Navigation – Plan du site

O Sagrado e o Sensual

Experiências nos Templos Eróticos de Khajuraho
Swetha Vijayakumar
Traduction de Frederico Couto Marinho
Cet article est une traduction de :
The Sacred and the Sensual [en]
Autre(s) traduction(s) de cet article :
Heiliges und Sinnliches [de]

Résumé

Enquanto a maioria dos templos da Índia são considerados locais sagrados para a peregrinação e o culto, um grupo de vinte e dois templos em Khajuraho, uma pequena cidade do centro da Índia, obteve fama internacional devido a milhares de esculturas eróticas nos seus muros exteriores. Khajuraho prospera na dicotomia entre ser condenada pela pornografia e transgressão a cultura indiana e ser endossada pelos turistas internacionais e pelas elites urbanas do país como um epítome da liberalidade indiana - como o Templo do Kamasutra por excelência. Deificar o erotismo e promover o turismo usando imagens sensuais para um governo puritano em uma sociedade conservadora é algo complexo, paradoxal e cheio de contradições. Este artigo discute o processo de erotização que ocorre em Khajuraho - um processo que é um amalgama único de religião, cultura e turismo. Com base nas estratégias publicitárias do governo indiano, no marketing de souvenirs eróticos, em pesquisas turísticas e dados estatísticos obtidos no ministério do turismo, identifico três formas distintas em que a erotização ocorre em Khajuraho: primeiro, através de um marketing excepcionalmente romantizado pelos operadores turísticos indianos que oferecem pacotes de lua de mel e de férias; segundo, através dos souvenirs eróticos vendidos nas ruas como símbolo de Khajuraho; e terceiro, através da criação de uma "economia de experiência" calcada na prostituição local. Visitar um sítio remoto e altamente erotizado como Khajuraho, apesar de ser um templo hindu, resulta em um comportamento turístico distinto que não é característico para qualquer sítio de turismo indiano. Em Khajuraho, afirmo que todos os turistas independentemente de sua nacionalidade são estrangeiros.

Haut de page

Texte intégral

O autor agradece o professor Nelson Graburn por seu apoio contínuo e pelos comentários críticos e editoriais sobre este artigo, desde a sua primeira versão na primavera de 2012 até o momento da sua publicação, e à professora Maria Gravari-Barbas por compartilhar muitos comentários úteis sobre este artigo. Uma versão curta foi apresentada em um colóquio de pesquisa organizado pelo Grupo de Trabalho de Estudos de Turismo em setembro de 2013 e na conferência Worlds of Desire: Erotização de Sítios Turísticos, em Genebra, em maio de 2015.

Introdução

"A beleza não é uma qualidade das próprias coisas. Existe apenas na mente dos que a contemplam; e cada mente percebe uma beleza diferente. Uma pessoa pode perceber deformidades, onde outra é sensível à beleza; e cada indivíduo deve concordar com seu próprio sentimento, sem pretender regular os dos outros ".
-David Hume, O Padrão do Gosto, 1757

Figura : Esculturas no Templo de Kandariyo Mahadev.

Figura : Esculturas no Templo de Kandariyo Mahadev.

Rajan Atrawalkar/Wikimedia /Domínio Público

1O que é considerado bonito ou feio, e se a natureza da beleza é subjetiva ou objetiva tem sido um dos tópicos mais perseguidos e controversos da filosofia estética. Historicamente, a arquitetura e as esculturas dos templos hindus na Índia transmitem narrativas sagradas. Muitas vezes, narram histórias das vidas das divindades hindus e reis piedosos, e caracterizam figuras e representações humanas vestidas modestamente e animais de batalha, como elefantes e cavalos. Essas esculturas são consideradas lindas por todos os visitantes e devotos. Mas um grupo de vinte e dois templos em Khajuraho, uma pequena cidade no centro da Índia, é uma anomalia - as paredes exteriores do templo estão saturadas de imagens explicitamente sexuais. As esculturas mistificantes, muitas vezes referidas como esculturas mithuna, representam homens e mulheres em vários atos sexuais explícitos. Embora um dos templos do grupo ainda funcione como um local de peregrinação para os habitantes locais, nas últimas quatro décadas o grupo inteiro de templos ganhou fama internacional principalmente por suas esculturas eróticas. Como um famoso patrimônio mundial da UNESCO, recebe anualmente mais de 350.000 visitantes. Entretanto, nem todos os turistas percebem essa arte erótica como objeto de beleza.

2A compreensão da arte erótica de Khajuraho permaneceu um mistério até recentemente. Nas últimas duas décadas, vários estudiosos tentaram entender porque e quem construiu esses templos e apresentaram uma interpretação histórica para a abundância de esculturas estranhamente excitantes em Khajuraho. Enquanto a figura feminina desnuda e sensual sempre foi um dos motivos mais canônicos da arte dos templos hindus medievais, em Khajuraho, a nudez feminina é intercalada com retratos gráficos de sexo e comunhão. O historiador William Darlymple opina que tais retratos foram abraçados sem reservas na Índia medieval como um caminho para a divindade. A nudez feminina, naquela época, não era vista como uma tentação pecaminosa, mas sim como símbolo da fertilidade feminina e da espiritualidade. Mas com a chegada dos colonizadores britânicos, argumenta Darlymple, começa o declínio da era da sexualidade explícita. Para os britânicos do século 17, a multiplicidade de imagens sexuais nos templos era perplexa, imoral e obscena. ParthaMitter, em seu livro, descreveas reações dos viajantes europeus do século 17 a arte indiana, cita uma revista europeia de viagem que diz que a arte indiana é "muito imodesta, cheia de fornicação de estilo pagão e outras abominações". O diário de viagem continua dizendo que

"as figuras de Deuses e Deusas em Khajuraho estão tão cheios de figuras lascivas de monstros que não se pode entrar sem horror, e são mostradas em posturas tão obscenas que iriam enganar as ninfas de Covent Garden para imitá-las."(Mitter, 1992).

3Mas hoje, as mesmas esculturas são capturadas em uma negociação constante entre conservadores que veem a nudez e a sexualidade na arte do templo como vergonhosa e um constrangimento para os valores hindus tradicionais e os liberais que a abraçam como uma celebração do corpo humano.

