Navigation – Plan du site

Smoking Hot: a erotização da Odalisca pelo cigarro

Liesbeth Grotenhuis
Traduction de Rita de Cássia et Ariza da Cruz
Cet article est une traduction de :
Smoking Hot: the Odalisque’s eroticizing Cigarette [en]
Autre(s) traduction(s) de cet article :
Fumo proibito: la sigaretta erotica dell’Odalisca [it]

Résumé

"As concubinas fumantes nos revelam o segredo do harém", explicou o professor Luthmer em 1894. Essa imagem promissora é um cartaz para convidar turistas para os mundos do Oriente, desenvolvidos pelo ocidente para fugir da vida cotidiana, erotizados pelas histórias de 1001 noites. Escondida no harém, a pintura tornou a odalisca disponível para os olhos ocidentais: descansando, dançando e, acima de tudo, fumando descaradamente. O Oriente estava "nicotizado": a fumaça evocava sonhos e alucinações, além de sugestões sexuais fumegantes. Mas acima de tudo, criou uma imagem de alteridade, já que as mulheres européias não podiam ter um cigarro entre os lábios; este era o emblema das prostitutas. Mesmo quando a fotografia entrou na moda, esses mundos de sonhos foram apresentados em cartões postais, no lugar do que realmente era experimentado.
Fazendo um zoom no Egito, uma pitada de elegância faraônica poderia ser adicionada. De fato, o tabaco egípcio era famoso e usado na produção de cigarros ocidentais. Vendido em caixas de lata atraentes, a decoração das paisagens egípcias logo se transformou em belezas asiáticas mais vendidas, obviamente seduzindo usuários masculinos em potencial. Logo após a emancipação do tabaco no Ocidente, as rainhas históricas Cleópatra e Nefertiti convidavam turistas para o mundo onírico do Egito.

Haut de page

Texte intégral

Introdução: imagine uma fumaça prazerosa

1“Sempre satisfatória”, a mistura turca que Fatima nos promete, isto é entre 1917 e 1919 (fig.1) (McDonough, 2002; 943). Ao segurar um pacote minúsculo, a beleza oriental na verdade lhe oferece um cigarro. O que é notável, percebendo tratar-se de uma marca americana. Por que as noções turcas - o nome, a origem do tabaco e a imagem - costumavam louvar esse produto ocidental? A resposta é simples, funciona. Aqui duas ferramentas de marketing atraentes são combinadas: o exótico, que não necessariamente tem de ser relacionado ao item a ser vendido, como um imenso tubo de pasta de dente e uma garrafa de água na boca da marca “Kalodont” pendurada no selim de um camelo tendo como pano de fundo uma pirâmide no deserto (1914). Mas também sexo vende, como provam especialmente dúzias de meninas de carros lendários drapejadas sobre o capô de carros ao longo dos anos. A retórica deste anúncio de Fátima não combina apenas os dois elementos, mas também a disponibilidade da própria mulher. Ela pode parecer inacessível atrás do tapete sobre a varanda, velada e tudo. No entanto, ela responde diretamente ao nosso olhar e, à segunda vista, sua boca vermelha incita ardentemente através do voile, “nunca desapontando” como explica o texto.

2

Figure 1.Frank Seaman Agency, Cigarros Fatima, anúncio impresso em revistas como a Town and Country (1917-19)

Figure 1.Frank Seaman Agency, Cigarros Fatima, anúncio impresso em revistas como a Town and Country (1917-19)

3As origens da imagem são mais complexas, no entanto. Fátima continua uma tradição estabelecida um século antes, na qual turistas ocidentais descobriram o Oriente Médio como o exótico hotspot para esquecer o cotidiano ocidental. Em sua abertura da conferência “A Erotização dos Locais Turísticos”, Bernard Debarbieux relacionou o erotismo à imaginação: sua conclusão também constitui uma primeira resposta essencial à razão pela qual Fátima fuma. Durante sua viagem, os viajantes estavam (e estão) procurando ideias preconcebidas de uma sociedade altamente sexualizada que supõe-se seja o Oriente. E ao trazer seu encanto de volta para casa, os conceitos são reforçados e também fortemente estabelecidos. Esse processo de erotização do Oriente foi parcialmente feito com a ajuda do tabaco; ainda mais forte, foi também, com uma nova noção que gosto de sugerir, “nicotizada” pelo Ocidente. Eu desejo desvendar, por assim dizer, esse processo neste artigo, que reflete uma variação bastante extrema no status do tabagismo.

4Abordo a iconografia a partir de minha formação como historiadora da arte, especializada em arte egípcia e sua influencia na arte moderna. No contexto da pintura orientalista, numerosas publicações descrevem a arte corologicamente como Lemaire (2000) ou Sweetman (ed) (1988), enfocando a cultura britânica e americana, ou catálogos de exposições belamente ilustrados como o importante “Europa und der Orient” (A Europa e o Oriente) (800- 1900) ”(1989) ou mais recente “Orientalism in Europe. From Delacroix à Matisse” (O orientalismo na Europe. De Delacroix à Matisse) (2011). Há também publicações temáticas apelativas como no harém (Peyraube 2008) ou dança oriental, a eficaz “Serpent on the Nile” (Serpente do Nilo) (Buonaventura, 1989) ou antropologicamente pesquisadas como “A trade like any other” (Um comércio como qualquer outro) (Van Nieuwkerk, 1995) e também “Women as portraid in Orientalist Painting” (Mulheres como retratadas na pintura orientalista) (1994), de Thorton, que por seu tema foi útil para esta pesquisa, pois eu me concentro normalmente no papel do modelo feminino como a femme fatale e a femme fragile como descrevi em Wild Women” (Mulheres Selvagens) (2003), e sua recepção na arte contemporânea. O que eu gosto de fazer para pesquisar o tema “A Erotização dos Locais Turísticos” é abstrair e analisar os evocadores eróticos introduzidos na pintura do século XIX, especialmente incorporada pela odalisca fumante. Para fazer a relação com uma abordagem mais recente, incluo também o novo ambiente da fotografia considerando como os desenvolvimentos seguiram a percepção do leste a partir da pintura antiga.

5Como tabagista é meu elemento teórico, sua propaganda nas revistas e nas embalagens confirma a imagem tal como desenvolvida na pintura e na fotografia. Isso segue o meu método de pesquisar a vida após a morte da pintura do século XIX, retratando o Egito na cultura popular, como a pintura "Tha rest on the flight to Egypt” (O descanso no voo para o Egito), de Luc Olivier Merson (2015). Mas eu acho que vale a pena também combinar diferentes mídias para entender a linha contínua, já que a maioria das publicações ainda está vinculada à mídia, como no contexto da interessante publicação de turismo sobre “The Orientalist Poster” (O poster orientalista) (Slaoui, 1997) do filme (Bernstein, Studlar, 1997), apesar de inter-relações se tornarem mais comuns, como fragmentos de filmes foram convincentemente combinados com pinturas na exposição de Jean-Léon Gérôme no Musée d'Orsay (2010) e Lawrence Alma-Tadema (2017) no Museu Fries, Leeuwarden.

6Ao usar a pintura do século XIX como um indicador de como o Oriente foi erotizado, há - além do tabagismo - dois outros tópicos relacionados: o ponto de vista ocidental a partir do qual o mundo imaginativo foi criado e o papel do modelo feminino. Primeiramente, estes serão discutidos no Orientalismo; seus fabricantes costumam visitar países acessíveis. No entanto, o que eles viram nem sempre foi o que foi representado: uma alusão a uma visão voyeurista ao contrário de lugares inacessíveis desenvolvidos para se tornar um modelo a seguir. A introdução da fotografia mudou a relação com a realidade vivenciada, embora as imagens canônicas continuassem sendo o foco. Estas influenciaram a cultura popular no início do século XX; em relação ao turismo, especialmente cartões postais de fotos trouxeram o mundo exótico para dentro das salas das famílias ocidentais e estabeleceram expectativas que os turistas contemporâneos ainda estão procurando. Anúncios do tipodo Fatima não apenas banalizaram a imagem, no final do século XIX a mensagem bem reproduzida também liberou o hábito de fumar para mulheres ocidentais, confirmado quando atrizes fortemente influentes lançaram seus cigarros. Quando a provocação se tornou norma, agora outras atividades tiveram que sublinhar o apelo erótico das irmãs orientais.

