Navegação – Mapa do site

InícioTerra Brasilis (Nova Série)17Dossiê Geografia portuguesa, tróp...ArtigosGeografia e colonialismo portuguê...

Dossiê Geografia portuguesa, trópicos e colonialismo tardio
Artigos

Geografia e colonialismo português no equador

O Relatório da primeira campanha de estudo de Francisco Tenreiro em São Tomé (1956) e o seu contexto institucional e político
Geografía y colonialismo portugués en el ecuador: el Informe de la primera campaña de estudios de Francisco Tenreiro en São Tomé (1956) y su contexto institucional y político
Geography and Portuguese colonialism on the Equator: the Report of Francisco Tenreiro’s first fieldwork practice in São Tomé (1956) and its institutional and political context
Géographie et colonialisme à l´équateur: le Rapport de la première campagne d’étude de Francisco Tenreiro à São Tomé (1956) et son contexte institutionnel et politique
Francisco Roque de Oliveira

Resumos

O arquivo do Centro de Estudos Geográficos da Universidade de Lisboa guarda um exemplar do Relatório da primeira campanha de estudo que Francisco Tenreiro realizou na ilha de São Tomé em 1956, tendo em vista a preparação da tese de doutoramento que defenderia cerca cinco anos depois, intitulada A Ilha de São Tomé: estudo geográfico, e que veio a constituir um marco na produção da chamada «Escola de Geografia» de Lisboa. Trataremos aqui de analisar este documento inédito e de o cruzar com outro material de arquivo, de modo a extrair resultados sobre três tópicos principais: (1) os princípios metodológicos e as condições técnicas que enquadraram a realização do trabalho de campo em causa; (2) a articulação entre este exemplo de trabalho de campo geográfico em terreno tropical e os desígnios de «ocupação científica do ultramar» preconizados pelo regime do Estado Novo português em contexto de colonialismo tardio; (3) a reconstituição dos principais círculos de afinidade pessoal e científica – designadamente agentes e instituições de cooperação científica nacional e internacional – que materializaram as circunstâncias que enquadraram a elaboração deste Relatório e, em boa medida também, o corpo principal da obra geográfica de Tenreiro.

Topo da página

Notas da redacção

Submetido 13 Jul. 2022; Aceito 8 Out. 2022

Texto integral

A pesquisa para este artigo foi financiada pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia, I.P. (Portugal), no âmbito do projecto “RegRural - Regular o Rural Colonial: Aldeamento de Guerra no Colonialismo Português Tardio” (ref.ª EXPL/GES-URB/1284/2021), Centro de Estudos Sociais/Universidade de Coimbra. Agradeço a Anísia Moreira, João Ribeiro, João Sarmento, Maria João Raimundo, Sandra Domingues, Raquel Garcia dos Santos e Xavier Muñoz i Torrent a colaboração prestada em diferentes fases deste trabalho.

1A 1 de Abril de 1957, Francisco José de Vasques Tenreiro (1921-1963), então segundo assistente da secção de Ciências Geográficas da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, endereçou ao Presidente da Comissão Executiva da Junta das Missões Geográficas e de Investigações do Ultramar (JIU), organismo dependente do Ministério do Ultramar português, o relatório da missão de estudo que realizara na ilha de São Tomé entre 12 de Agosto e 14 de Outubro do ano anterior. O Arquivo do Centro de Estudos Geográficos da Universidade de Lisboa guarda uma cópia deste documento inédito de 25 páginas dactilografadas, intitulado Estudo Geográfico da Ilha de São Tomé: Relatório Preliminar (CEG/Arq./FT/19). Este arquivo guarda também uma série de outros documentos, tanto de carácter administrativo como de natureza mais pessoal, que ajudam a reconstituir o contexto institucional, científico e político que enquadrou a elaboração deste relatório.

2Partimos desta base documental para descrever e situar este trabalho no conjunto da obra geográfica de Francisco Tenreiro, sabendo de antemão que se trata de um escrito que sintetiza a primeira experiência de trabalho de campo realizada por Tenreiro nessa ilha do golfo da Guiné, onde nascera 35 anos antes, mas que deixara ainda criança. Adiante-se também que a sua monografia A Ilha de São Tomé: estudo geográfico, apresentada como tese de doutoramento em Geografia à Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa em 1961, será o corolário da breve carreira científica de não mais de 15 anos deste nome associado à «Escola de Lisboa» de Geografia, organizada em torno de Orlando Ribeiro (1911-1997) e do Centro de Estudos Geográficos a partir de meados do século XX (Tenreiro, 1961a; Oliveira, 2017). Se a figura de Francisco Tenreiro extravasa largamente o âmbito da ciência geográfica, sendo que é sobretudo reconhecido pela sua obra poética e pela importância do papel que desempenhou na afirmação da «africanidade» ou «negritude» na literatura de expressão portuguesa (Espírito Santo, 1993; Sanches, 2013, Mata, 2015; Sampaio, 2022), tema que escapa ao propósito destas linhas, o seu trabalho de geógrafo – todo ele assinado apenas com o primeiro nome, ao invés do que o acontece com a sua poesia e os seus escritos de crítica literária, que assina com o nome composto Francisco José – tem sido alvo de um estudo intermitente, mas nem por isso menos atento à relevância deste legado para a história da Geografia portuguesa em contexto de colonialismo tardio (Amaral, 1963-1964; Brito, 1966; Medeiros, 1996; Seibert, 2008; Jerónimo, 2010; Oliveira, 2021a).

3A reconstituição que ensaiaremos das circunstâncias de produção do Relatório Preliminar que Francisco Tenreiro endereçou em 1957 ao geólogo João Carrington da Costa (1891-1982), à data presidente da JIU, importa-nos para conseguirmos uma aproximação a três aspectos sensíveis da designada Geografia tropical portuguesa, praticada entre o termo da II Guerra Mundial e a conclusão do processo de descolonização de Portugal em África, em meados da década de 1970. O primeiro tópico que pretendemos explorar diz respeito à própria natureza do trabalho de campo do geógrafo em meio tropical. Não sendo um objecto específico de trabalho de campo, ao invés das fotografias ou dos próprios cadernos de campo, por exemplo, o Relatório em causa deixa-nos, ainda assim, pistas suficientes para a reconstituição de algumas das mais importantes facetas dessa prática orgânica do saber geográfico normalizada na transição do século XIX para o século XX pelas escolas alemã e francesa de Geografia (Halair, 2017; Oliveira, 2019; Oliveira, 2021b).

4A segunda questão que pretendemos observar prende-se com algumas particularidades conceptuais e discursivas acolhidas ou introduzidas por Tenreiro como reflexo da alteração do contexto geopolítico marcado pela dissolução dos impérios coloniais europeus no segundo pós-guerra. Tendo presente o referido enquadramento institucional dado pela JIU, trata-se aqui de actualizar, com base neste relatório, o estudo das relações umbilicais existentes entre Geografia e poder em contexto colonial no momento charneira correspondente à grande vaga da descolonização da segunda metade da década de 50, à qual o regime do Estado Novo português (1933-1974) resistiu até ao fim, num processo que culminou na guerra colonial de 1961-1974 (Driver, 2006; Butlin, 2009; Valentim, 2017, 2000; Clayton, 2020; Sarmento, 2021).

5Por último, partiremos da documentação de arquivo seleccionada para identificar algumas pistas que relacionam o programa científico da Geografia portuguesa representado por Francisco Tenreiro com actores, redes de pesquisa, agências e fóruns de cooperação científica e técnica internacional. Esta linha de inquérito permitirá aplicar a este caso uma leitura que, longe de se resguardar numa análise essencialmente «nacional» da experiência de Tenreiro, revê nela elementos associados à mobilidade dos saberes e das experiências, conforme o programa geral da história das ciências que vem insistindo na importância de conceitos como trânsito, redes ou geografias da ciência (Meusburger, Livingstone e Jöns, 2010; Claval, 2013a; Jöns, Meusburguer e Heffernan, 2017; Ribeiro, 2021).

Antecedentes e contexto da missão a São Tomé

6Ao realizar a sua primeira experiência de trabalho de campo em São Tomé, em 1956, Francisco Tenreiro cumpre o preceito que estipulava que a preparação bibliográfica devia anteceder qualquer campanha no terreno. Orlando Ribeiro, o seu principal mentor no domínio da Geografia, fizera questão de sublinhar a mesma ideia no início de uma notícia sumária sobre a missão científica à Guiné Portuguesa que realizara em 1947 por encargo da Junta de Investigações Coloniais, correspondente à anterior designação da JIU (Ribeiro, 1950). Desde já, diga-se que a sequência de tópicos elencada por Ribeiro nesse texto sobre a Missão de Geografia à actual Guiné-Bissau, publicado em 1950 nos Anais da Junta de Investigações Coloniais, corresponde a um modelo manifestamente replicado por Francisco Tenreiro para expor à direcção da JIU a súmula dos resultados da sua campanha de 1956 em São Tomé.

7Entre 1952 e 1953, Francisco Tenreiro publicara dois trabalhos com temas relevantes para o conhecimento da geografia são-tomense, os quais tinham sido apresentados no XVI Congresso Internacional de Geografia da União Geográfica Internacional (UGI), organizado em Lisboa, em 1949, pelo pequeno grupo reunido em torno de Ribeiro no Centro de Estudos Geográficos e cuja preparação o próprio Tenreiro secretariara (Hamelin, 1996). Por um lado, tratara-se de uma comunicação sobre a agricultura da ilha, que levara à sessão de «Geografia da colonização» desse congresso (Tenreiro, 1952). Por outro lado, apresentara aí uma leitura dos elementos geográficos presentes numa relação anónima quinhentista de uma viagem de Lisboa a São Tomé (Tenreiro, 1953). Pela mesma altura, resenhou os principais aspectos da colonização de São Tomé numa comunicação lida na secção de «Ciências Sociais» do XIII Congresso Luso-Espanhol para o Progresso das Ciências (Tenreiro, 1950a). Pouco antes da sua partida para São Tomé, enviara ainda para publicação dois outros textos reveladores do seu já frequente contacto com a principal bibliografia disponível sobre aspectos históricos e contemporâneos de São Tomé: uma análise comparativa entre a colonização e a ocupação dos espaços insulares de Cabo Verde e São Tomé e Príncipe, publicada no periódico Cabo Verde: Boletim de Propaganda e Informação (Tenreiro, 1956a), e uma síntese histórico-geográfica sobre as ilhas do golfo da Guiné escrita por encargo da Sociedade de Geografia de Lisboa, por ocasião da realização da designada «Semana do Ultramar» (Tenreiro, 1956b).

8Quando descreve as razões pelas quais fora enviado a São Tomé, em 1956, «para proceder ao estudo geográfico, físico e humano, da ilha» (CEG/Arq./FT/19: 2), Tenreiro começa por recordar os ensinamentos recolhidos nas aulas de Geografia Colonial e Topografia ministradas na Escola Superior Colonial por António de Medeiros Gouveia (1900-1972). Este geógrafo físico doutorara-se na Universidade de Coimbra com uma tese sobre os aspectos fisiográficos do Algarve (1938), mas é sobretudo reconhecido por ter secretariado, por longos anos, o Instituto para a Alta Cultura, organismo para a política científica sob tutela do Ministério da Educação Nacional português (Rollo et al., 2012; Mesquita, 2018). De facto, entre 1944 e 1948, Tenreiro frequentou o Curso Superior Colonial da antiga Escola Superior Colonial, onde desempenhou uma acção notória de divulgação cultural no âmbito da respectiva Associação Académica, que incluiu a organização da 1.ª Semana de Arte Negra. Nesse período, por recomendação do mesmo Medeiros Gouveia, inicia a sua colaboração com o Centro de Estudos Geográficos, onde Orlando Ribeiro o acolhe em 1947, ainda estudante, e orientará a sua especialização geográfica. A maior parte dos trabalhos de seminário que Tenreiro realizou neste Centro anexo à Faculdade de Letras de Lisboa incidiram já sobre as matérias próprias da geografia humana das ilhas do golfo da Guiné e da própria Guiné. Concluídos o curso na Escola Colonial e os trabalhos de organização do Congresso da UGI, Tenreiro ingressou no quadro administrativo do Ministério do Ultramar, onde se manteve entre Junho de 1950 e Outubro de 1955, quando foi contratado como assistente da Faculdade de Letras, por proposta de Orlando Ribeiro. Tenreiro passou então a ter a seu cargo a regência das cadeiras de Etnologia, Geografia Política e Económica e Geografia Colonial do Curso de Geografia (CEG/Arq./FT/19; CEG/Arq./FT/29; Tenreiro, 1961b).

9Pouco antes de assinar o seu contrato com a Faculdade de Letras, Francisco Tenreiro beneficiou de uma bolsa de estudo articulada entre o British Council de Portugal e o Ministério do Ultramar, para frequentar os cursos de especialização em «Geografia da Colonização» na London School of Economics and Political Sciences da Universidade de Londres (LSE). Na LSE, onde permaneceu entre Outubro de 1954 e Agosto de 1955 (CEG/Arq./FT/26: 1), Tenreiro recebeu de Ronald James Harrison-Church (1915-1998) a principal orientação no campo da Geografia, ao mesmo tempo que ouviu o antropólogo Cyril Daryll Forde (1902-1973) nas matérias de Antropologia da África Ocidental. Em carta dirigida ao presidente da JIU, na Páscoa de 1956 CEG/Arq./FT/26), Tenreiro reconhece ter também beneficiado durante a sua estada em Inglaterra do convívio com Laurence Dudley Stamp (1898-1966), professor de Geografia Social na Universidade de Londres e então presidente da União Geográfica Internacional, e com Lord Hailey – William Malcom Hailey (1872-1969) –, antigo governador de várias províncias da Índia Britânica e coordenador de An African Survey: a study of problems arrising in Africa south of the Sahara (1938) – uma monumental súmula sobre África que, entre tudo o mais, fora particularmente crítica do colonialismo português.

10Valerá referir já aqui que, logo em 1957, Lord Hailey proferirá na Sociedade de Geografia de Lisboa uma conferência intitulada «The Rising Spirit of Africanism», enquadrada numa série de iniciativas promovidas pelas autoridades portuguesas para discutir a natureza dos impérios e a experiência dos distintos modelos de «assimilação» das populações colonizadas. Além da presença de Hailey, receberam-se neste contexto visitas como os do então jovem sociólogo Georges Balandier (1920-2016), que veio a Lisboa analisar a actualidade da África Negra, e do historiador Arnold Toynbee (1889-1975), que discorreu sobre «O Ocidente e o Futuro». No horizonte, visava-se recolher e sistematizar argumentos teóricos para a justificação da própria política colonial portuguesa. A montante de tudo isto reconhecemos facilmente os efeitos da Conferência de Bandung, de 1955, e a crescente pressão então exercida sobre Portugal pelas comissões e órgãos das Nações Unidas no sentido de efectivar a descolonização (CEG/Arq./FT/26; Copans, 2001; Curto, 2013; Oliveira, 2015; Alexandre, 2017).

