Navegação – Mapa do site
Recensões

Louro, Guacira Lopes, Um Corpo Estranho – Ensaios sobre sexualidade e teoria queer

Telmo Fernandes
p. 145-147
Referência(s):

Louro, Guacira Lopes, Um Corpo Estranho – Ensaios sobre sexualidade e teoria queer. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2004, 92 p.

Texto integral

1Guacira Lopes Louro é uma autora com a qual os leitores portugueses interessados nas questões de género e da sexualidade poderão já estar familiarizados. Existe inclusivamente uma edição portuguesa de um trabalho recente – Currículo, género e sexualidade (Porto: Porto Editora, 2000) – que procura sintetizar e cruzar os principais interesses de pesquisa desta intelectual licenciada em História, doutorada em Educação e professora da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Guacira Lopes Louro procurou desde cedo reflectir sobre a forma como o género e a sexualidade se cruzam com as políticas educativas, tendo em 1990 criado o GEERGE (Grupo de Estudos de Educação e Relação de Género), que se constitui desde então enquanto núcleo de investigação em torno destas temáticas.

2Neste trabalho, reflectindo sobre o legado do pensamento feminista, a autora acabou por se aproximar das perspectivas pós-estruturalistas, no âmbito das quais se produziu a teoria queer, já no início dos anos 1990, sob a influência de autores como Michel Foucault, Jacques Lacan ou Jacques Derrida. Sob o olhar queer, mais do que pensar sobre a realidade, importa reflectir sobre os discursos produzidos acerca dela e operar uma desconstrução dos conceitos utilizados para a descrever. O objectivo será procurar expor o carácter compulsório que resulta da sua reprodução permanente, através de várias instâncias, e que se traduz na construção de uma lógica binária e assimétrica de sexos, géneros e sexualidades.

3Parece tarefa impossível encontrar quem, após longos anos de carreira como cientista ou intelectual, não se comprometa de forma indelével com um património de ideias e conceitos ou escolas de pensamento. No trajecto da investigação, recorre-se a teorias, perfilham-se correntes, encontra-se conforto em conceitos e operações, e tudo se parece alicerçar ou mesmo refutar a partir de um inabalável, ainda que eventualmente moldável, conjunto de princípios orientadores. Para esta autora, contudo, este constitui um bom momento para questionar o inquestionado e distanciar-se dos modelos tradicionais de pensamento. Ao mesmo tempo, procura fazer um importante trabalho de tradução de textos e conceitos que de outra forma poderiam permanecer inacessíveis a um número considerável de leitores (também porque parece passar por aqui uma vontade de dessacralizar o próprio conhecimento).

4Neste livro reúnem-se quatro pequenos ensaios – “Viajantes pós-modernos”, “Uma política pós-identitária para a educação”, “’Estranhar’ o currículo” e “Marcas do corpo, marcas de poder”. Trata-se maioritariamente de transcrições de palestras, onde algumas questões sobre o corpo e a sexualidade são repensadas à luz de um novo questionamento. Pensar ‘queer’ surge como uma forma de incluir a pluralidade de vivências de género e das sexualidades, realidade constatada pela própria autora na sua vivência pessoal e profissional. Ao atribuir-lhes um sentido dentro das possibilidades do conhecimento, permite-se que estas vivências adquiram um significado não só hermenêutico mas também político, designadamente se pensarmos nas potenciais implicações para o campo educativo.

5Por outro lado, há uma tentativa de superação da lógica binária de leitura da realidade, entendendo-se que, mais do que servir para compreender, esta tem estado ao serviço de um processo permanente de classificação e compartimentação da própria realidade, definindo fronteiras e hierarquias, através de dinâmicas de poder mais ou menos dissimuladas. O que importa neste processo será não tanto perceber qual a verdade, mas os mecanismos pelos quais esta verdade se estabelece enquanto tal.

