undoing Gender

Anabela Rocha
p. 143-145
Referência(s):

Butler, Judith, Undoing Gender. New York: Routledge, 2004, 288 p.

Texto integral

1O conceito de “gender” de Butler (Gender Trouble, 1990) foi um forte ponto de viragem nos estudos queer uma vez que torna radicalmente claro que o género não é uma essência já feita que seria vivenciada pelos sujeitos mas sim um permanente fazer pela sua própria reiteração performativa, que poderia subverter ou não os padrões dualistas hegemónicos.

2Undoing Gender tem a particularidade de reflectir radicalmente sobre os riscos que correm aqueles que desconstroem esses padrões. Trata-se de uma reflexão crítica sobre as condições duma vida vivível para todos aqueles que desconstroem o género, ao ponto de não serem mais reconhecidos como humanos (sendo este o risco mais radical), ao ponto de a vida lhes ser insuportável, pela violência sobre eles exercida, muitas vezes até à morte – sendo a morte e as condições de possibilidade do seu luto o horizonte teórico por excelência duma qualquer política do reconhecimento. Ressalvando desde logo que as diferenças na posição e no desejo impossibilitam qualquer universalidade ética, este livro, se bem que ancorado nas questões queer, continua o trabalho de Precarious Life: The Power of Mourning and Violence (Butler, 2004), ou seja, uma nova filosofia política do reconhecimento, centrada na sobrevivência, de inspiração hegeliana: que tudo o que é humano não nos deve ser estranho – “Que recursos devemos possuir para trazer para a comunidade humana aqueles humanos que não foram considerados parte do reconhecidamente humano? Essa é a tarefa duma teoria e prática democrática radical que procura estender as normas que suportam uma vida viável a comunidades previamente sem direitos” (p. 225). Estas novas normas terão de ser elas próprias lugar de rearticulação do humano: “Seguramente, algumas normas serão necessárias para a construção de um tal mundo, mas serão normas que ninguém possuirá, normas que terão de trabalhar não através da normalização ou da assimilação racial e étnica, mas sim tornando-se lugares colectivos de trabalho político contínuo” (p. 231).

3A rearticulação do humano só pode acontecer “[…] no ponto onde os excluídos falam para e a partir dessa categoria.” (p. 13). Mas não é fácil conquistar esse lugar, uma vez que, para falar a partir dele, é necessário ser já reconhecido como humano. Daí que o trabalho crítico fundamental esteja em manter a abertura da questão pelo humano: “[…] a questão que colocamos ao Outro é simples e irrespondível: ‘quem és tu?’. A resposta violenta é aquela que não pergunta, e não procura saber” (p. 35).

4Central à questão da sobrevivência é a questão da vulnerabilidade diferenciada dos corpos e a da hierarquização dos lutos: “Reagir à opressão requer que entendamos que as vidas são apoiadas e mantidas diferencialmente, que há formas radicalmente diferentes de distribuição da vulnerabilidade física humana pelo globo. Certas vidas serão altamente protegidas, e a violação das suas exigências de santidade será suficiente para mobilizar as forças da guerra. E outras vidas não encontrarão apoio tão rápido e tempestuoso e não serão sequer qualificáveis como dignas de luto” (p. 24).