11Já em carta enviada a Orlando Ribeiro poucas semanas depois de se ter instalado em Londres, Tenreiro refere ter assistido a diversas conferências, de entre as quais destaca uma de Toynbee, ao mesmo tempo que enuncia o tema geral dos trabalhos que irá realizar na LSE: «Visito exposições, assisto a conferências, oiço sumidades (uma delas foi o prestigiador, da história, Toynbee) procurando sempre não me desencaminhar do fim em vista, ou seja o estudo do continente africano em geral, e em particular a África Ocidental e as suas culturas, especialmente a do cacau» (CEG/Arq./FT/41: 1). Na mesma carta, refere que Harrison-Church acabara de redigir, com base nos trabalhos de Ribeiro e dos seus próprios estudos de Geografia, os capítulos sobre a Guiné e São Tomé destinados ao livro West Africa: a study of the environment and man’s use of it, cuja primeira edição Church publicaria ainda em 1955.

12Em outra carta, que indicia ter sido a primeira que enviou a Ribeiro a partir de Londres, Tenreiro esclarece que providenciara «em devido tempo» o envio para Harrison-Church dos seus escritos sobre São Tomé, pelo que logo na primeira conversa que haviam tido na LSE se pudera aperceber que Church já se encontrava a trabalhar nesses escritos. Nessa altura, formula da seguinte forma o seu próprio plano de trabalho, insistindo que o tema fora escolhido por si de modo a tirar partido do rico material bibliográfico e cartográfico disponível na LSE: «O motivo da minha “investigação” será a preparação de um trabalho comparativo acerca da cultura do cacau (aspectos de geografia cultural e económica) na ilha de S. Tomé, Costa do Ouro e Nigéria» (CEG/Arq./FT/42: 1). E, adiante, Tenreiro reforça o princípio metodológico que, longe de se escudar no estudo de casos isolados, subentende o recurso sistemático à comparação entre quadros semelhantes: «Com o que já tenho estudado acerca de S. Tomé e com o estudo que agora farei das Colónias Inglesas produtoras de cacau, restar-me-á a parte francesa, que mesmo aí em Lisboa, e com a sua ajuda, poderei fazer. Aliás este tema do cacau é inesgotável… se pensarmos ainda no que haveria a estudar sobre o assunto no Brazil» (CEG/Arq./FT/42: 2; Bruneau e Courade, 1984). Veremos já a seguir que no Relatório preliminar de 1957 Tenreiro dará continuidade a estas ideias, desde logo àquelas que associam a realidade de São Tomé à do Brasil colonial.

13Pela correspondência trocada com Orlando Ribeiro, sabemos também que, em Março de 1955, Francisco Tenreiro colabora com Daryll Forde na preparação da «Bibliografia Africana». Trata-se de uma referência à Selected annotated bibliography of tropical Africa publicada nesse mesmo ano em Londres pelo International African Institute, organização dirigida pelo próprio Forde, e para a qual Tenreiro contribuiu com um texto onde se registavam quase três centenas de títulos portugueses (Tenreiro, 1961b; Amaral, 1979). Quando aborda esta matéria com Orlando Ribeiro, Tenreiro escolhe usar papel timbrado do International African Institute e solicita a colaboração dos funcionários do Centro de Estudos Geográficos e da Sociedade de Geografia de Lisboa na tarefa de revisão das fichas bibliográficas, com o que manifestamente oficializa uma colaboração de tipo institucional entre Londres e Lisboa para a execução deste projecto de edição (CEG/Arq./FT/39).

14Olhando ainda estas cartas de Londres, destacam-se dois outros assuntos que terão consequências no percurso científico de Francisco Tenreiro, em particular no que se refere à articulação com outras missões de estudo e outros círculos de afinidade internacionais. No primeiro caso, surge-nos aí a indicação de que Tenreiro fizera, «à última da hora», um requerimento ao Ministro do Ultramar – no caso, o comandante Manuel Sarmento Rodrigues (1899-1979) –, no sentido de se manter associado à Missão Científica à Ilha de São Tomé, criada no âmbito da JIU em Agosto de 1954. Tenreiro chegara a ser indicado para esta missão, que tinha como objectivo o «estudo de vários aspectos da história natural, etno-sociologia e economia de S. Tomé e Príncipe» (República Portuguesa, 1954). A Missão era chefiada pelo engenheiro civil e economista Ezequiel de Campos (1874-1965), que começara a sua carreira profissional como auxiliar do quadro das Obras Públicas de São Tomé e Príncipe, em 1899, e fora catedrático de Ciências Económico-Sociais da entretanto extinta Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto, entre 1928 e 1944 (Nunes, 2012). Tenreiro não pudera acompanhar as campanhas da Missão Científica a São Tomé em virtude do compromisso com a LSE, mas insiste aqui na manutenção desse vínculo, apesar de também saber que contava com resistências da parte de outros membros dessa Missão.

15Um deles seria o antropólogo António de Almeida (1900-1984), professor na Escola Superior Colonial e chefe da campanha de trabalhos que se realizou no arquipélago em 1954 (Travassos, 2021). Os termos com que Tenreiro se refere a Almeida não são meigos, mas oferecem, em contrapartida, uma interessante perspectiva sobre o microcosmos das rivalidades pessoais e disciplinares próprio das elites científicas da época. Tenreiro também traz à colação o filólogo Luís Silveira (1912-2000), que era secretário da Comissão Executiva da JIU, organismo que durante muito tempo funcionou sem outros elementos para além do próprio secretário: «Sei que sobre o assunto foi mandada ouvir a Junta do Dr. Silveira. O que esta informou desconheço. Sei aliás que o meu “grande” amigo António de Almeida não vê isso com bons olhos… certamente, porque tem algum parente para encaixar na Missão» (CEG/Arq./FT/42: 2; República Portuguesa, 1950).

16Ante as dificuldades, Tenreiro apela a Orlando Ribeiro para que este interceda por forma a poder «realizar o sonho» de ir a São Tomé em missão de trabalho. Ao mesmo tempo, refere que escreverá em breve a António Mendes Correia (1888-1960), simultaneamente presidente da Escola Superior Colonial, do Plenário da JIU e da Sociedade de Geografia de Lisboa, além de deputado na Assembleia Nacional e antigo presidente da Câmara do Porto (CEG/Arq./FT/42: 2-3). O médico e antropólogo Mendes Correia foi uma figura central da «Escola do Porto» de Antropologia, a partir da qual impulsionou decisivamente a orientação colonial que esta disciplina adquiriu nas ciências sociais portuguesas na primeira metade do século XX. A série de cargos públicos que acumulava nessa fase adiantada da sua carreia faziam dele, porventura, o cientista social mais influente na sociedade portuguesa da época (Pereira, 2021).

17A outra indicação relevante que se extrai desta correspondência surge na seguinte passagem em que Francisco Tenreiro também alude à viagem que desejava realizar a África: «Oxalá, quando regressar a Portugal, me esteja ainda aberta a possibilidade de ir a S. Tomé assistir à conferência da CIAO» (CEG/Arq./FT/42: 2). Trata-se de uma referência à 6.ª sessão da Conferência Internacional dos Africanistas Ocidentais (CIAO), que veio a ocorrer em São Tomé em 1956, depois de a sua realização ter estado prevista para o ano anterior. De resto, a Missão Científica a São Tomé da JIU, instituída em 1954 e colocada sob a chefia de Ezequiel de Campos, como referimos, fora concebida para preparar a elaboração de resultados em várias temáticas a apresentar a essa conferência internacional (República Portuguesa, 1954). Nessa altura, a CIAO funcionava sob a égide da Comissão de Cooperação Técnica na África a Sul do Sara (CCTA), criada em 1950, e actuava como «Conselho Científico Regional» do designado Conselho Científico Regional para a África a Sul do Sara (CSA) – que, por sua vez, seria absorvido em 1964 pela Comissão Científica, Técnica e de Pesquisa da Organização de Unidade Africana (entretanto substituída pela União Africana).

18A CIAO tinha sido instituída a partir de uma iniciativa do Institut Français de l’Afrique Noire (IFAN), fundado em 1936, em Dakar, sob a égide do governo-geral da África Ocidental Francesa, o qual também teria continuidade em contexto pós-colonial como Institut Fondamentale de l’Afrique Noire. Em 1938, a direcção do IFAN foi confiada ao naturalista Théodore Monod (1902-2000), que se manteve no cargo até 1965. O termo da II Guerra relançou as condições para o funcionamento das actividades deste organismo, tendo a primeira sessão da CIAO sido realizada em Dakar, em 1945, integrando representantes dos quatro países europeus com interesses imperiais nessa sub-região africana – França, Reino Unido, Espanha e Portugal. Estes mesmos países definiam o respectivo âmbito geográfico como correspondendo ao «conjunto dos territórios respeitantes ao Litoral Atlântico entre o Trópico de Câncer e o Equador, assim como as ilhas compreendidas nos mesmos limites» (CSA, 1956; Solotareff, 1996; Ágoas, 2020; Castelo e Ágoas, 2020).

O círculo Bissau-Dakar

19O «Plano de investigação científica colonial» elaborado em 1941 pela então ainda designada Junta de Investigações Coloniais, de modo a realizar aquilo que o governo português definia como «ocupação científica do ultramar», preconizava a importância da pesquisa «sob o aspecto internacional», seguindo para o efeito as recomendações da African Research Survey, mormente a que indicava que «a África não pode ser convenientemente estudada na Europa» (Ministério das Colónias, 1945: 22; Rollo et al., 2012). Mas o desenvolvimento das agendas coloniais francesa e inglesa relativas aos territórios limítrofes do pequeno enclave que constituía a Guiné Portuguesa, a par da crescente influência diplomática norte-americana sobre essa região pressentida por Portugal desde meados da década de 1940, activaram a mobilização das principais instâncias e agentes científicos portugueses, à cabeça dos quais se distinguiu Mendes Correia, então presidente da Junta. A isso acrescia o significado da Guiné para o imaginário colonial português, num momento em que o Estado Novo realizava as «Comemorações do V Centenário da Descoberta da Guiné» (1946) (Valentim, 2007; Silva, 2008).

20Entre Dezembro de 1945 e Janeiro de 1946, Mendes Correia visitou a Guiné Portuguesa e Dakar, tendo articulado durante a sua passagem pelo Senegal a vinda de Monod a Lisboa, em 1946, onde o director do IFAN realizaria conferências e contactaria organismos científicos e coloniais. O principal propósito da viagem de Mendes Correia à África Ocidental Francesa e à Guiné Portuguesa foi a preparação da importante Missão Antropológica e Etnológica da Guiné (1946-1947), que o próprio Mendes Correia orientou a partir de Lisboa e que foi dirigida no terreno pelo zoólogo Amílcar de Magalhães Mateus (1911-1996?). Embora não tenha vindo a estar presente na 1.ª CIAO, Mendes Correia enviou a esta conferência uma comunicação sobre os estudos antropológicos em Cabo Verde e na Guiné, ao mesmo tempo que assumiu as funções de delegado de Portugal na Comissão Internacional Permanente da CIAO e de presidente do Comité Organizador português responsável pela segunda sessão destas conferências, que se veio a realizar em Bissau, capital da Guiné Portuguesa, em Fevereiro de 1947. Por seu turno, caberia a Amílcar Mateus apresentar os primeiros dados colhidos durante a primeira campanha da Missão Antropológica da JIU (Abril-Agosto de 1946) nas sessões da 2.ª CIAO (Matos, 2012; Matos, 2020; Martins, 2014; Santos, 2021).

21Foi neste contexto – que articula a promoção do conhecimento cientifico relativos às colónias, com a inserção da ciência portuguesa em redes internacionais de pesquisa, como era o caso da CIAO – que se concretizou a adesão do espaço disciplinar da Geografia universitária portuguesa ao terreno tropical explicitado por Francisco Tenreiro cerca de uma década depois, ao manifestar o seu desejo de participar na 6.ª sessão da CIAO, que se veio a realizar em São Tomé, em 1956. De facto, à parte a constituição da missão antropológica de 1946-1947, a JIU liderada por Mendes Correia decide enviar à Guiné duas outras missões que preparassem a apresentação de resultados na CIAO, uma Missão de Geologia e uma Missão de Estudos de Geografia Física e Humana, sendo que esta última ficava agrupada à missão de estudos geológicos. Enquanto a Missão de Geologia foi confiada a Carrington da Costa, Orlando Ribeiro chefiou a Missão de Geografia. A isto acrescia o convite que Mendes Correia endereçou a Ribeiro para que este integrasse a comissão organizadora da CIAO de Bissau na qualidade de segundo-delegado português (Ribeiro, 1950).

22Ocupado, nessa altura, com o projecto de uma missão de Geografia Humana a Cabo Verde, Orlando Ribeiro desvia-se desse seu interesse inicial de pesquisa e realiza um intenso trabalho de campo na Guiné entre Março e Maio de 1947. Este é rematado com uma segunda viagem à Guiné, realizada em Dezembro desse mesmo ano, durante a qual Ribeiro toma parte nas sessões e nas excursões da 2.ª CIAO. Estas duas viagens foram acompanhadas por um estreitar de contactos com os investigadores de Dakar, designadamente com Monod e Jacques Richard-Molard (1913-1951), chefe da Secção de Geografia do IFAN, de quem Ribeiro obteve diverso material bibliográfico e cartográfico (Blanchard, 1952; Solotareff, 1996; Tissier, 2011). A partir desta experiência, Ribeiro projecta realizar, com o patrocínio da JIU, um estudo sobre as colónias portuguesas na região que englobasse, simultaneamente, Cabo Verde, a Guiné e São Tomé (Ribeiro, 1950). Se o seu trabalho futuro sobre o arquipélago cabo-verdiano ficará assinalado por uma das mais conseguidas monografias da «Escola de Lisboa» que veio a ser A Ilha do Fogo e as suas erupções (1954), o facto é que Ribeiro acabará por não concretizar uma síntese geográfica sobre a Guiné Portuguesa, a respeito da qual apenas legou alguns textos esparsos, o último dos quais o curto capítulo intitulado «The Portuguese Province of Guinea. Land of estuaries and rivers» que Harrison-Church incluiu no referido livro West Africa (Havik e Daveau, 2010; Havik, 2013).

23Fosse como fosse, caberia a Francisco Tenreiro executar o essencial daquilo que os geógrafos de Lisboa fariam nas décadas seguintes sobre os dois territórios em falta no projecto de trabalho gizado por Orlando Ribeiro em 1947, à sua volta de Bissau. De facto, enquanto a monografia que Tenreiro escreveu sobre São Tomé não seria superada por nenhum trabalho posterior consagrado a esse espaço, também para a Guiné o seu contributo seria notado. Desde logo, Tenreiro aproveitou o material recolhido por Ribeiro em 1947 para escrever o longo ensaio «Acerca da casa e do povoamento na Guiné», que publicou em 1950 na qualidade de «colaborador» da Missão de Geografia da Guiné – designação que surge a partir de 1948, quando a anterior Missão de Geografia Física e Humana da Guiné ganha autonomia própria em relação à Missão de Geologia (República Portuguesa, 1948; Tenreiro, 1950b; Sarmento, 2022). Este estudo de Tenreiro tem também por base os recentes inquéritos etnográficos conduzidos por Avelino Teixeira da Mota (1920-1982) e pela equipa que este oficial da marinha e historiador reunira em torno de si no Centro de Estudos da Guiné Portuguesa, fundado em Bissau, em 1945, e que colaborava estreitamente com o IFAN, em particular com o geógrafo Richard-Molard (Mota, 1948). Por outro lado, Tenreiro elaborou – sempre sob orientação de Ribeiro – uma Bibliografia geográfica da Guiné, correspondente a outra das tarefas prevista no plano de trabalhos da Missão de Geografia da Guiné (Tenreiro, 1954). Regista 453 títulos publicados até ao ano de 1953, seguindo de perto o esquema adoptado na Bibliografia Geográfica de Portugal organizada e completada pelo geomorfólogo Mariano Feio (1914-2001) no Centro de Estudos Geográficos de Lisboa a partir de várias resenhas dispersas anteriormente publicadas pelo geógrafo alemão Hermann Lautensach (1886-1971) (Lautensach e Feio, 1948; Daveau, 2002). A Bibliografia da Guiné constitui um precedente claro do tipo de colaboração que Tenreiro emprestará pouco depois à Bibliography of tropical Africa de Daryll Forde.

