Navegação – Mapa do site

InícioTerra Brasilis (Nova Série)17Dossiê Geografia portuguesa, tróp...ArtigosGerald Bender vs. David Niddrie e...

Dossiê Geografia portuguesa, trópicos e colonialismo tardio
Artigos

Gerald Bender vs. David Niddrie em Angola:

Ciência política, geografia e controlo na guerra colonial portuguesa (1961-1974)
Gerald Bender vs. David Niddrie in Angola: political science, geography and control in the Portuguese colonial war (1961-1974)
Gerald Bender vs. David Niddrie en Angola: ciencia política, geografía y control en la guerra colonial portuguesa (1961-1974)
Gerald Bender vs. David Niddrie en Angola: science politique, géographie et contrôle dans la guerre coloniale portugaise (1961-1974)
Bernardo Pinto da Cruz

Resumos

Este artigo problematiza a objetividade dos aldeamentos estratégicos e da política de reordenamento rural planeados e aplicados pelas autoridades portuguesas durante a guerra colonial em Angola (1961-1974) – até que ponto a ciência social feita em cima dos acontecimentos representou esse dispositivo de uma forma distanciada? São poucos os estudos atuais que, ao tratarem sobre a Angola colonial e pós-colonial, não refiram o trabalho seminal do cientista político africanista Gerald J. Bender. Baseado numa rede de fontes mais ou menos conservadoras, esse trabalho foi acompanhado de perto pela polícia política portuguesa e ultramarina, mas também pela CIA e por várias instâncias de controlo transnacional. Neste artigo, procuro compreender a posição de Bender, enquanto intelectual global, a respeito da sua análise aos aldeamentos estratégicos de Angola. A sua interpretação, publicada originalmente na Comparative Politics, resultou no contributo pioneiro do caso angolano para a ciência política internacional. Comparando a posição de Bender com a de um outro reputado académico americano, o geógrafo David Niddrie, – que propôs uma leitura bem diferente e colada à propaganda do regime – tento explicar de que forma as representações desses processos de deslocação e reassentamento populacional, tratados hoje como variáveis empíricas, foram, na verdade, moldados por políticas deliberadas de controlo científico (uma norte-americana e outra portuguesa).

Topo da página

Notas da redacção

Submetido 6 Jul. 2022; aceito 7 Out. 2022

Texto integral

Introdução: reagrupamento e reordenamento

1Nos últimos anos assistiu-se a um renovado interesse pela história do último quartel do colonialismo português em África, período que coincidiu com o início e fim da guerra colonial em Angola (1961-1974). Em resultado das novas abordagens usadas para entender a complexidade económica, social e política desse período rompeu-se com uma leitura meramente militar dos acontecimentos tardo-coloniais. Um dos objetos em que isso se torna particularmente visível é a política de aldeamentos estratégicos aplicada pelas autoridades portuguesas em Angola e Moçambique. No caso angolano, essa política iniciou-se em novembro de 1961, no distrito do Uíge, cenário dos chamados ‘massacres’ da União das Populações de Angola (UPA/FNLA), movimento independentista liderado por Holden Roberto que, no dia 15 de março desse ano, realizou uma série coordenada de ataques a colonos europeus e africanos colaboracionistas. Com a abertura da Frente Leste da guerra, nos distritos da Lunda, Moxico e Cuando-Cubango (1966-1967), deu-se uma intensificação da transferência e da concentração das populações, reforçadas como pilares centrais de uma doutrina contra-subversiva ‘humana’, focada na conquista da adesão das populações, em 1970-1971 sob a ação do novo Comandante-Chefe das Forças Armadas em Angola, Francisco da Costa Gomes. Os números relativos ao volume de indivíduos concentrados e aos aldeamentos escasseiam e não são fidedignos, embora se estime que mais de um milhão de angolanos tenham sido forçados a habitar em três mil aldeamentos, sob controlo de milícias, informadores, administradores, polícias (PSP e PIDE) e militares.

2A mais relevante proposta metodológica que analisa este tipo de engenharia social a uma nova luz, embora ainda incipientemente trabalhada, chega-nos de autores que estudam algo a que designam ‘desenvolvimento repressivo’ – uma versão do desenvolvimento socioeconómico do 2.º pós-guerra, em que a aposta do Estado colonial português em investimentos de infraestrutura económica, educacional e sanitária é indissociável da violência colonial aplicada no controlo autoritário das populações (Jerónimo e Costa Pinto, 2015; Jerónimo, 2017; 2018). Essa ligação sinergética, evidente em projetos como o reordenamento de aglomerados africanos dispersos em aldeamentos concentrados, fazia-se ao nível de instituições que punham em contacto os técnicos do desenvolvimento e as elites político-militares, articulando as linguagens da modernização e da promoção social com as da contra-subversão e da ‘ação psicológica’. Os que cunharam o conceito de desenvolvimento repressivo falam numa série de gramáticas, de idiomas e de espaços institucionais que permitiram ligar desenvolvimento e repressão, bem-estar e controlo. Essa teria sido uma fusão intencional. Outros autores, contudo, tentaram mostrar que esse tipo de desenvolvimento repressivo não deve ser confundido com um outro: um desenvolvimento baseado no “conhecimento de base local”, mais atento à complexidade ecológica e social dos aglomerados humanos e contrário às políticas de “ocidentalização”, ao colonialismo e à ditadura portuguesa. Importa referir que este tipo de desenvolvimento, equivalente da doutrina então em voga do “desenvolvimento comunitário” e dos métodos de “extensão rural” de cunho pretensamente demoliberal (Castelo, 2018; 2020), tem diversas origens. Por um lado, do planeamento municipal não-governamental nos EUA do entre-guerras, passa a doutrina da mobilização do setor popular enquadrado pelo New Deal e como técnica orientadora de vários programas de bem-estar e de serviços de extensão agrícola, a partir de múltiplas plataformas de articulação entre universidades e agências federais. No final da década de 40, passou a integrar o repertório de modelos desenvolvimentistas ao nível global, sobretudo nos países ‘em vias de desenvolvimento’, com notável proeminência na Índia. Os programas neo-coloniais britânicos foram decisivos na adequação global do conceito, depois apropriado e disseminado por várias organizações internacionais, em especial pelas Nações Unidas (Holdcroft, 1976).

3Além disso, as abordagens de desenvolvimento comunitário tiravam a sua afinidade com as democracias liberais do facto de serem produtos e instrumentos da Guerra Fria, apresentando-se, do lado ocidental, como resposta democrática ao totalitarismo. Assim, o conceito viajou a reboque dos programas de assistência técnica e financeira e do capital investido por agências públicas, privadas e filantrópicas norte-americanas nos Estados pós-coloniais. O “desenvolvimento comunitário” competia com a “modernização” como uma das correntes veiculadas tanto pelos impérios em desfragmentação, como o britânico, como pela política externa de uma das superpotências, os EUA. Nele, a atenção à pequena escala, à iniciativa local e à participação das comunidades concretas, às solidariedades de vizinhança e ao modelo da democracia deliberativa, contrastava, até certo ponto, com os elementos da mais radical modernização, bem encapsulados nos processos que desencadeavam a passagem de sociedades tradicionais para sociedades ditas modernas – a industrialização, a mercantilização, a urbanização e a burocratização. Outro contraste importante está na sua retórica de devolução da palavra às populações-alvo das intervenções planificadoras. Os ‘planeados’ deviam ‘planear-se’, articulando os seus problemas, as suas mundivisões e preferências. A modernização, pelo contrário, sobretudo na sua versão alto-modernista, era fundamentalmente tecnocrática e elitista (Gilman, 2003; Scott, 1998).

  • 1 Aí, um dos promotores individuais foi Edward Lansdale, coronel norte-americano e agente secreto da (...)

4No quadro do colonialismo português e do regime ditatorial, o desenvolvimento comunitário terá servido como arena reformista emancipalista e, por isso, como corrente em si mesmo subversiva. O problema é que se reconhece que o próprio Estado colonial incentivou e financiou projetos de extensão rural (Castelo, 2020), originalmente articulados, de 1962 em diante, em resposta aos efeitos nefastos das concentrações demasiado rígidas e socialmente insensíveis erguidas no rescaldo de operações militares e policiais de razia – era o reordenamento rural (Cruz e Curto, 2015; 2017). Depois de 1961 foram várias as instituições estatais que o apadrinharam – dos Institutos do Café e do Algodão de Angola (que substituíram as antigas Juntas de Exportação), passando pela Comissão Técnica de Reordenamento Rural da Junta de Povoamento, pela Missão das Investigações Agronómicas, dependente da Secretaria Provincial da Agricultura, pela Missão de Extensão Rural, e terminando nas comissões locais de contra-subversão, última camada institucional da Estrutura da Contra-Subversão criada em 1967 que formalizava a colaboração civil-militar em todos os escalões da administração ultramarina e das Forças Armadas (Cruz, 2022). Foi a divulgação do desenvolvimento comunitário como método mais humano que o tornou apetecível como norma central do ‘reordenamento rural’. Mas esta abordagem, embora reconheça que o desenvolvimento comunitário se tornou num método contra-subversivo, continua a lê-lo como “revolucionário” e “empoderador” (Castelo, 2020: 171). Talvez porque recupere apenas uma filiação democrática, quando, na verdade, o desenvolvimento comunitário foi uma poderosa técnica contra-subversiva usada no expansionismo imperial dos EUA, notoriamente nas Filipinas a partir de 1951.1 Segundo esta versão, todavia, ele coexistiu historicamente com outro tipo de desenvolvimento mais militarizado e disruptivo, mas era-lhe irredutível.

5Apreciadas em conjunto, estas abordagens parecem coladas às representações mentais e burocráticas que foram produzidas e reproduzidas pelas autoridades portuguesas: os aldeamentos estratégicos mais intensos e militarizados, também designados de reagrupamentos, centros de concentração e concentrações, não eram a mesma coisa que o reordenamento rural, uma forma de intervenção estatal, que podia ou não envolver transferência e reagrupamento, mas de cunho civil e ostensivamente voltado para a promoção social e económica das populações-alvo. Defendi já, noutro lado, que esta forma de tecno-cosmopolitismo (Gilman, 2003: 10; Rabinow, 1992: 53-54) deve ser apreciada como uma corrente crítica, mais estética que propriamente política, no interior do campo da contra-subversão e não exterior a ele (Cruz e Curto, 2017), o que está próximo da abordagem do desenvolvimento repressivo. Esta é mais ampla que a do desenvolvimento comunitário e encontra-se noutro plano epistemológico, já que procura descrever a interligação e o cruzamento da disjuntiva desenvolvimento-controlo. No entanto, mesmo esta abordagem apresenta uma série de aporias epistemológicas que dificultam o nosso entendimento do tipo de desenvolvimento tardo-colonial, porque continua amarrada, na análise que faz de casos concretos, insuficientes em número – e não nas suas premissas teóricas – à mesma dicotomia que diz combater. Ora a repressão é colonizada por motivos modernizadores, ora o desenvolvimento é revestido de motivos estratégicos. Estamos, creio, a padecer de um mal que remonta às análises académicas que se fizeram em cima do acontecimento e que sucumbiram às duas vias de atuação que a doutrina contra-subversiva combinava, celebrando-as e impondo-as como princípios políticos, mais que militares.

6A primeira consequência metodológica é o problema de saber onde colocar os estudos sobre os aldeamentos que foram publicados numa fase adiantada da ofensiva contra-revolucionária. Refiro-me a análises potencialmente mais desengajadas de investigadores estrangeiros que se deslocaram ao terreno. Devem estas ser tomadas como Estado da Arte ou como objeto de análise de dignidade própria? O segundo problema é o de saber como é que essas pesquisas se posicionavam face ao fenómeno em estudo. Ambos estão relacionados, porque as visões dos autores sobre a técnica de deslocação e concentração de populações contaminam uma nossa resposta ao primeiro problema e, mais importante, são inextricáveis da realidade histórica que esses autores narravam e à qual atribuíam sentido. Por outras palavras, o investigador pode recorrer à Comparative Politics para extrair os melhores dados da época sobre o reordenamento populacional, tal como pode partir dessas contribuições académicas para verificar se o autor não cedeu à realidade que analisava. Mais complicado é determinar se não terá havido um efeito boomerang, em que as categorias usadas para explicar a realidade retornam a essa realidade para influenciar o curso dos eventos: um efeito-teoria (Bourdieu, 2011) que foi ativamente procurado pelas autoridades portuguesas.