4Embora a prudência dos conservadores contemporâneos pareça seguir as ideias vitorianas de imoralidade sexual, a aceitação do erotismo pelos liberais parece reconhecer tradições e heranças hindus que consideram a estética do sexo e da nudez como arquetípica da arte hindu. Os escritos mais recentes sobre Khajuraho, mais visivelmente do historiador da arte DevanganaDesai (1975, 1996, 2000), que talvez seja o acadêmico mais prolífico sobre os templos de Khajuraho no século XXI, argumenta que as esculturas eróticas neste contexto devem ser consideradas como parte do esquema arquitetônico e escultural geral dos templos, e não ser sensacionalista como frisos eróticos individuais. Como o historiador Guha-Tukarta escreveu "... como e quando um gênero particular de imagens adquire ou espalha conotações de imoralidade depende em grande parte do que está sendo definido e programado como artístico e indiano". Embora consciente desse debate, este artigo não procura propor ou propagar que atitude o público indiano deve ter sobre as imagens sexuais do templo. O foco deste trabalho é entender como essas visões opostas colidem no espaço do turismo. Enquanto alguns turistas estão revoltados com os horrores das esculturas, outros ficam satisfeitos ao testemunhar o templo de Kamasutra em toda a sua glória.

  • 1 O estado onde o templo de Khajuraho está localizado se situa no região centralda Índia.

5Como um estudo de caso de como a erotização de um sítio afeta o turismo, este artigo sobre Khajuraho começa explorando a história e a arquitetura de Khajuraho e discute alguns dos mitos que cercam a presença das esculturas eróticas em um ambiente religioso. Aqui, os mapas de viagem do século 18 e 19 que descrevem a indignação dos primeiros funcionários britânicos em relação as imagens sexuais proporcionam um contraste com o atual fascínio ocidental com o templo indiano do Kamasutra. Além disso, a existência dicotômica de Khajuraho de ser uma extravagância sexual em uma sociedade moralista, em grande medida, é explorada através das estratégias de marketing do governo, festivais de dança e folhetos turísticos.O artigo discute o turismo em expansão em Khajuraho ao traçar a evolução de uma cidade isolada para um turbulento destino turístico apoiado por uma cadeia de hotéis com temas sugestivos, residentes locais atuando como guias turísticos e fabricantes de lembranças eróticas e uma rede clandestina de profissionais do sexo e agenciadores. Enquanto os guias de turismo costumam agenciar encontros com mulheres nos hotéis, também discuto brevemente a presença de uma comunidade tribal nômade chamada Bedias, que vive na estrada que liga Khajuraho a outros grandes centros turísticos em Madhya Pradesh1. A tribo pratica a prostituição como uma tradição comunitária onde a filha mais velha de cada família é introduzida no comércio sexual.

6Neste artigo, eu adotei dois métodos de pesquisa. Primeiro, a observação de campo - minhas anotações iniciais sobre o comportamento turístico vêm da minha visita a Khajuraho no verão de 2009, onde passei dois dias dentro e ao redor das instalações do templo como turista. Além disso, estudo os comportamentos dos turistas através de fotografias discretamente capturadas dos turistas explorando o sítio, dos folhetos de marketing oferecidos pelos operadores turísticos e aqueles publicados pelo ministério do turismo e de revisões de turistas do sexo masculino e feminino (especialmente turistas mulheres sozinhas) em sites de revisão de viagens como o Trip Advisor. Estes ajudam a compreender as percepções diferenciadoras e as reações à nudez e à imagem sexual explícita, o efeito dos frisos eróticos no olhar masculino e a sexualização óbvia das turistas do sexo feminino em um contexto de esculturas não vestidas e semivestidas.

  • 2 Menon (1993).

7Em segundo lugar, estudo pesquisas, relatórios estatísticos e análise de conteúdo para analisar como o olhar, o gênero e a sexualidade são percebidos e reconhecidos no âmbito sociocultural do turismo. Para uma interpretação histórica das esculturas únicas de Khajuraho, me oriento pelos trabalhos de estudiosos como Shobita Punja (2010, 1992), Michael Rabe (1996), James Allen (1999), BK Bastia (2006). A pesquisa de NilouferIchaporia sobre turismo em Khajuraho na década de 1980 oferece um pano de fundo para comparar e contrastar com o atual frenesi turístico com as esculturas. Para contextualizar a escala do turismo em Khajuraho e acompanhar o seu desenvolvimento a partir de uma pequena cidade que abriga algumas centenas de residentes para um sítio turístico movimentado com um aeroportopróprio, analisei principalmente os levantamentos anuais realizados pelo Ministério do Turismo do governo indiano e o relatório estatístico de AK Menon2sobre o turismo em Khajuraho. Usando as abordagens teóricas do olhar e do voyeurismo, me concentro nas complexas questões de gênero que vêm a desempenhar enquanto visitam as esculturas eróticas, as diferenças nas percepções entre homens e mulheres e entre turistas estrangeiros e indianos sobre o exibicionismo.

História e Mitos:

Figura : Mapa de Khajuraho mostrando os templos do Leste e do Oeste

Figura : Mapa de Khajuraho mostrando os templos do Leste e do Oeste

8Khajuraho é uma cidade pequena e isolada localizada no estado de Madhya Pradesh, no centro da Índia. Os governantes de uma dinastia hindu chamada Chandelas que governaram a Índia central construíram oitenta templos em Khajuraho durante um período de 200 anos, de 950 a 1150. Mas, no século 14, com a invasão dos exércitos mongóis na Índia Central, esses templos foram gradualmente abandonados e caíram em ruínas. Talvez a densa vegetação que cerca os templos e os mantém escondidos evitaram que fossem destruídos pelos governantes islâmicos conservadores (Mitra, 1977). Dos 80 templos originalmente construídos, apenas 22 estão atualmente em um estado de preservação razoável. Estes 22 templos foram incluídos na Lista do Patrimônio Mundial da UNESCO em 1986. Esses templos se espalham por uma área de oito milhas quadradas e são divididos em grupos orientais e ocidentais. Enquanto a maioria dos templos no grupo ocidental são templos hindus, sendo o mais famoso o templo de Khandariyo Mahadev, os templos do grupo oriental são os templos de Jaina, sendo o mais famoso o templo de Parshvanatha. Esses templos também foram inicialmente construídos como templos hindus, mas depois convertidos para o uso de Jaina. (Hegewald e Mitra 2008).

9Após séculos de negligência e destruição, o capitão T.S. Burt, um oficial britânico explorador do grupo real dos engenheiros de Bengal, redescobriu o conjunto abandonado de templos em 1838. Os templos de Khajuraho são mencionados pela primeira vez quando publicou suas descobertas na Revista das Sociedades Asiáticas (1838). Burt escreveu em seu diário:

“Eu ouvi de um palanquim maravilhas deste lugar Khajuraho. Encontrei nas ruínas sete grandes diwallas, ou templos hindus, mais belos e requintadamente esculpidos, mas o escultor permitia, às vezes, que seu assunto se tornasse mais quente do que qualquer necessidade para sua realização; de fato, algumas das esculturas aqui eram extremamente indecentes e ofensivas; fiquei muito surpreso ao encontrar em templos erigidos para bons propósitos e em função da religião”.