24A troca de correspondência e restante material de arquivo referente à Missão de Geografia da Guiné tanto nos permite constatar em que medida o perfil de investigação geográfica trilhado por Tenreiro descola do seu envolvimento inicial com a investigação que Orlando Ribeiro iniciou em 1947 sobre a Guiné Portuguesa por encargo da JIU, mas também como esta colaboração – que acontecia, note-se, sem que Tenreiro por enquanto tivesse tido acesso directo ao terreno africano – levaria ao seu próprio envolvimento com a estrutura institucional da CIAO. Assim, pelo Relatório da Missão de Geografia da Guiné de 1948, confirmamos que Tenreiro realizara a parte principal do levantamento bibliográfico que Ribeiro nessa altura ainda pensava aproveitar para a edição de uma «Bibliografia Geográfica das Colónias Portuguesas». Coubera-lhe também coadjuvar Orlando Ribeiro na ordenação e classificação das fotografias recolhidas durante a campanha de 1947 e apresentar, em Seminário entretanto realizado no Centro de Estudos Geográficos, a «Análise de alguns trabalhos de Etnografia publicados pelo Centro de Estudos da Guiné Portuguesa», referência esta que remete directamente para os inquéritos etnográficos de Teixeira da Mota, que acabámos de referir (CEG/Arq./GNB/51). Mais de três anos depois do início dos trabalhos, o facto era que a Missão de Geografia da Guiné continuava reduzida ao seu chefe e à colaboração quase informal de Francisco Tenreiro. Ante isto, Orlando Ribeiro propõe à JIU que Tenreiro fosse nomeado «segundo assistente, adjunto da Missão de Geografia da Guiné» (CEG/Arq./GNB/27: 1), requerimento a que o Presidente da Junta deu o seu visto bom, mas que o então Ministro das Colónias, o capitão Teófilo Duarte (1898-1958), acabou por recusar, com o argumento «da compressão de despesas a fazer» (CEG/Arq./GNB/28: 1).

25Tal não impediu que Orlando Ribeiro continuasse a promover o nome de Francisco Tenreiro, desta feita no âmbito da CIAO. É o que acontece na circular que Mendes Correia e Orlando Ribeiro preparam, na qualidade de membros da Comissão Internacional Permanente da CIAO, para a chamada de trabalhos a apresentar na 5.ª sessão destas conferências, que se realizaria em Abidjan (Costa do Marfim), em 1953. Tenreiro é o último nome que consta da lista restrita de 24 pessoas «a quem pode ser mandada a circular da C.I.A.O.», como se lê em nota apensa ao rascunho desse texto. O seu nome ia integrado no contingente de possíveis conferencistas aptos a tratar temas sobre São Tomé e Príncipe, encabeçado por Ezequiel de Campos (CEG/Arq./CIAO/31). Outro documento da mesma época revela que Mendes Correia propôs a Sarmento Rodrigues, Ministro do Ultramar, que a representação efectiva da metrópole nessa reunião da CIAO fosse incumbida a Orlando Ribeiro e a Francisco Tenreiro, mas o novo ministro vetou também o nome de Tenreiro, alegando que a vaga em causa estava reservada para o delegado da Guiné (CEG/Arq./CIAO/42).

26Orlando Ribeiro reagiu de pronto a este despacho ministerial, cancelando o seu propósito de participar na reunião de Abidjan, na qual já se tinha comprometido a apresentar duas comunicações, uma sobre o campo eruptivo da ilha do Fogo, em Cabo Verde, e outra intitulada «Réflexions sur la conception de régions tropicales et de régions équatoriales» (CEG/Arq./CIAO/37, 41, 43). Ao mesmo tempo, expressou a vontade de renunciar ao seu lugar na Comissão Permanente da CIAO e de fazer-se substituir por Teixeira da Mota, decisão que comunicou, simultaneamente, ao presidente da JIU e a Monod (CEG/Arq./CIAO/46, 47, 49). A JIU, reunida em Sessão Plenária, declarar-se-á incompetente para deliberar sobre o pedido de demissão de Ribeiro, julgando que «o caso deve ser presente a nova reunião das C.I.A.O.» (CEG/Arq./CIAO/48). Tal foi pouco mais ou menos o mesmo que Monod transmitiu a Ribeiro, ao dizer-lhe que apenas a Sessão Plenária da CIAO poderia pronunciar-se sobre a substituição de membros da respectiva Comissão Internacional Permanente (CEG/Arq./CIAO/49).

27Se este episódio deverá sobretudo decorrer das tensões entre as delegações metropolitana e da colónia guineense que vinham de edições anteriores das CIAO (Ágoas, 2020) – sendo, portanto, alheio à figura de Tenreiro –, confirma-nos, em qualquer caso, que o nome deste último estava definitivamente associado ao projecto científico que Ribeiro desenhara para articular a Geografia de Lisboa à CIAO. A isto acrescia o facto de, desde 1951, estar definido que a respectiva 6ª sessão se deveria realizar na colónia portuguesa de São Tomé, em 1955, o que só reforça os argumentos que Orlando Ribeiro tinha para querer envolver Francisco Tenreiro nas redes «africanistas» da CIAO e do IFAN, mesmo que este ainda não fosse nem um académico nem sequer formalmente um geógrafo, mas apenas um terceiro-oficial interino no quadro administrativo do Ministério do Ultramar, diplomado com o Curso Colonial. Um último elemento indicia o envolvimento do próprio Tenreiro nos preparativos da 5.ª CIAO: as notas manuscritas intituladas «Plano de trabalhos para S. Tomé tendo em vista a realização da próxima CIAO», que aparecem escritas no verso de quadro folhas de um formulário que devia ser preenchido pelos funcionários da Repartição de Pessoal Civil Colonial do até pouco antes designado Ministério das Colónias antes de embarcarem com destino às colónias portuguesas em África ou na Ásia.

28Neste caso, trata-se de um documento não datado nem assinado. No entanto, reconhecemos com facilidade a caligrafia de Tenreiro. Traz igualmente uma nota sobre a elaboração em curso da Bibliografia geográfica da Guiné, pista esta que nos confirma uma data não posterior a 1953. Está organizado em três pontos, assim apresentados: «A. Trabalhos de base»; «B. Pequenas comunicações»; «C. Propaganda da ilha visando atrair à mesma um pouco de turismo». «A» abre com a proposta de «Elaboração de uma monografia sobre a ilha de S. Tomé, nos moldes da elaborada pelo Prof. Orlando Ribeiro para a ilha da Madeira», uma referência alusiva ao estudo geográfico que Ribeiro preparara para uma das excursões do Congresso da UGI de 1949, o qual irá servir de modelo para a generalidade das monografias sobre espaços insulares produzidas pela «Escola de Lisboa» (Ribeiro, 1949). Neste ponto, Tenreiro propõe também a reedição, em forma de edições críticas, de trabalhos esgotados, mas «muito curiosos», sobre as ilhas do golfo da Guiné, à cabeça dos quais a relação anónima quinhentista da navegação de Lisboa a São Tomé que ele próprio apresentara no congresso de 1949 e a História Etnographica da Ilha de S. Thomé (1895) de António Lobo de Almada Negreiros (1868-1939), além de uma «Bibliografia Geográfica da Ilha de S. Tomé nos moldes da que está sendo elaborada, sob orientação do Prof. Orlando Ribeiro, para a Guiné Portuguesa» e de um «levantamento fotogramétrico (fotografia aérea) da ilha». Em «B», especifica oito estudos temáticos, que correm entre a História das primeiras navegações europeias às ilhas do golfo da Guiné e umas «Achegas para o estudo etnográfico da ilha», passando por trabalhos sobre aspectos da geologia, geomorfologia, botânica, zoologia, cadastro, povoamento e estrutura económica e social actuais de São Tomé, a que acrescenta a elaboração de mapas também semelhantes aos que Ribeiro fizera para a Madeira. A pensar na divulgação de São Tomé, tal como previsto no ponto «C» deste Plano, Tenreiro propõe a realização de um filme subordinado ao título Um dia numa roça de S. Tomé, centrado nos «vários aspectos de actividade de uma exploração agrícola típica (Boa Entrada, Água Izé, Rio do Ouro, ou outra)», nomes correspondentes a algumas das principais unidades de produção agrícola de vocação exportadora da ilha (CEG/Arq./CIAO/29).

29O Ministério chefiado por Sarmento Rodrigues acabaria por considerar um facto «lamentável» que a recusa de Orlando Ribeiro em embarcar para Abidjan sem ser acompanhado por Francisco Tenreiro tivesse resultado na ausência de quaisquer representantes portugueses à 5.ª sessão da CIAO, tanto metropolitanos como até delegados da Guiné (CEG/Arq./CIAO/45). Quanto a Ribeiro, viu-se forçado pelas circunstâncias a repensar o seu auto-afastamento da Comissão Permanente destas conferências, sendo pouco depois citado por parte de Théodore Monod e do IFAN, por um lado, e por parte de Mendes Correia e da JIU, por outro, para ajudar nos preparativos da 6.ª CIAO (CEG/Arq./CIAO/51). É assim que, numa nota manuscrita inscrita na margem da convocatória que Ribeiro recebera da JIU para participar numa reunião preparatória dessa conferência, este enumera uma série de «Orientações (Monod)», entre as quais uma que lembra «S.T. Tenrº (esquecido)» - isto é, os estudos de Tenreiro sobre São Tomé, que aí aparecem alinhados ao lado de referências aos contributos previstos de Teixeira da Mota e do próprio Orlando Ribeiro sobre a Guiné, Fernando Pó, a erupção da ilha do Fogo e o Brasil (CEG/Arq./CIAO/52).

30Todo este processo teve o seu desfecho quatro anos depois, em 1958, quando se voltou a discutir a preparação de uma representação portuguesa à CIAO – nesse caso, à 7.ª edição destas conferências, programada para Acra, no Gana. Nessa altura, Ribeiro torna a manifestar vontade de se afastar da Comissão Permanente da CIAO e de não tomar parte na conferência prevista para o ano seguinte no University College, em Acra, desta vez alegando que não voltara a ocupar-se de assuntos relativos à África Ocidental desde que estudara a ilha do Fogo. Escudado nestas razões, propõe à Comissão Nacional da CIAO, por interposto Carrington da Costa, que a representação do Agrupamento Científico de Preparação de Geógrafos para o Ultramar Português – designação do organismo especializado da JIU em funcionamento no Centro de Estudos Geográficos de Lisboa a partir de 1958, sob a direcção do próprio Ribeiro (Tendeiro, 1958; Oliveira, 2017) – fosse assumida pelo seu colaborador Francisco Tenreiro, «que, nos últimos anos, se dedica ao estudo das ilhas do golfo da Guiné e que, oportunamente, entregou já à Comissão Nacional da CIAO o resumo de um trabalho acerca da ilha de São Tomé, a apresentar na próxima reunião» (CEG/Arq./CIAO/61: 1).

31Ribeiro tem em mente o trabalho «A floresta e a ocupação humana na ilha de São Tomé», que Francisco Tenreiro veio a publicar em Lisboa no mesmo ano em que publicou o livro correspondente à sua tese de Doutoramento em Geografia (Tenreiro, 1961a; Tenreiro, 1961c). Tanto num caso como no outro, fora a experiência de trabalho de campo que Tenreiro iniciara em São Tomé em 1956, assim como a sua participação na 6.ª sessão da CIAO, que decorrera nessa mesma altura em São Tomé – e onde Tenreiro, finalmente, conseguira ir ler a comunicação «São Tomé e Príncipe: alguns traços geográficos» (Tenreiro, 1961b; Amaral, 1979) –, que garantiram os argumentos que faltavam para que este integrasse por inteiro esse restrito círculo científico a que há muito manifestara ambição de frequentar, ambição essa que Orlando Ribeiro sempre secundara.

32Em 1960, escrevendo do IFAN para o Centro de Estudos Geográficos de Lisboa, será já com Tenreiro que Monod se aconselha sobre a proposta que então pensa levar à Comissão Internacional Permanente da CIAO no sentido de que Teixeira da Mota ocupasse o lugar entretanto aí deixado vago pela morte de Mendes Correia (CEG/Arq./CIAO/63). Na volta do correio, Tenreiro terá «le plus vif plaisir» em concordar com a escolha do nome que doravante o passará a acompanhar, enquanto representante de Portugal, na estrutura de coordenação da CIAO (CEG/Arq./CIAO/66: 1). Acrescente-se que não é apenas neste círculo que as figuras de Tenreiro e Teixeira da Mota se voltam a cruzar nestes anos: em 1957, tinham ambos sido eleitos deputados à Assembleia Nacional para a VII Legislatura (1957-1961), Tenreiro pelo círculo de São Tomé e Príncipe e Teixeira da Mota pelo círculo da Guiné. Na Assembleia Nacional, ambos farão também parte da respectiva Comissão do Ultramar e discutem alguns temas de interesse comum, como a proposta de lei do II Plano de Fomento (1959-1964) e questões relativas ao ensino nas «províncias ultramarinas» (Tchen, 2005a; Tchen, 2005b). Confirmavam-se assim, desta feita na esfera política, afinidades que se vinham cultivando desde que um e outro se haviam entregue ao estudo ora da geografia humana, ora da antropologia cultural da Guiné.

O Relatório de São Tomé: trabalho de campo e fontes de observação indirecta

33O exemplar dactilografado e não datado que manuseámos do Relatório preliminar que Francisco Tenreiro escreveu em 1957 sobre a campanha que realizara no ano anterior para o estudo geográfico da ilha de São Tomé encontra-se, desde essa altura, à guarda do mesmo Centro de Estudos Geográficos da Universidade de Lisboa no qual Tenreiro iniciara a sua colaboração com Orlando Ribeiro havia uma década. Como referimos, a respectiva estrutura parece decalcada do Relatório da Missão de Geografia à Guiné que Ribeiro concluiu ao regressar a Lisboa vindo de Bissau, depois de participar na 2.ª sessão da CIAO, e que sumariza o trabalho de campo que Ribeiro fizera na Guiné Portuguesa entre Março e Maio de 1947 (Ribeiro, 1950). Já o Relatório da Missão de Geografia da Guiné que Ribeiro apresentou à JIU em 1948 (CEG/Arq./GNB/51), sendo apenas uma súmula de estudos de gabinete realizados pela mesma Missão durante esse ano – boa parte dos quais incumbidos a Tenreiro, como também assinalámos –, oferecia uma estrutura manifestamente desadequada para servir de modelo a este Relatório preliminar que o próprio Tenreiro redigiu sobre o seu primeiro trabalho de campo em São Tomé, razão pela qual, desta vez, não se detecta qualquer relação entre os dois textos.

