Navegação – Mapa do site

InícioTerra Brasilis (Nova Série)16Espaços balneários em questãoDinâmicas territoriais e aumento ...

Espaços balneários em questão

Dinâmicas territoriais e aumento do fluxo turístico na Ilha Grande (Brasil) e na île d'Oléron (França)

Territorial dynamics and increased tourist flow in two islands: Ilha Grande (Brazil) and île d'Oleron (France)
Dinámica territorial y aumento del flujo turístico en Ilha Grande (Brasil) e île d'Oléron (Francia)
Dynamique territoriale et augmentation des flux touristiques à Ilha Grande (Brésil) et à l'île d'Oléron (France)
Debora Mury Alves Chueiri, Rafael Angelo Fortunato e Thierry Sauzeau

Resumos

O turismo é uma das principais atividades dos espaços insulares, e uma importante fonte de receitas. Contudo, é também gerador de grandes desequilíbrios socioambientais, sobretudo quando ocorre de forma espontânea e com baixa regulamentação. O objetivo deste trabalho é comparar a Ilha Grande e a Île d´Oléron sob a perspectiva dos impactos ambientais, econômicos e sociais do turismo de massa. Para tanto, foram realizadas entrevistas semiestruturadas com moradores antigos das ilhas e uma revisão bibliográfica sistemática qualitativa. É possível afirmar que o aumento do fluxo de turistas alterou o território e a paisagem de ambas as ilhas. Além disso, identificou-se a importância de avaliar os períodos históricos anteriores à economia turística, promovendo uma visão geral sobre as mudanças da paisagem.

Topo da página

Texto integral

Agradecimentos: À Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Brasil [bolsa 8888.363821, 2019], pelo apoio financeiro, no Brasil e na França; Ao Programa de Pós-Graduação Interdisciplinar em Meio Ambiente da Universidade Estadual do Rio de Janeiro- Brasil, pelo apoio financeiro referente às diárias de campo no Brasil; À Secretaria de Meio Ambiente do Estado do Rio de Janeiro - INEA, localizada na Ilha Grande, pelas informações institucionais, incluindo entrevistas e materiais. À Universidade de Poitiers (França) e ao centro Criham Reaserch, pelo apoio financeiro nas saídas de campo para île d’Oléron.

Introdução

1O turismo é uma das principais atividades econômicas do planeta, sendo responsável por milhões de empregos diretos e indiretos. Muitas localidades procuram desenvolver esse setor para geração de renda e melhoria da qualidade de vida dos moradores. No entanto, o turismo também provoca inúmeros problemas quando ocorre de forma espontânea e com pouca regulação.

2Tendo em vista esse cenário, o presente artigo busca entender as transformações no território associadas ao aumento do fluxo turístico na Ilha Grande (Rio de Janeiro, Brasil) e na île d’Oléron (Charente-Maritime, França). Para isso, recorreu-se a entrevistas semiestruturadas com antigos moradores das ilhas, partindo das seguintes questões norteadoras: qual sua relação com a ilha? Como era essa praia antes da chegada o turismo? Quais modificações você observou na estrutura da praia e em sua rotina de trabalho?

3A fim de organizar o material produzido acerca das dinâmicas territoriais das duas ilhas, foi realizada uma revisão bibliográfica sistematizada de caráter qualitativo. Tal revisão colaborou também para o aprofundamento da discussão acerca dos diferentes períodos históricos de ocupação, uma vez que o foco deste artigo é a análise do aumento do fluxo turístico.

4Entender as dinâmicas territoriais dessas ilhas é importante para acompanhar o processo de desenvolvimento do turismo, as disputas de interesse e os conflitos presente nos territórios. Por meio desta abordagem, pretende-se lançar luz sobre os entraves e as potencialidades das atividades turísticas e propor diretrizes para pensar o turismo como um fenômeno social complexo e repleto de contradições.

5Como resultados preliminares, constatou-se que o aumento do fluxo turístico alterou as dinâmicas territoriais de ambas as ilhas e, para melhor interpretação dos dados, identificou-se os aspectos que fizeram parte dessas transformações. No caso da Ilha Grande, os aspectos identificados foram: os povos indígenas, a construção do presídio, a criação das áreas de proteção ambiental e o aumento do fluxo turístico. Em relação à île d’Oléron, ressaltam-se os seguintes aspectos: os primeiros habitantes da região, a economia de salinas e vinícolas, a produção de ostras e a indústria pesqueira.

Dinâmicas territoriais e o aumento do fluxo turístico

6As diferentes atividades econômicas presentes nos espaços e as técnicas utilizadas na produção fazem emergir novas paisagens e novos grupos humanos que, por sua vez, condicionam as políticas de ordenamento territorial. No entanto, esse processo não ocorre de modo linear e sem contradições.

7De acordo com Milton Santos (1994), o sistema de objetos e de relações produtivas econômicas condicionam a formação do território. As dinâmicas territoriais também são fortemente influenciadas pelas identidades dos indivíduos. Desse modo, o território apresenta-se como um misto composto pelas atividades econômicas, pelas identidades culturais e pelas políticas de regulação determinadas pelos “grupos dominantes”. Tais grupos se constituem, em sua grande maioria, pelos proprietários dos meios de produção e por grupos associados diretamente a eles.

8Os poderes presentes nos territórios estão fortemente relacionados com o papel de regulação e de investimentos do poder público. Temos, portanto, forças políticas municipais, estaduais e federais atuando nos territórios. Além dessas forças, que determinam os rumos dos territórios, temos também as forças que se organizam em associações da sociedade civil, sejam elas formalizadas ou não. Esse conjunto de forças políticas também irá determinar as dinâmicas territoriais e, em conjunto, essas ações irão interferir nas paisagens.

9O turismo como atividade socioeconômica influencia diretamente nas dinâmicas dos territórios, tanto pelas ações públicas, como dos grupos organizados e de empresários que procuram utilizá-lo como meio de reprodução social. De acordo com (Cruz, 2002: 17):

As paisagens turísticas não são caracterizadas por um sistema de objetos que lhe seja particular, específico. As paisagens turísticas derivam da valorização cultural de determinados aspectos das paisagens, de modo geral, e, nesse sentido, toda paisagem pode ser turística.

10Para que as paisagens sejam minimamente mantidas e condizentes com as práticas turísticas, faz-se necessário pensar em regulações envolvendo o planejamento dessas atividades, para que o aumento do fluxo turístico não provoque mudanças territoriais a tal ponto que a atividade se torne inviável ou que exclua/inviabilize a reprodução social dos moradores mais antigos, provocando um processo de gentrificação.

11A gentrificação é um processo social, econômico e espacial “que ultrapassa a conotação da saída de moradores ocasionada pelas forças do capital, ou ainda da reforma de espaços físicos na cidade” (Ribeiro, 2018: 1335). Além da relação econômica entre o capital e o espaço urbano, a gentrificação implica em uma nova divisão social do trabalho e suas consequências socioeconômicas (Hamnett, 1991).

12Além da gentrificação, o aumento do fluxo turístico tem trazido diversos tipos de problemas para os ambientes insulares, como o despejo de óleo por embarcações turísticas, a introdução de espécies invasoras, o uso dos anti-incrustantes navais, despejos de lixo, aumento e falta de tratamento do esgoto doméstico ocasionando a poluição das águas balneares, a salinização de lençóis freáticos tornando a água impropria para consumo humano, emissão de CO2, poluição do ar, poluição sonora, colisão de embarcações com mamíferos marinhos, entre outros (Allen, 1992; Burak et al., 2004; Luiz Jr., 2009; Waerebeek et al., 2007; Wunder, 2006). Esses impactos acarretam efeitos sobre os costões rochosos, alterações na cadeia alimentar e redução da biodiversidade marinha (Alho et al., 2002).