10Alguns anos depois, o engenheiro do exército britânico Alexander Cunningham foi nomeado o primeiro pesquisador arqueológico da Índia, examinou os templos Khajuraho pela primeira vez e os documentou sistematicamente. Em seu relatório de 1870 à Comissão Arqueológica (Cunningham, 1871) ele escreve,

As esculturas em Khajuraho são altamente indecentes e a maioria delas é repugnantemente obscena. No templo Vishvanatha, em todos os lugares há um grande número de figuras femininas que estão representadas largando suas roupas e se expondo propositalmente ”.

Figura :

Figura :

Esquerda: O ídolo da Deusa Shiva (Lingam) dentro do Templo de Matangeshwar, Khajuraho.
Direita: Sanctum Santorum no templo de Jagadambi.

Bittudubeyj, 2016 via Wikimedia. Uso sob Creative Commons Attribution 2.0 e Foto do Autor.

  • 3 O ídolo da Deusa Shiva, considerado por alguns como um falo ereto simbólico.

11Enquanto quase todos os templos que Burt encontrou estavam em um estado de ruínas, ele notou um templo específico que ainda era usado para cultos. Ele escreve: "... enquanto eu estava nesse último templo, os nativos se opuseram à minha entrada sem tirar minhas botas. Havia um lingam3 enorme dentro deste, oito pés de altura e quatro pés de diâmetro" (Punja 2010). Essa conta elucida o fato de que pelo menos um templo no grupo estava em uso no momento desta descoberta. Ainda hoje, pessoas de aldeias vizinhas visitam o templo de Matangeshwar para peregrinar e adorar. O templo é animado por milhares de visitantes em dias auspiciosos de festivais hindus, especialmente na noite de Shivaratri - festival do Senhor Shiva. Cerca de 25 mil pessoas visitam o templo durante os 3 dias do festival anual (Singh, RP 2009). O sítio funciona como um local de peregrinação ativo para os habitantes locais, mesmo atendendo turistas nacionais e internacionais para entretenimento e lazer. O sanctum sanctorum de todos os outros templos no local está vazio ou deformou mutilando os ídolos, mostrando que todos os templos estavam em uso para rituais e orações no momento da sua construção e gradualmente caíram em desuso devido à negligência ou desinteresse dos locais.

Origens Incertas

Figura : Rei Kirtivarman Chandela visita o templo de Khajurahu

Figura : Rei Kirtivarman Chandela visita o templo de Khajurahu

História das Nações de Hutchinson / Domínio Público/ Autor Desconhecido

12Ao longo da história indiana, os reis poderosos encomendaram templos megalíticos para demonstrar o seu poder e para deixar um legado. No entanto, é intrigante que a intenção dos governantes de Chandela foi decorar os templos com imagens eróticas incomuns. Resta saber quais costumes e tradições a dinastia Chandela quis propagar e quais legados culturais pretendiam construir. Numerosos mitos (ver Agarwal 1964, Gill 2008) e teorias examinam os significados e propósitos dessas esculturas eróticas. Muita tinta foi gasta examinando várias possibilidades e explicações. Enquanto algumas teorias são mitológicas (Mitra, 1977) e afirmam que um arquiteto divino esculpiu os templos para retratar o amor e namoro de Moon God e a mulher por quem se apaixonou na Terra, alguns outros são mais práticos e argumentam que as esculturas foram esculpidas para despertar os desejos sexuais entre a população cada vez menor dos jainistas e hindus no reino de Chandela (Keay 2011; Desai 2000). Enquanto o historiador de arte Shobita Punja (2010) santifica as esculturas e afirma que representam a consumação divina entre os Senhores Shiva e Parvathi na sua noite de núpcias, especialistas na Índia como David White (2006) e Michael D Rabe (1996) sugerem que essas esculturas retratam práticas sexuais tântricas que os yogis tântricos costumavam meditar. Este grupo de estudiosos acredita que as imagens sexuais representam uma sociedade onde o sexo não era um tabu, mas uma parte integrante da vida diária. Os cosmólogos védicos apresentam uma visão contrária. Embora concordando que as esculturas são parte de uma tradição tântrica, este conjunto de estudiosos argumenta que as esculturas foram esculpidas não para promover o desejo, mas em vez disso, cessá-los. (Mumford, 1998).

13Esta explicação sugere que os governantes de Chandela eram seguidores de um culto tântrico que acreditava que os devotos não deveriam ser perturbados, mesmo pela excitação sexual na busca de Deus, e as esculturas foram colocadas para que os yogis pudessem superar todos os seus desejos antes de entrar o sanctum sanctorum. Apesar da abundância de tais teorias, o verdadeiro significado dessas esculturas continua sendo um dos maiores mistérios da arquitetura indiana. Mas como este artigo não pretende corroborar a origem e a realidade das várias teorias, ele se limita a entender como uma cidade remota da Índia Central se tornou um destino turístico popular e explorar os efeitos do turismo em uma pequena cidade e analisar como o erotismo é percebido e reconhecido.

Uma existência dicotômica

14Em Khajuraho, a dicotomia de ser condenada como pornografia e transgredir a cultura indiana, por um lado, e, por outro, ser promovida pelo turismo internacional e pelas elites urbanas indianas como um epítome da liberalidade indiana - o Templo de Kamasutra - continua a persistir. As esculturas cintilantes de Khajuraho são mais proeminentes nas brochuras e cartazes produzidos pelo ministério do turismo. Por um lado, o ministério lançou selos4, cartões postais e livros5 de mesa para os cafés, com as esculturas, e a cidade é amplamente anunciada nas brochuras como a "Incrível Índia6" - a campanha mais intensiva do turismo promovida pelo governo. Por outro lado, esses anúncios geralmente apresentam notas laterais discretas que minimizam a natureza erótica das esculturas e as apresentam como a forma mais pura de amor e espiritualidade.

Figura : Placa de informações para os visitantes em frente ao complexo de templos de Khajuraho.

Figura : Placa de informações para os visitantes em frente ao complexo de templos de Khajuraho.

Foto do autor.

15Uma dessas notas produzida pelo governo Madhya Pradesh diz:

  • 7 Inacreditável! Índia Caderno do Governo de Madhya Pradesh, 71 páginas, e o informações sobre o turi (...)

