Navegação – Mapa do site
Recensões

Snow, David A.; Soule, Sarah A.; Kriesi, Hanspeter (orgs.), The Blackwell Companion to Social Movements

Madalena Duarte
p. 213-215
Referência(s):

Snow, David A.; Soule, Sarah A.; Kriesi, Hanspeter (orgs.), The Blackwell Companion to Social Movements. United Kingdom: Blackwell Publishing, 2004, 754 pp.

Texto integral

1Os movimentos sociais têm vindo a ser, sobretudo desde a década de 90, objecto de uma intensiva produção científica, sendo inúmeros os livros e artigos que sobre eles se debruçam, olhando para aspectos mais particulares das suas teorias, actividades, dinâmicas, repertórios, etc., ou para movimentos sociais específicos. Neste contexto, The Blackwell Companion to Social Movements surge como uma compilação de textos originais sobre movimentos sociais de autores internacionalmente reconhecidos. A compilação é organizada por David A. Snow, Sarah A. Soule e Hanspeter Kriesi. David A. Snow é professor de Sociologia na Universidade da Califórnia e são várias as publicações que tem nesta área, entre elas: Social Movements: Readings on Their Emergence, Mobilization, and Dynamics (com Doug McAdam, 1997) e Down on Their Luck: A Study of Homeless Street People (com Leon Andersen, 1993). Sarah A. Soule é professora associada de sociologia na Universidade do Arizona e tem, também, diversos artigos publicados sobre movimentos sociais. Finalmente, Hanspeter Kriesi é professor de ciência política na Universidade de Zurique. Entre as suas várias obras, encontra-se o livro Political mobilization and Social Change (1993).

2A obra, dividida em seis partes, abrange uma diversidade considerável de tópicos referentes aos movimentos sociais, possibilitando uma base sólida para uma maior compreensão desta área. Numa primeira parte introdutória, os organizadores do volume oferecem uma conceptualização dos movimentos sociais assente em quatro eixos: acção colectiva; reivindicações e protesto; acção não institucional; organização interna; e continuidade temporal. A breve análise de cada um destes eixos conceptuais permite aos organizadores avançarem com uma definição de movimento social. Assim, os movimentos sociais podem ser pensados como “colectividades que actuam com algum grau de organização e continuidade, fora dos canais institucionais ou organizacionais, com o objectivo de desafiar ou defender a autoridade existente, seja ela institucional ou cultural, no grupo, organização, sociedade, cultura, ou na ordem mundial da qual fazem parte” (Snow, Soule e Kriesi, p. 11). A definição proposta, orientadora da organização do livro, por ser mais abrangente e inclusiva que outras definições mais restritas, permite que neste se incluam diversas perspectivas sobre movimentos sociais, ordenadas segundo factores contextuais, dimensões e processos.

3Os factores contextuais são abordados na segunda parte - Contextos e condições facilitadoras. Os seis capítulos que compõem esta parte dão conta dos aspectos estruturais facilitadores ou restritivos da criação, desenvolvimento e acção dos movimentos sociais, designadamente históricos, geográficos, políticos e culturais.

4As partes III, IV e V referem-se quer às dimensões (repertórios de protesto, formas organizacionais, liderança, identidade colectiva, consequências, etc.), quer aos processos (modo como as dimensões evoluem ao longo do tempo e produzem mudanças nas acções dos movimentos sociais). A Parte III procura dar conta das dinâmicas e dos campos de acção dos movimentos sociais. Os oito capítulos presentes nesta parte discutem as relações entre organizações e movimentos sociais e o modo como a criatividade e diversidade organizacionais moldam um novo tipo de activismo; a importância das lideranças em todo o curso e actividade dos movimentos sociais e as dinâmicas e processos que as condicionam; a complexificação dos conflitos, raramente bipolares, em que se envolvem os movimentos sociais e os múltiplos papéis desenhados pelos opositores e por alianças estabelecidas; a construção de uma nova esfera pública como consequência de uma crescente globalização dos protestos; o papel dos media e da opinião pública na definição, concretização e sucesso das estratégias definidas pelos movimentos sociais; a definição, mais ou menos abrangente e inclusiva, de repertórios de protesto; a difusão de inovação; e a transnacionalização dos movimentos sociais.

5Na parte IV são estudados os processos e as dimensões micro-estruturais e psicossociais dos movimentos sociais, designadamente a crescente participação dos movimentos sociais em rede; as exigências e trocas que surgem na relação entre movimentos e os seus participantes; o papel dos quadros ideológicos e interpretativos no estudo dos movimentos sociais; a diversidade de emoções que surgem e condicionam os seus repertórios de protesto; e o papel da identidade colectiva, e de conceitos relacionados como o de solidariedade e compromisso, na mobilização dos participantes.