13Segundo Coriolano (2001), algumas segmentações do turismo estão intrinsicamente ligadas ao meio ambiente, nesses casos, quanto mais “nativa” e “natural” for a paisagem, maior será sua atratividade. Água limpa, ambiente tranquilo, recursos marinhos como a abundância de peixes, recifes e corais, são fundamentais para o desenvolvimento do turismo nas zonas costeiras. Nesse sentido, é necessário e recomendado que estudos de capacidade de suporte, em ambientes insulares sejam desenvolvidos e aplicados em parceria com os órgãos governamentais da área de turismo e da área ambiental, para minimizar os impactos negativos dessas atividades. A capacidade de suporte, também conhecida como capacidade de carga, é definida por Wagar (1964) como o grau de uso que um espaço pode suportar sem afetar a sua qualidade. De acordo com Beni (2019) e Boo (1990), além de ser necessário estipular um número máximo de indivíduos por área, é preciso promover altos níveis de satisfação para os visitantes.

14Bursztyn (2012) destaca que uma vez compreendido o conceito de capacidade de suporte é possível definir limites de uso, a partir da criação de áreas protegidas, da elaboração de zoneamentos ecológicos, dentre outros modelos de gestão ambiental nas zonas costeiras. A definição da capacidade de suporte de um determinado território é, portanto, essencial para o ordenamento territorial e para que exista certa capacidade de controle em relação ao aumento do fluxo turístico e das dinâmicas territoriais oriundas por meio desse processo.

15Para um melhor entendimento das dinâmicas territoriais relacionadas ao aumento do fluxo de turismo na Ilha Grande e na île d’Oléron, recorreu-se a uma periodização, no intuito de analisar em quais momentos ocorreram as transformações de paisagens, as disputas de interesse e os conflitos presente nesses territórios.

As fases históricas da ilha Grande e da île d’Oléron

16A Ilha Grande está localizada no litoral sul do Estado do Rio de Janeiro, no município de Angra dos Reis, e está inserida no bioma da Mata Atlântica. O acesso é feito somente por embarcações marítimas (Figura 1).

Figura 1. Localização da Ilha Grande

Figura 1. Localização da Ilha Grande

Instituto Estadual do Ambiente (INEA, 2021).

17A île d'Oléron está localizada no Sudoeste da França, no departamento de Charente-Maritime, região da Nova Aquitânia. Seu território é dividido em oito municípios, chamado de (communes). A ilha possui um conselho gestor geral que representa os oito municípios, denominado Communauté de Communes. A ilha está ligada ao continente por uma ponte desde 1966, sendo o carro o principal meio de transporte (Figura 2).

Figura 2. Localização da île d’Oléron

Figura 2. Localização da île d’Oléron

DIVA-GIS France (2021)

18A Ilha Grande e a île d’Oléron apresentam belezas naturais diversificadas e áreas de proteção ambiental. Ambas constituem destinos nacionais e internacionais que recebem um afluxo expressivo de turistas na alta temporada.

  • 1 L. Pacaud. [comunicação pessoal]. Document Booster d'activité – 2019. Île d'Oleron, 16 de junho de (...)

19A Ilha Grande possui 134 km² e 9.426 habitantes e 113 praias (Instituto Estadual do Ambiente [INEA], 2011) e, no ano de 2018, recebeu aproximadamente 1.442.608 turistas (TurisAngra, 2019). Enquanto a île d'Oléron tem 175 km² com 22.324 habitantes e recebeu cerca de 3.000.000 de visitantes em 2019.1

20A história da Ilha Grande pode ser dividida em pelo menos quatro períodos. O primeiro, inicia-se com os primeiros vestígios da presença humana na ilha, os Sambaquis, conhecidos como grupos de pescadores-coletores-caçadores, identificados como “fabricantes de machado da Ilha Grande” (Tenório, 2006: 33). O segundo momento tem como marco a construção de dois presídios, um deles localizado na Vila do Abraão, a Colônia Penal Cândido Mendes, que iniciou suas operações entre 1940 e 1942 e encerrou suas atividades em 1959, e o outro localizado na praia de Dois Rios, conhecido inicialmente como Presídio de Dois Rios, teve início em 1894 e foi desativado em 1994 (INEA, 2011).

21A demolição da Colônia Penal Candido Mendes foi progressiva e realizada pelos próprios presos. Muitos registros e documentos foram lançados ao mar pelos presos, festejando o fim do presídio. Já o presídio de Dois Rios foi inaugurado em 1894, e em 1963 passou a ser chamado de Instituto Penal Cândido Mendes, quando foi convertido em presídio de segurança máxima destinado a presos de alta periculosidade, tendo abrigado presos políticos durante a ditadura militar. O presídio foi implodido em 1994, no governo de Leonel Brizola, e alguns ex-presidiários acabaram fixando residência na própria vila de Dois Rios. Nesse mesmo período existia uma fábrica de processamento de sardinha iniciada por japoneses e gregos e a cultura caiçara, na Vila de Abraão (INEA, 2011).

22O terceiro período histórico ocorreu após a demolição da Colônia Penal Candido Mendes, da Vila de Abraão, e se caracterizou pela conservação ambiental. Em 1971 foi criado o Parque Estadual da Ilha Grande, administrado pelo Governo Estadual, designado para fins científicos, culturais, educativos, espirituais, recreativos. O parque ocupa aproximadamente 62% da área da Ilha Grande e seu objetivo principal é a preservação dos ecossistemas naturais contra quaisquer alterações que os modifiquem (INEA, 2011).

23Em 1981 foi criada a Reserva Biológica Estadual da Praia do Sul, unidade de proteção integral onde é permitida somente a passagem de turistas que fazem a volta da ilha, com autorização prévia do INEA e para fins científicos. A Área de Proteção Ambiental de Tamoios, (APA Tamoios), onde a legislação faculta certos tipos de ocupação humana, foi criada com o objetivo de assegurar a proteção do ambiente natural, das paisagens e dos sistemas geo-hidrológicos da região, bem como comunidades caiçaras. Já o Parque Estadual Marinho do Aventureiro, criado em 1990, pode ser visitado e utilizado para atividades educacionais, científica e recreacionais. Finalmente, a RDS do Aventureiro, que até 2014 fazia parte da Reserva Biológica Estadual da Praia do Sul, foi recategorizada pela Lei nº 6.793. A RDS do Aventureiro ainda não possui um plano de manejo, porém nele são proibidas construções e a pesca comercial (INEA, 2011; T. Mendonça, 2011). A figura 3 apresenta as unidades de conservação da Ilha Grande.

Figura 3. Mapa com as quatro unidades de conservação da Ilha Grande

Figura 3. Mapa com as quatro unidades de conservação da Ilha Grande

Adaptado de INEA (Instituto Estadual do Ambiente, Secretaria Estadual de Meio Ambiente do Rio de Janeiro) (2021)

24O quarto e último momento histórico ocorreu após a implosão do segundo presídio Instituto Penal Cândido Mendes na Praia de Dois Rios, em 1994, e é caracterizado pelo fenômeno do turismo que, embora já estivesse presente na ilha antes da implosão, não era tão significativo. Este momento perdura até hoje, e é marcado pela ressignificação da identidade dos locais, considerados como população tradicional, o que se reflete na preocupação de criação de unidades de conservação de uso sustentável e não apenas de proteção integral (INEA 2011).

25A situação da île d’Oléron apresenta algumas semelhanças e diferenças em relação à Ilha Grande. O primeiro período histórico ocorreu até meados do século XIX, quando os grupos nativos estavam envolvidos nas atividades das salinas e nos vinhedos e esses produtos eram vendidos a clientes europeus, que vinham com navios para levar essas mercadorias. Quando a atividade salineira se tornou menos lucrativa, as salinas se converteram, gradativamente, em áreas de cultivo de ostras.

