Navegação – Mapa do site
Clássicos e textos de referência

Apontamentos biobibliográficos sobre Silvia Fernanda de Mendonça Figueirôa

Rafael Augusto Andrade Gomes

Notas da redacção

O presente texto serve como apresentação ao artigo de Silvia Figueirôa “Algumas questões metodológicas relativas à história de instituições científicas”, publicado originalmente em 1991 no livro Ciencia y Tecnología: estudios del pasado y del futuro (San José, Costa Rica, Asociación Costarricense de Historia y Filosofía de la Ciencia, pp. 253-270) e republicado neste mesmo número da Terra Brasilis.

Texto integral

1Comecemos com o desafio proposto: escrever algumas linhas de apresentação biobibliográfica de Silvia Figueirôa. Confesso que a simples ideia de preambular um texto dessa autora é desafiadora. Para quem escreve sobre a vida e obra de alguém, é grande, e por vezes incontrolável, o ímpeto de demonstrar a existência individual como uma epopeia. A partir disso, é praticamente impossível livrar-se de um esquema narrativo teleológico e totalizante. Em contraste com a biografia-epopeia, há pelo menos outra forma possível de contar uma vida: os fragmentos de memória, pormenores isolados que, em conjunto, compõem uma narrativa biográfica descontínua.

2Apesar da vivacidade dos fragmentos de memória e de sua capacidade de colorir as narrativas biográficas, um relato do desenvolvimento factual da vida não é completamente descartável e prescindível aos iniciantes ou, ainda, ao leitor casual da Terra Brasilis. É por isso que, em resposta ao desafio de apresentar com brevidade a vida e obra de Silvia Figueirôa, só me foi possível elaborar um texto informativo. Tão limitado e fragmentário quanto qualquer outra narrativa biográfica, este texto seguirá uma estrutura diacrônica de uma dimensão específica da vida acadêmica de Silvia Figueirôa: trajetória formativa e profissional no Ensino Superior.

3Professora e pesquisadora da Universidade Estadual de Campinas, Silvia Figueirôa, que iniciou o curso de graduação em Geologia na Universidade de São Paulo (USP) no ano de 1977, acumula textos e livros fecundos sobre história das geociências no Brasil e na América Latina. Um ano depois de concluir a graduação, em 1983, e sob a supervisão de Maria Amélia Mascarenhas Dantes, ingressou no curso de mestrado do Programa de Pós-Graduação em História Social (PPGHS) da USP – criado em 1971, o PPGHS é um dos mais antigos e prestigiados programas de pós-graduação em História Social do Brasil.

4Embora defendida no ano de 1987, a dissertação, intitulada “Modernos bandeirantes: a Comissão Geográfica e Geológica de São Paulo e a exploração científica do território paulista (1886-1931)” (Figueirôa, 1987a), e uma publicação coordenada por Silvia Figueirôa no âmbito do Instituto Geológico de São Paulo (Figueirôa, 1985) antecipam os exemplos e algumas das teses apresentadas no texto ora republicado pela Terra Brasilis (Figueirôa, 1991). Rastrear os antecedentes do texto de Figueirôa (1991) leva-nos inevitavelmente a considerar a trajetória formativa da autora na aurora dos anos 1980 (ver o editorial do presente número da Terra Brasilis).

5No PPGHS da USP, Silvia Figueirôa, ainda supervisionada por Maria Amélia Mascarenhas Dantes, inicia sua pesquisa de doutoramento no ano de 1988. Para seguir o caminho pavimentado pelas investigações precedentes, a autora se dedica ao estudo da história institucional das ciências geológicas. Defendida em 1992, a tese de doutoramento de Silvia Figueirôa, intitulada “Ciência na busca do ‘Eldorado’: a institucionalização das ciências geológicas no Brasil (1808-1907)”, dá o compasso de suas pesquisas posteriores sobre a história social e institucional das ciências geológicas no Brasil, sobretudo de sua obra seminal (Figueirôa, 1997).