Entre o pesquisador antropológico e as fantasias do pintor de 1001 noites: Gérôme como um artista viajante

  • 1 Ele fez sua primeira viaem com o escritor Emile Augier (1820-1889), o escultor Frédéric Auguste Bar (...)

7Começamos nossa jornada com um típico viajante do século XIX que explorou intensamente o Oriente, o pintor francês Jean Léon Gérôme (1824-1904). Depois de visitar Roma em 1843, ele foi para a Turquia: "Minha curta estadia em Constantinopla aguçou meu apetite", ele escreve como o início de sua série de viagens à Ásia Menor. Depois de ter visitado o Egito em 1856, este país acabou por ser o seu favorito (Ackerman, 1986; 337)1. Ele não foi uma excepção, muitos artistas partiram para a aventura: artisticamente os países ofereceram inspiração, como a luz brilhante que diferia muito do sol europeu. Isto funcionou quando levado para casa: um visitante comentou que, de repente, o sol atravessou as nuvens de chuva em Paris, quando entrou em duas salas cheias de pinturas orientalistas.

8Mas Gérôme fez mais: com sincero interesse, ele explorou esses mundos desconhecidos, vivendo por quatro meses em um veleiro no Nilo e até mesmo se esforçando para aprender a língua árabe. De maneira quase pseudo-científica, ele estudou características individuais da variedade exótica em diferentes personalidades, seguindo o esboço de tentativas antropológicas anteriores, como os estudos do escultor Berlin Johann Gottfried Schadow (1764-1850) sobre a diversidade em proporções que distinguiam gênero, idade e etnia. Também Gérôme aspirava representar a grande variedade, focada no que estava disponível no leste; masculino, como numerosos Bashi-Bazouks do exército otomano, e feminino, como beldades circassianas (fig.2).

Figure 2. Jean Léon Gérome, “Dama circassiana com véu” cerca de 1876, óleo sobre tela, lote 42, Christies Sale 7587 2008.

Figure 2. Jean Léon Gérome, “Dama circassiana com véu” cerca de 1876, óleo sobre tela, lote 42, Christies Sale 7587 2008.
  • 2 O artista escocês David Wilkie (1785-1841) até se recusou a pintar europeus durante sua turnê de 18 (...)

9Com um toque oriental específico, Gérôme mostrou seu virtuosismo ao combinar têxteis ricamente decorados, como o bordado de ouro brilhante no tecido azul-claro que contrasta com a fina pele de marfim do circassiano e as texturas contrastantes do véu preto translúcido versus o tapete pesado sobre o qual repousa o braço. Para um modelo de roupa autêntica, Gérôme pesquisou em bazares (Ackerman, 2008), usado na representação de sua população amplamente divergente. Ao lado do sol, também caftans apertados com fechos de jóias dos trajes turcos “à la sultane” foram levados para o oeste, e já roubaram os corações de senhoras definidoras de tendências um século antes: em 1778, Marie Antoinette vestiu a ela e a sua agregada com esses vestidos atraentes. A campanha de Napoleão no Egito, em 1798, trouxe túnicas mamelucas ao guarda-roupa ocidental (Thornton, 1994; 8), enquanto após a visita de um embaixador turco em 1802, o turbante e os materiais com motivos orientais entraram na moda. O agora maior número de pessoas viajando para o Oriente Médio não só resultou em mais exemplos de motivos e modelos de primeira mão, muitos encomendaram um retrato em trajes orientais ou usando o fez por volta de 1860 a 18702.Especialmente usando os ricos vestidos extravagantes garantia a meio mundo uma entrada triunfante em bailes de máscaras e de fantasias, eventos que sublinham o apetite ocidental para colocar-se no lugar dos orientais.

10Ao mesmo tempo, reconhecer estes conhecidos tecidos exóticos, conferiu credibilidade a estes retratos. A prova no pudim eram acessórios como o inocente bastão do circassiano, reconhecido pelos conhecedores como o longo cachimbo chamado narguilé. A louça de fumaça era trazida para casa como uma lembrança exótica, assim como travessas de metal decoradas que podiam ser colocadas sobre mesas laterais de madrepérola embutidas nas quais era colocado um barro de cerâmica policromada. Sua representação mimetica tornou fácil imaginar o cenário como na verdade estudado após a vida. Ela cria o que Barthes (2002) chama de "effet de réel": um detalhe (insignificante) que aumenta o resultado realista da imagem total. Neste contexto, como veremos mais adiante, o cachimbo também envolve o modelo com um conteúdo menos inocente.

  • 3 Os críticos contemporâneos Ernest Chesneau, Marius Chaumelin, Théophile Thoré-Bürger e Léon Lagrang (...)
  • 4 Gérôme dever ter baseado suas “teorias raciais” no “Ensaio sobre a desigualdade das raças humanas” (...)

11A bordagem “antropológica” de Gérôme resultou em um novo subestilo chamado Orientalismo Etnográfico; "lá ele se destaca", mesmo seu adversário Charles Blanc (1867: 169) teve que admitir. Mais críticos elogiaram sua precisão e novidade que funcionaram devido às fontes literárias combinadas pelas próprias observações e pesquisas de Gérôme na terra de origem3. Seu biógrafo, Ackerman (1986; 58), o intitula, décadas depois, como um "cientista descritivo". Mas outras opiniões também são ouvidas, especialmente no que diz respeito a Gérôme usar o grande estilo de pintura acadêmica oficial para um tema novo e vulgar: sua abordagem é julgada segundo os padrões de 1994 como “racista” (Arte do Século XIX; 234)4.

12Esta conclusão dura segue a observação de que uma superioridade colonial exala das peças em que países do leste com seus habitantes exóticos são apresentados: mostra um mundo de sonhos baseado em histórias como Alf Laylah wa Laylah, mais conhecido como “As Mil e Uma Noites”. Especialmente Edward Said explicou sua teoria baseada na literatura de que esse conceito do Oriente era uma fantasia estereotipada em seu importante livro “Orientalismo” de 1978. Não apenas desenvolvido para se opor ao próprio Ocidente frio e cinza, mas como uma ferramenta imperialista que reforçava o domínio colonial do ocidente, um elemento que é amplamente examinado em todos os tipos de publicações. A tentativa de Gérôme de enquadrar os grupos étnicos disponíveis pode, de fato, ser considerada ocidental, mas também é essencial perceber que os pintores orientalistas eram um produto de seu próprio tempo, em grande parte inconscientes dessa abordagem política incorreta em relação ao Oriente. Estar conscientemente envolvido com a supressão política seria, portanto, um anacronismo.

13Ao lado de seus estudos sérios e "antropológicos", Gérôme também pintou interiores que se encaixam melhor na descrição de Saïds: interiores multifuncionais aumentando o efeito do harém (Kalmar, 2004; 220). Aqui uma ferramenta para fumar ainda mais atraente frequentemente rematou a vida oriental, o cachimbo d’água ou narguilé. Popular, uma vez que poderia ficar só enquanto o bocal flexível permitia que a fumaça fosse compartilhada, permitindo vários fumantes na cena. Os atendentes acompanhantes escuros, nunca retratados completamente nus, servindo a fumaça para as sempre brancas amantes confirmam as teorias imperialistas de Saïds.

Odaliscas orientais como oponentes das damas ocidentais

14De fato, essas moças de harém com ou sem servos não eram mais que o resultado de uma intensa abordagem “científica”, retratadas após um autêntico grupo de mulheres. Um interior (vazio) de uma casa de banhos pode ser visitado por turistas do sexo masculino, para experimentar a arquitetura, os azulejos usados e especialmente os raios solares que penetram os pequenos copos no teto abobadado com seus efeitos especiais brilhando através do vapor. No entanto, se Gérôme e seus colegas realmente viram um harém ou um hamam lotado de mulheres, nem sequer é a questão: eles não o fizeram porque não puderam.

  • 5 Lady Mary Wortley Montagu é o exemplo mais conhecido quando ela compartilhou o banho público em Adr (...)

15Viajantes do sexo feminino, por outro lado, às vezes poderiam ter sucesso em sua tentativa de serem convidadas; sua visita nem sempre resultou na experiência esperada devido ao espaço labiríntico e à sensação de estar sendo observadas sem a companhia protetora dos companheiros de viagem masculinos (Roberts, 2007; 82)5. Os relatórios anômalos de viajantes nunca resultaram em imagens revisadas do harém, nem foram as experiências reais e observações “depois da natureza” pelos artistas. Todas as imagens são antes uma incorporação textual após as traduções bem-sucedidas de Sheherazade; Richard Burton entregou uma nova versão em 1885 e Joseph Charles Mardrus novamente entre 1899 e 1904, e isso em dezesseis volumes. Isso resultou especialmente no que chamo de “pinturas épicas”, com um impacto diferente dos “retratos”; a composição mais complexa e multifigurada oferecia mais configurações narrativas, mesmo quando as mulheres mostravam inatividade.

