Navegação – Mapa do site

InícioNúmeros66RecensõesManuel Carlos Silva (2009), Class...

Recensões

Manuel Carlos Silva (2009), Classes Sociais. Condição Objectiva, Identidade e Acção Colectiva

Nuno Nunes
p. 181-182
Referência(s):

Manuel Carlos Silva (2009), Classes Sociais. Condição Objectiva, Identidade e Acção Colectiva, Vila Nova de Famalicão, Edições Húmus

Texto integral

1 O livro Classes Sociais, da autoria de Manuel Carlos Silva, inscreve-se no que de melhor a sociologia portuguesa tem produzido ao longo dos anos na temática das classes e das desigualdades sociais, não fosse o autor do texto um dos protagonistas do desenvolvimento e consolidação da sociologia das classes sociais em Portugal. A obra, que reúne alguns textos já anteriormente publicados, é um ensaio sobre as classes sociais, onde o autor constrói um “estado da arte teórico e problemático” apurado, rico e actualizado dos elementos centrais das teorias e estudo das classes sociais.

2O ponto de partida do livro é uma revisitação das teorias marxistas, neomarxistas, neoweberianas, bem como uma reavaliação crítica das teorias funcionalistas da estratificação, mas a importância do subtítulo da obra —Condição Objectiva, Identidade e Acção Colectiva — apela a toda uma problematização presente na sociologia contemporânea das classes sociais, que remete para problemas teóricos centrais, como são os das relações entre estrutura e acção, das mediações entre classe objectiva e classe subjectiva, ou da articulação dos níveis de análise, desde o estrutural ao interactivo. Em simultâneo, a sua argumentação teórica rigorosa lança desafios à investigação sociológica e aos objectos empíricos sobre classes sociais, quando interpela sobre as suas condições objectivas de vida, hábitos e estilos de vida, as suas práticas e representações na vida quotidiana, as suas formas de organização ao nível sindical e político-partidário, as suas identidades e condições de acção colectiva.

3A obra é-nos apresentada, em modo de prólogo, por Salvador Giner, presidente da Academia das Ciências da Catalunha, com o sugestivo título de “El retorno de la clase social”. Precisamente, Salvador Giner reconhece o trabalho de Manuel Carlos Silva e os contributos da sociologia das classes sociais em Portugal, ao mesmo tempo que apela à necessidade de se reivindicar e promover o retorno da questão das classes por parte das ciências sociais e a respectiva capacidade de compreender e explicar satisfatoriamente as desigualdades sociais.

4No capítulo dois, o autor começa por dar conta da evolução do conceito de classe e por delimitá-lo com o seu usual contraponto — o de estrato social —, procurando mostrar que a conceptualização das classes sociais detém um alcance analítico mais teórico e dinâmico que o conceito de estratificação social. No terceiro capítulo, procura-se mostrar como as desigualdades sociais têm constituído uma constante em diversos tipos de sociedade ao longo da história (desde a Antiguidade até aos dias de hoje). Parte integrante da modernidade, a relação desigualdades sociais/classes e os conflitos de classe têm estado presentes no desenvolvimento das sociedades industriais, que tiveram no incremento do Estado-providência uma das suas principais conquistas.

5Os capítulos seguintes (quatro, cinco e seis) são sobretudo de discussão teórica, onde é feita a exposição e o confronto das teorias clássicas em torno da estratificação e das classes sociais: a teoria da estratificação sustentada pelo estruturo-funcionalismo em marcante contraste com a teoria das classes sociais defendida e desenvolvida quer pelo (neo)marxismo, quer pelo (neo)weberianismo. A seguir, o autor avalia as teorias clássicas, prosseguindo a reflexão de autores de inspiração marxista e weberiana por uma pró-teoria que caminhe em direcção a uma concepção multidimensional e sintética de classe.

6O autor considera fundamental o enriquecimento do marxismo através dos contributos de Max Weber. É solidamente sustentada uma posição teórica de síntese, o que significa, para o campo (neo)marxista, uma adequada leitura de Marx e Engels e a ruptura com as teorias economicistas-estruturalistas e histórico-culturalistas, e para o campo (neo)weberiano, a valorização relativa do económico e a desconstrução de uma certa substancialização ou reificação do poder.

7A visão multidimensional das classes sociais que o autor propõe (principalmente nos capítulos sete e oito), arreiga-se no que de melhor a sociologia das classes sociais — tributária de um “transparadigmatismo de síntese”, como refere João Ferreira de Almeida — tem produzido ao longo dos últimos anos, solidamente ancorada nos decisivos contributos de Pierrre Bourdieu, e que encontra também em Erik Olin Wright, Veit Bader e Albert Benshop válidos contributos prospectivos para o desenvolvimento das teorias das classes sociais. A consagração de diversos patamares de definição e construção das classes, desde a condição objectiva até à acção colectiva, incorporando certos conceitos mediadores como os de habitus, estilos de vida, identidade, género e etnicidade, sem obnubilar o contexto das instituições, dos conflitos, dos sistemas organizacionais, bem como dos quadros de relações interaccionais, assume para o autor um carácter decisivo.

8Nos capítulos nove e dez, são-nos oferecidos elementos teóricos válidos para uma integrada consolidação dos conceitos de vida quotidiana (ou quotidiano), estilos de vida, identidade e acção colectiva no corpus científico do estudo das classes. No essencial, o autor alerta para a tendência dominante para subestimar ou até ignorar os constrangimentos estruturais, argumenta como os estilos de vida e os padrões de consumo não estão desligados das clivagens de classe, que a centralidade do trabalho constitui um dos pilares das identidades colectivas e individuais, e são apresentadas as linhas gerais do modelo de acção colectiva de Bader.

9O autor faz ainda uma breve revisitação dos estudos sobre classes sociais produzidos em Portugal e lança algumas propostas de refinamento das tipologias de classes existentes.

10O livro que Manuel Carlos Silva agora nos oferece é sem dúvida um excelente contributo de rigor e síntese teórica e que nos proporciona, como o fazem as boas obras, horizontes de desenvolvimento analítico e empírico. Em suma, trata-se de um valioso contributo para o aprofundamento da problemática das desigualdades sociais nas sociedades contemporâneas.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Nuno Nunes, «Manuel Carlos Silva (2009), Classes Sociais. Condição Objectiva, Identidade e Acção Colectiva »Sociologia, Problemas e Práticas, 66 | 2011, 181-182.

Referência eletrónica

Nuno Nunes, «Manuel Carlos Silva (2009), Classes Sociais. Condição Objectiva, Identidade e Acção Colectiva »Sociologia, Problemas e Práticas [Online], 66 | 2011, posto online no dia 13 maio 2013, consultado o 17 junho 2021. URL: http://journals.openedition.org/spp/898

Topo da página

Autor

Nuno Nunes

Assistente de investigação do CIES-IUL. E-mail: nuno.nunes@iscte.pt

Artigos do mesmo autor

Topo da página

Direitos de autor

© CIES - Centro de Investigação e Estudos de Sociologia

Topo da página
  • Logo Centro de investigação e estudos de sociologia
  • Logo Editora Mundos Sociais
  • DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • OpenEdition Journals
Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search