26O segundo período histórico é marcado por uma mudança das atividades econômicas. Quando a phylloxera, o inseto, atacou os vinhedos da França e de toda a Europa, no último terço do século XIX, os habitantes desenvolveram também uma indústria pesqueira. O terceiro período teve início com o aumento da atividade turística após a Segunda Guerra Mundial, e sua popularização na década de 1960. A construção da ponte, em 1966, facilitou o transporte para a ilha, aumentando significativamente o turismo e o processo de urbanização, sobretudo após a abolição do pedágio em 1990.

27A ilha se destaca por suas grandes florestas de pinheiros, localizadas perto das dunas e praias. Uma parte do território permanece rural, devido às grandes extensões de zonas úmidas e pântanos. Essas áreas são utilizadas pelos agricultores (para a criação de vacas e cavalos), onde a água é doce, enquanto as áreas de águas salgadas são usadas pelos ostreicultores. No final da Segunda Guerra Mundial havia menos de 12.500 habitantes na ilha (último território francês a ser libertado pelos Aliados, em 8 de maio de 1945), mas, desde 1945, a população não parou de crescer. A construção de casas seguiu a mesma tendência (Figura 4), mas o tamanho das famílias diminuiu, tendo em vista o envelhecimento da população. Atualmente, a ilha atrai cada vez mais aposentados, em virtude da falta de opções de empregos fixos.

Tabela 4. Famílias e residências de habitantes da île d'Oléron (1968-2016)

Tabela 4. Famílias e residências de habitantes da île d'Oléron (1968-2016)

Institut national de la statistique et des études économiques (INSEE, 2019)

28Já o quarto, e último período, é marcado pela implantação de políticas de proteção ambiental. A princípio, tais políticas não visavam diretamente a contenção do processo de urbanização e da degradação ambiental. No entanto, a maioria das zonas protegidas (Figura 5) foi criada durante o boom da construção, a partir de 1990, o que obrigou as autoridades a conter o movimento, embora a demanda por casas secundárias tenha aumentado.

Figura 5. Áreas de proteção na île d’oléron (1860-2020)

Figura 5. Áreas de proteção na île d’oléron (1860-2020)

Géoportai (2020)

29As zonas protegidas mais antigas da île d'Oléron são as florestas nacionais: Saint-Trojan, Boyardville e Chaucre, estabelecidas pelo estado no final do século XIX (Figura 5.4). Novas áreas só foram definidas no final do século XX. Em 1990, o Conselho Europeu promoveu vários inventários de espécies animais e vegetais e, em seguida, foram criadas as zonas de proteção da fauna e flora (ZNIEFF, figura 5.3). Em 1992, a política europeia de proteção tornou-se mais global com a diretiva Natura 2000 (Figura 5.2), que incluiu as atividades humanas, visando controlá-las dentro das reservas. Finalmente, o governo francês optou por reforçar essas proteções, em torno de algumas áreas específicas (Figura 5.1): a Réserve Naturelle de Moëze-Oléron: os pântanos comprados pelo Conservatoire National du Littoral. Dentro dessas áreas, as proibições são muito rígidas e apenas algumas atividades tradicionais são permitidas.

30Essas regras europeias e nacionais foram adicionadas ao zoneamento municipal, a fim de obrigar os municípios a restringir a construção sem controle. Em 2000, a lei nacional Solidarité et Rénovation Urbaine (França, 2000) foi adotada e obriga cada município da ilha a definir seu Plano Local de Urbanismo. Nesse documento oficial, cada território comunal deve delinear as zonas Naturais e Agrícolas, que não podem ser construídas, diminuindo o número de novas construções.

31Até a década de 1960, a economia da île d'Oléron era organizada a partir de sua topografia. Desde a Idade Média, nas terras mais altas da zona norte, os vinhedos dominam a paisagem. Nas salinas, que cobrem as áreas mais baixas do território na porção sudeste de ilha, a ostreicultura se desenvolveu desde o final do século XVIII. Na costa oeste, onde as margens são rochosas e as dunas enormes, a paisagem era selvagem. Desde a década de 1860, o porto de pesca de La Cotinière concentra a atividade. A produção agrícola estava distribuída em quase toda a Ilha e a maioria dos residentes vivia da produção de vinho, ostra, sal, agricultura e pesca (Sauzeau, 2016).

32Segundo o relato de um morador e pesquisador, no início do século XX, durante a temporada de verão os moradores passaram a alugar suas residências para os turistas, enquanto viviam temporariamente em moradias improvisadas, o que gerava uma renda adicional. Após a construção da ponte, os habitantes começaram a vender seus terrenos de menor valor para os turistas, que queriam construir casas secundárias (Sauzeau, 2016).

33A partir daí, ainda segundo o relato do mesmo morador e pesquisador, a atividade agrícola diminuiu rapidamente, o que fez crescer o número de terrenos baldios. À medida que enriqueciam, alguns moradores construíam também imóveis de aluguel por temporada, oferecidos para aluguel mensal. A partir de 2000, devido às mudanças nos hábitos dos veranistas, o aluguel passou a ser organizado por semana. O período 1960-2000 foi muito bom para o setor da construção e obras públicas. Atualmente há uma diminuição da tendência de construção, mas a economia do acampamento continua importante. A maioria dos parques de campismo foram melhorados com atividades de lazer (parque aquático) e alugam/vendem casas pré-fabricadas. Em consequência disso, surgem novas vilas de trailers de plástico e madeira. Comparando com o Brasil, os parques de campismo corresponderiam aos resorts, porém destinados a um público com menor poder aquisitivo.

34Atualmente o território possui cerca de 25.000 tipos de hospedagem, incluindo 12.000 em parques de campismo, 5.000 em aluguéis mobilados e quase 8.000 em acampamentos individuais. O tráfego rodoviário de excursionistas pode chegar a 50 mil carros por dia, cujos passageiros vão à praia na alta temporada do verão (Office De Turisme île d’Oléron Marennes, 2020). Portanto, as paisagens mudaram devido à economia turística de massa que continua crescendo.

35A seguir, na figura 6, indicam-se as bases bibliográficas levantadas durante a pesquisa para aqueles que quiserem se aprofundar em algumas das diferentes fases históricas que envolvem as dinâmicas territoriais das duas ilhas. Neste artigo o foco recai sobre as dinâmicas territoriais provocadas pelo aumento do fluxo de turistas.

Figura 6. Bibliografia sistematizada sobre as dinâmicas territoriais da Ilha Grande e Île d'Oléron

Figura 6. Bibliografia sistematizada sobre as dinâmicas territoriais da Ilha Grande e Île d'Oléron

Elaborado pela autora (2020)

36Com esse referencial sistematizado foi possível identificar um período histórico na ilha Grande, que não é analisada a fundo na literatura consultada: a economia da fábrica de sardinha. Esta merece destaque ainda que haja dúvidas acerca de seu início, entre 1920 até 1990. Esse período configura outro período histórico relacionado a outro tipo de economia que influencia diretamente na mudança de paisagem no território da Ilha Grande.

37A île d'Oléron é conhecida dentro da literatura de turismo, porém são raros os estudos sobre sua história. O pesquisador é obrigado a ler estudos globais voltados para o litoral francês, para coletar algumas informações sobre a ilha. O único livro dedicado especificamente à história da île d'Oléron foi escrito por Sauzeau (2016), que reúne todas informações dispersas em uma só publicação.

38Com o levantamento dos períodos históricos foi possível perceber que na Ilha Grande as áreas de proteção ambiental foram criadas antes do aumento do fluxo turístico. A expansão do turismo ocorre de fato a partir de 1994, com a implosão do presídio. Já na île d’Oléron ocorreu o inverso, primeiro houve o desenvolvimento do turismo e, posteriormente, a criação de áreas de proteção ambiental. Essas áreas foram criadas em 1990, no mesmo período em que ocorre a massificação do turismo após a abolição do pedágio da ponte, facilitando o acesso da população e acelerando o processo de urbanização da Ilha.

