Navegación – Mapa del sitio

InicioNúmeros18Artículos/ArtigosAs multifacetas da forma bela na ...

Artículos/Artigos

As multifacetas da forma bela na Crítica da faculdadede julgar

Ana Carolina de Carvalho Belmani

Resumen

In this paper, I present an overview of the main issues brought about by different interpretations of the concept of beautiful form troughtout the Critique of aesthetical judgment, first part of the Critique of Judgment. I start presenting the beautiful form as it is defined in the Introductions, keeping in mind the specif purpose of this part of the text, which is to introduce the faculty of judgment into Kant’s broader sistematic critical project. In a second moment, I analize the ways the beautiful form is portrayed in the Analytic of the Beautiful, especially in the third moment, in which this concept is, for the first time in the work, put in direct reference to the object of the judgment of taste. Finally, in view of the debate between Allison and Guyer on a possible restrictive formalism in Kant’s theory of taste, I present my final conclusions on how we ought to conceive the beautiful form in the Critique of Judgment.

Inicio de página

Notas de la redacción

As referências às obras de Kant em parênteses ao longo do texto seguem o seguinte padrão:

KdUKritik der Urteilskraft. A indicação será seguida do número do volume e da página da edição da Academia seguidas pela referência à tradução de Fernando Costa Mattos, Petrópolis, Editora Vozes, 2016.

EE Erste Einleitung in die Kritik der Urteilskraft. A indicação será seguida do número do volume e da página da edição da Academia seguidas pela referência à tradução de Fernando Costa Mattos (mesmo livro citado acima) encontrada em Crítica da faculdade de julgar, Petrópolis, Editora Vozes, 2016.

Notas del autor

Agradeço aos colegas Giorgia Cecchinato e Paulo Licht dos Santos pelas sugestões e críticas que contribuíram para a redação deste artigo.

Texto completo

Introdução

  • 1 As análises de Henry Allison (2001), Rodolphe Gasché (2003), Hanna Ginsborg (1990) e Paul Guyer (...)
  • 2 Na Estética transcendental da Crítica da razão pura, Kant apresenta o conceito de forma dos fenô (...)
  • 3 Também referida neste trabalho como “primeira Crítica” ou pelas iniciais “CRP”.

1 Muito já foi dito sobre a obscuridade da definição de forma bela na CFJ em um vasto debate na literatura secundária1. A despeito disso, não há um consenso interpretativo e esse conceito segue evocando dúvidas e questionamentos. Não há um ponto pacífico sobre várias questões, tais como (a) o nível de subjetividade e objetividade da forma bela, (b) a identificação ou não da definição da forma apresentada na CFJ com a definição de forma2 da Crítica da razão pura 3e (c) a possível interpretação de um formalismo restritivo na teoria de gosto.

  • 4 A expressão “forma perceptual” (perceptual form) não é terminologia de Kant na CRP, mas é uma ex (...)
  • 5 Allison faz apontamento semelhante em Kant´s theory of taste (2001, p. 120).

2 Uma das grandes dificuldades para o entendimento desse conceito é a ausência no texto de uma definição precisa do mesmo considerado dentro do contexto da apreciação estética e do escopo da terceira Crítica. Não temos um esclarecimento apontando se essa definição deve ou não ser pensada como uma transposição do conceito de forma perceptual4, da Crítica da razão pura, para a crítica do gosto. Essa imprecisão se agrava com o modo destoante como Kant introduz a noção de forma bela ao longo das Introduções e da Crítica da faculdade de julgar estética, particularmente no terceiro momento da Analítica do belo.5 Ora a forma é apresentada como resultado de um estado subjetivo, desvencilhado de uma referência a qualquer propriedade objetiva de beleza, ora somos levados a encará-la como o fundamento do predicado da beleza atribuído ao objeto, a partir de um formalismo restritivo que reduz em grande medida o arcabouço das representações que podem ser consideradas belas. Essa divergência dá margem a algumas controvérsias importantes que serão abordadas neste trabalho.

3

1. A forma bela nas Introduções

1.1. A função do princípio da faculdade de julgar no projeto crítico

4 Nas Introduções ainda não há um desenvolvimento preciso sobre a faculdade do gosto e o belo, já que esses textos se prestam primordialmente a justificar a inclusão da faculdade de julgar reflexionante no sistema crítico. Portanto, nelas não encontramos ainda uma definição de forma bela e muito menos uma análise do que poderia ser propriamente o objeto de um juízo de gosto e de suas características. No entanto, ao apresentar o juízo estético reflexionante, até então inédito em sua obra, Kant faz menções à forma bela cuja análise consideramos essencial para entendermos sua função e particularidade no contexto da Crítica da faculdade de julgar.

  • 6 Como bem aponta Allison, (2001, p. 44) essas funções não são separadas e são partes de um mesmo (...)

5 A ação da faculdade de julgar em geral consiste em se pensar o particular como contido no universal. O juízo, portanto, opera a importante função de mediar esse encontro, que é o único modo através do qual nos relacionamos com qualquer representação dada. Quando o universal já está previamente estabelecido e o particular deve ser encontrado para ser subsumido sob ele, o juízo está exercendo sua função determinante e seu princípio está contindo nas leis transcendentais da faculdade do entendimento. Já quando o universal deve ser encontrado e o particular é previamente dado, o juízo realiza sua atividade reflexionante (KdU V, 179 - 81, pp. 79 - 81).6

  • 7 Essa autonomia, no entanto, é de espécie particular, tendo sido por isso, cunhado por Kant um te (...)

6 E é nesta atividade reflexionante, de elevar-se do particular ao universal, que a faculdade do juízo age em sua autonomia7, fornecendo como princípio uma pressuposição transcendental subjetivamente necessária” (EE, 209, p. 26) para a percepção da heterogeneidade potencialmente infinita e arbitrária das leis empíricas da natureza na forma de um sistema (EE, 209 - 10, pp. 26 - 7).

7 O enfoque nas Introduções é dado à importância da descoberta de uma faculdade de julgar provida de um princípio transcendental próprio, capaz de mediar a passagem de um modo de pensar segundo o conceito de natureza, da filosofia teórica, ao modo de pensar segundo o conceito de liberdade, da filosofia prática. O princípio em questão, puro a priori, é o da finalidade da natureza, mediante o qual, somente, é possível que, postulando em seus fenômenos uma conformidade a fins, consigamos nos orientar ordenadamente na natureza de modo a investigá-la. (EE, 242 e 246 - 7, pp. 56 e 61).

8 A necessidade de um tal princípio para preencher uma lacuna na filosofia crítica se evidencia quando nos damos conta de que a aplicação das leis trancendentais do entendimento aos fenômenos, por si só, não explica o fato de as leis empíricas da natureza se conformarem com uma estrutura apreensível por nossa faculdade de conhecimento, nem que seus fenômenos possam ser apreendidos interconectados sistematicamente. Apesar de não suscitar qualquer conhecimento teórico ou prático, ele deve figurar entre um dos princípios basilares a priori da razão, que, enquanto tais, precisam ser investigados em uma crítica completa da razão pura (EE, 208 - 10, pp. 25 - 7, KdU, 176 - 9, pp. 76 - 9).

  • 8 No juízo teleológico a representação da finalidade se dá objetivamente, segundo conceitos, na me (...)

