Navigation – Plan du site

Publicar na revista

Linha editorial

A revista Esclavages & post~esclavages / Slaveries & Post~Slaveries oferece um fórum de reflexão aberta sobre a questão das escravidões no mundo, da Antiguidade até os dias atuais, investigando as especificidades das « situações de escravidão e de pós-escravidão », sem deixar por isso as abordagens comparativas. Resolutamente multidisciplinar, ela baseia-se na complementaridade entre diferentes materiais – texto, imagem, vídeo, som – visando esclarecer de modo diferente a temática de cada número.

A revista publica artigos inéditos em francês, mas também em inglês, em espanhol e em português.

Procedimentos de seleção dos textos

A qualidade dos conteúdos da revista é garantida por um sistema avaliativo de duplo cego por pares (peer review). As contribuições são recebidas ao endereço da editora ciresc.redaction[at]cnrs.fr, e repertoriadas antes de sua transmissão aos responsáveis de rubrica e á editora-chefe.

Depois de uma primeira avaliação interna por um membro da comissão editorial ou da comissão internacional, elas são tornadas anônimas e logo submetidas á avaliação de um parecerista externo escolhido pela comissão, com uma tabela de pertinência científica. Esta tabela descreve uma série de critérios definidos deixados a apreciação do avaliador, a quem pedimos também anotações mais desenvolvidas. O parecerista permanece anônimo para o autor. No caso de pareceres divergentes, avisos complementares podem ser solicitados pela comissão.

Uma proposta de artigo que não corresponde a linha editorial da revista ou que não é considerada conforme ao seu âmbito de aplicação pode ser reprovada pela comissão editorial sem passar pelo processo de avaliação de duplo cego por pares.

Em paralelo, uma avaliação técnica é realizada pela editora para definir a capacidade do texto para integrar o processo editorial da revista, nomeadamente no que diz respeito a conformidade das bibliografias, das imagens (qualidade dos ficheiros e validade dos pedidos de autorização), a qualidade da expressão escrita…

À luz dos pareceres científicos e técnicos, a comissão editorial decide a publicação ou não dos manuscritos :

  • publicação no estado (ou com modificações leves),

  • publicação com reserva de alterações importantes : a decisão de publicação definitiva fica suspendida à remodelação do artigo pelo autor conforme as anotações propostas pelos pareceristas,

  • publicação reprovada: um parecer fundamentado é transmitido ao autor.

Advertências aos autores

Advertências prévias

Para garantir um processo editorial ideal, a editora da revista Esclavages & post~esclavages / Slaveries & Post~Slaveries pede aos autores sejam atentos a necessidade de respeitar pontualmente as recomendações a seguir. Um artigo completo respeitando as normas será tratado com maior eficiência pela editora.

O envio de artigos incompletos ou que não levem em conta estas convenções pode motivar o reenvio ao autor para correção e/ou complemento. As contribuições devem ser submetidas a editora do Centre international de recherches sur les esclavages & post-esclavages (CIRESC ; Centro internacional de pesquisa sobre as escravidões e pós-escravidões) : ciresc.redaction[at]cnrs.fr.

O artigo completo deve conter os seguintes elementos :

  • texto do artigo, tabelas, referências das ilustrações / tabelas, em ficheiros textos separados (.doc, .docx, .odt) com um PDF de controle cada vez ;

  • ilustrações (.tiff, .jpg, .eps, .ai), numeradas por ordem de aparecimento, num dossiê separado.

  • uma versão anonimizada do artigo irá anexada ao envio.

Constituição do texto

Os formatos (espaços, notas e bibliografia incluídas) são os seguintes :

  • artigo (dossiê temático ou varia) : 45 000 caracteres considerados os espaços,

  • nota de leitura : 10 000 caracteres,

  • nota de pesquisa, investigação e análise de arquivos : 10 000 caracteres,

  • rubricas « A pesquisa pela imagem e o som » e « Criações » : 25 000 caracteres.

