Navegação – Mapa do site
Documentos, mapas e imagens

Do Campo de Batalha para as Ruas da Capital

Uma Litografia do Capitão de Engenheiros Conrado Jacob de Niemeyer
André Reyes Novaes

Texto integral

1Na sua edição de quatro de novembro de 1867 a Revista Semana Ilustrada anunciava a publicação de um mapa pelo Imperial Instituto Artístico. O mapa, feito pelo Capitão de Engenheiros Conrado Jacob de Niemeyer, era intitulado Uma idéa das posições que occupão os belligerantes no Paraguay (Figura 1) e estava à venda na Tipografia do Instituto situado no Largo de São Francisco número 16 pelo preço de mil reis. O anúncio desse mapa em uma revista semanal que circulava na cidade do Rio de Janeiro revela a emergência de uma nova cultura visual na capital brasileira durante a Guerra da Tríplice Aliança contra o Paraguai (1864-1870).

Figura 1. Uma idéa das posições que occupão os belligerantes no Paraguay – Pelo Capitão D’Engenheiros Conrado de Niemeyer, setembro de 1867

Figura 1. Uma idéa das posições que occupão os belligerantes no Paraguay – Pelo Capitão D’Engenheiros Conrado de Niemeyer, setembro de 1867

Fonte: Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro. BN Digital. http://objdigital.bn.br/​acervo_digital/​div_cartografia/​cart515375/​cart515375.jpg

2No ano anterior à publicação do mapa de Niemeyer, o Ministro da guerra, Ângelo Moniz da Silva Ferraz, escrevera um ofício solicitando que engenheiros do exército fossem destacados para o campo de batalha para produzirem cartas, mapas, planos, estatísticas e memórias militares (Malan, 2011). As novas visualidades produzidas pelos engenheiros foram fundamentais para o planejamento da guerra, que progressivamente se interiorizava no território paraguaio. Em setembro de 1866, os Aliados sofreram uma significativa derrota na tentativa de tomar o forte de Curupaity. Após a derrota, o Marquês de Caxias assume o comando das tropas aliadas, que permaneceram paradas por quase um ano no entorno do acampamento de Tuyutí. Apesar da região de fronteira entre o Brasil e a Bolívia ter recebido comissões de mapeamento anteriores, Caxias queixou-se do pouco conhecimento do território boliviano, afirmando que a guerra estava sendo feita “às apalpadas” (Doratioto, 2002). A chegada dos engenheiros militares e de novo instrumental técnico, como balões e telégrafos, auxiliou no planejamento de uma ofensiva iniciada em 22 de junho de 1867, conhecida como “marcha de flanco”, que culminou com a tomada do forte de Curupaity (Fragoso, 1934).

3O Capitão de Engenheiros Conrado Jacob de Niemeyer participou da “marcha de flanco” e subiu no balão ao menos quatro vezes entre os dias 20, 21 e 22 de junho 1867 (Fragoso, 1934; Lavanère-Wanderley, 1976). Ele foi o terceiro oficial brasileiro a subir no balão e produziu imagens que descreviam as características do terreno e a posição dos inimigos. Conrado Jacob de Niemeyer pertenceu a uma família de militares com tradição na participação em guerras e na produção de mapas. O seu bisavô, Tenente General Jacob Von Niemeyer, lutou a Guerra dos Sete Anos pelo exército Prussiano. O seu avô, Conrado Henrique de Niemeyer, prestou serviço ao reino de Portugal e o seu pai, também chamado Conrado Jacob de Niemeyer, nasceu em Lisboa e serviu ao exército português (Lavanère-Wanderley, 1976). Ao fugir dos avanços do exército de Napoleão em 1808, o pai de Niemeyer chega ao Brasil em junho de 1809, seguindo carreira de engenheiro militar e contribuindo para a produção de imagens sobre o território nacional, como a Carta Corográfica do Império do Brasil publicada em 1846.1 Seguindo essa tradição, o Capitão Conrado Jacob de Niemeyer, nascido no Rio de Janeiro em 21 de abril de 1831, segue carreira militar e é convocado para produzir planos e imagens na guerra da Tríplice Aliança contra o Paraguai.

4Na mesma edição de 1867 em que a Revista Semana Ilustrada anunciou a publicação do mapa de Niemeyer, também foi veiculado um desenho no qual se vê o próprio Niemeyer com um mapa na mão e um balão de observação ao fundo (Figura 2). A valorização das práticas dos engenheiros militares na imprensa evidencia a emergência de uma nova cultura visual durante a guerra, quando as imagens militares não se limitam a informar os generais no campo de batalha, mas são amplamente disponibilizadas pela imprensa ilustrada e pelo Imperial Instituto Artístico. Além de auxiliarem no avanço das tropas, os mapas militares também sintetizavam informações de várias fontes para produzir “memórias” e atender à demanda crescente por imagens da guerra da Tríplice Aliança contra o Paraguai na capital do Império. A imagem produzida por Niemeyer, que poderia ser levada para casa por qualquer um disposto a se dirigir ao largo de São Francisco e gastar mil réis, apresentava um grande balanço da guerra naquele momento e combinava diferentes linguagens para veicular suas informações.