9 Esse mesmo princípio fundamenta a priori uma reflexão que se expressa em juízos teleológicos e juízos estéticos, duas formas de juízos que manifestam, a partir da reflexão, modalidades diferentes de finalidade. Ambas exigem a consideração da natureza como técnica, ou seja, como conforme a fins em seus produtos; mas no juízo estético, a finalidade é considerada apenas subjetivamente, em vista do mero modo de representação do sujeito, enquanto no juízo teleológico8 ela é considerada objetivamente, em relação à possibilidade do objeto (EE, 248 - 9, p. 63). Já em um juízo reflexionante estético a representação da finalidade de um objeto dado na experiência é percebida a partir de um fundamento meramente subjetivo: um sentimento. Nesse caso, o objeto será apreendido como conforme a fins na medida em que estimula um acordo entre imaginação e entendimento sem que isso acarrete na determinação de conceito algum.

1.2. A forma da representação do objeto como fundamento da reflexão

10 A relação da função mediadora do princípio da faculdade de julgar, mencionada acima, com o gosto não é evidente à primeira vista. A articulação entre beleza e o princípio da finalidade nos é revelada paulatinamente: à medida em que é apresentado o emprego de uma finalidade meramente subjetiva à natureza, é pensada a possibilidade de uma apreciação na apreensão de uma finalidade sem fim na representação de um objeto. Essa apreciação é expressa por um sentimento de prazer que acompanha tal representação.

11 A finalidade sem fim só pode ser contemplada na medida em que a reflexão se volta para a mera forma de um objeto, que é então atestado como belo. A ocorrência de um juízo reflexionante estético depende, assim, do modo específico como a forma do objeto se coloca diante de nossas faculdades de conhecimento.

12 Essa “forma do objeto da intuição empírica” (EE, 220, p. 36) deve ser constituída de modo que a apreensão de seu diverso na imaginação concorde com a exposição de um conceito indeterminado do entendimento. A concordância entre apreensão e exposição reverbera na relação entre imaginação e entendimento que se harmonizam reciprocamente na mera reflexão (EE, 220 - 1, p. 36). Quando se julga esteticamente sobre a mera forma, a reflexão é seguida de um sentimento de prazer que acompanha a representação do objeto. Esse prazer é a expressão de uma dinâmica subjetiva que consiste em uma relação de jogo não coercitiva entre imaginação e entendimento (KdU V, 189, p. 90).

13 À medida que desenvolve sua explicação sobre o caráter reflexionante e estético do juízo, Kant apresenta sua teoria do gosto sem oferecer explicação sobre a natureza da forma aqui entendida. Mais do que se ater aos aspectos característicos de uma tal forma fundamentadora dessa nova modalidade de juízo, o autor se detém em ressaltar as implicações que surgem pela apreensão da mera forma, tais quais a indeterminabilidade conceitual e o jogo entre as faculdades de conhecimento.

14 Kant começa a apresentar sua concepção de juízo de gosto – cujo caráter é essencialmente reflexionante e estético – pela via negativa, apontando os elementos (sensação e conceito) dos quais ele precisa desvencilhar-se para afirmar a pureza ou a singularidade de sua concepção.

15 O que faz um juízo ser meramente reflexionante é sua ação se deter na comparação da forma da representação pela qual um objeto é dado com a relação entre as faculdades de conhecimento diante dele, sem que isso culmine na determinação de um conceito. Já o que faz o juízo ser estético, é ele ser atestado por um sentimento de prazer que, no entanto, se distingue daquele dos juízos estéticos materiais, por ser a expressão da consciência da percepção da finalidade sem fim em um objeto e não o simples efeito de uma sensação. À materialidade da sensação do juízo dos sentidos, assim como ao “conteúdo” conceitual dos juízos determinantes, se contrapõe a dimensão formal do juízo estético reflexionante.

16 Tanto a formalidade atribuída ao juízo, quanto a forma atribuída ao objeto são resultado de um esboço de definições “negativas” de juízo formal e forma que, para Kant, se tornariam tangíveis simplesmente através da sua contraposição a elementos que seriam seus “contrários”: sensação e conceito. Como veremos abaixo, o conceito de forma bela passa a ser mais tateável e “positivo” à medida em que o articulamos com o conceito da finalidade da natureza próprio à faculade do juízo.

1.3. Forma como concordância entre sujeito e representação

17 Apesar da falta de especificidade do conceito de forma bela, é notável sua estreita relação com o conceito de finalidade subjetiva. Afinal, o que a apreensão da forma de um objeto da intuição expressa é a de adequação do mesmo às faculdades de conhecimento, atestada por um sentimento de prazer (KdU V, 189 - 90, p. 90). Entendida como uma manifestação da finalidade subjetiva, a forma bela pode ser parcialmente definida como uma condição de concordância entre representação e sujeito.

18 Tal concordância é ressaltada, por exemplo, na Introdução publicada, quando Kant distingue a finalidade dos juízos determinantes daquela dos juízos estéticos. Enquanto a representação da finalidade objetiva envolve a “concordância da forma do objeto com a possibilidade da coisa mesma segundo um conceito prévio do mesmo que contém o fundamento dessa forma”, a representação da finalidade subjetiva envolve a “concordância da forma desse objeto na sua apreensão (apprehensio), anterior a qualquer conceito, com as faculdades de conhecimento, de modo a unir a intuição a conceitos para um conhecimento em geral; [...]” (KdU V, 192, p. 93, grifo do autor). Nos juízos de gosto, a despeito da ausência de fim conceitual, ainda assim há a ocorrência de uma conformidade na medida em que “[...] a imaginação (como faculdade das intuições a priori) entra em um acordo não intencional com o entendimento (como faculdade dos conceitos) [...]” (KdU V, 190, p. 91).

19 Sabemos que, em sua atividade reflexionante, há uma exigência do juízo de conformidade da forma ou com um conceito correspondente e anterior a ela ou com uma condição sujetiva que, embora não ocasione a formação de conceitos, é a condição necessária para o estado no qual intuição e conceitos estão aptos a se unificarem para o conhecimento. Com essa concepção, no entanto, continuamos sem uma definição precisa e autossuficiente de forma bela; ela não nos remete à intuição empírica do objeto, mas sim àquilo que esta representação incita em nós. Na subseção abaixo, abordaremos a perspectiva que considera a forma como aspecto referente a um estado subjetivo de reflexão.

1.4. A forma da reflexão

20 Apesar de Kant se referir à forma, primordialmente, como algo pertencente ao objeto, por exemplo quando menciona a “forma de um objeto dado na intuição empírica” (EE, 220, p. 36, grifos meus) ou à “finalidade da forma do fenômeno” (EE, 249, p. 64, grifos meus), há passagens na primeira Introdução em que ele faz uso desse termo atribuindo-o a relação estabelecida entre entendimento e imaginação na reflexão:

[...] a imaginação e o entendimento, na medida em que, na representação dada, a faculdade de apreensão de uma e a faculdade de exposição da outra se favorecem reciprocamente, constituindo uma relação que, em tal caso, produz, através dessa mera forma, uma sensação que é o fundamento de determinação de um juízo; o qual, portanto, denomina-se estético e está ligado, como finalidade subjetiva (sem conceito) ao sentimento de prazer e desprazer (EE, 224, pp. 30 - 40, grifo meu).