16Seu olhar sensual e suas poses lânguidas eram altamente sugestivos; na Inglaterra, a palavra “turco” tornou-se sinônimo de safadeza já no século XVIII, desenvolvendo-se em uma palavra- código para a indecência (Thornton, 1994; 118-19). E esse domicílio como terreno proibido não apenas tornou os lugares ainda mais excitantes, como permitiu que um ocidental "desenvolvesse" seu mundo "próprio" imaginativo, ou melhor, estabelecesse o impacto erótico que já rodeava esses lugares. Seu impacto impertinente é ilustrado em pinturas icônicas como "Femmes d'Alger" (Mulheres da Algéria) (1834) de Eugène Delacroix (1798-1863), com uma porta ligeiramente aberta no fundo e a forma circular de Jean-Auguste-Dominique-Ingres (1780-1867). “Bain Turque” (Banho Turco) (1863), dando a impressão de espiar esses mundos de sonhos desejados. É por isso que o observador agora poderia se identificar com o único homem que, além do eunuco, realmente tinha acesso ao harém: o dono: o sultão.

17Isso revela o segundo tópico do Orientalismo: o estereótipo feminino. A historiadora de arte Linda Nochlin (1989) sublinhou as teorias de Saids sobre a pintura e decifrou particularmente as numerosas mulheres do harém como produtos masculinos típicos. Elas estavam em seu próprio contexto, já que o harém era um sistema doméstico bem organizado, nunca e em nenhum lugar como uma excursão turística em qualquer programa: esses lugares eram inacessíveis para os visitantes, especialmente os homens. Para tornar o impacto insolente das odaliscas naqueles dias mais compreensível, temos que perceber que falamos sobre a era vitoriana em que se esperava que as mulheres ocidentais se vestissem e se comportassem decentemente. Ela tinha que usar um espartilho. Ela deveria estar coberta com decotes altos e mangas compridas, fechos soltos amarrados juntos em um coque aparado. A fotografia antiga até revela essa roupa como traje de viagem, andando de camelo ou não. Senhoras sofisticadas já eram recebidas como provocadoras ao mostrar seus tornozelos, apesar de estarem cobertas com botas.

18Notavelmente, tanto o “Le Déjeuner sur l'herbe” (O café da manhã sob a árvore) quanto o “Olympia” de Edouard Manet (1832-1883) ,exibidos em 1863, continham substancialmente menos nus do que o “banho turco” de Ingres do mesmo ano, mas estes se tornaram escândalos: foram considerados pornografia simples. Faltavam-lhe o turbante ou cortinas de significação geográfica com motivos orientais, fazendo as "próprias" senhoras francesas suspirarem de alívio em um mundo distante de alteridade.

19Esses nus de Manet não estão fumando; isto é, ainda não. As mulheres fumando acabaram sendo uma visão agradável, mas até então essa visão ou imagem não estava disponível para as mulheres ocidentais. Ou, como afirmou Margolin (Hills, 2002; 221): “míticas damas de prazer podiam fumar um Murad, mas não a garota da casa ao lado”. De fato, uma respeitável mulher fumante antes da década de 1870 é uma contradição in terminis. Até mesmo o nosso inofensivo capitão Frederick Burnaby, um viajante retratado por James Tissot (1836-1902) em 1870, ressalta as sutis convenções do fumo naqueles dias. Seu fumar e a pose de pernas cruzadas foram considerados inapropriados demais para os olhos femininos: ele se senta em uma sala de fumantes apenas para homens. No entanto, nas artes plásticas, os pintores se concentraram principalmente em representações de usuários do sexo feminino (Gilman, 2004).

O desviante ato de fumar

  • 6 Referências como essas podem ser lidas em revistas como The New-York Mirror, Vol. 9 (1831), 206.

20Aqui encontramos o elemento central que confere à odalisca seu significado erótico, o fumo. Desde sua introdução na pintura do século XVII, o tabaco já era usado por sua conotação desviante e, portanto, co-estabeleceu a nova identidade protestante holandesa (Gately, 2001; 82)6. Assim, os não sofisticados fumantes de cachimbo na pintura de gênero se opuseram ao maneirismo intelectual fortemente enraizado na tradição com assuntos referentes à antiguidade clássica. Quando o tabagismo foi substituído pela ingestão de rapé, os canos com as hastes extremas e longas podiam se tornar um atributo exclusivamente exótico, como descrito em “Turkish woman in a haman” (Mulher turca em um haman) de Jean Étienne Liotard (1702-1789) (c.1742).

21Também a odalisca encarna uma controvérsia, já que ao invés do “efeito para baixo da terra” holandês, ela executa o ato exótico de dar uma baforada em oposição a ela como uma visão contra sua irmã ocidental. Obviamente, ela não escolheu por si mesma essa identidade; os pintores ocidentais "concederam-lhe" estas qualidades específicas de alteridade. Seu anonimato, estando “distante” e um status pouco claro, a definiu como um modelo fora da lei, tornando o fumo (e a nudez) possível para ela, enquanto que nas mãos ocidentais um cigarro emblocadamente relegava a mulher a uma esposa ruim (Gilman, 2004; 297). Qual foi exatamente a conotação que foi representada quando, a partir de 1870 Manet começou a dar às mulheres ocidentais (vestidas) uma fumaça em suas mãos (Hallum, 2016), e não apenas Manet: impressionistas como Edgar Degas (1834-1917) e artistas pós-impressionista como Vincent van Gogh (1853-1890) e Henri de Toulouse-Lautrec (1864-1901) desenvolveram um gosto por fumar (e beber absinto) sendo, portanto, de fácil virtude: a iconografia padrão de sentar em uma mesa de café, confirma as personagens moralmente indecentes naqueles dias (Clayson, 2003; 96).

  • 7 Visto ionograficamente este uso é similar ao arabesco em forma de névoa vinda de um incensário, e d (...)

22A partir desse momento, o cigarro, um símbolo fálico óbvio (Hallum 2016), também poderia substituir o cachimbo d’água e o narguilé. Além das conotações físicas óbvias, os vapores evocavam sugestões sexuais mais picantes: o anúncio do “Tipalet” de 1955 apresentava mais associações entre tabagismo e atividades sexuais: “Sopre na cara dela e ela seguirá você em qualquer lugar.” Quando a “Whitw Slave” (Escrava Branca)de Jean Jules Antoine Lecomte du Noüy (1842-1923) apenas sopra uma baforada de seu cigarro, Čelebonović (1974; 17) prontamente a lê como uma prostituta. Mas, em contraste com os assistentes de bar, a maioria das senhoras orientais quase não fuma, apesar da atraente iconografia de vapores ondulantes sugestivos7 ou da possibilidade artística interessante de obscurecer elementos na composição. Seja qual for a fumaça que eles seguram em suas mãos funciona mais como um atributo, especificamente como um significante erótico.

  • 8 Como Delacroix descreve os habitantes de Tânger em uma carta de 1832: "les Romains et les Grecs son (...)

23Torna-se ainda mais claro ao comparar as odaliscas anônimas com protagonistas literários como Judit e Salomé. Apesar de sua localização, Judit e Salomé nunca fumaram, pois não fazia parte de sua história, e elas já tinham que carregar seus atributos, a espada e o prato de metal, respectivamente. Esses personagens conhecidos viviam nos tempos romanos8, mas agora igualavam seus habitantes contemporâneos do leste geograficamente também como “atemporais” ou talvez até mesmo “primitivas”, elas são de qualquer forma percebidas como de fora da comunidade ocidental. Assim como as odaliscas, esses personagens bíblicos transformaram-se de heroínas originais para sedutoras fin-de-siècle, visíveis em suas poses e seus vestidos que desde 1834 transformaram-se de vestidos antigos em roupas étnicas “leves” (Thornton, 1994; 148).

24Para as odaliscas contemporâneas, entremeadas no anonimato, uma fumaça poderia acrescentar aqueles pequenos extras tão ansiosamente procurados na era vitoriana: era um sugestivo “emblema da vida erótica das mulheres. Pelo menos é assim que parece aos homens, para quem a visão das mulheres fumando é ao mesmo tempo ameaçadora e intensamente, voyeuristicamente excitante ”(Klein, 1993; 160).