O aumento do fluxo turístico: entraves e potencialidades

39Com o aumento do fluxo turístico na Ilha Grande a partir de 1994, foi possível constatar uma série de mudanças nas paisagens, reflexo de um certo descontrole no ordenamento do território por parte do poder público, o que acarretou a urbanização com novas construções de moradias e de infraestrutura para atender o turismo. O mesmo ocorreu na île d’Oléron, a partir da construção da ponte em 1960. Para apresentar esse cenário da Ilha Grande, especificamente na Vila de Abraão, seguem as Figuras 7 e 8.

Figura 7. Vila do Abraão nos anos 1970

Figura 7. Vila do Abraão nos anos 1970

Luciano Guerra (comunicação pessoal)

Figura 8. Vila do Abrão, 2020

Figura 8. Vila do Abrão, 2020

Google Earth (2020)

40O crescimento urbano observado, intrinsecamente ligado à economia do turismo, pode ser atribuído a diferentes fatores, em diferentes escalas, como: a construção da rodovia Rio-Santos (BR101), na década de 1970, que favoreceu o acesso e a urbanização; o Projeto Turis (Plano de aperfeiçoamento Turístico) do Instituto Brasileiro de Turismo (EMBRATUR), também na década entre 1960 e 90 e o término das atividades carcerárias (INEA, 2011).

41Na île d’Oléron também foi possível constatar mudanças na paisagem, proveniente do turismo de massa, que se intensificou após 1966, com a construção da ponte. Seguem três exemplos:

42O primeiro se refere às primeiras paisagens transformadas pelo turismo: as dunas. Antes que a ponte tornasse toda a ilha acessível de carro, as grandes dunas permaneciam preservadas. Com o aumento do afluxo de turistas, o poder público investiu na abertura de estradas e ruas e, consequentemente, foram construídas casas secundárias em terrenos onde o solo é improdutivo, perto das dunas (Figura 9).

Figura 9. Transformação de paisagem pelo turismo nas dunas no município de Saint-Denis d’Oléron, entre 1957 e 2016

Figura 9. Transformação de paisagem pelo turismo nas dunas no município de Saint-Denis d’Oléron, entre 1957 e 2016

Institut National de L’information géographique et Forestiére (IGN, 2019)

43A Figura 9 mostra como o município de Saint-Denis d'Oléron foi um exemplo dessa situação, tendo surgido um novo bairro, Les Huttes, na área onde, em 1957, só havia vinhas, campos e pastagens.

44Outro exemplo refere-se às segundas paisagens transformadas pelo turismo: as aldeias tradicionais. Para suprir a necessidade de casas secundárias, os municípios permitiram a construção de novas edificações em torno das antigas aldeias. Algumas aldeias que estavam separadas por campos tornaram-se gradualmente uma só, como no caso de La Brée e Les Boulassiers (Figura 10).

Figura 10. Transformação da paisagem em Les Boulassier (La Brée) entre 1957 e 2016

Figura 10. Transformação da paisagem em Les Boulassier (La Brée) entre 1957 e 2016

IGN (2019)

45As últimas paisagens transformadas pelo turismo foram as zonas agrícolas, como em La Jousselinière (Figura 11), onde grandes áreas de campos e vinhedos foram convertidas em enormes áreas de acampamento.

Figura 11. Transformação da paisagem em La Jousselinière entre 1957 e 2016

Figura 11. Transformação da paisagem em La Jousselinière entre 1957 e 2016

IGN (2019)

46Atualmente, os parques de campismo disponibilizam casas pré-fabricadas para aluguel e surgem novas vilas, com palmeiras e plantas tropicais, algumas muito próximas dos domínios tradicionais, degradando a qualidade da paisagem.

47Além das dificuldades em manter as paisagens minimamente atrativas para a sustentabilidade da atividade turística, pode-se observar também um processo de gentrificação associado às alterações nas paisagens, nas duas ilhas.

  • 2 Não existe tradução literal para a expressão écluses a poisson. Trata-se de um espaço, construído a (...)

48Na île d’Oléron, a gentrificação se inicia quando os habitantes passam a adotar o modo de vida urbano trazido pelos turistas. Em uma entrevista, um dos moradores relatou como era a Ilha antes do advento da economia do turismo: “a ilha era muito pobre, mas ao mesmo tempo cada casa cultivava sua horta, tinha seus porcos, vacas, coelhos e galinhas, o povo pescava em seus écluses à poisson,2 modo de pesca tradicional, cultivava suas ostras, pescava nas rochas. Era uma vida muito boa e algumas pessoas diziam que era um pays de cocagne, que significa uma ‘terra de fartura’”.

49Antes da construção da ponte, os moradores não costumavam ir à “França”, como denominavam o continente. De acordo com o relato de outro morador, logo após a guerra, muitas pessoas recebiam turistas a quem alugavam um quarto em casa e eles interagiam com a cultura local, participando das atividades rotineiras como a pesca, o cultivo de ostras, entre outras. E ainda acrescenta: “eles eram amigáveis e a maioria dos turistas que vinham nos anos 1950 optou em comprar uma casinha ou um terreno para construir”.

50De acordo com outro entrevistado, durante a década de 1970, o acolhimento aos turistas tornou-se menos amigável e mais comercial. Para uma parte da população que abandonou as atividades tradicionais, o turismo se tornou a principal ocupação: foram abertas lojas, restaurantes e parques de campismo. Para outras pessoas, o aluguel por temporada se converteu em uma espécie de investimento financeiro. Conforme nos relata outro morador: “com o tempo, os moradores e turistas mudaram seu comportamento e depois da década de 1990, ao invés de ficarem 3 ou 4 semanas, os turistas foram ficando apenas uma semana”. Isso demostra que a economia do turismo se tornou cada vez mais profissional. Os turistas eram considerados menos como amigos e mais como clientes a satisfazer.

51Ainda são frequentes as trocas entre locais e turistas, principalmente porque alguns turistas têm a intenção de se aposentar e permanecer na Ilha, participando da vida local. O morador também afirma: “A mudança foi enorme, muita infraestrutura, muita gente se reunindo só para atender os turistas durante a temporada”.

52Na década de 1960, a ilha ainda não dispunha de um Plano Local de Urbanismo. Algumas pessoas perceberam que, a longo prazo, a expansão do turismo poderia acarretar grandes problemas, pois já estava ocorrendo a perda de terras agrícolas e a transformação da paisagem, em prol da construção de casas para atender o setor turístico. Em toda a ilha começaram a surgir pequenas vilas entre os campos.

53A partir desses relatos, é possível afirmar que a expansão do turismo acarretou duas consequências para a economia local: os empregos sazonais se desenvolveram, mas eles não fornecem segurança de renda para os trabalhadores e, por outro lado, o custo da habitação aumentou de forma alarmante e não permite que as famílias jovens se tornem proprietárias. A maior parte da população na ilha é formada por pessoas idosas, o que vem se agravando em virtude dos obstáculos econômicos impostos pela economia do turismo à estabilidade financeira dos jovens. O custo da moradia também é responsável pela emergência de uma nova classe alta na sociedade. Seu modo de vida cria, segundo um morador, algumas frustrações na população local.

54No caso da Ilha Grande, o advento da chamada indústria do turismo alterou as dinâmicas territoriais locais. Novos agentes e grupos sociais passaram a atuar obedecendo a uma lógica mercantilista, ocasionado transformações dos valores locais e uma alteração do poder decisório e suas prioridades. Uma das moradoras da ilha ressalta que algumas pessoas “venderam suas terras e agora querem voltar”, outra destaca que “com o turismo, acabou a roça”, enquanto outro morador diz que a economia do turismo é boa somente para quem tem dinheiro para investir e afirma que o turismo não é bom para ele que são pobres.