"Qualquer que seja a interpretação das cenas eróticas esculpidas nas paredes dos templos de Khajuraho, certamente não há nada de sórdido ou grosseiro nelas. De fato, essas representações nos deram algumas das mais sofisticadas composições de esculturas, que vibram com uma rara sensibilidade e emoção7. "

16Embora seja verdade que existem várias interpretações místicas das esculturas eróticas, a deificação do erotismo e a promoção do turismo usando imagens eróticas por um governo puritano em uma sociedade indiana bastante conservadora são complexas, complicadas e cheias de contradições. Na Índia, como e quando um gênero particular de imagens adquire ou abrange conotações de imoralidade depende em grande parte do que está sendo definido e classificado como artístico e como indiano. Apesar de Khajuraho se destacar no mapa do turismo mundial por suas esculturas eróticas, é importante notar que não mais de 10% de todas as esculturas nos templos são de natureza erótica.

17Guias de turismo em torno de Khajuraho muitas vezes narram uma história popular, não documentada, de que Mahatma Gandhi, defendeu a demolição dos templos de Khajuraho por ser sórdido e ridículo (Ichaporia 1983), enquanto o artista-poeta Rabindranath Tagore se opôs fortemente a sua demolição. Finalmente, quando um Nehru, de mentalidade liberal, se tornou o primeiro ministro da Índia em 1947, reconheceu o potencial de promover os templos de Khajuraho para os ocidentais e iniciou os primeiros planos do desenvolvimento turístico. Enquanto o apelo de Gandhi para a demolição permanece sem fundamento, está bem documentado que Nehru perseguiu resolutamente o desenvolvimento do turismo em Khajuraho nos seus "planos quinquenais" iniciado em 1950 (Bhatia, 1978). Desde então, sucessivos governos tiveram iniciativas para o seu desenvolvimento.

Figura : Uma performance de dança em frente ao templo de Khandariya Mahadev.

Figura : Uma performance de dança em frente ao templo de Khandariya Mahadev.

Foto do Autor.

18No ano 2000, para comemorar mil anos dos templos de Khajuraho, foram organizadas celebrações ao longo de um ano chamadas "Khajuraho Millennium Bash8" (Shastri 2017). O ministério do turismo também organiza um festival de dança anual onde os bailarinos são trazidos para se apresentar em frente às esculturas hipnotizantes. Enquanto, por um lado, os bailarinos fazem performances românticas em frente as esculturas em cópula e são vistos de maneira excitante, por outro lado, ele é retratado como uma reinterpretação da cultura indiana que justifica as esculturas como decorrentes de antigas tradições. Khajuraho torna-se assim um lugar onde as imagens espirituais, sociais e culturais de um país são criadas e reinterpretadas.

19As comparações de Khajuraho com outros destinos turísticos como Lijiang na China (China Daily 2014; Zhu 2012), que são caracterizados com temas sexuais, são inevitáveis. Mas o que torna Khajuraho único é uma amalgama distinto de religião, cultura e erotismo, em uma antiga cidade isolada. Embora as campanhas de marketing promovam explicitamente as esculturas de Khajuraho para serem a atração solitária da cidade, existem outras atrações culturais como o festival anual de dança organizado atrás dos templos. Dançarinos célebres e artistas famosos se reúnem no famoso festival de dança, que ocorre na primeira semana de fevereiro de cada ano. Mas como os ingressos para este famoso festival de dança são muito caros para a população local, inadvertidamente se torna um festival de dança de elite que mostra bailarinas clássicas famosas num cenário erótico para estrangeiros fascinados - um fenômeno chamado "pornokitsch", por Ugo Volli (Dorfles e McHale 1969), um semiótico italiano. O ocidente tende a transformar e comercializar tanto o passado quanto o exótico em pornokitsch, diz ele. Algumas semanas antes deste ilustre festival de dança, a Academia de Arte Tribal organiza outro festival de dança de uma semana - Lokranjan - não no contexto dos templos, mas nos terrenos da aldeia. A entrada é gratuita para este festival local, e é extremamente popular entre os habitantes locais, e também é muito procurado por estrangeiros.

20Seguindo os passos do Ministério do Turismo, a Air Índia – empresa aérea oficial do país - produziu uma propaganda intrigante com uma imagem de uma escultura de Khajuraho, onde um homem e uma mulher se beijam, com o título "século 11". No lado, está em negrito "Claro, beijar é uma importação do Ocidente!" Existe um foco na sensualidade, implícito nos empreendimentos do governo e mais explícito em livros de turismo privado. Este anúncio em particular pode ser percebido como uma provocação para os ocidentais, e os orientais, que, pensam, "beijar é uma importação do ocidente", então eles devem visitar Khajuraho para testemunhar a glória de uma sociedade indiana medieval. Enquanto o governo comercializa Khajuraho para turistas indianos e estrangeiros através de festivais artísticos e culturais, os operadores turísticos privados usam uma estratégia diferente para atrair clientes. Centenas de operadores turísticos nacionais têm menos interesse, mas apenas como propagandas atraentes voltadas para turistas indianos. Khajuraho também está listado como um dos principais destinos de lua de mel na Índia, onde os casais são atraídos a olhar para as esculturas. É um convite para uma experiência romântica. Aqui novamente, é importante notar que a força motriz de todas as campanhas de marketing e propagandas são o punhado de esculturas eróticas presentes em uma cidade de outra forma árida e desolada.

Cidade Pequena, Grande Turismo

21Com um marketing tão intenso e com sua popularidade como um famoso sítio do Patrimônio Mundial da UNESCO, Khajuraho recebe o maior volume de turistas após o famoso Taj Mahal em Agra e o grupo de monumentos do Mughal em Delhi. A cidade de Khajuraho, com uma população de 25.0009 habitantes, viu cerca de um milhão de turistas em 201510. Em comparação, o destino turístico mais famoso e mais visitado o Taj Mahal, na Índia, no estado vizinho do Uttar Pradesh, atraiu 4,6 milhões de turistas11. As empresas de viagens e os operadores turísticos desempenham um papel importante na atração e na "marcação" do sítio para os turistas. A maioria dos turistas para Khajuraho faz um pequeno desvio no popular circuito Delhi-Agra-Jaipurtourist, famoso como o Triângulo Dourado. Khajuraho está localizado a cerca de 250 milhas de Agra, lar do Taj Mahal, e cerca de 385 milhas de Delhi.

22Um ponto de ônibus e uma estação ferroviária também estão localizados a poucos quilômetros de distância da cidade, proporcionando modos de transporte mais baratos. Um aeroporto liga Khajuraho a outras cidades importantes da Índia. Começando a partir de 2011, a Air Índia, uma das principais empresas aéreas do país, opera um voo diário de Delhi. Este foi um grande impulso para o turismo em uma cidade que de outra forma poderia ser alcançada apenas por estradas ruins e uma estação ferroviária distante. Melhorar as conexões de trânsito e as estratégias de marketing direcionado impulsionaram Khajuraho para o topo dos destinos turísticos indianos. Em 2013, o ministério do turismo anunciou uma proposta para um novo terminal em Khajuraho que apoiaria voos internacionais. O terminal está sendo construído atualmente com um custo informado de cerca de 90 rupias indianas12.