25A associação da odalisca com a prostituição talvez também reflita a situação real de modelos que posam: mulheres orientais fumantes não eram realmente para ser encontradas, de modo que o artista teve que organizar a cena. Às vezes, garotas ocidentais óbvias eram orientalizadas, mas em muitos casos o bordel era o lugar para obter modelos (Gilmar, 2004; 224): essas mulheres superavam suas convenções religiosas e sociais e estavam dispostas a posar de forma não usual sob a direção de um fotógrafo ocidental ou comissário.

  • 9 Para manter seus soldados saudáveis, com quase 2.500 vítimas de doenças venéreas sem tanto sucesso.

26A prostituição floresceu no Cairo, na área de Azbakiyyah, defendida por escritores locais, mas também o viajante britânico Edward William Lane encontrou o lugar e explicou que as mulheres ghawazi estavam sexualmente disponíveis, originalmente musicistas de entretenimento de classe baixa e dançarinas públicas que se apresentavam para um público misto se opunham às awalim, mais refinadas para uma audiência feminina (Lane, 2006; 380). A disponibilidade mudou após a campanha francesa em 1798, quando as autoridades tentaram proibir a prostituição, após o que ela se espalhou, menos regulamentada, para o campo (Hammad e Biancani, 2017; 239-40)9. Isso se tornou mais forte quando Muhammed 'Ali (1805-1848) fechou oficialmente os bordéis e baniu a dança no Cairo em 1834. De fato, o diário de viagem do romancista Gustave Flaubert (1821-1880), que visitou o Egito entre 1849 e 1850, revelou as práticas que acabavam de se dirigir para o sul, especialmente Esna. Seus encontros com as almeh novamente resultaram em descrições bastante estereotipadas.

27A partir de 1860, as trabalhadoras do sexo retornaram ao Khedive Ismael (1863-79), época em que o Cairo se expandiu como metrópole e mudou estruturalmente sob a ocupação britânica de 1882. Houve uma migração nacional e internacional, após a qual também se desenvolveu o turismo de massa. Com as expectativas baseadas nas imagens de mulheres equipadas com um charuto d’água, um narguilé ou um cigarro divulgou-se a mensagem aos homens ocidentais: eles eram submissos e sexualmente gratuitos, ou para reformulá-la nas palavras contemporâneas do macho alfa: prontos para serem agarrados .

28

Figure 3.Carl Ludvig Emil Jensen, “Kvinde-emancipation” (Emancipacão da mulher), cerca de 1900, caricatura,C. E. Jensen, Karikatur Album, Kopenhagen 1912.

Figure 3.Carl Ludvig Emil Jensen, “Kvinde-emancipation” (Emancipacão da mulher), cerca de 1900, caricatura,C. E. Jensen, Karikatur Album, Kopenhagen 1912.

29Uma caricatura de 1890 mostra como o fumar vigorosamente entrelaçou-se com o Oriente, apresentando aqui a nova mulher (ou: o medo dos machos em relação a ela) (fig.3): sua “pose de homem espalhado” lembra controle, enquanto sentar-se em um sofá do lado oposto de um homem tímido representa uma linguagem corporal feminina mais trivial. Apesar de estar vestida com um espartilho, o fumo garante a ela poder e liberdade, confirmados por outros elementos oriundos do cânone orientalista: uma pele de tigre na frente deles e um jarro de bronze oriental sobre uma mesa incrustada. Um século depois, a personificação de um cigarro de camelo substituiu a odalisca quando jogada sobre um sofá ao lado de uma palmeira. Os tecidos ricamente decorados em tons quentes de vermelho e ouro exalam a atmosfera conhecida, a fruteira empilhada como uma natureza morta luxuosamente modernizada com uma romã sugestivamente aberta sob o sofá. O streamer lê, com estilo, "às vezes você não consegue resistir a um camelo". As noções de sedução ainda eram eficazes.

O Oriente fotografado

30Onde o texto e a pintura criaram as imagens atraentes do mundo onírico exótico, o novo meio desenvolvido no início do século XIX confirmou a credibilidade dos lugares turísticos: a fotografia. Assim que o daguerreótipo foi introduzido na Academia Francesa de Ciências, em 1839, Arago (1980; 17) reconheceu sua possibilidade de documentar cópias “exatas e rápidas” de monumentos egípcios antigos. Sob a liderança do pintor (orientalista) Horace Vernet (1789-1863), que se juntou ao exército francês em Argel em 1833, e do fotógrafo Frédéric Goupil-Fesquet (1817-1878), uma expedição recém-organizada partiu para o Egito, com a missão de "Colecionar" antiguidades faraônicas. Este uso precoce da fotografia fez do Oriente uma especialidade quase padrão que desempenhou um papel crucial em seu desenvolvimento (Ali Behdad, 2013; 1).

31Mas havia mais oportunidades: já no mesmo ano os habitantes locais estavam registrados com uma intenção idêntica, quase antropológica, como Gérôme mostrou em seus retratos (fig.4). A característica da fotografia ganha mesmo da pintura na captura da realidade: apesar das tentativas pictóricas de evocar um mundo como ele poderia existir, uma foto deve ser tirada de uma pessoa ou objeto real do mundo físico (Cheung, 2010, 19). Não admira que esses modelos fossem - pelo menos no começo - retratados vestidos em vez de estarem meio nus como na pintura.

32

Figure 4. “Alexandrie: Mulher Árabe” ca. 1890, cartão postal pintado à mão

Figure 4. “Alexandrie: Mulher Árabe” ca. 1890, cartão postal pintado à mão

33A peça final de roupa agora usada para trazer o toque exótico foi o véu, Malek Alloula descreve a preocupação em seu "harém colonial" (1986). Isso trouxe aos homens árabes acesso visual sexual das mulheres locais, mulheres muçulmanas respeitáveis não estavam disponíveis na vida real (Bishop, 2006; vol.1,45). Além dos modelos transparentes usados pelos pintores, agora também os grossos véus negros apareciam nas fotografias, junto com o nariz cobrindo o tubo de couro corretamente indicando a moda egípcia. Mas nem sempre foi tão preciso: Alloula revelou o título adicional de “jovem beduína”, relacionando-as à sua suposta origem geográfica, sendo também classificada como uma “menina kabyle” berbere em um cartão postal diferente (Alloula, 1986; 44-45). ). Vogelsang-Eastwood (1996; 51) descobriu a falsa combinação de roupas, misturando roupas internas com tipos de véus normalmente usados por mulheres de alta classe fora de casa.

34A busca pelo efeito exótico foi mais importante a partir do início da fotografia: à primeira vista, percebemos uma cena pontual de uma mulher velada montando um jumento como documentação verdadeira de um acontecimento diário, paralela às configurações narrativas do harém na pintura (fig. 5). Um olhar mais atento aprende também que esta configuração é um pouco desajeitada, uma vez que não é tão rápido: tecnicamente a produção de um negativo levou algum tempo. A cabeça do burro um pouco desfocada mostra seu movimento, revelando a luta do rapaz para manter sua postura frontal enquanto, ao mesmo tempo, controla a montagem não cooperativa. Pelo seu generoso enquadramento, esta imagem revela a utilização de um pano de fundo usado pelos irmãos Zangaki, profissionais que viajam ao longo do Nilo para documentar o cenário egípcio com a sua carruagem que funcionava como uma câmara escura (Hannavy, 2013; 1521). Agora os primeiros retratos “documentais” de diferentes tribos e locais conhecidos da pintura eram igualados por cenas cotidianas da vida nativa: especialmente carregar água nas jarras fotogênicas e segurar uma criança no ombro tornou-se popular. Estes cenários podem até servir como um exemplo pictórico para artistas.

Figure 5. Constantine Zangaki, “Mulher árabe sour budet ” ca. 1860-1890, Impressão em albumina como um cartão postal fotográfico

Figure 5. Constantine Zangaki, “Mulher árabe sour budet ” ca. 1860-1890, Impressão em albumina como um cartão postal fotográfico

35Os irmãos cretenses ou cipriotas são representativos do grupo de fotógrafos profissionais no Egito, muitas vezes gregos instalados em locais com muitos transeuntes após a abertura do Canal de Suez. A maioria dos passageiros visitou o Cairo de trem durante o lançamento dos navios em Port Said, reunidos em Suez. Empresários inteligentes estavam ativos aqui e até mesmo possuíam estúdios de fotografia profissionais em Suez, Port Said e no Cairo perto das áreas de hotéis, sempre utilizados por ocidentais que podiam ser retratados em trajes nativos, seguindo a tradição pictórica (Osman, 1997, 45).