6O corpo, essa entidade que transporta as marcas identitárias (e, como tal, o produto de vários discursos), é também o lugar onde se observa a rebelião da diversidade, e onde se ensaiam tentativas de subversão das fronteiras de género. Um exemplo escolhido pela autora neste livro é a figura da drag queen, alguém que, na sua opinião, parodia a ideia de essência feminina através daquilo que Judith Butler designaria por uma elaborada performance de género que denuncia o seu carácter de construção (eloquente a expressão do homem que traz consigo na mala os acessórios para se transformar: “eu me monto e a drag baixa”).

7Parece fazer sentido incluir também neste âmbito de subversão inúmeros pequenos gestos diários de resistência dentro do regime de género e sexualidade dominante, como os que são facilmente observáveis diariamente no quotidiano de qualquer escola.

8Somos todos queer? Em parte, se o padrão binário de masculinidade e feminilidade é uma prescrição de imagens e atitudes de que permanentemente nos desviamos, inconscientemente ou como gesto intencional de insubmissão. Por outro lado, as políticas identitárias feministas ou gays e lésbicas não podem ser enquadradas necessariamente num quadro de leitura queer; elas têm a seu encargo uma política de afirmação que se inscreve ainda na lógica de pensamento binário que domina a civilização ocidental desde a modernidade.

9Era na mesma lógica que Guacira Lopes Louro, numa palestra recente sobre Género e Cidadania na Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade do Porto, entre 9 e 10 de Junho de 2006, sublinhava a importância da sexualidade na definição da masculinidade (repare-se nas associação da impotência ao fim da masculinidade), agregada à homofobia e à misoginia, ao passo que nas mulheres a centralidade na definição do ser feminino parecia passar mais pela maternidade. Também poderemos estabelecer um paralelismo diferencial nas reacções sociais à “saída do armário” (a expressão que designa um homossexual que se assume publicamente enquanto tal): enquanto os homens geralmente se interrogam sobre o tipo de performances sexuais, as mulheres tendem a verbalizar as presumidas implicações na possibilidade de maternidade ou paternidade. Nessa palestra, ressalvou ainda a necessidade de repensar as representações acerca dos argumentos essencialistas e construtivistas em relação ao género e à sexualidade. Sendo verdade que os primeiros são normalmente associados a correntes mais conservadoras, eles têm sido “repescados” para as políticas de identidade, tornando-se desta forma progressistas. Por outro lado, dizer que determinado conceito (por exemplo, a homossexualidade) é uma construção pode conduzir a um discurso do tipo corrector e “retrógrado” (“se conheço a causa, posso tentar eliminá-la”).

10Em suma, estamos perante uma obra politicamente empenhada e cientificamente pertinente, para todos os que gostam de assumir a incerteza como o método de trabalho mais adequado para a compreensão da volatilidade e diversidade das realidades sociais.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Telmo Fernandes, « Louro, Guacira Lopes, Um Corpo Estranho – Ensaios sobre sexualidade e teoria queer  », Revista Crítica de Ciências Sociais, 76 | 2006, 145-147.

Referência eletrónica

Telmo Fernandes, « Louro, Guacira Lopes, Um Corpo Estranho – Ensaios sobre sexualidade e teoria queer  », Revista Crítica de Ciências Sociais [Online], 76 | 2006, colocado online no dia 01 outubro 2012, criado a 24 julho 2019. URL : http://journals.openedition.org/rccs/879

Topo da página

Autor/a

Telmo Fernandes

Licenciado em Sociologia; mestrando na área das Ciências da Educação, com especialização em Educação e Diversidade Cultural. Colabora com o movimento LGBT a partir da cidade do Porto, participando, entre outras iniciativas, em encontros de sensibilização e informação sobre género e sexualidade. Trabalha actualmente no campo da educação de adultos.
telmof@gmail.com

Topo da página

Direitos de autor

Licença Creative Commons CC BY 3.0

Topo da página
  • Logo Centro de Estudos Sociais
  • Logo Universidade de Coimbra
  • Logo Universidade de Coimbra - Património Mundial em 2013
  • Logo Compete 2020
  • Logo Portugal 2020
  • Logo Fundos Europeus Estruturais e de Investimento
  • Logo Fundação para a Ciência e a Tecnologia
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • OpenEdition Journals