Figura 7: Relatório Anual Estatístico do Turismo Domésticodo estado de MadhyaPradesh, 2003

Centre

Domestic Tourist inflow

Foreign Tourist inflow

All tourist inflow

Day visitors

Tourist Inflow & DV

Amarkantak

222585

1388

223972

271401

495373

Chitrakoot

57350

372

57721

31846

86567

Khajuraho

83286

81447

164736

27909

192645

Orchha

87544

59716

147259

40369

187628

Gwalior

483874

7909

491783

431895

923678

Sivpuri

84619

108

84728

110981

195709

Chanderi

3532

42

3574

3110

6684

Indore

396511

905

397416

68632

466048

Ujjain

69476

252

69728

9858

466048

Mandu

46104

2077

48181

15334

63515

Maheshwar

52601

189

52792

23493

76285

Omkareshwar

186973

709

187682

69619

257301

Burhanpur

72053

40

72092

7940

80032

All Centers

3463822

181194

3645046

1878870

5523916

Figura 7: 2011 Pesquisa sobre Turismo do Governo da Índia

S No.

Domestic

Foreign

1.

Ma Sarda Mata Mandir Maihar, Satna

Khajuraho, Chhatarpur

2.

Omkareshwar, Khandwa

Orchha, Tikamgarh

3.

Ramghat, chitrakoot, Satna

Sanchi, Raisen

4.

Pitamber Peeth, Datia

Bandhavgarh, Umaria

5.

Mahakal mandir, Ujjain

Bandhavgarh National Park, Panna

6.

Pashupatinath mandir, Mandsaur

Bhera ghat, Jabalpur

7.

Mata mandir, Sehore

Bhojpur, Raisen

8.

Amarkantak Kavan Temple, Anuppur

Diamond mines, Panna

9.

Ancient Fort (Gado), Kharwahi, Satna

Kanha National Park, Mandla

10.

Khajuraho, Chhatarpur

Vishwanath Mandir, Madibagh

2011 Pesquisa sobre Turismo do Governo da Índia mostra que Khajuraho é o destino mais visitadopor turistasestrangeiros eo menos visitado por turistas domésticos emMadhyaPradesh.

  • 13 Relatório Estatístico Anual do Turismo Doméstico no estado de Madhya Pradesh, 2003. http://tourism. (...)

23Quase todos os templos na Índia recebem turistas domésticos, a maioria deles para peregrinar. Como a maioria dos templos funcionais, as regras proíbem os não-hindus de entrarem nos templos, menos de 1% do total de visitantes são internacionais. Khajuraho continua sendo um centro religioso de visitação em nível local. Dos onze templos hindus que sobreviveram, apenas um templo está em uso contínuo. É somente neste templo que os não-hindus não são bem-vindos. Os aldeões ainda usam o único templo funcional para adoração. Milhares de pessoas, incluindo de aldeias e tribos vizinhas, se aglomeram no templo um dia no ano - no festival da divindade Shiva. A parte isso, todos os visitantes do templo são turistas. Devido à sua popularidade por razões não religiosas, Khajuraho possui uma fração muito maior de turistas internacionais. No último censo, de 2009, foram 83.286 indianos e 81.447 visitantes de outras nacionalidades13. Enquanto um número igual de turistas nacionais e internacionais visitam Khajuraho, estes ficam mais do que os anteriores 2,9 e 4,1 dias, respectivamente. Isso leva à conclusão de que os turistas internacionais estão mais confortáveis ​​no ambiente sexualmente carregado de Khajuraho.

24Nas últimas duas décadas, como resultado de uma crescente indústria do turismo, a aldeia local, que era intocada pelo frenesi turístico até recentemente, mudou visivelmente. A economia primária da cidade mudou da agricultura para o turismo. Mais de 3.000 novos empregos foram gerados no último ano. A maioria dos empregos formalizados são empregos não qualificados no setor de alimentos e bebidas, enquanto 35% dos outros são relacionados ao turismo. (Menon, 1993). Na última década, foram inaugurados oito hotéis de 5 estrelas (com duas cadeias hoteleiras internacionais) e inúmeros hotéis de 3 estrelas. Mas a maioria dos turistas domésticos ainda permanecem em hotéis locais.

Figura 8: Chaveiros vendidos como souvenirs em torno do templode Khajuraho

Figura 8: Chaveiros vendidos como souvenirs em torno do templode Khajuraho

Foto do Autor.

25Enquanto a erotização do sítio e o turismo subsequente melhoraram bastante a economia local, os artesãos locais foram prejudicados. A manufatura de esculturas de madeira e latão foi o artesanato típico da população local durante décadas. Mas com um número crescente de turistas, as réplicas de produção em massa, mais baratas, inundaram o mercado, substituindo rapidamente as esculturas artesanais requintadas e caras. O lucro dos artesãos locais reduziu drasticamente à medida que as lembranças produzidas em massa, como cartões postais, ímãs, chaveiros e esculturas, são vendidas no aeroporto de Khajuraho e nas lojas elegantes dos hotéis cinco estrelas. Como o artesanato autêntico não é oferecido nesses mercados, o sustento desses artesãos é precário.

26Como MacCannell escreve, "o mercado de souvenir e, por extensão toda a estrutura da realidade cotidiana no mundo moderno depende da perpetuação da autenticidade das atrações que não estão à venda. "(MacCannell, 1976). Embora a emoção de ver imagens sexuais em público é difícil de replicar em uma sociedade indiana, os turistas, no entanto, procuram levar com eles uma parte dessa extravagância sexual como uma lembrança. A grande maioria das lembranças vendidas em Khajuraho são de natureza erótica. Estes incluem os cartões postais cintilantes, réplicas de esculturas de pequena escala e chaveiros de cenas sexuais que se movem de maneiras interessantes. Essas lembrancinhas são geralmente compradas por homens indianos e turistas estrangeiros como uma "emoção barata". Ao redor do complexo de Khajuraho, os adolescentes que vendem souvenirs estão frequentemente rindo e chamando a atenção dos turistas, especialmente os estrangeiros. Para aqueles que acham estranho comprar esses souvenirs pré-fabricados, eles sempre podem tirar fotos das esculturas sensuais.