36Mas ainda mais populares tornaram-se os “modelos” convidados nos estúdios para recriar a ilusão exótica bem conhecida entre mesas embutidas, almofadas, narguilés (fig.6). Um pano de fundo, muitas vezes reconhecível como tal, que toca o tapete no chão, sugere agora a arquitetura de um interior. Este exemplo curiosamente traz as pirâmides e a Grande Esfinge para dentro, o cenário egípcio confirmado pelo motivo faraônico de um escaravelho alado no vaso.

37

Figure 6. Zangaki Brothers, “Dama egípcia” 1890-1900, cartão postal fotográfico

Figure 6. Zangaki Brothers, “Dama egípcia” 1890-1900, cartão postal fotográfico

38A popularidade dessas imagens logo tornou-se crescente devido à sua acessibilidade em reproduções de revistas e, especialmente, quando retrabalhadas para fotografar cartões postais, mesmo quando o mundo pintado colorido agora era representado em preto e branco. Claro, a imagem pode ser colorida à mão, mas a luz mais forte e o contraste escuro sempre resultam em uma imagem mais contrastante. Experiente ou não, o viajante agora poderia facilmente compartilhar suas experiências finais com seus parentes em casa, ou coletá-las como uma “memória individual”.

39Tornou-se uma cartomania da década de 1870 (Weill, 1978; 4), logo tornando-se itens de colecionador. Agora séries sobre temas específicos desenvolvidos para os quais eventualmente álbuns especiais foram projetados: a primeira série sobre o Oriente Médio foi apresentada por NM Le rebours por volta de 1841. Seu propósito doméstico e comercial novamente definiram o conteúdo para representar as expectativas ocidentais do oriente como já conhecido da literatura e pinturas (Starr, 2009; 1).

40E novamente o popular smokeware se tornou o acessório para indicar seu caráter promíscuo. Quando qualquer tipo de ação deve ter sido sugerido, sublinhou sua passividade e disponibilidade sexual: ela era longa e descontraída, fumando narguilé ou charuto d’água. Mas especialmente no início da fotografia, o ato sugestivo de fumar pode ser considerado evocativo o suficiente; a senhora alexandrina segura o cigarro mais do que realmente o usa: muitas vezes nem sequer são acesos. Também Fátima está tendo dificuldade em fumar, usando seu véu.

41Não é de admirar ainda neste período que a alteridade e o anonimato da mulher oriental tenha resultado em uma representação altamente erotizada que novamente não era possível para as mulheres ocidentais: ela aparece nua debruçada sobre o suposto véu que a cobre (fig.7). Cartões postais explicitamente pornográficos que mostravam (parcialmente) mulheres orientais nuas eram mais numerosos do que suas contrapartidas europeias, ironicamente como resultado da "natureza étnica científica" desenvolvida tanto na pintura quanto na fotografia (Schmidt e La Rock, 2017). Um caso marcante no ponto em que o oriente foi erotizado: vindos de um “clima quente”, os povos orientais receberam um caráter lascivo dos ocidentais. Até mesmo o médico Antoine, nascido na França, Barthelemy Clot, que trabalhava para o exército egípcio, declarou que as mulheres egípcias coloniais tinham um “temperamento voluptuoso” (Fahmy, 1998). A distância é porque representações como essa poderiam ser aceitas: a despeito da ofensibilidade da pornografia, o envio desses postais exóticos não era de forma alguma um problema; escritórios de correio nem mesmo censuraram essas imagens e tampouco o remetente tinha problemas legais.

42

Figure 7. Zangaki Brothers, “Mulher egípcia” cerca de 1900, cartão postal fotográfico.

Figure 7. Zangaki Brothers, “Mulher egípcia” cerca de 1900, cartão postal fotográfico.

De observadores fumantes para serem seduzidas por um cigarro

43Não admira que a tão atraente iconografia da sedução tenha sido usada para outros fins, como mostra a marca de cigarros argelina Melia. As imagens de estúdio usadas para cartões postais fotográficos agora evoluíam para vender propaganda, isto é, as menos explícitas. Agora, uma proporção bastante arriscada mostrou as mulheres em posições sexualmente sugestivas, não apenas indicando o consumidor masculino; ela relaciona as representações literalmente à legal e florescente indústria do sexo nesses países (Shechter, 2006; 52).

44As fotos agora se transformam em cartões de cigarro para endurecer as embalagens macias, mas acima de tudo como uma ferramenta de marketing. James Buchanan Duke, da American Tobacco Company, desenvolveu este cartão que, já em 1885, tornou-se um colecionável (Gilman, 2007; 20). Allen & Ginter usaram Horace Vernets pintando “The Lion hunt”, de 1836, como uma decoração para um de seus álbuns premium de cerca da década de 1880. No primeiro quartel do século XIX, somente no Egito, 27 empresas circularam 130 séries diferentes de cartões de cigarro.

45Durante sua turnê, artistas europeus defenderam suas experiências de fumar o chibouk. Na França, Charles Baudelaire (1821-1867) e Théophile Gautier (1811-1872), ambos membros do Club des Haschichins, ao participar de sessões secretas de tabagismo no Hôtel Pimodan, publicaram “On Hashees” e “On Opium”. Sua popularidade aumentou quando periódicos dedicados ao tabagismo apareceram e a lagarta Absalom usou intensamente o narguilé em Alice Adventures in Wonderland” (Alce no pais das Maravilhas), de Lewis Carroll (1832-1898), de 1865. E como os figurinos e lembrancinhas anteriores, também foi trazido o fumo para casa, salas de fumo de inspiração árabe como o de Antoni Gaudi (1852-1926) Casa Vicens (1888) acompanhou o interior.

46Mas foi o cigarro que conquistou o mundo ocidental; especialmente depois da guerra da Crimeia em 1854, quando soldados criadores de tendências trouxeram para casa cigarros orientais. O tabaco turco e os cigarros egípcios tornaram-se especialmente populares a partir da década de 1880, devido a uma novidade na produção e comercialização mundiais: a embalagem. Quando embrulhado, os sabores foram mantidos. Mas ao adicionar ilustrações atraentes de paisagens orientais, o espectador pôde olhar “diretamente para a terra distante de origem” (Ciarlo, 2011; 153), introduzido pelo litógrafo J.C. Lagoudakis no Egito.

47Esse anúncio móvel funcionava, papelão colorido ou latas de estanho chegaram a um crescente número de fumantes e logo seu sucesso transformou o cigarro no principal produto de exportação do Egito. O que era notável: o tabaco cultivado no Egito era de tão baixa qualidade que em 1890 seu cultivo foi proibido. Muitos mercadores de tabaco otomanos, geralmente gregos étnicos e depois armênios como os irmãos Kyriazi, usavam o tabaco turco para serem vendidos como cigarros "egípcios" do Cairo ou de Alexandria, usando seu próprio nome como marca. Agora os viajantes também podem trazer seus cigarros bem embalados para casa, mas os pacotes também são enviados e vendidos por preços muito mais altos nos países europeus. Para atingir seu grupo-alvo importante, fabricantes anunciavam em jornais internacionais e até mesmo guias de viagem (Para o desenvolvimento do mercado de cigarros no Egito: Shechter, 2006).

48Técnicas de marketing desenvolvidas. Efetivamente, os irmãos Dimitrino substituíram as paisagens por odaliscas mais provocantes (leia-se: vendáveis), seguindo as comprovadas fórmulas de sucesso da pintura orientalista. Não o cigarro em si, mas o ato de fumar dava status, desejo ou prazer era defendido (Gilman, 2007; 21). Uma lata pode mostrar uma mulher reclinada em seu sofá atrás de uma mesa embutida na qual se encontra uma caixa de cigarro aberta (fig. 8). Enquanto solta a fumaça, ela olha sob os arcos e por cima do ombro “para a terra de origem”: as mulheres camponesas recolhem água nas margens do Nilo, atrás dela a aldeia é visível entre as palmeiras.

49

Figure 8.Dimitrino & Co, “Cairo, Egito”, cerca de 1910, lata de cigarros.

Figure 8.Dimitrino & Co, “Cairo, Egito”, cerca de 1910, lata de cigarros.

