Navigation – Plan du site

Turismos e dinâmicas identitárias

Bernard Debarbieux, Jean-François Staszak et Ouidad Tebbaa
Traduction de Allaoua Saadi
Cet article est une traduction de :
Tourismes et dynamiques identitaires [fr]
Autre(s) traduction(s) de cet article :
Tourism and identity processes [en]
Turismos y dinámicas identitarias [es]
Turismo e dinamiche identitarie [it]
Tourismus und Identitäten im Wandel [de]
Turismes i dinàmiques identitàries [ca]

Texte intégral

1Os estudos em turismo situam-se no meio daqueles que mais cedo se interessaram pela questão das dinâmicas identitárias. As práticas turísticas colocando em contato e em relação populações diferentes e preocupadas em pensarem-se como tais, a questão da identidade de uns e da alteridade dos outros se impôs de início. Os questionamentos de tipos identitários (com ou sem recurso ao conceito de identidade) estão, deste modo, no cerne dos trabalhos dos sociólogos, dos antropólogos e dos geógrafos que trabalharam sobre o turismo, notadamente nos países do Sul (Cohen, 1988 ; Nash, 1996 ; Cazes, 1989).

2No entanto, durante muito tempo, os trabalhos rodearam uma interrogação principal: em que medida as imagens que os turistas se fazem do lugar que visitam e das populações que vivem nele, e as práticas que eles adotam em consequência, influenciam essas mesmas populações, suas práticas culturais e suas representações de si-mesmas ? Em resumo, o campo de pesquisa esteve, durante muito tempo, obcecado pelas influências (implicitamente julgadas como negativas) e os efeitos (voluntariamente pensados como deletérios) dos estereótipos turísticos, da folclorização e mercantilização das tradições culturais (consultar, entre muitos outros, Krippendorf, 1977 ; Rajotte and Crocombe, 1980 ; Turner and Ash, 1975). Mais geralmente, esta abordagem inscrevia o turismo no movimento de uma globalização julgada homogeneizante e responsável pela destruição das identidades locais, às vezes reificadas e deshistoricizadas.

3Nos anos 1990 e 2000, alguns autores se afastaram dessa abordagem muito crítica para propor análises mais nuançadas. Eles usaram como argumento o fato que o impacto do turismo sobre as identidades locais não se limitava sempre à degradação ou destruição dessas. Norhonda (1979), Harkin (1995), Krystal (2000), Picard (1996, 2001), Equipe MIT (2002) e alguns outros mostraram que o turismo podia assumir um papel importante na promoção de tradições vernáculas e de saberes-fazeres locais, mas também na emergência de novas formas de expressão cultural e de competências reflexivas, ou seja, identidades, que afeiçoaram as modalidades da auto-definição coletiva no seio das sociedades interessadas. O turismo participaria assim à preservação, evolução (porquê seria ela necessariamente negativa ?), ou seja, à (re)invenção das identidades locais. Ele contribuiria, deste modo, a reforça-las, o que é, afinal, bastante lógico, pois as mesmas constituem de fato um recurso para o turismo cada vez mais carente de alteridade.

4Os estudos de campo conduzidos há vinte anos tem particularmente ressaltado a capacidade de agir (agency) e a performance dos atores locais (Desmond, 2005). Esses últimos não são mais concebidos como os objetos passivos do “olhar turístico” (Urry, 1990) mas como sujeitos ativos que constroem representações de sua cultura para turistas – representações alicerçadas, ao mesmo tempo, em seus próprios sistemas de referência e na interpretação do desejo dos turistas, num contexto onde a relação do local ao global tem mudado radicalmente (Appadurai, 1996 ; Salazar, 2010).

5No contexto da complexidade do mundo contemporâneo, o desenvolvimento da atividade turística e a multiplicação das redes ”translocais” e transnacionais fazem com que o local seja, de hoje em diante, dependente tanto do exterior quanto do interior da localidade, ancorado num território tanto quanto ligado a outros indivíduos, por inúmeras redes de conexões. Se o turismo veicula imaginários, ele influi, portanto também, sobre a construção da identidade do grupo e pode até, neste sentido, ser instrumentalizado por indivíduos que procuram renovar ou afirmar sua vontade de pertencimento (Debarbieux, 2012).

6Estas dinâmicas de valorização pelos atores turísticos de identidades localizadas ou de mobilização de imaginários turísticos globalizados mostram que o turismo se presta a todo tipo de estratégias que o dossiê proposto, inscrito no prolongamento desta renovação dos questionamentos dos estudos turísticos em matéria de dinâmicas identitárias, propõe explorar.

7Dois artigos (Tiekoura, Tizza) tratam essencialmente das identidades de gênero, e mais particularmente da evolução do lugar das mulheres em sociedades que conheceram transformações ligadas ao desenvolvimento turístico. A identidade feminina não é o objeto do turismo, mas ela pode se ver afetada por ele, pelo fato essencialmente da implicação das mulheres nesta atividade econômica e da confrontação com o modelo das relações de tipo ocidental. Três artigos concentram o foco nas identidades étnicas (Milan, Oiry, Grégoire et Scholze). As identidades autóctones são então um dos objetos do turismo e elas conhecem aí, ainda, mutações ligadas ao desenvolvimento desta atividade, mas também em ligação com as estratégias implantadas pelos atores locais para desenvolver o recurso turístico que constitui sua identidade e para instrumentaliza-lo para finalidades políticas.