34Francisco Tenreiro abre o seu Relatório de 1957 com a descrição sumária dos antecedentes da sua missão a São Tomé, o que inclui uma rápida panorâmica sobre o percurso que realizara até então em torno dos «problemas científicos do mundo tropical», fosse na Escola Superior Colonial, junto de Medeiros Gouveia, fosse no Centro de Estudos Geográficos, com Orlando Ribeiro, fosse mais recentemente na Universidade de Londres, com Harrison-Church e Daryll Forde, e na Secção de Ciências Geográficas da Faculdade de Letras de Lisboa, aqui já como responsável pela regência da cadeira de Geografia Colonial. Lembra também a sua nomeação como geógrafo para a Missão Científica de São Tomé chefiada por Ezequiel de Campos, cujo nome não chega a citar, ao invés do de Mendes Correia, recordado por o ter proposto para integrar essa Missão polivalente. Neste preâmbulo, Tenreiro recorda ainda ser natural de São Tomé, bem como a série de pequenos trabalhos sobre a geografia desta ilha que vinha publicando ou apresentando em congressos internacionais desde 1949.

35A isto acrescenta uma primeira advertência: partira de Lisboa com o propósito de encetar o estudo do conjunto das ilhas do golfo da Guiné, mas, atendendo ao curto período de que dispusera para realizar o trabalho de campo (menos de dois meses, entre meados de Agosto e meados de Outubro de 1956, por força das obrigações académicas na Faculdade e das delongas burocráticas do Ministério da Educação Nacional na concessão da necessária licença para se ausentar do serviço docente), optara por concentrar-se em São Tomé: «Preferi estudar uma única ilha, mesmo só nos seus aspectos gerais, a ficar conhecendo mal quatro – os dois meses mal dariam para as viagens…» (CEG/Arq./FT/19: 3). Daí também uma segunda advertência: o despacho do Ministro do Ultramar que o habilitava a realizar o estudo em causa previa a realização de duas campanhas, motivo pelo qual os resultados agora entregues eram pouco mais do que preliminares: «Nem é o momento de apresentar dados finais, nem mesmo é em relatórios que eles devem figurar. Os resultados desta e da futura campanha serão avaliados pelos artigos e estudos que publicarei em livros e revistas da especialidade» (CEG/Arq./FT/19: 3). Seja como for, a redacção desde documento, destinado à circulação interna nas estruturas da JIU e do Ministério do Ultramar português, traduz um conhecimento tudo menos superficial do quadro estudado e dos principais desafios metodológicos que este objecto colocava a um geógrafo que, como Tenreiro, evoca em cada momento a sua filiação na clássica Géographie humaine francesa e levava vários anos de produção bibliográfica sistemática sobre a geografia e a história da «sua» ilha equatorial.

36Expostas estas considerações preambulares, o Relatório é organizado em sete pontos, o primeiro dos quais referente ao «Trabalho de campo» propriamente dito. Sabemos serem muito escassas as informações escritas pelos geógrafos portugueses da época sobre a metodologia empregue no terreno – questão que, de resto, está longe de constituir uma excepção no panorama da Geografia do mesmo período, até porque decorre de um tipo de saber transmitido essencialmente por mimetismo, a partir da observação que os alunos faziam da prática dos seus professores (Hallair, 2017). Por este motivo, os elementos reunidos neste apartado do Relatório de Tenreiro têm um valor acrescido, seja quanto à tipologia de dados recolhidos, seja quanto às formas de acessibilidade ao terreno, seja ainda quanto aos próprios materiais empregues para a execução do estudo. Logo no primeiro parágrafo, Tenreiro resume o essencial de quase tudo isto: «O mapa junto dá ideia do território por mim coberto, quer por estradas ou caminhos de jeep, quer a pé ou a cavalo em caminhos de pé posto. Voei também por sobre a ilha, o que me deu a noção de conjunto das suas formas, do movimento do relevo, da oposição das terras altas e das terras baixas, da densidade de vegetação e do tipo de povoamento, etc.» (CEG/Arq./FT/19: 4).

37Sobre um mapa topográfico genérico da ilha, Tenreiro marcou os principais caminhos percorridos e os limites da área estudada, dentro da qual estão assinaladas as principais povoações (Figura 1). No texto, acrescentou os problemas decorrentes da escassez de tempo de que dispusera e dos magros recursos emprestados à campanha, bem como os expedientes que usara para contornar as maiores dificuldades:

O subsídio que me foi atribuído não permitia alugar automóveis, cujos motoristas, aliás, se recusavam a levar-me pelas péssimas estradas do sul e do noroeste. Muitas vezes recorri à boa vontade dos particulares que, espontânea e gentilmente, me levaram em carrinhas por maus caminhos e me alojavam nas suas propriedades, dando-me assim a oportunidade de atingir regiões ou locais que só pelos meus próprios meios seriam difíceis de alcançar. Por várias vezes permaneci dias seguidos em propriedades agrícolas espalhadas por toda a ilha, tendo estudado no pormenor da vida diária a organização característica da plantação, baseada no cultivo de produtos de rendimento e na acumulação de trabalho humano. (CEG/Arq./FT/19: 4)

Figura 1. Francisco Tenreiro, Mapa dos caminhos percorridos e da área estudada durante o trabalho de campo realizado na Ilha de São Tomé em 1956

Figura 1. Francisco Tenreiro, Mapa dos caminhos percorridos e da área estudada durante o trabalho de campo realizado na Ilha de São Tomé em 1956

Arquivo do Centro de Estudos Geográficos da Universidade de Lisboa (CEG/Arq./FT/19)

38A desejada subida ao ponto mais elevado da ilha – o Pico de São Tomé, a cerca de 2000 metros de altitude, situado no oeste da ilha – fora inviabilizada pelo adiantado do ano e o fim da estação seca, a gravana, que ocorre entre Junho e o início de Setembro. Ainda assim, Tenreiro acrescenta que essa subida deveria ser realizada no decorrer da segunda campanha, prevista já para o 1957, de modo a cumprir aquela que constituía uma das primeiras etapas do trabalho de campo geográfico herdado das tradições francesa e alemã de Geografia: o reconhecimento panorâmico das formas visíveis da paisagem a partir de um ponto elevado (Hallair, 2017; Oliveira, 2021b). De qualquer modo, as observações realizadas haviam permitido fazer o reconhecimento geral da estrutura do relevo e do tipo de costas, e dos seguintes dados fundamentalmente relevantes para o domínio da geografia humana: o estudo da cidade e do «povoamento nativo» dos seus arredores, a análise dos «modos de vida de nativos e angolares, cultivadores ou pescadores» – referência esta que envia para o grupo cultural e linguisticamente distinto em São Tomé, pouco integrado com a restante população e sobretudo presente no sul da ilha (Tenreiro, 1961a; Seibert, 2004; Espírito Santo, 2021, Giraldo Villamizar et al., 2021) – e, ainda, adiantar o conhecimento sobre a organização agrícola e económica das roças (fazendas), «a fim de determinar tipos, consoante a importância e especialização de culturas» (CEG/Arq./FT/19: 4-5).

39No ponto II do Relatório, Tenreiro passa em revista outros elementos de informação recolhidos em São Tomé, o primeiro dos quais correspondente aos inquéritos sumários que realizou na cidade de São Tomé e nos povoados vizinhos, bem assim como em algumas roças, tendo em vista identificar «modos de vida», técnicas agrícolas, rendimentos da terra, características da mão-de-obra, organização económica das plantações, tipologia da habitação, aldeamentos e circulação de produtos, entre outros aspectos próprios dos inquéritos de geografia humana, alguns dos quais se repetiam aqui. Mercê de «amplas facilidades» concedidas pelo então Governador da Província, coronel Francisco António Pires Barata (1907-1987), Tenreiro escreve ter podido também recolher, junto dos Serviços de Estatística, da Câmara Municipal e da Direcção de Fazenda e Curadoria, elementos vários que se revelaram de grande utilidade para o seu trabalho, apesar da deficiência geral das estatísticas que consultou. Faz aqui uma larga exposição sobre os problemas que sentiu em traduzir a distribuição humana ou social de São Tomé em termos geográficos tendo por base dados estatísticos que nem assentavam num «cadastro em termos», nem contemplavam a individualização dos vários grupos que traduziam a «estrutura sui generis» da sociedade da ilha. Desabafa a este propósito: «O investigador perde, em cálculos e em inquéritos, tempo preciso e corre o risco de vir a traduzir em erros os aspectos populacionais da ilha» (CEG/Arq./FT/19: 6-7).

40Apesar da alusão explícita à colaboração prestada pelo anterior governador de São Tomé, a qual sabemos que constitui também uma quase cláusula formal nesta tipologia de documentos, temos indícios das dificuldades que Tenreiro efectivamente terá tido de enfrentar durante esta sua primeira experiência de trabalho de campo na ilha. Em testemunho recolhido recentemente, a sua colega Raquel Soeiro de Brito (n. 1925) aludiu a este mesmo facto, o qual se teria ficado a dever – pelo menos, em parte – à condição mestiça de Tenreiro: «Quando o Tenreiro começou o estudo de São Tomé, não era ainda nada… era um assistente na Universidade – “um preto assistente de Universidade”, como se dizia então (…) Depois, quando foi eleito para a Assembleia Nacional, então já era “Senhor Deputado”. Então já foi com outro estatuto: já tinha carro e chauffeur, já era outro negócio… Já foi recebido pelo Governador…» (Giraldo Villamizar et al., 2021: 31). A ironia que Francisco Tenreiro empregou numa carta endereçada a Orlando Ribeiro no início da sua segunda viagem de estudo a São Tomé, em Junho de 1957, parece confirmar o testemunho de Raquel Soeiro de Brito: «Já comecei a trabalhar nos Ser[viços] Públicos da cidade e tenho escrito alguma coisa. Tenho dedicado esta semana a planear a minha actividade futura. O Governador foi todo facilidades…» (CEG/Arq./FT/16: 1).

41Depois de descrever neste seu Relatório preliminar de 1957 os obstáculos que tinha enfrentado para aproveitar os dados estatísticos referentes à população, Tenreiro lembra constrangimento idêntico quando o tema fora tratar os valores referentes às distintas culturas com valor de mercado, como o cacau e o café, com base em unidades de referência que, como as freguesias e as «zonas» económicas, eram vistas como demasiado vastas, as primeiras, ou demasiado vagas, as segundas. A questão tinha evidentes consequências para outra das principais questões colocadas ao geógrafo empenhado em estudar as relações existentes entre o meio e a acção humana e em individualizar unidades geográficas que fossem coerentes do ponto de vista paisagístico (Gomes, 1978). Tenreiro sintetiza a propósito:

O investigador facilmente se apercebe das condições fisiográficas, dos limites, que condicionam a expressão humana dos territórios, mas logo lhe faltam elementos numéricos que lhe permitam a tradução cartográfica da mesma. De momento, e dado o reconhecimento a que procedi, fica-me a possibilidade de elaborar as grandes manchas interpretativas dos vários fenómenos humanos. É uma aproximação, uma sugestão da realidade e não a própria realidade que pretendo transmitir. (CEG/Arq./FT/19: 7)

42Aspecto complementar a este decorria da principal cartografia manuseada para apoio dos trabalhos de campo, que Francisco Tenreiro identifica com o mapa topográfico e cadastral da ilha de São Tomé na escala 1:50.000, publicado pela Comissão de Cartografia do Ministério das Colónias, em 1920, e cuja execução fora coordenada pelo então capitão-de-mar-e-guerra Gago Coutinho. Apesar de também ter aproveitado dois mapas topográficos produzidos a partir deste mapa, um na escala de 1:100.000 e o outro na de 1:50.000, Tenreiro recomendava que se procedesse à elaboração de um mapa mais expressivo no que respeitava ao relevo e ao desenho da costa, e que assinalasse também «as marcas fundamentais que o homem, numa já longa ocupação do solo, ali imprimiu». Sugere, para o efeito, o aproveitamento dos levantamentos fotogramétricos que supunha executados pela Missão Geo-Hidrográfica de Angola e São Tomé – na verdade, realizados pela Missão Hidrográfica de Angola e São Tomé, cujos trabalhos tinham sido alargados a São Tomé desde 1954 e funcionava sob a égide dos Ministérios da Marinha e do Ultramar (Santos, 2012; FiSciPE, 2021) –, e que o «futuro mapa» acrescentasse diversos novos elementos, que especifica, sobre a vegetação, plantações, formas de povoamento e caminhos (CEG/Arq./FT/19: 7-8). Sugere ainda à Administração colonial que tutela a sua investigação que se estabelecesse uma rede de postos meteorológicos que completassem a única estação meteorológica de São Tomé (em funcionamento no aeroporto), para atender à diversidade de condições de tempo e clima que decorriam da ilha apresentar «várias regiões ou zonas climáticas conforme se vai do norte para o sul ou do litoral se sobe em altitude» (CEG/Arq./FT/19: 9). E remata assim este ponto dedicado ao material recolhido em campanha: «Finalmente, como elemento subsidiário de trabalho, tirei cerca de 300 fotografias, que abrangem aspectos morfológicos e humanos da ilha» (CEG/Arq./FT/19: 9).

43Esta última indicação lacónica sobre fotografias é a única registada no Relatório sobre aquele instrumento que, a par do caderno de campo, constituía o principal método geográfico de terreno. Material clássico do geógrafo in situ, as fotografias – neste caso, ao contrário dos cadernos de campo – tinham o estatuto de fonte científica compartilhada, sendo integradas nas colecções dos centros universitários de proveniência dos investigadores, onde serviam propósitos didácticos, eram empregues em artigos e publicações diversas e podiam ser cedidas a colegas e instituições estrangeiras (Claval, 2013b; Hallair, 2017; Mendibil, 2019). Uma consulta ao espólio guardado na Fototeca do Centro de Estudos Geográficos de Lisboa permitiu-nos identificar 179 fotografias realizadas em preto e branco correspondentes a este conjunto bem mais vasto que Francisco Tenreiro declarou ter recolhido na altura. O resto em falta corresponde às 123 as fotografias da autoria de Tenreiro que nos aparecem reproduzidas no seu livro-tese A Ilha de São Tomé: estudo geográfico, manifestamente desagregadas do conjunto inicial e que não foram devolvidas ao arquivo. Devem somar-se também a este conjunto 46 fotografias de Angola preservadas na Fototeca do Centro de Estudos Geográficos, incluindo uma composição panorâmica com a vista da baía da Luanda, onde Tenreiro fez escala à volta de São Tomé (Figura 2).

Figura 2. Vista geral da cidade de Luanda (Angola) em 1956

Figura 2. Vista geral da cidade de Luanda (Angola) em 1956

Fotografias de Francisco Tenreiro. Fototeca do Centro de Estudos Geográficos da Universidade de Lisboa (F.T.-1956-XII-P)

44Os cartões descritivos das fotografias da Fototeca do Centro de Estudos Geográficos vêm legendados pela mão de Tenreiro e cobrem um conjunto recorrente de dados próprios da geografia física e – sobretudo – da geografia humana: perfis dos cones vulcânicos; aspectos do coberto vegetal, de culturas agrícolas e derrubada de mato; caminhos; a alfândega do porto, a pesca e as embarcações; aspectos da urbanização recente e da estatuária da capital; tipos de habitações; terreiros e edifícios de roças; cenas e actividades do quotidiano – lavadeiras, vendedeiras, abate de animais para alimentação, danças e festas, por exemplo (Figuras 3-8). A única excepção diz respeito a uma fotografia tirada numa pausa da 6.ª sessão da CIAO, na qual Tenreiro registou um grupo de conferencistas portugueses. Acrescente-se que o mesmo espólio da Fototeca integra um conjunto de 132 fotografias tiradas por Tenreiro em 1957, neste caso cobrindo todas as ilhas do golfo da Guiné percorridas durante a missão desse ano: o arquipélago de São Tomé e Príncipe (incluindo o Ilhéu das Rolas, que é cruzado pela linha do equador) e as ilhas Ano Bom (Annobón) e Fernando Pó (actual Bioko), as parcelas insulares mais importantes da então Guiné Espanhola.