50

Figure 9. Dimitrino & Co, “Cairo, Egito”, cerca de 1910, impresso.

Figure 9. Dimitrino & Co, “Cairo, Egito”, cerca de 1910, impresso.

51Uma etiqueta de papel mostra o mesmo interior, mas aqui mostra a paisagem resgatável: agora ela olha para a esfinge e as pirâmides atrás das casas abobadadas islâmicas (fig.9). Mas há mais avanços: a adição textual de agentes internacionais, “da América à Índia etc. etc.”, bem como o anúncio da “manufatura especial” garantiu à marca de cigarros um status mais elevado, confirmado pela águia em ambas as tampas das caixas de cigarros como o sinal heráldico. A ornamentação atualizou o cigarro egípcio, que agora era comumente conhecido por sua alta qualidade, os monumentos faraônicos típicos indicam a origem ainda mais específica.

52A importância da embalagem atraente com um pouco mais de peso foi reconhecida como sendo igual em termos de venda do produto - o próprio cigarro. Da marca Dimitrino novamente, logo um servo negro segue a constelação de pintura, agora reduzindo a importância da paisagem pálida. À descalça, amante de pele branca sob o dossel rosa é oferecido um cigarro da caixa aberta, presumivelmente o mesmo que estamos olhando. Aqui, o ato de fumar é substituído na sociedade atual, onde ironicamente, os cigarros como “tochas da liberdade” (Gilman, 2007; 22) ainda não deveriam ser fumados abertamente por mulheres de verdade. Isso evoluiria para um símbolo dos direitos das mulheres.

  • 10 Lawrence Alma-Tadema, (1836-1912), “O encontro de Antônio e Cleópatra: 41 aC (Opus CCXLVI)”, óleo n (...)

53Embora não seja especificamente acentuado, nesta lata uma nova pitada de elegância faraônica é adicionada, visível na decoração da barca e do tocador de flauta (fig.10). É modelado a partir de uma pintura de Lawrence Alma Tadema (1836-1912)10. A mulher que fuma acaba por ser Cleópatra. Por uma questão de efeito, a mulher histórica fundida com a iconografia das odaliscas anônimas como Marc Anthony do original é excluída, e o servo negro é adicionado.

Figure 10. Dimitrino & Co, “Cigarros egípcios”, (depois Alma Tadema’s “Cleopatra”)

Figure 10. Dimitrino & Co, “Cigarros egípcios”, (depois Alma Tadema’s “Cleopatra”)

Dos anos 1910, lata de cigarros

54Funcionou, e logo numerosas marcas deixaram de ser nomeadas em homenagem a seus produtores, mas receberam nomes atraentes como Cleópatra ou Salomé, o texto também é uma parte importante no envio da mensagem, um elemento que a odalisca anônima carecia. Anúncios que mostravam a tendência em se seguir o que os novos pintores de status do fin de siècle deram a ela: também o nome dela promete sedução, afinal ela foi capaz de seduzir os dois líderes romanos mais poderosos. Agora, na caixa de cigarros, ela não é representada como uma rainha histórica em roupas faraônicas: ela se tornou orientalizada.

55Em 1934, a foto do filme colorida à mão estrelada por Claudette Colbert como Cleópatra defende a marca americana "ouro velho", mas nomes oreintais relacionados como "o Encantador de Serpentes", "divindades egípcias" e "nossa" "Fátima" mais frequentemente serviram ao mesmo propósito. Era necessário, já que agora várias dessas caixas eram originárias de países ocidentais, especialmente de cidades alemãs como Dresden e Berlim. Aqui foram produzidos cigarros com tabaco americano, nunca para estragar o controle de um conceito de sucesso. Mais uma vez usando o apelo exótico o Oriente adjudica ao tabagismo.

  • 11 Lawrence Alma-Tadema (1836-1912), “The meeting of Anthony and Cleopatra: 41 BC (Opus CCXLVI)” (O en (...)

56A marca austríaca “Sphinx” acrescentou o ícone do Egito para dar ao fumo uma atmosfera requintada: na caixa de estanho promocional, a fêmea descansando em uma cadeira longa é colocada contra a combinação de anos atrás (as pirâmides) e mais ainda (os minaretes) (fig. 11). Motivos como estes foram teorizados em anúncios de estilo popular, como publicou Georg Rehlender (1845-?) (fig. 12)11. No prefácio, o título é flanqueado por dois exemplos de mulheres sentadas nas costas das esfinges. Estes livros-fonte não foram usados apenas por artistas ocidentais, os motivos sedutores foram isolados com o propósito de vender. O protagonista elogiando o cigarro da Sphinx mostra notáveis semelhanças iconográficas com o frontispício de Rehlender, especialmente nos notáveis detalhes cheios de nuances, como a touca de abutre faraônica e um colar de wesech da mulher à esquerda. Também a esfinge direita tem sua barba real ligeiramente levantada. Com ambos Rehlender, como o cigarro da Esfinge, que está em Viena, eu proporia indicar Rehlender como o designer desta lata específica de cigarros.

Figure11. Georg Rehlender, “Egyptische Cigarretten, Kaiserlich-Königliche Tabak Regie”, cerca de 1880. Lata de cigarros.

Figure11. Georg Rehlender, “Egyptische Cigarretten, Kaiserlich-Königliche Tabak Regie”, cerca de 1880. Lata de cigarros.

57

Figure 12. Georg Rehlender, “Vorwort” (detalhe) 1894. frontispício para: Allerlei Sinnbilder, 24 Tafeln Berlin: Nessling & Spielmeyer 1894

Figure 12. Georg Rehlender, “Vorwort” (detalhe) 1894. frontispício para: Allerlei Sinnbilder, 24 Tafeln Berlin: Nessling & Spielmeyer 1894

58Belezas populares de Mil e uma noites estavam na verdade fumando 'fantasias proibidas', afinal o Oriente tornou-se uma marca de sucesso após as Exposições Coloniais realizadas em Marselha em 1906 e 1922. O modelo oriental, também usando cremes, perfumes, pasta de dentes, garantido para tornar o usuário irresistível (Thornton 1994; 18-19). Seus olhos redondos de khol e lábios vermelhos intensos de fato as distinguiam ainda mais de suas respeitáveis irmãs ocidentais, para quem a maquilagem se limitava ao pó facial embranquecedor da face antes da Primeira Guerra Mundial (Batchelor, 2002; 99). Mas as odaliscas fizeram mais: “a franca sensualidade da mulher no rótulo da caixa de charutos foi superada apenas por imagens pornográficas”, como conclui Mitchell (Gilman, 2007; 298-99). Enquanto mais e mais turistas começaram a experimentar o mundo dos sonhos durante as turnês, o mundo mudou.

59O interesse pelo fumo explodiu com o nascimento da publicidade moderna, usando a explosão de jornais e revistas baratos, imagens públicas em outdoors. Além disso, o crescimento comercial do tabaco tornou-se agora socialmente aceito para as mulheres ocidentais, aparecendo inclusive marcas de cigarros para as mulheres apenas. As primeiras mulheres conhecidas traçaram seu perfil, adaptando os clichês masculinos ao perfil de si mesmas, de fato, como a Nova Mulher. A romancista Colette (1873-1954) brincou com o gênero, uma fumaça na mão, enquanto a forma como a lânguida Marlene Dietrich (1901-1992) soltou sua fumaça tornou-se a assinatura de seu estilo, agora de fato vestida com um terno masculino. A conotação erótica permaneceu, como mostram as performances sugestivas: uma mulher enchendo um cano, chupando uma ponta do bocal / filtro: especialmente propagandas dos anos 1950 e 1960 usam essas associações na venda de serpentinas: “você inala?” Ou “seu cigarro é uma explosão completa?

60Agora, seu impacto parece ter sido distorcido, o que aconteceu com o motivo de fumar depois de sua emancipação? Não era mais usado para atrair turistas com esse hábito altamente sensual. O próprio Egito parece agora substituir a atração oriental por mulheres faraônicas por associações sedutoras: o cigarro “Cleópatra”, obviamente fabricado para o mercado turístico, parece atraente, mas a decoração ficou sóbria. Após seu desmembramento na década de 1920, uma nova beleza eterna mostrou seus encantos ao seduzir o turista para experimentar a jornada dos sonhos, Nefertiti, agora pelo ar (fig. 13). O fato de um dos membros do meu grupo ter confundifo uma vez seu nome com "Hepatiti" diz tudo isso.