6As consequências das acções dos movimentos sociais são abordadas na parte V: Os quatro capítulos incluídos nesta secção procuraram responder a duas questões: Quais as consequências dos movimentos sociais? Em que áreas é que estas tiveram um maior impacto? As respostas a estas questões são bastante diversificadas e incidem no campo legislativo, estatal, biográfico, cultural e no campo da cidadania, identificando-se as consequências para outros movimentos sociais.

7Finalmente, na última parte procede-se a uma caracterização e análise das evoluções daqueles que, na opinião dos organizadores do volume, são os principais movimentos sociais, uma vez que estão presentes um pouco por todo o mundo, ainda que com intensidades diferentes. Rick Fantasia e Judith Stepan-Norris dizem-nos que o movimento sindical deve ser estudado tendo em conta as relações institucionalizadas de poder a partir das quais ele se desenvolveu e pelas quais é condicionado e moldado. Myra Ferree e Carol Mueller caracterizam o contexto histórico do movimento feminista e discutem o seu estado actual, a sua forma de actuação e mobilização, o seu carácter transnacional, a sua definição como novo movimento social e a necessidade do seu estudo atentar à identidade de género como criadora de solidariedades. Christopher Rootes oferece uma caracterização do movimento ambientalista contemporâneo, do seu desenvolvimento, da sua progressiva institucionalização, da crítica ao capitalismo industrial, da emergência e multiplicidade de formas de protesto locais e da articulação entre movimentos locais e globais. Os movimentos pela paz e anti-guerra são discutidos por San Marullo e David Meyer. Estes autores, partindo do estudo dos movimentos contra o uso de armas nucleares nos Estados Unidos, argumentam que os movimentos pela paz mobilizam-se com maior veemência quando têm menor probabilidade de atingir os seus objectivos. Susan Olzak fala-nos dos movimentos étnicos e nacionalistas, oferecendo--nos uma importante síntese teórica para o seu estudo. Por último, Fred Kniss e Gene Burns referem-se aos movimentos sociais religiosos, historicamente considerados e tendo em conta as suas inovações, analisando-os nas suas relações com o Estado e com outros movimentos sociais.

8Ao oferecer uma síntese importante de tópicos e assuntos directamente relacionados com os movimentos sociais e que são obrigatórios para uma compreensão da sua evolução ao longo dos tempos e para uma caracterização actual, a obra torna-se, sem dúvida, indispensável para o estado da arte dos movimentos sociais. Não obstante, a obra pecará, a meu ver, por algumas ausências. Desde logo, uma problematização que inclua as formas de mobilização em contextos não ocidentais. Esta é, essencialmente, uma compilação sobre os movimentos sociais ocidentais e deve ser entendida desse modo. Embora os textos sejam, na sua generalidade, particularmente atentos à internacionalização dos movimentos sociais, a ambição universalizante desta compilação obrigava a um olhar mais atento em relação às dinâmicas e processos dos movimentos sociais quer dos países do sul, quer dos países que, sendo do norte, se situam no seu sul. A obra merecia, ainda, uma conclusão geral sobre as temáticas discutidas ao longo dos vários textos. A necessidade desta conclusão geral não se prende tanto com a indispensabilidade de uma síntese dos vários assuntos abordados, mas, sobretudo, com uma, a meu ver, fundamental intertextualidade entre as linguagens e dinâmicas dos diferentes movimentos analisados.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Madalena Duarte, « Snow, David A.; Soule, Sarah A.; Kriesi, Hanspeter (orgs.), The Blackwell Companion to Social Movements  », Revista Crítica de Ciências Sociais, 72 | 2005, 213-215.

Referência eletrónica

Madalena Duarte, « Snow, David A.; Soule, Sarah A.; Kriesi, Hanspeter (orgs.), The Blackwell Companion to Social Movements  », Revista Crítica de Ciências Sociais [Online], 72 | 2005, colocado online no dia 01 outubro 2012, criado a 20 maio 2018. URL : http://journals.openedition.org/rccs/992

Topo da página

Autor/a

Madalena Duarte

Investigadora do Centro de Estudos Sociais. Investigadora do Observatório Permanente da Justiça Portuguesa. Licenciada em Sociologia pela Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra.
madalena@ces.uc.pt

Artigos do/da mesmo/a autor/a

Topo da página

Direitos de autor

Licença Creative Commons CC BY 3.0

Topo da página
  • Logo Centro de Estudos Sociais
  • Logo Universidade de Coimbra
  • Logo Universidade de Coimbra - Património Mundial em 2013
  • Logo Compete 2020
  • Logo Portugal 2020
  • Logo Fundos Europeus Estruturais e de Investimento
  • Logo Fundação para a Ciência e a Tecnologia
  • OpenEdition Journals