Figura 3. Ilha de São Tomé. Uma «forma» de angolares «salsando» o mato. Fotografia e legenda de Francisco Tenreiro, 1956

Figura 3. Ilha de São Tomé. Uma «forma» de angolares «salsando» o mato. Fotografia e legenda de Francisco Tenreiro, 1956

Fototeca do Centro de Estudos Geográficos da Universidade de Lisboa (F.T.-1956-V-20)

Figura 4. Ilha de São Tomé. Roça Laranjeiras. Terreiro: senzala e secadores de copra. Fotografia e legenda de Francisco Tenreiro, 1956

Figura 4. Ilha de São Tomé. Roça Laranjeiras. Terreiro: senzala e secadores de copra. Fotografia e legenda de Francisco Tenreiro, 1956

Fototeca do Centro de Estudos Geográficos da Universidade de Lisboa (F.T.-1956-II-8)

Figura 5. Ilha de São Tomé. Casas de nativos existentes na cidade por detrás do Bairro de São João. Fotografia e legenda de Francisco Tenreiro, 1956

Figura 5. Ilha de São Tomé. Casas de nativos existentes na cidade por detrás do Bairro de São João. Fotografia e legenda de Francisco Tenreiro, 1956

Fototeca do Centro de Estudos Geográficos da Universidade de Lisboa (F.T.-1956-III-20)

Figura 6.Ilha de São Tomé. Uma avenida e casas novas junto ao centro comercial da cidade. Fotografia e legenda de Francisco Tenreiro, 1956

Figura 6.Ilha de São Tomé. Uma avenida e casas novas junto ao centro comercial da cidade. Fotografia e legenda de Francisco Tenreiro, 1956

Fototeca do Centro de Estudos Geográficos da Universidade de Lisboa (F.T.-1956-IX-32)

Figura 7. Ilha de São Tomé. Pescadores forros em frente da praia de Diogo Nunes. Ao fundo, o Ilhéu das Cabras. Fotografia e legenda de Francisco Tenreiro, 1956

Figura 7. Ilha de São Tomé. Pescadores forros em frente da praia de Diogo Nunes. Ao fundo, o Ilhéu das Cabras. Fotografia e legenda de Francisco Tenreiro, 1956

Fototeca do Centro de Estudos Geográficos da Universidade de Lisboa (F.T.-1956-II-28)

Figura 8. Ilha de São Tomé. Dongo com vela quadrada (nordeste da ilha). Fotografia e legenda de Francisco Tenreiro, 1956

Figura 8. Ilha de São Tomé. Dongo com vela quadrada (nordeste da ilha). Fotografia e legenda de Francisco Tenreiro, 1956

Fototeca do Centro de Estudos Geográficos da Universidade de Lisboa (F.T.-1956-XI-25)

A súmula dos resultados

45O terceiro dos sete pontos nos quais está dividido o Relatório preliminar que Francisco Tenreiro escreveu para a JIU sobre o trabalho de campo de dois meses realizado em São Tomé, em 1956, reporta uma «Súmula de resultados científicos». Lembrando não ser este o momento de apresentar os dados finais das suas investigações geográficas, Tenreiro circunscreve o respectivo objectivo ao propósito de «dar em linhas gerais parte da problemática que o primeiro contacto com a ilha proporcionou» (CEG/Arq./FT/19: 10). Os resultados vêm repartidos em oito apartados distintos, não numerados e também de extensão desigual: «Unidades geográficas», «O relevo», «População», «Povoamento», «A cidade», «A roça», «Mão de obra: os caboverdianos» e, finalmente, aquele que se intitula «Originalidade de ilha».

46Para a síntese de cada uma das três «unidades geográficas» nas quais reparte São Tomé – Nor-nordeste, Centro-ocidental montanhoso e Sul –, Tenreiro parte, invariavelmente, da caracterização topográfica e climática, passando depois à identificação de vestígios (quando os há) da vegetação primitiva e das características da vegetação introduzida ou da vegetação reconstituída ou degradada, para terminar com a caracterização das densidades populacionais, da estrutura do povoamento, das principais roças ou plantações e do perfil das costas de cada uma dessas três unidades. A natureza esquemática do documento não dá ensejo a uma reflexão sobre os factores decisivos de diferenciação – e aqui, desde logo, ao destaque que Tenreiro concedeu aos factores de ocupação humana para explicar o modelado de paisagens diferentes (Tenreiro, 1961a). Ainda assim, um leitor prevenido reencontra neste texto a aplicação do racional próprio aos inquéritos geográficos que buscavam a definição dos limites dos territórios a partir da identificação de paisagens-tipo, cujo traço relativamente homogéneo – mesmo tratando-se de unidades geográficas de pequena dimensão, como era o caso – cabia ao geógrafo captar e individualizar através da justaposição da observação directa e das fontes de observação indirecta correspondentes aos mapas, fotografias, inquéritos e estatísticas, entre outras (Bruneau e Courade, 1984; Claval, 2013b; Hallair, 2017).

47Tendo oferecido esta síntese relativa à diferenciação regional do espaço da ilha, assente na convicção que Tenreiro professava na «transparência» documental das paisagens (Mendibil, 2019: 117) e na importância reservada a factores como a repartição e a densidade populacional para a «explicação geográfica» (Gourou, 1973: 153), este passa a apresentar alguns dos problemas que mais ocupavam os geógrafos físicos, relativos à evolução das formas de relevo. Neste particular, avança também com uma tentativa de explicação que extravasa a área estrita em exame e reclama estudos comparativos: «A ilha deverá, neste aspecto, ser estudada no conjunto vulcânico a que pertencem todas as ilhas do Golfo da Guiné e que se prolonga pelo continente africano até às margens do lago Tchad. Também com formações congéneres da África Ocidental terão de ser relacionados os arenitos grosseiros que se encontram perto de Uba Budo» – na costa ocidental da ilha (CEG/Arq./FT/19: 12).

48O ponto relativo à caracterização da população de São Tomé é marcado por dois aspectos significativos do trabalho de Tenreiro. O primeiro volta a ser o propósito de superação das lacunas detectadas nas estatísticas oficiais que consultara de modo a conseguir o retrato pretendido, designadamente dos três grupos principais que entende conformarem o contingente principal de «população nativa mais ou menos mestiçada»: forros, tongas e angolares. Por outro lado, ensaia uma caracterização de conjunto da sociedade são-tomense, a qual parte da tentativa de enquadrar o caso estudado no esteio mais amplo de uma matriz portuguesa-ocidental de colonização, conforme uma grelha de leitura amplamente executada por Orlando Ribeiro para outras partes do Império e que tece também vínculos estreitos com as teses de temática «luso-tropicalista» de Gilberto Freyre, que ambos leram (Ribeiro, 1962; Castelo, 1999; Castelo, 2019). Resume Tenreiro:

A sociedade de São Tomé é, do ponto de vista dos modos de vida e da cultura, muito fraccionada – uma “sociedade plural”. Numa sociedade deste tipo não admira que se possam levantar problemas sociais e económicos melindrosos. Dois traços culturais são, não obstante, veiculares no entendimento dos diferentes grupos: a língua e a religião. O português é língua que todos compreendem ou falam e o dialecto crioulo, que se bebe com o leite, é, apesar das muitas influências africanas, um português arcaico alterado fonèticamente. O catolicismo está profundamente arreigado na população nativa que, nos aspectos exteriores e materiais da sua vida, é bem portuguesa. Aliás a complicação dos grupos nativos tende a simplificar-se: tanto angolares como tongas estão a bilá fôlo (virar forro), fenómeno aculturativo muito importante que os torna cada vez mais próximos dos europeus. (CEG/Arq./FT/19: 12-13)

49A síntese sobre o povoamento que vem a seguir é logo desdobrada nos dois pontos imediatos, o primeiro com a descrição da cidade de São Tomé, o segundo com a descrição da estrutura e do funcionamento das roças. Sobre a única cidade da ilha – «exemplo de uma das muitas cidades que o português rasgou no mundo tropical», como diz a abrir (CEG/Arq./FT/19: 13-14) –, confronta a morfologia «europeia» e a repartição funcional das várias áreas centrais com o «“ar africano” das gentes que passam» pelas ruas e com a tipologia das casas tradicionais de madeira da população nativa que se erguiam por detrás das fachadas de alvenaria, cuja tipologia, formas de cobertura e compartimentação interior pormenoriza e nas quais torna a descobrir um aspecto geral que denota «influência nìtidamente portuguesa» (CEG/Arq./FT/19: 14). Concomitantemente, expõe os principais resultados do estudo que fizera com o propósito de conhecer a orgânica e a tipologia das roças e avaliar as recentes alterações no seu funcionamento que tinham sido sobretudo determinadas pelas dificuldades de recrutamento de mão-de-obra. Este tema articula-se directamente com o ponto dedicado à mão-de-obra cabo-verdiana, que Tenreiro começa por escusar-se a tratar, sequer sumariamente, tanto por ser «assunto de grande melindre que pressupõe análise calma e demorada», como por ser problemática cujo estudo «terá que ser feito em análise sociológica relevante – em inteira independência» (CEG/Arq./FT/19: 16).

50Apesar desta ressalva, Tenreiro acaba por não se furtar à leitura a um tempo sociológica e política daquela que constituía uma das mais sérias questões de actualidade social da ilha, reflectida nas condições de trabalho dos contratados (serviçais) e nas formas como se processava o seu recrutamento – ou a sua «transferência autoritária», como este recrutamento foi classificado por outros investigadores da JIU da mesma época (Oliveira, 1993 [1960]: 255). Os anátemas que vinham da célebre questão do «cacau escravo» de São Tomé, suscitada na transição do século XIX para o século XX, acabavam de ressurgir nas circunstâncias daquele que ficou conhecido como o Massacre de Batepá, ocorrido em Fevereiro de 1953, no consulado do governador Carlos de Sousa Gorgulho (1898-1972), e que vitimou um número indeterminado forros, o grupo social dominante na ilha e é lido como tendo sido o episódio seminal do nacionalismo são-tomense (Seibert, 2008; Jerónimo, 2010; Alexandre, 2017; Rodrigues, 2019). Tudo isso ecoa nos subentendidos e nas cautelas deste apartado do texto de Tenreiro. Sobre a manifesta resistência que os cabo-verdianos demonstravam em adaptar-se ao «regime» da roça, Tenreiro vaticina: «Muitos “quebram” os contratos e encontram-se hoje desgarrados, sem status, por entre a população nativa de quem recebem influências e a quem vão influenciar culturalmente, com benefícios e prejuízos para ambos os grupos. O contacto cultural está em franco processo» (CEG/Arq./FT/19: 16).

51Este tipo de raciocínio, que combina análise sociológica com considerações sobre a actualidade política da colónia de São Tomé, é replicado na síntese sobre a «originalidade» de São Tomé, que Tenreiro lê como resultado da concatenação da respectiva estrutura agrária, do processo de colonização e da história das relações com outros espaços do Império português, actuais ou pretéritos: «(…) ilha de substrato cultural vincadamente português, embora aparentada no seu desenvolvimento com as Ilhas Atlânticas e com o Brasil, é hoje caso único, pela sua estrutura agrária, no Mundo Português» (CEG/Arq./FT/19: 17). Orlando Ribeiro, quando fez a sua própria síntese da monografia que Tenreiro viria a escrever pouco depois como tese de doutoramento em Geografia, substituiria apenas o «caso único» que a sociedade são-tomense já aqui constituía aos olhos de Tenreiro pela ideia segundo a qual a ilha de São Tomé ocupava, no quadro da expansão portuguesa, uma «posição ambígua e, por isso mesmo, singular» (Ribeiro, 1962: 162).

52Poucos anos mais tarde, Carlos Alberto Medeiros (n. 1942) recolheria as mais significativas monografias insulares produzidas pela «Escola de Lisboa» até finais da década de 1960 em busca da forma como a «observação das paisagens humanizadas, que é como quem diz da própria Geografia humana», confirmaria a presença, em traços mais ou menos nítidos, da «civilização rural portuguesa» transposta para todas essas ilhas do Atlântico, incluindo as ilhas próximas do Equador. E também Medeiros concluiria, como Tenreiro e Ribeiro, a favor da excepcionalidade da ilha de São Tomé, o único caso entre os arquipélagos da Madeira, Açores, Cabo Verde e do próprio São Tomé, em que o «arranjo das paisagens» não decorreria fundamentalmente das condições físicas (climáticas e morfológicas), mas antes do «condicionamento humano» ditado pela constituição de grandes propriedades e por uma economia de exportação: «Não terá sido tanto a influência de Balandier, como o próprio assunto em si, o responsável pelo alargamento sociológico que o belo livro de Tenreiro contém», conclui (Medeiros, 1969: 115). O que era verdade para a monografia de 1961 já o era para o Relatório de 1957.

Os últimos pontos do Relatório

53Constituindo a parte mais esquemática Relatório preliminar de Francisco Tenreiro, os quatro últimos pontos deste documento indicam, respectivamente, «Objectivo de trabalho», «Outras actividades», «A nova campanha» e «Conclusão». No primeiro destes pontos, Tenreiro torna a informar sobre o seu propósito principal: articular os resultados do trabalho de campo agora iniciado com a bibliografia e a estatística disponíveis para redigir uma monografia geográfica de São Tomé. A isto acrescenta a submissão de um plano de trabalho detalhado para «apreciação da Junta», o qual lhe é possível delinear, escreve, por se encontrar familiarizado com a principal bibliografia existente sobre São Tomé e por ter realizado a primeira campanha de estudo no terreno. Trata-se de um índice provisório, dividido em oito capítulos, por sua vez divididos em 30 pontos e diversas alíneas mais. O mais relevante aqui será notar em que medida este índice apresenta uma estrutura muito próxima da estrutura do trabalho que Tenreiro apresentaria como tese de doutoramento, quatro anos depois. Os títulos e a sequência de cada um dos capítulos agora propostos confirmam-no: (1) «O Relevo e as formas»; (2) «Clima, solo e vegetação»; (3) «Colonização e aculturação»; (4) «A ilha e os homens»; (5) «Economia e a sociedade»; (6) «A economia da ilha na conjuntura económica geral»; (7) «A originalidade da ilha»; (8) «O futuro de São Tomé» (CEG/Arq./FT/19: 18-20). Na versão final, apenas os dois últimos capítulos desta versão provisória não aparecem designados enquanto tal, embora os respectivos conteúdos sejam incorporados no texto. A versão final – compreensivelmente – também rearranja e simplifica vários dos sub-temas elencados no plano, sendo que em alguns casos os acertos são pouco mais que subtis: por exemplo, o último ponto do capítulo V deveria tratar «Uma sociedade “plural”», tópico que aparece na versão de 1961 escrito como «Uma sociedade plural?» (CEG/Arq./FT/19: 20; Tenreiro, 1961a: 210).