Olhar, gênero e sexo:

Olhar

27Vários estudiosos do turismo afirmam que o olhar é a atividade turística mais importante. Como Urry (1992) explica, "sítios" se tornaram "pontos turísticos", quando não estão mais em uso, mas sim apenas vistos e promovidos. Enquanto "ver" é a atividade física de olhar objetos, a "visão" é uma maneira culturalmente aprendida. A teoria dos "marcadores" de MacCannell (1973) mostra como os sítios que dificilmente eram visitados foram transformados em "pontos turísticos" através dos marcadores do turismo. Em Khajuraho, as placas estão claramente marcadas no gramado bem-equipado que circunda os templos. Em intervalos regulares, os cartazes dão uma breve visão geral das esculturas e seu significado. Enquanto a maioria dos turistas permanece dentro deste complexo turístico designado, apenas os empreendimentos turísticos com inclinações étnicas para as misteriosas ruas e pátios da aldeia local - um lugar que muitas vezes não é mencionado em livros de turismo - procurando autenticidade em um lugar que MacCannell chama de "bastidores". Hoje, Khajuraho tornou-se tão sinônimo de imagens eróticas explícitas, de tal forma que, no léxico popular, muitas vezes é referido como o "templo do Kamasutra".

Figura : “Espiando Toms” presentena escultura Mithunana plataformado Templo Lakshmana, Cortesia:

Figura : “Espiando Toms” presentena escultura Mithunana plataformado Templo Lakshmana, Cortesia:

UniversidadedaBiblioteca de Washington, Coleção Especial

28Analisar a forma como o erotismo é percebido e reconhecido no âmbito sociocultural do turismo, é fundamental para entender por que os turistas visitam esta cidade remota. "É interessante o que os turistas esperam desta visita para uma cidade de outra forma desolada, pois é uma proposta cara e um longo caminho a percorrer para uma emoção barata!", escreve o geógrafo Geoffrey Wall (1984). O olhar do turista sugere que a experiência turística envolve uma maneira particular de "ver". Os turistas apenas veem o que foram convidados a ver e partir logo depois, sem mais interesse na cena local.

29Em Khajuraho, os turistas são basicamente voyeurs, mas em um espaço público. Laura Mulvey (1989) definiu o voyeurismo como uma objetificação da mulher como objeto de estimulação sexual através da visão. Em várias das esculturas, homens e mulheres são retratados como observando outros casais em várias posições sexuais. A presença desses "toms peeping" nos frisos parece ser uma tentativa de convidar aqueles que estão olhando para se juntar a eles em um voyeurismo coletivo. O outro tipo de "olhar unidirecional" que é onipresente neste sítio, é sua luta com a tensão sexual, é o que Mulvey chama de "olhar masculino". O olhar masculino ocorre, de acordo com Mulvey, quando a câmera se concentra do ponto de vista de um homem heterossexual sobre uma mulher, mostrando-a como um objeto erótico para ambos os personagens dentro do ato e fora dos espectadores (Mulvey, 1989). Em Khajuraho, grande parte da imagem erótica é retratada do ponto de vista de um homem heterossexual - consistente com a natureza patriarcal da sociedade indiana e o domínio dos escultores masculinos na sociedade medieval. As mulheres turistas, especialmente as estrangeiras, muitas vezes se encontram como objetos do olhar masculino. Ao olhar para as mulheres estrangeiras é um fenômeno comumente notado em toda a Índia, nos templos de Khajuraho, ele toma uma nova dimensão devido ao contexto distinto em que ele ocorre.

Gênero

Figura 8: Grupos demulheres caminha em torno das esculturas

Figura 8: Grupos demulheres caminha em torno das esculturas

Ricardo Hurtubia, 2010, Uso sob Creative Commons Attribution 2.0

30O gênero é compreendido de forma diferente em todas as sociedades. Sociólogos explicam que o gênero é socialmente construído e culturalmente aprendido. Na sociedade indiana conservadora, a visão explícita de imagens sexuais públicas ainda pertence ao domínio masculino. Os homens indianos, em Khajuraho, se transformam em flâneurs vagando sozinhos com suas câmeras. As estatísticas indicam uma proporção distorcida entre os visitantes do sexo masculino e feminino para Khajuraho. 75% de todos os turistas em Khajuraho são homens. Curiosamente, cerca de 60% de todos os visitantes parecem estar na faixa etária de 26 a 40 (Menon, 1993). Mesmo que várias famílias visitem Khajuraho, a visão mista é desaprovada, uma vez que uma mulher indiana deve ser casta e sexualmente reservada. Para encontrar um equilíbrio nesta situação delicada, as famílias frequentemente invadem grupos homogêneos de gênero. À medida que os homens andam sozinhos, as mulheres se agrupam e fazem rápidos tours, olhando cautelosamente para ver rapidamente as esculturas e depois seguir em frente.

31Enquanto os ocidentais procuram "alteridade" nesses templos antigos, e buscam o "passado e o exótico", a juventude local vê de maneira exótica a mulher estrangeira, especialmente a mulher de pele clara. No contexto das esculturas sexuais, uma mulher estrangeira aparece não apenas exótica, mas também erótica. Várias turistas estrangeiras mencionam que se sentem incomodadas com o olhar dos homens locais que as seguem incessantemente. A G Krishna Menon (1993), em seu extenso estudo de campo em Khajuraho, observa: "É comum ver grupos de jovens que se deslocam, rindo de forma debochada e seguindo insistentemente turistas estrangeiras. No entanto, seu comportamento não parece agressivo ou ameaçador ".

Sexo

32Os turistas, que não querem comprar souvenirs, procuram por encontros com mulheres locais, muitas vezes facilitados pelos guias turísticos. A prostituição clandestina é desenfreada nas localidades vizinhas a área turística e nas estradas que conduzem à cidade. Em partes da rodovia nacional, rodovias nacionais 31 e 39 especificamente, que conecta Khajuraho com a maioria das outras rotas turísticas ativas no estado, há prostitutas à espera de clientes. Esta prática é tão comum que as mulheres que rotineiramente prestam esses serviços tanto a turistas estrangeiros como a turistas domésticos são chamadas de "cortesãs da estrada". Mystelle Brabbee lançou luz sobre o estado das "cortesãs da estrada" pela primeira vez em seu documentário de 2005 com o mesmo nome. Curiosamente, a maioria das mulheres que prestam esses serviços pertence a uma única tribo - a comunidade Bedia. Essa tribo pratica a prostituição como uma tradição. A primeira filha da família é inserida no mercado da prostituição pelos membros masculinos de sua família - pais e irmãos - que atuam como facilitadores que trazem homens interessados ​​para suas casas. Como as filhas da tribo seguem a prostituição como sua tradição, os filhos são desencorajados de se casar dentro de sua tribo. Os homens da comunidade Bedia costumam se casar com mulheres de comunidades vizinhas que não são prostitutas, elas são obrigadas a se casar. Anuja Agarwal, em seu livro intitulado "Casta de Esposa e Irmãs Prostitutas" (2008), documenta extensivamente os costumes e as tradições da prostituição seguidas por essa tribo.