55O processo de gentrificação provocado pela atividade turística na Ilha Grande é enfatizado por uma moradora: “as pessoas estão ficando gananciosas por causa do dinheiro do turismo” e para ressaltar que as dinâmicas territoriais estão sendo influenciadas cada vez mais pela lógica mercantilista, outra moradora diz que, com o aumento do fluxo turístico, “a praia foi dividida” e que “não tem mais união”.

56Vale ressaltar que essas falas não representam toda a Ilha Grande, mas refletem certas tendências observadas a partir do aumento do fluxo turístico. Outras tendências relacionadas ao processo de gentrificação e à escassa regulação do turismo se expressam no aumento da violência e do tráfico de drogas.

57Durante fase da proteção ambiental, emerge uma nova divisão social do trabalho na ilha, com a implantação das unidades de conservação e a proibição de algumas atividades tradicionais, como a roças, a caça, a derrubada de madeira, dentre outras. Com a chegada do turismo também ocorreu outra transformação na divisão social do trabalho. Os pescadores passaram a se dedicar ao turismo, o que gera maiores rendimentos com menos tempo de trabalho, em comparação com as atividades realizadas anteriormente. As mulheres, por sua vez, passaram a somar novas responsabilidades às tarefas de casa, à medida que começaram a trabalhar com o turismo na alta temporada.

58A perda da identidade cultural dos moradores da ilha resulta de um processo de transformação nas dinâmicas territoriais ocasionada pelas restrições ambientais e pelas forças do capital. Porém, em contrapartida, o turismo trouxe para a população nativa remanescente uma melhor infraestrutura, mercados e, principalmente, o posto de saúde. Segundo uma moradora, sua família mudou da Praia de Camiranga para Abraão e depois para o continente de Angra dos Reis, por questões de transporte, de saúde e de trabalho: “mudamos porque lá era mais longe e não tinha médico, minha mãe vivia muito doente e viemos morar aqui (Abraão)” e depois compraram uma casa em Angra “porque era mais fácil médico lá, minha mãe sempre estava doente”. Com a chegada do turismo a entrevistada retornou à ilha para investir em seu restaurante e atualmente paga aluguel.

59A partir de observações diretas e conversas informais é possível notar que a Ilha Grande possui muitos investidores e trabalhadores de fora. Com o início da fase econômica do turismo ocorreu um aumento no custo de vida na ilha, o que dificulta o retorno dos antigos moradores.

60Ocorre por tanto “a substituição da população tradicional por moradores com maior poder aquisitivo” (Ribeiro, 2018: 1338).

  • 3 Gestor do parque no período de 02/2017 até 01/2019.

61Considerando as diferentes fases históricas apresentados, a Ilha Grande apresentou uma brusca modificação na paisagem, associada principalmente à expansão do turismo, como é possível observar nas figuras 6 e 7. Isso também acarretou alguns problemas ambientais, especialmente em relação à qualidade dos recursos hídricos. Atualmente, a principal praia da Ilha, a praia de Abraão, está imprópria para banho. Segundo dados do INEA 2008-2009 (INEA, 2019), observa-se uma alta concentração de coliformes fecais na água, resultante da ineficiência do sistema de tratamento de esgoto, visto que uma parte dos efluentes é lançada diretamente nos rios e no mar. Segundo o relato do gestor3 do Parque, o INEA já autuou o estado diversas vezes, porém o problema persiste, por falta de verbas para a obra. O mesmo afirma ainda que não são todas as casas que possuem ligação com a rede de esgoto.

62Outra problemática ambiental encontrada na Ilha Grande é o grande número de embarcações que circulam pela Ilha, que alteram a qualidade da água, em virtude dos derrames de óleo e da utilização de tintas anti-incrustantes, (Fernandez et al., 2007; Mendonça Jr., 2017).

63A degradação e a falta de consciência ambiental apontam para a importância de se desenvolver estudos de capacidade de suporte, envolvendo os órgãos governamentais e a população, garantindo sua viabilidade financeira e a fiscalização das metas.

64Existem pelo menos dois estudos institucionais sobre capacidade de suporte já desenvolvidos para a Ilha Grande: o trabalho de Ordenamento Náutico da TurisAngra, de 2014, e a Avaliação da Capacidade de Suporte na Ilha Grande, de dezembro de 2012, realizada pelo INEA. Entretanto, a despeito da existência desses estudos, os moradores relatam as frequentes interrupções de energia elétrica e a episódios de falta de água durante, especialmente no período da virada do ano novo. Quanto à limitação do número de pessoas na ilha, destaca-se a problemática na RDS de Aventureiro, onde, segundo o acordo assinado entre a prefeitura de Angra dos Reis e a FEEMA (atual INEA), somente é permitida a entrada 560 pessoas por dia. Entretanto, em 2019, na virada do ano, foram registradas cerca de 3 mil pessoas.

65Em relação à quantidade de embarcações, a despeito do ordenamento realizado pela prefeitura de Angra dos Reis, ainda é expressivo o número de embarcações que atracam na ilha. Segundo um morador, quando houve a liberação para a aproximação de cruzeiros, os quais só estão autorizados a permanecer um dia na Ilha, houve um grande investimento em embarcações pequenas e rápidas para atender aos turistas com a realização de pequenos passeios. Porém, atualmente, mesmo com chegadas diárias de cruzeiros na alta temporada é possível notar que muitas embarcações ficam paradas, atracadas.

66Na Ilha é intenso o fluxo de embarcações, com destaque para o segmento do turismo náutico. Mais de 10.000 embarcações estão cadastradas na Delegacia dos Portos de Angra do Reis. Com isso a TurisAngra promulgou o Decreto nº 10.048, de 15 de fevereiro de 2016, que instituiu o programa de ordenamento náutico turístico, desenvolvido em parceria com o Sebrae e a Câmara técnica de turismo Náutico. Segundo o decreto, as embarcações que realizam atividades turísticas devem se cadastrar junto à secretaria (TurisAngra 2014).

67Em virtude da má acessibilidade marítima da île d’Oléron, não se observam aí os mesmos impactos negativos que a Ilha Grande. Entretanto, o fluxo de turistas também é massivo e, todos os dias, dezenas de milhares de turistas são atraídos pelas praias, acessando a ilha de carro, gerando um grande fluxo de de automóveis. Segundo Duvat (2010), os principais problemas identificados nas praias da île d’Oléron são: o surgimento de conflitos de uso, devido à diversificação das atividades de lazer e esportivas e turísticas, aliada ao expressivo número de frequentadores das praias; a falta de respeito em relação às leis ambientais por parte dos usuários das praias; a degradação das dunas por conta da quantidade de visitantes, assim como o tráfico intenso de carros. Visando à redução do tráfico e a geração de CO2 estão previstas a oferta de viagens gratuitas de ônibus, no período de alta temporada, entre os meses de junho e agosto e a construção de 160 km de ciclovias (Office de Turisme Ilê d’Oléron Marennes, 2020).

68Em relação ao turismo massivo na île d’Oléron, segundo entrevista realizada com a responsável pelo departamento de turismo, são promovidos eventos e produzidos materiais publicitários que estimulem os turistas a visitarem a ilha fora da alta temporada. Também na île d’Oléron nota-se a importância do desenvolvimento de estudos de capacidade de suporte. Contudo, até o momento, não foram encontrados estudos institucionais.

69Ambas as ilhas recebem um turismo de massa, o que causa pressões sobre os ecossistemas. Segundo Cohen (1978), o impacto ambiental do turismo é possivelmente maior em países em desenvolvimento, tendo em vista que “esses países ainda não possuem o poder de regular ou combater os agressivos promotores turísticos, empenhados em grandes projetos turísticos e retornos rápidos do mercado turístico massivo”, como é o caso da Ilha Grande (Cohen, 1978: 233).

Considerações Finais

70Apesar da revisão bibliográfica sistematizada demonstrar que existe uma grande quantidade de informações e de produção de conhecimento sobre a Ilha Grande, incluindo o aumento do fluxo turístico, nota-se que esta economia ainda está sem controle. Nas entrevistas, os moradores destacam que o planejamento das atividades turísticas é quase inexistente e que a capacidade de suporte não é respeitada.