21 Também em outra passagem na seção XII, Kant reitera que o sentimento de prazer deve ser considerado “[...] como inerente apenas à reflexão e sua forma (a ação própria da faculdade de julgar), [...]”. (EE, 249, p. 63). Ao referir a forma à relação harmoniosa entre imaginação e entendimento, Kant a situa dentro dos limites de um estado puramente subjetivo e não considerando a relação direta ao objeto. Mas também é possível cogitarmos que, nessas passagens, o uso do termo “forma” tenha sido empregado com uma significação distinta daquele empregado em referência ao objeto do juízo de gosto.

  • 9 O argumento de Ginsborg parte de sua interpretação do juízo reflexivo enquanto capacidade de se (...)

22 Segundo a interpretação de Hanna Gisnborg (1990, pp. 74 - 5), o termo “forma” citado acima se refere ao ato de nossa atividade reflexiva de reivindicar validade universal para representações empíricas independentemente de qualquer conteúdo empírico.9 A referência à forma aqui serve para ressaltar o caráter não conceitual da validade universal da reflexão estética. O ato reflexivo do juízo envolve sempre o empenho de elevar representações empíricas particulares a um conceito em geral, de modo a torná-las universalmente válidas; mas enquanto a reflexão lógica implica a efetiva determinação das representações empíricas por um conceito, a reflexão estética prescinde do conteúdo empírico das representações e da determinação por um conceito particular.

23 Essa interpretação de forma da reflexão nos remete, mais uma vez, a uma concepção pautada por seu aspecto negativo, ou seja, por aquilo que nela implica a ausência de conceitos e conteúdo empírico. Diante dessa definição, temos que lidar com o possível contrassenso de se pensar em forma isoladamente, como um elemento destituído de seu conteúdo empírico ou matéria correspondente. Afinal, forma e conteúdo são duas noções mutuamente complementares, i.e., a forma é configurada pela disposição de seu conteúdo. A meu ver, há duas possíveis soluções para essa aparente incoerência. A primeira é pensarmos na forma aqui mais uma das abstrações analíticas de Kant (tal como os conceitos puros do entendimento e da razão da CRP, por exemplo), próprias ao seu empreendimento crítico; ou seja, não é que a forma deva ser concebida como algo à parte, separável de seu conteúdo, mas sim como um conceito que conseguimos distinguir e isolar somente mediante a análise crítica da razão. Um outro possível caminho é o já sugerido acima por Ginsborg: entender a forma da reflexão, essencialmente como ato de espontaneidade subjetiva. Através desta última interpretação conseguimos precisar, pelo menos nos limites do contexto das Introduções, uma definição parcial de forma na CFJ: ela é entendida como a ação intrínseca ao juízo de elevar particulares a representações universalmente válidas, sem que conteúdos empíricos fundamentem essa ação.

24 A ambiguidade da referência da forma ora ao objeto, ora ao sujeito, se mantém ao longo da Analítica do belo que será analisada em seguida.

2. Forma na Analítica do belo

2.1. Os quatro momentos do juízo de gosto

25 A Analítica do belo consiste na análise do juízo de gosto, submetendo-o a uma classificação análoga àquela das quatro formas lógicas do juízo da Analítica transcendental da CRP – qualidade, quantidade, relação e modalidade. As funções lógicas são as formas possíveis do juízo em sua ação determinante, as quais Kant utilizou como fio condutor para especificar os títulos usados na construção da tábua das categorias. Na Analítica do belo, cada um dos quatro momentos nos revela quais são as características peculiares ao juízo de gosto, que o tornam distinto tanto dos juízos determinantes teóricos e práticos, como dos juízos estéticos dos sentidos. No terceiro momento, ao dar enfoque à noção de fim e finalidade subjetiva no juízo, Kant passa a se referir à forma de maneira mais concreta, esboçando uma definição, dando exemplos e referindo-a, pela primeira vez, ao objeto.

26 Antes de abordar a noção de forma do terceiro momento, apresento, abaixo, uma breve descrição de cada um dos outros momentos.

27 O primeiro momento da Analítica do belo é o da qualidade, o qual Kant associa ao sentimento de prazer, que no caso do juízo de gosto não pode ser fundado empiricamente. Mais uma vez, é adotada uma via negativa como método explicativo, já que o prazer puramente estético é caracterizado através de seu contraponto aos prazeres vinculados à faculdade de desejar. Estes últimos implicam um interesse inevitável associado ou ao prazer do agrado de uma sensação ou ao prazer com o cumprimento de prescrições da razão: diante de algo agradável, que contenta, criamos, inevitavelmente, o desejo pela existência do objeto, e o prazer advindo deste recebe o nome distinto de inclinação; já no caso de o prazer ser associado à razão, em sua dimensão prática, que também é acompanhada pelo desejo pela existência efetiva do objeto, diz-se de tal objeto que ele é estimado ou aprovado, e a complacência neste caso é chamada de respeito (KdU V, 209 - 10, pp. 105 - 6). Ao contrário do bom, o belo não é um objeto da vontade e apraz imediatamente pela forma, cujo objeto não contenta nem é estimado, mas apraz. Este prazer, livre dos interesses coercitivos da vontade e independente da existência do objeto, é chamado de favor, e é o único que diz respeito a um estado anímico respaldado por um princípio racional transcendental (KdU V, 210, p. 106).

  • 10 Mesmo que a ação moral seja o exercício da liberdade no nível prático, ao nos constranger a agir (...)

28 O favor é a única forma de prazer livre, pois tanto algo que satisfaz os apetites de uma inclinação, quanto o que nos é imposto ao desejo por uma lei da razão, restringe nossa liberdade de apreciar um objeto contemplativamente, em função de sua forma.10 É por ser baseado na mera forma de um objeto, descartando qualquer fundamento sensorial ou conceitual, que o prazer com o belo é o único que pode preservar um desinteresse por seu objeto, já que não supõe nem gera preocupação com a sua existência. O prazer livre e desinteressado é possível somente na apreensão da mera forma do objeto, que diz respeito àquilo “que faço com tal representação em mim mesmo” e não ao “modo como dependo da existência do objeto” (KdU V, 205, p. 101).

29 O segundo momento da Analítica do belo é o da quantidade, no qual o objetivo é mostrar como estamos autorizados a pensar em uma universalidade legítima que, sendo apenas estética, não passa pelo crivo das categorias do entendimento nem dos princípios da moralidade.

  • 11 Essas foram as tarefas críticas empreendidas pela Crítica da razão pura e pela Crítica da razão (...)

30 Ao passar a ser um integrante legítimo do projeto transcendental, é mister que o juízo de gosto tenha seu fundamento de determinação a priori investigado pela crítica da razão, assim como ocorreu com os juízos sintéticos a priori cognitivos e morais.11 Só assim, o gosto poderá reivindicar sua universalidade. No entanto, ela se diferencia fundamentalmente daquela atribuída aos juízos citados acima, pois ao invés de incidir sobre o objeto considerado belo ela estende-se a todos os sujeitos que julgam, configurando uma quantidade subjetiva e estética, em oposição à objetiva e lógica dos juízos de conhecimento. Em outras palavras: a novidade deste tipo peculiar de universalidade é que ela conecta o predicado da beleza à esfera inteira dos que julgam e não ao conceito do objeto (KdU V, 213 - 5, pp. 109 - 11).