  • 2 V., a título de exemplo, para referências a Niddrie, Rodrigues, 2017; Hansen e Oliver-Smith, 2018 [ (...)
  • 3 Por isso se deixam de fora outras representações importantes, como as jornalísticas, já que a impre (...)

7O caso que se segue, embora pejado de limitações, de entre as quais sobressai o seu estilo quase anedotário, pretende realçar esta problemática. Ambos os autores, que nunca chegaram a esgrimir argumentos em fóruns académicos ou na imprensa, são atualmente citados como fontes legítimas, senão mesmo objetivas, a propósito da mudança de padrões de ocupação fundiária, dos aldeamentos estratégicos e do desenvolvimento socioeconómico.2 Este artigo é parte integrante de um projeto de doutoramento acerca das estratégias semi-conscientes de moderação da violência crua do colonialismo e da guerra (Cruz, 2022): os aldeamentos planeados e implantados entre 1961 e 1974 foram, simultaneamente, objeto e instrumento dessa suavização. Enquanto objeto, foram sujeitos a uma política de moderação retórica e substantiva, com militares e burocratas, a partir de 1962, a tentarem separar o que eram aldeamentos estratégicos, em zonas de contra-insurreição, do reordenamento rural, rearranjos locais baseados na doutrina do desenvolvimento comunitário. E, por intermédio dessa distinção, eles próprios se tornaram numa técnica de propaganda contra-subversiva. Ora, como é que as visões destes agentes no terreno se conciliam com as representações daqueles autores que atingiram um estatuto internacional objetivo?3 Quanto mais intensa a nossa postura positivista, maiores os riscos de reprodução de motivos, posições, declarações e factos que, desligados do seu aspeto mais constitutivo e arbitrário nos aparecem em roupagens escolares. Talvez seja suficiente relembrar que a concentração das populações, a villagization, hoje usada para medir o impacto de legados coloniais em estudos econométricos e politológicos (Kwaako, 2012; Silwal, 2015), é uma variável construída. Os cientistas políticos e os sociólogos, mais que os historiadores, dirão que não há nenhuma que não o seja, o que é inteiramente verdade. Resta perguntar-lhes se a construção que agora se vai narrar é do domínio científico, político ou ideológico e se podemos identificar onde é que cada um deles começa e acaba.

As duas visões

  • 4 Para uma apreciação recente a ambos os colonatos, que os insere numa política técnico-científica an (...)

8Uma dessas descrições pretensamente objetivas chega-nos de um académico sul-africano que tinha sido recentemente contratado pelo Departamento de Geografia da Universidade da Flórida, David L. Niddrie. Niddrie foi dos primeiros, senão mesmo o primeiro académico a divulgar a chamada “obra” de recuperação do terrorismo, levada a cabo pelos portugueses desde meados de 1961 (Niddrie, 1967). Publicando no The Journal of American Portuguese Cultural Society, em 1967, num estilo enxuto, colocava os novos aldeamentos desenhados pelos colonizadores como uma quarta fase de políticas de consolidação do povoamento do 2.º pós-guerra, a par dos esquemas de Cela, no Cuanza-Sul, e de Matala, na Huíla, modelos de colonização dirigida.4

9Nesta suposta nova fase, nas suas palavras, “tentava-se preencher uma lacuna”, subterfúgio para se dizer que só agora é que os africanos começavam a ser alvo de políticas públicas de assentamento e habitação, através da demarcação de “áreas de treino para os (…) que desejassem fixar-se e de programas de economia doméstica, saúde e educação que preparassem essa fixação nos colonatos compostos por imigrantes da metrópole” (Niddrie, 1967: 29-30). Era neste tipo de reformas que Niddrie colocava a experiência de deslocamento forçado das populações que se tinha dado no norte de Angola entre 1961 e 1962, logo depois das grandes revoltas da Baixa de Cassange e do levantamento do Uíge, e os esquemas mais simples de povoamento com militares portugueses, a quem se atribuíam propriedades individuais. Niddrie aceitava como indiscutível a finalidade conjunta destes programas: criarem uma população estável, racialmente mista e paulatinamente integrada, sobretudo nas áreas que tinham sido destruídas durante as sedições. Esse fim do povoamento misto capturou-o Niddrie no distrito do Uíge, especialmente nos vales onde, até 1961, as “tribos locais” viviam muito dispersas, cultivando café robusta e outros géneros. Depois do início da guerra, observava-se uma política de encorajamento do cultivo do café para as famílias dos retornados “confiáveis”. O processo era simples: numa fase inicial, o chefe de família procurava uma porção de terra, de cinco a 20 hectares, registava o título de propriedade junto do governo distrital, só tendo para isso de pagar uma taxa. Mas, na fase seguinte, o relato de Niddrie deixa entrever o lado repressivo do novo multirracialismo:

Por razões de segurança, todos os que retornavam foram compelidos a viver em novos aldeamentos, estrategicamente situados com uma boa aparência e fornecimento de água permanente. As primeiras casas eram de tipo clássico, com argila e ripas e um telhado de colmo, e não custavam nada exceto tempo e energia. Uma escola primária, uma igreja (…) e centros de saúde eram construídos imediatamente para funcionarem como foco dos aldeamentos… À medida que a confiança volta a estes refugiados que vivem nas colinas, eles retornam para os vales. Depois de uma verificação de segurança, é-lhes atribuída uma área, geralmente junto de um posto de polícia rural, e uma nova aldeia de argila e colmo surge numa questão de dias. (Niddrie, 1967: 31-33)

  • 5 Já que, segundo alguns autores, a expropriação e o assalariamento de uma classe de empreendedores a (...)

10Programas simples e bem ordenados, os da integração das populações fugidas, com o seu quê de estratégico, eles nunca se apresentam como simples medidas de polícia, nem aparecem enquadrados nos conflitos entre europeus e africanos pela posse de terras e pela produção cafeeira que tiveram origem anos antes do início da Guerra, na década de 1950.5 Pelo contrário, o que importava era enfatizar, por um lado, a lógica de continuidade em que se inseria o novo tipo de povoamento dirigido, e, por outro, a sua natureza inclusiva e não-extrativa. Mais tarde, já durante a transição para a independência em 1974, Niddrie reafirmaria que o modo de desenvolvimento dos mais de 400 aldeamentos criados pelos portugueses na Frente Leste, na fronteira com a Zâmbia, era determinado por “forças económicas” que “provocaram uma mudança positiva na vida dos angolanos” (Figura 1). Nesse artigo tardio, todavia, o autor deixaria de entender as concentrações como a continuação de uma política de povoamento iniciada, para todos os efeitos, no 2.º pós-guerra, relegando os programas de aldeamentos levados a cabo de 1963 a 1968 para uma espécie de políticas bem-intencionadas que foram apenas “aceites de forma relutante pelos africanos”. Um período transitório a que se seguiria uma fase de aceleração causada pelo recrudescimento da violência dos movimentos de libertação. Cai, portanto, a lógica da continuidade, embora se preserve a justificação socioeconómica da concentração planificada e se responsabilize os grupos guerrilheiros pela sua intensidade (Niddrie, 1974).

11Em contraposição a esta descrição parca e objetiva, encontramos o politólogo Gerald Bender com um artigo sobre os limites da contra-insurreição na influente Comparative Politics (Bender, 1972a). Bender apercebeu-se das estratégias retóricas dos militares e dos funcionários ultramarinos e incluiu-as no seu desenho de pesquisa: porque sabia que, na prática, os diferentes tipos de aldeamentos, mais ou menos militarizados, eram indistinguíveis, a comparação clássica a que iria proceder teria de ser feita entre regiões de Angola e não entre programas rurais. Bender mediu e comparou a intensidade do reagrupamento subdividindo a colónia, e depois tecendo remissões comparativas com as experiências francesa, britânica e norte-americana da contra-subversão. Mais importante, cada caso – ou melhor, cada sub-unidade de análise – concedia uma grande atenção à evolução das condições socioeconómicas distritais e à voz dos subalternos por ele entrevistados, fazendo subir as atitudes e comportamentos da população reagrupada ao nível da análise histórica comparada. A sua grande conclusão, repetida ad nauseam, é que os aldeamentos, ao contrário do que afirmaria um Niddrie, geravam o descontentamento que alegadamente deviam minorar, reverter ou prevenir.

12A menor preocupação do geógrafo, sobretudo porque se tratava de um especialista em geografia humana, não era compatível com as ideias do cientista político, e muito menos com a grande escala das operações no terreno e com a deliberada política de humanização do discurso sobre essas deslocações forçadas. Até que ponto é que as diferentes imagens veiculadas por estes dois autores se ficaram a dever à sua diferente experiência de investigação no campo?

Figura 1. Um dos aldeamentos do Leste, circa 1970. Vista aérea da concentração de Tiengo, no distrito do Cuando-Cubango (Angola)

Figura 1. Um dos aldeamentos do Leste, circa 1970. Vista aérea da concentração de Tiengo, no distrito do Cuando-Cubango (Angola)

Um dos aldeamentos do Leste, circa 1970. Vista aérea da concentração de Tiengo, no distrito do Cuando-Cubango (Angola)

Arquivo Nacional Torre do Tombo (AN/TT, Lisboa)/Arquivo Silva Cunha/Cx. 72, n.⁰ 517, Mç. 1

A circulação (trans)imperial de um artigo

  • 6 Relatado em “Of. confidencial da Direcção-geral dos Negócios Políticos do Ministério dos Negócios E (...)
  • 7 Idem, p. 2.
  • 8 A acusação de judaísmo pode indiciar não tanto uma atitude anti-semita, mas uma atitude anti-comuni (...)

13Gerald Bender, jovem investigador da Universidade da Califórnia, escreveu a sua tese de doutoramento em Lisboa e em Angola entre 1967 e 1970. Dessa tese sairia o artigo sobre o reordenamento rural e a contra-insurreição portuguesa, depois republicado na sua obra maior, Angola under the Portuguese: the Myth and the Reality, em 1978 (Bender, 1978). Mas o início da sua viagem foi atribulado. Desde 1966 que pedira visto para se deslocar a Portugal, ao mesmo tempo que formalizara uma candidatura ao Foreign Area Fellowship Program, da Fundação Ford. Segundo relato de Joseph Sigal, Cônsul honorário em Los Angeles, ao Embaixador Vasco Vieira Garin, em Washington, Bender ter-lhe-ia confidenciado que, logo após esse contacto com a Fundação, dois agentes da CIA o teriam visitado, dando a entender “que a bolsa só lhe seria concedida se se comprometesse a escrever artigos contra a política portuguesa”.6 Ainda segundo o mesmo relato, Bender terá declinado a proposta, recusando ceder à ingerência dos serviços de intelligence. Perante tamanho ato de desprendimento e autonomia, Joseph Sigal convida Bender a pedir financiamento à Gulbenkian, que aceita. Sigal estava convencido que o politólogo se poderia revelar um elemento útil a Portugal.7 Os serviços políticos do MNE, contudo, pareciam ter uma outra leitura do evento: Bender e o Cônsul estariam em conluio – e era preciso cautelas, visto que ambos eram judeus.8 A conotação a uma bolsa Ford passou a constituir uma variável relevante nas avaliações de risco político feitas por Lisboa, mas sobretudo pelos consulados nos Estados Unidos. Ter uma bolsa Ford levantaria imediatas suspeitas. Mas Joseph Sigal também se defendia, avisando o Embaixador que Lisboa poderia muito bem conceder o visto, para depois controlar os movimentos do investigador.

  • 9 A PIDE considerava inconveniente a deslocação de Gerald Bender por “razões de segurança”. V. “Of. N (...)

14Tanto o Gabinete dos Negócios Políticos do Ministério do Ultramar como a PIDE deram parecer desfavorável à deslocação de Jerry Bender e da sua mulher, Tamara.9 Mais tarde, uma missiva do Padre e historiador Silva Rego a Franco Nogueira revelaria que os inspetores ultramarinos e a polícia política estavam seguros de que, afinal, o único agente da CIA nesta história era o próprio Bender. Silva Rego, que se tinha deslocado à Universidade da Califórnia e medido a temperatura política do seu African Studies Center, a que Bender pertencia, não acreditava nessa ideia. Garantiu-lhe, além do mais, que Gerald Bender era um cientista político de confiança, à procura de estudar o papel da migração portuguesa no desenvolvimento de Angola, matéria pouco conhecida nos EUA:

  • 10 Cópia de carta dirigida por António da Silva Rego, a partir do ISCSPU, ao Ministro dos Negócios Est (...)