6De 1987 a 2013, Silvia Figueirôa foi professora do Instituto de Geociências da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP); em 2014, transferiu-se para a Faculdade de Educação da mesma instituição de ensino e lá permanece até hoje. Apesar de ter se tornado integrante do quadro docente da Faculdade de Educação da UNICAMP apenas em 2014, Silvia Figueirôa, pelo menos desde o ano de 2001, quando obteve a livre-docência na UNICAMP, faz pesquisas e orienta alunos de pós-graduação com relação ao ensino de geociências. Ainda durante a primeira década do século XXI, nos anos de 2002 e 2006, respectivamente, Silvia Figuerôa tornou-se professora titular da UNICAMP e realizou um pós-doutorado na École des Hautes Études en Sciences Sociales (França).

7Depois de aproximadamente quatro décadas de pesquisa e ensino com excelência, o reconhecimento da relevância de Silvia Figueirôa ao campo da História das Ciências advém de sua participação séria e ativa em diversos espaços institucionais: 1) parecerista em mais de 25 periódicos sobre História, Ciências e História das Ciências no Brasil e na Europa; 2) fez ou faz parte do Conselho Editorial de ao menos 15 periódicos brasileiros ou estrangeiros. Já contribuiu com um artigo para a Terra Brasilis (Figueirôa, 2000) e, atualmente, também faz parte do Conselho Consultivo da revista; 3) membra da International Commision on the History of Geological Sciences, da History of Earth Sciences, da Sociedade Latino-americana de História da Ciência e da Tecnologia (SLHCT) e de outras diversas associações acadêmico-profissionais de historiadores da ciência.

8Publicado no final dos anos 1990, o livro “As ciências geológicas no Brasil: uma história social e institucional (1875-1934)” (Figueirôa, 1997) permanece como um dos mais conhecidos sobre a História das Ciências no Brasil. Tornou-se, para os anos 1990 e 2000, um ponto de passagem obrigatório para a compreensão do estado das pesquisas em História das Ciências de uma geração de pesquisadores, assim como outros livros precedentes também o são para outros momentos, temas e lugares (Azevedo, 1956; Carvalho, 1978; Schwartmann, 1979; Ferri & Motoyama, 1979-1981).

9Ao dar continuidade e inovar nos estudos institucionais que marcaram a trajetória de Maria Amélia Mascarenhas Dantes (1980, 1988), sua orientadora na pós-graduação, Silvia Figueirôa estudou sistematicamente a institucionalização das ciências geológicas. Por outro lado, a exemplo de sua participação na Sociedade Latino-americana de História da Ciência e da Tecnologia (e no periódico Quipu, publicação da SLHCT criada em 1984), foi uma pesquisadora que se empenhou em ampliar os espaços institucionais para uma História das Ciências escrita a partir da América Latina (Figueirôa, 1987b, 1997, 2000). A dimensão institucional conecta, assim, partes da trajetória acadêmico-profissional com o próprio conteúdo da obra de Silvia Figueirôa.

10Além dos estudos sobre institucionalização das geociências no Brasil, Silvia Figueirôa tem se dedicado à investigação de uma ampla gama de temas: documentação científica; os livros-texto de geologia e o ensino de geociências; produção, divulgação e comunicação científica de instituições formais e não formais de ensino; origem e história das técnicas de exploração petrolífera. Sobre o último tema, inclusive, a autora coordenou a organização de um livro no início deste ano (Figueirôa et al., 2019).

11Com a apresentação factual da trajetória de Silvia Figueirôa, não procuramos construir nem uma imagem laudatória, nem, em oposição à sua glorificação, um mosaico de fragmentos de memória que não fizessem jus à relevância da autora para a história e historiografia das ciências geológicas e das geociências no Brasil. Antes de decidir se esta narrativa sobre a biografia de Silvia Figueirôa é razoável, convidamos o leitor iniciado a remodelá-la com suas próprias reminiscências sobre a trajetória e obra da autora. Aos leitores iniciantes e casuais, esperamos ter oferecido uma história narrável de uma trajetória que, ainda neste instante, continua sendo (re)escrita por Silvia Figueirôa e por outros que se propõem a contá-la.