61

Figure 13. U&O (Urbi et Orbi), “Não sonhe mais...vá!Da década de 1960

Figure 13. U&O (Urbi et Orbi), “Não sonhe mais...vá!” Da década de 1960

Para a Air France, propaganda em preto e branco.

Conclusão

62Ao viajar para o Oriente Médio, muitos turistas têm em mente uma ilusão que foi amplamente desenvolvida ao longo do século XIX. Apesar de suas boas intenções, os pintores viajantes desses dias criaram em grande parte um mundo onírico fictício representando países acessíveis do Oriente Médio, em busca de tudo o que o Ocidente não era. Para começar, pelo calor dos seus olhos, cores brilhantes e uma luz bonita foram encontradas.

63Os tópicos que eles descreveram ainda se assemelham a como a maioria de nós tira nossas fotos-lembranças: escolhemos e selecionamos os pontos de vista mais impressionantes com as pessoas e tópicos mais fotogenéticos. O oriente oferecia belos atributos “estranhos”, como os nem tão falados chinelos altos de hamam, em materiais exclusivos como madeira incrustada e louças de metal cravejado. Mas ainda mais importante, as pessoas eram admiradas e representadas por sua alteridade; mesmo quando os artistas visitavam e pesquisavam os países que realmente amavam longa e frequentemente, muitos dos quadros idealizados foram criados.

64Quando nos concentramos no modelo feminino, a vemos fazendo coisas que também não eram permitidas para suas irmãs ocidentais: olhando desafiadoramente para o espectador, mostrando a pele nua capturada no ato de dançar ou tomar banho. Apesar da sugestão da prática diária, os artefatos orientais foram convincentes, mas os artistas não viram mulheres do leste em um harém de hamam: elas são uma fata morgana despertando um desejo sexual dos criadores e espectadores como um eco das sedutoras histórias de 1001 noites. Essas imagens são mais compreensíveis quando se percebe que elas são feitas no estilo vitoriano em que as mulheres ocidentais estavam completamente vestidas, usando espartilhos e tudo mais. Uma atividade que evocou ainda mais esse significado afrodisíaco foi o fumo. A odalisca estava segurando tanto os longos canos, cachimbos d'água ou cigarros que eu diria que o Oriente também era "nicotizado". Este ato foi associado com prostitutas no mundo ocidental.

65Quando a fotografia se desenvolveu, um dos primeiros lugares a documentar tudo foi o oriente novamente. Com o diferente, meio mais direto, as primeiras mulheres foram retratadas mais adequadamente vestidas. No entanto, o cigarro e o véu ainda conferiam aos modelos o caráter sedutor: como na pintura, esses mundos representados podem ser analisados como configurações teatrais em estúdios de fotografia profissionais, em vez do instantâneo sugerido do mundo real de lá. A relação com o oriente e o tabaco tornou-se tão forte que essas imagens logo foram usadas como uma ferramenta de marketing bem-sucedida: caixas de estanho decoradas e cartões de cigarro elogiavam, ou deveríamos dizer sopraram, os cigarros de origem egípcia ou turca.

66As conotações desviantes do tabagismo, no entanto, foram adaptadas por mulheres que comunicaram seu caráter forte, e logo também suas irmãs ocidentais menos conhecidas foram autorizadas a fumar. Sua referência à sedutividade permaneceu ligada ao leste, seja de maneira atenuada, até que o lobby antitabagismo mudou essencialmente o significado de fumar. Mas o cigarro não era a única possibilidade de comunicar a sedução: agora projetados nas rainhas Cleópatra e Nefertiti, eles se tornaram o porta-estandarte para convencer o turista a visitar o Egito.

Haut de page

Bibliographie

M. Ackerman, G., 1986, The life and work of Jean-Léon Gérôme, London, ACR Edition, PocheCouleur.

Alloula M., 1986, The Colonial Harem, Minneapolis, University of Minnesota Press.

Arago D. M., 1980, "Report of the Commission of the Chamber of Deputies", in Alan Trachtenberg (ed.), Classic essays on Photograph, New Haven, Leete’s Island.

Barthes, R., 2002, "L’effet de réel, XXX", Œuvres complètes, III, 1968-1971, Paris, Seuil.

Batchelor, B., 2002, The 1900’s: American popular culture through history, Westport, Londen, Greenwood Press.

Gartlan Behdad Ali, L., 2013, "Introduction", Photography’s Orientalism: New Essays on Colonial Representation, Los Angeles, Getty Publications.

Bernstein M., Studlar, G., 1997, Visions of the East: Orientalism in Film, Londen, New York, I.B. Tauris Publishers.

Bishop, E., 2006, "Arab Mediterranean", Melissa Hope Ditmore (ed), Encyclopedia of Prostitution and Sex Work, Westport, Greenwood Publishing Group.

Buonaventura, W., 1989, Serpent of the Nile: Women and Dance in the Arab World, New York, Interlink Books.

Čelebonović, A., 1974, The heyday of salon painting, London, Thames & Hudson.

Ciarlo D., 2011, Advertising Empire: Race and Visual Culture in Imperial Germany, Cambridge, Harvard University Press.

Cheung C.-F., 2010, Kairos: Phenomenology and Photography, Bucharest, Zeta Books.

Clayson, H., 2003, Painted Love: Prostitution in French Art of the Impressionist Era, Los Angeles, Getty Publications.

Delacroix, E., 1935, Correspondance générale d’Eugène Delacroix,[publish by André Joubin],Paris, Plon.

Fahmy, K., 1998, "Women, medicine and power in nineteenth-century Egypt", in Abu-Lughod L. (red.) Egypt: Remaking Women: Feminism and Modernity in the Middle East, Princeton, Princeton University Press.

Gately, I., 2001, Tobacco: a cultural history of how an exotic plant seduced civilazation, New York, Grove Press.

L. Gilman S., Xun, Z. (ed.), 2004, Smoke: a global history of smoking, London, Reaktion Books.

Grotenhuis, L., 2003, Wild Women: 19th century painting as inspiration for the image of women in contemporary Dutch photography. Exh.cat. (N.V. Nederlandse Gasunie) Groningen.

Grotenhuis, L., 2015, "Lying in the arms…: the origins and reception of Luc Olivier Merson’s “The rest on the flight to Egypt”", Visual Past: A Journal for the Study of Past Visual Cultures, 2.1, University of Hamburg.

Hallum, K. J., 2016, Aestheticism and the Marriage Market in Victorian Popular Fiction: The Art of female beauty, New York, Routledge.

Hammad H., Biancani, F., 2017, "Prostitution in Cairo", Selling Sex in the City: A Global History of Prostitution, 1600s-2000s, Leiden, Brill.

Hannavy, J., 2013, Encyclopedia of Nineteenth-Century Photograph, New York, London, Routledge.

Delis Hill, D., 2002, Advertising to the American Woman, 1900-1999,Athens, Ohio State University Press.

Klein, R., 1993, Cigarettes are sublime, Durham, Duke University Press.

Lane, E. W., 2006, An Account of the Manners and Customs of the Modern Egyptians, London, J.M., Dent & Co, 1908, Reprint with a new introduction by Jason Thompson, Cairo, Kessinger Publishing Co.

Lemaire, G. G., Lacambre G., 2000, L’Univers des Orientalistes, Paris, Place de Victoires [translated from French by Christine Diefenbacher e.a., Orientalismus; das Bild des Morgenlandes in der Malerei. Potsdam, H. Fullman].

McDonough J., Egolf K. (ed), 2002, The Advertising Age: Encyclopedia of Advertising. Chicago, London, Fitzroy Dearborn Publishers.

Mainardi, P., 1987, Art and politics on the second empire: the universal expositions of 1855 and 1867, New York, Yale University Press.

Van Nieuwkerk, K., 1995, A Trade Like Any Other: Female Singers and Dancers in Egypt, Austin, University of Texas Press.

Nochlin, L., 1989, "The imaginairy Orient", The Politics of Vision: Essays on Nineteenth-century Art and Society, New York, Harper & Row.

Osman, C., 1997, Egypt caught in time, Reading, Garnet publishing.

Peyraube, E., 2008, Le Harem des Lumières: l’image de la femme dans la peinture orientaliste du XVIIIe siècle, Paris, Éditions du Patrimoine.

Roberts, M., 2007, Intimate Outsiders: The Harem in Ottoman and Orientalist Art and Travel Literature, Durham, Duke University Press.

