Navegação – Mapa do site

Espaços balneários em questão: formas, ritmos, circulações

Chamada de artigos para dossiê temático da Terra Brasilis - 2020

Sob a direção de: Leticia Parente Ribeiro (UFRJ) e Maria Isabel de Jesus Chrysostomo (UFV)

O presente dossiê, desdobramento de um projeto de cooperação internacional financiado pelo programa CAPES/COFECUB (2018-2021) (https://balneomar.com/), pretende reunir contribuições relacionadas à produção do espaço balneário, sobretudo em seus aspectos morfológicos e culturais, nos mais variados recortes de análise. A balnearização, compreendida como processo socioespacial, implica na disseminação de bens, mercadorias e comportamentos e resulta em profundas transformações das paisagens litorâneas, articulando diferentes escalas de ação. Além disso, ao mobilizar, no plano local e regional, o mercado de terras, a balnearização participa, em muitos casos, da construção de modelos de urbanização que redefinem projetos urbanos e reorientam as estratégias de planejamento territorial.

A partir da perspectiva da geografia histórica interessa a este dossiê refletir acerca do papel desempenhado pela circulação de ideias, projetos, experiências e imagens vinculadas aos processos de balnearização e suas implicações rítmicas e socioespaciais. Nesse sentido, trata-se de aprofundar, entre outras, as seguintes questões: é possível reconhecer modelos espaciais de urbanização balneária? Se sim, quais são os que prevalecem? De que maneira e, com que temporalidades, tais modelos se expressam na paisagem? As formas sociais, espaciais e arquitetônicas que encontramos nos espaços balneários são indicadoras de quais processos?

Em consonância a essa linha de reflexão, indagamo-nos se todas as cidades e regiões balneárias podem ser reduzidas a um único modelo ou se, por outro lado, não inaugurariam, em contextos locais, novas questões. Trata-se, neste âmbito, de interrogar se os espaços balneários, produzidos em contextos de popularização do acesso ao lazer e de surgimento de novas demandas sociais, constituiriam meras transposições do modelo aristocrático das estações balneárias europeias.

Outro eixo central de reflexão diz respeito às conceituações empregadas para compreender processos sociais aparentemente semelhantes. Assim, alertamos para a diferença entre aquilo que é reconhecido como “cidade balneária” e as transformações ou adaptações realizadas em diferentes contextos urbanos a partir da introdução de hábitos e de atividades ligadas à vida balneária. A balnearização é entendida, portanto, como projeto e como processo; termos que guardam diferenças, mas que são, por excelência, complementares. Analisado com rigor, o termo balnearização convida à reflexão sobre as intencionalidades relacionadas ao uso dos espaços balneários, ao passo que a ideia de cidade balneária sugere a reflexão sobre a historicidade desse fenômeno, que é de caráter eminentemente geográfico.

São também bem-vindas as contribuições que reflitam, de forma comparativa, sobre experiências nacionais e internacionais associadas à balnearização, enfatizando a geografia histórica dos processos de circulação de modelos e experiências, seus ritmos e formas espaciotemporais.

Esta chamada da revista Terra Brasilis convida, portanto, os pesquisadores à reflexão sobre os processos de balnearização, enfatizando um ou mais entre os seguintes eixos temáticos:

  • Rede de cidades e regiões balneárias: análises de como as cidades balneárias se articularam em rede, que apresentam hierarquias e certa especialização relativa à frequência e aos tipos de equipamentos;

  • Morfologias e práticas: análises de experiências relacionadas à criação de novas formas espaciais em função da diversidade de usos e costumes balneários;

  • Objetos e imagens: análises da circulação de imagens, gráficas e textuais, e de palavras que compõem um léxico (p.ex. Riviera, Promenade, orla), da circulação de objetos (a exemplo dos souvenires), contribuindo para a definição de um imaginário balneário;

  • Agentes, usos e planejamento: análises que problematizem as instituições públicas e privadas, engajadas ou não nos grandes projetos e/ou as micro decisões relacionadas ao uso e à apropriação dos espaços balneários, assim como o comportamento dos usuários (turistas, moradores, etc.);

  • Normas e legislação: análises que interroguem sobre a capacidade das normas, formais e informais, de participar do processo de balnearização, tanto no sentido da regulação dos usos quanto da produção do espaço balneário;

  • Ambiente e adaptações: análises que discutam a maneira como os processos de balnearização ocorreram em diferentes condições físico-naturais resultando em repertórios de adaptações morfológicas e culturais.

Além das propostas de artigos, também serão aceitas contribuições relativas às seguintes seções da revista:

  • Documentos, Mapas e Imagens

  • Notas de Pesquisa

  • Clássicos e textos de referência

  • Trajetórias de Geógrafos

Normas de Submissão

Idiomas: português, espanhol, inglês, francês

Prazo final para envio dos originais: 15 de setembro de 2020

Tamanho dos artigos: até 12 mil palavras

Imagens: devem ser enviadas com boa resolução (pelo menos 300 dpi) e separadamente em arquivos .jpg

Formatação: Fonte Times New Roman 12, espaço entre parágrafos 1,15. Favor enviar os arquivos com o mínimo de formatação possível (com exceção da fonte e do espaçamento e das normas para citação ou referências bibliográficas). Para mais informações ver: https://journals.openedition.org/terrabrasilis/3441

As propostas deverão ser enviadas para o e-mail da revista: terrabrasilis@redebrasilis.net

  • OpenEdition Journals