33Enquanto durante décadas, essas garotas se espalhavam pelas rodovias perto de seu assentamento, recentemente elas passaram a viajar para cidades maiores, como Mumbai e Dubai, como uma verdadeira profissão. Aqui, é importante distinguir a tradição da comunidade Bedia com o sistema Devadasi que é em grande parte ausente hoje na Índia moderna. O Devadasi era uma prática no século VI DC na Índia e atingiu seu ápice na Índia medieval - coincidindo com o período de construção dos templos Khajuraho. Devadasis eram tipicamente mulheres jovens que eram treinadas em formas de arte clássicas e eram simbolicamente casadas com deidades hindus. Esperava-se que realizassem certos deveres religiosos, além de realizar o prazer dos reis e dos senhores feudais. Essas mulheres usavam toda a parafernália indicativa de uma mulher casada, deveriam ser bem versados ​​nas artes clássicas, e muitas vezes viviam sob o patrocínio de um único proprietário rico ou de um rei particular. O documentário de Brabbee segue a vida de Guddi, de 16 anos, enquanto navega pelas pressões sociais que a obrigam a prostituição. Embora há muitas décadas atrás, essas garotas cresciam e eram respeitadas como cortesãs pois serviam a realeza, mas, como descobre Brabbee, atualmente elas atendem principalmente a uma linha aparentemente interminável de caminhoneiros rodoviários e alguns turistas que procuram uma aventura sexual acompanhada por seus guias turísticos. Ao contrário das Devadasis tradicionais, Agarwal também observa que as mulheres de Bedia praticam a prostituição muito mais facilmente, mais como uma profissão do que como uma tradição institucionalizada.

Conclusão

34Dado a ocidentalização da sociedade indiana em geral e o rápido aumento do turismo para Khajuraho em particular, é fascinante especular sobre o caminho que Khajuraho pode tomar como destino turístico. Pensar sobre o futuro de Khajuraho traz à mente a cidade com monumentos sexuais de Lijiang, na China, onde milhões de visitantes vão a cidade, principalmente para "observar as pessoas". Lijiang tem uma história de 800 anos descendente da Dinastia Song. A música antiga Nakhi e os modernos bares são os dois componentes importantes da vida noturna de Lijiang (N. Graburn e outros, 2002). Enquanto a cidade antiga está movimentada com turistas em busca de autenticidade durante o dia, a cidade se transforma em uma "rua bar" à noite. Lijiang exemplifica a aproximação do turismo patrimonial e do turismo sexual de maneira sem precedentes. Enquanto em Khajuraho consolida como um amálgama perfeito de religião, tradição e cultura apoiada por uma vida noturna ativa, o contexto político e social conservador procura minimizar a erotização do sítio.

35Com isso, argumento que Khajuraho é um sítio de turismo construído. Enquanto a maioria dos templos na Índia são considerados locais sagrados para peregrinar e adorar, Khajuraho é um sítio para o erotismo e o desejo sexual. A emoção de ver publicamente esculturas sexualmente explícitas em uma sociedade conservadora é uma forte idiossincrasia. Curiosamente, como o templo de Kamasutra, Khajuraho recebe a mesma atenção, tanto como a vergonha quanto como o orgulho da Índia. Se as esculturas cintilantes visam surpreender e chocar as pessoas, ou foram construídas como um campo de jogos pornográfico para os flaneurs medievais para contemplar o erotismo, ou como uma ferramenta para treinar a mente para não se perturbar em um templo sagrado. Seja qual for o propósito pretendido, hoje sua presença apenas torna exótico o sítio para os turistas. Se as esculturas são consideradas como "marcadores" deste sítio turístico, então, como MacCannell (1976) diz, talvez os turistas modernos possam ser pensados ​​como fazendo uma peregrinação às esculturas eróticas. Visitando um sítio remoto e altamente erotizado como Khajuraho, apesar disso sendo um templo hindu, resulta em um comportamento turístico distinto que não é característico para os sítios turísticos indianos. Em Khajuraho, afirmo que todos os turistas independentemente de suas nacionalidades são estrangeiros.

Haut de page

Bibliographie

Agrawal, A., 2008, Chaste Wives and Prostitute Sisters: Patriarchy and Prostitution among the Bedias of India, Routledge India.

Allen, J. S., 1999, "The Mystery of the Smiling Elephant: In the Erotic Temples of Khajuraho", The Georgia Review, 53 (2), 321–40.

Bastia, B. K., 2006, "Socio-Cultural Aspect of Sexual Practices and Sexual Offences–An Indian Scenario", Journal of Clinical Forensic Medicine, 13 (4), 208–10.

Benjamin, W., 1935, Paris, the Capital of the Nineteenth Century, 3-13

Bhatia, A. K., 1978, Tourism in India: History and Development. International tourism: fundamentals and practices, Sterling publishers, Chicago

China Daily, 2014, "Greetings from Lijiang, City of Love", China Daily, 26, 5.

Cunningham, Sir Alexander, 1871, Four Reports Made During the Years, 1862-63-64-65, Government Central Press.

Desai, D. 1975, Erotic Sculpture of India: A Socio-Cultural Study, Tata McGraw-Hill.

Desai, D., 1984, "Placement and Significance of Erotic Sculptures at Khajuraho", Discourses on Śiva, Bombay: Vakils, Feffer & Simons Ltd.

Desai, D., 2000, Khajuraho, Oxford University Press.

Dorfles, G.; McHale J., 1969, Kitsch: The World of Bad Taste, Bell Publishing Company.

Graburn, N., 1983, "To pray, pay and play: the cultural structure of Japanese domestic tourism", Les Cahiers du tourisme, 26.

Graburn, N., 1977, "Tourism: The Sacred Journey", In Hosts and Guests: The Anthropology of Tourism, Philadelphia: University of Pennsylvania Press, 17-31.

Hegewald, J. A. B.; Subrata K. M., 2008, "Jagannatha Compared:The Politics of Appropriation, Re-Use and Regional Traditions in India", Working paper, January.

Ichaporia, N., 1983, "Tourism at Khajuraho an Indian Enigma?", Annals of Tourism Research, The Anthropology of Tourism, 10 (1), 75-92.

Asiatic Society (Kolkata India), 1838, Journal of the Asiatic Society of Bengal.

Keay, J., 2011, India: A History. Revised and Updated, Grove/Atlantic.

