Navegación – Mapa del sitio

InicioNúmeros18Reseñas/RecensõesDiogo Ferrer, A Génese do Signifi...

Reseñas/Recensões

Diogo Ferrer, A Génese do Significado: Introdução ao Pensamento de Hegel

Theofilo Moreira Barreto de Oliveira
Referencia(s):

Ferrer, D., A Génese do Significado: Introdução ao Pensamento de Hegel, Porto: Fundação Engenheiro António de Almeida, 2016, 223 pp., ISBN 9789728012403

Texto completo

1O presente livro de Diogo Ferrer apresenta de forma introdutória e excelente a complexidade que se constituí o pensamento de Hegel. Através de seus nove capítulos, o autor consegue constituir um processo cíclico e dialético separados em três níveis interligados, como uma tríquetra.

2 A medida em que vamos avançando na leitura, os principais temas abordados pelo pensador alemão como: o problema da experiência, do uno e do múltiplo, a fundamentação da sua Ciência da Lógica como via de acesso para o Absoluto, o ser e suas relações com a realidade entre outros, vão se desdobrando de forma natural e de fácil compreensão.

3 Sua exposição, nos revela, um Hegel mais antropológico, concreto e real, completamente distinto da imagem que muitos tem de sua personalidade. Longe de ser um pensador obscuro devido a dificuldade e da complexidade de sua escrita, através da narrativa de Diogo Ferrer, acompanhamos um Hegel em constante processo de maturação e maturidade. Diante de grandes desafios postos pela filosofia kantiana, e da qual busca um suporte estrutural na filosofia de Fichte, Hegel havia posto para si um único desafio: a constituição de um sistema filosófico completo, sem que se tornasse estático e não condizente com a realidade.

4 Assim, na constituição do primeiro radiante da tríquetra expostos nos três primeiros capítulos, Diogo Ferrer traça um panorama introdutório, em que o jovem Hegel se apresenta diante da própria coruja de Minerva, para traçar seu caminho rumo ao Absoluto através de sua Fenomenologia do Espírito. Neste percurso inicial, Hegel necessita vencer seus os desafios na constituição de uma dialética distinta da kantiana, mas que ainda operava através de falhas.

5 No momento em que avança na superação de suas dúvidas e com os resultados de suas descobertas ele não só recorre a própria Razão, enquanto instância observadora e crítica da realidade, mas também reelabora o conceito da própria empiria, sem desautorizar sua estrutura lógico-racional, inseridas em um tempo histórico. Para isso, foi necessário não só que ele mergulhasse diretamente nos métodos científicos de sua época, como também foi necessário que desenvolvesse seu próprio método.

6 Em seguida, nos três capítulos seguintes, Diogo Ferrer demonstra como Hegel aplica os processos do seu sistema. Agora, munido do seu método, Hegel precisa testá-lo para corrigir as eventuais falhas. Tal procedimento dá um impulsionamento maior a completude da sua proposta, em que o significado da realidade, através das suas categorias de forma e conteúdo operacionalizam o grande mecanismo. Afinal, Hegel criou um sistema autogerador movimentado pela sua própria dialética. Dado este método enquanto sua ciência, vemos os demais mecanismos internos explicitados e direcionados de forma integrada para o alcance de sua primordial fundamentação, sendo ela o ser, chegando assim ao seu conceito de Vida.

7 Somente um ser consciente de si pode constituir através de seu processo enquanto abstração e negatividade pura, a realização de sua finitude ao mesmo tempo que constitutiva da realidade. Ou seja, ao encontrar a fundamentação da integridade do seu sistema constituído no próprio ser, ele não só encontra seu primeiro conceito analítico, como também prova por mecanismos dedutivos que a constituição da ideia de vida, na existência, provem do funcionamento da empiria e da lógica juntas.

8 Desta forma, nos encaminhando para o terceiro radiante da tríqueta, em que Diogo Ferrer retoma a problemática inicial do pensamento hegeliano; a questão ontológica e transcendental enquanto materialidade sistêmica. Em outras palavras, Hegel, ao retomar a questão inicial da sua investigação filosófica, busca não só como um resultado real para o sujeito, mas projeta o encaminhamento que o espírito deve ter em suas realizações materiais enquanto ser evolutivo e vivente através da sua Ética, ou o que ele chamará de Eticidade. E para que isto seja aplicado, Hegel propõe, ao longo da História o processo de formação humana através da sua Bildung. Ou seja, nas palavras do próprio Hegel e com a complementação de Diogo Ferrer: é necessário aplicarmos uma “Bildung, como processo de universalização e esclarecimento, a ação crítica imanente ao real e a ação do conhecimento” (…) [como] “a prática com o maior poder transformador e a demonstração de que a liberdade está em efetivação”.

9 Por fim, podemos apreciar uma excelente obra, que conseguiu atingir seu objetivo: tornar Hegel novamente em carne e osso, ou seja, um Hegel concreto, buscando sem medo de errar a principal questão ontológica do ser, a sua origem. Para isso, recorreremos a mais uma ilustración, que define muito bem o trabalho de Diogo Ferrer. Chico Science, cantor e compositor nascido no Recife, estado de Pernambuco, Brasil, diz, “O medo dá origem ao mal”, da qual também pode-se entender: O medo da origem [é o] mal.

Inicio de página

Para citar este artículo

Referencia electrónica

Theofilo Moreira Barreto de Oliveira, «Diogo Ferrer, A Génese do Significado: Introdução ao Pensamento de Hegel»Revista de Estud(i)os sobre Fichte [En línea], 18 | 2019, Publicado el 01 junio 2019, consultado el 19 septiembre 2021. URL: http://journals.openedition.org/ref/1119; DOI: https://doi.org/10.4000/ref.1119

Inicio de página

Autor

Theofilo Moreira Barreto de Oliveira

Vrije Universiteit Brussel

Artículos del mismo autor

Inicio de página

Derechos de autor

© EuroPhilosophie

Inicio de página
Buscar en OpenEdition Search

Se le redirigirá a OpenEdition Search