71É possível constatar, por meio desta pesquisa, que a Ilha Grande está à beira de um colapso social e ambiental, com a perda dos valores culturais, aumento da desigualdade, da pobreza, da violência e da degradação ambiental. A paisagem está sendo alterada de forma drástica com a ocupação irregular dos morros, seguindo a tendência da porção continental do município de Angra dos Reis.

72Por outro lado, o risco de colapso ocorreu na île d'Oléron por volta da década de 1990. Naquela época, não existia uma regulamentação para controlar o crescimento da construção de casas secundárias, reduzir a produção de lixo e impedir o desaparecimento gradual da cultura local. Ao mesmo tempo, a União Europeia, o Estado Francês e o poder local foram reorganizados pela criação da communauté de communes. Por volta do ano 2000, com a criação de algumas reservas naturais e o reforço das que já existiam, a paisagem foi protegida e os problemas de lixo e poluição foram resolvidos. A île d'Oléron atualmente encontra-se em uma situação equilibrada. Mantê-la exige grande vigilância por parte dos representantes eleitos locais, em conjunto com as instituições francesas e europeias, no sentido de preservar o patrimônio natural e cultural sem impedir o desenvolvimento econômico.

Topo da página

Bibliografia

Adams, Cristina (2000a). “As populações caiçaras e o mito do bom selvagem: a necessidade de uma nova abordagem interdisciplinar.” Revista de Antropologia. 43: 146-82.

Adams, Cristina (2000b). “As roças e o manejo da Mata Atlântica pelos caiçaras: uma revisão.” Interciencia, 25 (3): 143-150.

Alho, Cleber; Schneider, Maurício; Vasconcellos, Luis Antonio (2002). “Degree of threat to the biological diversity in the Ilha Grande State Park (RJ) and guidelines for conservation.” Brazilian Journal of Biology, 63 (3): 375-385.

Allen, William (1992). "Increased dangers to Caribbean marine ecosystems: cruise ship anchors and intensified tourism threaten reefs." BioScience, 42 (5): 330-335.

Beni, Mario (2019). “Análise estrutural do turismo”. 14 ed. São Paulo: Senac.

Araújo, Carolina. (2007). “Degradação ambiental e hospitalidade: apontamentos sobre a intensificação do turismo na Vila do Abraão Ilha Grande - RJ, Brasil.” Revista Turismo Em Análise, 18 (1): 52-65.

Araujo, Carolina (2010). “A invenção a Ilha Grande: a influência do instituto penal Cândido Mendes na turistificação local.” Caderno Virtual de Turismo, 10 (2): 1-12.

Araujo, Carolina; Cândido, Débora; Krott, Max (2017). “Planejamento do turismo a partir da perspectiva actor-centered power no Parque Estadual da Ilha Grande, Rio de Janeiro, Brasil.” Revista Turismo em Análise, 28 (1): 149-68.

Araujo, Carolina; Carvalho, Acácio; Silva, Carlos (2005). “Impactos ambientais do turismo na Ilha Grande: um estudo comparativo sobre a percepção dos moradores da Vila do Abraão e da Vila Dois Rios.” Caderno Virtual de Turismo, 5 (3): 18-26.

Augeron, Mickael; Guillemet, Dominique (2004). “Champlain ou les portes du nouveau monde. cinq siècles d’échanges entre le Centre-Ouest Français et l’Amérique du Nord ". La Crèche: Geste éditions.

Boo, Elizabeth (1990). Ecoturismo: potenciales y escollos. Washington, D.C: WWF/Conservation Foundation.

Burak, Sburak; Doǧan, Edogan; Gazioǧlu, Cemga (2004). "Impact of urbanization and tourism on coastal environment." Ocean and Coastal Management, 47 (9/10): 515-527.

Bursztyn, Maria; Bursztyn, Marcel (2012). “Fundamentos de política e gestão ambiental”. 1 ed. Rio de Janeiro: Garamond.

Catão, Helena; Carneiro, Maria José (2005). “Conservação ambiental, turismo e população local.” Cadernos EBAPE.BR, 3 (3): pp. 01-13.

Cohen, Erik (1978). “The impact of tourism on the physical environment.” Annals of Tourism Research, 5 (2): 215-237.

Coriolano, Luzia. “Turismo e degradação ambiental no litoral do Ceará.” In: Lemos, Amalia (org.). Turismo: impactos socioambientais. 3. ed. São Paulo: HUCITEC, 2001, pp. 32-56.

Costa, Gustavo (2010). “A entrada do direito na resolução de um conflito ambiental - a gestão personalizada de uma Unidade de Conservação na praia do Aventureiro.” Revista de Estudos de Confl Ito e Controle Socia, 3 (7): 9-31.

Costa, Gustavo (2011). “As reservas biológicas como mecanismo de controle Estatal.” Revista de Sociologia e Política, 19 (38): 159-70.

Costa, Gustavo; Catão, Helena; Prado, Rosane. “Praia do Aventureiro: um caso sui generis de gestão local do turismo.” In: Bartholo, Roberto; Sansolo, Davis; Bursztyn, Ivan (org.). Turismo de base comunitária: diversidade de olhares e experiências brasileiras. Rio de Janeiro: Letra e Imagem, 2009, pp. 177-197.

Costa, Nadja; Alves, Luiz (2012). “A hospitalidade no (eco)turismo da Enseada de Abraão - Ilha Grande (RJ): reflexos sobre o meio ambiente.” Geo UERJ, 2 (23): 389-412.

Cruz, Rita (2002). “Política de turismo e território”. 1. ed. Contexto: São Paulo.

Delafosse, Marcel; Laveau, Claude (1960). Le commerce du Sel de Brouage Aux XVIIe et XVIIIe Siècles. Paris: Librarie Armand Colin.

DIVA-GIS France (2021). Download data by country”. Administrative areas. Disponível em: <https://www.diva-gis.org/datadown. > Acesso em: 07 jul. 2021.

Duvat, Virginie (2010). “Beach quality assessment as a tool for promoting sustainability in tourist islands: the case study of Oléron Island, France.” In: WIT Transactions on Ecology and the Environment, 139: 99-110.

Duvat, Virginie (2011). "La qualité des plages au cœur de la gestion integrée des zones cotières : l’exemple du plan d’action Oléron qualité littoral (Côte atlantique française)". VertigO, n. Hors-série 9, pp. 0-25.

Ferreira, Helena (2014). “A organização da memória coletiva na defesa do território e na criação do produto turístico: um estudo sobre a Ilha Grande, RJ.” Caderno Virtual de Turismo, 14 (1) 79-95.

Fernandez, Marcos; Pinheiro, Fernanda; Quadros, Juliana; Camillo Jr., Edmundo (2007). "An easy, non-destructive, probabilistic method to evaluate the imposex response of gastropod populations". Marine Environmental Research, 63 (1): 41-54.

Floc’h, Pascal Le (2017). “Les pêches maritimes en France (1983-2013)”. Rennes: PUR.

França. Loi n° 2000-1208 du 13 décembre 2000. “Relative à la solidarité et au renouvellement urbains”. Disponível em https://www.legifrance.gouv.fr/loda/id/LEGITEXT000005630252/. Acesso em: 07 dez. 2020.

Francis, Anglade; Bernard, Gilles; Fournet, Philippe; Soumagne, Jean (1987). “La Charente-Maritime aujourd’hui. milieu, économie, aménagement”. Jonzac: Univ. Francophone.

Gama, Sonia; Leal Filha, Sueli; Rocha, Ilana (2006). “Os impactos ambientais e o processo de gestão integrada: experiências na Vila De Abraão-Ilha Grande, Angra Dos Reis (RJ).” Revista Sociedade & Natureza, 18 (35) : 131-149.