O texto do artigo será acompanhado por:

  • um resumo em francês, em inglês, em espanhol e em português, de 2 000 caracteres no máximo incluídos os espaços (haverá naturalmente variações de uma língua para outra); 

  • quatro até oito palavras-chave nestas línguas.

Cada artigo deve apresentar um título breve e um subtítulo (nestas mesmas línguas) assim como uma bibliografia final.

Ao lado de seu sobrenome (caixa alta) e nome (caixa baixa), o autor deve mencionar :

  • sua afiliação institucional,

  • seu endereço completo (eletrônico e postal).

Estabelecimento do texto

O texto deve ser inserido sem layout nem folha de estilo. O ficheiro deve ser estabelecido com uma única fonte de caractere, sem colunas, sem quebra de página nem parágrafo sem quebra, sem sublinhar.

As notas devem ser limitadas em número e em cumprimenta (cinquante notas no máximo para um artigo de 45 000 caracteres). Devem ser integradas de maneira automática (menu « Inserir » > « Nota de Rodapé » em Word) com uma numeração contínua, e colocadas no rodapé da página.

Todas as referências bibliográficas citadas (e somente estas) devem ser reunidas numa bibliografia ao final do artigo. Só aparecem no texto reenvios bibliográficos sob a forma seguinte: (nome do autor, ano de publicação: paginação). Ex.: (Pluchon 1991: 689-710).

As bibliografias não devem ultrapassar 35 entradas.

Pede-se aos autores a maior atenção no estabelecimento da bibliografia, cuja verificação e normalização representa um trabalho editorial importante para a editora.

Os níveis de título (três no máximo) devem ser numerados para evitar qualquer confusão : 1, 1.1, 1.2, 1.2.1, etc.

As tabelas devem ser estabelecidas com Word ou OpenOffice (e não com Excel). Todas as ilustrações e tabelas serão chamadas in text: (fig. 1), (tab. I).

Conselhos tipográficos

A editora da revista refere-se às obras seguintes :

  • Lexique des règles typographiques en usage à l’Imprimerie nationale (língua francesa),

  • Orthographe et expression écrite d’André Jouette (língua francesa),

  • Chicago Manual of Style (língua inglesa),

  • El diccionario de la lengua española de la Real academia española, RAE [www.rae.es] (língua espanhol),

  • El diccionario panhispánico de dudas de la Real academia española, RAE [www.rae.es/recursos/diccionarios/dpd] (língua espanhol),

  • Dicionário da Língua Portuguesa Contemporânea, Lisboa, Academia das Ciências de Lisboa / Verbo, 2001 (língua portuguesa),

  • Grande Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa, Rio de Janeiro, Instituto A. Houaiss / Objetiva, 2009 (língua portuguesa).

Quanto mais cuidadoso será o trabalho de normalização pelos próprios autores, mais eficiente será o trabalho da editora.

Para uma lista dos nomes geográficos mais comuns, os autores podem referir-se utilmente ao Prontuário ortográfico e guia da Língua Portuguesa de Magnus Bergström e Neves Reis, Alfragide, Casa das Letras, 2011 (entrada « vocabulário geográfico geral »).

Datação :

  • séculos em caixa alta : século xvii. Grafar « século », e não « séc. ».

  • abreviaturas « a. C », « d. C ».

Espaços sem quebra :

  • antes das pontuações duplas ( ! ? ;),

  • dentro das aspas (« ») e dos travessões « – » utilizados em lugar dos parênteses,

  • entre as datas e os séculos, a. ou d. C, século xvii,

  • entre a letra inicial do nome e o sobrenome de um autor : E. Paiva, – entre o nome de um rei e o número associado : João IV, – depois de « p. », « fo » nas referências : p. 314, fo 2.

  • antes das unidades de medidas.