54Ainda neste ponto IV do Relatório, correspondente ao objectivo principal de trabalho, Tenreiro refere ir tomar como modelo as monografias que Orlando Ribeiro publicara sobre as ilhas da Madeira e do Fogo e aquela que Raquel Soeiro de Brito elaborara sobre a ilha açoriana de São Miguel – esta última apresentada como tese de doutoramento em Geografia apenas dois anos antes e que também decalcara o modelo emprestado pela monografia de Ribeiro sobre a Madeira (Brito, 1955). «Com este meu trabalho mais uma ilha, de um dos arquipélagos [portugueses do Atlântico], ficará estudada, segundo paradigmas que reputo dos mais curiosos em matéria de investigação geográfica», justifica Tenreiro (CEG/Arq./FT/19: 21). Agrega a isto a indicação complementar segundo a qual, antes de concluir a monografia, entregaria à JIU para publicação uma Bibliografia Geográfica da Ilha de São Tomé, com cerca de 400 títulos, elaborada nos mesmos moldes da Bibliografia que tinha publicado para a Guiné Portuguesa, justificando que «será como o segundo fascículo de trabalho mais vasto que abranja todas as espécies bibliográficas de interesse geográfico da África Ocidental Portuguesa» (CEG/Arq./FT/19: 21). Como se percebe, há aqui plena consonância com o que Tenreiro alinhavou no «Plano de trabalhos para S. Tomé tendo em vista a realização da próxima CIAO», que antes lemos, e que terá sido escrito em 1953, em vésperas da 5.ª sessão dessas conferências dos «Africanistas Ocidentais».

55No ponto V, sobre as demais actividades realizadas, Francisco Tenreiro elenca a série de compromissos que assumira pouco antes de partir para São Tomé e que se relacionavam directamente com o tema das suas pesquisas no território. Desde logo, a comunicação acerca dos «Engenhos de água na ilha de São Tomé no século XVI» submetida à 2.ª Secção do XXIII Congresso Luso-Espanhol para o Progresso das Ciências na qualidade de delegado do Centro de Estudos Geográficos de Lisboa (Tenreiro, 1957), a que se juntavam dois textos escritos por encargo de Mendes Correia: o referido opúsculo sobre as ilhas de São Tomé e do Príncipe e o enclave de São João Baptista de Ajudá, preparado para a «Semana do Ultramar» da Sociedade de Geografia de Lisboa (Tenreiro, 1956b), e a síntese geográfica lida na 6.ª sessão da CIAO, em São Tomé, que atrás também referimos. Tendo a sua estada na ilha coincidido com a realização da CIAO, acabara igualmente sendo convidado a participar nas discussões das teses e em secretariar a respectiva 1.ª secção. Ainda em São Tomé, proferira uma palestra no Club Militar sobre os primórdios da colonização da ilha. Por último, aproveitara ter permanecido uma semana em Luanda, na viagem de regresso, para «colher uma impressão de conjunto das várias funções que definem uma cidade tropical» (CEG/Arq./FT/19: 22). Esta referência parece ter ligação directa com outro manuscrito de Tenreiro, datado de 31 de Maio de 1957, intitulado «O problema das cidades do continente negro» (CEG/Arq./FT/14). Texto de quatro páginas dactilografadas com correcções autógrafas, leva no topo a indicação «Enviado ao Ilídio» – referência ao seu colega e amigo Ilídio do Amaral (1926-2017), que em 1956 submetera a monografia São Paulo de Assunção de Luanda como dissertação de licenciatura em Geografia na Universidade de Lisboa (Amaral, 1979; Oliveira, 2017). Este último manuscrito de Tenreiro replica para um contexto urbano genérico – mas no qual Luanda surge, de facto, uma e outra vez como exemplo – o tema central da «absorpção» das populações africanas, para o que desenvolve o conceito de «sociedade plural» que sabemos atravessar as suas leituras sobre São Tomé, ao mesmo tempo que se perfila em sintonia com os «fenómenos de atracção das grandes cidades» que constituíam uma das preocupações centrais da JIU nesse momento (Pereira, 2021).

56Como se disse, no ponto VI do Relatório preliminar Tenreiro trata de gizar a segunda campanha de trabalho de campo que programa encetar de aí a poucos meses. Relembrado que o despacho do Ministro do Ultramar, que aprovara a sua missão, prescrevia que o estudo da geografia humana da ilha se deveria fazer em duas campanhas, que totalizariam seis a oito meses, reclama que a seguinte campanha ocupasse, pelo menos, três meses de estudo. Em concreto, baliza-os entre meados de Maio, coincidindo com o termo das suas obrigações de docência na Faculdade de Letras, e meados de Setembro, quando se iniciasse em Lisboa o III Colóquio Internacional de Estudos Luso-Brasileiros, no qual se propõem apresentar, se para tanto fosse autorizado pela JIU, uma comunicação que incorporasse alguns dos materiais recolhidos em São Tomé e incidisse sobre as «relações culturais estabelecidas entre aquela ilha tropical e o Brasil colonial». Indica ainda ser sua intenção visitar as quatro ilhas do golfo da Guiné, «a fim de avaliar das suas convergências e divergências físicas, culturais e económicas» e garantir, assim, a necessária «visão do conjunto em que se integram» (CEG/Arq./FT/19: 25). Para o efeito, solicita que lhe seja concedia a competente dispensa por parte do Ministro da Educação, reservadas as passagens aéreas e providenciadas as facilidades necessárias para visitar as ilhas sob soberania espanhola de Fernando Pó e Ano Bom. Acrescenta ainda o pedido para ser integrado «como geógrafo» na Missão Científica de São Tomé dirigida por Ezequiel de Campos, caso a mesma fosse prolongada.

57No VII e último ponto do relatório, Francisco Tenreiro conclui conforme o protocolo. Sentindo-se seguro de ter cumprido até ao momento as suas obrigações para com a Junta das Missões Geográficas e de Investigações do Ultramar, nomeia Carrington da Costa, na sua qualidade de Presidente da respectiva Comissão Executiva, para lhe agradecer todas as facilidades concedidas. Desta feita sem explicitar ninguém, agradece também a todos quantos o tinham auxiliado na campanha transacta em São Tomé, «fossem altos ou modestos funcionários da Administração Civil, proprietários de grandes propriedades, pequenos proprietários europeus ou nativos ou simples gente que encontrava pelos caminhos». A esses interlocutores anónimos dedica ainda uma frase que ressoa ao último ponto do seu plano de tese, intitulado «Recomendações e impertinências de um geógrafo», o qual acabaria por cair no índice final desse trabalho: «Todos tiverem para comigo aquela paciência, tanto mais de agradecer quanto é certo que o investigador se vê forçado, muitas vezes, a ser impertinente, dada a avidez da sua curiosidade sem limites» (CEG/Arq./FT/19: 25). Lembrando as circunstâncias em que decorreu este regresso de Tenreiro à ilha onde nascera, esta última frase do relatório poderá adquirir um sentido bem menos formal do que aparenta.

Balanço

58A morte precoce de Francisco Tenreiro, quando contava apenas 42 anos de idade, será um dos factores – e porventura não o decisivo – que explica o motivo pelo qual a abordagem dos seus textos científicos acaba por ser um exercício relativamente raro e executado sobre temas por regra pouco explorados. Se há também vantagens neste desbravar de matérias menos vistas, sobretudo correspondentes ao estudo dos espaços das antigas colónias portuguesas de São Tomé e da Guiné no contexto dos trabalhos de Geografia tropical de filiação vidaliana executados pela dita «Escola de Lisboa», o facto é que a falta dessa frequentação habitual com o objecto tem adiado o tratamento desta faceta do complexo e muito rico legado intelectual de Tenreiro.

59Optámos por apresentar este estudo com base num documento inédito que, como o Relatório preliminar da missão de trabalho à ilha de São Tomé realizada em 1956, configura uma peça de teor administrativo, destinada a cumprir a prestação de contas junto da agência pública de financiamento científico que enquadrara esse trabalho de campo. Se os textos de estrito teor científico oferecem pistas de interpretação distintas e forçosamente mais ricas do que aquelas que podemos colher aqui, a verdade é que a qualidade burocrática deste Relatório facilita, em simultâneo, a reconstituição do contexto institucional e político e de muitas das especificidades do trabalho de campo praticado pelo geógrafo. O cruzamento destes dados com outra documentação de arquivo, designadamente correspondência, completou a nossa perspectiva sobre um documento que não interessa apenas ao estudo da Geografia portuguesa em contexto de colonialismo tardio, antes parece constituir um caso emblemático em que os aspectos da história da disciplina surgem articulados num quadro mais amplo, no qual os determinantes científicos, políticos e sociais foram em boa medida externos (Capel, 1989; Capel, 2012).

60Tal como o exercício de «nacionalismo científico» que Francisco Tenreiro executa em nome da Junta de Investigações do Ultramar não se compreende sem a participação e o estímulo de redes e espaços de sociabilidade científica e cultural transnacionais, à cabeça dos quais se perfilam os seus pares anglófonos da LSE e francófonos do IFAN, também o principal jargão científico manuseado – e que este mesmo Relatório sinaliza – resulta da aplicação de critérios que, no fim de contas, acabam por ser sobretudo afins aos discursos dos geógrafos franceses sobre os países tropicais, mormente os que descolam da leitura Pierre Gourou, fosse por via directa, fosse por interposto Orlando Ribeiro, que sabemos que o seguiu quase mimeticamente (Robic, 2008; Bataillon, 2009; Oliveira, 2019). No mesmo sentido, o Relatório oferece pistas sobre a metodologia empregue por Tenreiro para descrever a «fisionomia humana e sociológica» da ilha que estudou (Tenreiro, 1961a: 240), as quais não apenas sinalizam já muito daquilo que pouco depois viríamos a encontrar nesse «manual de bem saber construir saber social» que constitui A Ilha de São Tomé (Nascimento, 2011: 142) – forçosamente datado e também objecto de muitas interrogações, mas não será esse o ponto aqui –, como ajudam a articular melhor as dimensões científica, literária e política de um legado que é atravessado por uma pulsão identitária muito coerente e singular.

Topo da página

Bibliografia

Ágoas, Frederico (2020). “Social sciences, modernization, and late colonialism: The Centro de Estudos da Guiné Portuguesa”. Journal of the History of Behavioral Sciences, vol. 56, pp. 278-297. DOI: https://doi.org/10.1002/jhbs.22046.

Alexandre, Valentim (2000). “Do império de antigo regime ao sistema colonial moderno: o nacionalismo imperial e os seus efeitos (1875-1930)”. In: Santos, Maria Emília Madeira (dir.). A África e a instalação do sistema colonial (c. 1885-c. 1930): III Reunião de História de África - Actas. Lisboa: Instituto de Investigação Científica Tropical, pp. 395-402.

Alexandre, Valentim (2017). Contra o vento. Portugal, o Império e a maré anticolonial (1945-1960). Lisboa: Temas e Debates; Círculo de Leitores.

Amaral, Ilídio do (1963-1964). “Francisco Tenreiro (1921-1963)”. Boletim do Centro de Estudos Geográficos, vol. 3, ns. 20-21, pp. 5-12.

Amaral, Ilídio do (1979). A “Escola geográfica de Lisboa” e a sua contribuição para o conhecimento geográfico das Regiões Tropicais. Lisboa: Centro de Estudos Geográficos.

Bataillon, Claude (2009). Géographes- Génération 1930. Rennes: Presses Universitaires de Rennes.

Blanchard, Raoul (1952).“Nécrologie: Jacques Richard-Molard”. Revue de Géographie Alpine, vol. 40, n. 1, pp. 5-16. Disponível em: <www.persee.fr/doc/rga_0035-1121_1952_num_40_1_1965> Acesso: 30 de Junho de 2022.

Brito, Raquel Soeiro de (1955). A Ilha da Madeira: estudo geográfico. Lisboa: Centro de Estudos Geográficos – Instituto de Alta Cultura.

Brito, Raquel Soeiro de (1966). “Francisco Tenreiro”. Estudos Políticos e Sociais, vol. 4, n. 1, pp. 60-79.

Bruneau, Michel; Courade, Georges (1984). “Existe-t-il une géographie humaine tropicale? A la recherche du paradigme de Pierre Gourou”. L’Espace Géographique, vol. 3, n. 4, pp. 306-316. Disponível em: <https://www.persee.fr/doc/spgeo_0046-2497_1984_num_13_4_3944> Acesso: 30 de Junho de 2022. DOI: https://doi.org/10.3406/spgeo.1984.3944.

Butlin, Robin A. (2009). Geographies of Empire. European Empires and Colonies, c. 1880-1960. Cambridge: Cambridge University Press.

Capel, Horacio (1989). “Historia de la ciencia y historia de las disciplinas científicas. Objetivos y bifurcaciones en un programa de investigación sobre historia de la geografía”. Geo Crítica: cuadernos críticos de geografía humana, n. 84.

Capel, Horacio (2012). Filosofía y ciencia en la Geografía contemporánea. Una introducción a la Geografía. 1. ed. ampliada. Barcelona: Ediciones del Serbal.

Castelo, Cláudia (1999). «O modo português de estar no mundo». O luso-tropicalismo e a ideologia colonial portuguesa (1933-1961). Porto: Edições Afrontamento.

Castelo, Cláudia (2019). “Gilberto Freyre’s view of miscegenation and its circulation in the the Portuguese Empire, 1930s-1960s”. In: Anderson, Warwick; Roque, Ricardo; Santos, Ricardo Ventura (eds.). Luso-tropicalism and its discontents: the making and unmaking of racial exceptionalism. New York: Berghahn Books, pp. 23-44.

Castelo, Cláudia; Ágoas, Frederico (2020). “Inter-African cooperation in the social sciences in the era of decolonization: A case of science diplomacy”. Centaurus, vol. 63, n. 1, pp. 67-83. DOI: 10.1111/1600-0498.12357.

Claval, Paul (2013a). “Como construir a história da geografia?”. Terra Brasilis (Nova Série), n. 2. Disponível em: <https://journals.openedition.org/terrabrasilis/637> Acesso: 30 de Junho de 2022. DOI: https://doi.org/10.4000/terrabrasilis.637.

Claval, Paul (2013b). “Le rôle du terrain en géographie. Des épistémologies de la curiosité à celles du désir”. Confins. Revue Franco-brésilienne de Géographie/Revista Franco-brasileira de Geografia, n. 17. Disponível em: < https://journals.openedition.org/confins/8373> Acesso: 30 de Junho de 2022. DOI: https://doi.org/10.4000/confins.8373.

Clayton, Daniel W. (2020). “The Passing of ‘Geography’s Empire’ and Question of Geography in Decolonization, 1945-1980”. Annals of the American Association of Geographers, vol. 110, n. 5, pp. 1540-1558. DOI: 10.1080/24694452.2020.1715194.

Copans, Jean (2001). “La ‘situation coloniale’ de Georges Balandier: notion conjoncturelle ou modèle sociologique et historique?”. Cahiers Internationaux de Sociologie, n. 110, pp. 31-52. Disponível em: <https://doi.org/10.3917/cis.110.0031> Acesso: 30 de Junho de 2022.

CSA – Conselho Científico para a África ao Sul do Sara (1956). Conferência Internacional dos Africanistas Ocidentais. 6.ª Sessão – S. Tomé, 1956, Vol. 3, Botânica e Biologia Vegetal. Comunicações. [Lisboa]: Comissão de Cooperação Técnica na África ao Sul do Sara – CCTA.

Curto, Diogo Ramada (2013). “The debate on race relations in the Portuguese Empire and Charles R. Boxer’s position”. e-Journal of Portuguese History, vol. 11, n. 1 . Disponível em:
https://www.brown.edu/Departments/Portuguese_Brazilian_Studies/ejph/html/issue21/html/v11n1a01.html> Acesso: 30 de Junho de 2022.