Figura 2. Capitão de Engenheiros Conrado Jacob de Niemeyer

Figura 2. Capitão de Engenheiros Conrado Jacob de Niemeyer

Fonte: Semana Ilustrada, 1867. Biblioteca Nacional. BN Digital. http://memoria.bn.br/​DocReader/​docreader.aspx?bib=702951&PagFis=112

5Ao lado direito do mapa vemos um panorama representando o forte paraguaio que havia sido tomado pelos brasileiros em 30 de junho de 1867. Segundo o texto do mapa as forças brasileiras marcharam orientadas pelo general Castro “depois dos reconhecimentos feitos pelos engenheiros C. de Niemeyer e Jardim e Capitão do Estado Maior de Madureira”, evidenciando a importância dos balões de observação no avanço das tropas (Novaes, 2019). A continuação das “explicações do mapa” localiza uma série de pontos fundamentais, como o forte de Curupaity e as “forças brasileiras entrincheiradas no Chaco”. Além das legendas, os textos também aparecem dentro do mapa, destacando eventos históricos como o abandono do forte pelos paraguaios em 4 de julho de 1867. Já os símbolos identificam uma diversidade de elementos, como linhas e estações telegráficas, artilharias, cavalarias, portos entre outros fatores importantes na compreensão do “teatro da guerra”. Para complementar as informações no mapa, Niemeyer acrescenta ainda uma série de desenhos que descreviam as armas utilizadas pelos paraguaios. Todas essas características didáticas e ilustrativas evidenciam como o mapa em questão foi concebido para um público amplo, com pouco letramento cartográfico, mas muita curiosidade sobre os acontecimentos da guerra.

  • 2 A monografia em questão, intitulada Maps in Newspapers Approaches to Study and Practices in Portray (...)

6Encontrei o anúncio dessa imagem e o desenho de Niemeyer em uma pesquisa de arquivo sobre a cartografia na imprensa durante a guerra da Tríplice Aliança contra o Paraguai. Essa pesquisa foi publicada como um estudo de caso na monografia que tive o prazer de escrever para abrir uma série de textos sobre a história dos mapas (Novaes, 2019).2 Contando com uma equipe editorial extraordinária, a série de textos sobre história dos mapas organizada pela Brill Research Perspectives será certamente uma referência para muitos estudos futuros que buscam fugir de lugares comuns na pesquisa em história da cartografia. Ao me deparar com a o desenho de Niemeyer nas páginas de uma revista ilustrada durante a guerra me pareceu muito evidente que a história dos mapas na imprensa não poderia ser contada como uma história “paralela”, “separada”, “alternativa” ou “desviante”. Em busca de legitimidade e autenticidade nas informações sobre a guerra as revistas ilustradas passam a publicar mapas atribuídos a militares correspondentes que enviavam imagens “diretamente do campo”, entre eles estava Conrado Jacob de Niemeyer. Longe de ser um modo cartográfico fechado, os mapas veiculados na imprensa são fruto de trocas entre diferentes instituições, agentes e técnicas que se combinam para atender à demanda constante por imagens da guerra entre as populações urbanas da capital.

Topo da página

Bibliografia

Doratioto, Francisco (2002). Maldita Guerra: Nova História da Guerra do Paraguai. Río de Janeiro: Companhia das Letras.

Fragoso, Augusto Tasso (1934). A História da Guerra Entre a Tríplice Aliança contra o Paraguai. Rio de Janeiro: Imprensa do Estado Maior do Exército Brasileiro.

Lavanère-Wanderley, Nelson Freire (1976). Os balões de observa­ção da Guerra do Paraguai. Rio de Janeiro: Instituto Histórico Cultural da Aeronáutica.

Malan, Coronel Carlos José Sampaio (2011). Engenharia Militar Brasileira na Guerra do Paraguai. O Tuiti. Orgão de Divulgação das Atividades da Academia de História Militar Ter­restre do Brasil/RS. Rio Grande do Sul.

Novaes, André Reyes (2019). “Los globos van a la guerra: cultura visual y circulación de instrumentos en la guerra de la Triple Alianza contra Paraguay”. Investigaciones Geográficas, n. 100, Instituto de Geografía, UNAM, pp. 1-16.

Semana Ilustrada (1867). “Publicou-se no Imperial Instituto Artístico. Uma Planta das Immediações da Fortaleza de Humaitá”. November 3, Ano 7, n. 360, p. 2874.

Topo da página

Notas

1 Carta disponível no site da Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro: <http://objdigital.bn.br/objdigital2/acervo_digital/div_cartografia/cart170429/cart170429.jpg>.

2 A monografia em questão, intitulada Maps in Newspapers Approaches to Study and Practices in Portraying War since the 19th Century, foi publicada como primeiro número da série Map History e resenhada no presente número da Revista Terra Brasilis.

Topo da página

Índice das ilustrações

Título Figura 1. Uma idéa das posições que occupão os belligerantes no Paraguay – Pelo Capitão D’Engenheiros Conrado de Niemeyer, setembro de 1867
Créditos Fonte: Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro. BN Digital. http://objdigital.bn.br/​acervo_digital/​div_cartografia/​cart515375/​cart515375.jpg
URL http://journals.openedition.org/terrabrasilis/docannexe/image/5558/img-1.jpg
Ficheiros image/jpeg, 9,5M
Título Figura 2. Capitão de Engenheiros Conrado Jacob de Niemeyer
Créditos Fonte: Semana Ilustrada, 1867. Biblioteca Nacional. BN Digital. http://memoria.bn.br/​DocReader/​docreader.aspx?bib=702951&PagFis=112
URL http://journals.openedition.org/terrabrasilis/docannexe/image/5558/img-2.jpg
Ficheiros image/jpeg, 345k
Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

André Reyes Novaes, « Do Campo de Batalha para as Ruas da Capital », Terra Brasilis (Nova Série) [Online], 12 | 2019, posto online no dia 29 dezembro 2019, consultado o 25 janeiro 2020. URL : http://journals.openedition.org/terrabrasilis/5558 ; DOI : 10.4000/terrabrasilis.5558

Topo da página

Autor

André Reyes Novaes

Professor do Departamento de Geografia Humana da Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Artigos do mesmo autor

Topo da página

Direitos de autor

© Rede Brasileira de História da Geografia e Geografia Histórica

Topo da página
  • OpenEdition Journals