31 O fundamento desse prazer, que justifica sua reivindicação por assentimento universal, é um estado mental presente em todo ser racional, anterior e necessário a qualquer conhecimento. Ele é caracterizado por um jogo livre entre as faculdades cognitivas que vigora quando estas, diante uma representação dada, se relacionam ao conhecimento em geral (KdU V, 217, p. 113).

32 Um fundamento dessa espécie é capaz de atribuir universalidade ao seu juízo por ser uma capacidade pura a priori, mesmo que sua manifestação se dê simplesmente pela ocorrência de um sentimento de prazer. A alegação de Kant é a de que se o conhecimento pode ser comunicável universalmente, também deve sê-lo aquela relação entre as faculdades de conhecimento que ocorre em ocasião da representação pela qual um objeto nos é dado. Essa relação, ou proporção entre imaginação e entendimento, é um estado favorável à cognição de possíveis objetos de conhecimento e é a condição mínima para que qualquer cognição seja efetivada.

  • 12 Sob uma perspectiva lógica do objeto, um juízo de gosto será sempre singular (se fosse pensado p (...)
  • 13 Apesar disso, é importante frisar que no juízo de gosto nada é postulado a não ser a possibilida (...)

33 É justamente em função da validade universal garantida por esse fundamento que podemos falar do belo como se fosse um predicado lógico12, uma vez que o sujeito não julga simplesmente por si, mas por qualquer um, e, neste caso, pode falar da beleza como se ela fosse uma propriedade das coisas (KdU V, 211 - 2, pp. 107 - 8).13

34 No quarto momento, o da modalidade, vemos que a necessidade do juízo de gosto – ao contrário da necessidade objetiva dos juízos determinantes – só pode ser subjetiva e condicional, já que não se pode saber a priori se uma representação é ou não bela. O prazer do juízo de gosto puro, apesar de exigir um ato de experiência a posteriori, está alicerçado em uma condição a priori necessária para que o conhecimento de um objeto seja possível. Tendo sua origem na harmonia entre imaginação e entendimento, o prazer com o belo é um sentimento que alguém tem em virtude de possuir as faculdades necessárias à cognição, e não em virtude de uma resposta fisiológica contingente ou de interesses particulares de um indivíduo.

35 Mas essa necessidade é apenas exemplar e condicionada e não se identifica com uma necessidade teórica ou prática: não pode ser teórica, pois não pode ser conhecido a priori que todos terão um sentimento de complacência diante de um objeto belo; não é prática pois não há conceito algum atuando como regra para uma ação determinada por uma lei objetiva.

36 Um juízo de gosto pode apenas fornecer um exemplo de uma regra cuja expressão em conceitos é impossível. Como não há garantia de que a subsunção do juízo será feita conforme o fundamento que é universal, a concordância de todos os sujeitos que compartilham das mesmas faculdades e dos mesmos princípios é sempre condicionada (KdU V, 236 - 8, pp. 132 - 4).

37

2.2. Finalidade e forma – terceiro momento

38 O aspecto do juízo colocado em foco no terceiro momento é o da “relação” que, no caso do juízo de gosto, é especificada como a relação dos fins própria a este juízo. Essa relação é expressa pelo controverso conceito de finalidade sem fim, exclusivo ao objeto do da reflexão estética. Visto que é neste momento que são desenvolvidas novas perspectivas sobre a forma enquanto referente do belo, temos uma evidência a favor da hipótese de que o conceito de forma bela não pode ser entendido fora do contexto da relação finalística específica que só se verifica no juízo em sua ação reflexionante.

  • 14 Deve-se aqui atentar aqui para o fato de que o princípio da finalidade da natureza e o conceito (...)

39 Nas Introduções Kant apresenta o princípio da finalidade da natureza sob o viés de sua função sistemática e o desenvolve segundo suas implicações mais gerais. Já na Analítica do belo, mais notadamente no terceiro momento, vemos como um dos desdobramentos deste princípio se manifesta na dimensão estética do juízo reflexionante. 14

  • 15 Fins objetivos estão sempre envolvidos nas representações de perfeição do objeto e no conceito d (...)

40 Para explicar a finalidade sem fim, Kant primeiramente nos apresenta suas concepções de fim (objetivo e subjetivo), para depois compará-la a uma conformidade a fins com fim. Um fim objetivo15 é manifesto em um objeto, considerado como um efeito, quando a existência deste é determinada causalmente por um conceito precedente a ele, que é uma representação do que ele deve ser. Já um fim subjetivo se refere à satisfação de um interesse determinado por uma vontade, quer seja ela orientada por uma inclinação, ou pelo conceito de bom (KdU V, 219 - 221, pp. 116 - 7).

  • 16 É importante salientar a especificidade desta causalidade interna. Aqui, o sentimento de prazer (...)

41 No caso do juízo de gosto, nenhuma representação de fim precede o sentimento de prazer, que consiste na própria vivificação das faculdades de conhecimento. Essa vivificação atende a uma causalidade interna16 com vistas ao conhecimento em geral, qual seja, a de manter, sem objetivo ulterior, o estado da própria representação e o jogo livre das faculdades de conhecimento. Apesar de não haver um fim, permanece uma conformidade a fins remanescente de uma abstração sensorial e conceitual representada pela mera forma. Essa conformidade, por sua vez, é uma característica subjetiva que concerne ao modo necessário pelo qual concebemos e relacionamos as representações.

42 A finalidade sem fim é concebida como aquela de uma representação, estado da mente ou ação quando a possibilidade destes somente pode ser explicada por nós quando estipulamos como seu fundamento uma vontade que os tivesse ordenado segundo a representação de uma certa regra. Neste caso, não há um fim nesta relação porque não admitimos, de fato, a interferência de tal vontade como causa, mas a representação ainda assim é considerada final por sua concepção só ser possível se submetida a essa analogia com uma relação, de fato, causal (KdU V, 220, pp. 116 - 7).

43 A forma referida, agora, não ao objeto da intuição empírica, mas sim à finalidade nos revela uma noção de forma que se confunde com o próprio conceito de finalidade subjetiva e que está intrinsicamente vinculado a ele:

Assim, é somente a finalidade subjetiva na representação de um objeto, sem qualquer fim (seja objetivou ou subjetivo), portanto a mera forma da finalidade na representação pela qual um objeto nos é dado, que, na medida em que dela temos consciência, constitui a satisfação que, sem conceito, julgamos universalmente comunicável, ou seja, o fundamento de determinação do juízo de gosto (KdU V, 221, p. 117, grifos do autor).

  • 17 Cf. Guyer, 1997, pp. 186 e 188. A referência específica de Guyer é ao criticismo britânico encab (...)

44 Mas ao passar a usar a “forma da finalidade” para se referir àquilo que ele antes denominava “finalidade subjetiva”, Kant estaria tentando estabelecer constrições diretas ao objeto de gosto e seguindo o padrão das escolas da filosofia da arte de seu século.17

45 Para tanto, foi necessária a delimitação de um critério que não se limitasse somente à nossa resposta subjetiva a objetos, mas que fosse diretamente aplicável aos objetos de gosto, eles mesmos. No entanto, essa mudança de termos, por si só, de maneira alguma consegue justificar o redirecionamento de foco do sujeito para o objeto. Como salienta Guyer (1997, pp. 188 e 191) o conceito de finalidade, gramaticalmente, conota uma propriedade dos objetos e não das nossas respostas. De fato, ele atribui aos objetos somente a disposição para produzir uma certa resposta em nós, não colocando nenhuma restrição nas propriedades através das quais tais objetos poderiam exercer esta disposição. Todas as considerações sobre a forma bela, do primeiro momento até o parágrafo § 12, aplicam limitações somente ao que podemos considerar ao fazer um juízo de gosto, e não aos objetos de gosto em si mesmos.