Topo da página

Bibliografia

Azevedo, Fernando de (org.) (1956). As ciências no Brasil. 2 volumes. São Paulo: Melhoramentos.

Carvalho, José Murilo de (1978). A Escola de Minas de Ouro Preto. O peso da glória. São Paulo: Companhia Editora Nacional.

Dantes, Maria Amélia Mascarenhas (1980). “Institutos de pesquisa científica”. In: Ferri, Mário; Motoyama, Shozo (orgs.) (1980). História das ciências no Brasil, v. 2. São Paulo: EPU/EDUSP, pp. 341-380.

Dantes, Maria Amélia Mascarenhas (1988). “Fases da implantação da ciência no Brasil”. Cuadernos Quipu, Revista da Sociedade Latino-americana de História da Ciência e da Tecnologia, v. 5, n. 5, pp. 265-275.

Ferri, Mário; Motoyama, Shozo (orgs.) (1979-1981). História das ciências no Brasil. 3 volumes. São Paulo: EPU/EDUSP.

Figueirôa, Silvia (1985). Um século de pesquisas em Geociências. 1. ed. São Paulo: Instituto Geológico de São Paulo.

Figueirôa, Silvia (1987a). Modernos bandeirantes: a Comissão Geográfica e Geológica de São Paulo e a exploração científica do território paulista (1886-1931). Dissertação de Mestrado (História Social). Programa de Pós-Graduação em História Social da Universidade de São Paulo.

Figueirôa, Silvia (1987b). Um exemplo de aplicação da Semiótica à história da ciência através da análise de fotografias de expedições geocientíficas. Cuadernos Quipu, México, v. 4, n. 3, pp. 433-445.

Figueirôa, Silvia (1991). “Algumas questões metodológicas relativas à história de instituições científicas”. In: Zuniga, Angel Ruiz (org.). Ciencia y tecnología: estudios del passado y del futuro. 1. ed. San José: Guayacán, 1991, pp. 143-154.

Figueirôa, Silvia (1992). Ciência na busca do ‘Eldorado’: a institucionalização das ciências geológicas no Brasil (1808-1907). Tese de Doutorado (História Social). Programa de Pós-Graduação em História Social da Universidade de São Paulo.

Figueirôa, Silvia (1997). As ciências geológicas no Brasil: uma história social e institucional. 1875-1934. 1. ed. São Paulo: Editora Hucitec.

Figueirôa, Silvia (org.) (2000). Um olhar para o passado. História das ciências na América Latina. 1. ed. São Paulo: Editora da UNICAMP.

Figueirôa, Silvia; Good, Gregoy; Peyerl, Drielli (eds.) (2019). History, Exploration & Exploitation of Oil and Gas. 1. ed. Genebra: Springer.

Schwartmann, Simon (1979). Um espaço para a ciência: a formação da comunidade científica no Brasil. São Paulo: Companhia Editora Nacional.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

Rafael Augusto Andrade Gomes, « Apontamentos biobibliográficos sobre Silvia Fernanda de Mendonça Figueirôa », Terra Brasilis (Nova Série) [Online], 11 | 2019, posto online no dia 31 agosto 2019, consultado o 19 novembro 2019. URL : http://journals.openedition.org/terrabrasilis/4158 ; DOI : 10.4000/terrabrasilis.4158

Topo da página

Autor

Rafael Augusto Andrade Gomes

Editor Adjunto da Terra Brasilis

Artigos do mesmo autor

Topo da página

Direitos de autor

© Rede Brasileira de História da Geografia e Geografia Histórica

Topo da página
  • OpenEdition Journals