8Quatro dos cinco dossiês abordam o turismo no Marrocos e no Níger. É um efeito de rede, ligado aos autores que os promotores deste número podiam mobilizar. O último (Milan) tem por enfoque a China. Em todos os casos, trata-se de espaços periféricos cujo desenvolvimento turístico é bastante recente e se baseia, notadamente, na exploração da originalidade das culturas locais. A complexidade das relações entre o turismo, as identidades locais e o papel dos atores locais nas mutações dessas são particularmente visíveis. É provável que aconteça o mesmo em várias situações, as quais bastaria enxergar através de uma concepção menos estagnada e nostálgica das identidades locais, prestando mais atenção à “agentividade” dos atores locais e enxergando o turismo com um olhar menos negativo para acessar ensinamentos similares.

9Eis o convite que é feito aos leitores deste dossiê. Pois este dossiê é aberto e pode receber outras contribuições sobre este tema, durante os meses a vir. O acréscimo dos estudos de caso e, caso necessário, das discussões entre os artigos eles mesmos, pode contribuir a fazer avançar nossos conhecimentos e questionamentos sobre essas questões identitárias.

Haut de page

Bibliographie

Amselle J.-L., 2010, Logiques métisses. Anthropologie de l’identité en Afrique et ailleurs, Paris, Payot.

Appadurai A., 1988, “Putting Hierarchy in its Place”, Cultural Anthropology, n° 1, pp. 36-49.

Appadurai A., 1996, Modernity at large, Cultural Dimensions of Globalization, Minneapolis, University of Minnesota Press.

Castells M., 1996, The power of identity, London, Blackwell.

Cazes G., 1989, Le tourisme international: mirage ou stratégie d’avenir ?, Paris, Hatier.

Cohen E., 1988, “Authenticity and Commoditization in Tourism”, Annals of Tourism Research, n° 15, pp. 371-386.

Crain M. M., 1996, « Negotiating Identities in Quito’s Cultural Borderlands » in Howes D. (ed.), Cross-Cultural Consumption: Global Markets, Local Realities, New York, Routledge, pp. 125–137.

Debarbieux B., 2012, « Tourisme, imaginaires et identités: inverser le point de vue », Via@, Les imaginaires touristiques, n° 1, 2012, mis en ligne le 16 mars 2012.

Desmond J.C., 2001, Staging Tourism. Bodies on Display from Waikiki to Sea World, Chicago, University of Chicago Press.

Equipe MIT, 2002, Tourismes 1, Lieux communs, Paris, Belin.

Erb M., 2001, « Le tourisme et la quête de la culture Manggarai », Anthropologie et sociétés, n° 2, pp. 93-108.

Giddens A., 1994, Les conséquences de la modernité, Paris, L’Harmattan.

Harkin M., 1995, “Modernist Anthropology and Tourism of the Authentic”, Annals of Tourism Research, n° 22, pp. 650-670.

Krippendorf J., 1977, Les dévoreurs de paysage, Lausanne, Editions 24 heures.

Krystal M., 2000, “Cultural Revitalization and Tourism at the MoreriaNimaKicke”, Ethnology, n° 39, pp. 149-161.

Lanfant M., Allcock J. et al. (Eds.), 1995, International Tourism: identity and change, London, Sage.

Nash D., 1996, Anthropology of Tourism, Oxford and New York, Pergamon Press.

Norhonda R., 1979, “Paradise reviewed: Tourism in Bali”, in Kadt E. d., Tourism: Passport to Development ?, New York, Oxford Univ. Press, pp. 177-204.

Picard M., 1996, Bali. Cultural Tourism and Touristic Culture, Singapore, Archipelago Press.

Picard M., 2001, “Bali, vingt ans de recherches”, Anthropologie et Sociétés, n° 25, pp. 109-128.

Rajotte F. & Crocombe R., 1980, Pacific Tourism: As the Islanders see it, Fiji, South Pacific Social Sciences Association.

Salazar N. B., 2010, Envisioning Eden. Mobilizing Imaginaries in Tourism and Beyond, New York/Oxford, Berghahn Books.

Taylor C., 1998, The Sources of the Self, Cambridge, Harvard University Press.

Turner L. & Ash J., 1975, The Golden Hordes, London, Constable.

Urry J., 1990, The Tourist Gaze, London, Sage.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Bernard Debarbieux, Jean-François Staszak et Ouidad Tebbaa, « Turismos e dinâmicas identitárias », Via [En ligne], 2 | 2012, mis en ligne le 13 décembre 2012, consulté le 14 août 2020. URL : http://journals.openedition.org/viatourism/1064

Haut de page

Auteurs

Bernard Debarbieux

Professor de Geografia – Universidade de Genebra.

Articles du même auteur

Jean-François Staszak

Professor de Geografia – Universidade de Genebra

Articles du même auteur

Ouidad Tebbaa

Universidade de Marrakech

Haut de page

Traducteur

Allaoua Saadi

Universidade Federal de Minas Gerais

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Via Tourism Review est mis à disposition selon les termes de la Licence Creative Commons Attribution - Pas d'Utilisation Commerciale - Pas de Modification 4.0 International.

Haut de page
  • OpenEdition Journals