2.3. Da forma da finalidade para a finalidade da forma

46 Como a apreensão da forma se dá de maneira que a representação se liga somente ao sujeito, não é possível indicar propriedades objetivas de algo belo. Apesar disso, o prazer no juízo de gosto é dependente de uma representação empírica e não se funda em um processo meramente subjetivo.

  • 18 De §§§ 10 a 12, Kant usa a expressão “forma da finalidade” ao se referir ao fundamento do juízo (...)
  • 19 Para mais sobre essa questão, ver Guyer (1993, pp. 197 - 200) e Allison (2003, pp. 131 - 3 e 137 (...)

47 Diante dessa ambiguidade da referência subjetiva/objetiva do belo, a situação se complica ainda mais quando vemos Kant transitar entre os termos “forma da finalidade” e “finalidade da forma18 ao longo do terceiro momento, sem nos prestar qualquer esclarecimento sobre essa importante inversão de termos. Não é certo se devemos ou não interpretar tais expressões como sinônimas, mas elas claramente evocam significados bem diferentes.19 A “forma da finalidade” do objeto dá margem a uma interpretação de forma centrada na sua relação com o sujeito para o qual ela é final. A forma da finalidade é aqui entendida como uma outra maneira de se entender a finalidade em sua atuação meramente subjetiva, ou seja, sem a intervenção de um fim “material” conceitual. Já a referência à uma finalidade da forma do objeto, nos remete a um certo arranjo ou estrutura formal que leva a perguntas sobre a constituição inerente ao objeto fora de nós.

  • 20 Ver, por exemplo, Allison (2001, p. 131) e Guyer (1997, pp. 185 - 6).

48 Nas Introduções, apesar de Kant também mencionar o termo “finalidade da forma no fenômeno” (EE, 249, p. 64), a exposição geral exprime uma concepção de forma bela em consonância com o que podemos entender por forma da finalidade do objeto. Mas no terceiro momento, temos a concomitância das duas concepções e, a partir do parágrafo § 13, nosso olhar é direcionado para as possíveis constrições objetivas que impedem que um objeto seja considerado belo. É por isso que o terceiro momento é considerado o foco da origem da interpretação de um formalismo estético20 kantiano.

49 O parágrafo § 14, com o título sugestivo de “Elucidação através de exemplos”, nos apresenta referências a produtos específicos da natureza e da arte, que são a constatação da “objetividade” da forma e do belo, e também o mais próximo do que seria propriamente uma definição de forma bela:

Qualquer forma dos objetos dos sentidos (tanto dos externos como, mediatamente, também dos internos) é ou figura ou jogo; e neste último caso, é ou jogo de figuras (no espaço, a mímica e a dança), ou mero jogo de sensações (no tempo). O atrativo das cores, ou dos sons agradáveis do instrumento, pode aparecer também, o que constitui o objeto próprio do juízo-de-gosto puro é o desenho no primeiro caso, e a composição no segundo (KdU V, 225, pp. 121 - 2, grifos do autor).

50 O problema central do terceiro momento é que a descrição de forma bela como figura ou jogo de sensações não tem respaldo na concepção de forma construída até aqui, tendo em vista a perspectiva do princípio da finalidade sem fim; não é óbvio que, para ser conforme a fins uma representação dada tenha que ser apreendida de maneira a abstrair tudo que nela seja sensação. A transição do uso do termo “forma da finalidade” para o termo “finalidade da forma” cria um impasse na delimitação do conceito de forma bela com importantes repercussões. Afinal, será que tais termos podem ser pensados como equivalentes? Ou atribuir a forma ora à finalidade, ora ao objeto representam duas definições distintas sob um mesmo nome? E nesse caso, qual destas representações se refere à forma bela? Essas são as questões centrais para as quais o terceiro momento não nos fornece respostas evidentes. Neste trabalho não pretendo propriamente apresentar respostas a essas questões, mas apontar qual a concepção de forma bela que melhor condiz com o panorama geral da doutrina do gosto.

3. O debate sobre o formalismo restritivo

51 Obviamente não pode ser dada nenhuma regra determinante que especifique objetivamente o que é belo, já que nesse caso estaríamos à mercê de conceitos. Então, como atender a essa exigência e, ao mesmo tempo, se ater ao fundamento central de sua teoria, segundo a qual a beleza não se funda em propriedades determinantes do objeto? Como estipular critérios objetivos não determinantes que definiriam a beleza?

  • 21 A leitura de Guyer (1993, pp. 201, 205 e 208) se baseia na suposição de que, tendo classificado (...)

52 Para Guyer (1993, p. 187), em um esforço em resolver essas questões, Kant teria passado a depurar e especificar o conceito de forma da finalidade, de maneira a relacioná-lo ao objeto e, consequentemente, acaba identificando-o ao conceito de forma perceptual, evocado quando a forma da finalidade passa a ser referida por finalidade da forma. Nos parágrafos §§ 13 e 14, ao conectar a noção de forma da finalidade à distinção entre forma e matéria fenomênica, Kant acaba estabelecendo a forma perceptual21 como o objeto do juízo de gosto.

53 Allison (2003, p. 135) e Guyer (1993, p. 199, 201) concordam que, ao contrário da noção de forma da finalidade, a forma entendida como forma do objeto se funda na aplicação da teoria da percepção da Crítica da razão pura na teoria do gosto da terceira Crítica. A forma da finalidade dá espaço à finalidade da forma ao se atribuir aos objetos de gosto características puramente formais de espaço e tempo. Sob essa perspectiva, afirmar que o juízo de gosto deve depender somente da sua relação com elementos meramente formais da representação de um objeto significa que devemos excluir de seu fundamento aspectos estritamente sensoriais e fisiológicos da percepção, como cores ou tons, que contribuiriam somente para o charme e o agradável.

54 Essa restrição sensorial juntamente com veto aos conceitos, nos deixa como possível fundamento do belo somente características puramente formais de organização espaço-temporal como o desenho, o contorno, a figura, o jogo e a composição. Mas ela não se sustenta, já que a explicação do prazer como devido à harmonia das faculdades, por si só, não implica uma restrição nos conteúdos possíveis de um múltiplo da imaginação, nem determina quais dessas características poderiam permitir a esse múltiplo ser apreendido em um jogo unificado, mas livre, das faculdades cognitivas superiores.

  • 22 Tal discordância foi apontada por Allison. Cf. Allison, 2003, p. 136.

55 Allison concorda com a leitura de Guyer de que a identificação do conceito de forma bela com o de uma organização espaço-temporal própria à forma perceptual da primeira Crítica culmina em uma teoria formalista um tanto restritiva (Allison, 2003, p.135). No entanto, há uma importante discordância22 entre ambos quanto ao peso do fundamento da forma no juízo sobre o belo. Para Guyer, a condição fundamental na teoria do gosto é o conceito da harmonia entre as faculdades que, para ele, poderia ser independente da influência de uma forma oriunda do objeto belo. Esta interpretação prevê um papel secundário para a influência de uma forma atuando como fundamento necessário para o prazer no belo. Nessa esteira, o conceito de forma poderia ser extraído da CFJ sem grandes prejuízos à teoria do gosto (Guyer, 1993, pp. 208 - 10 e 1977, p. 48).