Tendo tomado conhecimento do que se passa com o Sr. Gerald J. Bender (…) estou convencido de que se trata de um infeliz equívoco. Não posso imaginar como é que o acusam de pertencer à C.I.A.! O Sr. Bender é um “bona fide” investigador. (…) Pedindo me seja relevada esta intromissão, confesso-me desde já muito grato pelas facilidades que venham a ser concedidas ao Sr. Bender. Merece bem ser auxiliado nas suas pesquisas no Arquivo de Angola, que conheço bastante bem, e onde encontrará achegas muito úteis para o seu estudo.10

15Neste aspeto, o historiador do Centro de Estudos Políticos e Sociais da Junta de Investigações do Ultramar e do ISCSPU (Instituto Superior de Ciências Sociais e Política Ultramarina, a antiga Escola Superior Colonial) concordava com o Cônsul – Bender seria útil na propaganda portuguesa. Mas enganaram-se. Não se sabe quem pressionou a PIDE a conceder o visto ao casal, nem se não terá sido decisão interna para averiguar as acusações de pertença aos serviços secretos americanos. A verdade é que Bender e Tamara acabaram por viajar para Lisboa e por pedir nova passagem para Angola, no que foram ajudados pelos bons ofícios de Silva Rego junto do Ministro dos Negócios Estrangeiros.

  • 11 Em que o GNP chega a concorrer com a PIDE pela avaliação da conveniência política da autorização da (...)
  • 12 Diretor-Geral dos Negócios Políticos do MNE, “Of. n.º 1658”, de 5 de Abril de 1973; cf. avaliação d (...)

16Os serviços ultramarinos, aparentemente secundados pela PIDE, pelo contrário, repudiaram a decisão, iniciando uma demorada troca de acusações com os Negócios Estrangeiros.11 Mas em vão. Jerry estabeleceu-se em Angola em maio de 1968, donde só sairia para retomar o cargo de assistente em Ciência Política em Los Angeles, em 1970. Teriam de passar três anos até que o Ministério do Ultramar saísse vitorioso nas suas análises: é que a Embaixada em Washington confirmou que a Fundação Ford tinha concedido um subsídio de $300.000 para Bender coordenar um grupo de estudos sobre a África Portuguesa na UCLA, remetendo ao MNE e ao GNP o artigo sobre os aldeamentos da Comparative Politics. “Embora redigida com brilho e aparente rigor científico”, afirmava um diretor-geral do MNE, “chega a conclusões que revelam o prisma deformado pelo qual o seu autor vê a presença portuguesa no Ultramar, analisada sem a devida objetividade e com omissão completa dos aspetos positivos do reagrupamento rural, que é apresentado como tendo em vista apenas finalidades de ordem estratégica”.12 Foi aí que se reconheceu que Bender sempre estivera ligado à Fundação Ford, que teria ludibriado o Cônsul português, motivo por que os serviços consulares e ultramarinos o declararam pessoa suspeita, remetendo o artigo ao Governador-Geral de Angola e aos Serviços de Centralização e Coordenação de Informações da colónia.

  • 13 António Soares Carneiro, já como Secretário-Geral do Governo-Geral de Angola, pelos SCCIA, em “Of. (...)

17Todavia, esses serviços secretos já se tinham antecipado. O artigo correra diretamente do distrito do Cuando-Cubango até Luanda, pelas mãos do Major Branco Ló, um dos principais impulsionadores da política de reagrupamento populacional naquela região. Ló tinha-o recebido, nem mais nem menos, do que do geógrafo David Niddrie, que pretendia obter elementos concretos com que pudesse rebater as teses de Gerald Bender.13 Mais ainda, Niddrie aproveitou a troca de correspondência com o militar para traçar o perfil do seu opositor universitário, com quem se cruzara em Angola ao tempo da sua estadia:

  • 14 Idem, p. 1.

18a) É um jovem que fez a sua pesquisa em ciências políticas pela Universidade de Los Angeles, em Brentwood – Califórnia -;
b) É um homem de cujas intenções muito suspeitou; e
c) Ensina e faz pesquisa em UCLA, Califórnia, em equipe com o Engenheiro Agrónomo Cruz de Carvalho.14

19Esta ligação entre a Flórida e as ‘terras de fim do mundo’, em Angola, desencadeou um processo de pesquisa por parte dos serviços de informações angolanos, que recolheram os dados de que Niddrie necessitava para preparar a sua resposta académica, já na Flórida.

Disputas disciplinares no campo da contra-subversão

  • 15 “Prezado Sr. Dr. Ministro:
    É difícil acreditar que seis meses já passaram desde estive no seu gabine (...)

20Como interpretar todo este enredo? Uma primeira hipótese é a de que o caso configurou a oposição entre dois agentes de gerações e campos disciplinares diferentes em torno do mesmo objeto. Niddrie, com 50 anos, tinha conseguido penetrar na administração portuguesa dois anos antes de Bender, e manteve, com sucesso, uma rede de conhecimentos íntimos com pessoal da governação local em Angola, sobretudo militar. Bender, com apenas 27 anos, conseguira ultrapassar os pontos de veto científico do sistema ultramarino português e aos 29 já tratava o ministro do Ultramar com um grau de proximidade improvável, falando de casas de fado e jogos do Sport Lisboa e Benfica no Estádio da Luz – um cliché que parece ter manejado com à-vontade e num português razoável no gabinete de Joaquim da Silva Cunha.15

  • 16 Sousa Dias referia-se a Niddrie como um “bom amigo” de Portugal, depois de mencionar o artigo publi (...)
  • 17 Tratava-se do artigo “Letter from Angola: Eight Years After the Terror” (Niddrie, 1969). Cf. Serviç (...)
  • 18 PIDE/DGS, “Inf. N.º 1057-SC(CI (2)”, de 26 de Setembro de 1968, AHD/MU/GM/GNP/RNP/0396/10636.
  • 19 Comentário a PIDE/DGS, “Inf. N.º 1057-SC(CI (2)”, de 15 de Outubro de 1968, AHD/MU/GM/GNP/RNP/0396/ (...)

21É importante notar que esse confronto foi sempre um confronto indireto, uma luta de bastidores despoletada por Niddrie. A ansiedade revelada pelo geógrafo pode ser explicada, em parte, porque o próprio se preparava, desde 1972, para escrever um livro sobre a Angola moderna e tinha publicado, para além do já citado artigo seminal de 1967 – que lhe granjeou a simpatia de Vasco Sousa Dias, Secretário Provincial do Fomento Rural de Angola16 – um artigo na National Review que impressionara a Embaixada em Washington e os Serviços de Informação do MNE.17 Nesse artigo, Niddrie relatava a sua primeira visita à África Portuguesa, altura em que teria revelado à PIDE que não ia “ao encontro das ideias manifestadas na América o que agora verificava serem falsas”.18 Essa polícia, que o acompanhou de perto também na visita que fez a Moçambique em setembro de 1968, comentou que “pelo que foi dado a observar, o visitante saiu (…) favoravelmente impressionado, não se cansado de elogiar a obra dos portugueses em África. Nada se verificou que pudesse ser tomado como suspeito, quer nos contactos que fez, quer nas afirmações que produziu”.19

  • 20 Serviços de Informção e Imprensa do MNE para o GNP, de 26 de Junho de 1972, AHD/MU/GM/GNP/RNP/0396/ (...)
  • 21 Foi Ribeiro da Cunha quem lhe comunicou as desculpas de Spínola, “Carta de Alexandre Ribeiro da Cun (...)
  • 22 Por exemplo, com Afonso Mendes, Diretor do ITPAS. V. Cruz, 2014: 118-119.

22A vigilância policial complementava, confirmando-as, as tomadas de posição académicas de Niddrie, que lhe valeram um convite da Associação Portuguesa das Empresas do Ultramar, em articulação com a Embaixada em Washington, para visitar a Guiné, a fim de contrariar as manobras do PAIGC e da Comissão Especial de Descolonização da ONU, muito especialmente as alegações de que Portugal já não controlava nem o território nem os povos guineenses.20 Niddrie estabeleceu contactos de alto-nível, do governador militar do Cuando-Cubango, passando por Alexandre Ribeiro da Cunha, ex-secretário privado de Salazar e um dos mais poderosos inspetores do GNP do Ministério do Ultramar, até ao General Spínola, que teria ficado desapontado por não se encontrar com ele pessoalmente na sua visita à Guiné.21 Isto não significa que tivesse via aberta na sua pesquisa de campo. Como veio a acontecer inclusivamente com reputados inspetores ultramarinos que lecionavam no então ISCSPU,22 o acesso a dados empíricos controlados pelos mais altos órgãos de controlo científico – a JIU e o GNP – a partir de meados dos anos 1960 começou a ficar mais apertado por razões de segurança nacional. Contudo, em todos os restantes aspetos, Niddrie parece ter acedido com relativa facilidade devido à sua proximidade com os militares – vale a pena lembrar que o próprio fora Tenente das Forças Navais Voluntárias da África do Sul durante a II Guerra Mundial, mas também por ser reconhecido como categorizado especialista em Povoamento e Migrações Humanas.

23Acontece que Gerald Bender, malgrado as avaliações desfavoráveis da polícia política e dos inspetores ultramarinos, obteve o visto por intervenção do padre Silva Rego, convencido de que ele iria estudar a relação entre povoamento da metrópole e desenvolvimento socioeconómico. Ou seja, o “jovem cientista político” interferia no campo de estudos do fantoche académico dos ultraconservadores portugueses nos EUA, David Niddrie. Por outro lado, Jerry já tinha conquistado um apreciável capital científico, no campo da politologia, ao inscrever-se explicitamente no interior das teorias da modernização e do estrutural-funcionalismo, num artigo em que debatia, com David Easton, Gabriel Almond, Verba e Lucien Pye, os méritos da tradição psico-cultural na explicação de como a socialização política – em especial, a socialização primária na primeira infância – influenciava a cultura política na idade adulta (Bender, 1967). Terminava mesmo esse artigo a perguntar se os governos dos novos Estados pós-coloniais podiam induzir mudança nas mentalidades diretamente a partir de cima ou se, como Pye argumentava, os governos deviam alterar os comportamentos parentais, de molde a engendrar a mudança desejada:

Almond e Verba tocam num ponto importante que precisa ser alargado. Eles sugerem que o sentido da influência da socialização não é necessariamente unidirecional. Os padrões de autoridade da família, da escola ou da ocupação podem influenciar o sistema político, mas também é possível que os critérios aplicados ao sistema político possam influenciar os padrões de autoridade naquelas áreas. Parece ser esse o caso da maioria das nações em desenvolvimento que tentam introduzir novos sistemas de valores. Mas continua em aberto a questão do quão bem-sucedida poderá ser uma mudança introduzida através de um tal processo. Além disso, a natureza do processo atual ainda não é clara. Quer dizer, pode o governo introduzir diretamente novos valores e crenças ou, por outra, concretizar a mudança (como argumentam Hagen e Pye) através da disrupção das práticas de educação dos filhos, que, por sua vez, gerariam a mudança “desejada”? (Bender, 1967: 406-407)

  • 23 Mais concretamente, Bender sugeria que existia um conjunto de explicações alternativas às conclusõe (...)

24Se bem que tenha introduzido alguns apontamentos críticos que anunciavam a viragem para o neo-institucionalismo, o seu pensamento continuava amarrado aos pressupostos behaviouristas.23 Tais posições só muito dificilmente podiam ser interpretadas como radicais. E o que é mais importante, elas revelavam uma conformidade geral com os parâmetros da transitologia e com seu desiderato capitalista demoliberal.

  • 24 Alguns dos mais conhecidos foram Basil Davidson, John Marcum, Bernard Rivers e Olle Wästberg.
  • 25 Veja-se, por todos, Pélissier, 1974:47-64.