Said, E. W., 1978, Orientalism, London, Routledge.

Shechter R., 2006, Smoking, Culture and Economy in the Middle East: The Egyptian Tobacco Market 1850-2000, London/New York, I.B. Tauris.

Schmidt H., La Rock, G., 2013-2017, « Oriental (Erotic) Postcards and Photography », ‘Boudoir Cards: Vintage Postcards of the Belle Epoque, Erftstadt.

Slaoui, A., 1997, The Orientalist Poster, Casablanca, Malika Editions.

Deborah Starr, 2009, Remembering Cosmopolitan Egypt: Literature, Culture, and Empire, London, Routledge.

Sweetman J. (ed), 1988, The Oriental Obsession: Islamic Inspiration in British and American Art and Architecture 1500-1920.Cambridge, Cambridge University Press.

Thornton L., 1994, Women as portrayed in Orientalist Painting, Paris, ACR PocheCouleur.

Vogelsang-Eastwood, G., 1996, Veiled Images, Rotterdam, Barjesteh, Meeuwes & Co/Syntax Publishers.

Weill, A., 1978, Art Nouveau postcards: the posterist postcard, London, Thames and Hudson.

Sievernich, G., Budde H. (eds.), Europa und der Orient (800-1900), 1989, Exh.cat. (Martin Gropius-Bau) Berlin.

Eisenman, S. F., 1994, Nineteenth Century Art: a critical History, London, Thames and Hudson Ltd,.

Benjamin R., Khemir, M., Prunster U., Thornton L., Auckland Art Gallery, 1997, Orientalism: Delacroix to Klee, Exh.cat. (The Art Gallery of New South Wales) Auckland.

Depelchin D., Diederen R. 2011, L’orientalisme en Europe. De Delacroix à Matisse, Exh.cat., RMN-Grand Palais.

Haut de page

Notes

1 Ele fez sua primeira viaem com o escritor Emile Augier (1820-1889), o escultor Frédéric Auguste Bartholdi e os pintores Léon Charles Adrian Bailly (1826) e Narcisse Berchère (1819-1891). Gérôme visitou o Egito novamente em 1862, 1868, 1869, 1874 e 1880.

2 O artista escocês David Wilkie (1785-1841) até se recusou a pintar europeus durante sua turnê de 1840-41, a não ser em trajes turcos ou árabes: (Thornton, 1994, 14).    

3 Os críticos contemporâneos Ernest Chesneau, Marius Chaumelin, Théophile Thoré-Bürger e Léon Lagrange.

4 Gérôme dever ter baseado suas “teorias raciais” no “Ensaio sobre a desigualdade das raças humanas” de Arthur de Goubineau (1853-55). Sua pintura “Slavemarket” (Mercado de escravos) (1867) ilustraria a indiferença à vida humana em sua abordagem da escravidão e da prostituição, definindo a “raça negra”, sob a qual os árabes, “violentos, caprichosos e possuidores de 'uma intencionalidade do desejo… que podem ser chamados terríveis'”.

5 Lady Mary Wortley Montagu é o exemplo mais conhecido quando ela compartilhou o banho público em Adrianópolis com mulheres locais em 1717.

6 Referências como essas podem ser lidas em revistas como The New-York Mirror, Vol. 9 (1831), 206.

7 Visto ionograficamente este uso é similar ao arabesco em forma de névoa vinda de um incensário, e depois reproduzida pelos anúncios de Alphonse Mucha (1860-1939), especialmente para o papel de cigarro "Jó".

8 Como Delacroix descreve os habitantes de Tânger em uma carta de 1832: "les Romains et les Grecs sont là à ma porte" (Os romanos e os gregos estão lá na minha porta) (Delacroix, 1935; vol.1, 329-30).

9 Para manter seus soldados saudáveis, com quase 2.500 vítimas de doenças venéreas sem tanto sucesso.

10 Lawrence Alma-Tadema, (1836-1912), “O encontro de Antônio e Cleópatra: 41 aC (Opus CCXLVI)”, óleo no painel, 65,5 x 91,4 cm. Lote 65, Sotheby's New York, 2011.

11 Lawrence Alma-Tadema (1836-1912), “The meeting of Anthony and Cleopatra: 41 BC (Opus CCXLVI)” (O encontro de Anthony e Cleópatro: 41 aC), oleo no painel, 65,5 x 91,4 cm. Lote 65, Sotheby’s New York, 2011.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Figure 1.Frank Seaman Agency, Cigarros Fatima, anúncio impresso em revistas como a Town and Country (1917-19)
URL http://journals.openedition.org/viatourism/docannexe/image/1746/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 96k
Titre Figure 2. Jean Léon Gérome, “Dama circassiana com véu” cerca de 1876, óleo sobre tela, lote 42, Christies Sale 7587 2008.
URL http://journals.openedition.org/viatourism/docannexe/image/1746/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 72k
Titre Figure 3.Carl Ludvig Emil Jensen, “Kvinde-emancipation” (Emancipacão da mulher), cerca de 1900, caricatura,C. E. Jensen, Karikatur Album, Kopenhagen 1912.
URL http://journals.openedition.org/viatourism/docannexe/image/1746/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 96k
Titre Figure 4. “Alexandrie: Mulher Árabe” ca. 1890, cartão postal pintado à mão
URL http://journals.openedition.org/viatourism/docannexe/image/1746/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 124k
Titre Figure 5. Constantine Zangaki, “Mulher árabe sour budet ” ca. 1860-1890, Impressão em albumina como um cartão postal fotográfico
URL http://journals.openedition.org/viatourism/docannexe/image/1746/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 116k
Titre Figure 6. Zangaki Brothers, “Dama egípcia” 1890-1900, cartão postal fotográfico
URL http://journals.openedition.org/viatourism/docannexe/image/1746/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 104k
Titre Figure 7. Zangaki Brothers, “Mulher egípcia” cerca de 1900, cartão postal fotográfico.
Légende De observadores fumantes para serem seduzidas por um cigarro
URL http://journals.openedition.org/viatourism/docannexe/image/1746/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 244k
Titre Figure 8.Dimitrino & Co, “Cairo, Egito”, cerca de 1910, lata de cigarros.
URL http://journals.openedition.org/viatourism/docannexe/image/1746/img-8.jpg
Fichier image/jpeg, 44k
Titre Figure 9. Dimitrino & Co, “Cairo, Egito”, cerca de 1910, impresso.
URL http://journals.openedition.org/viatourism/docannexe/image/1746/img-9.jpg
Fichier image/jpeg, 376k
Titre Figure 10. Dimitrino & Co, “Cigarros egípcios”, (depois Alma Tadema’s “Cleopatra”)
Légende Dos anos 1910, lata de cigarros
URL http://journals.openedition.org/viatourism/docannexe/image/1746/img-10.jpg
Fichier image/jpeg, 68k
Titre Figure11. Georg Rehlender, “Egyptische Cigarretten, Kaiserlich-Königliche Tabak Regie”, cerca de 1880. Lata de cigarros.
URL http://journals.openedition.org/viatourism/docannexe/image/1746/img-11.jpg
Fichier image/jpeg, 232k
Titre Figure 12. Georg Rehlender, “Vorwort” (detalhe) 1894. frontispício para: Allerlei Sinnbilder, 24 Tafeln Berlin: Nessling & Spielmeyer 1894
URL http://journals.openedition.org/viatourism/docannexe/image/1746/img-12.jpg
Fichier image/jpeg, 56k
Titre Figure 13. U&O (Urbi et Orbi), “Não sonhe mais...vá!” Da década de 1960
Légende Para a Air France, propaganda em preto e branco.
URL http://journals.openedition.org/viatourism/docannexe/image/1746/img-13.jpg
Fichier image/jpeg, 248k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Liesbeth Grotenhuis, « Smoking Hot: a erotização da Odalisca pelo cigarro  », Via [En ligne], 11-12 | 2017, mis en ligne le 14 mai 2018, consulté le 19 août 2018. URL : http://journals.openedition.org/viatourism/1746 ; DOI : 10.4000/viatourism.1746

Haut de page

Auteur

Liesbeth Grotenhuis

Universidade de Groningen, Hanze University of applied sciences Groningen Países Baixos)

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Via Tourism Review est mis à disposition selon les termes de la Licence Creative Commons Attribution - Pas d'Utilisation Commerciale - Pas de Modification 4.0 International.

Haut de page
  • OpenEdition Journals