Abreviaturas usuais :

  • 1.o primeiro (letra « o » como expoente e não o sinal grau « ° »),

  • 2.o segundo,

  • n. número(s),

  • p. (e não pp. ) página, t. tomo, v. volume,

  • fo folio, vo verso,

  • ed. edição, dir. diretor,

  • et. al., ibid., op. cit.,

  • fig. figura, tab. tabela, il. ilustração.

Pontos cardeais :

  • em caixa baixa quando designam uma direção, limites geográficos, uma situação, ou como adjetivação : o norte da Martinique, a fronteira nordeste, no norte do país, a parte norte ;

  • com inicial maiúscula quando designam zonas geográficas : o Sul, a América do Sul.

Nomes dos organismos :

  • com maiúscula inicial nos nomes de órgãos de soberania ou do governo central, repartições oficiais e instituições : o Governo, o Conselho de Estado, o Ministro da Defesa, a Biblioteca Nacional.

  • a letra minúscula inicial é usada nas designações de cargos em geral e de divisões políticas administrativas : rei, ministros, a câmara de Nelas… mas emprega-se maiúscula quando mencionados como entidades dotadas de personalidade jurídica de direito público : o Serviço Nacional da Saúde, o Secretário-Geral da Marinha, o Presidente da República.

Os números isolados, e representando quantidades inteiras, devem ser grafados por extenso : duzentos quilômetros, cinco oficiais.

Mantem-se o acento em letras maiúsculas : África.

Os termos em idioma estrangeiro devem ser grafados em itálico. Da mesma maneira, as locuções latinas como a priori, via, ibid., op. cit., supra...

As citações devem ser colocadas entre aspas : « ». As citações em idioma estrangeiro colocadas depois dois pontos devem ser grafadas em itálico, sem aspas (torna-se a pôr as aspas se estiverem integradas na frase).

Os cortes devem ser assinalados por reticências entre colchetes : […].

Normas bibliográficas

O respeito das normas bibliográficas que seguem permitirá ganhar um tempo considerável no processo de produção editorial.

A bibliografia será organizada da seguinte maneira :

  • lista das abreviaturas,

  • fontes,

  • bibliografia.

A bibliografia final (sem ultrapassar 35 entradas) reunirá somente as referências citadas no texto. Da mesma maneira, qualquer chamada in text deve corresponder a uma referência.

As referências serão ordenadas por nome de autor e por ordem alfabética. As referências a um mesmo autor serão ordenadas por ordem cronológica. No caso de várias referências o mesmo ano para um mesmo autor, escreve-se por exemplo: 2001a, 2001b.

Para cada referência, devem aparecer:

  • No caso de um artigo de revista:

Sobrenome, nome de autor, ano. « Título do artigo », Título do periódico, volume, paginação. Disponível em : URL da página [último acesso, data].

Ex : Saillant Francine, 2007. « L’esclavage au Brésil. Le travail du mouvement noir », Ethnologie française, no 38/3, p. 457-466. Disponível em: www.cairn.info/revue-ethnologie-francaise-2007-3-page-457.htm [último acesso, janeiro 2018].

  • No caso de um artigo de obra colectiva :

Sobrenome, nome de autor, ano. « Título do artigo », in, nome do director científico, Título da obra, lugar de edição, editora, paginação.

Ex: Heuman Gad J., 1998. « Freed Persons », in, Seymour Drescher & Stanley J. Engerman, A Historical Guide to World Slavery, New York / Oxford, Oxford University Press, p. 212-221.

  • No caso de uma obra:

Sobrenome, nome de autor, ano. Título da obra, lugar de edição, editora.

Ex: Honychurch Lennox, 2014. Negre Mawon. The Fighting Maroons of Dominica, Roseau, Island Heritage Initiatives.

  • No caso de uma tese ou dissertação universitária :

Sobrenome, nome de autor, ano. Título da dissertação ou da tese, tese de doutorado (ou dissertação de Mestrado), universidade, cidade.