Daveau, Suzanne (2002). “A obra geográfica da Mariano Feio”. Finisterra – Revista Portuguesa de Geografia, vol. 37, n. 73, pp. 101-107. Disponível em: <https://revistas.rcaap.pt/finisterra/article/view/1610> Acesso: 30 de Junho de 2022. DOI: https://doi.org/10.18055/Finis1610

Driver, Felix (2006). Geography Militant. Cultures of Exploration and Empire. Oxford: Blackwell Publishers.

Espírito Santo, Alda do (1993). “Sur les chemins battus de Francisco Tenreiro”. Littératures, n. 112, pp. 127-129.

Espírito Santo, Armindo (2021). “O elemento angolar de São Tomé: uma discussão da sua origem”. Lisboa: Instituto Superior de Economia e Gestão. Disponível em: <https://www.repository.utl.pt/bitstream/10400.5/20867/1/wp180_1.pdf> Acesso: 30 de Junho de 2022.

FiSciPE- Field Scientists in Portuguese Empire/Cientistas de Campo no ‘Cenário Luso-Tropical’: Conhecimento, Ideologia e Governo no Império Português Tardio (2021). “Missão Hidrográfica de Angola e São Tomé”. Lisboa: CiUHCT – Centro Interuniversitário de história das Ciências e da Tecnologia FCUL │ FCT – UNL. Disponível em: < http://fiscipe.fc.ul.pt/mission/5> Acesso: 30 de Junho de 2022.

Giraldo Villamizar, Catalina; Ceola, Francesca; González Arango, Nicolás; Oliveira, Francisco Roque de. (2021). “Memórias fotográficas: uma entrevista com Raquel Soeiro de Brito”. In: Oliveira, Francisco Roque de (coord.). Memórias fotográficas: uma entrevista com Raquel Soeiro de Brito - Cadernos fototeca, 1. Lisboa: Centro de Estudos Geográficos da Universidade de Lisboa, pp. 12-39. Disponível em: <https://repositorio.ul.pt/handle/10451/50349> Acesso: 30 de Junho de 2022. DOI: 10.33787/CEG20210003-2

Gomes, Paulo César da Costa (1993). “Quelques réflexions sur les catégories de la pensée vidalienne » In: Claval, Paul (dir.). Autour de Vidal de la Blache: la formation de l’École française de géographie. Paris: CNRS Éditions, pp. 89-97.

Gourou, Pierre (1973). Pour une géographie humaine. Paris: Flammarion.

Hallair, Gaëlle (2017). “Le terrain dans les carnets et les photographies des géographes français et allemands (fin XIXe – mi XXe siècle)”. In: Georget, Jean-Louis; Hallair, Gaëlle; Tschofen, Bernhard (dir.). Saisir le terrain ou l’invention des sciences empiriques en Allemagne et en France. Villeneuve d’Ascq: Presses Universitaires du Septentrion, pp. 89-112.

Hamelin, Louis-Edmond (1996). “L’internationalité de l’UGI au milieux du XXe siècle”. In: Robic, Marie-Claire; Briend, Anne-Marie; Rössler, Mechtild (dir.). Géographes face au monde. L’Union Géographique Internationale et les congrès internationaux de géographie. Paris: L’Harmattan, pp. 283-285.

Havik, Philip J. (2013). “Novos horizontes no estudo do império: a Missão de Geografia de Orlando Ribeiro na Guiné em 1947”. In: Atas do Colóquio Internacional Cabo Verde e Guiné-Bissau: percursos do saber e da ciência. Lisboa: Instituto de Investigação Científica Tropical (IICT); Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade Técnica de Lisboa (ISCSP-UTL). Disponível em: <https://coloquiocvgb.files.wordpress.com/2013/06/p06c03-philip-havik.pdf> Acesso: 30 de Junho de 2022.

Havik, Philip J.; Daveau, Suzanne (2010). “Orlando Ribeiro: a Missão de Geografia à Guiné em 1947”. In: Havik, Philip J.; Daveau, Suzanne (orgs.). Orlando Ribeiro, Cadernos de Campo, Guiné 1947. V. N. Famalicão: Edições Húmus, pp. 11-41.

Jerónimo, Miguel Bandeira (2010). Livros Brancos, Almas Negras. A «missão civilizadora» do colonialismo português (c. 1870-1930). Lisboa: ICS-Imprensa de Ciências Sociais

Jöns, Heike; Meusburguer, Peter; Heffernan, Michael (eds.) (2017). Mobilities of knowledge. Cham: Springer.

Lautensach Hermann; Feio, Mariano Feio (1948). Bibliografia Geográfica de Portugal. Lisboa: Centro de Estudos Geográficos.

Martins, Ana Cristina (2014). “Fotografias da Missão Antropológica e Etnográfica da Guiné (1946-1947): entre a forma e o conteúdo”. In: Vicente, Filipa Lowndes (org.). O império da Visão. Fotografia no contexto colonial português (1860-1960). Lisboa: Edições 70, pp. 117-139.

Mata, Inocência (2015). A Casa dos Estudantes do Império e o lugar da literatura na consciencialização política. Lisboa: UCCLA – União das Cidades Capitais de Língua Portuguesa. Disponível em: <https://www.uccla.pt/sites/default/files/a_casa_dos_estudantes.pdf> Acesso: 30 de Junho de 2022.

Matos, Patrícia Ferraz de (2012). Mendes Correia e a Escola de Antropologia do Porto: contribuição para o estudo das relações entre antropologia nacionalismo e colonialismo (de finais do século XIX aos finais da década de 50 do século XX). Tese de Doutoramento em Ciências Sociais. Lisboa: Instituto de Ciências Socias da Universidade de Lisboa. Disponível em: <https://repositorio.ul.pt/handle/10451/7831> Acesso: 30 de Junho de 2022.

Matos, Patrícia Ferraz de (2020). “Modos de fazer da ‘Antropologia colonial’: a Missão científica de Mendes Correia à Guiné Portuguesa (1945-1946)”. In: Jorge, Vítor Oliveira (coord.). Modos de Fazer/Ways of Making. Porto: CITCEM – Centro de Investigação Transdisciplinar Cultura, Espaço e Memória, pp. 167-180. DOI: 10.21747/9789898970237/mod

Medeiros, Carlos Alberto (1969). “Acerca da ocupação humana das ilhas portuguesas do Atlântico”. Finisterra – Revista Portuguesa de Geografia, vol. 4, n. 7, pp. 95-125. Disponível em: <https://revistas.rcaap.pt/finisterra/article/view/2494> Acesso: 30 de Junho de 2022. DOI: https://doi.org/10.18055/Finis2494

Medeiros, Carlos Alberto (1996). “Nas margens da geografia humana: um olhar sobre a obra de Francisco Tenreiro”, Inforgeo, n. 11, pp. 177-180.

Mendibil, Didier (2019). “Les variations paysagères de la géographie”. In: Clerc, Pascal (dir.). Géographies: Épistémologie et histoire des savoirs sur l’espace. Paris: Armand Colin, pp. 115-120.

Mesquita, Bárbara (2018). Luís Schwalbach (1888-1956): contributos para a história da Geografia Portuguesa. Dissertação de Mestrado em Geografia Humana. Lisboa: Instituto de Geografia e Ordenamento do Território da Universidade de Lisboa. Disponível em: <https://repositorio.ul.pt/handle/10451/36231> Acesso: 30 de Junho de 2022.

Meusburguer, Peter; Livingstone, David N.; Jöns, Heike (eds.) (2010). Geographies of science. Heidelberg: Springer.

Ministério das Colónias (1945). Ocupação científica do Ultramar Português. Plano elaborado pela Junta das Missões Geográficas e de Investigações Coloniais e Parecer do Conselho do Império Colonial. Lisboa: Agência Geral das Colónias.

Mota, Avelino Teixeira da (1948). “Classificação e evolução da casa e povoamento indígena”. In: Mota, Avelino Teixeira da; Neves, Mário G. Ventim (dir.). A habitação indígena na Guiné Portuguesa. Bissau: Centro de Estudos da Guiné Portuguesa, pp. 9-136.

Nascimento, Augusto (2011). “Francisco Tenreiro, um paradoxal mas sugestivo legado para São Tomé e Príncipe”. Colóquio Letras, n. 178, pp. 134-145.

Nunes, Teresa (2012). “Desenvolvimento santomense na pespectiva de Ezequiel de Campos (1900-1910)”. In: Actas do Colóquio Internacional São Tomé e Príncipe numa perspectiva interdisciplinar, diacrónica e sincrónica. Lisboa: Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE-IUL); Centro de Estudos Africanos (CEA-IUL); Instituto de Investigação Científica Tropical (IICT), pp. 191-206. Disponível em: <https://repositorio.iscte-iul.pt/bitstream/10071/3899/1/Nunes_STP_191_206.pdf> Acesso: 30 de Junho de 2022.

Oliveira, Francisco Roque de (2017). “Ilídio do Amaral (1926-2017): uma vasta obra dedicada à Geografia das regiões tropicais”. Finisterra – Revista Portuguesa de Geografia, vol. 52, n. 106, p. 149-158. Disponível em: <https://revistas.rcaap.pt/finisterra/article/view/12097> Acesso: 30 de Junho de 2022. DOI: https://doi.org/10.18055/Finis12097

Oliveira, Francisco Roque de (2019). “El Mexico de Orlando Ribeiro: cuadernos de campo, fotografías y textos relativos a la Conferencia Regional Latinoamericana de la Unión Geográfica Internacional de 1966”. Investigaciones Geográficas, n. 100. DOI: https://doi.org/10.14350/rig.60018 Acesso: 30 de Junho de 2022.

Oliveira, Francisco Roque de (coord.) (2021a). Memórias fotográficas: uma entrevista com Raquel Soeiro de Brito - Cadernos fototeca, 1. Lisboa: Centro de Estudos Geográficos da Universidade de Lisboa. Disponível em: <https://repositorio.ul.pt/handle/10451/50343> Acesso: 30 de Junho de 2022. DOI: 10.33787/CEG20210003

Oliveira, Francisco Roque de (2021b). “Só venho ver a terra: trabalho de campo, fotografia de terreno e trópicos segundo Raquel Soeiro de Brito. In: Oliveira, Francisco Roque de (coord.). Memórias fotográficas: uma entrevista com Raquel Soeiro de Brito - Cadernos fototeca, 1. Lisboa: Centro de Estudos Geográficos da Universidade de Lisboa, pp. 5-13. Disponível em: <https://repositorio.ul.pt/handle/10451/50346> Acesso: 30 de Junho de 2022. DOI: 10.33787/CEG20210003-1

Oliveira, Jorge Eduardo da Costa (1993) [1960]. A economia de S. Tomé e Príncipe: introdução ao seu estudo. Lisboa: Instituto para a Cooperação Económica; Instituto de Investigação Científica Tropical.

Oliveira, Pedro Aires (2015). “Portugal no mundo”. In: Cardoso, José Luís (coord.); Pinto, António Costa; Monteiro, Nuno Gonçalo (dir.). História Contemporânea de Portugal, 1808-2010, vol. 4: Olhando para dentro 1930-1960. Carnaxide: Objectiva; Madrid: Fundación MAPFRE, pp. 73-107.

Pereira, Rui Mateus (2021). Conhecer para dominar. O desenvolvimento do conhecimento antropológico na política colonial portuguesa em Moçambique, 1926-1959. Lisboa: Edições Parsifal.

República Portuguesa (1948). “Ministério do Ultramar, Junta das Missões Geográficas e de Investigações do Ultramar, Portaria n.⁰ 12474”. Diário do Governo, I Série, n. 153, 3 de Julho, p. 614. Disponível em: <http://fiscipe.fc.ul.pt/pdfs/diplomas/diploma-1527859262.pdf> Acesso: 30 de Junho de 2022.

República Portuguesa (1950). “Sessão n.⁰ 33, em 17 de Março”. Diário das Sessões, n. 33, 18 de Março, pp. 519-550.

República Portuguesa (1954). “Ministério do Ultramar, Junta das Missões Geográficas e de Investigações do Ultramar, Portaria n.⁰ 14990”. Diário do Governo, I Série, n. 177, 13 de Agosto, p. 884. Disponível em: <http://fiscipe.fc.ul.pt/pdfs/diplomas/diploma-1527859262.pdf> Acesso: 30 de Junho de 2022.

Ribeiro, Guilherme (2021). “Agentes da tradução e circulação dos clássicos na periferia da ciência”. Terra Brasilis (Nova Série), n. 15. Disponível em: <http://journals.openedition.org/terrabrasilis/8014> Acesso: 30 de Junho de 2022. DOI: https://doi.org/10.4000/terrabrasilis.8014

Ribeiro, Orlando (1949). L’ile de Madère: étude géographique. Lisbonne: Union Géographique Internationale – Congrès International de Géographie Lisbonne.

Ribeiro, Orlando (1950). “Missão de Geografia à Guiné em 1947”. Anais da Junta de Investigações Coloniais, vol. 5, n. 3, pp. 5-23.

Ribeiro, Orlando (1962). Aspectos e problemas da expansão portuguesa. Lisboa: Junta de Investigações do Ultramar.

Robic, Marie-Claire (2008), “Tropicalismo, zonalité, géographie tropicale. Les paradoxes d’une émergence”. In: Velasco-Graciet, Hélène (dir.). Les tropiques des géographes. Pessac: Maison de Sciences de l’Homme d’Aquitaine, pp. 49-61.

Rodrigues, Inês Nascimento (2019). “As múltiplas vidas de Batepá: memórias de um massacre colonial em São Tomé e Príncipe (1953-2018)”. Estudos Ibero-Americanos, vol. 45, n. 2, pp. 4-15. Disponível em: <https://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/iberoamericana/article/view/32441> Acesso: 30 de Junho de 2022. DOI: 10.15448/1980-864X.2019.2.32441

Rollo, Maria Fernanda, et al. (2012). Ciência, cultura e língua em Portugal no século XX. Da Junta de Educação Nacional ao Instituto Camões. Lisboa: Instituto Camões; Imprensa Nacional-Casa da Moeda.

Sampaio, Maria de Lurdes (2022). “No centenário do nascimento de Francisco José Tenreiro (1921-1963): meditações e perspectivas”. BUALA, 26 de Janeiro. Disponível em: <https://www.buala.org/pt/a-ler/no-centenario-do-nascimento-de-francisco-jose-tenreiro-1921-1963-mediacoes-e-perspetivas> Acesso: 30 de Junho de 2022.

Sanches, Margarida Ribeiro (2013). “Lisboa, capital do império. Trânsitos, afiliações, transnacionalismos”. In: Domingos, Nuno; Peralta, Elsa (orgs.). Cidade e império. Dinâmicas coloniais e reconfigurações pós-colonais. Lisboa: Edições 70, pp. 279-318.

Santos, Patrícia Augusto dos (2021). Colecções coloniais de Arqueologia: passado, presente e futuro. Relatório de estágio para a obtenção do grau de Mestre em Arqueologia. Lisboa: Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. Disponível em: <https://repositorio.ul.pt/bitstream/10451/51275/1/ulflpasantos> Acesso: 30 de Junho de 2022.