5Quanto à questão específica da desconstrução da diferença sexual, o que Undoing Gender traz de novo é uma humildade teórica e existencial. “Tal como eu a entendo, a diferença sexual é o lugar onde uma questão relativa à relação do biológico com o cultural é posta e reposta, onde deve e pode ser posta, mas onde não pode, estritamente falando, ser respondida. Entendida como um conceito de fronteira […]. É portanto, não uma coisa, não um facto, não uma pressuposição, mas antes uma exigência de rearticulação que não desaparece nunca – mas que também nunca aparece?” (p. 185/186). Este tipo de humildade teórica seria, aliás, específica dos nossos tempos: “[a diferença sexual é] um momento particularmente denso de irresolução na linguagem, um momento que marca o horizonte contemporâneo da linguagem como nosso.” (p. 177). Quanto à humildade existencial, ela deve estar apoiada na consciência de que o processo de incorporação das normas culturais, nomeadamente de género, não é totalmente consciente e controlável: “Há sempre uma dimensão de nós mesmos e da nossa relação com os outros que não podemos conhecer, e este não-conhecer persiste connosco como uma condição da existência, orientada pelo que não conhecemos, e não podemos conhecer, e esta ‘pulsão’ (Trieb) é precisamente o que não é nem exclusivamente biológico nem cultural, mas sempre o lugar da sua densa convergência.” (p. 15). Esta fuga a si é vista pela autora como um lugar do êxtase: “E assim quando falamos sobre a minha sexualidade ou o meu género, como fazemos (e como temos que fazer), queremos dizer algo complicado com isso. Nada disso é exactamente uma possessão, mas ambos são entendidos como modos de ser despossuído, modos de ser para o outro ou, de facto, por meio de outro.” (p. 19, itálicos da autora). “Ser ex-tático significa, literalmente, estar fora de si próprio […]. […] falo daqueles de nós que vivem de algumas maneiras para lá de nós próprios, quer seja numa paixão sexual, numa dor emocional, ou numa raiva política. Num certo sentido, o desafio é compreender que tipo de comunidade é composta por aqueles que estão para lá de si próprios” (p. 20, itálicos da autora). Trata-se, portanto, do êxtase como lugar politico, de formação de comunidade em geral.

6Este lugar de humildade crítica, de humildade política, continua ser um lugar de trabalho da psicanálise: “O corpo é aquilo sobre o qual a linguagem tropeça, e o corpo carrega os seus próprios sinais, os seus próprios significantes, de formas que permanecem largamente inconscientes” (p.198).

7Portanto, todo o trabalho político de desconstrução da diferença sexual e rearticulação do humano acontece num quadro de forte indescernibilidade, teórica e vivencial, entre o biológico e o cultural: “Não pretendo sugerir que sinais puramente culturais produzem um corpo material, mas somente que o corpo não se torna sexualmente legível sem esses sinais, e que esses sinais são irredutivelmente culturais e materiais ao mesmo tempo.” (p. 87).

8Não existe, igualmente, nenhuma cristalização simbólica, nomeadamente da diferenciação sexual, que garanta um fundo imutável ao cultural: “[…] espero mostrar que a distinção entre lei simbólica e social não é enfim sustentável, que o próprio simbólico é a sedimentação de práticas sociais […]” (p. 44). Todo o humano é portanto, re-articulável, lugar de luta política.

9Esta obra é notável no esforço que faz de re-articulação das questões queer com a teoria crítica e a filosofia política, trazendo novos contributos a todas estas disciplinas.

10Como limite à pujança teórica de Butler pressinto apenas uma excessiva espiritualização, provavelmente resultado do seu judaísmo, que a impede de trabalhar no campo dos estudos visuais, o que lhe permitiria ultrapassar um excessivo dualismo e psicanalização da questão corpo-linguagem.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Anabela Rocha, «Butler, Judith, Undoing Gender »Revista Crítica de Ciências Sociais, 76 | 2006, 143-145.

Referência eletrónica

Anabela Rocha, «Butler, Judith, Undoing Gender »Revista Crítica de Ciências Sociais [Online], 76 | 2006, publicado a 01 outubro 2012, consultado a 13 junho 2021. URL: http://journals.openedition.org/rccs/875; DOI: https://doi.org/10.4000/rccs.875

Topo da página

Autor

Anabela Rocha

Licenciada em Filosofia pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto (1989). Pós-Graduada em Comunicação Social, vertente Média e Jornalismo, pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Univ. Nova de Lisboa (2000). MBA Europeu em Audiovisual e Multimedia pela Haute École ISC Saint Louis, Bruxelas (2001). Activista LGBTI desde 1997. Representante de Portugal na Rede da Ilga Europe (2001-2004). Vice-Presidente da Opus Gay (2003-2004).
anabelarocha@hotmail.com

Topo da página

Direitos de autor

Licença Creative Commons CC BY 3.0

Topo da página
Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search