25Seguindo a circulação do artigo de Bender sobre os aldeamentos, que foi usado como peça fundamental na campanha desencadeada pelo geógrafo Niddrie a partir de dentro da administração colonial portuguesa, é possível pensar neste conflito como uma disputa que tem mais a ver com acesso a fontes escassas, do que com a postura ideológica de cada um. Um motivo relevante para o acesso destes autores à produção da administração colonial parece ter sido o distanciamento que esse acesso gerava face às inúmeras análises que vinham dando à estampa naquele período, a maioria delas produto de arriscadas viagens jornalísticas a Angola e aos territórios vizinhos a convite dos movimentos de libertação – UPA-FNLA, MPLA e UNITA, cada um teve os seus observadores ‘imparciais’ que depois se fizeram publicar quasi-academicamente.24 A questão principal residia, nesta altura, em saber quem estava a ganhar a guerra em termos da área de território controlada e de população governada; quer em números absolutos, quer relativos aos restantes movimentos e ao governo colonial português. Tudo isto num contexto marcado por padrões complexos de emigração (de natureza económica e político-militar) forçada ou voluntária e de imigração (também designada por ‘recuperação’, em que se incluíam as populações ‘capturadas’ ao inimigo).25

  • 26 Entre aspas as citações retiradas de Niddrie.

26No entanto, isto não significa que, para o caso de Niddrie, não se possa reconduzir a sua produção científica e a sua atitude face a Gerald Bender à doutrina do desenvolvimento separado e do apartheid, que o autor defendera num livro coevo sobre as nações da África do Sul (Niddrie, 1968). Um reviewer chegou mesmo a questionar se, por detrás de toda a conversa metodológica de Niddrie, imbuída de imparcialidade, e do seu estilo ideográfico, não se encontrava um autor “cujo status socioeconómico lhe toldava a avaliação que fazia dos ‘dois problemas da fricção racial e da sobre-urbanização’, que considerava estarem a ser geridos com ‘algum sucesso e mestria’” (Young, 1969).26 Ou seja, os portugueses teriam escolhido para seu melhor defensor da política de aldeamentos um paladino da segregação!

Objetividade, distanciamento e tecno-cosmopolitismo

27Uma segunda dimensão tem que ver com as pretensões de objetividade e a sua construção científica e política. O que os burocratas de Lisboa apelidavam de “aparência de objectividade” de Gerald Bender advinha do estilo profundamente académico do autor, que não prescindia – nem viria a prescindir – dos julgamentos comparativos e das técnicas de análise e escrita típicas da ciência política anglo-saxónica. Mas se aos funcionários ultramarinos bastava-lhes ler nas entrelinhas, isolando os espaços em que Bender atribuía agency aos camponeses angolanos em privação – que eram escassos à luz do cânone hoje em voga nos estudos pós-coloniais –, para o acusarem de inimizade política, má-fé e inconveniência, só mais tarde é que Bender viria a explicitar a sua posição mais abertamente: a política de reordenamento rural que os portugueses prosseguiram em Angola tinha sido “cruel, desumana, se é que não mesmo genocida” (Bender, 1988: 3).

28Fê-lo em duas ocasiões, antes e depois do início do processo de descolonização. Primeiro, num reparo aos argumentos moderados de René Pélissier, autor que defendera que as condições de vida dos angolanos tinham melhorado na última década da presença portuguesa, depois das reformas ultramarinas (Wheeler e Pélissier, 2009 [1971]). Bender reconhecia que o número de africanos a trabalhar para europeus tinha decrescido – indício forte da liberalização do mercado de trabalho –, mas mostrava, ainda assim, que no sector agrícola as colheitas europeias tinham aumentado a expensas de uma diminuição drástica da produtividade africana. Ora, esse declínio estaria a ser provocado pelos programas de reordenamento rural. E alertava para o crescimento dessa desigualdade à medida que esquemas como o Plano Hidroelétrico do Cunene fossem sendo implantados e levassem a outras vagas de deslocações forçadas (Bender, 1972b; 1973).

29Depois, no final dos anos 80, ao criticar a academia e a política externa dos EUA, de Kennedy a Reagan, utilizou o caso português como um exemplo da hipocrisia política que grassava tanto entre Democratas como Republicanos. Os EUA tinham uma visão ideológica de África – era esta a sua tese. Como tal, cada partido dividia o continente entre boas e más nações, de acordo com “critérios ideológicos esotéricos, que ignoram a atuação real de cada regime”. Opunha-se, assim, àqueles que na African Studies Association (ASA) se recusavam a criticar o regime de Nyrere na Tanzânia e que depois atacavam os programas de aldeamentos portugueses. E opunha-se, também, aos partidários de direita que faziam justamente o contrário:

Quando feita em nome da Ujamaa, [essa política] foi aplaudida como progressista. Hoje, a direita foca-se, e bem, nos grandes esquemas de reassentamento levados a cabo na Etiópia; mas onde estava a direita há mais de uma década quando o mesmo aconteceu em Angola, Moçambique, Guiné-Bissau e na Rodésia? Em todos estes casos o resultado foi o mesmo: o desenraizamento massivo dos camponeses das suas terras tradicionais sob programas mal planeados e apressadamente implementados que geraram custos económicos e humanos devastadores. (Bender, 1988: 3)

  • 27 Para a estratégia de contra-insurreição da Rhodesian Front de Ian Smith na Rodésia, altamente desum (...)

30Ou seja, só depois de regressar à Califórnia e de publicar a sua tese é que Bender começou a ser mais assertivo na sua posição: primeiro, os aldeamentos portugueses podiam ser vistos como parte de uma política de genocídio e eram comparáveis às experiências brutais de Ian Smith na Rodésia e de Nyrere com a colectivização agrícola;27 segundo, o seu combate fez-se em prol da objetividade científica de altos padrões morais liberais: um governo que espolia os seus cidadãos, os encarcera e os destrói não pode nunca ser considerado progressista ou desenvolvimentista – postura comparável, por exemplo, à do sociólogo Barrington Moore Jr. (Smith, 1983). Tendo em conta que, desde o final dos anos 60, a African Studies Association, a que Bender pertencia e que chegou a presidir (1985-1986), se encontrava relativamente polarizada em torno da questão sobre quão apolítica e racializada era, de facto, a produção académica objetiva, é normal que o próprio se sentisse encurralado entre a denúncia da realidade colonial violenta e a descrição e explicação desengajadas. A ASA, formada em 1957 em plena vaga de criação de associações representativas dos emergentes Area Studies, com o apoio financeiro de duas das três mais poderosas fundações norte-americanas, a Ford e a Carnegie, foi um dos palcos privilegiados para a afirmação de uma contra-cultura negra, afro-americana, perante um campo de estudos africanos dominado por um professorado maioritariamente branco e por uma epistemologia essencialmente eurocêntrica. A questão de saber quem poderia interpretar a história de África não só estalou dentro da Associação, com uma facção afro-americana a exigir, de forma mais radical, maior participação de base e reconhecimento académico a partir de 1968-1969, como se prolongou para o espaço das relações associativas, entre a ASA e a African Heritage Studies Association, a última propondo-se descolonizar a historiografia e reclamando para si um modo africano de fazer história (Gershenhorn, 2009; Clarke, 1976; Challenor, 1969).

31Portanto, o contexto imediato de atuação científica de Bender, da sua investigação em Lisboa e Angola às intervenções na ASA, explica, ao menos parcialmente, a equidistância que logrou manter em três frentes – regime colonial português, política externa dos EUA e visão africana atribuída nos seus estudos –, sem nunca perder de vista que essa equidistância de abordagem não seria de confundir com conclusões consensuais. Tratava-se, antes, de uma postura crítica que, contrapesando argumentos materialistas e idealistas, permitia alcançar uma exposição desapaixonada sobre o que era real – a exploração sistemática económica e simbólica – e o que era da ordem do mito – o lusotropicalismo, que levou a sério.

  • 28 De entre os quais se contavam economistas e politólogos que antecederam Samuel Huntington na sua ru (...)

32Mais trabalho haveria a fazer a partir dos arquivos da ASA para determinar se essa postura suscitou alguma oposição no interior do campo africanista. No entanto, os dados apontam para que Jerry se tivesse sentido demasiado comprometido com as óbvias conclusões dos seus estudos: foi criticado pelo aparelho português, pusera em cheque a confiança que nele depositaram Silva Rego e o próprio Ministro do Ultramar, ao mesmo tempo que lutou para que se reconhecesse que a denúncia teria sempre de seguir critérios neutrais de investigação – que só uma combinação de estudos qualitativos e quantitativos, em especial, a estatística multivariada, poderia fornecer. O comportamentalismo de que se socorreu para ensaiar um teste às proposições mais contestadas da ideologia oficial do imperialismo português, o multirracialismo e o desenvolvimento socioeconómico dos colonizados, revela até que ponto Bender pode ser colocado a par de um conjunto de outros autores que, partindo das premissas das teorias da modernização, conseguiram abalar o evolucionismo, a crença na homogeneidade sistémica e a teleologia eurocêntrica do edifício parsoniano.28

33As autoridades portuguesas tiveram sempre um enorme problema com esta progressiva afirmação de objetividade por parte de Jerry. Desde as suas conversas com o Cônsul em Los Angeles sobre as pressões da CIA à demonstração, que parece genuína, de apreço pela honestidade intelectual de Silva Cunha, tudo concorria para fazer dele uma figura difícil de classificar, que é, porventura, a mais complicada de se combater. Não é por acaso que o processo de atribuição do seu visto gerou uma profunda altercação entre os diferentes organismos censórios e policiais do império – a ponto de se poder deduzir o estado das relações interministeriais a partir deste caso. As dificuldades de acesso que lhe foram colocadas de início – ao contrário do que se passou com Niddrie – podem ter confirmado uma tendência para a duplicidade e para a moderação, para a procura por números oficiais secretos e não apenas para o uso de estatísticas públicas e entrevistas. Em todo o caso, o Departamento de História e o Centro de Estudos Africanos da Universidade da Califórnia, donde Bender era oriundo, estavam longe de apoiarem os movimentos anti-coloniais. Pelo contrário, tinham-se mostrado, nos últimos anos, favoráveis à causa portuguesa, um facto que confundia ainda mais as autoridades na avaliação que faziam do risco de trazer Bender a Portugal. Além disso, as repetidas insistências que o politólogo fez, já em Los Angeles, para se reconectar aos decisores políticos portugueses e às instituições académicas luso-angolanas, denotam que Bender manteve aquela postura, mesmo depois de percebido o impacto nocivo das suas publicações e das suas iniciativas.

  • 29 Por exemplo, a Association of Concerned African Scholars (Jones, 2015: 122).
  • 30 Cf. toda a correspondência trocada entre Gerald Bender e Justino Mendes de Almeida, Presidente da J (...)

34A este respeito, vale notar que, nesse período, a reação de vários ‘especialistas de área’, especificamente os africanistas, às acusações ou rumores de captação por interesses políticos e militares, foi no sentido de procurarem impor ou, pelo menos, de sugerirem uma maior autonomia face ao establishment norte-americano. Um dos instrumentos desse desinteresse foi a criação de comissões ou organismos de pesquisa que se afirmaram no distanciamento e na crítica da política externa norte-americana.29 Ora, depois de se fixar na UCLA, Bender não só se demarcou dessa ciência política heterónoma na esfera doméstica, como envidou esforços para que o grupo de especialistas na África portuguesa que ajudou a montar e que liderava – o Interdisciplinary Research Program on Angola, Mozambique and Guinea-Bissau, também designado Portuguese Africa Project, financiado pela Ford – contasse com a colaboração ativa da Junta de Investigações do Ultramar, quer na remessa de bibliografia, quer no envio de representantes portugueses às iniciativas do Centro de Estudos Africanos da sua universidade.30

  • 31 O secretário-geral da APEU foi perentório: “será escusado dizer-lhe que esta Associação não está di (...)