Géoportai (2020). “Le portail national de la connaissance du territoire mis en œuvre par L’IGN”. Disponível em: <www.geoportail.fr>. Acesso em: 29 abr. 2020 .

Google Earth (2020). Içha Grande: Ilha no Rio de Janeiro. Disponível em: <https://earth.google.com/web/search/Ilha+Grande,+Angra+dos+Reis+-+State+of+Rio+de+Janeiro/@-23.1553138,-44.23471052,646.59498747a,34205.65003727d,35y,0h,0t,0r/data=Cp4BGnQSbgojMHg5YzU5YzQ0MjIwZmUyZDoweGNkOWEzMWNjZjEyMDE2ZmYZhb9w-O4mN8AhWw5PCk4dRsAqNUlsaGEgR3JhbmRlLCBBbmdyYSBkb3MgUmVpcyAtIFN0YXRlIG9mIFJpbyBkZSBKYW5laXJvGAIgASImCiQJc3Mmi0dWR0ARKiDFzoo-R0AZyDXsTNue4j8hYESefKoSuj8>. Acesso em: 14 maio 2020.

Guerra, Luciano. [Correspondência]. Destinatário: Débora Mury Alves Chueiri. Rio de Janeiro, 05 jun. 2020. Comunicação pessoal.

Hamnett, Chris (1991). “The blind men and the elephant: the explanation of gentrification”. Transactions - Institute of British Geographers, 16 (2) 173-189.

Institut national de la statistique et des études économiques INSEE (2019). "Inhabitants households and residences of l’île d’Oleron". <https://www.insee.fr/fr/statistiques/2011101?geo=EPCI-241700624/>. Acessed : 25 may 2019.

Instituto Estadual do Ambiente (2011). "Plano de Manejo / Resumo Executivo". Disponível em: <http://www.inea.rj.gov.br/wp-content/uploads/2019/01/PEIG-RM.pdf>. Acesso em: 28 jun 2019.

Instituto Estadual do Ambiente (2019). “Dados balneabilidade - Ilha Grande” [mensagem pessoal]. Mensagem recebida por <leofidalgo@globo.com > em 12 dez. 2019.

Instituto Estadual do Ambiente (2021). "Base de dados geoespaciais". Disponível em: <https://inea.maps.arcgis.com/apps/MapSeries/index.html?appid=00cc256c620a4393b3d04d2c34acd9ed>. Acesso em: 28 jun. 2021.

Institut National de L’information géographique et Forestiére (2019). "Le portail national de la connaissance du territoire mis en œuvre". Disponível em: <https://www.geoportail.gouv.fr/>. Acesso em: 13 out. 2020.

Hoefle, William (2018). “A ecologia política da costa fluminense: um estudo etnográfico longitudinal da pesca, turismo e desenvolvimento industrial na Baía de Sepetiba.” Revista Brasileira de Geografia, 63 (1) : 99-128.

Lachiver, Marcel (1988). "Vins, vignes et vignerons: histoire du vignoble français”. Paris: Fayard.

Laporte, Luc (2009). "Des premiers paysans aux premiers métallurgistes sur la façade Atlantique de la France (3500-2000 Avant J-C) (Français) Relié – 3 Mars 2009”. Chauvigny: Association des publications chauvinoises.

Luiz JR., Osmar. (2009). “Estudo de capacidade de carga e de operacionalização das atividades de turismo náutico no parque nacional marinho de Fernando de Noronha”. Projeto para a conservação e manejo dos ecossistemas brasileiros – PROECOS projeto PNUD BRA/00/009 – produto 3, ICMBio, Brasília.

Maldonado, Carlos (2009). “O turismo rural comunitário na América Latina: gênesis, características e políticas.” In: Bartholo, Roberto; Davis, Gruber; Bursztyn; Ivan (orgs.). Turismo de Base Comunitária: Diversidade de Olhares e Experiências Brasileiras. Letra e Imagem, pp. 25-44.

Mendonça, Teresa. "Vila do Aventureiro, o “paraíso proibido”." In: Mendonça, Tereza; Moraes, Edilaine (org.). O povo de aventureiro e o Turismo de Base Comunitária. Rio de Janeiro: Edur UFRRJ, 2011, pp. 15-29.

Mendonça Jr, C. C. (2017). “Poluição proveniente do derramamento de óleo por embarcações no meio ambiente marinho: análise à luz da legislação e das decisões proferidas pelos tribunais brasileiros”. Parecer Jurídico (Mestrado em Profissional em Estudos Marítimos) – Escola de Guerra Naval, Concentração em Segurança, Defesa e Estratégia Marítima, Rio dde Janeiro, RJ. p. 61.

Mollat, Michel; Paul, Adam (1987). “Histoire des pêches maritimes en France”. Paris: Privat.

Office De Turisme Ilê d’Oléron Marennes (2020). “Dossier de Presse”. Disponível em: <https://www.ile-Oléron-marennes.com/dossiers-de-presse>. Acesso em: 5 dez. 2019.

Mille, Sarah (2003). "Les marais charentais. Géohistoire Des Paysages Du Sel. Études Rurales”. Rennes: Presses Universitaires Rennes.

Oliveira, Amaral de; Arcangela, André; Feichas, Quacchia (2005). “Termo de ajustamento de conduta da Ilha Grande-RJ: o lixo na vila de abraão.” Caderno Virtual de Turismo, 5: 14-22.

Paiva, Maria das Graças (2001). “Sociologia do Turismo”. ed 1. São Paulo: Papirus.

Pickel-Chevalier, Sylvine (2015). “Une Station Touristique Des Côtes Atlantiques. Saint-Trojan-Les-Bains, Modèle de Station Oléronaise Dans Un Monde En Évolution”. Paris: Le Croît Vif.

Prado, Rosane (2003a). “As espécies exóticas somos nós: reflexão a propósito do ecoturismo na Ilha Grande.” Horizontes Antropológicos, 9 (20): 205-224.

Prado, Rosane (2003b). “Tensão no paraíso: aspectos da intensificação do turismo na Ilha Grande.” Caderno Virtual de Turismo, 3 (1): pp.1-9.

Prado, Rosane. “Depois que entrou o ‘Imbamba’: percepção de questões ambientais na Ilha Grande.” In: Prado, Rosane (org.). Ilha Grande: do sambaqui ao turismo. Rio de Janeiro: EdUERJ/Gar, 2006, pp. 251-83.

Ribeiro, Tarcyla (2018). "Gentrificação: aspectos conceituais e práticos de sua verificação no Brasil". Revista de Direito da Cidade, 10 (3): 1334-1356.

Santos, Myrian (2013). “Ruínas e testemunhos: o lembrar através de marcas do passado.” Revista de Ciências Sociais - Política & Trabalho, 2 (39): 221-239.

Santos, Myrian. “O espetáculo da destruição e a manutenção do sistema.” In: Birman, Patrícia; Leite, Márcia; Machado; Carly; Carneiro, Sandra (org.). Dispositivos urbanos e trama dos viventes: ordens e resistências. Rio de Janeiro: FGV Editora, 2014, pp. 473-495.

Santos, Myrian (2016). “A invisibilidade da pena Dois Rios como imagem do paraíso.” Tempo Social, Revista de Sociologia da USP, 28 (2): 261-283.

Santos, Milton (1994). “Técnica, espaço e tempo: globalização e meio técnico-científico-informacional. 1 ed. São Paulo: Editora Hu.

Sauzeau, Thierry. (2016). “Petite histoire d’Oléron”. 1 ed. La Crèche: Geste Editions.

Tenório, Maria “Povoamento pré-histórico da Ilha Grande”. In: Prado Rosane (ed). Ilha Grande: do sambaqui ao Turismo. 1 ed. Rio de Janeiro: Garamond/EDUERJ, 2006, pp. 19-37.