  • 23 Allison enfatiza que o estado reflexionante da harmonia das faculdades requer, necessariamente, (...)

56 Já Allison rejeita a hipótese da possibilidade da supressão da noção de forma na teoria do gosto sugerida por Guyer, pois ela teria uma conexão23 fundamental com o caráter reflexionante do juízo de gosto. Ele cogita a possiblidade, para a qual talvez o próprio Kant não tenha se atentado, de se estabelecer um conceito não restritivo de forma não derivado da teoria da Estética transcendental da CRP. A forma bela poderia incluir elementos provenientes de uma organização espaço-temporal sem, no entanto, se limitar a ela. Nesse sentido, poderíamos identificar como forma bela qualquer unidade constituída pela imaginação, a partir da apreensão de uma diversidade dada. Essa concepção mais abrangente de forma inclui entre uma de suas possibilidades que, de combinações de cores e sons, por exemplo, a imaginação possa extrair o arranjo formal requerido para simular a exibição de um conceito. A forma seria definida, então, como qualquer ordenamento ou arranjo das características de um objeto, na medida em que ele fosse apreendido pela imaginação; já um objeto belo seria aquele capaz de fornecer o material sensível para tal arranjo (Allison, 2003, pp. 136 - 137).

57 Ao contrário de Guyer, Allison consegue enxergar um sentido coerente para interpretar a “forma da finalidade” e a “finalidade da forma” como dois conceitos correlacionados, mas distintos. Um mesmo objeto somente exibiria a forma da finalidade, entendida como adequação ou conformidade ocasionadora pela livre harmonia das faculdades, na medida em que possuísse uma forma final, ou seja, um arranjo da matéria sensível propício à reflexão. Na expressão “forma da finalidade”, forma tem o sentido de “mera” forma, ou seja, de uma aparência de finalidade que se apresenta como se fosse final, representando o que acontece quando a finalidade não está conectada a um fim determinado. Já a expressão “finalidade da forma” se refere à natureza final da forma de um objeto e parece ser um caso genuíno de finalidade, embora uma que de algum modo, pertence meramente à forma do objeto, em oposição à sua “matéria”, ou seja, seu conteúdo sensível (Allison, pp. 132, 138).

58 Essa última interpretação consegue conciliar a existência de duas noções de forma na Analítica do belo, que não se contradizem e tampouco são o resultado de uma confusão da parte de Kant. Atribuir finalidade formal a um objeto é alegar que este objeto é apropriado para produzir um certo estado subjetivo, mas não alegar que ele ocasiona esse estado em virtude de uma propriedade específica. Assim, fica claro que o conceito de “finalidade formal” ou “mera forma da finalidade” não é idêntico à nenhuma noção em particular de forma estética e não implica uma restrição do gosto aos tipos de propriedade que Kant apresenta ao nos dar exemplos de produtos que exibiriam uma forma estética.

Considerações finais

59 Nas análises das Introduções, pudemos destacar três maneiras diferentes pelas quais Kant menciona a forma: como forma do objeto, sendo seu sentido limitado à ausência de sensação e conceito; forma como expressão da finalidade meramente subjetiva percebida em objetos dados em uma intuição, na medida em que eles expressam uma complacência para com nossa faculdade de conhecer; forma da reflexão, como uma outra maneira de se reportar à proporção entre imaginação e entendimento, mais propícia à união entre entendimento e intuições ou como ação de elevar representações particulares a conceitos em geral, sem a interferência de conteúdos empíricos ou efetiva determinação conceitual.

60 Com a análise da Analítica do belo, fica claro que todas as peculiaridades exclusivas ao juízo de gosto repousam sobre seu fundamento formal. Universalidade e necessidade subjetivas são características que se relacionam diretamente com o fato de o juízo de gosto partir da apreensão da mera forma da representação de um objeto belo. Por não ter nenhum fundamento de determinação baseado em sensação ou conceito, ou seja, por ter como fundamento somente um elemento formal, desvinculado da faculdade de desejo, é que se pode conceber um juízo desinteressado. Na ausência de um princípio objetivo determinado, uma universalidade subjetiva e uma necessidade condicionada só podem ser possíveis se houver um fundamento formal incondicionado na base dos juízos, e não apenas a sensação, já que esta não pode fundar nenhuma necessidade ou universalidade dos mesmos.

61 Após diálogo com a discussão sobre a possibilidade de um formalismo, chegou-se à conclusão de que por mais que o texto de Kant, por vezes, nos remeta a um conceito de forma bela derivado do conceito de forma perceptual da CRP, esta interpretação não é coerente com a concepção geral que podemos abstrair da CFJ. Me coaduno com a visão de Allison de que o conceito de forma tem uma importância mais relevante para a teoria do gosto do que Guyer conseguiu enxergar, e que ele se diferencia dos conceitos de forma fenomênica e forma da finalidade, assim como do conceito de forma da reflexão.

62 Apesar de o conceito de forma bela da representação estar intimamente relacionado ao de forma da finalidade, admitir uma identificação entre eles acarreta aceitar um distanciamento entre a harmonia das faculdades cognitivas e a representação pela qual o objeto é dado. A forma da finalidade diz muito mais a respeito do contexto subjetivo da beleza, i.e., a harmonia entre as faculdades cognitivas do que da representação do objeto. Afinal, para que a forma da finalidade seja associada a uma representação, basta que ela ocasione a harmonia subjetiva na ausência de conceitos.

63 Para Kant, atribuir a forma da finalidade à representação de um objeto belo equivale a atribuir-lhe uma finalidade meramente subjetiva ou formal, que prescinde de conceitos. O conceito de finalidade formal torna evidente que jamais se pode pretender fundamentar a beleza de uma representação num conceito objetivo.

64Mas se nos contentarmos com uma possível definição de forma bela, extraída da CFJ, que a reduz à forma da finalidade subjetiva estamos aceitando fundamentar a beleza de uma representação no simples (e isolado) fato de esta não ser determinada por conceitos.

65 Se não associamos à forma da finalidade a forma da representação, deixamos de lado o fato de que somente um múltiplo organizado em um arranjo ou ligação entre sensações pode catalisar a reflexão estética responsável pelo prazer com a harmonia das faculdades. Isso porque, conforme bem explica Allison (2003, p.136) a reflexão pressupõe que o produto da apreensão da imaginação tenha se mostrado adequado para a exibição de um conceito indeterminado. Somente um arranjo de sensações (que é sempre mais do que somente uma configuração espaço-temporal), e não uma sensação isolada é capaz de instigar o ato de reflexão.

66 Reconhecer a distinção entre forma bela e forma da finalidade nos permite apontar para aspectos da representação bela que vão além de sua relação com um fim. Esse é o sentido ressaltado por Gasché (2003, p. 66), ao explicitar sua interpretação não formalista de forma bela: o que constitui a beleza é uma certa riqueza da forma, sua indeterminabilidade e potência de possibilidades. Segundo essa perspectiva, a forma não é vista como oposta ou contrária ao conteúdo, mas sim como uma exuberância de indeterminação, anterior a qualquer significado objetivo fixo e suas características formais restritas.