35No entanto, Bender acabaria por colher os frutos do seu trabalho: os caminhos para Portugal, outrora abertos por Silva Rego, começavam a fechar-se. Como publicação proscrita e como prova da perigosidade política do autor, o seu artigo sobre os aldeamentos foi anexado ao processo individual que a Junta de Investigações do Ultramar tinha à sua guarda. Mas outros indícios de falta de ‘idoneidade’ começavam agora a aflorar: a folha de guarda de outra obra detratora do colonialismo português, In the Eye of the Storm, de Basil Davidson, fotocopiada e sublinhada pelo secretário-geral da Associação Portuguesa das Empresas Ultramarinas (APEU), denunciava, pela mão do próprio Davidson, a ajuda que recebera de Bender e do seu grupo de africanistas da UCLA, motivo pelo qual essa Associação, através da sua rede transatlântica de relações públicas, deu parecer negativo a qualquer apoio financeiro no apetrechamento da coleção da biblioteca da UCLA sobre a África Portuguesa.31 A APEU, entidade representativa dos grandes grupos económicos portugueses no ultramar, tornou-se cliente de consultoras norte-americanas que faziam a propaganda semi-oculta do imperialismo português junto da opinião pública e do Congresso dos EUA. Em Lisboa, Bender conheceu o lobista Kenneth Downs – que viria a sair da conhecida consultora Selvage & Lee, contratada pela APEU, para fundar a sua própria empresa de lobby político e económico, a Downs and Roosevelt – que o ajudou a conseguir o visto para Angola. Cinco anos mais tarde, em correspondência com Downs, pensando que a sua firma ainda mantinha a APEU como cliente, solicitou apoio na procura de benfeitores filantrópicos com vontade de comprar um vasto conjunto de obras que havia localizado em Lisboa e de o doar ao Centro de Estudos Africanos da sua universidade. Downs, no entanto, já não trabalhava para a APEU desde 1972, mas fez chegar, com rapidez, o assunto a Michael Teague, intermediário daquelas duas agências em Lisboa, que, com igual celeridade, colocou a correspondência de Bender à disposição da APEU. Esta última não só recusou, como parece ter servido de elo numa cadeia de vigilância paralela às da polícia política e do Ministério do Ultramar. Com efeito, era a JIU que fazia a ponte entre estas duas esferas de controlo da informação. Ora, o envolvimento do politólogo com os lobistas pagos pela APEU levanta mais dúvidas do que nos dá respostas.

  • 32 Cf. abaixo. Para o percurso de Samuels, que atribuiu a Abshire o convite para trabalhar, logo em 19 (...)

36É que, por um lado, seria de perguntar até que ponto Bender e Tamara dependeram de outros atores de peso, para além de Silva Rego, para conseguirem chegar ‘ao terreno’. Dados mais recentes, fornecidos em entrevista pelo conhecido casal de antropólogos Barbara e Allen Isaacman, sugerem que essa rede de agentes foi manipulada por Bender: enquanto Downs, Teague e uma outra figura obscura, um aristocrata de orientação mais liberal empregado na agência dos primeiros e adepto do reformismo de Adriano Moreira, Martim Lencastre Cabral, esperavam que os investigadores académicos, devidamente apoiados, funcionassem como pontos divulgadores do progresso político e económico das colónias alcançado na última década (Isaacman et al., 2021: 224-229), Bender subvertia essas suposições, fazendo exatamente o contrário. Ou seja, usava os seus contactos e as boas graças em que tinha caído para criar um durável empreendimento coletivo de denúncia do colonialismo português. Por outro lado, como é que Bender se justificou num período em que a sua reputação de académico de confiança foi decaindo no seio da sua rede de contactos? Na missiva que endereçou a Kenneth Downs, a estratégia foi a de reafirmar a sua postura científica e politicamente neutral, alargando-a ao Research Program que dirigia. Invocando as críticas que lhe foram transmitidas por um amigo que tinham em comum, Michael Samuels – um graduado de Colombia que também fizera trabalho doutoral em Angola entre 1966 e 1967, e que acabaria por ser chamado por David Abshire, do Center for Strategic Studies em Georgetown, para co-editar um dos livros mais apologéticos do regime português e fundar e presidir ao programa de estudos africanos desse centro32 –, deixou-nos uma descrição da sua pesquisa e da sua equipa interdisciplinar:

  • 33 Carta de Gerald Bender a Kenneth Downs, de 20 de Abril de 1973, pp. 1-2, AJIU, Processo 1121. Inglê (...)

Claro que existe, naturalmente, uma boa dose de especulação e de rumor em torno do que é que o Interdisciplinary Research Program anda, na verdade, a “tramar”. Mas, fazendo parte da Universidade da Califórnia, devemos ser natural e completamente transparentes quanto às nossas atividades; por isso, qualquer especulação é certamente desnecessária e equivocada. Somos, antes de mais, um programa de investigação com o objetivo de publicar um conjunto de estudos científicos relacionados, sobretudo, com os padrões agrícolas de Angola, embora não descurando também estudos históricos e políticos. Um aspeto secundário e bem menos importante do nosso programa é a promoção do contacto académico e da cooperação entre estudiosos da África Portuguesa de todo o mundo. Neste sentido, tal como expliquei a vários responsáveis portugueses em Março de 1972, encaro o nosso programa e o meu papel de Diretor como neutrais; isto é, tentamos oferecer oportunidades e dar facilidades a pessoas de todos os lados do espectro que tenham interesse na África Portuguesa, dos mais conservadores dos portugueses aos membros dos grupos nacionalistas africanos que lutam contra Portugal. Embora tenhamos dado, até ao momento, mais oportunidades a porta-vozes portugueses, isso não é, de modo algum, indicativo de qualquer viés da nossa parte; antes reflete, somente, o número de visitantes que vêm aos EUA. Ainda que eu entenda que a nossa neutralidade não coincide com os interesses ou objetivos da tua firma de relações públicas, muito me agradou encontrar em Lisboa uma receção bem ubíqua aos nossos objetivos e estou particularmente satisfeito com a cooperação (material) que recebemos da Junta de Investigações Científicas do Ultramar.33

  • 34 Carta de Gerald Bender a Justino Mendes de Almeida, de 15 de Março de 1973, AJIU, Processo 1121.
  • 35 Idem, p. 2.

37Um último indício, mais oblíquo, mas porventura mais forte, foi a tentativa de Bender trazer o agrónomo Herman Pössinger como representante de Portugal a um colóquio em Los Angeles, pedindo que a JIU comparticipasse nas ajudas de custo dessa eventual deslocação.34 Lembremos que Pössinger, nessa altura já posto de parte como chefe da Missão de Extensão Rural de Angola, assumiu-se como um dos representantes, senão mesmo o principal impulsionador, do extensionismo, variante do desenvolvimento comunitário, e encabeçou uma elite tecno-cosmopolita cuja atuação é, ainda hoje, muito ambígua, porque atravessada pela tensão entre a submissão voluntária à contra-subversão e a luta emancipatória dos angolanos. Acontece que em 1973, o projeto-piloto que Pössinger liderou no Andulo, no distrito do Bié em Angola, foi declarado um falhanço político, policial e militar; falhanço, sobretudo, porque se tornara um santuário para os guerrilheiros e um incubador de ideias e comportamentos anti-portugueses. Além disso, o colóquio a que Bender se referia e ao qual atribuía um objetivo meramente informativo das inovações portuguesas no âmbito do desenvolvimento rural – já que, de entre os países em desenvolvimento, Portugal e as suas colónias não mereciam grande destaque internacional na matéria – visava, de facto, debater, de forma comparada, o desenvolvimento rural em África e na América Latina, fazendo uma “Ecological-Cultural Analysis in Tropical Rural Development”.35 Só o título deste painel dava para rastrear a origem dessa ideia e as suas implicações. De facto, a análise ecológico-cultural dos sistemas agrícolas era o principal interesse de pesquisa de um outro representante do tecno-cosmopolitismo, defensor da extensão rural, e crítico mordaz do ‘desenvolvimento’ extrativista e explorador seguido pelos portugueses em Angola: o ex-chefe da Missão de Inquéritos Agrícolas de Angola, parceiro de Bender no Centro de Estudos Africanos na UCLA, Eduardo Cruz de Carvalho; ou seja, o mesmo que David Niddrie achou por bem mencionar como estando demasiado próximo do cientista político, até então de idónea reputação, e que publicaria, em 1974, a principal análise académica especializada, no interior dos estudos agronómicos, à expropriação das terras nativas por colonos europeus e à política de modernização forçada dos povos seminómadas do Sul de Angola (Carvalho, 1974).

  • 36 É também de ter em conta que Bender terá contactado pela primeira vez com o modelo do desenvolvimen (...)

38O comprometimento de Gerald Bender com esta elite tecno-cosmopolita, se já se antevia no artigo sobre as concentrações, ficou definitivamente comprovado, anos mais tarde, no livro que publicou sobre Angola, onde partilhava das suas premissas emancipatórias e sentenciava que o ‘desenvolvimento’ propagandeado pelos portugueses na verdade sub-desenvolvia. Entretanto, a sua colagem a este grupo mereceu-lhe reprovação, o que é indicativo do modo como o desenvolvimento comunitário e a extensão rural, no essencial o tecno-cosmopolitismo, foram sendo domesticados e depurados pelo aparelho repressivo português.36

Filantropia e vigilância

39Uma terceira e última dimensão tem a ver com a sugestão, aventada pelo Cônsul Joseph Sigal, de Bender formalizar um pedido de patrocinato à Fundação Gulbenkian. O MNE suspeitou, cedo, que tudo não passava de um jogo duplo da parte do cientista político em conluio com os serviços consulares. Mas é difícil verificar a veracidade dessa ideia. O que há é, antes de mais, um julgamento anti-comunista por parte dos funcionários do MNE, que levantavam suspeição por ambos partilharem a fé judaica; depois, o próprio Cônsul relembrou, por duas vezes, que a PIDE tinha a opção de deixar seguir Bender para depois o controlar, numa primeira fase, em Lisboa – estratégia rotinizada da polícia política nestes casos; por último, ao tempo em que se deu este episódio, existia já um repertório institucional consolidado de propaganda, que tinha acabado de ser testado, entre 1965 e 1969, no caso do livro Portuguese Africa: A Handbook, editado por David Abshire e Michael Samuels (Abshire e Samuels, 1969). Resultado de um projeto financiado pela Gulbenkian, orquestrado pela mão de Pedro Teotónio Pereira e do omnipresente Alexandre Ribeiro da Cunha, o livro deveria ser uma espécie de resposta académica à obra de James Duffy. Portuguese Africa, continuada em Portugal in Africa (Duffy, 1959; 1962). Este projeto “David” (o seu nome secreto) visava utilizar dinheiro da fundação para pagar as deslocações a África de um conjunto de investigadores norte-americanos, que teriam contactado, depois, com uma série de representantes da ideologia oficial portuguesa no âmbito das ciências sociais (Curto, 2013: 33-34). É claro que o livro foi recebido, internacionalmente e muito em particular na African Studies Association, como uma apologia do regime colonial português, e ressuscitou questões relativas à autonomia de investigadores que professavam a imparcialidade e que desejavam, conscientemente, “evitar as polémicas” (Hafkin, 1971).

  • 37 Para uma visão genérica do papel das fundações americanas na consolidação da hegemonia americana de (...)