Lipsey, R., 1979, "Coomaraswamy I: Selected Papers--Traditional Art & Symbolism", Philosophy East and West , 29 (3), (Jul., 1979), 347-356

MacCannell, D., 1973, "Staged Authenticity: Arrangements of Social Space in Tourist Settings", American Journal of Sociology, 79 (3), 589–603.

MacCannell, D., 2013, The Tourist: A New Theory of the Leisure Class, University of California Press.

Menon, A. K., 1993, Case Study on the Effects of Tourism on Culture and the Environment: India, Jaisalmer, Khajuraho and Goa, UNESCO.

Mitra, S. K., 1977, Early Rulers of Khajuraho, Motilal Banarsidass Publ.

Mitter, P., 1992, Much Maligned Monsters: A History of European Reactions to Indian Art, University of Chicago Press.

Mulvey, L., 1989, "Visual Pleasure and Narrative Cinema", Visual and Other Pleasures, Springer, 14-26.

Mumford, J., 2003, Ecstasy through Tantra, Llewellyn Publications.

Punja, S., 1992, Divine Ecstasy: The Story of Khajuraho, Viking by Penguin Books India.

Punja, S., 2010, Khajuraho: The First Thousand Years, Penguin UK.

Rabe, M., 1996, "Sexual Imagery on the" Phantasmagorical Castles" at Khajuraho", International Journal of Tantric Studies, 2 (2).

Singh, R. P., 2009, Khajuraho, where stone speaks: heritagescape. Cosmic order and cultural astronomy: sacred cities of India, Newcastle Upon Tyne: Cambridge Scholars Publishing, 49-78.

Urry, J., 1992, "The Tourist Gaze ‘Revisited", American Behavioral Scientist, 36 (2),172–186.

Wall, G., 1984, "Khajuraho: Recollections and Ruminations: Comment on Ichaporia’s Paper", Annals of Tourism Research, 11 (3), 511–513.

White, D. G., 2003, Kiss of the Yogini: “Tantric Sex”, in Its South Asian Contexts, University of Chicago Press.

Zhu, Y., 2012, "When the global meets the local in tourism- cultural performances in Lijiang as case studies", Journal of China Tourism Research, 8(3), 302-319.

Haut de page

Notes

1 O estado onde o templo de Khajuraho está localizado se situa no região centralda Índia.

2 Menon (1993).

3 O ídolo da Deusa Shiva, considerado por alguns como um falo ereto simbólico.

4 Um selo comemorativo usado em 6 de Março, 1999, na celebração dos mil anos do templo de Khajuraho. http://www.istampgallery.com/khajuraho-millennium/

5 https://www.architecturaldigest.in/content/a-new-coffee-table-book-celebrates-khajurahos-temple-complex/

6 http://www.incredibleindia.org/

7 Inacreditável! Índia Caderno do Governo de Madhya Pradesh, 71 páginas, e o informações sobre o turismo do sítio de Khajuraho.

8 Millennium at Khajurahohttp://www.frontline.in/static/html/fl1607/16070710.htm

9 As per 2011 Census of India (the latest census available): http://www.census2011.co.in/data/town/802141-khajuraho.html

10 http://indianexpress.com/article/india/india-news-india/in-khajuraho-foreign-tourist-footfall-decreases-2784930/

11 http://www.livemint.com/Politics/V7LYZ50788KVI2BXL9qVAI/How-the-Taj-Mahal-and-Agra-define-Indian-tourism.html

12 http://www.dailypioneer.com/state-editions/bhopal/soon-intl-flights-will-land-at-khajuraho-cm.html

13 Relatório Estatístico Anual do Turismo Doméstico no estado de Madhya Pradesh, 2003. http://tourism.gov.in/sites/default/files/Other/MP%20Tourism%20-%20Annual%20Report%20Tourism%20Survey%20for%20the%20State%20of%20M%20P%202013.pdf

Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura : Esculturas no Templo de Kandariyo Mahadev.
Crédits Rajan Atrawalkar/Wikimedia /Domínio Público
URL http://journals.openedition.org/viatourism/docannexe/image/1807/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 164k
Titre Figura : Mapa de Khajuraho mostrando os templos do Leste e do Oeste
URL http://journals.openedition.org/viatourism/docannexe/image/1807/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 56k
Titre Figura :
Légende Esquerda: O ídolo da Deusa Shiva (Lingam) dentro do Templo de Matangeshwar, Khajuraho.Direita: Sanctum Santorum no templo de Jagadambi.
URL http://journals.openedition.org/viatourism/docannexe/image/1807/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 136k
Titre Figura : Rei Kirtivarman Chandela visita o templo de Khajurahu
Crédits História das Nações de Hutchinson / Domínio Público/ Autor Desconhecido
URL http://journals.openedition.org/viatourism/docannexe/image/1807/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 80k
Titre Figura : Placa de informações para os visitantes em frente ao complexo de templos de Khajuraho.
Crédits Foto do autor.
URL http://journals.openedition.org/viatourism/docannexe/image/1807/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 64k
Titre Figura : Uma performance de dança em frente ao templo de Khandariya Mahadev.
Crédits Foto do Autor.
URL http://journals.openedition.org/viatourism/docannexe/image/1807/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 60k
Titre Figura 8: Chaveiros vendidos como souvenirs em torno do templode Khajuraho
Crédits Foto do Autor.
URL http://journals.openedition.org/viatourism/docannexe/image/1807/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 52k
Titre Figura : “Espiando Toms” presentena escultura Mithunana plataformado Templo Lakshmana, Cortesia:
Crédits UniversidadedaBiblioteca de Washington, Coleção Especial
URL http://journals.openedition.org/viatourism/docannexe/image/1807/img-8.jpg
Fichier image/jpeg, 44k
Titre Figura 8: Grupos demulheres caminha em torno das esculturas
Crédits Ricardo Hurtubia, 2010, Uso sob Creative Commons Attribution 2.0
URL http://journals.openedition.org/viatourism/docannexe/image/1807/img-9.jpg
Fichier image/jpeg, 116k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Swetha Vijayakumar, « O Sagrado e o Sensual », Via [En ligne], 11-12 | 2017, mis en ligne le 14 mai 2018, consulté le 12 décembre 2018. URL : http://journals.openedition.org/viatourism/1807 ; DOI : 10.4000/viatourism.1807

Haut de page

Auteur

Swetha Vijayakumar

Candidata a PhD, Departmento de Arquitetura, Universidade da California, Berkeley.

Haut de page

Traducteur

Frederico Couto Marinho

Professor de Sociologia, Universidade Federal de Minas Gerais.

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Via Tourism Review est mis à disposition selon les termes de la Licence Creative Commons Attribution - Pas d'Utilisation Commerciale - Pas de Modification 4.0 International.

Haut de page
  • OpenEdition Journals