Ex. : Araujo Ana Lucia, 2007. Mémoires de l’esclavage et de la traite des esclaves dans l’Atlantique sud. Enjeux de la patrimonialisation au Brésil et au Bénin, tese de doutorado, EHESS, Paris.

  • Tratando-se de vários autores, separam-se os dois últimos por um sinal & : Cottias Myriam, Cunin Elisabeth & Antonio de Almeida Mendes, 2010.

  • Tratando-se de várias editoras e/ou lugares de edição, separam-se os nomes por uma barra obliqua com espaço nos dois lados : Sillery / Paris, Septentrion / Presses de l’université Paris-Sorbonne.

Ilustrações

Devem ser fornecidas em ficheiros separados :

  • .tiff, .jpg e com resolução de 300 dpi no mínimo para as fotos;

  • .eps, .ai para os documentos Illustrator (mapas, tabelas, etc.).

Os ficheiros irão numerados segundo a ordem de aparecimento no texto. Os mapas devem ter uma escala e uma orientação.

Materiais multimídias

Os autores têm a possibilidade de incluir nos seus artigos materiais multimídia, para os quais terão obtido todas as autorizações de reprodução e representação.

Os conteúdos devem ser fornecidos á editora nos seguintes formatos :

  • MP3 para os materiais sonoros,

  • MP4 (H.264) para os materiais vídeos.

Os conteúdos devem ter duração limitada (10 minutos no máximo).

Referências

As referências dos materiais (ilustrações e conteúdos multimídia) irão reunidos num ficheiro texto separado.

Devem conter imperativamente :

  • as menções de crédito :

    • título, nome do autor ou interessado, ano para as ilustrações;

    • título, nome do realizador, nome de todas as pessoas visíveis ou audíveis, data, lugar para os materiais multimídia;

  • a fonte : clichê, biblioteca digitalizada, museu, base de dados…

O autor indicará toda a informação permitindo chegar até essa fonte (link internet, contato da pessoa encarregada dos pedidos de autorização, etc.).

Pedido de autorização de reprodução e de representação para os materiais

O autor terá efetuado todos os procedimentos requeridos para a obtenção do direito de reprodução e de representação física e desmaterializada dos materiais iconográficos e/ou multimídia para reproduzi-los, ou terá sido atento ao recolhimento de material livre de direito (no domínio público ou sob o regime de licenças Creative Commons).

Não fornecer fotos extraídas da Internet, muitas vezes com baixa resolução e cujos direitos estão reservados.

O autor terá igualmente obtido o acordo explícito, por escrito, das pessoas figurando nas fotos, aparecendo nos vídeos, e audíveis nos trechos sonoros.

Para todos os efeitos, o autor transmitirá essas autorizações a editora da revista. O CIRESC recusa qualquer responsabilidade neste âmbito e reserva-se o direito de reprovar os materiais potencialmente litigiosos.

Cessão de direito de reprodução e de representação sobre os conteúdos

O autor que submete um manuscrito aceita ceder os direitos de reprodução e de representação a título gratuito e não exclusivo para a revista Esclavages & post~esclavages / Slaveries & Post~Slaveries, sob qualquer forma que seja, impressa incluída. Isto vale para os materiais textuais, iconográficas e multimídia da sua autoria ou dos quais é o interessado.

Os autores recebem gratuitamente o PDF de seu artigo.

Contacto

A editora fica disponível para acompanhar os autores na sua iniciativa de publicação :

ciresc.redaction[at]cnrs.fr

Endereço postal :

CIRESC
Campus Condorcet
Bâtiment Recherche Sud
5, cours des Humanités
93322 AUBERVILLIERS CEDEX

  • Logo Centre national de la recherche scientifique (CNRS)
  • Logo Centre international de recherches sur les esclavages et post-esclavages (CIRESC)
  • OpenEdition Journals