40Interessa aqui a relação coordenada do MNE, do Ministério do Ultramar, da Embaixada em Washington e da Gulbenkian para rebater acusações anti-coloniais, uma relação que terá sido mais profunda e sistemática do que hoje estamos dispostos a admitir: o caso de Bender confirma que a Gulbenkian, a partir de 1965 pelo menos, serviu para criar uma esfera de intervenção política tutelada pelo Estado Português contra a interferência da Fundação Ford, associada às operações cobertas da CIA nos territórios portugueses, em especial, em Angola. Note-se que a Ford, depois de lançado o seu programa de fomento de especialistas de área, o Foreign Area Fellowship Program, com o objetivo específico de formar um quadro de pessoal especializado para assessoria e aconselhamento do governo norte-americano em matéria geopolítica, chegou a temer que a CIA exercesse pressão sobre os fellows para extrair informação. Algo que, de facto, veio a suceder e foi reconhecido, com irritação, pela direção da fundação (Berman, 1980: 221; 1983).37

41Quer tenha ou não sido inventado pelo próprio, o episódio de coação dos agentes da CIA sobre Bender reforçou a perceção da diplomacia portuguesa sobre a política externa norte-americana desde o final da administração Kennedy: que a chantagem de Salazar sobre a base das Lajes, a preferência liberal por um nacionalismo não-violento e a ambiguidade americana na gestão do embargo das armas e do fornecimento de material da NATO a Portugal forçavam os africanistas em Washington a tomar a via das operações secretas em múltiplas frentes (Rodrigues, 2002). No mesmo sentido, durante as décadas de 1950 e 1960, a Fundação Ford foi ocupando o espaço deixado vazio pelo governo norte-americano no apoio financeiro concedido a investigações sobre os países em desenvolvimento, sobretudo aquelas que tocavam em matérias em que o retraimento público dos EUA era notório (McCarthy, 1987). O certo é que a PIDE e o Gabinete dos Negócios Políticos acreditaram até ao fim que Bender fora um agente infiltrado. Tudo isto talvez ajude a explicar porque é que, anos mais tarde, Bender defendeu a integridade e a autonomia da pesquisa africanista contra as pressões, cada vez mais pronunciadas e evidentes, das agências de intelligence, num quadro de retraimento do financiamento filantrópico:

A par da perspetiva da administração Reagan sobre a guerra fria, deu-se uma viragem no financiamento das atividades académicas sobre África do Departamento da Educação às agências da Defesa e dos serviços de informações civis. Há dez anos, poucos membros desta associação teriam considerado apropriado que a DIA ou a CIA financiassem ou, talvez pior, estabelecessem as prioridades de pesquisa da investigação individual ou institucional sobre África. (...) Hoje, todavia, vemos importantes estudiosos e Centros de Estudos Africanos preparados para aceitar financiamento dessas agências. A decisão da Fundação Rockefeller de deixar cair o seu apoio aos estudos internacionais vai provavelmente encorajar mais deste tipo de assistência à investigação, o que comprometerá e fará perigar a credibilidade e integridade da pesquisa universitária africanista. Agora, os africanistas devem erguer-se e falar abertamente das questões do nosso tempo. É possível manter a nossa integridade académica e participar em atividades políticas. É tempo de descermos das nossas torres de marfim e denunciar as questões que afetam a África. (Bender, 1988: 6-7)

Discussão

42Ao evidenciar as determinantes da produção e da circulação de um tipo específico de conhecimento social, um que foi iniciado por agentes que consideraríamos, a priori, externos ao campo do Estado-império, este pequeno caso de produção de conhecimento sobre os aldeamentos em Angola chama a atenção para o facto de ser muito pouco relevante reduzir os estudos históricos e sociológicos da ciência, incluindo a ciência política e a geografia, a uma defesa intransigente da autonomia do campo científico no passado ou a uma redução total das pesquisas – da prioridade atribuída a certos tópicos às conclusões a que chegavam, passando pelos pressupostos da abordagem que adotavam – a imperativos políticos ou ideológicos. Mesmo os investigadores estrangeiros, forçados a passar por um sistema de atores de veto para acederem ao terreno de pesquisa, tiveram nessa adversidade um incentivo para dinamizar o campo científico. Quer dizer, o controlo estatal dos seus movimentos, da sua correspondência e do material produzido, a sujeição aos militares – quer em termos de pensamento, quer no acesso a fontes de informação – e as redes paralelas transnacionais de propaganda e lobby, que tanto cooptavam como excomungavam os investigadores, não condicionaram apenas o ato de fazer ciência. Do prisma aqui adotado, esses fatores não devem ser meramente entendidos como condicionantes; eles determinaram a produção científica e a relevância social e política dos seus autores. Na verdade, foram eles que constituíram o objeto de análise e favoreceram a dinâmica interna do próprio campo científico, nisso revelando-se essenciais para a sua autonomia. Por isso, as dicotomias autonomia/heteronomia ou ciência/ideologia subsumem-se na do desenvolvimento/controlo, reproduzindo-a.

  • 38 Castelo alarga assim às colónias a perspetiva crítica de Frederico Ágoas à ideia-comum de que a soc (...)

43Isto é particularmente evidente quando se invoca a natureza do regime português na metrópole (o autoritarismo do Estado Novo) quer para explicar uma potencialidade muito mais limitada de denúncia no espaço jornalístico e académico português por comparação com o peso do escrutínio dos media britânicos e dos investigadores norte-americanos, como faz Diogo Ramada Curto (Curto, 2013), quer para justificar a limitada autonomia do campo científico imperial, assim se explicando, como faz Cláudia Castelo, porque é que a produção científica de uma Junta de Investigações do Ultramar, por exemplo, não chegou nunca a assumir a forma de uma “corrente [reformista] organizada” (Castelo, 2019: 179-180).38 Mas não estaremos a esquecer, a propósito do primeiro, que foram exatamente os complexos mecanismos, sobrepostos, de censura e de acesso, extravasando as fronteiras do regime, que estimularam esse mesmo escrutínio, sob a forma de apologia ou de condenação?

  • 39 Robert K. Merton, "A note on science and democracy", Journal of Legal and Political Sociology, 1 (1 (...)

44A hipótese causal da segunda autora, que ecoa Robert Merton (Merton, 1942; 1973: 257-260),39 tem uma intenção clara: mostrar que a natureza do regime impede a afirmação de uma ciência livre, mas não chega para transformar a ciência em mera ideologia, até porque estavam disponíveis outras fontes de afirmação técnico-científica: os debates internacionais sobre “o impacto da urbanização, da industrialização e da proletarização, a chamada ‘destribalização’, o bem-estar das populações rurais, as migrações interterritoriais, as relações raciais e culturais, os estudos de comunidade”, tudo isso estimulou a pesquisa das missões daquela Junta, alinhando-a com o que de mais ‘científico’ se fazia noutros impérios coloniais – de regimes democráticos, valeria a pena acrescentar –, e dotando-as de linguagens e técnicas que lhes davam um cunho pragmático de influência nos processos de tomada de decisão (Castelo, 2019). Lá porque os atores do campo científico tinham uma intenção programática e reformista, isso não implicava que não estivesse a ser feita ciência. Estamos perante o dilema do desenvolvimento vs. controlo, em que a ciência tinha o potencial de libertar todos os seus efeitos desenvolvimentistas e em que o Estado policial condicionava esse mesmo potencial. Por um lado, talvez seja ingénuo pensar que o lusotropicalismo, doutrina da plasticidade e humanismo a-racial lusitanos, que Bender tinha em vista desfundamentar, foi uma ideologia sem mais. Será que os cientistas portugueses, tal como os cientistas soviéticos em relação ao materialismo dialético (Graham, 1993: 99-120), não tiveram também a sua fase ‘autêntica’ de lusotropicalismo, acreditando que a partir das suas premissas poderiam alcançar resultados importantes? Pelo menos na esfera política e administrativa, o lusotropicalismo afetou muito concretamente a tomada de decisões – não somente como mascarada propagandística, mas como norma, até mesmo na sua forma codificada, que se foi cristalizando ao longo da guerra (Cruz, 2022). Por outro lado, tal como está formulada, a hipótese de um campo autónomo vê os campos político e científico como numa fotografia funcionalista: congelados e separados nas suas esferas de atuação, o primeiro pressionando o segundo. Esquece que a partir de 1960, a JIU, sobretudo o Centro de Estudos Políticos e Sociais e os Institutos de Investigação Científica de Angola e Moçambique dela dependentes funcionaram como organismos policiais que devem ser colocados a par do Serviço Nacional de Informação, do GNP do Ministério do Ultramar, da Direção-Geral dos Negócios Políticos do MNE e da PIDE/DGS: censuraram obras, impediram deslocações de cientistas estrangeiros e favoreceram outros, mantiveram relações demasiado próximas com a Defesa Nacional, co-decidiram sobre matérias “politicamente inconvenientes”, tudo em nome do mal-afamado lusotropicalismo. Agora, se investigadores internacionais como David Niddrie entraram voluntariamente na dependência de oficiais militares para rebater argumentos científicos, ou politólogos como Gerald Bender foram pressionados desde o outro lado do Atlântico até Luanda sem deixarem de se conotar com uma franja conservadora do governo imperial, é não só falso, como moralmente errado, passar uma imagem tecnocrática dos processos decisórios, como se a ciência autónoma estivesse aí apenas para ser aproveitada ou deitada fora consoante a volição do regime político.

45Noutro lugar estudei as relações simbióticas entre estas instituições: através delas o capital científico acumulado por um punhado de atores ditos reformistas era transmutado em capital político de controlo sobre o valor da ciência considerada legítima – um campo científico que não pode ser considerado autónomo, nem propriamente heterónomo, porque retirava a sua autonomia da posição de vantagem que detinha dentro do aparelho de Estado. A circulação do artigo de Bender é bem ilustrativa desse tipo de censura difusa. Isto não significa assumir, como afirmou, por exemplo, Jack Goody pondo em causa a suposta relação umbilical entre o colonialismo e a antropologia social britânica, “uma homogeneidade de interesse entre intelectuais e governo que negligencia as contradições e oposições internas” (Goody, 1995: 1). O enfoque nos tecno-cosmopolitas, entre os quais se contarão sobretudo engenheiros agrónomos, sociólogos e geógrafos, deve, sem dúvida, partir precisamente de um estado de conflito latente ao invés de postular uma uniformidade de atuação entre autoridades políticas, administrativas, militares e técnicas ou científicas. Mas deparar-se-á com um problema: de um ponto de vista estrutural, a combinação da intervenção direta do Estado, das mudanças na sua arquitetura institucional e da atuação dos próprios reformistas foi construindo uma sociedade totalitária, com a institucionalização da suspeição. Na prática, é impossível desligar a ciência dos seus usos mais policiais ou a repressão dos seus efeitos desenvolvimentistas. O aldeamento funcionou como um repertório fundamental nessa co-constituição. Por isso, em futuros estudos sobre a ciência no período colonial tardio, talvez seja de reequacionar o peso ditatorial de Lisboa, e perguntar antes pelo peso da contra-subversão. É que esta não conheceu, do ponto de vista internacional, diferenças de regime.

Topo da página

Bibliografia

Abshire, David M.; Samuels, Michael A. (eds.). (1969). Portuguese Africa: A Handbook. 1 ed. New York: Praeger Publishers.

Ágoas, Frederico (2010). “Saber e Poder: Estado e investigação social agrária nos primórdios da sociologia em Portugal”. Dissertação de Doutoramento em Sociologia. Lisboa: NOVA/FCSH.

Bender, Gerald J. (1967). “Political Socialization and Political Change”. The Western Political Quarterly, Vol. 20, n.º 2, pp. 390-407.

Bender, Gerald J. (1972a). “The Limits of Counterinsurgency: An African Case”. Comparative Politics, Vol. 4, n.º 3, pp. 331-360.

Bender, Gerald J. (1972b). “Angola: History, Insurgency and Social Change”. Africa Today, Vol. 19, n.º 1, pp. 30-36.

Bender, Gerald J. (1978). Angola under the Portuguese: The Myth and the Reality. Berkeley: Univesity of California Press.

Bender, Gerald J. (1988). “Ideology and Ignorance: American Attitudes toward Africa”. African Studies Review, Vol. 31, n.º 1, pp. 1-7.

Bender, Gerald J. (1973) “Planned Rural Settlements in Angola, 1900-1968”. In Heimer, Franz-Wilhelm, (ed.), Social Change in Angola. 1 ed. München: Arnold Bergstralsser Institut, pp. 235-279.

Berman, Edward (1983). The Influence of the Carnegie, Ford and Rockefeller Foundations on American Foreign Policy: The Ideology of Philanthropy. 1 ed. Albany: State University of New York Press.

Berman, Edward (1980). “The Foundations' Role in American Foreign Policy: The Case of Africa, post 1945”. In Arnove, Robert F. (ed.), Philanthropy and Cultural Imperialism: The Foundation at Home and Abroad. 1 ed. Boston, Massachusetts.: G.K. Hall, pp. 203-232.

Birmingham, David (1982). “A Question of Coffee: Black Enterprise in Angola”. Revue Canadienne des Études Africaines, Vol.16, n.º 2, pp. 343-346.

Bourdieu, Pierre (2011). O Poder Simbólico. 1. ed. Lisboa: Edições 70.

Bruce S. Young (1969). “South Africa: Nation or Nations? by David L. Niddrie”. Geographical Review, Vol. 59, N.º 4, pp. 628-629.

Carvalho, Eduardo Cruz de (1974). “'Traditional' and 'Modern' Patterns of Cattle Raising in Southwestern Angola: A Critical Evaluation of Change from Pastoralism to Ranching”. The Journal of Developing Areas, Vol. 8, n.º 2, pp. 199–226.