TurisAngra (2019). “Fluxo turístico da Ilha Grande”. [mensagem pessoal]. Mensagem recebida por <ur.ccitu@angra.rj.gov.br> em 07 jun. 2019.

TurisAngra (2014). "Ordenamento do turismo náutico em Angra dos Reis- RJ." Disponível em: <http://www.angra.rj.gov.br/downloads/Turis/Ordenamento/ORDENAMENTO_TURISMO_NAUTICO.pdf> Acesso em: 30 fev. 2020.

Waerebeek, Koen; Baker, Alan; Félix, Fernando; Gedamke, Jason; Iñiguez, Miguel; Sanino, Gian; Secchi, Eduardo; Sutaria, Dipani; Helden, Anton; Wang, Yamin (2007). "Vessel collisions with small cetaceans worldwide and with large whales in the Southern Hemisphere, an initial assessment". Latin American Journal of Aquatic Mammals, 6 (1): 43-69.

Wagar, Alan (1964). "the carrying capacity of wild lands for recreation". Forest Science, 10 (2): 1-24.

Wunder, Sven (2006) "Modelos de Turismo, florestas e rendas locais". In: Prado, Rosane. (org.). Ilha Grande: do sambaqui ao turismo. 1 ed. Rio de Janeiro: Garamond/EDUERJ, 2006. pp. 133-190.

Topo da página

Notas

1 L. Pacaud. [comunicação pessoal]. Document Booster d'activité – 2019. Île d'Oleron, 16 de junho de 2019.

2 Não existe tradução literal para a expressão écluses a poisson. Trata-se de um espaço, construído ao longo do litoral, para captura de peixes e de outras espécies marinhas.

3 Gestor do parque no período de 02/2017 até 01/2019.

Topo da página

Índice das ilustrações

Título Figura 1. Localização da Ilha Grande
Legenda Instituto Estadual do Ambiente (INEA, 2021).
URL http://journals.openedition.org/terrabrasilis/docannexe/image/10427/img-1.jpg
Ficheiros image/jpeg, 55k
Título Figura 2. Localização da île d’Oléron
Créditos DIVA-GIS France (2021)
URL http://journals.openedition.org/terrabrasilis/docannexe/image/10427/img-2.jpg
Ficheiros image/jpeg, 47k
Título Figura 3. Mapa com as quatro unidades de conservação da Ilha Grande
Créditos Adaptado de INEA (Instituto Estadual do Ambiente, Secretaria Estadual de Meio Ambiente do Rio de Janeiro) (2021)
URL http://journals.openedition.org/terrabrasilis/docannexe/image/10427/img-3.jpg
Ficheiros image/jpeg, 71k
Título Tabela 4. Famílias e residências de habitantes da île d'Oléron (1968-2016)
Legenda Institut national de la statistique et des études économiques (INSEE, 2019)
URL http://journals.openedition.org/terrabrasilis/docannexe/image/10427/img-4.jpg
Ficheiros image/jpeg, 94k
Título Figura 5. Áreas de proteção na île d’oléron (1860-2020)
Créditos Géoportai (2020)
URL http://journals.openedition.org/terrabrasilis/docannexe/image/10427/img-5.jpg
Ficheiros image/jpeg, 101k
Título Figura 6. Bibliografia sistematizada sobre as dinâmicas territoriais da Ilha Grande e Île d'Oléron
Créditos Elaborado pela autora (2020)
URL http://journals.openedition.org/terrabrasilis/docannexe/image/10427/img-6.jpg
Ficheiros image/jpeg, 233k
Título Figura 7. Vila do Abraão nos anos 1970
Créditos Luciano Guerra (comunicação pessoal)
URL http://journals.openedition.org/terrabrasilis/docannexe/image/10427/img-7.jpg
Ficheiros image/jpeg, 69k
Título Figura 8. Vila do Abrão, 2020
Créditos Google Earth (2020)
URL http://journals.openedition.org/terrabrasilis/docannexe/image/10427/img-8.jpg
Ficheiros image/jpeg, 47k
Título Figura 9. Transformação de paisagem pelo turismo nas dunas no município de Saint-Denis d’Oléron, entre 1957 e 2016
Créditos Institut National de L’information géographique et Forestiére (IGN, 2019)
URL http://journals.openedition.org/terrabrasilis/docannexe/image/10427/img-9.jpg
Ficheiros image/jpeg, 194k
Título Figura 10. Transformação da paisagem em Les Boulassier (La Brée) entre 1957 e 2016
Créditos IGN (2019)
URL http://journals.openedition.org/terrabrasilis/docannexe/image/10427/img-10.jpg
Ficheiros image/jpeg, 218k
Título Figura 11. Transformação da paisagem em La Jousselinière entre 1957 e 2016
Créditos IGN (2019)
URL http://journals.openedition.org/terrabrasilis/docannexe/image/10427/img-11.jpg
Ficheiros image/jpeg, 234k
Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

Debora Mury Alves Chueiri, Rafael Angelo Fortunato e Thierry Sauzeau, «Dinâmicas territoriais e aumento do fluxo turístico na Ilha Grande (Brasil) e na île d'Oléron (França)»Terra Brasilis [Online], 16 | 2021, posto online no dia 31 dezembro 2021, consultado o 20 abril 2024. URL: http://journals.openedition.org/terrabrasilis/10427; DOI: https://doi.org/10.4000/terrabrasilis.10427

Topo da página

Autores

Debora Mury Alves Chueiri

Departamento de Pós-Graduação em Meio Ambiente, Universidade Estadual do Rio de Janeiro, Rua São Francisco Xavier, nº 524, sala 12.005, Rio de Janeiro, Brasil. E-mail: deboramury10@gmail.com

Artigos do mesmo autor

  • Ilha Grande (RJ- Brazil) and île d'Oleron - France
    Dinâmicas territoriais e aumento do fluxo turístico na Ilha Grande – RJ e na Île d’Oléron – França
    Dynamique territoriale et augmentation des flux touristiques à Ilha Grande-RJ et à l'Île d’Oléron
    Dinámica territorial y aumento del flujo turístico en Ilha Grande-RJ e Île d’Oléron - Francia
    Publicado em Terra Brasilis, 16 | 2021

Rafael Angelo Fortunato

Instituto de Geografia e Secretaria de Turismo, Rua São Francisco Xavier, nº 524, sala 12.005, Rio de Janeiro, Brasil. E-mail: fortrafa@hotmail.com

Artigos do mesmo autor

  • Ilha Grande (RJ- Brazil) and île d'Oleron - France
    Dinâmicas territoriais e aumento do fluxo turístico na Ilha Grande – RJ e na Île d’Oléron – França
    Dynamique territoriale et augmentation des flux touristiques à Ilha Grande-RJ et à l'Île d’Oléron
    Dinámica territorial y aumento del flujo turístico en Ilha Grande-RJ e Île d’Oléron - Francia
    Publicado em Terra Brasilis, 16 | 2021

Thierry Sauzeau

Centre de Recherches Interdisciplinaires en Histoire, Arts et Musicologie, Groupement d'Intérêt Scientifique Histoire et Sciences de la Mer, Universidade de Poitiers, 8 rue René Descartes, Poitiers, 86 073 FR. E-mail: thierry.sauzeau@univ-poitiers.fr

Artigos do mesmo autor

  • Ilha Grande (RJ- Brazil) and île d'Oleron - France
    Dinâmicas territoriais e aumento do fluxo turístico na Ilha Grande – RJ e na Île d’Oléron – França
    Dynamique territoriale et augmentation des flux touristiques à Ilha Grande-RJ et à l'Île d’Oléron
    Dinámica territorial y aumento del flujo turístico en Ilha Grande-RJ e Île d’Oléron - Francia
    Publicado em Terra Brasilis, 16 | 2021
Topo da página

Direitos de autor

O texto e outros elementos (ilustrações, anexos importados) são "Todos os direitos reservados", à exceção de indicação em contrário.

Topo da página
Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search