67 O melhor modo de defini-la ainda parece ser através da análise do modo como ela é produzida, das faculdades envolvidas nesse processo e dos estados associados a ela. Mas, curiosamente, essa dificuldade de definição acaba sendo aquilo que talvez revele mais sobre ela, pois é inerente à sua essência singular, que não pode ser expressa na generalidade de um conceito.

Referências

68ALLISON, H. E. Kant’s Theory of Taste: A Reading of the Critique of Aesthetic Judgment. Cambridge: Cambridge University Press, 2001.

69CECCHINATO, G. “Form and Colour in Kant’s and Fichte’s Theory of Beauty”. In: BREAZEALE, D. and Tom ROCKMORE, T. (orgs.). Fichte, German Idealism, and Early Romanticism. Amsterdam, New York, NY: Rodopi, 2010, pp. 65 - 81.

70FIGUEIREDO, V. “Kant e a mímese”. Studia Kantiana, São Paulo, 3(1): 195 - 230, 2001.

71­FIGUEIREDO, V. Os três espectros de Kant”. O que nos faz pensar, Rio de Janeiro, nº 18, set. 2004.

72FREITAS, V. “A subjetividade Estética em Kant: da apreciação da beleza ao gênio artístico”. Veritas (Porto Alegre), Porto Alegre, v. 48, n.2, pp. 253 - 276, 2003.

73GASCHÉ, R. The idea of form. Rethinking Kant’s aesthetics. Stanford: Stanford University Press, 2003.

74GINSBORG, H. “Reflective Judgment and Taste” Noûs, v. 24, n. 1, (Mar., 1990), pp. 63 - 78. Disponível em: http://www.jstor.org/​stable/​2215613. Acesso em: 27 Ago 2013.

75GONÇALVES, R. G. C. Kant, Greenberg e a questão do formalismo na Arte. Salvador: EDUFBA, 2016.

76GUYER, P. “Formalism and the theory of expression. In Kant’s aesthetics”. In: Kant -Studien, 68. Jahrgang, Berlin: Walter de Gruyeter & Co., (1977), pp. 46-70.

77KANT, I. Crítica da faculdade de julgar. Trad. Fernando Costa Matos. Petrópolis: Vozes; 2016.

78KANT, I. Crítica da razão pura. Trad. Fernando Costa Matos. Petrópolis: Vozes; 2015.

79pure reason”. London: Macmillan, 1923.

80LEBRUN, G. Kant e o fim da metafísica. Trad. Carlos Alberto Ribeiro de Moura. São Paulo: Martins Fontes, 1993.

81MARQUES, António, “O valor crítico do conceito de reflexão em Kant” – Studia kantiana, vol. 4, número I, novembro de 2002.

82REGO, C. R. “Reflexão e fundamento: sobre a relação entre gosto e conhecimento na estética de Kant”. Kriterion, Belo Horizonte, n 112, pp. 214 - 228, 2005.

83ZAMMITO, J. H. The Genesis of Kant’s Critique of Judgment. Chicago/London: The University of Chicago Press, 1992.

Inicio de página

Notas

1 As análises de Henry Allison (2001), Rodolphe Gasché (2003), Hanna Ginsborg (1990) e Paul Guyer (1977 e 1997) são exemplos de diferentes interpretações às quais faremos referência neste trabalho.

2 Na Estética transcendental da Crítica da razão pura, Kant apresenta o conceito de forma dos fenômenos como “aquilo que faz com que o diverso do fenômeno possa ser ordenado em certas relações”. (KrV, B 34, p. 71). A definição de forma aqui é essencial para apresentar a doutrina da idealidade transcendental do tempo e do espaço, que são descritos como as formas puras da sensibilidade ou condições subjetivas a priori sob as quais, somente, as coisas podem se apresentar como objetos externos para nós (Ibid., B 66, p. 91). Já na Analítica transcendental, temos a definição da forma da experiência como “unidade sintética dos fenômenos segundo conceitos” (Ibid., A 110, p. 159). A forma aqui diz respeito às condições de conhecimento por conceitos fundadas na aplicação dos elementos formais puros a priori do entendimento, as categorias, aos fenômenos.

3 Também referida neste trabalho como “primeira Crítica” ou pelas iniciais “CRP”.

4 A expressão “forma perceptual” (perceptual form) não é terminologia de Kant na CRP, mas é uma expressão de Paul Guyer (1993) para se referir aos elementos formais da sensibilidade (espaço e tempo) que constituem e tornam possível a constituição dos fenômenos. Optei por seguir Guyer na utilização dessa expressão para evitar possíveis confusões entre conceito de forma exposto na primeira Crítica e o conceito de forma bela, que é o objeto deste estudo. Ao longo do texto, foram usados também os termos “forma do fenômeno” e “forma espaço-temporal” para nos referirmos a essa mesma noção. Reconheço, no entanto, que esses termos podem ter diferentes conotações diante de um escrutínio mais demorado sobre a primeira Crítica, o que não será feito neste trabalho.

5 Allison faz apontamento semelhante em Kant´s theory of taste (2001, p. 120).

6 Como bem aponta Allison, (2001, p. 44) essas funções não são separadas e são partes de um mesmo processo necessário na formação de conceitos empíricos. O juízo que culmina na determinação de um objeto pelo conceito é o resultado de uma etapa de um processo que necessariamente exigiu uma operação reflexionante anterior, responsável pela formação do conceito. Essa função conjunta, que supõe as operações reflexionante e determinante, é o que caracteriza o juízo em sua função lógica, abordada na primeira Crítica. Contudo, nessa primeira obra, à função reflexionante do juízo não foi dada um espaço de análise equiparável ao dado à sua função determinante, e tampouco foi elucidado algo como um fundamento a priori próprio ao juízo, sem menção ao entendimento.

7 Essa autonomia, no entanto, é de espécie particular, tendo sido por isso, cunhado por Kant um termo próprio para se referir a ela: heautonomia, que consiste na capacidade da faculdade de julgar de legislar a si mesma. Ela se distingue da autonomia objetiva do entendimento, relativa às leis teóricas da natureza, e da autonomia da razão, relativa às leis práticas da liberdade, não sendo exercida, como as últimas, por meio de conceitos ou ações, mas apenas subjetivamente (EE, 225, pp. 40 - 1).

8 No juízo teleológico a representação da finalidade se dá objetivamente, segundo conceitos, na medida em que concebemos um objeto dado na experiência a partir de um conceito pensado como fim que o precede e possibilita um juízo sobre o mesmo. A finalidade objetiva permite a investigação e classificação da natureza, mas se limita a favorecer a reflexão sobre o objeto, e não determina-o por via deste conceito (EE,, 219 - 20 e 232 - 6, pp. 35 e 46 - 51; KdU V, 192 - 3, p. 93). A segunda parte da CFJ é dedicada à elucidação da faceta lógica da faculdade de julgar, que não é parte do presente estudo. Para o escopo deste trabalho, é suficiente mencionar em que medida os juízos teleológicos e os estéticos têm uma proveniência comum, uma vez que ambos são fundamentados pelo conceito de finalidade da natureza.