Castelo, Cláudia (2016). “Reproducing Portuguese Villages in Africa: Agricultural Science, Ideology and Empire”. Journal of Southern African Studies, Vol. 42, n.º 2, 2, pp. 267-281.

Castelo, Cláudia (2018). “Arame Farpado, Conhecimento e Desenvolvimento No Sudoeste de Angola (c.1960-1974)”. Africana Studia, n.º 30, pp. 47-59.

Castelo, Cláudia (2019). “Para a compreensão do império colonial português na era da descolonização”. Estudos Ibero-Americanos, Vol. 45, n.º 1, pp. 177-180.

Castelo, Cláudia (2020). “O Projecto-Piloto de Extensão Rural Do Andulo (Angola): Conhecimento, Desenvolvimento e Contra-Subversão”. Ler História, 76, pp. 153-78.

Challenor, Herchelle Sullivan (1969). “No Longer at Ease: Confrontation at the 12th Annual African Studies Association Meeting at Montreal”. Africa Today, Vol. 16, n. º 5/6, pp. 4-7.

Clarke, John Henrik (1976). “The African Heritage Studies Association (AHSA): Some Notes on the Conflict with the African Studies Association (ASA) and the Fight to Reclaim African History”. Issue: A Journal of Opinion, Vol. 6, n.º 2/3, pp. 5-11.

Cruz, Bernardo Pinto da; Curto, Diogo Ramada (2015). “Destribalização, regedorias e desenvolvimento comunitário: notas acerca do pensamento colonial português (1910-1965)”. Práticas da História, Vol. 1, n.º 1, pp. 113-172.

Cruz, Bernardo Pinto da; Curto, Diogo Ramada (2017). “The Good and the Bad Concentration: regedorias in Angola”. Portuguese Studies Review, Vol. 25, n.º 1, pp. 205-231.

Cruz, Bernardo Pinto da (2022). “As origens institucionais da moderação da violência. Regedorias e concentrações em Angola (1914-1974)”. Dissertação de Doutoramento em Estudos sobre a Globalização (submetida). (Lisboa: NOVA/FCSH).

Cruz, Bernardo Pinto da (2014). “Proto-totalitarismo de Gabinete: a génese e consolidação do Gabinete dos Negócios Políticos do Ministério do Ultramar”, Dissertação de Mestrado. Lisboa: NOVA/FCSH.

Curto, Diogo Ramada (2012). “The Debate on Race Relations in the Portuguese Empire and Charles R. Boxer's Position”. E-Journal of Portuguese History, Vol. 11, n.º 1, pp, 1-42.

Davidson, Basil (1973). In the Eye of the Storm: Angola's People. New York: Anchor Press, 1973.

de Wet, Chris (1991). “Some socio‐economic consequences of villagization schemes in Africa, and the future of ‘betterment villages’ in the ‘new South Africa’”. Development Southern Africa, Vol. 8, n.º 1, pp. 3-17.

Duffy, James (1959). Portuguese Africa. Cambridge, MA: Harvard University Press, 1959).

Duffy, James (1962). Portugal in Africa. 1 ed. Baltimore: Penguin Books.

Evans, Michael (2007). “The Wretched of the Empire: Politics, Ideology and Counterinsurgency in Rhodesia, 1965–80”. Small Wars and Insurgencies, Vol. 18, n.º 2, pp. 175-195.

Gerrits, André (1995). “Antisemitism and anti‐communism: The myth of ‘Judeo‐Communism’ in eastern Europe”. East European Jewish Affairs, Vol. 25, n.º 1, pp. 49-72.

Gershenhorn, J. (2009). “‘Not an Academic Affair’: African American Scholars and the Development of African Studies Programs in the United States,1942–1960”. Journal of African American History, n.º 94, pp. 44-68.

Gilman, Nils. (2003). Mandarins of the Future: Modernization Theory in Cold War America. 1 ed. Baltimore: The Johns Hopkins University Press.

Goody, Jack (1995). The Expansive Moment: The Rise of Social Anthropology in Britain and Africa 1918-1970. 1 ed. Cambridge: Cambridge University Press.

Graham, Loren R. (1993). Science in Russia and the Soviet Union: A Short History. 1 ed. Cambridge: Cambridge University Press.

Hafkin, Nancy J. (1971). “Review of Portuguese Africa: A Handbook by David M. Abshire; Michael A. Samuels”. African Historical Studies, Vol. 4, n.º 1, pp. 186-189.

Hanebrink, Paul (2018). A Specter Haunting Europe: The Myth of Judeo-Bolshevism. 1. ed. Cambridge, MA: Harvard University Press.

Hansen, Art; Oliver-Smith, Anthony (eds.) (2018[1982]). Involuntary Migration And Resettlement: The Problems And Responses Of Dislocated People. 2. ed. New York: Routledge.

Hauptmann, Emily (2012). “The Ford Foundation and the rise of behavioralism in political science”. Journal of the History of the Behavioral Sciences, Vol. 48, n.º 2, pp. 154-73.

Holdcroft, Lane (1976). The Rise and Fall of Community Development - 1950-1965. Michigan: Michigan State University.

Hyden, Goran (1980). Beyond Ujamaa in Tanzania: Underdevleopment and an uncaptured Peasantry. 1 ed. Nairobi: Heinemman.

Immerwahr, Danniel (2015). Thinking Small: The United States and the Lure of Community Development. 1. ed. Cambridge, MA: Harvard University Press.

Isaacman, Allen; Isaacman, Babara; Domingos, Nuno; Curto, Diogo Ramada (2021). “On lives, politics and history. A conversation with Allen F. Isaacman and Barbara S. Isaacman about activism, Mozambique and other African histories”. Práticas da História, 12, pp. 216-267.

Jerónimo, Miguel Bandeira; Pinto, António Costa (2015). “A Modernizing Empire? Politics, Culture, and Economy in Portuguese Late Colonialism”. In Jerónimo, Miguel Bandeira; Pinto, António Costa (eds.). The Ends of European Colonial Empires. 1. ed. London: Palgrave Macmillan, pp. 51-80.

Jerónimo, Miguel Bandeira (2017). “’A Battle in the Field of Human Relations’: The Official Minds of Repressive Development in Portuguese Angola”. In Thomas, M.; Gareth C. (eds.). Decolonization and Conflict: Colonial Comparisons and Legacies, 1 ed., London: Bloomsbury Publishing, pp. 115-36.

Jerónimo, Miguel Bandeira (2018). “Repressive Developmentalisms: Idioms, Repertoires, Trajectories in Late Colonialism”. In Thompson, A.; Thomas, M. (eds.), The Oxford Handbook of the Ends of Empire, 1. ed., Oxford: Oxford University Press, pp. 537-554.

Jones, Branwen (2015). “Africanist Scholarship, Eurocentrism and the Politics of Knowledge” in Araújo, Marta; Rodríguez Maeso, Silvia (eds.). Eurocentrism, Racism and Knowledge: Debates on History and Power in Europe and the Americas. 1 ed. New York: Palgrave Macmillan, pp. 114-135.

Kwaako, Philip Osafo (2012). “Essays in Economic History and Development”, Doctoral Thesis, Cambridge, MA: Harvard University.

McCarthy, Kathleen D. (1987). “From Cold War to Cultural Development: The International Cultural Activities of the Ford Foundation, 1950-1980”. Daedalus, Vol. 116, n.º 1, pp. 93–117.

Merton, Robert K. (1942). "A note on science and democracy". Journal of Legal and Political Sociology, Vol. 1, pp. 115-126.

Merton, Robert K. (1973). The Sociology of Science. Theoretical and Empirical Investigations. 1 ed. Chicago: The University of Chicago Press.

Niddrie, David L. (1967). “Some recent settlement schemes in Angola”. The Journal of American Portuguese Cultural Society, Vol. I, n.º 4/5, pp. 19-33.

Niddrie, David L. (1968). South Africa: Nation or Nations? 1 ed. Princeton, New Jersey: D. Van Nostrand Company.

Niddrie, David L. (1969). “Letter from Angola: Eight Years After the Terror”. National Review, pp. 1064-1075.

Niddrie, David L. (1974). “Changing Settlement Patterns in Angola”. Rural Africana, 23, pp. 47-77.

Olson, Mancur (1963). “Rapid Growth as a Destabilizing Force”. The Journal of Economic History, Vol. 23, n.º 4, pp. 529-552.

Parmar, Inderjeet (2002). “American foundations and the development of international knowledge networks”. Global Networks, Vol. 2, n.º 1, pp. 13-30.

Pélissier, René (1974). “Conséquences démographiques des révoltes en Afrique portugaise (1961-1970). Essai d’interprétation”. Revue d’histoire d’outre-mer, Vol. 61, n.º 222, pp. 34-73.

Pye, Lucien (1962). Politics, Personality and Nation Building. 1 ed. New Haven: Yale University Press.

Rabinow, Paul (1992). “France in Morocco: Technocosmopolitanism and Middling Modernism”. Assemblage, n.º 17, pp. 53-57.

Rodrigues, Cristina Udelsmann (2017). “Configuring the living environment in mining areas in Angola: Contestations between mining companies, workers, local communities and the state”. The Extractive Industries and Society, Vol. 4, n.º 4, pp. 727-734.

Rodrigues, Luís Nuno (2002). Kennedy-Salazar: a crise de uma aliança. As relações luso-americanas entre 1961 e 1963. Lisboa: Editorial Notícias.

Scott, James (1998). Seeing Like a State: How Certain Schemes to Improve the Human Condition Have Failed. New Haven: Yale University Press.

Silva, Elisete Marques da (2003). “Impactos da ocupação colonial nas sociedades rurais do sul de Angola”. Occasional Paper Series, n.º 8, Lisboa: ISCTE, Centro de Estudos Africanos.

Silwal, Ani Rudra (2015). “‘To Live in Villages Is an Order’: The Long-Term Consequences of Villagization in Tanzania”. Sussex University Working Paper, pp. 1-24.

Smith, Dennis (1983). Barrington Moore: Violence, Morality and Political Change. 1 ed. London: Palgrave.

Sutton Francis X.; Smock, David R. (1976). “The Ford Foundation and African Studies”. Issue: A Journal of Opinion, Vol 6, n.º 2/3, pp. 68-72.

Wheeler, Douglas; Pélissier, René (2009 [1971]) História de Angola. Lisboa: Tinta da China.

Topo da página

Anexo

Material em meio digital

Kennedy, Charles Stuart. (1991). Disponível em:
<https://www.adst.org/​OH%20TOCs/​Samuels,%20Michael%20A.toc.pdf>. Acedido a 15 de julho de 2022.

OAC (Online Archive of California). (s.d.). Disponível em:
<https://oac.cdlib.org/​findaid/​ark:/13030/​c8fb58vd/​>. Acedido a 15 de julho de 2022.

Topo da página

Notas

1 Aí, um dos promotores individuais foi Edward Lansdale, coronel norte-americano e agente secreto da CIA, conhecido por gizar várias tentativas de assassínio de Fidel Castro e com enorme peso na estratégia seguida pelos EUA no Vietname. Manila foi a anfitriã, aliás, da primeira conferência internacional de desenvolvimento comunitário, em 1954 (Immerwahr, 2015: 103-131). Seria muito importante estudar a receção do desenvolvimento comunitário na União Soviética e se ele contribuiu, de forma simétrica, para a manutenção da esfera de influência comunista.

2 V., a título de exemplo, para referências a Niddrie, Rodrigues, 2017; Hansen e Oliver-Smith, 2018 [1982]; de Wet, 1991. Seria interessante rastrear as citações de Niddrie e descobrir quem foram os primeiros a apropriá-lo. Entre nós, uma das primeiras a referenciá-lo em conjunto com Bender foi a investigadora da MIAA Elisete Marques da Silva (Silva, 2003).

3 Por isso se deixam de fora outras representações importantes, como as jornalísticas, já que a imprensa é um domínio menos profícuo para estudar ciência social feita a partir do local colonial que objetificava os aldeamentos ou concentrações.

4 Para uma apreciação recente a ambos os colonatos, que os insere numa política técnico-científica anti-progressista, anti-urbana e anti-proletária, veja-se Castelo, 2016.