Santos, Paula Cristina Cunha Santos (2012). “Missões geodésicas em São Tomé e Príncipe”. In: Actas do Colóquio Internacional São Tomé e Príncipe numa perspectiva interdisciplinar, diacrónica e sincrónica. Lisboa: Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE-IUL); Centro de Estudos Africanos (CEA-IUL); Instituto de Investigação Científica Tropical (IICT), pp. 641-652. Disponível em: <https://repositorio.iscte-iul.pt/bitstream/10071/4046/1/Santos_STP_641_652.pdf> Acesso: 30 de Junho de 2022.

Sarmento, João (2021). “Geography and Empire”. In: Oxford Biographies Online. Oxford: Oxford University Press. DOI: 10.1093/OBO/9780199874002-0227

Sarmento, João (org.) (2022). Orlando Ribeiro – Cadernos de campo, Angola 1960-1969. V.N. Famalicão: Edições Húmus.

Seibert, Gerhard (2004). “Os angolares da ilha de São Tomé: náufragos, autóctones ou quilombas?”. T.E.X.T.O.S DE H.I.S.T.Ó.R.I.A: Revista do Programa de Pós-Graduação em História da UnB, vol. 12, ns. 1-2, pp. 43-64.

Seibert, Gerhard (2008). “A Ilha de São Tomé (1961), de Francisco Tenreiro: uma releitura contextualizada”. Economia e Sociologia, n. 85, pp. 69-88.

Silva, António E. Duarte (2008). “Sarmento Rodrigues, a Guiné e o luso-tropicalismo”. Cultura: Revista de História e Teoria das Ideias, vol. 25, pp. 31-55. Disponível em: <https://journals.openedition.org/cultura/586> Acesso: 30 de Junho de 2022. DOI: https://doi.org/10.4000/cultura.586

Solotareff, Marion (1996). “Naissance et évolution de la géographie tropicale (1930-1960)”. In: Claval, Paul; Sanguin, André-Louis (dir.). La géographie française à l’époque classique (1918-1968). Paris: L’Harmattan, pp. 141-257.

Tchen, Adelaide Ginga (2005a). “Avelino Teixeira da Mota (1920-1982)”. In: Cruz, Manuel Braga da; Pinto, António Costa (dir.); Ferreira, Nuno Estêvão (colab.). Dicionário Biográfico Parlamentar, 1935-1974, Vol 5, M-Z. Lisboa: Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa; Assembleia da República, pp. 191-193.

Tchen, Adelaide Ginga (2005b). “Francisco José Vasques Tenreiro (1921-1963)”. In: Cruz, Manuel Braga da; Pinto, António Costa (dir.); Ferreira, Nuno Estêvão (colab.). Dicionário Biográfico Parlamentar, 1935-1974, Vol 5, M-Z. Lisboa: Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa; Assembleia da República, pp. 695-696.

Tendeiro, João (1958). A investigação científica no Ultramar Português. Lisboa: Sociedade de Geografia de Lisboa.

Tenreiro, Francisco (1950a). “Aspectos da colonização da Ilha de São Tomé (Séc. XVI-XX)”. In: XIII Congresso Luso-Espanhol para o Progresso das Ciências, Lisboa. Lisboa: Associação Portuguesa para o Progresso das Ciências, pp. 157-164.

Tenreiro, Francisco (1950b). Acerca da casa e do povoamento na Guiné. Lisboa: Junta de Investigações Coloniais.

Tenreiro, Francisco (1952). “A agricultura de São Tomé: suas relações com as condições geográficas, a colonização e a economia geral”. In: Comptes Rendus du XVIe Congrès International de Géographie, vol. IV. Lisbonne: Union Géographie Internationale, pp. 41-60.

Tenreiro, Francisco (1953). “Descrição da ilha de S. Tomé no século XVI”. Garcia de Orta, vol. 1, n. 2, pp. 219-228.

Tenreiro, Francisco (1954). “Bibliografia geográfica da Guiné”. Garcia de Orta, vol. 2, n. 1, pp. 97-134.

Tenreiro, Francisco (1956a). “Cabo Verde e São Tomé e Príncipe. Esquema de uma evolução conjunta”. Cabo Verde: Boletim de Informação e Propaganda, ano 7, n. 76, pp. 12-17.

Tenreiro, Francisco (1956b). As ilhas de São Tomé e Príncipe e o território de São João Batista de Ajudá. Lisboa: Sociedade de Geografia de Lisboa.

Tenreiro, Francisco (1957). Engenhos de água na ilha de São Tomé no século XVI. Coimbra: Associação Portuguesa para o Progresso das Ciências.

Tenreiro, Francisco (1961a). A Ilha de São Tomé: estudo geográfico. Lisboa: Junta de Investigações do Ultramar.

Tenreiro, Francisco (1961b). Curriculum Vitae. Lisboa: F. J. Tenreiro.

Tenreiro, Francisco (1961c). “A floresta e a ocupação humana na ilha de São Tomé”. Garcia de Orta, vol. 9, n. 4, pp. 649-656

Tissier, Jean-Louis (2011). “Jacques Richard-Molard (1913-1951)”. In: Robic, Marie-Claire; Tissier, Jean-Louis; Pinchemel, Philippe (dir.). Deux siècles de géographie française : une anthologie. Paris: CTHS, pp. 226-227.

Travassos, Lorena Christina Barros (2021). “Missões antropológicas de São Tomé (1954) e Angola (1955): caminhos para a descolonização da fotografia colonial”. Estudos Históricos, vol. 34, n. 72, pp. 81-106. Disponível em: <https://doi.org/10.1590/S2178-149420210105> Acesso: 30 de Junho de 2022.

Valentim, Carlos Manuel (2007). O trabalho de uma vida: biobibliografia de Avelino Teixeira da Mota (1920-1982). Lisboa: Comissão Cultural da Marinha.

Topo da página

Anexo

Fontes

Centro de Estudos Geográficos, Instituto de Geografia e Ordenamento do Território, Universidade de Lisboa – CEG-IGOT-ULisboa

CEG/Arq./CIAO/29. [Francisco Tenreiro], Plano de trabalhos para S. Tomé tendo em vista a realização da próxima CIAO, [c. 1953], ms., 4 f.

CEG/Arq./CIAO/31.[António Mendes Correia e Orlando Ribeiro], Pessoas a quem pode ser mandada a circular da C.I.A.O., [Lisboa], [1953], dact., 1 p.

CEG/Arq./CIAO/37. Carta de Orlando Ribeiro ao Presidente da Junta das Missões Geográficas e de Investigações Coloniais, Lisboa, 29 de Junho de 1953, dact. (cópia), 1 p.

CEG/Arq./CIAO/41. Carta de Orlando Ribeiro ao Presidente da Junta das Missões Geográficas e de Investigações Coloniais, Lisboa, 28 de Outubro de 1953, dact. (cópia), 1 p.

CEG/Arq./CIAO/42. Comissão Executiva da Junta das Missões Geográficas e de Investigações do Ultramar, Proc. 95/53, E.F./F.M.P.-24, [Lisboa], 24 de Novembro de 1953, dac. (cópia), 1 p.

CEG/Arq./CIAO/43. Carta de Orlando Ribeiro ao Presidente da Junta das Missões Geográficas e de Investigações Coloniais, Lisboa, 3 de Dezembro de 1953, dact. (cópia), 1 p.

CEG/Arq./CIAO/45. Carta de Luís Silveira a Orlando Ribeiro, [Lisboa], 30 de Janeiro de 1954, dact., 1 p.

CEG/Arq./CIAO/46. Carta de Orlando Ribeiro ao Presidente da Junta das Missões Geográficas e de Investigações Coloniais, Lisboa, 19 de Dezembro de 1953, dact. (cópia), 2 p.

CEG/Arq./CIAO/47. Carta de Orlando Ribeiro [a Théodore Monod], Lisboa, 2 de Janeiro de 1954, dact. (cópia), 1 p.

CEG/Arq./CIAO/48. Carta de Luís Silveira a Orlando Ribeiro, [Lisboa], 8 de Janeiro de 1954, dact., 1 p.

CEG/Arq./CIAO/49. Carta de Théodore Monod a Orlando Ribeiro, Dakar, 26 de Janeiro de 1954, dact., 1 p.

CEG/Arq./CIAO/51. Carta de Théodore Monod aos representantes em Portugal da Comissão Internacional Permanente da CIAO, Dakar, 21 de Outubro de 1954, dact., 2 p.

CEG/Arq./CIAO/52. Carta de António Mendes Correia a Orlando Ribeiro, Lisboa, 18 de Janeiro de 1955, dact. (cópia com anotações manuscritas [de Orlando Ribeiro]), 1 p.

CEG/Arq./CIAO/61. Carta de Orlando Ribeiro a João Carrington da Costa, Lisboa, 25 de Novembro de 1958, dact. (cópia), 1 p.

CEG/Arq./CIAO/63. Carta de Théodore Monod a Francisco Tenreiro, Dakar, 15 de Setembro de 1960, dact., 2 p.

CEG/Arq./CIAO/66. Carta de Francisco Tenreiro a Théodore Monod, 21 de Setembro de 1960, dact., 1 p.

CEG/Arq./FT/14. [Francisco Tenreiro], O problema das cidades do continente negro, [s.l.], 31 de Maio de 1957, dact. com anotações autógrafas, 4 p.

CEG/Arq./FT/16. Carta de Francisco Tenreiro a Orlando Ribeiro, São Tomé, 7 de Junho de 1957, ms., 2 f.

CEG/Arq./FT/19. Francisco Tenreiro, Estudo Geográfico da Ilha de São Tomé: Relatório Preliminar, Lisboa, [Centro de Estudos Geográficos], [1956], dact. (cópia), 25 p.

CEG/Arq./FT/26. Carta de Francisco Tenreiro ao Presidente da Comissão Executiva da Junta das Missões Geográficas e de Investigações do Ultramar, Lisboa, Páscoa de 1956, dact., 4 p.

CEG/Arq./FT/29. Francisco Tenreiro, Curriculum Vitae, Lisboa, Páscoa de 1956, dact. (cópia), 10 p.

CEG/Arq./ FT/39. Carta de Francisco Tenreiro a Orlando Ribeiro, Londres, 4 de Março de 1955, dact. 1 f.

CEG/Arq./FT/41. Carta de Francisco Tenreiro a Orlando Ribeiro, Londres, 23 de Novembro de 1954, ms., 2 f.

CEG/Arq./FT/42. Carta de Francisco Tenreiro a Orlando Ribeiro, Londres, 11 de Outubro de 1954, ms., 4 f.

CEG/Arq./GNB/27. Secretaria da Junta das Missões Geográficas e de Investigações Coloniais - Informação n.º 72 – Admissão de um segundo assistente adjunto da missão de geografia da Guiné, [Lisboa], 11 de Junho de 1949, dac., 2 pp.

CEG/Arq./GNB/28. Ofício da Presidência da Junta das Missões Geográficas e de Investigações Coloniais ao chefe da Missão de Geografia da Guiné - Proc. 331/49, n.º 1171, [Lisboa], 13 de Junho de 1949, dact., 1 p.

CEG/Arq./GNB/51. Orlando Ribeiro, Relatório da Missão de Geografia da Guiné apresentado à Junta de Investigações Coloniais: Relatório Preliminar, Lisboa, [Centro de Estudos Geográficos], Novembro de 1948, dact. (cópia), 4 p.

Topo da página

Índice das ilustrações

Título Figura 1. Francisco Tenreiro, Mapa dos caminhos percorridos e da área estudada durante o trabalho de campo realizado na Ilha de São Tomé em 1956
Créditos Arquivo do Centro de Estudos Geográficos da Universidade de Lisboa (CEG/Arq./FT/19)
URL http://journals.openedition.org/terrabrasilis/docannexe/image/10766/img-1.jpg
Ficheiros image/jpeg, 3,2M
Título Figura 2. Vista geral da cidade de Luanda (Angola) em 1956
Créditos Fotografias de Francisco Tenreiro. Fototeca do Centro de Estudos Geográficos da Universidade de Lisboa (F.T.-1956-XII-P)
URL http://journals.openedition.org/terrabrasilis/docannexe/image/10766/img-2.jpg
Ficheiros image/jpeg, 689k
Título Figura 3. Ilha de São Tomé. Uma «forma» de angolares «salsando» o mato. Fotografia e legenda de Francisco Tenreiro, 1956
Créditos Fototeca do Centro de Estudos Geográficos da Universidade de Lisboa (F.T.-1956-V-20)
URL http://journals.openedition.org/terrabrasilis/docannexe/image/10766/img-3.jpg
Ficheiros image/jpeg, 1,2M
Título Figura 4. Ilha de São Tomé. Roça Laranjeiras. Terreiro: senzala e secadores de copra. Fotografia e legenda de Francisco Tenreiro, 1956
Créditos Fototeca do Centro de Estudos Geográficos da Universidade de Lisboa (F.T.-1956-II-8)
URL http://journals.openedition.org/terrabrasilis/docannexe/image/10766/img-4.jpg
Ficheiros image/jpeg, 265k
Título Figura 5. Ilha de São Tomé. Casas de nativos existentes na cidade por detrás do Bairro de São João. Fotografia e legenda de Francisco Tenreiro, 1956
Créditos Fototeca do Centro de Estudos Geográficos da Universidade de Lisboa (F.T.-1956-III-20)
URL http://journals.openedition.org/terrabrasilis/docannexe/image/10766/img-5.jpg
Ficheiros image/jpeg, 322k
Título Figura 6.Ilha de São Tomé. Uma avenida e casas novas junto ao centro comercial da cidade. Fotografia e legenda de Francisco Tenreiro, 1956
Créditos Fototeca do Centro de Estudos Geográficos da Universidade de Lisboa (F.T.-1956-IX-32)
URL http://journals.openedition.org/terrabrasilis/docannexe/image/10766/img-6.jpg
Ficheiros image/jpeg, 1,2M
Título Figura 7. Ilha de São Tomé. Pescadores forros em frente da praia de Diogo Nunes. Ao fundo, o Ilhéu das Cabras. Fotografia e legenda de Francisco Tenreiro, 1956
Créditos Fototeca do Centro de Estudos Geográficos da Universidade de Lisboa (F.T.-1956-II-28)
URL http://journals.openedition.org/terrabrasilis/docannexe/image/10766/img-7.jpg
Ficheiros image/jpeg, 219k
Título Figura 8. Ilha de São Tomé. Dongo com vela quadrada (nordeste da ilha). Fotografia e legenda de Francisco Tenreiro, 1956
Créditos Fototeca do Centro de Estudos Geográficos da Universidade de Lisboa (F.T.-1956-XI-25)
URL http://journals.openedition.org/terrabrasilis/docannexe/image/10766/img-8.jpg
Ficheiros image/jpeg, 1,1M
Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

Francisco Roque de Oliveira, «Geografia e colonialismo português no equador»Terra Brasilis [Online], 17 | 2022, posto online no dia 30 junho 2022, consultado o 22 julho 2024. URL: http://journals.openedition.org/terrabrasilis/10766; DOI: https://doi.org/10.4000/terrabrasilis.10766

Topo da página

Autor

Francisco Roque de Oliveira

Centro de Estudos Geográficos, Instituto de Geografia e Ordenamento do Território, Universidade de Lisboa e Laboratório Associado TERRA;
Email: f.oliveira@campus.ul.pt, ORCID: https://orcid.org/0000-0002-5854-8971

Artigos do mesmo autor

Topo da página

Direitos de autor

O texto e outros elementos (ilustrações, anexos importados) são "Todos os direitos reservados", à exceção de indicação em contrário.

Topo da página
Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search