9 O argumento de Ginsborg parte de sua interpretação do juízo reflexivo enquanto capacidade de se considerar um estado mental como universalmente válido em relação a certos objetos. Essa é a característica primordial própria aos juízos de experiência (em oposição aos juízos de percepção, apenas subjetivamente válidos) que a autora associa ao ato de reflexão fundamentado a priori. Dependendo do conteúdo sensorial de um estado mental, o juízo subsume um objeto sob um ou outro conceito empírico. Ser capaz de trazer objetos sob conceitos empíricos é, explica a autora, ser capaz de alegar que certas percepções são universalmente válidas. Em um juízo de gosto, há um empenho no mesmo ato de reflexão que é realizado para toda conceitualização empírica, mas de uma maneira completamente indeterminada, o que consequentemente não culmina na subsunção do objeto sob nenhum conceito específico. Ao invés, há reivindicação à universalidade de um estado mental que não tem nenhum conteúdo sensorial independente, sendo, portanto, uma reinvindicação puramente formal (Ginsborg, 1990, pp. 64, 68 - 70 e 74).

10 Mesmo que a ação moral seja o exercício da liberdade no nível prático, ao nos constranger a agir de acordo com sua norma específica, ela suplanta qualquer escolha a respeito do que deva ser feito e, nesse sentido, produz uma necessidade que suplanta a liberdade do juízo.

11 Essas foram as tarefas críticas empreendidas pela Crítica da razão pura e pela Crítica da razão prática, respectivamente.

12 Sob uma perspectiva lógica do objeto, um juízo de gosto será sempre singular (se fosse pensado pela quantidade lógica), já que é emitido sobre um objeto particular, considerado dentro do escopo de sua singularidade. Mas como sua universalidade não repousa sobre conceitos do objeto, ela não é lógica, mas estética e, assim, designa a validade não da referência de uma representação à faculdade de conhecimento, mas ao sentimento de prazer e desprazer para cada sujeito (KdU V, 214 - 5, pp. 110 - 1).

13 Apesar disso, é importante frisar que no juízo de gosto nada é postulado a não ser a possibilidade de um juízo estético que possa ser considerado como válido para qualquer um. O que nos é exigido é que sejamos capazes de distinguir o prazer interessado, ligado ao desejo, daquele prazer desinteressado e, portanto, livre de coerções, que só é ocasionado diante da representação do belo. Por si próprio, o sujeito pode estar certo que teve um juízo de gosto pela discriminação de tudo o que pertence ao agradável e ao bom; mas que alguém que atribuiu beleza a um objeto tenha, de fato, julgado conforme uma voz universal, não podemos saber com a mesma certeza absoluta que teríamos se se tratasse de um juízo lógico de conhecimento (KdU V, 215 - 6, p. 112).

14 Deve-se aqui atentar aqui para o fato de que o princípio da finalidade da natureza e o conceito de finalidade sem fim serem dois conceitos relacionados, mas distintos. O primeiro é o princípio a priori da faculdade de julgar, subjacente tanto à reflexão estética como à teleológica. Já o segundo é o conceito exclusivo ao juízo de gosto, que diz respeito à relação entre as faculdades de conhecimento e o objeto belo. A finalidade sem fim é um dos modos pelos quais a finalidade da natureza é representada em um objeto da experiência, i.e., pelos quais a “técnica da natureza se deixa perceber em seus produtos”. (EE, 219, p. 35, grifo do autor).

15 Fins objetivos estão sempre envolvidos nas representações de perfeição do objeto e no conceito de bom, o que exclui estes últimos do fundamento de determinação do belo (KdU V, 221, p. 117).

16 É importante salientar a especificidade desta causalidade interna. Aqui, o sentimento de prazer não é concebido como efeito de uma representação, pois ele não gera interesse por esta. A consciência da conformidade a fins subjetiva no jogo das faculdades de conhecimento do sujeito, diante de uma representação, não é causa do prazer, mas é o próprio prazer (KdU V, 221 - 2, pp. 117 - 9).

17 Cf. Guyer, 1997, pp. 186 e 188. A referência específica de Guyer é ao criticismo britânico encabeçado por Lorde Kames. Embora as correntes estéticas chamadas por Kant de “empiristas” (Hume, Hutcheson, Burke e Kames, por exemplo) e “racionalistas” (Wolff, Baumgarten e Meir, por exemplo) discordassem fundamentalmente quanto ao estatuto do gosto enquanto disciplina filosófica, representantes de ambas as escolas acabavam estipulando normas e critérios – a posteriori, no caso dos primeiros e a priori, no caso dos últimos – que estabeleciam um referencial para o bom e o mau gosto. Guyer (1997, pp. 2 - 6 e 15) e Allison (2001, p. 1) também destacam a prevalência de uma cultura do gosto marcada por um forte sentido normativo durante os séculos XVII e XVIII.

18 De §§§ 10 a 12, Kant usa a expressão “forma da finalidade” ao se referir ao fundamento do juízo de gosto. Em § 13, ele introduz a expressão “finalidade da forma” ao terceiro momento (KdU V, 220 - 3, pp. 116 - 9).

19 Para mais sobre essa questão, ver Guyer (1993, pp. 197 - 200) e Allison (2003, pp. 131 - 3 e 137).

20 Ver, por exemplo, Allison (2001, p. 131) e Guyer (1997, pp. 185 - 6).

21 A leitura de Guyer (1993, pp. 201, 205 e 208) se baseia na suposição de que, tendo classificado juízos sobre o agradável e o belo como juízos materiais e formais, respectivamente, Kant então teria importado sua teoria perceptual completa da CRP para sua teoria estética e suposto que um juízo material de gosto devesse ser ocasionado pela matéria do fenômeno, enquanto que um juízo formal de gosto devesse ser ocasionado somente pela forma da sensação. A suposição de Kant de que somente “figura” ou “jogo” poderiam fundar uma resposta ao belo seria vinculada ao seu compromisso com a teoria da percepção da CRP e não ao conceito da harmonia das faculdades. A estratégia de conectar juízos estéticos formais à forma e não à matéria do fenômeno através do conceito da harmonia das faculdades não tem, pois, uma justificativa plausível.

22 Tal discordância foi apontada por Allison. Cf. Allison, 2003, p. 136.

23 Allison enfatiza que o estado reflexionante da harmonia das faculdades requer, necessariamente, a ocorrência de um arranjo ou ordenamento do conteúdo sensível, ou seja, um múltiplo organizado de algum tipo, expresso pela forma. O que é decisivo aqui é que a harmonia das faculdades é uma harmonia na mera reflexão, o que significa que o produto da apreensão da imaginação parece adequado para a exibição de um conceito (mas nenhum conceito em particular) (Cf. Allison, 2003, pp. 135 - 6).

Inicio de página

Para citar este artículo

Referencia electrónica

Ana Carolina de Carvalho Belmani, «As multifacetas da forma bela na Crítica da faculdadede julgar»Revista de Estud(i)os sobre Fichte [En línea], 18 | 2019, Publicado el 01 junio 2019, consultado el 19 septiembre 2021. URL: http://journals.openedition.org/ref/1053; DOI: https://doi.org/10.4000/ref.1053

Inicio de página

Autor

Ana Carolina de Carvalho Belmani

Universidade Federal de São Carlos

Inicio de página

Derechos de autor

© EuroPhilosophie

Inicio de página
Buscar en OpenEdition Search

Se le redirigirá a OpenEdition Search