5 Já que, segundo alguns autores, a expropriação e o assalariamento de uma classe de empreendedores africanos livres constituíam as causas fundamentais de ansiedade angolana no distrito na viragem para os anos 60 (Birmingham, 1982).

6 Relatado em “Of. confidencial da Direcção-geral dos Negócios Políticos do Ministério dos Negócios Estrangeiros ao Gabinete dos Negócios Políticos do Ministério do Ultramar, Proc. 988.31, PAA 366”, de 3 de Março de 1967, PT/AHD/MU/GM/GNP/RNP/0607/02697.

7 Idem, p. 2.

8 A acusação de judaísmo pode indiciar não tanto uma atitude anti-semita, mas uma atitude anti-comunista por parte das autoridades diplomáticas portuguesas. Agradeço esta sugestão a Nuno Domingos. Sobre o mito do judaico-bolchevismo ou judaico-comunismo, veja-se o livro recente de Paul Hanebrink (Hanebrink, 2018) e o artigo mais antigo de André Gerrits (Gerrits, 1995).

9 A PIDE considerava inconveniente a deslocação de Gerald Bender por “razões de segurança”. V. “Of. N.º 1.386-CI(2)”, de 17 de Abril de 1967; GNP, “Of. 2576/X-5-3/1326”, de 19 de Maio de 1967, PT/AHD/MU/GM/GNP/RNP/0607/02697.

10 Cópia de carta dirigida por António da Silva Rego, a partir do ISCSPU, ao Ministro dos Negócios Estrangeiros, Franco Nogueira, s.d., provavelmente março de 1968, PT/AHD/MU/GM/GNP/RNP/0607/02697.

11 Em que o GNP chega a concorrer com a PIDE pela avaliação da conveniência política da autorização das viagens, sobrepondo-se à Direção-Geral dos Negócios Políticos do MNE. Maria Helena Costa (GNP) “Inf. N.º 2522: Pedido de visto para Angola a favor do Americano Gerald Bender”, de 18 de Abril de 1968, PT/AHD/MU/GM/GNP/RNP/0607/02697.

12 Diretor-Geral dos Negócios Políticos do MNE, “Of. n.º 1658”, de 5 de Abril de 1973; cf. avaliação de Ferreira Guedes, do GNP, na sua “Inf. n.º 3764” de 12 de Abril do mesmo ano, ambos em PT/AHD/MU/GM/GNP/RNP/0607/02697.

13 António Soares Carneiro, já como Secretário-Geral do Governo-Geral de Angola, pelos SCCIA, em “Of. N.º 5081/1788: Reordenamento Rural”, de 5 de Junho de 1973, AHD/MU/GM/GNP/RNP/0607/02697.

14 Idem, p. 1.

15 “Prezado Sr. Dr. Ministro:
É difícil acreditar que seis meses já passaram desde estive no seu gabinete a conversar com Vª. Excia. e que cinco meses passaram desde escrevi minha carta discutindo nossa conversa e outras coisas. Ainda tenho esperança de receber as reações de Va. Excia. aos quadros que mandei naquela carta. Esta vez escrevo em Português me vez de Inglês, mas todos os dias o meu Português piora por causa da falta de prática. Quero partilhar uma experiência que tive muitas vezes quando contei aos meus amigos que falei com o Senhor Doutor para mais do que duas horas e também com outras pessoas de importancia [sic] no Governo para bastante tempo. Sem excepção, todos manifestam a mesma surpresa: ‘A gente nunca encontra uma coisa assim aqui nos Estados Unidos’ ou ‘Imagine se um universitário ou professor de Portugal tentasse falar com um ministro aqui… seria um problema!’. Por isso eu nunca vou esquecer a hospitalidade e a honestidade que Va. Excia. me mostrou. O facto que não concordamos sobre algumas coisas tem menos importancia para mim do que o facto que falamos sobre estas coisas cem porcento aberto e francamente! Quando pessoas ainda pensam que podem apreender dos outros numa troca de ideias, ainda há esperanças para nosso mundo. A palavra ‘saudades’ nunca tinha tanto sentido para minha mulher e mim até sairmos das terras portuguesas porque o que sentimos para tantas coisas portuguesas somente pode ser descritas com a palavra ‘saudades’. Um exemplo deste sentimento para nós acontece nesta altura – o Natal. Não passando as vésperas do fim do ano dentro duma casa de fado parece um sacrilégio. Não assistindo um jogo de futebol de Benfica no Estádio da Luz na altura do Natal é quase para dizer que o Natal ainda não chegou. (…)” Carta de Gerald Bender a Joaquim da Silva Cunha, Ministro do Ultramar, de 18 de Dezembro de 1969, AHD/MU/GM/GNP/RNP/0607/02697.

16 Sousa Dias referia-se a Niddrie como um “bom amigo” de Portugal, depois de mencionar o artigo publicado no Journal of the American Portuguese Cultural Society. “Of. 4654 ao Ministro do Ultramar”, de 29 de Agosto de 1968, AHD/MU/GM/GNP/RNP/0396/10636.

17 Tratava-se do artigo “Letter from Angola: Eight Years After the Terror” (Niddrie, 1969). Cf. Serviços de Informação e Imprensa do MNE para o GNP, de 26 de Junho de 1972, AHD/MU/GM/GNP/RNP/0396/10636.

18 PIDE/DGS, “Inf. N.º 1057-SC(CI (2)”, de 26 de Setembro de 1968, AHD/MU/GM/GNP/RNP/0396/10636.

19 Comentário a PIDE/DGS, “Inf. N.º 1057-SC(CI (2)”, de 15 de Outubro de 1968, AHD/MU/GM/GNP/RNP/0396/10636.

20 Serviços de Informção e Imprensa do MNE para o GNP, de 26 de Junho de 1972, AHD/MU/GM/GNP/RNP/0396/10636.

21 Foi Ribeiro da Cunha quem lhe comunicou as desculpas de Spínola, “Carta de Alexandre Ribeiro da Cunha a David L. Niddrie”, de 28 de Novembro de 1972. Veja-se toda a troca de correspondência entre Niddrie e Alexandre Ribeiro da Cunha em 1972, em AHD/MU/GM/GNP/RNP/0396/10636.

22 Por exemplo, com Afonso Mendes, Diretor do ITPAS. V. Cruz, 2014: 118-119.

23 Mais concretamente, Bender sugeria que existia um conjunto de explicações alternativas às conclusões de Lucien Pye acerca da relação entre uma autoridade parental errática e a formação de uma personalidade desadequada a uma burocracia governamental moderna. Nessas explicações alternativas, Bender colocava os fatores institucionais da burocracia que podiam fazer dos funcionários públicos trabalhadores inseguros. Isto a propósito do caso birmanês. Para além disso, acusava Pye de “impor os seus valores à cultura que ele estava a estudar” (Bender, 1967: 400, n. 50). Cf. Pye, 1962.

24 Alguns dos mais conhecidos foram Basil Davidson, John Marcum, Bernard Rivers e Olle Wästberg.

25 Veja-se, por todos, Pélissier, 1974:47-64.

26 Entre aspas as citações retiradas de Niddrie.

27 Para a estratégia de contra-insurreição da Rhodesian Front de Ian Smith na Rodésia, altamente desumanizada e deliberadamente descentrada da conquista da adesão das populações africanas, ver, entre outros, Evans, 2007; para a política de deslocação e concentração das ujamaa na Tanzânia de Nyrere, sobretudo na fase da radicalização iniciada em Novembro de 1973, ver Hyden, 1980: 96-154.

28 De entre os quais se contavam economistas e politólogos que antecederam Samuel Huntington na sua rutura radical com as teorias da modernização, como Mancur Olson. Veja-se Olson, 1963.

29 Por exemplo, a Association of Concerned African Scholars (Jones, 2015: 122).

30 Cf. toda a correspondência trocada entre Gerald Bender e Justino Mendes de Almeida, Presidente da Junta de Investigações do Ultramar em Arquivo da Junta de Investigações do Ultramar (AJIU), Processo 1121. Sem a generosidade de Cláudia Castelo, que me facultou o processo de Bender à guarda do arquivo da antiga JIU, esta análise teria ficado ainda mais incompleta do que está.

31 O secretário-geral da APEU foi perentório: “será escusado dizer-lhe que esta Associação não está disposta a usar de filantropias relativamente à compra da biblioteca referida (…)”. Nota manuscrita apensa a folha de guarda fotocopiada do livro de Davidson (Davidson, 1973), AJIU, Processo 1121.

32 Cf. abaixo. Para o percurso de Samuels, que atribuiu a Abshire o convite para trabalhar, logo em 1970, no State Department, ocupando o cargo de Assistant Secretary for Congressional Relations, onde iniciou uma longa carreira diplomática, ver entrevista por ele concedida a Charles Stuart Kennedy (Kennedy, 1991).

33 Carta de Gerald Bender a Kenneth Downs, de 20 de Abril de 1973, pp. 1-2, AJIU, Processo 1121. Inglês no original.

34 Carta de Gerald Bender a Justino Mendes de Almeida, de 15 de Março de 1973, AJIU, Processo 1121.

35 Idem, p. 2.

36 É também de ter em conta que Bender terá contactado pela primeira vez com o modelo do desenvolvimento comunitário ainda ao tempo da sua licenciatura em ciência política na Universidade do Minnesota, quando se deslocou à Nigéria no âmbito de uma escola de verão, em 1963. Também Michael Samuels, durante o seu mestrado num programa novo da Universidade de Colombia, o “Teachers College”, foi enviado para a recém-independente Nigéria em meados de 1962, para lecionar numa escola privada rural. Não sem antes se ter treinado no Reino Unido. Seria importante perceber como é que a relação entre as universidades americanas e o regime neo-colonial britânico permitiu o contacto de uma série de jovens cientistas sociais com os métodos desenvolvimentistas deixados pelos britânicos e ainda operativos num período de grande instabilidade política naquele país (OAC, s.d.; Kennedy, 1991: 3).

37 Para uma visão genérica do papel das fundações americanas na consolidação da hegemonia americana depois de 1945, veja-se, entre outros, Parmar, 2002. Para um relato de antigos funcionários da Ford acerca da contribuição da fundação para a criação dos estudos africanos, Sutton e Smock, 1976. Uma crítica da leitura internalista e puramente académica da revolução behaviourista na ciência política, focando a intervenção decisiva da Ford, pode ser encontrada em Hauptmann, 2012.

38 Castelo alarga assim às colónias a perspetiva crítica de Frederico Ágoas à ideia-comum de que a sociologia não teve espaço de afirmação na metrópole durante o regime de Salazar e Marcello Caetano (Ágoas, 2010).

39 Robert K. Merton, "A note on science and democracy", Journal of Legal and Political Sociology, 1 (1942) pp. 115-126; Idem, The Sociology of Science. Theoretical and Empirical Investigations (Chicago: The University of Chicago Press, 1973) pp. 257-260.

Topo da página

Índice das ilustrações

Título Figura 1. Um dos aldeamentos do Leste, circa 1970. Vista aérea da concentração de Tiengo, no distrito do Cuando-Cubango (Angola)
Legenda Um dos aldeamentos do Leste, circa 1970. Vista aérea da concentração de Tiengo, no distrito do Cuando-Cubango (Angola)
Créditos Arquivo Nacional Torre do Tombo (AN/TT, Lisboa)/Arquivo Silva Cunha/Cx. 72, n.⁰ 517, Mç. 1
URL http://journals.openedition.org/terrabrasilis/docannexe/image/10878/img-1.jpg
Ficheiros image/jpeg, 170k
Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

Bernardo Pinto da Cruz, «Gerald Bender vs. David Niddrie em Angola:»Terra Brasilis [Online], 17 | 2022, posto online no dia 30 junho 2022, consultado o 27 maio 2024. URL: http://journals.openedition.org/terrabrasilis/10878; DOI: https://doi.org/10.4000/terrabrasilis.10878

Topo da página

Autor

Bernardo Pinto da Cruz

Instituto Português de Relações Internacionais - IPRI/NOVA, FCSH; Colégio Almada Negreiros, Lisboa (Portugal); Email: bernardo.pintocruz@fcsh.unl.pt; ORCID: https://orcid.org/0000-0003-0249-6823

Topo da página

Direitos de autor

O texto e outros elementos (ilustrações, anexos importados) são "Todos os direitos reservados", à exceção de indicação em contrário.

Topo da página
Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search